Sword Art Online Alicization – Awakening – Capítulo 21 – Parte 4.1

Arco: Sword Art Online Alicization Underword – Awakening

Sword Art Online Alicization Underworld Mapa - Awakening

Parte 4

Koujiro Rinko correu de volta à sala de controle secundária e sentou-se na cadeira que Higa estava anteriormente.

Umas quantas telas de programas estavam abertas no grande monitor em sua frente, porém, a primeira coisa que ela olhou foi a pequena janela na parte inferior. Ela mostrava um gráfico tridimensional que representava o estado atual do Fluctlight de Kirigaya Kazuto.

E no centro dos vários espectros de luzes que variavam de intensidade, havia uma mancha escura que representava o ‘defeito’ principal do corpo do jovem.

Neste instante, Higa Takeru estava controlando quatro unidades STL, preparando-se para reparar esse defeito utilizando as lembranças das mentes das três garotas que tinham relações profundas com Kazuto. Para fazer isso, ele havia conseguido escapulir-se para o eixo inferior do Ocean Turtle que estava lotado de inimigos. Sendo mais específico, não apenas Higa, mas outro também estava se arriscando.

Os atacantes estavam concentrados em atacar Ichiemon, que havia sido colocado nas escadarias como uma isca.

Contudo, mesmo sendo um robô, seu corpo metálico não iria suportar por muito tempo o selvagem ataque dos disparos dos rifles.

Quando Ichiemon caísse, certamente os inimigos iriam começar a se perguntar porque os japoneses tinham feito aquilo.

“Mais rápido Higa!”

Ao dizer isso, a porta do corredor se abriu com um sibilo e um homem vestido com uma camisa havaiana entrou no local.

“Então… como está a situação de Kirito?”

“O Higa está dando início aos procedimentos agora. E como foi com a isca?”

Ao responder sua pergunta com outra pergunta, Kikuoka Seijirou, com a respiração descompassada, ajustou os óculos e falou:

“Jogamos todas as granadas de fumaça que tínhamos atrás de Ichiemon. Isso nos dará um pouco mais de tempo, ele ficarão mais cuidadosos pelo menos até que a fumaça se disperse, contudo, se não selarmos logo a passagem… teremos grandes problemas.”

“Higa disse que precisaria de cinco minutos até os resultados começarem a surgir…”

Rinko cerrou os lábios e ficou observando atentamente o monitor.

O Fluctlight de Kirigaya Kazuto se mantinha inalterado enquanto lembrava-se de um velho ditado que aprendeu na América: ‘A watched pot never boils’, ou em tradução direta, ‘Um pote observado nunca ferve’.

Desse modo, resolveu mover os olhos para o centro do monitor.

Viu o mapa parecido com um mundo de fantasia fictício, ou melhor, era de fato um mapa de um mundo de fantasia fictício, Underworld.

Comparado com o mapa completo do Mundo Humano que tinha visto uns dias atrás logo quando chegou na primeira vez no Ocean Turtle, este agora mostrava uma área muitas vezes maior.

Ao sul de uma cadeia montanhosa em formato circular que enclausurava o Mundo Humano, tinha um sinal luminoso envolto por quatro retângulos unidos entre si em um local que se assemelhava à ruínas. O ponto de luz representava a posição atual de Yuuki Asuna, os pontos azuis era o exército do Mundo Humano e os brancos eram os jogadores japoneses de reforço que agora se mostravam intensamente aglomerados nesse único lugar.

O gigantesco quadrado vermelho que os rodavam era os jogadores americanos quem haviam feito imersão depois que foram aliciados pelos atacantes, ou isso é o que deveria ser, contudo, a escala de quantidade era inacreditavelmente imensa. Seus números facilmente chegavam ser vinte ou trinta vezes maior do que os dos japoneses.

Estava realmente tudo bem? Rinko buscou pelo sinal das outras duas pessoas, que além de Asuna, haviam ingressado ali com as supercontas.

Finalmente encontrou.

Um ponto azul claro estava muito longe, mais ao sul das ruínas, provavelmente era Asada Shino.

Então… onde estava a irmã, Suguha? Rinko começou a varrer o mapa com os olhos até achar um ponto amarelo esverdeado bem afastado, bem ao norte do campo de batalha principal. Também havia inimigos vermelhos perto da garota.

Aquilo tudo era muito estranho, já que se lembra de Higa ter dito que as duas garotas estavam com as coordenadas de Yuuki Asuna. Rinko franziu a testa tentando imaginar qual fora a causa dessa discrepância.

E justo no momento em que tentava organizar seus pensamentos, deu-se conta de outro ponto branco brilhante logo abaixo do ponto que demarcava a localização de Suguha, na verdade, parecia estar cobrindo-a.

“…!?”

Não tinha ninguém do lado do RATH que tivesse feito imersão, então… que diabos era aquele ponto a mais?

Inconscientemente, a mulher moveu o mouse, alinhando-o cuidadosamente o cursor sobre o ponto e clicou uma vez, abrindo em seguida uma nova janela.

Rinko examinou as diminutas letras em inglês.

“Vejamos… Restrição, Índice Confrontacional… Detecção de Limites… Informes…? Mas o que é isso?…”

E quando estava a ponto de dizer: ‘-Não faço a menor ideia!’…

“O quêêê..!!?”

Kikuoka de repente gritou às costas de Rinko, desviando sua atenção da imagem do Fluctlight de Kirigaya Kazuto.

Rinko saltou da cadeira com o susto.

“O-O que foi?”

Porém, Kikuoka não respondeu de imediato, no lugar, pegou o mouse da mão de Rinko e maximizou a janela que ela acabara de abrir.

Após isso, chegou mais perto do monitor e sussurrou apressadamente:

“Isso… sem dúvida!! Esse é outro Fluctlight que rompeu os limites! Mas… porque agora?”

Rinko arregalou os olhos ao encarar Kikuoka que estava coçando a cabeça.

“Como assim?… Quer dizer que é uma segunda A.L.I.C.E. ?”

Kikuoka rapidamente correu pelas informações da janela que tinha dados mais detalhados e começou a sussurrar outra vez.

“…No sentido prático, não é do mesmo potencial que a Alice. Rompeu as limitações de um Fluctlight Artificial sim, mas não foi através de seus sistema de circuito lógico e sim pelo emocional… contudo, essa amostra é de igual importância.

Se ele só ficasse ali parada onde está para que nós… Ah droga!…

Mover ele para o sul também seria problemático e aquele grupo já está bem próximo…”

Rinko pegou o mouse outra vez das mãos do angustiado Kikuoka e ficou observando o registro detalhado da timeline do Fluctlight Artificial no momento em que seus limites foram superados.

“Hum… sim, um novo nodo foi gerado na estrutura por uma reação em cadeia em sua zona emocional e… hã? Olhe isso Kikuoka!”

“O que… o que houve?”

Girando seu corpo de maneira estranha, Kikuoka jogou-se para frente e esticou o pescoço para olhar o monitor.

“O que é esse comando externo anexado aqui? Posso estar falando bobagem mas… está muito fora de contexto… tão fora do padrão que parece ter sido enxertado justamente para interromper o circuito.”

Rinko apertou os olhos, examinando o código impresso em letra minúscula.

“Implante de dor simulada… no domínio visual direito? Mas então, se um Fluctlight Artificial passar por todo esse enorme esforço com intuito a romper seus limites, será tomado por uma dor intensa no processo… vocês deliberadamente colocaram uma restrição ridícula dessas nos residentes de Underworld? O que estavam pensando quando decidiram esse implementar um negócio desses?”

“Não… não… nós não fizemos isso. Não havia porque fazer tal coisa, pois vai exatamente contra nossos objetivos nesse projeto… Isso, obviamente é de fato uma obstrução, uma sabotagem.”

“Hum… faz sentido. Além disso, o padrão desse código não é igual ao de Higa…

Ah! E também, tem esse comentário aqui…

Code 871? O que significa esse 871?”

“871? Nunca ouvi algo sobre esse número…

Espere! Não… isso… isso… eu vi e não faz muito tempo…”

Kikuoka começou a se mover de um lado para o outro, arrastando os chinelos.

Até lançar-se em uma cadeira próxima onde pegou um jaleco branco que estava no encosto da mesma, o abriu e ficou observando a etiqueta em seu colarinho.

“Ei! O que deu em você?”

Rinko aproximou-se de Kikuoka, que olhando por cima da armação de seus óculos, alcançou o jaleco com o colarinho aberto, convidando-a para olhar sua etiqueta.

Ali, claramente estava escrito em caneta permanente preta os números [871].

“Esse jaleco pertence… ao pesquisador chamado Yanai que está neste momento acompanhando Higa…”

Rinko sussurrou o nome daquele homem até que…

Yanai… YA NA I[1]… Decompondo aquele nome em japonês em numeral para contagem e pegando suas iniciais … ficava… 8 7 1.

“…8 7 1 !!?”

Rinko e Kikuoka gritaram ao mesmo tempo.

***

O líder da Guilda dos Lutadores, Iskhan, estava observando a legião vermelha acercar-se através de seu olho esquerdo.

Depois do círculo diminuir para um raio aproximado de vinte mels em na volta, aqueles soldados que falavam uma língua estranha, aparentemente confirmando que os lutadores haviam esgotado completamente seu ímpeto entreolharam-se de maneira afirmativa.

Percebendo que nada mais os pararia, começaram a gritar enlouquecidamente enquanto saltavam para frente.

Mesmo com a mão esquerda destroçada, Iskhan puxou para junto de si a Integrity Knight que estava sentada ao seu lado. Ela imediatamente agarrou firme seu punho, o que causou ao invés de uma dor terrível, uma sensação tranquilizante, restaurando mesmo que por breves instantes sua força.

O guerreiro baixou a cabeça e no momento em que fechava seu olho para aceitar o final…

“…O que é aquilo?”

A voz de Sheeta o impeliu a olhar para frente.

Viu um grande grupo de soldados vindo em sua direção do outro lado do vale, ao norte do campo de batalha. Vinham em disparada levantando uma enorme quantidade de pó enquanto o chão retumbava.

Possuíam avantajado porte físico, gordos e muito largos que os faziam andar encurvados com suas orelhas caídas balançando ao ritmo de sua marcha acelerada.

Orcs.

“…Porque!?”

Iskhan sussurrou sem compreender.

Após receber as ordens do Imperador Vector de permanecerem na entrada do Grande Portal do Leste, estes, todavia deveriam estar aguardando novos comandos, jamais saindo do lugar.

E levando em consideração que o imperador estava desaparecido, essa ordem nunca seria quebrada. De fato, os Dark Knights restantes também deveriam estar na mesma situação, aguardando ordens do outro extremo do vale, muito longe do local do combate.

Confuso, Iskhan ficou olhando o possante batalhão dos orcs se aproximando até notar uma pequena, diminuta figura humana correndo na linha de frente.

Obviamente, não se tratava de um orc.

Seus cabelos loiros, sob um tecido de matiz verde, pareciam flutuar ao vento, acompanhado de extremidades cobertas por uma manto branco que parecia ter brilho próprio.

Sem dúvidas, era uma jovem do Mundo Humano.

Mas porque essa pessoa, que aparentava uma grande fragilidade estava vestida como uma espadachim e ainda por cima, parecia estar liderando o contingente orc?

Indicando que perceberam o avanço dessa inusitada tropa, os soldados vermelhos que rodeavam os Lutadores, interromperam seu assalto e ficaram sem ação.

Uma luz extremamente forte explodiu.

Ela veio da pequena garota que habilmente havia sacado sua katana prateada.

Nesse mesmo instante, a mão direita de Sheeta, que segurava a mão de Iskhan, tremeu com violência, como que tivesse sentido algo.

A garota humana investiu em direção ao centro da formação inimiga com sua katana erguida mesmo estando há duzentos mels de distância dos soldados vermelhos.

E nesse momento…

A espada e as mãos da humana viraram um borrão prateado. Até mesmo para Iskhan foi impossível captar o momento do corte.

Um clarão de luz prateada tão forte e rápido que mal durou um abrir e fechar de olhos, contudo, seu resultado foi aterrador.

Um raio resplandecente como um bloco luminoso maciço caiu sobre o solo escuro, levando em seu caminho dezenas de soldados vermelhos que estavam em seu raio de ação.

Todos que foram atingidos pelo golpe evaporaram sem deixar rastro e aos que estavam à volta, acabaram sendo jogados para longe como bonecos de pano ao receber as ondas de impacto calcinante. A esses, restaram apenas gritos de dor e pavor.

A katana que havia cortado de cima a baixo, fez um novo corte no sentido contrário sem dar aos guerreiros rubros tempo de registrar os danos do primeiro ataque.

Com uma velocidade inacreditável, o segundo raio penetrou sem encontrar obstáculos o meio do ajuntamento dos guerreiros inimigos, partindo-os em dois ou evaporando corpos e armaduras.

“…Que força!”

Sheeta sussurrou quase inaudível.

***

Sem um momento de hesitação, Sinon levantou sua amada arma, o Hecate II, que surgiu da transformação do Arco de Solus.

Ela se encontrava a aproximadamente 20 metros do Subtilizer. Demasiadamente perto para um rifle sniper daquele calibre. Mesmo o ato de tentar bloquear os movimentos do inimigo se tornava algo difícil neste cenário.

Ciente desse fato, Sinon decidiu terminar com aquela batalha antes mesmo que Subtilizer esboçasse qualquer movimento.

Apertou o gatilho precisamente no instante em que viu uma enorme sombra negra que cresceu em sua mira.

Um clarão.

Um rugido explosivo.

Sentiu um poderoso coice em seu corpo flutuante devido ao recuo.

Rapidamente Sinon tratou de se ajeitar para sua posição inicial usando toda a força disponível para controlar os giros que dava em pleno ar.

Aquilo seria um problema, pois a cada tiro, por estar no ar, se moveria para trás rodopiando, dando a chance de um contra ataque.

Sabia que era impossível efetuar disparos contínuos, contudo, se tivesse acertado seu alvo, essas preocupações não existiriam e tudo terminaria.

Com dificuldade, Sinon estabilizou seu corpo e mirou novamente para onde estava Subtilizer.

Arregalou os olhos com surpresa.

O homem estava parado sobre as costas daquela estranha criatura alada com a mão levantada com os cinco dedos curvados como uma garra.

Na palma, estava um redemoinho de escuridão e luz, girando violentamente. No centro daquilo, uma pequena partícula brilhante que Sinon reconheceu imediatamente como sendo o projétil que havia disparado.

Em outras palavras, ele podia absorver a bala tal como havia absorvido a consciência de Sinon…

Aquilo realmente estava acontecendo?

Um projétil capaz de perfurar uma placa de aço de dois centímetros disparada de um rifle de alta potência e calibre…

Um medo instantâneo surgiu no coração da garota.

E não apenas ele havia segurado aquilo com a mão nua como agora aquele vórtice de escuridão parecia muito mais violento do que antes.

“Não perca…”

Sinon rangeu os dentes, respirou fundo e gritou:

“NÃO PERCA, HECATE!!”

BANG!!

Com um som poderoso, a luz penetrou a escuridão.

Um enorme buraco foi criado na palma da mão esquerda de Subtilizer.

A carne e sangue explodiram no ar.

“Eu consigo!!”

Sinon respirou fundo novamente, puxou o ferrolho do Hecate II para liberar o cartucho do projétil que ao saltar fora da câmara, brilhou como ouro que despencava rumo ao solo enquanto Subtilizer olhava a ferida em sua mão esquerda no mais completo silêncio.

Embora aquele líquido viscoso e negro de instantes atrás estivesse presente novamente rodopiando sobre o buraco em sua palma e que parecia regenerar a carne perdida, não estava sendo uma tarefa muito fácil.

Ele ergueu o rosto, agora desprovido do sorriso e ficou encarando Sinon.

Sua mão direita se moveu habilmente empunhando a besta em sua cintura.

“Hmph…”

A garota expulsou um pouco de ar pelas narinas.

Como uma arminha daquelas poderia competir com um rifle de precisão anti-material…?

Com um som estranho, a besta de repente se contraiu.

As duas extremidades do arco começaram a se dobrar enquanto se expandiam por pelo menos duas vezes mais do que seu tamanho longitudinal sem dar sinal de que iriam parar.

A estrutura de madeira logo começou a adquirir um brilho metálico negro.

Depois de algumas frações de segundos, a mão direita de Subtilizes estava segurando agora também um rifle sniper tão colossal quanto o Hecate.

Sinon reconheceu imediatamente a arma.

O Barrett  XM500.

Igual ao Hecate II, este também disparava balas calibre .50, porém, ele era um rifle anti-material projetado não só para deter combatentes humanos, mas também para causar danos materiais, seja em construções, veículos leves, carros de combate, veículos blindados, eventualmente aeronaves, ou seja, um armamento ainda mais avançado.

O sorriso frio e desdenhoso surgiu mais uma vez nos lábios torcidos de Subtilizer.

“…Vamos lá então!”

Sinon sussurrou enquanto apertava com força o cabo do Hecate II contra seu ombro direito.

***

“Oh não!… V-Você e-está bem?”

As palavras estranhas e preocupadas de Yanai fizeram Higa esquecer momentaneamente sua dor e gritar:

“M-… Mas que porcaria é de pergunta é essa? Foi você que atirou em mim seu desgraçado!!”

“Não, não é isso… eu realmente não queria atirar em você, sério. Não tenho a intenção de lhe matar. Tive que fazer um grande sacrifício para conseguir comprar aquele lindo apartamento na costa oeste… se te matar aqui, terei que viver meus dias com essa culpa em mente. Por isso, veja se não morre para não atrapalhar minha vida, certo?”

Apesar das ações desconcertantes, Higa acabou por compreender que Yanai estava de fato falando sério. Quando percebeu a situação esdrúxula em que se encontrava, uma sensação debilitante começou a brotar de seu peito,lhe fazendo perder a o sentido de tato de suas mãos.

Sabia que estava com problemas sérios e tratou de verificar seu ombro com um medo crescente.

Ao que parecia, a bala tinha ricocheteado em um dos lados do duto e acabou atingindo em algum lugar logo abaixo de sua clavícula.

Higa começou a sentir cada vez menos dor, que dava lugar a um gélido intumescimento que aos poucos se espalhava por todo seu corpo partindo de seu ombro direito.

O abdômen, na lateral da camisa do mesmo lado da ferida estava empapado de um líquido vermelho escuro.

Não parecia ser um simples ferimento.

O medo pela situação atual e o que poderia acontecer logo mais começou a corroer Higa por dentro, fazendo seu estômago se revirar, deixando-o com a respiração descompassada.

Alguns metros acima de sua cabeça, nos degraus da escadinha, Yanai seguia tagarelando com um olhar indiferente.

“Para ser honesto, só queria te atrapalhar, senhor Higa. Infelizmente as coisas ficaram assim…

Minha ideia é destruir a caixa de conectores, escapar para a sala de controle principal logo abaixo e por fim escapar no submarino.

Ninguém do RATH será morto e com o sucesso da operação de extração de Alice eu não me complico e todos ficariam felizes.”

“Ninguém… será morto?”

Higa perguntou, esquecendo sua dor outra vez.

“…Se eu não conseguir aproveitar essa chance para curar Kirigaya, sua consciência se perderá para sempre. Dessa forma, a pessoa que matará essa alma é você, Yanai!!

Não entendeu ainda? Você vai matar esse rapaz…!

E como fica agora? Não disse que não quer ser um assassino?”

“Aahh…ah… bem…!”

O rosto de Yanai ficou mais pálido do que o normal.

Sob a pouca iluminação alaranjadas de emergência, sua bochecha com a barba por fazer tremeu um par de vezes.

“Humm… ah… que se dane! Quem se importa se esse moleque morrer?”

“O quê….!?”

“Isso mesmo! Afinal, foi ele que matou a minha menina mais adorada, minha queria Adminzinha.”

“Admin… zinha!?”

Yanai olhou para Higa que visivelmente estava confuso por não reconhecer aquele nome.

“Você é burro? Estou falando de sua eminência, a Alto Ministro Administrator da Igreja Axiom!

Tinha lhe prometido que faria todo o possível para ajudá-la a estabelecer um domínio total sobre Underworld. Combinei com ela que guardaria cuidadosamente seu Light Cube caso o servidor fosse formatado.”

Os olhos de Higa quase saltaram do rosto.

A igreja Axiom era a organização que reinava sobre o Mundo Humano em Underworld. Mantinha o controle total sobre a população por meio de leis extremamente rígidas, assim como através de uma poderosa força militar.

A razão pela qual Higa não havia conseguido obter o Fluctlight perfeito, a manifestação que superava todos os limites, Alice, em seu devido tempo quando havia surgido a primeira vez em Underworld era por causa do tempo acelerado e também porque a igreja Axiom havia rapidamente capturado a garota, aplicando uma modificação em sua memória, em seu próprio Fluctlight.

Sim, todos aqueles movimentos foram rápidos demais, com métodos extremamente certeiros e efetivos.

Era como se eles estivessem completamente conscientes de que eram Fluctlight Artificiais.

Contudo, a verdade era precisamente essa. A Igreja Axiom, ou pelo menos a sua integrante mais poderosa, o Fluctlight Artificial conhecido como Administrator, que tinha efetuado tudo isso. Esse ser de alguma maneira compreendia completamente seu papel e estrutura daquele mundo… porque…

“… Foi você que corrompeu Underworld?”

Gemeu Higa enquanto Yanai mostrava um sorriso torto, movendo os lábios em uma careta exagerada.

“NNNNãão!! Na verdade aquela criança que me contatou primeiro.

Lá estava eu, tranquilamente trabalhando quando de repente ouvi uma voz fininha vindo do auto falante. Quase me borrei de susto…

Ela tinha descoberto toda a lista de comandos de Underworld por sua própria força de vontade. Dessa forma, conseguiu abrir um canal de comunicação com o exterior.

Sendo sincero, o único culpado nisso tudo é você por esquecer de eliminar o comando que mostrava a lista, senhor Higa.”

Com os dentes amarelado, Higa soltou um risinho.

“Nenhehehe!!”

Ficou rindo como que estivesse lembrando-se de algo e logo seu olhar se perdeu distraído.

“Não queria que aquilo terminasse, pois do jeito que estava, Underworld poderia ser formatado a qualquer momento. Mas também, percebi que não importava muito, que tudo iria para o espaço de um jeito ou de outro.

Então, secretamente usei um dos STLs para entrar e ver minha querida Adminzinha…

E minha nossa!! Nunca tinha visto uma garota tão linda. As crianças que o senhor Sugou trancou em ALO eram bastante bonitos, mas nada comparado a ela.

Sua personalidade, voz e maneira de ser… tudo aquilo me arrebatou…

E acabou que aquela lindeza me fez uma incrível promessa. Se eu a ajudasse, em troca ela seria minha serva, minha escravinha. E no futuro, reinaria junto comigo no mundo real, me transformando em um rei…”

“Não…”

Um ar corrupto e cheio de ganância pareceu explodir daquele homem.

Higa sentia todos seus cabelos se eriçarem por um medo genuíno.

Yanai podia ser um traidor ridículo, mas não era um idiota.

Que tipo de pessoa era essa Adminsitrator para ser capaz de seduzir e controlar alguém tão perigoso quanto ele daquela forma?

E nesse momento, o rosto saudoso de Yanai ficou pálido de novo.

“Mas agora… ela está morta. Assassinada…

Morta por esse moleque maldito que não somente deteve os experimentos do senhor Sugou como também tirou-a de mim… minha deusa Adminzinha. Se pelo menos não puder ajudá-la a se vingar, sua morte terá sido em vão…”

Yanai arregalou os olhos injetados de sangue e apontou a arma novamente para Higa.

As pistolas, após o primeiro disparo, o cão já se posicionava a meio caminho para um próximo tiro, de maneira que a pressão no gatilho caía para menos da metade, sendo muito mais fácil disparar.

“…Sim, está certo… se tenho que indubitavelmente matar, o farei como sacrifício para aquela mulher…”

As pupilas dilatadas de Yanai tremiam enlouquecidamente.

…Merda, ele está falando sério dessa vez.

Higa não tinha mais o que fazer a não ser fechar os olhos instintivamente.

***

Não chegarei a tempo.”

Sentindo à distância que Asuna, Klein e Lisbeth estavam em sérios apuros, Leafa mordia os lábios de apreensão.

Queria chegar até eles de uma vez, porém, quase três mil soldados vermelhos bloqueavam seu caminho.

Ela havia pedido um favor a Rirupirin, que parecia ser o líder da Tribo dos Orcs, se ele poderia ajudá-la como reforço na luta que ocorria ao sul para socorrer Asuna e Kirito.

Contudo, as tropas que haviam localizado primeiramente não eram pertencentes ao Exército de Defesa do Mundo Humano.

De acordo com Rirupirin, as poucas centenas de pessoas que estavam cercadas pela armada rubra que havia feito imersão do Mundo Real eram membros da Guilda dos Lutadores, parceiros dos Orcs desde a aliança feita pelo Exército do Dark Territory.

Leafa ficou surpresa com aquela informação, mas sem perder tempo pensando, decidiu ajudá-los prontamente.

“Atacarei o inimigo sozinha enquanto vocês, Rirupirin, juntem-se aos Lutadores.

Peço que não gastem energias desnecessárias, ataquem somente quem atacar vocês, tudo bem?”

Ante a declaração, Rirupirin protestou:

“Quero lutar também!”

Contudo, Leafa negou veementemente com a cabeça enquanto segurava gentilmente as mãos rugosas do orc, dizendo:

“Não, não quero que mais ninguém dos seus morra. Não se preocupe comigo… nem sequer dezenas de milhares de inimigos desse nível podem me vencer.”

Após dizer essas palavras com um sorriso amável, Leafa se posicionou à frente da legião vermelha.

Ela já sabia que Terraria possuía um nível astronômico de HP assim como poder de regeneração quase ilimitado. O que já era mais do que as pessoas do mundo real a sua frente poderiam lidar. Além do mais, mesmo que os matassem ali, apenas suas existências virtuais pereceriam.

E mesmo que isso prejudicasse sua chegada até Kirito para ajudar seus amigos, Leafa não poderia simplesmente assistir impassível os orcs e os demais habitantes daquele mundo morrer.

Depois de executar dezenas de inimigos com seu ataque inicial à distância, ela havia conseguido romper a formação inimiga bem no centro, onde avançou sem hesitação.

Por alguma razão que desconhecia, havia conseguido ativar as habilidades de sua espada com intervalos inacreditavelmente curtos e com muito mais frequência e rapidez do que quando em ALO, e o mais incrível, sem precisar sequer esperar o carregamento.

Cada vez que a deslumbrante luz saía de seu equipamento da personagem Terraria, a Verduras Anima, tudo em seu caminho explodia em uma poça de sangue, pulverizando qualquer coisa em um padrão radial.

Porém, mesmo com a agilidade acelerada, ainda havia uma pequeníssima pausa entre uma habilidade e outra, que o inimigo tratava de aproveitar. Desse modo, a cada intervalo de suas investidas, uma chuva de incontáveis lâminas cravavam nos espaços entre sua armadura.

Sem dúvida, conseguia evadir-se de grande parte, porém, o volume e número de feridas ainda assim aumentava sem parar, trazendo consigo um turbilhão excruciante de dor que fazia sua cabeça girar e seus olhos perderem o foco…

Entretanto…

“HA…. AAAAHHHHH!!!!”

A garota gritou e pisou fortemente no chão com seu pé direito.

Uma luz verde emergiu de sua sola e instantaneamente a cobriu, curando todas as feridas.

Leafa ainda sentia a dor que insistia em não desaparecer com a mesma velocidade que os ferimentos. Mas incapaz de poder parar para dar tempo ao seu corpo e mente, ela se concentrou como pode em apenas continuar balançando a espada.

Mesmo que cada parte de seu corpo fosse cortada fora, ao menos garantiria que os inimigos voltassem para o mundo real.

Apesar de que suas coordenadas de imersão a tenha feito aterrissar no local dito errado, talvez aquilo tivesse algum propósito no fim.

Que seria assumir o fardo, a responsabilidade de salvar tantos residentes de Underworld quanto fosse possível. Essas mesmas pessoas que Kirito amava e que havia jurado proteger.

She’s such a boss!!

O guerreiro gritou em inglês enquanto avançava em Leafa que usava a mão esquerda para deter sua espada.

“Haiyaah!”

Com um só golpe, partiu-o ao meio.

Leafa segurou a lâmina da espada que estava cravada em sua mão com os dentes e a arrancou com um movimento, cuspindo a arma no chão juntamente com um monte de sangue.

***

Os dois disparos pareciam ter sido feitos ao mesmo tempo.

Projéteis lançados por dois rifles sniper anti-material passaram roçando lado a lado em pleno ar, causando alterações em suas direções que à medida que avançaram, erraram os alvos primários ganhando os céus.

Sinon não perdeu o equilíbrio dessa vez. Ela fez uma base rígida com os pés no ar, suprimindo quase toda a potência do recuo de sua arma.

Diante de seus olhos, Subtilizer também tinha feito algo parecido, permanecendo parado firmemente nas costas de sua estranha criatura alada que batia furiosamente as asas.

Era a primeira vez que Sinon experimentava um espaço tão aberto entre uma batalha de francos atiradores.

Em um jogo, como o GGO, que naturalmente não tinha recursos para voar, ela estaria atirando com seu Hecate apoiado em um bipé, deitada rente ao chão.

A força recebida a cada disparo já constituía certo problema normalmente, mas agora, receber esse mesmo recuo enquanto voava era de fato algo além de suas expectativas.

Logo, essa batalha…

Seria decidida em favor daquele que fosse capaz de controlar o retrocesso, conseguindo efetuar o disparo seguinte antes do seu oponente. Quem fosse mais ágil e preciso, venceria.

Sinon racionalizava isso enquanto puxava o ferrolho, liberando a cápsula vazia da câmara.

Subtilizer certamente pensou a mesma coisa.

Enquanto Sinon voava para a direita, tentando um novo ângulo e recarregando o Hecate, o homem voava para a esquerda para dificultar sua pontaria e também se preparar para o próximo duelo.

Ambos realizavam movimentos ao mesmo tempo, movendo-se em círculos a velocidades incríveis formando um redemoinho.

Sob a condição de não perder o equilíbrio, a garota se movia em ângulos agudos em manobras evasivas para direções arbitrárias enquanto procurava ferrenhamente focar o inimigo com sua mira, tomando o devido cuidado para que ele não a focasse primeiro.

Entretanto, o Barrett apontado de Subtilizer, do nada se moveu a uma velocidade aterradora, como se estivesse magnetizado, predizendo todos os movimentos de Sinon antes mesmo dela os fazer.

“Lá vem…!!”

Sinon cerrou os dentes e arregalou os olhos.

Chamas brotaram do cano do Barrett.

Sinon concentrou-se e voou tão rápido quanto pode enquanto torcia seu corpo para a esquerda.

A bala mortal rugiu próximo ao seu peito suficientemente rápido e poderoso para criar um raio avermelhado nos céus enquanto que em seu caminho queimava a proteção da armadura, fazendo com que o peitoral se partisse ao meio.

É agora!!

Essa era sua primeira e última oportunidade.

Tinha que atirar na brecha que haveria no instante em que Subtilizer se movimentasse para controlar o recuo da arma.

Contudo, no momento em que Sinon estava erguendo seu Hecate….

Percebeu com sua visão aguçada outra bala vindo diretamente para ela.

O tempo pareceu desacelerar.

Tiro consecutivo… como!?

Ah… merda!!

A diferença do Hecate, que necessitava ser corrigido, alinhado e preparado a cada disparo, o Barrett fazia isso sem intervalo, pois era semiautomático.

Quando esse pensamento começou a se formar em seu cérebro, a perna esquerda de Sinon foi arrancada acima do joelho.

Sword Art Online Alicization Underworld Mapa - Awakening

***

Lutando contra a situação desesperadora, permanecendo no campo de batalha até o fim, Asuna seguiu cortando e cortando, protegida por uma superconta sendo auxiliada pelo Integrity Knight Renri, um residente de Underworld e seu dragão. Que por sua vez protegia a espadachim aprendiz Tiezé e a Líder da Guarda Sortiliena, todos balançando suas espadas o mais efetivo possível.

Embora seus olhos excessivamente esgotados latejassem em agonia, Asuna conseguia sentir como o jovem cavaleiro Renri estava lutando valentemente.

Por volta de dez minutos atrás, esse diminuto guerreiro havia surgido nas fileiras da frente e começou a lançar suas lâminas duplas em forma de cruz. Aquelas armas se elevavam no ar e em seu caminho, tanto na ida quanto na volta, perfurava e cortava os inimigos sem dó.

Aquele poder aterrador foi o suficiente para vencer todas as investidas com sucesso por vários minutos. Até mesmo os assaltos mais ferozes dos jogadores dos países vizinhos eram rechaçados sem esforço aparente.

As chamas alaranjadas do dragão ajudavam a incutir um medo extremo nos inimigos, solidificando o status dos Integrity Knights como os verdadeiros cavaleiros dragões de todo Underworld.

Contudo, não demorou muito até os oponentes se darem conta de algo.

Perceberam que no momento em que Renri lançava suas lâminas e as controlava a distância, ele ficava completamente indefeso.

Em sua enésima vez lançando o ataque, no instante em que estava prestes a varrer toda a vanguarda dos soldados vermelhos, incontáveis lanças foram arremessadas da retaguarda inimiga indo em sua direção.

Eles finalmente haviam descoberto a falha e já haviam tratado de contra-atacar com uma tática muito parecida com a que foram usadas durante a batalha contra os norte americanos. Justo o movimento que Asuna mais temia.

As lanças caíram como uma chuva torrencial negra dos céus avermelhados.

O dragão de Renri abriu suas asas e esticou o corpo, protegendo seu mestre da primeira onda de ataques.

Porém, acabou colapsando em seguida no chão, com suas escamas perfuradas, com jorros de sangue explodindo pelos buracos.

Sem tempo para nada, outra chuva de lanças veio.

Renri ergue os olhos para as incontáveis pontas rugindo no ar enquanto seu corpo se movia automaticamente para envolver Tiezé, parada em suas costas, com um abraço, protegendo-a com o corpo.

No instante seguinte, duas lanças se enterraram profundamente nas costas do jovem, forçando-o a cair para frente, sobre Tiezé.

Havendo perdido o controle de suas lâminas em forma de cruz, estas piscaram uma vez, se dividiram no ar e caíram inofensivamente em algum lugar no chão, bem ao longe.

Esse foi o evento que, acompanhando o desenrolar dos outros, encerrava os combates na terra negra…

 

 

 

 

[1] Ya – Inicial do numeral 8 – Yatsu | Na – Inicial do numeral 7 – Nanatsu | I – O próprio kanjo do número 1 – Ichi

 

 

 

 

 

 

 

 

 

OLÁ PESSOAS!

TRAZENDO O PENÚLTIMO CAPÍTULO DESSE VOLUME 17 ONDE TUDO ACONTECE.

TENHO TANTA COISA PARA CONTAR AQUI E NENHUM TEMPO PARA FAZÊ-LO. ESTOU VIRANDO NOITES E NOITES NO HOSPITAL COM MINHA MÃE QUE NÃO TEVE MELHORA ALGUMA, O CHIBI KIRITO ATÉ ME ESTRANHA QUANDO ENTRO EM CASA DE TANTO QUE ESTOU AUSENTE ENTRE OUTRAS COISAS ACONTECENDO, MAS NÃO VOU TORRAR A PACIÊNCIA DE VOCÊS, VAMOS VER O QUE ROLOU NO CAPÍTULO.

 

 

AOS POUCOS VAMOS VENDO FINALMENTE AS PEÇAS SE JUNTANDO.

AQUELE YANAI AINDA É UM PERSONAGEM WHATEVER QUE TENTARAM DAR UMA RELEVÂNCIA. TRAÇANDO UM PARALELO COM O CONTO DE ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS, ESSE PESQUISADOR SE ENCAIXA CERTAMENTE EM QUALQUER PERSONAGEM MALUCO, POIS CADA DIÁLOGO E AÇÃO DELE É MAIS SURTADO QUE O OUTRO…

TEMOS ALGO LEGAL AÍ, QUE É A VISÃO DO LADO DA HISTÓRIA DA QUINELA SOBRE A CONVERSA COM O MUNDO EXTERIOR. DE TODOS ELA FOI PEGAR LOGO O TIOZINHO BIZARRO, IMAGINA SÓ A PORCARIA QUE IRIA ROLAR SE AS COISAS NÃO TIVESSEM INTERFERÊNCIAS?

 

OUTRA COISA BACANA É COMO AS SUPERCONTAS SE MOSTRAM MAIS COMO UMA MALDIÇÃO DO QUE UMA BÊNÇÃO. SENTE SÓ O DRAMA, TERRARIA TEM VIDA QUASE INFINITA, MP INFINITO MAS… TAMBÉM VAI SENTIR DOR INFINITA. O DILEMA DO VAMPIRO, NÃO PODER MORRER E VIRAR A VISÃO DISTORCIDA DE SI MESMO POR CAUSA DO PERÍODO ETERNO DE EXISTÊNCIA, EM OUTRAS PALAVRAS, TORTURA. ACHEI O QUE O TIO REKI DEU UMA BOLA MUITO DENTRO.

 

O RENRI VIRANDO ESPETINHO… HUMMM…. DILIÇA!! CAI FORA PIRRALHO!!

A COISA RUIM É O POBRE DRAGÃO, PROTEGEU O CARINHA PARA NO SEGUNDO SEGUINTE ELE VIRAR PENEIRA. IMAGINEM AÍ O PENSAMENTO DO BICHO.

 

E POR FIM, SINON PERNETA… POBREZINHA. ESSE CARA É MUITO QUEBRADO MESMO!! QUE RIDÍCULO O QUE ELE FEZ, DEU UMA ANGÚSTIA TRADUZIR AQUELA PARTE, FIQUEI RANGENDO OS DENTES DE RAIVA. QUE CARA CHATO.

 

ENFIM, FICA AÍ UMA LIÇÃO NÉ? TODAS AS SUPERCONTAS SÃO INÚTEIS SE NÃO TIVER ALGUÉM COM TALENTO PARA GERIR.

O KIRITOSO SAIU DO LV 1 E DEU UM CHUTA BUNDA NA PELADONA NA RAÇA, IMAGINA COMO ELE VAI VOLTAR? POIS É, DANE-SE PARA ESSAS SUPERCONTAS, O QUE VALE MESMO É QUEM ESTÁ NO COMANDO.

 

E CLARO, DEIXEI AQUELE FINALZINHO MAROTO ALI, SORRY, DESCONTEI EM VOCÊS EHEHEHE (brincadeirinha, a próxima parte vai partir o coração de vocês de uma maneira inimaginável, só os poupei por enquanto 😉 )

 

E ERA ISSO MINHAS PESSOAS, ESTOU MEIO SEM CABEÇA PARA CONVERSAR MUITO HOJE, MAS POR FAVOR COMENTEM, AMANHÃ É OUTRO DIA E CERTAMENTE RESPONDEREI CADA UMA DAS MENSAGENS.

 

O PRÓXIMO CAPÍTULO JÁ ESTÁ EM FASE DE PRODUÇÃO, COM OS AJUSTES NAS IMAGENS DE CAPA E TAL, PRETENDO NÃO ME DEMORAR.

FORTE ABRAÇO!!

 

 

 

 

==== SETOR DA DOAÇÃO ====

Resolvi deixar o canto da doação, pois ainda tenho a hospedagem e tal.

Se alguém quiser dar uma força, ok, se não puder, ok também. Sem problemas minhas pessoas 🙂

 

Valeu pessoas e forte abraço!

 


 

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Estamos também traduzindo Sword Art Online Progressive, não deixem de ler.

Epic Battle, musiquinha para combinar com a leitura dessas batalhas desesperadas.