Sword Art Online Alicization – Awakening – Capítulo 20 – Parte 4.2

Arco: Sword Art Online Alicization Underword – Awakening

Capítulo 20

Sword Art Online Alicization Underworld - Awakening - Bercouli, Vector

Parte 4

“Guhh… u… ugh!!”

De algum jeito Asuna conseguiu reprimir o grito que estava prestes a deixar sua garganta com apenas um breve gemido.

A dor era insuportável, algo semelhante a um enorme maçarico perfurando e calcinando de maneira contínua seu abdômen, fazendo com que seus sentidos fossem arrastados para um estado extremo de sensibilidade.

Isso não é nada!

Não é nem um arranhão!!

A ponta brilhante da lança negra que entrou pelo estômago havia saltado quase um metro em suas costas.

Asuna moveu a cabeça com dificuldade para olhar para trás. Percebeu que a parte mais pontiaguda da arma tinha apenas arranhado a bochecha do jovem guarda que ainda estava parado em pé, completamente congelado de medo.

Ela reunião toda força de vontade para mostrar um sorriso gentil ao jovem que a olhava de maneira apavorada com seu rosto totalmente pálido.

Isso são apenas feridas virtuais, não é nada comparável à perda da vida desse garoto.”

E puxando o que podia de ar para os pulmões…

“Uunngh…! Ah…!”

Soltou um gemido dolorido enquanto agarrava com força a lança cravada em seu corpo usando a mão esquerda e…

Com um enorme som de crack, a barra de metal de quase cinco centímetros de diâmetro se partiu em dois sob a pressão de seu punho. E sem dar tempo para absorver a dor resultante do movimento, seguiu retirando o resto da arma que restava protuberante em suas costas.

Seus olhos captaram faíscas que não sabia discernir se eram imaginárias ou não devido à dor inacreditável que viajava da ponta dos dedos das mãos até as solas de seus pés.

Contudo, a mão de Asuna não parou, continuou puxando para fora de maneira desesperada até o enorme objeto desabar ao chão.

Uma quantidade absurda de sangue jorrou pela boca da garota tanto quanto a que saia pelo rombo eu seu abdômen, entretanto, ela manteve-se em pé por pura determinação.

Sem dar-se tempo para lamentar ou averiguar a extensão do dano, limpou a boca com as costas das mãos e encarou o inimigo a sua frente com fogo nos olhos.

O dono da lança descomunal piscou rapidamente dentro de seu capacete revelando intensa confusão.

Oh! Shit!

Depois de ouvir essa exclamação, ela disse rapidamente em inglês fluído:

“[ … Que droga garoto…! Isso aqui não é um jogo para te divertir. Vou desconectá-lo agora!! ]”

Após vociferar isso de alguma maneira, Asuna perfurou com uma precisão cirúrgica o coração do jogador, enterrando a lâmina até sobrar apenas a guarda de fora. Instantes depois, o corpo do inimigo desabou ao chão sendo engolido por um efeito luminoso, desaparecendo logo em seguida.

A agonia de sua ferida era imensa, mas não ao ponto de fazê-la chorar, contudo, seus olhos se encheram de lágrimas.

A dor e o ódio que dissipada nesse campo de batalha não deveria estar acontecendo, nada disso era necessário.

Os jogadores americanos e os guardas do Exército do Mundo Humano nunca tiveram motivos para se matarem dessa forma tão cruel. Se as circunstâncias desse encontro tivesse sido outras, eles podiam ter sido bons amigos.

Os mundos virtuais… os VRMMOs não existem somente para esse propósito.

“S-So… corro… Gh!!”

Um grito pronunciado em japonês interrompeu os pensamentos de Asuna.

Movendo os olhos para a origem do lamento, viu uma enorme lança empalar um guarda caído ao chão.

“U…AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHH!!”

As emoções de Asuna se transformaram em um rugido enlouquecido enquanto saltava para frente.

A espada em sua mão direita apunhalava sem parar repetidas vezes enquanto um resplendor branco tomava conta de todo seu corpo e lâmina.

Os pés deixaram o solo enquanto se arremetia para frente, voando como um lindo cometa brilhante.

Era seu ataque mais poderoso, o Flashing Penetrator.

O lanceiro que estava desferindo o golpe final no guarda foi jogado para o ar assim como o companheiro que estava ao seu lado e o que vinha logo atrás, todos os três receberam o impacto do golpe.

Depois de acabar com um quarto homem, aos pés de uma das gigantescas estátuas, sua habilidade finalmente terminou.

A segunda onda de assalto dos lanceiros pesados havia causado mais de cinco mortes nas fileiras do Exército do Mundo Humano.

E sem a menos terem tempo de reagrupar, na entrada do arco da cidadela, vinha a terceira formação de ataque composta também por vinte integrantes preparados para tudo com suas enormes lanças.

Asuna retirou a espada de um guerreiro vermelho recém-abatido e gritou em voz alta:

“Todas as unidades, mantenham posição a todo custo! Senhor Renri, por favor, cubra o meio!”

A garota mostrou-lhe um breve sorriso com intuito de confortar o jovem cavaleiro que quase estava entrando em pânico ao notar o corpo da garota encharcado de sangue.

Na sequência, pronunciou uma última e inacreditável frase:

“Vou para cima da terceira formação sozinha, não me sigam! Deixo o resto dos inimigos que passarem por mim, para vocês!”

“S-Se… nhora Asuna!?”

A garota ergueu o punho esquerdo na direção de Renri e dos guardas, um gesto que certo rapaz fizera tantas vezes para ela quando se lançava ao perigo e então, começou a correr…

***

O centro de gravidade de Bercouli de repente vacilou e foi nesse momento em que se deu conta de que estava pisando em seu próprio braço esquerdo que rodava no chão em uma poça enorme de sangue, seu sangue.

O que despertou o estado de torpor de sua consciência não foi a dor e sim uma incrível sensação de frio.

“Guh…!”

Imediatamente deu um salto para trás, ampliando a distância entre ele e Vector.

O líquido vermelho vivo que brotava de seu ombro esquerdo deixou um arco rubro sobre a pedra branca.

Mas que diabos foi isso!? Ele acabou de balançar de qualquer jeito a espada em minha direção e minha consciência apagou…?

Bercouli ergueu dois dedos da mão direita que ainda segurava a Time Piercing Sword para curar a ferida, concentrando seus pensamentos o máximo que podia.

A arte curativa não verbal, algo tão refinado mas que para ele era tão trivial, deteve rapidamente o fluxo de sangue produzindo um pequeno clarão azulado, fechando o corte instantaneamente.

Contudo, não havia energia sagrada espacial no ar suficiente para ser possível recriar um braço novo para substituir o extirpado. Aquelas montanhas eram de fato completamente áridas, não retendo nenhum tipo de poder útil para ser usado.

E agora? Como lidar com esse cara?

Seu Armament Full Control Art , o Empty Slash, tinha se mostrado completamente ineficaz.

A residual da incarnation que fica no ar após o ataque poderia ser absorvida totalmente pelo  oponente.

Seu último recurso era usar o Release Recollection, o Arcane Slash. Porém, para usar uma técnica tão refinada quanto essa, dois pré-requisitos deveriam ser cumpridos.

Primeiro, seu oponente não poderia interromper os longos movimentos que precediam o ataque.

Segundo, obter uma precisão absoluta, algo que na atual situação, se tornava cada vez mais e mais difícil de se executar, isso se por ventura conseguisse completar a primeira parte…

Bercouli secou o suor da testa por um momento e então deu-se conta…

Heh! Estou começando a perder a calma.

De qualquer modo, não tenho mais salvação, em outras palavras, eu sabia que seria nesse lugar e momento que morreria. Então, não importa o que farei, o passo seguinte vai culminar inevitavelmente em minha destruição.

Então, a questão aqui é apenas decidir de que maneira irei embora, como um gatinho assustado ou…

Assim…

“Heh!…Hehehe…!!”

Depois de perceber que estava em um beco sem saída, ao invés de franzir o rosto, o Integrity Knight Bercouli Synthesis One sorriu.

Seus olhos se moveram lentamente para onde estava o Imperador Vector, que ia calmamente se aproximando, como que o provocando,  da mulher cavaleiro que estava um pouco distante deles… Alice Synthesis Thirty.

Senhorita, … minha pequena princesa Alice…

Certo, você vai me tirar desse mundo, senhor Imperador, mas não vou deixar que a leve.

Nunca pude dar o amor paternal que ela merecia, pois nem consigo lembrar de como isso deveria ser, já que não tenho nenhuma recordação dos meus pais, entretanto, há algo que sei sobre paternidade…

Que os pais devem morrer protegendo seus filhos.

“… E um desgraçado como você… jamais entenderia, MALDITO!!!”

Bercouli gritou e saltou como um raio para frente.

Sem nenhum plano em mente, apenas colocando tudo que possuía em sua amada espada, o maior de todos os Integrity Knight avançou.

Sword Art Online Alicization Underworld - Awakening - Bercouli, Vector

***

“Ga… ah…”

Uma grande quantidade de sangue saiu junto de sua respiração derramando-se sobre seus pés.

Asuna se manteve sem cair, porém, era graças a sua espada cravada ao chão que a segurava na posição vertical.

Após repelir a terceira e quarta onda de ataques dos lanceiros pesados, que haviam ferido seu corpo de maneira atroz mais de uma dúzia de vezes, a camisa branco pérola e seu vestido estavam completamente aos pedaços e o pouco tecido que ainda restava, totalmente tingidos de sangue tanto dela quanto dos inimigos.

Mesmo tendo recebido vários impactos diretos de lanças gigantescas em seu pequeno corpo, criando um rombo inominavelmente grotesco atrás do outro, era surpreendente que ainda estivesse em pé e se movendo.

De fato, ironicamente isso se devia ao colossal marcador de HP que não permitia que a sua força fosse drenada.

Esse corpo só cairá quando meu espírito não estiver mais nele.

De outra forma, estarei aqui para sempre! Podem vir!!

Havia perdido praticamente qualquer sensação de tato, o máximo que sentia era um calor ardente que corria por seus nervos, distorcendo a visão.

Talvez fosse a dor ou sua própria alma se esvaindo, mas sendo agora a única coisa que sentia, agarrou-se a esse estranho estímulo para manter-se focada à luta.

A quinta onda das tropas inimigas apareceu em sua vista nublada enquanto automaticamente sacava a espada do chão.

Já não era capaz de realizar movimentos evasivos com perfeição. Só podia segurar as lanças com o próprio corpo e depois contra-atacar com a habilidade de espada que fosse necessária para a situação.

Ação e reação eram tudo que lhe restava.

Sua espada, outrora tão leve quanto uma pluma, era agora uma pesada barra de chumbo, contudo, Asuna a erguia com ambas as mãos, sustentando-a apontada para frente, aguardando a chegada do inimigo.

GO!!

A terra sacudiu e vinte lanceiros começaram a correr adiante, produzindo estampidos cadenciados a cada passo ritmado.

BOOM! BOOM! BOOM! BOOM! BOOM!

Contudo, após a investida, uma vibração aguda mesclada com algo que provocou total silêncio de todos tomou conta do local.

Os olhos de Asuna foram atraídos para cima.

Do céu escarlate, uma linha solitária surgiu.

Uma pequena sequência digital, um código…

Reforços…? Inimigos…?

…!

“Ahh!”

Era um suspiro mesclado com desespero.

Porém…

A cor da linha não era o já familiar vermelho e sim um azul marinho profundo, semelhante ao céu noturno pouco antes do alvorecer.

Asuna não podia prever o que aquela cor significava, portanto, apenas tentou aguçar os olhos para não perder nada do que se desenrolava, esperando o resultado.

A linha se deteve há uns dez metros acima do solo enquanto o código começou a se consolidar, se juntando e produzindo um forte clarão até, por fim, se mostrar como uma silhueta humana.

BOOM!

O ar vibrou e a silhueta começou a girar tão rápido que em instantes tornou-se apenas um borrão.

Lançando um rugido vigoroso como um tornado, seguiu caindo.

Diretamente abaixo dessa silhueta, os vinte lanceiros também permaneciam parados observando a cena em silêncio.

O tornado azul aterrissou bem no meio deles.

Então, de repente, algo vermelho explodiu dentro da formação.

Sangue.

Os soldados foram pegos no interior de um tornado violentíssimo, sendo espicaçados, criando uma chuva de sangue que foi levada pelo intenso vento em redemoinho para todos os lados.

Por último, no meio dos inimigos vermelhos caídos, o tornado começou a diminuir suas revoluções até recuperar a forma de uma pessoa.

Asuna observava as costas da figura recém-chegada, mostrando-se que era um homem alto e magro.

O mesmo desprendia uma forte vibração com sua armadura no estilo japonês que parecia quase estar viva ao refletir a luz rubra do lugar.

Sua mão esquerda apoiava-se em uma bainha presa à cintura, enquanto a mão direta manuseava uma espada incrivelmente longa, uma katana.

Asuna já havia visto aquele ataque muitas vezes em outro mundo.

Uma habilidade de espada magnífica.

Uma poderosa investida de katana com grande range, chamada de Tsumujiguruma.

A silhueta se ergueu apropriadamente de maneira descansada, apoiou a espada em seu ombro e girou casualmente de frente para ela.

Sob uma bandana de tecido chamativo e um rosto com barba por fazer, um enorme sorriso lhe dirigiu.

“Ei Asuna! Te fiz esperar muito?”

“K… lein…!!”

Asuna mal conseguia escutar sua própria voz, rouca e ressecada.

De repente, um estrondo gigantesco abalou o mundo à volta mais uma vez. E apesar dos efeitos sonoros serem idênticos aos de quanto haviam aparecido os jogadores norte americanos, para Asuna, aquilo parecia ser uma música angelical.

Então, milhares de linhas de códigos azuis marinhos brilhantes começaram a chover sem parar, oriundas do céu vermelho.

***

Um corte.

Consciência escurecida.

Só a dor da ferida que recebia em seguida o fazia retornar.

Bercouli havia perdido a conta de quantas vezes esse processo havia se repetido. Inesperadamente, ganhar a todo o momento um ferimento profundo, quase mortal, era a única coisa que o ancorava à realidade.

Só se mantinha vivo mesmo com todos esses ‘apagões’, graças aos reflexos absurdos que seu corpo acostumado às batalhas durante os séculos adquiriu, movendo-se instantaneamente ao sentir uma lâmina tocá-lo, evadindo de maneira primorosa, contudo sem sair de fato totalmente ileso.

No entanto, mais eficiente do que seus movimentos eram os de seu oponente, que parecia ser arrastado por mãos invisíveis para fora do alcance de qualquer ataque, por mais rápido, inesperado ou virtualmente impossível de se defender. O Imperador Vector não fora acertado de maneira fatal uma única vez. Sempre que estava prestes a receber uma ferida perigosa, seu corpo se tornava quase intangível, se movendo o suficientemente longe para não levar qualquer dano que pudesse incapacitá-lo.

Ao passo que Bercouli estava sempre recebendo uma ferida ao final de cada investida, arrancando-lhe sangue toda vez que tentava acertar.

Tinha a certeza de que estava conseguindo arrancar um pouco de Vida de seu oponente, porém, perdia uma quantidade muito maior de sua própria, que continuava a decair de maneira vertiginosa.

Em poucos instantes, sua existência chegaria ao limite.

Mas graças a sua inabalável força de vontade afiada ao longo de centenas de anos, não se deixava cair em delírios desesperados. Seu corpo fora forjado para a guerra, ele sabia mesmo sem receber um comando mental o que deveria fazer, que ponto acertar, como desviar, ele era a própria lâmina.

Por esse motivo, usava tudo que tinha, todos os movimentos, combos, técnicas de assassinato, blefes. Estava despejando toda sua experiência no oponente a sua frente a cada golpe.

Era a primeira vez desde sempre que podia lutar com tudo sem se preocupar de que a batalha fosse terminar rápido, estava até feliz com isso.

Nenhuma ação era desperdiçada. Seu corpo sabia o que fazer, por isso o deixou livre para agir, pois…

Nesse momento, só existia uma ação primária reverberando em sua cabeça.

Contar.

Mais precisamente, medir o tempo.

Bercouli possuía a habilidade especial de mensurar as horas de maneira natural devido aos seus instintos. E agora, usava essa habilidade para gravar tudo, contabilizar cada microssegundo.

Apesar de seus pensamentos ficarem turvos cada vez que tocava alguma parte do Imperador, seu corpo seguia marcando a passagem de tempo como um cronômetro.

Quatrocentos e oitenta e sete.

Quatrocentos e oitenta e oito.”

Bercouli contava os segundos precisamente enquanto atacava de maneira incessante, fazendo força para articular vez ou outra alguma provocação.

“…Esse manejo de espada… não me parece estar a altura de alguém que se diz… a Majestade Imperial.”

Quatrocentos e noventa e cinco.

“Jamais poderá me vencer usando habilidades desse nível… não chega aos pés do pior dos meus aprendizes.”

Quatrocentos e noventa e oito.

“Veja só, ainda não terminei com você!”

Com um forte grito, fez um grande corte frontal.

Quinhentos.

A lâmina de sua espada tocou o fulgor índigo irradiado do Imperador.

Que imediatamente teve sugada a incarnation de sua espada, interrompendo mais uma vez seus pensamentos.

Quando voltou a si, estava sobre os joelhos, com sangue gotejando de uma nova ferida em sua bochecha esquerda.

Quinhentos e oito.”

Puxou o ar para os pulmões que ardiam como brasas.

Heh! Quase lá! Só preciso aguentar um pouco mais.

Bercouli levantou-se com dificuldade e olhou para o Imperador em suas costas.

Um traço de leve desgosto surgiu no rosto de Vector que até agora não tinha demonstrado nenhuma expressão. A razão era que após ter cortado a bochecha de Bercouli, gotas de seu sangue havia salpicado-lhe seu pálido rosto quando o guerreiro evadiu instintivamente de receber um golpe faltal.

Vector limpou a mancha com aponta do dedo indicador e depois o esfregou no polegar.

“ Hum…! Já chega, cansei-me disso…”

Girando para o Knight Commander com uma energia diferente da que tinha demonstrado desde então, deu um passo a frente, pisando na enorme poça rubra que Bercouli havia criado.

“Sua alma é muito pesada, muito densa. Não quero que isso fique grudado em minha língua. Devo dizer que você me surpreendeu de uma maneira estranha, pois mesmo depois de me enfrentar frente a frente, ainda se agarra a essa pífia determinação de querer me matar onde todos os outros já tinham sucumbido.

Hunf!… Então…

Será uma chatice devorá-la.”

O Imperador disse a próxima palavra em tom monótono enquanto dava outro passo.

“Morra!”

Elevando silenciosamente a espada negra, a mesma desprendeu uma energia viscosa.

A expressão de Bercouli não se alterou, contudo, apertou mais ainda seus dentes.

Não será como você quer, ainda não! Faltam trinta segundos.

Em tom de escárnio, disse:

“Mas… o que está dizendo, “Vossa Imperialidade”? Será que se cansou de mim assim tão cedo? Creio que posso te divertir um pouco mais…”

O Knight Commander levantou-se, fez uma careta de dor, como que tivesse sofrendo de algum efeito atordoante e deu alguns passos cambaleantes para o lado, levantando sua espada com fragilidade aparente na mão direita e falando sem força na voz.

“Só me dê um tempo aí para te achar… Está um pouco difícil de te ver, sabia? Devo ter perdido sangue demais e…

Ei! Ainda está por aí..? Ãh..!? Ali… não é?”

Com uma luz vazia nos olhos, o Knight Commander oscilou a espada.

CLANK!

Golpeou em um lugar bem longe de onde seu oponente estava com a ponta trêmula da espada, cambaleando mais exageradamente após o impacto torpe no chão rochoso.

“Aah… errei? Então… é aqui..?”

Outro ataque que sequer ativou algum tipo de poder, fazendo apenas com que se desequilibrasse e fosse quase ao chão. Com uma imensidade de cortes recebidos do Imperador, um de seus pés estava incapacitado, fazendo com que o comandante o arrastasse com muita dificuldade.

Bercouli balançava a espada de maneira ridícula, golpeando o nada como se a brisa que o estivesse levando de um lado para o outro.

Sua visão tinha ficado completamente escurecida devido a perda imensa de sangue, fazendo seus sentidos falharem, arrastando os pensamentos para um estado completamente caótico…

…Ou ao menos era isso que ele fazia aparecer.

 

Contudo, isso não passava de uma atuação, o último e derradeiro blefe de Bercouli.

Aqueles olhos azuis acinzentados, praticamente fechados estavam fixando intensamente uma única coisa.

Pegadas.

Ao passar quase dez minutos atacando ferozmente o Imperador sem um objetivo fixo, Bercouli havia derramado seu sangue propositalmente por todos os lados da plataforma de pedra em que estavam, que apesar de não ser muito ampla, ainda assim, custou praticamente todo o líquido precioso de sua Vida para fazê-lo.

As pegadas dos dois homens eram completamente distintas, pois Vector usava botas metálicas totalmente diferentes das marcas das sandálias gastas de Bercouli. Sendo muito fácil identificá-las naquela superfície lisa.

Em outras palavras, aquilo era um registro detalhado dos movimentos dos dois homens.

Atuando de maneira a parecer irracional, Bercouli estava buscando a pegada mais escura e seca do Imperador, criada no momento em que ele cortou seu braço esquerdo, dez minutos atrás.

Após aquele golpe, Bercouli imediatamente/inconscientemente começou a contar o tempo.

O objetivo de tudo isso era para poder identificar onde o Imperador Vector havia estado há dez minutos. Os apagões de sua consciência prejudicava uma verificação habitual, sendo assim, usou esse recurso para confirmar onde estavam as pegadas sangrentas que registravam precisamente a direção em que ele avançou e para onde se moveu, remontando o cenário da luta mentalmente em sentido contrário.

Quinhentos e oitenta e nove…”

Quinhentos e noventa…”

“Oh..!… Enfim, te encontrei…”

Bercouli sussurrou baixinho com um leve sorriso enquanto se movimentava de lado e oscilava a Time Piercing Sword.

Era seu último golpe.

Tanto a espada quanto seu proprietário, ambas as Vidas em decréscimo, haveriam de chegar ao fim quando o ataque terminasse.

Bercouli gastou tudo que tinha até não sobrar nada mais do que a exaustão completa e ativou o Release Recollection Art de seu surrado instrumento sagrado, a Time Piercing Sword.

Time Piercing Sword, Arcane Slash” – disse mentalmente.

Ao contrário do Empty Slash que podia cortar o futuro, o Arcane Slash tinha o poder de cortar o passado.

Dentro do Main Visualizer de Underworld, os movimentos recentes de todas as Unidades Humanas ficavam gravados e armazenados por seiscentos segundos, ou seja, dez minutos.

A Time Piercing Sword podia interferir diretamente nesse tipo de registro, fazendo o sistema errar a posição da Unidade dez minutos e um segundo antes da posição atual da mesma.

E quanto ao resultado, a lâmina que normalmente não podia cortar nada, dessa forma podia ser transmitida para o corpo da pessoa que existiu naquela área anteriormente.

Inevitável, sem poder ser bloqueada, fazendo jus ao seu nome, era um golpe que podia suplantar todas as técnicas e treinos árduos das outras espadas.

E por ser algo tão injusto que Bercouli sempre evitava ativá-lo.

Quando batalhou com Eugeo, embora enfrentando e perdendo para o Release Recollection Art da Blue Rose, decidiu por não usar essa técnica.

Não acreditava e nem gostava de participar de batalhas em que tivesse uma vantagem tão injusta quanto essa. Além do mais, sabia que se Chudelkin descobrisse uma técnica assim, poderia acusá-lo de possível traição, o tornando um inimigo da Igreja Axiom e isso seria uma chatice, pois acabaria tendo que matar todos lançando mão de algo tão desleal várias e várias vezes, sendo que isso também iria contra sua função de protetor do Mundo Humano.

Porém, com o Imperador Vector como seu oponente, possuidor de um poder incalculável que excedia o seu muitas vezes, não tinha tais reservas, na verdade, esse golpe era perfeito para usar em alguém como ele.

No instante em que o Imperador saltou de seu dragão, Bercouli havia tomado vantagem de que seu inimigo estivera voando em linha reta a uma velocidade constante, facilitando calcular corretamente sua localização dez minutos atrás.

Contudo, as diversas vezes em que a batalha corpo a corpo se seguiu, acabou com esse fator, transformando em algo extremamente difícil de mensurar.

Claro, se pudesse saber onde ele estivera no momento em que desceu, poderia já vir com a técnica ativada. Porém, corria o risco de que se usasse esse método logo de primeira, de que sua ativação pudesse ser interrompida pelo inimigo, dessa forma seria muito difícil precisar os dez minutos novamente.

Suas técnicas lhe eram totalmente desconhecidas, não poderia arriscar.

Mas agora… havia chegado o momento crucial.

Não terei outra chance, é agora ou nunca!

Contudo…

“Belo espetáculo, porém, me parece que está planejando algo.”

O Imperador Vector, que estava parado observando até então, se aproximou muito rápido como se flutuasse, forçando Bercouli a evadir rapidamente do ataque da Incarnation negra azulada que emanava da espada de seu inimigo e…

Acabou! Os dez minutos e um segundo do passado se perderam para sempre.

 

Não! Perdi a chance!!.”

Bercouli ergueu a Time Piercing Sword preparando-se para usar o Release Recollection mais uma vez mesmo que agora fosse inútil enquanto se maldizia pelo fracasso.

Estava de fato desesperado.

Já que o Imperador havia descoberto que preparava um plano, iria ativar suas técnicas contra ele sem pestanejar, sendo mais preciso, já havia ativado, pois o brilho da Incarnation de sua espada longa já estava alcançando Bercouli.

A partir desse momento, com seu plano destruído, o tempo pareceu acelerar e tudo ficar em câmera lenta.

Sem tempo e nem forças para um contra-ataque, o Knight Commander começou a evadir-se o mais eficaz que conseguia, contudo, apenas se arrastava.

O Imperador desferiu uma imensidade de cortes sem nenhuma técnica, mas com uma velocidade impressionante.

A cada golpe, se arrastava, rolava, caia pateticamente no chão.

Já sabia que não tinha nada mais para fazer, que em breve receberia a benção da morte, seu destino estava sendo selado.

Três vezes, quatro…

E logo após evadir com êxito do quinto ataque, a luz azulada finalmente arranhou seu corpo.

Sua consciência se quebrou fazendo um estalo, ‘crak’!

Quando Bercouli abriu novamente os olhos, viu que a espada de Vector estava cravada profundamente em seu estômago.

Com um silvo, a lâmina foi sacada e o restante da Vida do Knight Commander começou a jorrar de sua boca em forma de sangue morno.

E enquanto caia lentamente de costas, ele viu…

A silhueta de um dragão bem acima de si, rasgando os céus em um voo, que de seu ponto de vista, parecia alcançar a velocidade da luz.

Hoshigami!

O que há com você, rapaz? Não te falei para ficar esperando e depois se retirar? Porque me desobedecer justo nesse momento?

O dragão abriu a mandíbula e chamas brancas azuladas saíram em disparada em linha reta.

Enfrentando esse ataque que tinha força suficiente para acabar com centenas de soldados em um único impacto, o Vector apenas ergueu a mão esquerda recebendo a ofensiva calmamente.

A armadura negra em de sua luva, desviou as chamas em todas as direções sem nenhum esforço.

Faíscas foram lançadas ao ar, calcinando tudo o que tocava.

A espada na mão do Imperador disparou mais uma vez a luz negra azulada que viajou contra as chamas brancas até perfurar a cabeça de Hoshigami.

O dragão de Bercouli recebeu todo o impacto da habilidade da espada que tinha dominado facilmente o dragão da Ordem dos Dark Knights, contudo, não deteve seus movimentos.

Ao contrário, Hoshigami converteu toda sua Vida em raios brancos que foram disparados de suas asas amplamente abertas indo diretamente para cima de Vector.

Uma franzida no rosto descorado do Imperador demonstrou todo o desgosto que aquilo provocou enquanto levantava a espada novamente para o alto e executava um corte extremamente tosco direcionado para a mandíbula do dragão que estava agora prestes a rasgá-lo.

A luz escura se derramou em todas as direções, absorvendo o novo ataque e a Vida do dragão quase que instantaneamente, despedaçando seu corpo logo em seguida.

Hoshigami entregou sua preciosa Vida por míseros sete segundos do tempo do Imperador…

Sim, o corpo do comandante ainda seguia sua contagem.

Bercouli definitivamente não deixaria aquilo passar em vão.

O Knight Commander sentiu sua alma ser invadida pelo último alento de seu amado companheiro com quem havia passado sua extensa vida ao lado enquanto movia a Time Piercing Sword com o derradeiro Release Recollection ativado em pleno ar, onde a mesma já havia começado a deixar várias imagens residuais de si mesma para trás.

O método de recordar a posição do inimigo dez minutos atrás só permitia um ataque intenso a cada período igual de dez minutos.

Ele havia perdido a janela de tempo, contudo…

O registro dos movimentos impresso no solo ensanguentado mostrava que ainda era possível perseguir a trajetória do inimigo.

Bercouli mirou no lugar onde antes não era possível atacar, na marca de sete segundo após os dez minutos, justamente onde as pisadas rubras indicavam o local onde o Imperador estivera parado, e então dessa forma, liberou seu último ataque.

 

Havia outra característica do Arcane Slash da Time Piercing Sword.

Por interferir diretamente com o sistema, a força do golpe tinha a propriedade de apagar completamente o valor vital do alvo atingido. Por essa razão, o ataque não poderia ser bloqueado nem sequer com o sistema de Incarnation.

Sendo assim, o poder do Imperador Vector que se baseava em nulificar e absorver qualquer ataque não podia ser ativado.

Com esses requisitos sendo atendidos, a Vida astronômica estabelecida pelo sistema para a conta Vector recebeu o valor inexorável de zero.

Como resultado, a grande estrutura corporal do Imperador foi completamente dividida de seu ombro esquerdo até o lado direito de sua cintura.

E mesmo enquanto seu corpo era partido ao meio devido a um imenso corte surgido do nada, o rosto do Imperador continuava carente de qualquer expressão.

Aqueles olhos azuis claros fitavam inexpressivamente o céu, como duas joias estranhas.

No instante em que a parte superior de seu corpo estava prestes a tocar o solo, no lugar perto de seu coração uma luz negra estalou, criando uma imensa, porém, silenciosa explosão que não produziu calor algum.

Assim que a explosão cessou, não havia nada sobre o solo que pudesse comprovar a existência do Imperador.

Segundos depois, a Time Piercing Sword que havia perdido totalmente sua Vida na mão direita de Bercouli, esfarelou com um ruído baixo.

***

“…É tão morno

Quero ficar aqui um pouco mais.

Despertando de seu sonho, a Integrity Knight Alice sorriu preguiçosamente, estava ainda imersa na confortável sensação de estar flutuando.

Em sua mente, o sol brilhava de maneira magnífica.

Estava deitada sobre o colo caloroso de alguém que lhe afagava os cabelos amavelmente apesar da mão áspera.

“… Papai.

Quanto tempo havia se passado desde que estivera dessa forma, deitada em seu colo? Tinha esquecido completamente dessa tranquilidade… dessa sensação de segurança, de não precisar se preocupar com nada.

Tudo que ela desejava era viver e permanecer daquele modo para sempre.

Ahh… está tão bom mas… é hora de levantar.

Então, Alice abriu os olhos.

Diretamente acima de seu rosto estava à figura de um espadachim de meia idade, seus olhos pareceram brilhar enquanto semicerraram ao sorrir gentilmente para ele.

Naquele rosto vivido, com rugas aparentes em determinadas partes, muitas cicatrizes antigas eram percebidas, incontáveis feridas novas também estavam presentes, ainda esperando uma oportunidade para curar-se.

“… Meu senhor?”

Alice sussurrou ao mesmo tempo em que sua consciência voltava a si.

É mesmo, fui capturada pelo dragão do Imperador Vector. Fui muito descuidada em me separar do grupo e ir sozinha para frente, baixei totalmente minha guarda.

Porém, como era de se esperar daquele homem, seu mestre, mesmo caindo nas garras do general inimigo, ele a resgatou. E tão gentil, permaneceu a seu lado esperando que despertasse.

Sorrindo novamente, Alice se sentou.

Ao fazer isso, começou a perceber que as feridas do Knight Commander iam muito além de simples arranhões no rosto, se estendia para o resto de seu corpo.

Ao finalmente ver o quadro inteiro, ficou sem fala.

O braço esquerdo daquele homem tão poderoso tinha sido completamente arrancado desde seu ombro. Sua distinta roupa no estilo estranho oriental estava rasgada e encharcada de sangue e logo abaixo de seu peito… uma ferida extremamente profunda era visível.

“M-….Meu senhor!!! Meu mestre Bercouli!!!”

Alice gritou enquanto se aproximava apavorada. Seus dedos tocaram as bochechas do Knight Commander.

Entretanto, ao fazer isso, finalmente compreendeu que o cavaleiro mais antigo e poderoso do mundo, finalmente havia esgotado sua Vida.

***

“…Ei… por favor, não chore dessa maneira, minha pequena.

Sabíamos que uma hora isso iria acontecer, então, que bom que tenha sido dessa forma, não acha?

O Integrity Knight Commander Bercouli Synthesis One disse carinhosamente enquanto observava a menina de cabelos dourados chorar abraçada ao seu corpo, contudo, sua voz não mais a alcançava.

…minha princesa, cuide-se! Faça isso e tudo ficará bem. Sei que é forte o suficiente para seguir vivendo e superar qualquer coisa.

Acredito em você, pois… você é minha única aprendiz… minha filha adorada.

A cena da garota agarrada em si foi gradualmente se desvanecendo, sumindo da visão de Bercouli.

Então, como se tivesse captado essas palavras e sentido sua partida, a garota mostrou um último sorriso para o cavaleiro. Era sua amada dama dourada, seu legado. Ela estava viva e certamente ficaria bem.

A missão fora cumprida.

Então, seus olhos fixaram os céus, para o norte distante.

Seus pensamentos voaram, percorrendo uma distância incrível em um piscar de olhos em direção a outro cavaleiro, a pessoa que estava embaixo do mesmo céu que ele.

Não sabia se conseguiria alcançá-la em tempo, porém, acreditava na força de seu coração que estava cheio da mais profunda e pura emoção que fora carregada durante toda sua longa vida e que agora chegava ao fim.

Sentia que tinha sido uma jornada eterna.

…Bem, bem, bem… até que não é uma forma ruim de ir embora, não é?

“Sim, você deveria se sentir abençoado por ter tantas pessoas que choram por ti.”

Na hora em que se virou para a origem da voz que de repente surgiu, viu uma garota flutuando calmamente ao seu lado. E exceto pelo imenso e ondulante cabelo prateado que a cobria parcialmente, estava completamente nua.

“… Então… ainda continua viva?”

Bercouli fez uma expressão divertida enquanto a Alto Ministro, a Administrator piscava como se não entendesse a pergunta e respondia com um sorriso suave nos lábios.

“Mas como isso seria possível, não é? Se pensar bem… se apareci diante de você em seus últimos momentos, é porque devo ser parte de suas recordações que ainda guarda de mim. Essa ‘eu’ com quem está conversando é simplesmente a Administrator que reside em sua alma.”

“Humm… não sei se compreendo isso completamente… porém, se reside em minhas memórias, fico feliz que tenha restado a parte sorridente.

Você fica bem sorrindo assim.”

Bercouli respondeu também com um sorriso enquanto percebia algo em seu outro lado.

Sem dar-se conta, seu amado dragão Hoshigami tinha aparecido e já lhe envolvia em um ‘abraço’, passando o longo pescoço ao redor de seu corpo.

O Knight Commander acariciou suavemente seu amigo prateado que agora se apresentava meio translúcido e logo saltou sobre suas costas com um ‘upa!’, estendendo a mão para a Administrator subir junto logo em seguida.

“Mas… você não me odeia?”

Perguntou a única que em toda sua longa vida fora mestre do Knight Commander enquanto inclinava a cabeça.

“Não me odeia por ter lhe condenado a uma vida eterna e ter manipulado tanto suas memórias?”

Depois de um breve momento pensando, Bercouli deu de ombros e respondeu:

“Mesmo que tenha sido um tempo tão longo a ponto de me deixar aborrecido várias vezes, ainda assim, tive uma vida impressionante. Então, não me importo.”

“Sério… isso só podia vir de você mesmo…”

E sem dizer mais nada, apenas dando um leve aceno de mão, a silhueta da orgulhosa mulher sumiu no ar.

Dessa forma, após receber a curta resposta da Administrator, Bercouli desviou o olhar para frente enquanto pegava as rédeas de Hoshigami.

O dragão abriu suas enormes asas transparentes e alçou voo para uma imensidão sem fim.

***

Sob os céus do norte…

No solo ressecado, os escombros do antigo Grande Portal jaziam por todos os lados.

De leste a oeste, dez mil soldados do Dark Territory e quatro mil tropas do Exército do Mundo Humano permaneciam em formação, observando cada ação do outro, preparados para entrar em combate a qualquer momento.

Já que o Imperador Vector havia sumido sem deixar rastros, o exército do Dark Territory não podia iniciar um ataque por conta própria. Enquanto o inexperiente efetivo do Mundo Humano também prosseguia com o impasse.

Perto das ruínas do portal, onde apenas o vento podia ser escutado, encontrava-se a silhueta de um único cavaleiro solitário do sexo feminino.

Era a Integrity Knight encarregada das tropas principais do Exército de Defesa, Fanatio Synthesis Two.

Ela havia ordenado aos guardas e o sacerdote que fossem descansar em turnos para se prepararem para a batalha vindoura, porém, mesmo tendo dito isso, não conseguia adormecer, por isso caminhava sozinha pelo local onde antes se erguia uma barreira natural intransponível, o Grande Portal do Leste.

A noite tremendamente escura havia se ido e a luz de Solus começava a tingir o céu sobre o Dark Territory de vermelho e de azul do lado humano.

Mais de meio dia havia transcorrido desde que as tropas que compunham o grupo que serviu de isca do Mundo Humano, liderados pelo Knight Commander Bercouli tinha partido para adentrar o Dark Territory com intuito de dividir as forças do inimigo.

Embora soubesse que a missão não seria cumprida tão facilmente, esperar as cegas ali o retorno deles era algo duro de suportar.

E justo quando Fanatio estava prestes a fechar os olhos para rogar às três deusas para que pelo menos uma pessoa dentre todos regressasse a salvo…

Seus olhos foram obrigados a se abrirem.

Ela sentiu como se o homem que amava estivesse acabado de sussurrar em seu ouvido.

Sinto muito Fanatio, mas parece que não poderemos mais nos ver.

Deixarei o resto com você, cuide para que esse nosso pequeno viva alegremente…

Pouco tempo atrás, Fanatio havia escutado essas mesmas palavras. Fora a última frase que o Bercouli havia lhe deixado quando se separaram neste mesmo lugar.

Suas mãos, cobertas pelas luvas metálicas prateadas, acariciaram seu abdômen.

A nova vida recebida nesse corpo era algo que havia acontecido poucos meses atrás. Bercouli, quem passou mais de cem anos sem tocar em Fanatio, provavelmente pressentiu esse destino.

Ele sabia que morreria.

Sentindo que gigantesca vida do Knight Commander havia se extinguido no céu distante, Fanatio foi caindo lentamente sobre os joelhos enquanto enterrava o rosto em suas mãos.

Incapaz de conter-se deixou sair o pranto angustiado.

A razão pela qual Bercouli sempre procurava manter distância de Fanatio e de qualquer outra possível pretendente, ela sabia desde sempre.

Os homens e as mulheres do Mundo Humano só podiam casar sob o estrito reconhecimento oficial de um sacerdote da Igreja Axiom que autorizava a reprodução da próxima geração como que acatando as cláusulas de um rígido contrato.

Contudo, os Integrity Knights tinham autoridades muito maiores do que os sacerdotes, não necessitando seguir esses tipos de protocolos do matrimônio, podendo jurar votos de amor e compartilhar a cama um do outro e ter filhos se assim preferissem.

Entretanto, os mesmos acabam por não seguir por esse caminho.

Pois filhos que nascessem de uniões como essas, cresceriam e morreriam antes de seus pais que tinham as Vidas congeladas. Ou pior, poderiam sofrer da mesma sina que eles, tendo as jovens existências presas aos corpos eternamente se assim a Alto Ministro desejasse.

Mas apesar disso, inusitadamente, logo após a Administrator falecer, Bercouli finalmente aceitou os sentimentos de Fanatio, decidindo que iria proteger seu filho e fazer com que o mesmo vivesse em um mundo melhor até o fim de seus dias… algo que… ele possivelmente já sabia quando seria.

Então…

Contendo suas lágrimas por alguns instantes, Fanatio disse em voz alta, afirmando sua determinação:

“….Descanse em paz, meu amado Bercouli. Criarei apropriadamente esse nosso filho. Farei dele um homem tão forte e orgulhoso como você foi.”

E em seguida…

Porém, agora… só por agora…

Só nesse instante, me permita chorar…

Jogando-se ao solo, Fanatio agarrou a terra solta por onde Bercouli havia pisado a última vez e chorou sem se conter.

 

 

 

 

 

 

 

OLÁ PESSOAS!

CHEGANDO COM MAIS UMA BATALHA, DIGO, CAPÍTULO. ESTE FOI 100% TRADUZIDO NO CELULAR, QUE TRABALHÃO, MAS ACHO QUE VALEU.

O PC AINDA SEM PREVISÃO MAS NÃO PODEMOS PARAR, NÃO É MESMO?

FIZ O QUE DEU, ESPERO QUE NÃO TENHA MUITOS ERROS.

 

OUTRA COISA, ESTAMOS QUASE NA DATA DE ESTREIA DO ANIME DE ALICIZATION NÉ? ENQUANTO NÃO SAI, PEDI PARA UM AMIGO PEGAR UM VÍDEO DE ALGUNS MINUTOS DO PRIMEIRO CAPÍTULO E ESTOU DISPONIBILIZANDO AQUI EMBAIXO, LOGO APÓS A TRILHA, ASSISTAM E DEIXEM SUAS IMPRESSÕES NOS COMENTÁRIOS 🙂

E BORA PARA DISCUTIR O QUE HOUVE POR AQUI:

 

>>>> SPOILER A SEGUIR, SE VOCÊ NÃO LEU O CAPÍTULO VAI LER ANTES DE PROSSEGUIR!!

.

.

.

.

.

.

.

.

.

 

COMEÇANDO COM A ‘DEOSA’ E SUA LUTA FRENÉTICA, A MULHER VIROU UM QUEIJO SUÍÇO E AINDA ASSIM SEGUIU DANDO PORRADA EM TODO MUNDO, ATÉ EM INGLÊS ELA FALOU, FIQUEI EMPOLGADÃO. QUERO SÓ VER ESSA LUTA NO ANIME, SERÁ QUE TERÃO CORAGEM DE FAZER ELA CHEIA DE FUROS? A ROUPA RASGADINHA, COM PERNOCAS E PEITOS DE FORA COM CERTEZA VÃO TER, VISTO O QUE FIZERAM NO BLU-RAY NA CENA DO BANHO DO FILME ORDINAL SCALE.

E ACHEI DEMAIS A CHEGADA DO KLEIN E DOS OUTROS, VAI SER O PONTO ALTO DO ANIME SEM DÚVIDA ALGUMA, NÃO É? COMENTEM AÍ.

E DEIXEI  A MELHOR PARTE PARA AS CONSIDERAÇÕES FINAIS…

 

 

A SENSACIONAL LUTA DE BERCOULI! 

EU DISSE QUE ESSE CARA É UM DOS MEUS PREFERIDOS? QUE IRIA MITAR? POIS ENTÃO… MITOU MESMO!

QUE GOLPE ROUBADO, SEM DÚVIDA DE QUE ELE É O MELHOR ESPADACHIM DE UNDERWORLD, NEM O KIRITOSO PODERIA GANHAR DO CARA. 

O ESQUEMA LÁ DO EUGEO FOI TIPO OS CAVALEIROS DE OURO LUTANDO CONTRA OS DE BRONZE NA PRIMEIRA GUERRA DO SANTUÁRIO, NÃO GANHOU PORQUE NÃO QUIS, SIMPLES ASSIM.

ESSA FOI MAIS UMA PERDA DO CASTING QUE ME DEIXOU TRISTE, SOMANDO A CHARLOTTE, CARDINAL, EUGEO E AGORA BERCOULÃO.

AO MENOS ELE DEU UNS AMASSOS NA FANATIO E PIMBA, DEIXOU UM HERDEIRO HEHEHE.

E FALANDO NISSO, O FINAL DESSE CAPÍTULO FOI ANGUSTIANTE NÃO ACHAM?…

BOM, ERA ISSO, VOU INDO POIS ALUGUEI DEMAIS O PC ALHEIO, ATÉ QUANDO DER NOVAMENTE, O QUE PROVAVELMENTE VAI SER APÓS A ESTREIA DE ALICIZATION ANIMADO. 

VOU ABRIR UMA PARTE AQUI PARA FALAR SÓ DISSO, FORTE ABRAÇO E QUE O ANIME SEJA TÃO BOM QUANTO ESSA LIGHT NOVEL MARAVILHOSA.

FORTE ABRAÇO!!

 

 

 

 

==== SETOR DA DOAÇÃO ====

Enquanto não consigo repor o pc, vou fazendo aqui uma leve petição, quem quiser dar aquela força, fique a vontade.

 

Valeu pessoas e forte abraço!

 


 

 

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Estamos também traduzindo Sword Art Online Progressive, não deixem de ler.

Musiquinha para empolgar e emocionar

 

Prévia vazada do primeiro capítulo de Sword Art Online Alicization: