Sword Art Online Alicization – Awakening – Capítulo 21 – Parte 2

Arco: Sword Art Online Alicization Underword – Awakening

Sword Art Online Alicization - PoH

Parte 2

Ao retornar para o mundo real, Gabriel Miller, dentro do STL 2, abriu lentamente seus olhos.

Sendo mais exato, não regressou de maneira normal e sim fora arrancado, desconectado abruptamente.

Ele permaneceu imóvel na cama de gel enquanto assimilava o gosto da surpresa que ainda permanecia em sua boca.

Como havia perdido em um combate de um contra um em um mundo virtual? O oponente nem sequer era um humano, não passava de uma I.A.

Porque foi derrotado por aquele cavaleiro?

Passou alguns segundos pensando em qual poderia ter sido a razão por trás daquele resultado inesperado.

A força de vontade? Os vínculos entre as almas? O poder do amor que conecta as pessoas…?

Que absurdo!

Os cantos da boca de Gabriel arquearam-se formando um sorriso frio. Fosse no mundo real ou virtual, se tivesse que existir algum tipo de forças invisível, então deveria ser a força do destino que sempre o levou adiante.

Em outras palavras, sua derrota fora inevitável.

Por quê? Porque era fundamental que fosse dessa forma.

O destino queria que Gabriel não vencesse com um avatar emprestado, ele não era Vector, portanto, sua vitória deveria vir como ele mesmo, como Gabriel em sua verdadeira forma.

Essa força primal estava esfregando em sua cara, pedindo que sua persona definitiva baixasse uma vez mais naquele mundo e destruísse tudo da maneira correta como tinha que ser.

E após chegar ao final de sua conjectura, completando seu raciocínio, Gabriel deslizou tranquilamente para fora de seu leito.

Olhando para o outro STL, surpreendeu-se ao ver seu ajudante Vassago Casals em plena imersão.

Havia pensado que tinha sido morto há muito tempo, tendo sua sessão encerrada, contudo, parecia que aquele homem também havia encontrado algo para perseguir.

“Muito bem, você é livre para fazer o que quiser.”

Dando de ombros, Gabriel foi até a porta que dava acesso à sala de controle principal.

Ao entrar, o membro de sua equipe que tinha a cabeça praticamente raspada desviou rapidamente o olhar do monitor e lhe falou mecanicamente:

“Se esforçou bastante lá, capitão! Mas vejo que também terminou sua sessão.”

“Dê-me o reporte da situação!”

Gabriel perguntou indiferente.

Critter rapidamente obedeceu.

“Bem, como ordenou, enviei cinquenta mil jogadores de diferentes lugares dos Estados Unidos e algumas outras partes do mundo. A metade deles já foi desconectada, porém, a meta de aniquilar o exército do Mundo Humano logo estará cumprida.

O único fator incerto é que parece que em algum lugar dessa instalação, RATH está fazendo a mesma coisa…

Acabo de confirmar uma conexão em grande escala diretamente no campo de batalha, proveniente do Japão. Contudo, mandaram somente duas mil unidades, sendo assim, não parece algo que represente uma ameaça para nós.”

“Hum… é mesmo?”

Erguendo uma sobrancelha, Gabriel olhou para o monitor principal.

Um mapa da topografia de Underworld estava exibido ali. Com uma linha negra estendendo-se até o Sul, partindo do Grande Portal do Leste e terminando em um grande ‘X’ que era, provavelmente, o registro do movimento do Deus da Escuridão Vector, ou em outras palavras, de Gabriel.

Ainda restava mais da metade da distância que deveria ter sido percorrida até o extremo sul daquele território, com a Alice certamente localizada no lugar onde havia o ‘X’ no mapa.

Acompanhando a linha negra, outra grossa linha branca também estava indo para sul, como se estivesse perseguindo-o. Certamente era o exército do Mundo Humano.

Composto por um bloco compacto, contudo, pareciam ter parado seu avanço. E, ao que tudo indicava, estavam prestes a serem completamente destruídos pelo enorme exército vermelho.

Assumindo que esse exército rubro eram os jogadores norte-americanos, certamente o diminuto aglomerado azul, que formavam uma barreira protetora se interpondo entre eles, eram as duas mil unidades conectadas do Japão que Critter havia relatado.

“Esses são os japoneses usando contas do Mundo Humano?”

“Creio que sim, por que pergunta? Há algo errado?”

“Não, nada…”

Gabriel bebeu um grande gole de água mineral que Critter lhe alcançara.

Será que eram aqueles japoneses viciados em jogos que converteram parte de suas próprias vidas lá? Poderiam estar usando avatares particulares que, por consequência, seriam mais poderosos que os default de Underworld?

Gabriel novamente sorriu com frieza.

Mais ou menos meio mês atrás, ele havia participado de um torneio PvP em um servidor japonês no conhecido internacionalmente VRMMO Gun Gale Online. Sabia que a paixão dos ‘residentes’ de lá era incrível, porém, Gabriel havia derrotados a todos sem esforço algum. Caso esses mesmos usuários tiverem entrado em Underworld, provavelmente não arriscariam seus preciosos personagens.

E mesmo que por ventura o fizesse, jamais seriam adversários dignos.

Uma imagem passou rapidamente por sua mente.

Era de uma sniper de cabelos azuis, que havia sucumbido ao seu agarre mortal, mas que lutou bravamente sem parar até o final.

Ao terminar sua lembrança, voltou a si e ordenou:

“Bom trabalho até agora. Preciso que me envie para lá novamente. Converta essa conta nesse instante!”

Pegou um pedaço de papel e uma caneta que estava convenientemente sob o console e anotou seu ID e senha e por fim, entregou à Critter.

O hacker não pode evitar mostrar uma expressão surpresa.

“Você também, capitão!?”

“O que quer dizer com ‘também’…?”

“Bem, Vassago foi desconectado por ter sido morto lá em Underworld e mostrando uma estranha felicidade, pediu que eu convertesse uma conta super antiga e o devolvesse àquele mundo.”

“Oh! É mesmo…?”

Os olhos de Gabriel se fixaram na outra metade do papel que tinha acabado de usar ao lado da mão de Critter. Entre letras que deveria de ser a identificação de Vassago, as três primeiras foram as que mais lhe chamou a atenção.

“Ah!… entendi…

Hehehe!”

Uma rara e genuína risada saiu da garganta de Gabriel, surpreendendo mais ainda Critter enquanto o capitão lhe dava um leve tapinha no ombro e lhe dizia:

“Não se preocupe com isso. Pode não ter deixado transparecer, mas ele tem seus… próprios assuntos para resolver.

Pois bem, deixarei o resto com você.”

Gabriel deu meia volta e retornou para o STL com um sorriso assustador adornando seu rosto.

***

No mesmo instante, Vassago Casals sorria sob seu capuz negro enquanto olhava o campo de batalha do alto.

Em pé, sobre a cabeça da estátua erigida na entrada das ruínas, conseguia ver todo o derramamento cruel de sangue das lutas entre os jogadores recém-logados.

Sendo mais preciso, assistia de camarote um massacre praticamente unilateral.

Bem no centro das ruínas, os dois mil japoneses formaram um semicírculo gigantesco e de forma contínua ia derrotando os soldados vermelhos sem perder nenhum dos seus.

Uma das razões era a enorme diferença de seus status, tanto de equipamento quando de avatares, sem contar no nível de trabalho em equipe. Contudo, o sistema de suporte na retaguarda era o ponto decisivo.

Os jogadores feridos eram transportados imediatamente para tendas montadas entre as edificações e ali eram tratados com feitiços e logo retornavam com força total para a frente de batalha.

O fato de possuírem uma moral tão alta mesmo dentro de Underworld, onde se sentia dor igual ao do mundo real, era algo realmente digno de admiração.

Porém, para falar de maneira franca, ter dois mil jogadores dispostos a converter seus próprios personagens e unirem-se em uma luta nesse mundo isolado era de fato um milagre.

Criar ou prever um cenário como esse, era impossível até mesmo para Gabriel Miller.

Contudo, isso não se aplicava à Vassago Casals.

No momento em que soube da possibilidade de conexão massiva dos Estados Unidos, sabia que o Japão logo faria o mesmo, enviando reforços.

E também, sabia que esses mesmos jogadores não viriam com contas normais e sim com suas forças plenas, fazendo a conversão de suas contas próprias, o reflexo virtual de suas vontades e anseios.

E além do fato de estar entre eles a ‘Relâmpago Vermelho, Asuna’, também tinham vários outros rostos conhecidos, lhe trazendo uma sincera nostalgia.

Depois de tudo, o jogo da morte, ao qual já tinha abandonado a vontade de desfrutar seus prazeres, havia ressurgido em sua frente novamente sob um novo aspecto.

Embora fosse possível matar seus avatares sem com isso destruir as vidas reais, Underworld possuía algo ausente no castelo flutuante assim como o castelo flutuante possuía algo inexistente em Underworld

Em resumo:

Em Underworld havia dor.

E não tinha o código de prevenção de delitos.

Isso era algo que lhe enchia de alegria.

Possivelmente fosse a parte mais emocionante de todas, tão bom ou até melhor do que tomar a vida de cada um ali com suas próprias mãos.

“Kek, Kekeke, kekekekeke!!!”

Vassago não conseguiu reprimir uma gargalhada sob as sombras de seu manto.

O futuro lhe reservara um presente indescritivelmente brutal.

***

“Não deu tempo!!”

Sinon contemplava silenciosamente o corpo absurdamente ferido e ensanguentado do cavaleiro de idade avançada e da jovem de cabelos dourados soluçando enquanto abraçava-o com força.

Os dois grandes dragões ao lado do distinto cavaleiro abaixavam suas cabeças como se compartilhassem do profundo lamento.

Com o objetivo de alcançar a Sacerdotisa da Luz, Alice, que resguardava o destino do mundo, o Deus da Escuridão, que a havia sequestrado e o Knight Commander Bercouli, que seguia implacavelmente em seu encalço, Sinon havia permanecido voando com todas as suas forças.

Utilizou toda a potência que o sistema lhe proporcionara em sua habilidade de voo livre, algo treinado intensamente em ALO ao se dirigir ao sul, contudo, a batalha já havia terminado quando finalmente os alcançou.

Porém, sentia que não havia mérito algum nessa sua ação.

Todos os elogios deveriam ser depositados nas forças de Bercouli.

Ele havia conseguido alcançar Vector, considerado um alvo inalcançável e ainda por cima, arrancado uma vitória completa sob uma superconta virtualmente invencível.

Contudo, ao final, recebeu como grande prêmio uma grande injustiça.

A sua própria morte que também culminava na destruição total de sua alma.

Porém, para o Deus da Escuridão, que tinha sido completamente obliterado, sua alma não estava sob as mesmas regras.

Sinon sabia que devia transmitir isso para Alice, que nesse instante havia cessado seu choro copioso, mas que ainda mantinha sua cabeça abaixada. Tinha que informar que o perigo ainda não havia passado, porém, não encontrava palavras para fazê-lo.

Após passar vários valiosos minutos em silêncio, a primeira a falar fora a Integrity Knight Alice.

Mesmo com lágrimas em seus olhos, a impressionante beleza de Alice fez Sinon se surpreender.

A mulher cavaleiro fixou diretamente os olhos da garota recém-chegada, observando toda a beleza daqueles olhos que pareciam ser duas pedras preciosas brilhando em azul cobalto cristalino, como a superfície inalterada de um lindo lago ao sol.

Depois de breves momentos, seus lábios se moveram, emitindo uma voz suave:

“Você também é… do Mundo Real?”

“Sim…”

Sinon assentiu enquanto prosseguia com dificuldade.

“Me chamo Sinon! Sou amiga de Asuna e Kirito. Vim lhe salvar e ajudar o Senhor Bercouli contra Vector…. contudo…

Sinto muito, não cheguei a tempo…!”

Sinon ajoelhou-se em frente ao guerreiro caído, abaixando a cabeça com profunda reverência, sob as marcas ainda frescas da intensa batalha gravadas no solo.

Alice, entretanto, negou suavemente.

“Não… nada disso é culpa sua.

A verdadeira culpada sou eu.

Fui estúpida!

Não prestei a atenção ao que acontecia ao meu redor e fui capturada como uma idiota principiante.

Tudo culpa minha.

Minha vida é insignificante comparada com a do meu senhor…

Como pude fazê-lo trocar sua existência pela minha? Como… deixei que se fosse o grande comandante dos Integrity Knights?”

Aquelas palavras cheias de ódio e rancor por si mesma deixaram Sinon sem reação.

E, reprimindo as lágrimas com todas suas forças, Alice fez outra pergunta:

“Como está a guerra?”

“…Asuna e o exército do Mundo Humano estão conseguindo apenas barrar o avanço do exército do Mundo Real.”

“Certo, então também devo ir para o norte.”

Alice cambaleou ao se colocar em pé, dirigindo-se até um dos dragões, porém, Sinon gritou para detê-la.

“Não faça isso, senhora Alice! Deve continuar o caminho para o sul, deve ir para o World End Altar. Se conseguir tocar no console… digo, no altar de cristal, conseguirá acesso ao mundo real.”

“Porque eu faria isso? O Imperador Vector já não está morto?”

“Sinto dizer, mas não é esse o caso.”

Sinon então explicou a situação para Alice.

Mesmo se uma pessoa do mundo real morrer em Underworld, não perderá sua vida. E que, muito provável, o inimigo que estava usando a superconta do Imperador Vector irá obter outro avatar e iniciará o ataque mais uma vez.

Alice processou a informação com fúria nos olhos, como se todas suas emoções que havia estado suprimindo até o momento, explodissem.

“O meu senhor… sacrificou a vida para matar o inimigo e mesmo assim esse desgraçado não MORREU? Seu corpo simplesmente desapareceu e reviveu em outro como se nada tivesse acontecido…!?? É isso que está dizendo?”

Alice se aproximou ameaçadoramente de Sinon enquanto sua armadura rangia.

“Como um absurdo desses pode existir? Então… tudo que… tudo que meu senhor… fez… foi… em vão?? Se sacrificou por nada!? Porque só ele teve que passar por isso? Tantos machucados, tanto sofrimento…

A batalha contra as pessoas do mundo exterior é sempre unilateral? Tudo que fazem aqui é… falso?

Em um combate um contra um, as duas pessoas devem colocar suas vidas em risco… se isso não acontecer… então… então… nada… ghhn—!!”

As lágrimas brotaram mais uma vez de seus olhos azuis, porém, Sinon só conseguia observá-la em silêncio.

Não tenho o direito de lhe dizer nada.

Eu morri inúmeras vezes em batalhas em GGO e ALO. E tal como Vector, segui e seguirei vivendo, não importando quantas vezes eu morra nos mundos virtuais. Uma existência como a minha não tem o direito de dizer nada…

Porém, Sinon, contrariando o que dizia mentalmente olhou de modo fixo Alice nos olhos, respirou fundo e disse:

“Então… senhora Alice, está querendo dizer que a dor de Kirito também é falsa?”

A guerreira dourada subitamente ficou sem fala;

“Kirito também é do mundo real. Mesmo se morrer aqui, sua alma real não desaparecerá. Porém, as lesões que sofreu por tudo que passou aqui, são todas reais. A dor que sentiu, cada pedaço de sua alma já há muito maltratada que perdeu, tudo é completamente real…

A desafio a dizer o contrário!”

Sinon se deteve por alguns instantes, mas logo continuou enquanto um quase imperceptível sorriso surgia em seus lábios:

“Eu… amo Kirito. O quero muito bem… Assim como Asuna o ama.

E não se engane, há muito mais pessoas que o amam. Estão todos preocupados por ele, assim como ele sempre amou e se preocupou com todos.

Cada um ao seu jeito está rezando desesperadamente por sua recuperação. Além disso, mesmo que ninguém verbalize, todos estão se perguntando: ‘-Porque Kirito sempre se esforça tanto?’ ”

A garota do mundo real estendeu suas mãos e as apoiou sobre os ombros de Alice, concluindo com firmeza na voz:

“Kirito se sacrificou para lhe salvar, Alice. Essa é a única razão pela qual lutou com tanto ímpeto.

Está me dizendo que esses sentimentos são falsos? Não, não somente os sentimentos de Kirito, como os do comandante Bercouli também. Com o objetivo de lhe salvar, foi golpeado várias vezes. E mesmo ao custo de sua própria vida, tornou real uma oportunidade que nem sequer fora cogitada de existir. Tudo só para que pudesse escapar das garras do inimigo e lhe comprar um precioso tempo.”

Sinon não recebeu uma resposta imediata.

Alice olhou silenciosamente o corpo de Bercouli, estendido ao chão.

Mais uma vez, grandes lágrimas rolaram por sua face.

Instantes depois, Alice cerrou os punhos com força, ergueu o rosto como se estivesse lutando com uma força invisível que a estava forçando-lhe olhar para baixo e fez mais uma última pergunta, agora, com a voz rouca:

“Sinon… se eu… se eu for até o Mundo Real através desse World End Altar, poderei voltar? Serei capaz de rever meus amigos queridos outra vez…?”

A garota não possuía conhecimento suficiente para responder claramente à pergunta de Alice.

A única coisa que poderia assegurar para ela é que se caísse nas mãos dos inimigos, todo Underworld seria apagado.

Se conseguisse protegê-la, este mundo tinha uma chance de seguir existindo, e nesse caso, seria capaz de cumprir o desejo de Alice.

Isso era tudo que Sinon podia prometer para a guerreira.

“Isso será possível enquanto você… e Underworld estiverem a salvo.”

“Entendo… então, vou para o sul.

Não sei o que me espera nesse World End Altar… porém, se essa é a vontade do meu senhor e de Kirito…”

Alice estendeu a mão gentilmente, se agachou e acariciou a cabeça de Bercouli e após lhe deu um beijo em sua testa.

Quando se levantou, uma aura completamente diferente parecia emanar de seu corpo.

“Amayori, Takiguri. Por favor, ajudem-me um pouco mais!”

Depois de dizer isso aos dois dragões, Alice virou-se para Sinon.

“E o que você fará agora, Sinon?”

“Bem, agora é minha vez de colocar o pescoço em jogo.”

Sinon sorriu e continuou:

“Vector provavelmente vai reviver aqui nesse lugar. Tentarei derrotá-lo com todas minhas forças… ou pelo menos entretê-lo o máximo de tempo possível.”

Alice mordeu os lábios suavemente e inclinou a cabeça.

“Estarei torcendo por você. E fiques certa de que não trairei suas expectativas.”

Sinon ficou observando os dois dragões se afastarem para o sul enquanto retirava o arco branco de seus ombros e o revisava, se preparando mentalmente para o que viria a seguir.

O grupo militar que havia atacado o Ocean Turtle era provavelmente contratado de alguma agência governamental dos Estados Unidos. Onde um desses combatentes, extremamente bem treinado e utilizando a superconta do Deus da Escuridão, Vector, fez a imersão e veio capturar Alice.

Enquanto que no mundo real Sinon era uma simples estudante sem possibilidade alguma de fazer frente com um oponente como esse… aqui, nesse lugar, em um mundo virtual, não importava se a batalha fosse cara a cara ou à distância…

Não importa quem venha me enfrentar, não perderei!

A garota disse mentalmente para si, reforçando mais uma vez sua confiança enquanto esperava que o inimigo voltasse a abrir sua sessão.

***

Ao retirar seu punho, seus ossos produziram um som estilhaçado.

O líder da Guilda dos Lutadores, Iskhan desviou o olhar do soldado que havia acabado de golpear no centro do peitoral da armadura e ficou observando sua mão direita em silêncio.

Constatou que já havia desaparecido a ponta de seus poderosos metacarpos, outrora tão duros quanto o aço e capazes de destruir qualquer superfície. Em seu lugar, agora era só uma bola de carne inchada e esmagada que mal cobria o interior esfacelado de tendões arrebentados e formações calcificadas despedaçadas.

Seu punho esquerdo não estava diferente.

E em conjunto com suas extremidades superiores, seus pés estavam cobertos de hematomas e cortes. Já não era possível correr e muito menos chutar.

“Você lutou como um verdadeiro guerreiro, Champion!”

A voz rouca de seu ajudante, Dampe, fez Iskhan virar para olhar para trás.

Depois de perder seus dois braços, o robusto homem estava praticamente se arrastando ao chão, desferindo cabeças em investidas como um bode enlouquecido, de maneira a ficar praticamente irreconhecível com horríveis feridas de espadas por todo rosto e corpo.

Seus olhos, antes tão brilhantes, emanando sabedoria e espírito de luta, agora estavam obscurecidos, deixando claro que sua vida estava a ponto de acabar.

Iskhan ergueu o punho destroçado em um gesto de extremo respeito à alma desse guerreiro e respondeu:

“Sim! E se sucumbirmos dessa forma, não será vergonha alguma. Poderemos encarar nossos antepassados de frente lá do outro lado.”

E arrastando seus pés, desabou no solo, sentando ao lado de seu amigo.

Depois de uma longa e feroz batalha, a legião vermelha, que a princípio contava com mais de vinte mil unidades, agora havia se reduzido ficando por volta de três mil.

Porém, em contrapartida, apenas trezentos de seus lutadores ainda restavam em pé. Entretanto, todos eles tinham alguma espécie de mutilação ou ferimento muito além da capacidade curativa.

E mesmo nessa terrível situação, mesmo não sendo possível criar uma formação de defesa perfeita, eles se reuniram em um agrupamento, esperando apenas o golpe final para cumprir seu destino de virarem sacrifícios.

Porém, a única razão pela qual os três mil soldados inimigos que os rodeavam de perto não desferiam seu ataque derradeiro era…

Um cavaleiro e um dragão, que permaneciam lutando como dois demônios. Eles pareciam dançar uma música composta de gritos, gemidos e mais um sem número de cacofonias produzidas por sons de jorros de sangue, metal estilhaçado, carne desgarradas e almas ceifadas.

Isso tudo ocorria a poucos metros dos olhos de Iskhan e Dampe.

Seu corpo físico e seu espírito há muito haviam excedido as limitações.

Apesar de tudo, tão logo a sombra do inimigo surgiu em sua visão turva, a Integrity Knight Sheeta Synthesis Twelve, ergueu o braço direito e balançou sua Black Lily Sword.

Imediatamente, o ruído pesado do ar sendo cortado explodia e a espada apareceu como por mágica enterrada no ombro de um inimigo. Em seu retorno, como inúmeras agulhas de ferro cravando em sua carne, a lâmina viajou em direção à mão, decepando tudo em seu caminho, sobrando apenas parte do codo.

“AHH… AAAHHHHHHHH!!!!”

O urro de raiva gorgolejava da garganta, deixando para trás o apelido ‘A silenciosa’, como se fosse uma piada de muito mau gosto.

Sua espada continuou a trajetória e atravessou a volumosa armadura do inimigo em linha reta no sentido horizontal, cortando-o ao meio.

Uma vez que o soldado desabou, maldizendo-a em uma língua incoerente, Sheeta arrancou a espada de seu corpo e prosseguiu para o próximo.

A razão por trás de seu esgotamento se deveu em parte ao quase ilimitado contingente inimigo que vinham como enxame de abelhas sem parar e também a outro fator…

A maneira misteriosa pela qual os soldados vermelhos reagiam ao toque de sua espada.

Sua incarnation estava produzindo um efeito estranho.

Embora as armas e armaduras do inimigo fossem inferiores ao seu instrumento divino, sempre que os cortava, sentia uma preocupante resistência.

Seus ataques eram sempre os mesmos.

Claramente se baseavam somente em força bruta, atacando com movimentos toscos e sem refinamento, porém, embora aparentemente fosse fácil rechaçá-los, Sheeta não conseguia prever seus próximos movimentos.

Sentia como que estivesse lutando contra fantasmas. Esse exército era como uma massa uniforme composta de homens que não estavam realmente ali. Pareciam ser apenas sombras de seus ‘eus’ verdadeiros projetadas nesses corpos.

Lutar contra eles não era nada divertido. Quanto mais Sheeta os cortava, mais percebia que eram um monte de nada, espectros nascidos apenas para serem cortados.

Devido a isso, só podia sentir uma intensa repugnância.

Porque?

Nunca me importou se meus adversários fossem sombras, corpos ou até mesmo estátuas de pedra, sempre estive satisfeita em apenas cortar algo sólido…

Sou uma mera marionete que só sabe cortar, mas…

A Black Lily Sword é um instrumento sagrado com a prioridade mais alta dentro das espadas finas. Era uma ferramenta criada unicamente para cortar e perfurar, igual a própria Sheeta.

Se algum membro dessa dupla falhar em seguir cortando, o significado de suas existências deixaria de existir.

A Alto Ministro havia transformado um lírio negro em uma espada, a mesma flor que Sheeta havia recuperado de um antigo campo de batalha no Dark Territory. E quando a presenteou com essa arma, lhe disse algo como:

Esta espada é a manifestação física da maldição gravada dentro de sua alma. Uma maldição chamada de impulso assassino, criado pelas flutuações nos parâmetros da herança de personalidade.

Cortar, cortar e seguir cortando. Somente quando perseguir esse caminho sangrento até o fim que descobrirá a chave para se libertar dessa sina…

Mas é possível que nunca consiga.”

Naquele momento, Sheeta não entendeu o significado por trás daquelas palavras.

Ela simplesmente obedeceu a suas ordens e percorreu esse longo caminho durante anos e anos que pareceram uma eternidade. Até, por fim, encontrar seu oponente destinado.

Era alguém mais duro do que qualquer pessoa que ela havia cortado com a espada, era… aquele Lutador.

Desejava lutar contra ele mais uma vez. Sabia que só através da batalha que conseguiria entender o que precisava compreender.

Impulsionada por esse pensamento, Sheeta se separou do exército do Mundo Humano e permaneceu nesse lugar. Porém, ao que tudo indicava, possivelmente não seria capaz de lutar contra esse guerreiro ruivo novamente.

Ela rapidamente bebeu o último gole de água de sua garrafa presa ao corpo enquanto olhava para trás.

Então o viu, sentado no alto de uma rocha ao longe, o líder da Guilda dos Lutadores, com todo seu corpo cobertos de feridas.

Inexplicavelmente, uma dor em seu olho esquerdo se fez presente enquanto o olhava fixamente.

De repente, Sheeta sentiu algo parecido com uma picada em seu peito.

Que dor é essa?

Deveria me apressar e ir lá matar logo aquele homem. Quero provar novamente o sabor daquela batalha que foi interrompida e acabar com aqueles maravilhosos punhos tão duros quanto o diamante.

Isso deveria ser tudo pelo qual anseio… contudo…, porque meu coração…!?

Que agitação é essa que estou sentindo…?

Crack!

De repente, um leve som de algo rachando veio de sua mão direita.

Sheeta levantou a Black Lily para inspecioná-la.

No centro escuro da espada, tão negro que parecia ser capaz de absorver a luz em sua volta, uma fina fissura surgiu.

Ahh…

Sim, entendi!

Sheeta respirou fundo e sorriu.

Todas suas perguntas se dissolveram naquele instante. Ela finalmente havia entendido o significado por trás das palavras da Alto Ministro e qual era de fato a sua maldição.

Uma onda de choque percorreu o chão.

Ao virar para trás, viu um soldado inimigo correndo em sua direção brandindo um brutal martelo de guerra.

Sheeta desviou com fluidez o primeiro ataque e sua mão direita cravou a espada diretamente no centro da armadura vermelha.

Seu ataque derradeiro havia sido fiel ao seu apelido, silencioso.

Como um vento gelado foi deslizando para dentro do coração inimigo, arrancando-lhe a vida habilmente.

Em seguida, a começar pelo meio, se dissolveu sem fazer som algum na forma de várias pétalas de flores e se dispersou em todas as direções.

Sheeta moveu seus lábios de maneira melancólica e sussurrou para a empunhadura de sua companheira:

“…Muito obrigada por todo esse tempo.”

Ao dizer essas palavras, pareceu sentir uma tênue fragrância floral.

Em sua direita, o dragão Yoiyobi, outro antigo companheiro, esmagava um inimigo com a cola.

As escamas acinzentadas estavam completamente tingidas de vermelho pela quantidade exorbitante de sangue derramado, tanto dele quando dos inimigos que pereceram sob sua inacreditável força.

Por toda extensão de seu enorme corpo, haviam feridas horrendas, suas garras e presas estavam destroçadas e fragmentadas. Havia esgotado há muito suas chamas e seus movimentos perdido totalmente a fluidez e ritmo característicos de seu estado normal.

Sheeta certificou-se de que o inimigo havia de fato morrido e foi até seu dragão, passando suavemente a mão em volta do longo pescoço.

“Muito obrigada, Yoiyobi. Também está cansado, não é?… Vamos descansar ali um pouco!”

Então, a mestre e seu dragão, foram lentamente se dirigindo para a pequena colina próxima, um apoiando-se no outro, com o objetivo de reunirem-se com os poucos sobreviventes da Guilda dos Lutadores.

Permanecendo sentado sob uma rocha ao chão, o chefe da guilda levantou o que deveria ser a mão direita, que estava tão inchada que mal lembrava a forma de um membro humano e saudou a guerreira.

“Acho que falhei na nossa promessa de lutar outra vez já que… deixei que quebrassem sua preciosa espada…”

Sheeta sacudiu a cabeça calmamente.

“Está tudo bem, ela cumpriu o seu dever. Finalmente me mostrou pelo qual esteve cortando tudo e todos por tanto tempo…”

Ela se aproximou do chefe dos Lutadores, desabou pesadamente sob os joelhos e levantando as mãos, segurou o rosto do jovem guerreiro suavemente entre seus dedos.

“…Foi para me mostrar algo que eu não deveria desejar cortar. Ela esteve lutando para que eu encontrasse o desejo de proteger algo. E esse algo, é você!

Sendo assim, não necessito mais de uma espada assassina.”

Nesse mesmo instante, no olho esquerdo do Lutador, a gota de um líquido transparente surgiu timidamente em seu interior.

Isto fez com que Sheeta se surpreendesse um pouco.

O jovem rapidamente apertou os dentes com força e falou baixinho com a voz embargada.

“Ah… merda! Também fiquei pensando em começar uma família com você todo esse tempo.

Definitivamente vamos ter um filho forte. Um garoto que será mais forte que meus antepassados, mais forte do que eu, um homem que poderá se tornar o Lutador mais poderoso de todos os Lutadores até agora e-…”

“Não! Esse menino será um cavaleiro!”

Os dois ficaram se encarando por alguns instantes… e logo sorriram.

Essa inexplicável cena foi acompanhada de perto por um homenzarrão completamente acabado, semimorto e embasbacado logo ao lado deles.

Sheeta e Iskhan se abraçaram e depois sentaram-se um ao lado do outro.

Trezentos combatentes da Guilda dos Lutadores, um Integrity Knight e um dragão esperaram em silêncio enquanto os soldados vermelhos se aproximavam, fechando cada vez mais o certo em volta deles.

***

Parece que é um jogo de bater e reagrupar… não é?

Disse Klein enquanto Asuna e ele regressavam à retaguarda.

“Sim.”

Respondeu ela.

Suas duas feridas estavam sendo tratadas por uma feiticeira dos jogadores japoneses que utilizava as Artes Sagradas que havia acabado de aprender.

A pessoa era incapaz de amplificar a eficácia da arte com sua imaginação como faria um residente de Underworld, porém, como o nível de seu personagem convertido era altíssimo, havia recebido como consequência uma autoridade igualmente alta de habilidade de aprendizado de artes e isso a ajudou a fazer curas muito rápidas.

“Muito obrigada por virem nos ajudar.”

Asuna agradeceu a garota que estava curando e a Klein ao seu lado.

“Agradeço imensamente que tenha vindo Klein… realmente não sabe o quanto sou grata…”

Ao ver Asuna quase perder a fala pela emoção, Klein franziu o rosto e com a ponta do dedo encostada na testa da garota ergueu seu rosto.

“Ei! Não me trate como um estranho. Devo muito a você e a esse safado do Kirito, muito mais. Portanto, está longe de ser ajuda suficiente e… e… falando nisso…

Ele também está aqui, não é?”

Klein falou em voz alta como de costume e Asuna confirmou com a cabeça.

“Sim, ele está. Vá vê-lo depois que a batalha acabar. Talvez se ele escutar sua brincadeiras e maluquices de sempre, sinta vontade de levantar e te retrucar e com isso… finalmente despertar… ”

“Opa! Pedi para não ser tão formal, mas dizer que falo maluquices, foi um pouco demais, não acha?”

Com um grande sorriso no rosto, o rapaz de cabelos vermelhos tentou ocultar a evidente preocupação em seus olhos. Já havia sido posto a par do quão severas eram as feridas na alma de Kirito.

“Ah, bem… na verdade é que…”

“- Depois que tudo terminasse, após derrotarem os inimigos de Underworld e os que estão no Ocean Turtle…

Se Sinon, Leafa, Klein, os demais jogadores originais de SAO, juntamente com Sakuya e o pessoal de ALO… e contando também com Alice, Tieze, Ronye, Sortiliena e todos que estão ao redor de Kirito, se forem capazes de reunir todos, talvez houvesse de fato uma forma de fazer Kirito acordar, não é?

Era esse pensamento que passou na mente da garota.

Em todo o caso, ela deveria seguir lutando para que quando esse momento finalmente chegasse, pudesse recebê-lo com um grande sorriso.

Tão pronto suas feridas fecharam, Asuna agradeceu mais uma vez e se levantou.

Como Klein havia dito antes, o destino dessa batalha estava selado. O número dos jogadores norte-americanos havia diminuído e já rivalizavam com o contingente dos jogadores japoneses.

Se seguissem com o que estavam fazendo, sem perder o espírito de luta, certamente conseguiriam vencer àqueles que se lançavam incansavelmente em ataques suicidas.

Porém, mesmo olhando de qualquer ângulo, a batalha ocorrendo nessas ruínas, estava por um tênue fio de estabilidade, podendo virar um aglomerado sanguinolento de corpos ao menor dos desequilíbrios.

O ponto crucial de tudo era a ‘Sacerdotisa da Luz’ Alice, que havia sido sequestrada pelo Imperador Vector.

Eles tinham que lutar bravamente enquanto rezavam para que o comandante Bercouli e Sinon, que estavam em seu encalço, conseguissem derrotá-lo ou pelo menos deter o avanço de Vector até o extremo sul, evitando assim que ele conseguisse extraí-la para o mundo real o que significaria a destruição desse mundo.

Portanto, o principal agora era pegar a elite dos jogadores convertidos, conseguir emprestado alguns cavalos do exército do Mundo Humano e ir tão rápido quanto fosse possível atrás da guerreira dourada.

Se fossem capazes de alcançá-los, mesmo que o inimigo esteja usando uma superconta, não seria um combate simples. O inimigo estaria enfrentado a elite da elite, formada pelos melhores jogadores do Japão.

A indescritível força que possuíam permitia que Asuna reservasse alguma esperança.

Os valentes espadachins a que se referia estavam equipados com espadas, escudos e armaduras metálicas poderosíssimas, todas emitindo brilhos metálicos distintos, semelhante a lendas dos Einherjar, Os Guerreiros de Odin, segundo os contos nórdicos…

Asuna secou as lágrimas e desviou o olhar das linhas dianteiras até a parte de trás.

As carruagens puxadas por cavalos da equipe de suporte já haviam sido levadas para a outra extremidade das ruínas, onde levantaram um acampamento emergencial.

A garota sentia que aquele ato, onde os jogadores estavam recebendo artes curativas dos residentes de Underworld, era também um importante laço sendo construído.

“…Está bem, tudo ficará bem…”

Os sussurros de Asuna receberam uma resposta vigorosa de Klein:

“É claro que tudo ficará bem! Se permanecermos juntos, nada irá nos deter. Vamos seguir em frente!”

“Sim!”

Asuna concordou e logo se colocou a plena carga, em linha reta na direção das linhas de frente.

Entretanto, algo em sua visão periférica lhe chamou a atenção. Algo tão inesperado que a fez parar imediatamente.

“O que é aquilo? O que aquela coisa escura… uma sombra, uma… mancha…?”

Os olhos de Asuna vacilaram por um momento no instante em que viu.

No local das gigantescas estátuas de deuses antigos que compunham os dois lados daquele caminho que chamou de sando na entrada das ruínas.

Sendo mais exato, sobre a cabeça de uma das estátuas, a da direita, havia uma pessoa.

Pela posição ficar contra a luz, só era possível distinguir a oscilante silhueta negra, quase como se estivesse se fundindo com o céu rubro do Dark Territory.

Poderia ser um norte americano que tinha abandonado o campo de batalha? Ou talvez um explorador japonês?

Surpresa, Asuna olhou com mais atenção e então deu-se conta de que a silhueta parecia se balançar pois a pessoa estava vestindo uma capa negra.

O capuz da capa havia sido retirado e o rosto da pessoa agora estava totalmente visível.

Então…

“Klein…. esse homem….”

Klein, que estava prestes a continuar seu avanço para a vanguarda, foi detido por Asuna que o segurou pela manga com a mão direita ao mesmo tempo em que apontava para o local da silhueta com o dedo indicador da mão esquerda.

“Aquela pessoa de pé, não sente que o tenha visto antes?”

“Hã? Bem… nitidamente é alguém que está apreciando o espetáculo lá de cima, mas…

Não consigo discernir quem é. Só sei que está usando uma capa preta. Contudo, dessa distância é impossível ver o rosto direito… quanto mais lembrar de tê-lo visto alguma vez e-…”

A voz de Klein foi interrompida.

Asuna se virou para olhar para Klein que estava petrificado, com seu rosto totalmente pálido, branco como uma folha de papel.

“Ei…! O que houve? Você o reconheceu?”

“Não….! Como? Como isso é possível…!? Estou vendo um fantasma…?

“Um fantasma…!? Como assim?”

“Aquela… aquela capa preta, não, não é uma simples capa… é um manto de couro… do Laughing … Cof-…!”

Ao começar a ouvir aquele nome, Asuna sentiu que seu cérebro tivesse sido afundado em uma piscina de gelo em um piscar de olhos.

Notoriamente conhecido como Laughing Coffin. Desde a metade até o final do jogo mortal SAO, esse havia sido a guilda mais forte a espalhar o terror pelo castelo flutuante de Aincrad.

Composta por um enorme número de infames Player Killers, ou PK, incluindo nomes como Red-Eyed, XaXa e Johnny Black. Que pousaram com seu manto venenoso sobre centenas de jogadores, pessoas inocentes, roubando-lhes suas preciosas vidas…

Atos de barbárie que só foram contidos depois de uma luta igualmente mortal contra a equipe de jogadores das linhas de frente, que os destruíram ao final do embate.

Durante essa batalha, quase todos os membros do Laughing Coffin foram mortos ou enviados para o Palácio de Ferro Negro, porém, um homem escapou.

Ele era o líder do grupo, o mesmo que havia conseguido desaparecer misteriosamente quando o emboscaram dentro das dependências da própria guilda. A mesma pessoa que manipulou direta ou indiretamente outros homens para continuar a sua sede de matança em SAO.

Seu nome era PoH.

Esse demônio sanguinário que se vestia inteiramente com um manto de couro negro e usava uma grande lâmina semelhante a um cutelo.

E agora, passados dois anos, esse mesmo homem de alguma forma estava em Underworld.

Parado, em pé, olhando diretamente Asuna e Klein.

“…Não pode ser….!!!”

Asuna só conseguiu proferir poucas palavras em um sussurro rouco e sem forças.

“Não pode ser o verdadeiro. Estamos mesmo vendo um fantasma… não é?”

Porém, como que estivesse debochando dos desejos de Asuna e Klein, a silhueta negra que tremia ao vento, levantou lentamente sua mão direita.

Em seguida, direcionou a mesma mão para trás e depois para frente em direção à garota.

E o que se seguiu… só poderia ser descrito como o pior dos pesadelos.

Uma nova silhueta se materializou ao lado do homem de manto negro… e depois outra e outra e mais outra.

Sobre o teto das imensas ruínas do palácio que estava junto das estátuas, logo surgiu uma legião rubra. Tanto no lado esquerdo quanto no direito, dezenas e mais dezenas dessas figuras surgiam.

Pare…! PARE!!!

Asuna rezou desesperadamente. Temia não poder suportar mais desespero como esse.

E ainda assim…

A nova leva de guerreiros vermelhos continuavam a aparecer sem parar, como se fossem literalmente uma conjuração infinita.

Mil, cinco mil, dez mil.

Quando a quantidade superou os trinta mil, Asuna parou de contar.

Impossível.

Mais de cinquenta mil norte-americanos acabaram de ser invocados ali. Parecia impossível que tantas tropas pudessem ser reunidas em tão pouco tempo e certamente não eram japoneses.

Se tivesse ocorrido outro anúncio como o primeiro, Asuna e Klein seriam os primeiros a saber devido ao apoio de RATH e Yui.

Tinham que ser! Todas deveriam de ser sombras incorpóreas criadas com artes…

Em certo ponto, os jogadores japoneses que estavam a ponto de acabar completamente com os estadunidenses na linha de frente, haviam parado de lutar e agora estavam parados olhando aquela misteriosa cena.

O enorme palco de batalha foi engolido pelo mais completo silêncio.

O som das vozes do exército vermelho recém-chegado sob o palácio chegou aos ouvidos de Asuna como uma sinfonia sinistra e tétrica, levando consigo um vento gélido.

Por um momento, Asuna foi incapaz de decifrar exatamente o idioma que falavam, pois estava mesclado com o ruído metálico de suas armas e armaduras, contudo, finalmente conseguiu detectar algumas palavras que eram esporadicamente pronunciadas mais alto do que as outras.

Bigeobhan ilbon-in[1]

Uli nalaleul jikyeola![2]

Ganchuu renmen.[3]

Não era inglês e tampouco japonês.

Nesse momento, Klein soltou um lamento com a voz irreconhecível:

“Ah….! Isso é ruim… muito ruim… Esse enorme exército não é do Japão e nem da América…”

Asuna concordou enquanto sentia um suor frio percorrer sua espinha aos escutar as próprias palavras:

“…São da China e da Coréia do Sul.”

Sword Art Online Alicization - PoH

 

[1] 비겁한 일본인 – Japoneses covardes (Idioma Sul Coreano)

[2] 우리 나라를 지키라 – Venham lutar contra nosso país! (Idioma Sul Coreano)

[3] 趕走他們 – Mataremos todos vocês (Idioma Chinês).

 

 

 

 

 

 

 

OLÁ PESSOAS!

TENTANDO VOLTAR AO ANTIGO RITMO, VIM CORRENDO SOLTAR ESSA DILIÇA DE CAPÍTULO, QUE ESTÁ GRANDÃO COMO NORMALMENTE DEVERIA DE SER.

ENTÃO, SEM MAIS DELONGAS, BORA COMENTAR O QUE HOUVE AQUI:

 

 

AQUI A CORTINA SE ABRIU DE FATO E TODAS AS CARTAS ESTÃO NA MESA.

POH! ESSE ERA O NOME QUE VINHA ME REFERINDO ANOS LUZ ATRÁS EM POSTS DE OUTROS ANOS.

SENHOR VASSAGO COM UM PLANO VIOLENTAMENTE SACANA.

TEM UM DITADO POR AQUI QUE DIZ O SEGUINTE: “NADA É TÃO RUIM QUE NÃO POSSA PIORAR” 

E DONA ASUNA APRENDEU ESSA IMPORTANTE LIÇÃO DA PIOR FORMA.

AGORA É QUE O BICHO VAI PEGAR.

KLEIN É MESMO O IRMÃOZÃO DA GALERA, CURTO MUITO ELE DESDE O PRIMEIRO CAPÍTULO. ME IDENTIFICO (GERALMENTE SOU UM DOS CARAS MAIS VELHOS, ACABAVA SEMPRE VIRANDO O ALÍVIO CÔMICO DA TURMA) E O CARA NUNCA DECEPCIONA.

 

E O QUE DIZER DA ESFREGADA DE VERDADES NA CARA DA LOIROSA POR PARTE DA SINONONONONONONONONON? PQP!!

DISSE COM TODAS AS LETRAS: ‘AÍ FIA, PEGA ESSA FICHA E VAI PARA O F-I-M DA FILA!!

MUITO LEGAL! E TEREMOS O PLOT DA LUTA DE ‘VOLTA’ ENTRE GABRIEL E NOSSA SNIPER MEGA UPADA.

QUERO MUITO VER ESSE DESENROLAR NA TELINHA.

 

E OUTRA VEZ FICO EMOTIVO NESSE CAPÍTULO.

A DESCRIÇÃO DO ESTADO DO BERCOULÃO E TODA A FRUSTRAÇÃO DA ALICE AO SABER QUE A GALERINHA LOGADA NÃO MORRE QUANDO O CORPO EM UNDERWORLD É DESTRUÍDO, AO PASSO QUE OS DELES (NATIVOS DE UW) PERDEM ATÉ A ALMA… TRISTE, MUITO TRISTE… 🙁

 

EM TODO O CASO, TERMINEI AQUI COM AQUELE GANCHO GOSTOSO E CHEIO DE QUERO MAIS HEHEHE 

AH!! COMO É BOM VOLTAR.

BORA LÁ COMENTAR, VAMOS CONVERSAR.

ERA ISSO MINHAS QUERIDAS PESSOAS, ATÉ A PRÓXIMA.

 

FORTE ABRAÇO!!

 

 

 

 

==== SETOR DA DOAÇÃO ====

Resolvi deixar o canto da doação, pois ainda tenho a hospedagem e tal.

Se alguém quiser dar uma força, ok, se não puder, ok também. Sem problemas minhas pessoas 🙂

 

Valeu pessoas e forte abraço!

 


 

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Estamos também traduzindo Sword Art Online Progressive, não deixem de ler.

Instrumental bacaninha da abertura de Alicization – ADAMAS