Sword Art Online Alicization – Exploding – Capítulo 19 – Parte 6 e 7

Arco: Sword Art Online Alicization Underword – Exploding
Capítulo 19

Sword Art Online Alicization Underworld - Exploding - Yui

Parte 6

Alguma vez você já teve uma premonição de morrer?

Repentinamente um som distinto chegou aos ouvidos de Bercouli Synthesis One enquanto abria seus olhos rapidamente.

Os raios da aurora, tingidos por uma cor estranha, começaram a se filtrar lentamente para dentro da penumbra de sua tenda. O ar frio era frio como gelo fazendo com que sua respiração se condesasse no ar formando um vapor branco.

Ele sabia que eram exatamente 04:20 da manhã. Seu instrumento divino o possibilitava sempre saber a hora exata, pois uma vez ele fora parte de um gigantesco relógio, o único naquele mundo. E mesmo agora com uma nova forma, ainda tinha a habilidade de marcar a passagem de tempo.

Em dez minutos, ele tinha que transmitir as ordens do dia para os guardas mensageiros para que tocassem as trombetas e despertar todos os demais.

Esfregando sua nuca com os dedos grossos e nodosos, o antigo cavaleiro ainda conseguia escutar as palavras em seu sonho:

– Alguma vez você já teve uma premonição de morrer?

Quem tinha feito aquela pergunta tinha sido sua única superiora, a Alto Ministro, a Administrator.

Ele já deveria ter esquecido daquele tipo de recordação. Quanto tempo havia se passado? Cem anos? Cento e cinquenta?

No passado, para evitar que sua alma se corrompesse, as memórias consideradas desnecessárias eram sempre eliminadas de sua mente. Por isso, Bercouli não conseguia organizar cronologicamente sua imensidade de pensamentos de maneira adequada.

Mas embora tivesse tido várias dessas recordações retiradas, porque aquela cena em especial continuava tão clara em sua mente?

Talvez sua mestra estivesse se cansando de seus dias infinitos e repetitivos, mesmo que fosse por sua própria vontade acabar naquela situação. De repente era por isso que volta e meia chamava o homem mais antigo depois dela para conversar e beber vinho juntos.

A governante de cabelos prateados estava recostada em um confortável sofá vermelho escuro, usando somente uma fina camisola de seda sobre o corpo sexualmente atrativo. Ela havia feito essa pergunta enquanto girava lentamente sua taça de vinho no ar.

O antigo guerreiro estava sentado no chão, sobre a tapeçaria, com os braços e pernas cruzados. Depois de engolir o delicioso pedaço de queijo que acompanhava o vinho, Bercouli coçou sua barbicha enquanto erguia a cabeça para vê-la.

Já estava acostumado com as travessuras de sua governante. Contudo, não se preocupava em ficar agradando-a como os demais, de maneira que apenas dizia o que queria dizer.

“- Uma premonição sobre a morte… Bem, quando era um jovem iniciante, fui derrotado na esgrima por um Dark Knight da geração anterior a dessa atual, naquela hora, acho que pensei que estava de tendo um momento… bastante difícil…

A Administrator riu com sua mão sobre a boca enquanto girava divertidamente mais rápido sua taça de cristal.

– Derrotado você diz? Fufufu! Porém, no fim, acabou arrancando-lhe a cabeça dele, não é? Exatamente, e ainda a trouxe para mim e eu a transformei em uma joia e acho que a guardei… por ali… Mas duvido que se lembre disso…

– Sim, de fato não consigo recordar de forma clara. Mas antes de qualquer coisa, porque me fez esse tipo de pergunta? Não acho que você esteja interessada nesse tipo de emoção.

Diante daquela pergunta, a antiga jovem soberana esticou seu esbelto corpo e cruzou as longas pernas enquanto sorria timidamente.

“- Fufufu… não espero que você possa entender Bercouli. Entretanto, todo dia… tenho esse tipo de pressentimento… todos os dias. Sempre que acordo… não, isso também povoa meus sonhos. Isso tudo porque ainda não consegui dominar completamente o mundo. Ainda há inimigos que permanecem escondidos e com vida. E talvez… em determinado momento no futuro, possam se tornar ou darem origens a novos e poderosos oponentes

-Creio que você esteja certa. Então, se me perguntarem, creio que ser a Alto Ministro é um trabalho muito estressante. Ainda bem que só preciso balançar essa minha espada. Saúde!

Centenas de anos após essa pequena conversa, longe do Mundo Humano, em um pequeno bosque do Dark Territory, Bercouli abria um grande sorriso.

Acho que finalmente entendi suas palavras hehehe.

A chamada premonição de morte não passava da constatação de que seu oponente possui um poder tão grande ou maior do que o seu. Uma força que valeira a pena enfrentar.

Um inimigo poderoso reconhece a força do outro. Depois de tudo, alguém que é verdadeiramente forte sempre buscará uma morte apropriada. Sendo incapaz de resistir a um convite tão tentador… afinal, mesmo não admitindo com palavras, esse sempre foi o meu objetivo…

É exatamente o que eu, alguém que sempre esteve longe das portas da morte natural, estou sentindo agora…

Sinto claramente como se estivesse prestes a tocar os portões da obliteração final com essas minhas mãos sangrentas e de fato… posso dizer que isso me empolga…

Depois da morte da Administrator, o Knight Commander Bercouli, havia se tornado o humano mais velho do mundo.

Ele inspirou o ar gelado, tirou sua parca proteção e colocou uma simples camiseta branca sobre seu musculoso corpo, vestiu seu kimono, atou seus chinelos e guardou sua amada espada em sua cintura e…

Saindo para sentir o ar frio matutino, Bercouli se dirigiu até a tenda dos guardas mensageiros para transmitir a ordem de despertar.

***

Quase exatamente ao mesmo tempo.

Perto do acampamento militar do Dark Territory, dois kilols ao norte, contra a aurora que chegava lentamente no horizonte, dez dragões viajavam silenciosamente no ar.

Nas mãos de cada um Dark Knight sentados nas costas de suas bestas aladas, estavam grossas cordas que traziam em suas extremidades estacas de madeira feitas para cravarem no chão, sendo mais preciso, na borda de cada lado da imensa fenda.

E quando já era possível do chão ver as cordas balançando ao vento, os dragões que começaram seu voo decidido desde o vale, planaram elegantemente a meros cem mels de altitude.

Ao tocarem no chão, os cavaleiros rapidamente desmontaram de seus companheiros de batalha, não brandindo suas espadas e sim arrastando grandes rolos de corda em uma mão e pesadas marretas na outra. Sem nenhuma conversação, começaram a cravar firmemente as estacas ao solo.

As novas ordens do Imperador Vector eram:

Que a Guilda dos Lutadores e os Dark Knights cruzassem o vale utilizando aquelas dez cordas.

O inimigo naturalmente interferiria atacando, contudo, deveriam atravessar de qualquer maneira.

Nenhum que caísse durante a travessia deveria ser resgatado.

Igualmente, não receberiam comida ou qualquer outro recurso de subsistência ou medicações até terem atravessado.

Resumindo, os escolhidos para essa empreitadas estavam sendo enviados como sacrifícios para uma terrível batalha mortal, sem provisões e sem nenhum apoio. Tanto o jovem líder dos Lutadores quanto o sucessor do Dark General Shasta rangeram os dentes com fúria quando receberam aquela mensagem.

Porém, não tinham a opção de desobedecer a uma ordem direta do Imperador, seu governante definitivo.

Só o que restava para os líderes dos dois grupos, era esperar que eles e seus homens conseguissem cruzar o cânion antes que o inimigo notasse, contudo, a pequena esperança logo virou pó quando perceberam que os batedores do Mundo Humano os avistaram ainda antes que os dragões pousassem em um posto avançado no cume de uma colina próxima do outro lado do profundo vale.

Constataram a movimentação e souberam de imediato quando viram alguns membros irem em direção ao pequeno bosque mais afastado, um kilol ao sul, de onde a elevação se encontrava e possivelmente o local onde o acampamento do inimigo estava.

***

Mantendo a etiqueta recebida por sua mãe, Asuna mastigou o duro pão torrado com uma fatia magra de queijo, alguns pedaços de carne desidratada e várias frutas secas, pensando em como seria bom continuar a dormir, visto que a noite de sono tinha sido curta.

Durante seu café da manhã, um pensamento divertido passou pela mente.

Já que estou em um tempo acelerado por mil, posso comer mil tipos de comidas em relação às pessoas do mundo real que mal conseguiriam abrir a boca para engolir seu alimento. E o mais legal é que… possivelmente não engordarei… hihi… ou será que não!?”

Nisso, olhou para frente, até onde estava sentada a Integrity Knight Alice e uma das líderes da guarda, Sortiliena, preparando suas refeições enquanto mostravam olhares um tanto perdido, com se estivessem sonhando acordadas.

Divisou mesmo por cima do tecido soltos de suas vestes, que seus corpos eram completamente esbeltos, sem nenhuma gordurinha localizada.

Será que elas mantinham alguma dieta balanceada? Como a nutrição ou enfermidades eram tratadas nesse mundo? O estilo de vida que levavam impactava em seus organismos como no mundo real? Ou seus corpos seguiam estritamente os parâmetros concedidos pelo sistema no ato de seus nascimentos? Ou quem sabe… a aparência de cada uma dependia unicamente de seu estado de espírito?

Além delas, Ronye também preparava o café separando alguns pedaços de bolo e os levando até Kirito semidesperto, alimentando-o como a um doente vegetativo. Incrivelmente, os movimentos dele para alimentação seguiam um padrão quase mecânico.

De acordo com que Alice tinha comentado, a preservação de sua Vida tinha se dado exatamente por causa da alimentação, porém, sua constituição vinha ficando cada vez mais frágil dia após dia.

A impressão é que a qualquer momento, ele iria sumir daquele mundo. Especulou se aquilo não era por vontade própria.

“Você me parece um pouco melhor esta manhã, senhor Kirito!”

Ronye sussurrou de repente, com se estivesse lendo os pensamentos de Asuna.

“E também está comendo bem melhor do que ontem.”

“Será que não é o efeito de dormir acompanhado de quatro lindas garotas?”

Asuna sorriu sem pensar ao ouvir a frase de Alice.

Na noite passada, sem nenhum tipo de acordo ou briga, as quatro haviam se recostado ao lado de Kirito para conversar.

Cada uma dela havia compartilhado recordações que passaram ao lado de Kirito, contudo, como era um volume imenso de informação, acabaram sendo vencidas pelo sono e adormeceram ali mesmo.

E assim, nas frações de segundos em que recordava os últimos acontecimentos, um som de trombeta chegou aos ouvidos de Asuna, trazendo-a novamente para a realidade. Sabia que era o primeiro chamado para o dever. Portanto, ela, assim como as demais, se apressou em terminar a refeição.

Contudo, Asuna seguiu pensando em seu amado.

Kirito, você não muda seu jeito de ser não importa o local em que esteja, não é? É tão amável e atencioso com todos, que… o que é sem dúvida uma qualidade incrível, acaba por ser também uma enorme carga. Com você sempre saindo ferido no processo final…

Já fizeste tanta coisa, mas nada comparado a isso. Não importa como se olhe, foi um fardo gigantesco. Colocar sobre seus ombros o destino de um mundo inteiro… Você tem que aprender a depender mais de mim e das outras pessoas a sua volta. Já que todos o amam…

E é claro, sei que a única pessoa que mora em seu coração, sou eu. Portanto, cabe a mim, sua parceira, te ajudar.

A garota sentiu que seu coração se enchia de determinação mais uma vez.

Em sua mente, queria lhe dizer no instante em que acordasse: ‘-Não se preocupe, tudo já foi resolvido. O que queria proteger, eu e todos a sua volta, conseguimos salvar.’. Podia visualizar a cena enquanto lhe dava um grande sorriso.

A vontade de Asuna pareceu contagiar as outras três garotas à volta. Alice, Ronye e Sortiliena viraram para ela ao mesmo tempo com os olhos cheios de determinação enquanto assentiam com a cabeça sem dizer uma palavra.

Instantes depois a segunda trombeta soou, porém, dessa vez com o sinal característico que anunciava uma única coisa…

Um ataque inimigo.

Imediatamente o acampamento entrou em total alerta, o tempo havia terminado.

 

Ainda com um pedaço de pão em sua boca, Alice correu até sua tenda e com uma velocidade incrível, ‘deslizou’ para dentro de sua armadura, saindo em seguida com a Fragrant Olive Sword empunhada, correndo novamente para o local onde estava com as demais garotas.

Depois de reunir-se outra vez com Asuna, que também estava completamente pronta para a batalha, ela disse para Ronye e Tiezé, que havia retornado: “-Por favor, cuidem de Kirito!” e saiu para o extremo norte do acampamento.

No final da parte arborizada do bosque, Alice avistou Bercouli com sua espada.

Após receber o reporte dos soldados batedores, o comandante virou-se para Alice e Asuna e depois para o jovem Renri e Sheeta que também chegavam da outra extremidade do bosque e falou com uma expressão séria:

“Então, parece que o inimigo… os sujeitos do Mundo Real, realmente tem alguns truques na manga. Ao que parece, esse Imperador Vector é um homem bem cruel.”

Em seguida, o que falou fez Alice morder os lábios de apreensão.

Basicamente, disse que estavam cruzando o vale que tinha algo aproximado de cem mels utilizando somente cordas. Se seus soldados caírem, certamente morreriam. Era uma tarefa impossível para qualquer pessoa que não tivesse uma enorme quantidade força física e mental fazer.

Para lançar mão de uma estratégia daquelas, Vector realmente não se importava com suas tropas, ou melhor, ele devia ver seus soldados como meras peças em um jogo de tabuleiro.

Contudo, mesmo que vários morressem no processo, se somente um terço do inimigo lograsse atravessar o vale, ainda teriam que enfrentar aproximadamente sete mil guerreiros. Se os mil soldados do Mundo Humano fossem batalhar com um número tão elevado desses, certamente não teriam esperanças de vitória.

A estratégia original de atacá-los com artes enquanto os pegava em uma emboscada por entre as árvores, agora se tornava inviável devido à luz do dia.

Alice cogitou em talvez retirar as tropas mais para o sul do território e esperar uma nova oportunidade de emboscá-los. Será que daria certo?

Enquanto Alice começava a tentar bolar algum plano, as palavras de Bercouli interrompeu seu raciocínio, causando-lhe confusão.

“Isso é a verdadeira guerra!”

O herói antigo sussurrou suavemente.  Movendo o pescoço de um lado para o outro, fazendo a musculatura saltar, enquanto seguia dizendo:

“Deixando de lado o que a forasteira Asuna fez ontem, os poupando, creio que não podemos mais simpatizar com o pessoal do Dark Territory nesse momento. Se quisermos viver, teremos que tomar a iniciativa.”

“E-E o que seria essa… iniciativa?”

Diante a pergunta surpresa de Alice, Bercouli respondeu com um brilho nos olhos.

“Isso será com… o nosso querido Renri!”

Com seu nome repentinamente mencionado, o jovem cavaleiro endireitou sua postura de imediato e falou:

“S-Sim!!”

“Qual é o maior alcance que sua Twin Edged Wings pode chegar?

“Bem, normalmente… trinta mels… mas sob o Release Recollection, pode ir até setenta… não, cem mels.

“Muito bem! Então é o seguinte… chegou a hora de nós quatro Integrity Knights atacarmos a força principal inimigo no vale. Alice e eu encabeçaremos a investida, com Sheeta focando-se em proteger Renri que estará usando seu instrumento divino para cortar as cordas do inimigo, jogando os que estiverem pendurados à elas para o vazio.”

Alice liberou o ar de seus pulmões.

De fato, o inimigo protegeria as cordas ao custo de suas vidas. E mesmo que para isso eles tenham que usar uns aos outros como escudo humano, as lâminas de Renri encontrariam um espaço entre seus pescoços, arrancaria suas cabeças e atravessaria a distância necessária para cortar as cordas.

Realmente, como Bercouli disse, era uma estratégia muito cruel…

Contudo, o jovem cavaleiro de somente quinze anos, bateu com seu punho direito no lado esquerdo do peito e com o rosto cheio de determinação, declarou:

“Sim, senhor!!”

Então, Sheeta, a Silenciosa, comentou com um sussurro:

“Sem problema. Te… protegerei…”

Depois, Asuna, que tinha sido deixada de fora intencionalmente por Bercouli, deu um passo à frente.

“Também irei. Quanto mais defensores, melhor, não é?”

Alice fechou os olhos por um momento, depois disse mentalmente.

Com a situação como está agora, eu, quem cremou dez mil tropas de meio-humanos até os ossos com uma arte gigantesca e assassinou a sangue frio mil feiticeiras com o Armament Full Control Art, não estou qualificada para escolher lutar de maneira honrada.

Tudo que me resta agora é erguer a minha espada manchada de sangue e matar o inimigo.

“Certo, vamos!”

Assentindo para os quatro, Alice olhou para o norte. A linha serpenteante negra já estava tingida com o resplendor rubro daquele escuro amanhecer.

***

Rápido!! Rápido!! Mais Rápido!!!

Socando seus próprios punhos um contra o outro, o líder da Guilda dos Lutadores gritava mentalmente sem parar.

Agarrados nas dez cordas estendidas sobre o profundo vale, os Lutadores e os Dark Knights se dividiram em duas companhias e já começavam a cruzar.

Eles tentavam abraçar as cordas, enrolar os pés e mãos, morder… contudo, sem ter uma técnica adequada, já que nunca haviam estado em uma situação daquelas, os soldados atravessavam de maneira torpe e extremamente lenta.

Se tivessem tido tempo para distribuir um gancho para cada guerreiro, as coisas talvez pudessem ser mais eficiente. Porém, o imperador não havia fornecido nada do tipo.

Sem contar que o pedido de Iskhan para ser o primeiro a cruzar tinha sido recusado terminantemente. O motivo tinha sido por ter abusado de sua posição na noite anterior ao levar um pequeno grupo sob seu comando para atacar uma o pelotão inimigo sem ter sido autorizado para fazê-lo e perder vários membros.

– Todos devem seguir as minhas ordens!

A voz fria do Imperador ecoou nos ouvidos de Iskhan.

Sem ter como barganhar opções, o líder dos Lutadores apenas ficou observando seus subordinados chegarem à metade do percurso enquanto apertava fortemente seus poderosos dentes de tanta ansiedade e raiva.

Comprovou o quanto aquele esforço era complicado de realizar ao ver as peles de seus comandados que estavam em plena travessia se mostrando completamente avermelhadas, reluzentes e soltando vapor no firo ar matutino, com diversas gotas de suor refletindo a luz rubra daquele ambiente hostil. De fato, uma tarefa extremamente árdua.

Em passos lentos a travessia continuou até que…

Uma forte lufada de vento soprou de dentro da enorme fenda.

As cordas imediatamente protestaram, rangendo e sacudindo violentamente para esquerda e para direita, para cima e para baixo.

“Ahh…!!”

Iskhan gritou involuntariamente ao perceber que um de seus soldados, com as mãos escorregadias de suor, resvalava na corda e era jogado para fora, caindo naquele buraco sem fim.

Rugidos bestiais sacudiram o vale. O jovem líder escancarou os dentes, contudo, aquilo não era um grito de terror. Emitira o som de pura insatisfação de ser incapaz de levar os seus a uma morte honrada no campo de batalha, sendo obrigado a forçá-los a perder suas preciosas vidas fazendo malabarismos idiotas em uma corda.

Depois que o vento passou a quantidade de Lutadores e Dark Knights que haviam despencado para o vazio inominável, tinha alcançado a marca das duas casas decimais.

Contudo, os demais soldados restantes seguiram seu caminho bravamente. A ordem era: a cada três mels um novo soldado subiria na corda e iniciava a travessia.

Várias ocorrências de vento na fenda se sucediam em espaços aleatórios de tempo, levando consigo uma quantidade considerável de vidas suspensas às cordas de maneira cruel e implacável.

Sem que percebesse, os punhos de Iskhan começaram a brilhar em vermelho vivo, quase como se fossem duas enormes tochas.

Tantas mortes… em vão!!!!

Não, era pior do que isso. Nem sequer deixava a possibilidade de enterrar os corpos, pois eles não poderiam ser recuperados.

E o que deixava a situação ainda mais imperdoável, é que essa tarefa sequer era algo para beneficiar as cinco raças do Dark Territory. Era meramente para capturar uma mulher idiota chamada de Sacerdotisa da Luz que o Imperador inesperadamente disse desejar para si.

Em vista disso, não conseguia saber como se desculparia com os outros membros de sua tribo sobre as mortes tão desonrosas de seus companheiros.

Vamos!! Mais rápido! Mais rápido!! Cruzem de uma vez antes que aconteça mais alguma coisa.

Como se os desejos do jovem líder os tivessem alcançados, ou meramente tivessem se acostumado com a tarefa, os que estavam mais adiante aceleraram a velocidade e finalmente chegaram ao outro lado. Isso tudo levou aproximadamente cinco minutos até pisarem em terra firme outra vez.

Naquele ritmo, se nada acontecesse, levaria mais de uma hora para que os dez mil soldados conseguissem atravessar pelas dez cordas esticadas pela fenda. Com essa previsão, era quase que impossível que o inimigo não os atacasse antes.

Contudo, nesse momento só poderia torcer por alguma parcela de sorte que fizesse todos cruzarem.

O sol se elevou no céu do Mundo Humano a uma velocidade aterradora, lançando uma luz avermelhada sobre a terra negra.

Em contrapartida, o número de soldados que haviam cruzado, tinha sido bem menor do que a previsão inicial, sendo que ao invés do ritmo aumentar, parece que tinham ficado ainda mais lentos. Foram passando e passando, mas a quantidade tinha sido aproximadamente trezentos membros ao tocar o solo do outro lado.

Na linha negra no horizonte do céu rubro, cinco silhuetas a cavalos surgiram.

Na distância, mesmo Iskhan com sua incrível e aguçada visão, fora incapaz de discernir os traços do inimigo que chegava a galope acelerado.

São somente cinco…

Batedores talvez?… Se for isso, talvez queira dizer que o inimigo não esteja pronto para a ofensiva…se for assim…

Porém, as esperanças de Iskhan foram destroçadas no instante seguinte.

Os cinco cavaleiros foram diretamente para o vale aumentando ainda mais sua velocidade. Suas capas esvoaçantes, armaduras brilhantes com espectros multicoloridos foi prova mais do que suficiente para mostrar para Iskhan que tipo de inimigo era. Ainda mais que juntamente com aquela aproximação, uma imensa pressão e intenção de luta inundavam toda a região.

Não havia dúvidas, os cinco cavaleiros eram…

Os Integrity Knights!! Cinco malditos Integrity Knights!!

Imediatamente soou o alarme.

“Ataque inimigo!!! Defendam-se!! Protejam essas cordas a todo o custo!!”

Berrou Iskhan sem saber se sua voz chegaria do outro lado do cânion.

Aparentemente, ouvindo a ordem, a metade dos trezentos soldados que haviam cruzado o vale cercaram as estacas que seguravam as cordas, formando uma defesa circular, enquanto o resto se preparava para o ataque.

Os cavaleiros do inimigo que correram tão rápido como se estivessem voando por quase mil mels do alto da colina até o vale, saltaram de seus animais simultaneamente e se agruparam para então investirem sobre o local das cordas do lado direito.

Guiando aqueles guerreiros estava um homem corpulento com roupas desleixadamente soltas. Em sua direita, uma mulher cavaleiro com armadura e cabelos dourados e na sua esquerda, estava a mulher com a qual Iskhan havia lutado na noite passada, a guerreira chamada Sheeta.

Rodeado por esses três primeiros, um pequeno membro também parecendo ser um cavaleiro sagrado sendo escoltado por outro que não estava bem visível.

Com o suor evaporando dos corpos desnudos, dezenas de Lutadores correram na direção deles.

“URAAAAAAAAAA!!!!”

Com gritos poderosos, punhos e pés voaram para acertar o inimigo.

Três clarões instantâneos de luz se seguiram.

Uma chuva de sangue preencheu o céu como uma cascata invertida. As mãos, pés e cabeças dos Lutadores foram facilmente separadas de seus corpos.

Então…

Uma luz prateada brilhou por trás dos três cavaleiros formando um trajeto em curva que voou diretamente para a grossa corda que ainda sustentava um grande número de soldados que faziam a travessia.

“PAREEEEEEEEEEE!!!!!”

Os gritos agudos de Iskhan, alterado por seu próprio desespero, só foram superados por um som “– BZZZZZ!!” suave que cortava o vento.

A corda se partiu, dançando no ar como uma grande serpente.

Dezenas de guerreiros foram lançados imediatamente no vazio, caindo na vastidão escura logo abaixo.

Enquanto essa cena queimava intensamente na retina de seus olhos completamente arregalados, Iskhan sentia que as próprias palavras que saíam de sua boca não pareciam ser suas, que conforme ia falando, sua língua ia se intumescendo.

“Isso é… realmente… uma guerra?… Isso pode mesmo se chamar de guerra!?”

Em suas costas, seu braço direito, Dampe, ficou sem fala.

Obrigados a realizarem acrobacias, seus amigos, membros de sua tribo nem sequer puderam fazer frente ao inimigo, ao invés disso, foram completamente engolidos por um imenso buraco no chão. Definitivamente não enfrentaram todos aqueles extenuantes treinamentos desde seus nascimentos para encontrar um final tão patético como aquele.

Como iriam explicar aquilo para os anciões das aldeias, pais, mães, filhos e filhas quando voltassem para sua terra natal? Não haviam tido uma morte honrável naquela batalha… ou melhor, nem sequer puderam lutar… apenas desapareceram sem deixar rastros… como explicar tal coisa!?

Como que estivesse totalmente congelado no lugar, os ouvidos de Iskhan acompanharam cada um dos uivos, gritos e choros de seus Lutadores.

Os vingarei! Cada um de vocês… Peço que me perdoem… por favor, me perdoem!

E mesmo enquanto repetia isso em sua mente e coração, Iskhan seguia incapaz de levantar seu punho e apontar para a pessoa a quem deveria acusar.

Enfrentando uma quantidade de inimigos várias vezes superior ao seu efetivo, os Integrity Knights, seus oponentes, estavam dando tudo de si. Esperar que eles fossem se detiver ao jogar até o último homem dentro da fenda sem fundo, era algo inconcebível. Muito pelo contrário, sua capacidade de aproveitar a situação, usando seu limitadíssimo efetivo de apenas cinco pessoas, para valentemente atacar um grupo tão grande, era motivo para parabenizá-los, não de condená-los.

Ali, eles estavam em seu ápice, eram guerreiros, lutadores, sobreviventes, dignos.

Se não posso culpá-los por isso… então, quem?

Quem deve pagar pelas mortes sem sentido de meus guerreiros?

O comandante estúpido deles que só consegue ficar cerrando os punhos e olhando tudo sem fazer nada?… Ou…

Repentinamente, uma dor insuportável explodiu em seu olho direito, fazendo Iskhan quase desmaiar. Com seus dentes à mostra, viu uma luz muito vermelha borrar sua visão. Porém, antes que pudesse se concentrar nisso, conseguiu ver que mais duas cordas haviam se rompido e dançavam no ar.

***

Em instantes, três das dez pontes improvisadas de cordas foram cortadas.

Gabriel, que vinha se aproximando mais atrás, observava o desempenho de suas tropas em silêncio apoiando seu rosto com uma das mãos.

Como já esperava, em termos de I.A., as unidades do Mundo Humano se sobressaiam muito mais. Não somente pela capacidade de controle da situação como uma gama de outras qualidades. Causando uma grande disparidade entre as do Dark Territory.

Tinha comprovado isso na batalha da noite anterior, onde conseguiram virar o jogo contra o ataque inicial de seus comandados em um instante, que mesmo tendo sofridos diversos golpes, contra-atacaram de maneira contundente e efetiva.

Não importava o quanto pensasse, o que estava testemunhando não se parecia em nada com um jogo de simulação de guerra que estava acostumado a travar contra uma CPU ordinária.

Os resultados desse incrível jogo fez Gabriel perder mais de setenta por cento de suas unidades. Contudo, não sentia um pingo de impaciência.

Mesmo enquanto via centenas de unidades de sua força principal sendo eliminada uma após a outra, estava apenas gastando tempo e esperando… esperando por ‘aquele momento’.

O momento ao qual aguardava estava a cargo de Critter, na sala de controle principal do Ocean Turtle, que havia diminuído com sucesso a frequência de FLA para 1:1, uma ação que sincronizou o tempo de Underworld com o mundo real.

O talentoso criminoso cibernético tinha feito um esforço incrível para minimizar o impacto dessa redução de frequência de aceleração evitando que os pesquisadores do RATH notassem essa mudança no momento em que se conectassem em Underworld.

Fez isso ao mesmo tempo em que, por meio de uma rede clandestina de satélites, havia publicado uma URL em um site e o compartilhado de modo massivo nas principais redes sociais voltadas para videogames nos Estados Unidos.

Quem acessava o link era automaticamente direcionado por Critter para uma rota específica.

No site, construído com letras em fontes chamativas acompanhadas de vídeos com efeitos especiais muito bem trabalhados declarava o seguinte comunicado:

[Um novo VRMMO está aberto nesse instante para um teste beta por tempo LIMITADO.

Está nascendo o primeiro jogo somente de PVP do mundo.

Avatares completamente humanos. Sem níveis e nem limites. Aqui, a ética não existe!]

Os usuários que viram essas instigantes palavras se maravilharam diante da incrível oportunidade que a empresa de desenvolvimento estava propondo, porém, a última linha os deixava ainda mais contentes.

Até o momento, julho de 2026, como parte de uma iniciativa de antiterrorismo, os VRMMOs americanos sofriam de limitações legais. Até mesmo para jogos independentes desenvolvidos com uso do pacote de software livre chamado The Seed estavam dentro dessas regras.

Todos estavam restritos a uma gama enorme de classificações por parte da indústria, tendo um estrito código de ética sendo aplicados, sendo obrigados a terem seus servidores constantemente auditados. Quem não cumprisse essas regras, dificilmente conseguiria colocar seus mundos virtuais em funcionamento.

É claro, dificilmente não queria dizer propriamente impossível, sempre haviam lacunas a serem exploradas.

Mas considerando os conjuntos éticos normalmente aplicados, atividades como crueldade dentro das simulações estavam estritamente banidas ou muito limitadas. E se mesmo assim a empresa insistisse em ter conteúdo gore, como desmembramento, por exemplo, o personagem deveria fugir completamente da forma humanoide, por isso, muitos acabavam usando a temática insetóide ou outro tipo desassociado aos seres humanos como o jogo Insect Site.

Por causa dessas limitações, mais duras dos que as existentes no Japão, berço dos VRMMOs, acabaram por frustrar os jogadores por todo o território norte americano.

Porém, agora um misterioso anúncio de teste beta, oferecia justamente o que estava proibido de maneira tão convidativa e explícita.

A URL foi distribuída por todo o canto possível e as pessoas rapidamente consumiram aquilo, descarregando, copiando a uma velocidade inacreditável ao constatar que o cliente de conexão tinha uma banda incrivelmente potente. Em meras quatro horas, o número de AmuSphere conectados no cliente que Critter desenvolveu facilmente superava trinta mil conexões.

Esse era o enorme plano de Gabriel, a razão pela qual ele estava sacrificando o precioso tempo que de outra forma era impensável de fazer.

Tudo consistia em entregar contas de Dark Knights para a base de jogadores de VRMMOs americanos, deixando-os conectarem em Underworld para aproveitarem de seus instintos de matança desenfreada que estavam proibidas até o momento.

Nem sequer Kikuoka Seijirou, líder do RATH, e o desenvolvedor de Underworld, Higa Takeru, podiam sonhar com uma situação tão absurda quanto essa.

Porém, como a arquitetura de Underworld era totalmente baseada no pacote padrão de desenvolvimento de software The Seed. Era como se fosse um mundo virtual primariamente destinado para jogos, construído unicamente por polígonos e possibilitando qualquer pessoa se conectar a ele, bastando possuir um AmuSphere.

Levando isso em conta, seria possível após a imersão, tocar os objetos ou até mesmo… matar outros personagens.

E com a adição da tecnologia mnemônica do STL, cobrindo o que antes seria feito de polígonos, as coisas se tornariam tão reais que, uma vez lá dentro, se assassinar alguém, não haveria nenhuma forma de diferenciar pessoas nativas do Underworld com pessoas do mundo real.

 

Parte 7

O plano secreto de Gabriel e Critter estava completamente fora das expectativas dos técnicos do RATH.

Por outro lado, mesmo se descobrissem, não tinham maneiras de interromper a conexão aberta pela rede clandestina de satélites, pois eles não estavam na sala de controle principal.

Contudo, no exato momento em que Critter distribuiu a URL suspeita, alguém detectou qual era o teor do pacote enviado.

Dentro do terminal portátil que Yuuki Asuna tinha consigo, a inteligência top-down vinha observando todo o tempo o status do sistema interno do Ocean Turtle.

Então, no instante em que o link fora compartilhado conforme o desejo de Gabriel, Yui aproveitou o caminho criado e o invadiu para poder ter acesso à rede externa.

Ela buscou uma maneira de transmitir um alerta para a sala secundária de controle onde estava o pessoal do RATH fisicamente isolados, porém, o equipamento de Asuna tinha sido deixado dentro de seu quarto e não adiantou o quanto ela tentasse ligar para ele, o toque de chamada não alcançaria os ouvidos de ninguém.

Como último recurso, Yui só conseguiu regressar sua consciência para o Japão do outro lado do Oceano Pacífico, ligando para vários telefones ao mesmo tempo.

***

Asada Shino, uma garota que estudava para as provas preparatórias no mundo real, era também uma sniper de elite no mundo virtual. Contudo, no momento ela era apenas um ser humano comum que estava dormindo… até ser despertada com uma ligação inesperada no meio da noite. Ao ver de quem se tratava, deu um enorme salto de sua cama.

O relógio marcava três da madrugada, porém, mesmo sendo acordada às pressas, não mostrava nenhum sinal de sonolência. A razão para isso é que a melodia que escutou saindo de seu telefone, era a que tinha personalizado para tocar quando Kirigaya Kazuto ligava.

Seria possível? Kirito, que estava desacordado e desaparecido estaria mesmo ligado para ela?

Colocando rapidamente o telefone em sua orelha, ao invés do timbre calmo do rapaz que possuía a linha, escutou a voz frenética de uma menina do outro lado.

“Sinon! Sinon! É Yui!!”

“Hã…!? Yui!?”

Com certeza conhecia a dona daquela voz. Era a filha de Kirito e Asuna, a inteligência artificial originária do antigo jogo SAO. Fazia uma semana desde que falara com ela pela última vez. Tinha sido quando discutiram sobre o desaparecimento de Kirito juntamente com Asuna e as outras garotas. Também fora o momento em que havia presenciado pessoalmente toda a capacidade de processamento de informações de alta tecnologia e várias expressões emuladas de Yui.

Sabia que aquela existência estava em um nível incrível de humanidade, portanto, podia esperar diversas facetas da pequena garota. Contudo, ligar para ela diretamente no meio da madrugada, estava além de suas expectativas.

Shino ficou temporariamente sem palavras enquanto a suave, porém, urgente voz falava acelerado em seu ouvido.

“Explicarei os detalhes mais tarde. Por favor, preciso que você se prepare para sair agora de casa e pegar um táxi que reservei. Enviarei o destino para a rota mais curta para seu telefone. Já estarei incluindo além da tarifa do embarque, o bilhete eletrônico do trem, Sinon. É realmente urgente, conto com você!”

Assim que terminou a frase, Shino ouviu seu telefone bipar, notificando a transferência dos valores em dinheiro das passagens.

“Hã… como assim? Um táxi…? Para onde…!?”

Mesmo perguntando, Shino já estava em pé, retirando seu pijama e procurando sua roupa para sair. Contudo, as palavras seguintes de Yui despertaram um sinal de alerta gélido em sua consciência.

“Por favor, apresse-se! Papai e mamãe estão em perigo!!”

***

“Perigo!!! O maninho e a Asuna!?”

A também estudante das provas preparatórias, espadachim e irmã mais nova de Kazuto, Kirigaya Suguha, perguntou alarmada enquanto desabotoava sua camisola.

“Leafa, você vai acabar acordando a senhora Midori se ficar gritando desse jeito. Por favor, acalme-se!”

Escutando a voz suave no outro lado da linha, Suguha fechou sua boca com a mão rapidamente.

“S-Sim! Mas é que… essa será minha primeira vez fugindo de casa na calada na noite…”

“Me desculpe, mas é que não tenho tempo para explicar a razão para a senhora Midori do porquê preciso que você saia. Deixe uma mensagem para ela dizendo que você teve uma atividade urgente no seu clube e teve que sair super cedo. Certamente ela não vai considerar que saiu às três horas.”

“E-…Está bem! E preciso dizer… você é uma ótima estrategista, Yui!.”

Suguha seguiu falando enquanto terminava de se aprontar e já descia as escadas caminhando pé ante pé indo em direção à porta da saída.

Embora vivesse em uma casa antiga no estilo tradicional japonês, possuía um sistema de segurança online que se armava toda a noite e desarmava pela manhã, contudo, parecia que o sistema estava congelado.

Depois que Kazuto desapareceu, sua mãe começou a chegar todos os dias mais cedo em casa.

Sentindo-se culpada por sua fuga, Suguha juntou as mãos e desculpou-se silenciosamente com sua mãe pouco antes de deixar a casa.

Desculpe-me mamãe. Definitivamente salvarei o maninho.

Quando chegou ao portão, na rua principal, um táxi subitamente surgiu. Provavelmente o que Yui havia reservado online. Embora o condutor estivesse ligeiramente surpreso com a idade de sua passageira, Suguha logo explicou que seus parentes estavam doentes e que ela precisava ir rápido.

E ao verificar o endereço que aparecia no display em seu telefone, disse com a voz mais natural que conseguiu:

“Hã… por favor, vá até o porto de Tóquio!”

Sentiu que não deveria falar um ponto tão específico quanto ‘Roppongi’, só por segurança.

***

Higa Takeru sentiu sua barra de cereal energética parcialmente comida atingir sua perna e cair no chão e instintivamente olhou para baixo enquanto forçava seus olhos a se manterem abertos.

Depois de piscar umas quantas vezes, confirmou a hora no relógio da parede da sala. Faltavam poucos minutos para às quatro da manhã, hora padrão do Japão.

Olhou para o lado e viu que os técnicos do RATH que monitoravam tudo ali, apresentavam um ar cansado.

A professora Koujiro Rinko estava sentada em frente à bancada do console com sua cabeça pendendo para cima e para baixo, variando entre o estado de sono e o desperto. O Tenente Coronel Kikuoka não estava dormindo, porém, as pupilas que observavam o monitor principal por trás das lentes de seus óculos, haviam perdido o ar aguçado habitual.

Em outra parte, quatro membros da equipe estavam jogados como bonecos sobre colchões colocados em um dos cantos perto da parede mais afastada. Considerando que qualquer um dos oficiais de defesa entre a Força de Auto Defesa podia estar infiltrado e passando informações do projeto, Kikuoka os havia posicionado para proteger a passagem pressurizada abaixo da sala secundária de controle e também deixá-los sob sua vigilância.

Desde que haviam sido atacados por aquele misterioso grupo militar, tinham se passado quatorze horas, ou melhor, estava prestes a completar esse tanto de tempo.

Ainda faltavam cerca de dez horas até o destroyer Aegis Nagato, que estava se mantendo à distância, enfim cumprissem sua ordem primordial de os protegerem e invadissem o Ocean Turtle. Contudo, a espera era desesperadoramente longa, ainda mais na perspectiva de quem estivesse dentro do Underworld.

Dez horas haviam se passado desde que Yuuki Asuna tinha logado com a super conta 01. Calculando de acordo com a frequência de aceleração interna elevada mil vezes, isso se equivalia a dez mil horas, mais de um ano. Porém, não tinha recebido nenhuma notícia sobre a sua missão de proteger Alice, não havia modos de saber se tivera sucesso ou se fracassara.

“Realmente… a distância do território do Mundo Humano até o World End Altar, deve ser inacreditável…”

Higa murmurou, com sua mente construindo um mapa conceitual de Underworld, que se assemelhava com o logotipo do RATH. Eis que no meio de seu exercício mental…

O telefone do console da sala de controle secundária pareceu criar vida, apitando intermitentemente.

Higa saltou de sua cadeira sem pensar.

“K-Kiku… o telefone…!”

Tentando pensar no que mais poderia dar errado, notificou seu comandante.

Também sobressaltado com a chamada, o homem com a camisa hawaiana pediu pelo fone enquanto calçava seus chinelos antigos.

“Sala de controle secundária, Kikuoka falando!”

Embora estivesse com ar cansado, conseguiu dar uma resposta normal. Depois de alguns instantes, do receptor, não se ouviu a voz resoluta do Capitão Nakanishi e sim a vacilante de um jovem.

“Hã… bem, aí é o quartel general de desenvolvimento do STL do RATH… certo? Me chamo Hiraki, da filial de Roppongi…”

“Como? Roppongi?”

A voz habitualmente calma e taciturna de Kikuoka tinha perdido toda sua característica, pois aquilo era uma situação muito além de suas expectativas. E com Higa não estava sendo diferente.

Porque a filial de Roppongi estava os contatando diretamente naquele momento? Os técnicos que lá trabalhavam eram completamente ignorantes de que o RATH era uma empresa de fachada que operava juntamente com a defesa do governo e que seus quartéis generais não estavam baseados em edifícios sob o solo japonês e sim no Ocean Turtle que flutuava ao sul, muito afastado de tudo no Oceano Pacífico e muito menos de que estavam trabalhando no Projeto Alicization.

E com certeza, não estavam sabendo que o RATH se encontrava sob ataque de um grupo misterioso inimigo. A dita filial de Roppongi foi criada unicamente para desenvolver as tecnologias relacionadas com o STL, contudo, sem conhecer o seu principal objetivo. Era apenas uma instituição de pesquisas externas.

Mas… STL…

De repente uma sensação de ter captado algo surgiu na mente de Higa, contudo, Kikuoka fez um grande barulho ao tossir para se recompor que o desenvolvedor acabou não conseguindo completar o raciocínio.

“Ah…ahhh… sim! Sou Kikuoka do quartel general de desenvolvimento do STL, prossiga por favor!”

“Ah, olá, olá! Já nos conhecemos antes, porém, não nos vemos há algum tempo. Como disse, sou Hiraki, me sinto honrado em ser o diretor daqui da filial, na ocasião acabei não conseguindo lhe agradecer pelo senhor ter me nomeado para o cargo.”

Não é necessário todo esse blá blá blá empresarial, diga logo o que quer!!

Higa gritou em sua própria mente, porém, Kikuoka manteve sua mesma expressão imutável ao ouvir aquelas frase e em seguida falar em tom totalmente corporativo e calmo.

“Oh! Como vai? Muito obrigado por estar trabalhando tão duro sempre, diretor Hiraki. Contudo, percebo que está muito tarde, por acaso está fazendo hora extra?”

“Ah! Não, não, estou aqui ainda porque acabei perdendo o último trem depois de ficar bebendo no pequeno happy hour que fizemos. Como a oficina de Roppongi fica bem afastada de tudo, demora um monte para fazer qualquer tipo de deslocamento, então, resolvi ficar por aqui. Só peço a gentileza de não mencionar isso nos relatório, hehehe… ”

Mas que asneira é essa que está dizendo? Você está justamente falando com um superior, o maior deles, seu estúpido!!

Como que tivesse captado os pensamentos de Higa, o diretor Hiraki logo deixou aquele assunto sem sentido de lado e trocou rapidamente o tom da conversa.

“Bem… a verdade é que estou ligando… pois temos um pequeno problema. É… algo bem estranho. Neste exato momento, alguém de fora chegou até a recepção sem agendar uma visita.”

“De fora? Um cliente?”

“Não, não é nada relacionado a isso… é que… bom, parecem que são duas colegiais…”

“Hããã!!??”

Kikuoka, Higa, a professora Koujiro e algumas pessoas que estavam ali disseram ao mesmo tempo.

“D-Duas… colegiais??”

“Sim! Tratei de mandá-las embora, já que não faz parte da rigorosa política da empresa esse tipo de coisas, mas… o que elas estão dizendo… realmente me pegaram de surpresa… e não sei bem como proceder…, por isso liguei.”

Diante das palavras vacilantes de Hiraki, até Higa, que havia se levantado de sua cadeira, se aproximado mais.

Porém, Kikuoka ainda manteve uma admirável conduta em seu personagem corporativo, pois perguntou de maneira calma, cruzando as pernas e se recostando na cadeira:

“Então, o que elas disseram exatamente?”

Resumindo, elas disseram algo como: ‘– Contate imediatamente o senhor Kikuoka Seijirou na sede do RATH e diga: Confirme a taxa de FLA de Underworld agora!’… é, acho que foi isso.

“O-O.. quêêêê!!!”

Os dois principais homens a frente do Projeto Alicization falaram em uníssono.

Porque duas colegiais, pessoas externas a tudo, conheciam aquelas palavras? Os termos usados não eram de uso comum. Somente aqueles relacionados com o projeto do RATH poderiam saber delas.

Contudo, Higa, totalmente boquiaberto, trocou olhares apreensivos com Kikuoka e os dois automaticamente focaram nos dados do monitor que já navegava por diversas telas para mostrar o diagnóstico referente a taxa de FLA.

E na tela negra, de repente a frequência de aceleração de tempo apareceu.

X1.00

“Gh…!! Um!?? Quando isso aconteceu!??”

Higa se afastou, respirando com dificuldade, enquanto Kikuoka perdia toda a compostura e gritava no telefone.

“N-Nomes. Essas garotas disseram seus nomes??”

“Ah sim! Foi bem bonitinho até… não soaram como nomes reais. Elas me pediram para dizer para o senhor que se chamavam ‘Sinon ‘e ‘Leafa’. Embora, sem dúvida alguma, eram japonesas.”

Clack!

O ruído seco da sandália de madeira que Kikuoka usava em seu pé direito resvalou e caiu ao chão.

***

Depois que a cancela automática da entrada da filial de Roppongi do RATH se abriu e Asada Shino e Kirigaya Suguha entraram, a inteligência artificial Yui suspirou mais aliviada.

Enquanto um pequeno ‘-Ufa!’ saía de seus pequenos lábios, ao mesmo tempo seu imenso poder de processamento se empenhava em outra tarefa gigantesca.

Yui estimou que teria grande dificuldades para conseguir completar todo seu plano, já que parte dele estava muito além de depender apenas de sua vontade.

Contudo, não podia desistir, já que se fracassasse, não teria mais o carinho de Kirito e Asuna, que estavam agora em grande perigo.

Desviando sua atenção do telefone de Shino, Yui navegou para um link específico. Chegando a seu destino, observou por um momento com seus olhinhos redondos um local com quatro fadas em sua frente…

Ela e seus amigos estavam atualmente logados dentro do VRMMORPG Alfheim Online, dentro da cabana virtual de Kirito e Asuna no 22º andar do Novo Aincrad.

Em frente à pequena I.A., que havia se transformado em uma Pixie de navegação e estava flutuando no ar, sentada em um sofá, estava a jogadora Cat Sith Silica, com orelhas triangulares e pequenas garras.

Ao seu lado, com um cabelo rosa, estava Lisbeth, uma Leprechaun.

Apoiando sua cintura em uma mesa, há leve distância dos demais, com seus cabelos vermelhos atados por uma bandana, estava Klein, um Salamander, juntamente com um enorme homem com seus braços cruzados, Agil, um Gnomo.

Eles eram os valentes jogadores de VRMMOs frequentemente conhecidos como ‘os sobreviventes de SAO’, que conseguiram se manter vivos no mortal jogo Sword Art Online mas que também eram os melhores amigos de Kirito e Asuna.

Embora fosse extremamente cedo, muito antes do amanhecer, tão logo receberam o chamado urgente de Yui, se conectaram prontamente e a aguardaram em ALO para se inteirarem da situação.

Após a explicação inicial, coçando sua cabeça envolta na bandana, Klein reclamou com sua voz naturalmente despreocupada, porém, muito séria.

“Mas que droga… esse idiota se meteu sozinho em outra encrenca mais uma vez… e logo em um mundo virtual criado pelo governo? E ainda por cima, tem toda essa história dessa tal inteligência artificial chamada Alice. A meu ver, isso já extrapolou os limites de ser um simples jogo.”

“Então… essa inteligência artificial, não é somente um NPC em um jogo? Ela é realmente uma existência equivalente aos humanos… como nós?”

Lisbeth perguntou.

Yui virou-se para ela e assentiu rapidamente.

“Sim, isto está correto. Seu princípio estrutural é completamente diferente de uma inteligência artificial como eu. Ela é de fato uma alma real, conhecida internamente pelo RATH com a definição ‘Fluctlight Artificial’.”

“E querem colocar essas almas em máquinas de guerra…”

Olhando Yui e o pequeno dragão Pina, que estava enroscado em seu colo, Silica franziu a testa com um semblante triste.

“De fato, o RATH planejava apresentá-las como sendo uma tecnologia voltada para poderio bélico… contudo, de acordo com minhas informações, o grupo que está atacando o Ocean Turtle no momento, parece ter um plano mais complexo para seu uso.”

Ao ouvir as palavras de Yui, Klein ficou pensativo, mas dessa vez mostrando uma expressão muito preocupada.

“E quem diabos são esses atacantes?”

“Há uma grande probabilidade, exatos noventa e oito por cento, de que estejam afiliados com uma milícia norte americana, mais precisamente, com o departamento de inteligência americano.”

“Mi-mi… milícia americana?”

Yui assentiu para Lisbeth que estava em choque.

“Se Alice cair nas mãos dessa milícia, quando a carregarem como uma I.A. em armas verdadeiramente automáticas… certamente começará eclodir guerras por todo o planeta.

Papai e mamãe provavelmente estão tentando evitar que isso ocorra dando tudo de si, porque… porque…”

Repentinamente, Yui começou a se atrapalhar com um efeito inesperado de seu software de demonstração emocional.

Sem que aquilo estivesse programado em seus algoritmos, grandes gotas de um líquido quente escorreram pelo seu rosto.

Lágrimas.

Estou… chorando? Mas como? E porque…!?

Sem conseguir reunir forças para conter aquela confusão que preenchia todo seu pequeno ser, Yui a deixou fluir. E juntando firmemente as mãos em frente ao peito, continuou falando:

“Porque Alice é a prova definitiva desde que SAO fora lançado, que em cada mundo VRMMO onde muitas pessoas que neles viveram, são o resultado de um compartilhamento real de recursos.

Tudo isso dá uma visão e um sentido otimista para dizer que o motivo da criação do pacote de software The Seed foi de fato ter como meta o nascimento de Alice.”

Os quatro jogadores escutaram aquelas palavras complexas em total silêncio. As lágrimas de Yui continuavam a fluir incessantemente enquanto prosseguia.

“Isso é porque, entre os incontáveis mundos conectados, os sorrisos, prantos, tristezas e o amor de uma infinidade de pessoas… a luz de suas almas acabaram refletindo o que os fazem ser existências completas, ou seja, espalharam todos esses sentimentos maravilhosos, possibilitando o nascimento da verdadeira natureza humana em Underworld.

Alice nasceu do papai, da mamãe, da Leafa, Klein, Lisbeth, Silica, Agil, Sinon… assim como das muitas tantas outras almas das pessoas que convivem diariamente nos mundos virtuais!”

Yui se calou por um instante.

Sword Art Online Alicization Underworld - Exploding - Yui - Vol16

A pequena Pixie era incapaz de discernir os pensamentos e emoções criadas nas consciências das pessoas ao seu redor. Uma I.A. normal era meramente um apanhado gigante de informações que não possuía emoções reais, por consequência, sendo inapta para processar esse tipo de sentimentos.

Não existia ninguém que entendesse isso melhor do que ela.

Sim, esse sentimento latente de querer proteger Kirito e Asuna e todas as pessoas a sua volta provinha do código mais básico escrito em sua programação voltada para orientação e saúde mental dos seres humanos.

E todas as palavras que dizia, eram simplesmente listas de informações gravadas em seus registros. Dessa forma, acabava por ficar incerta quanto ao que conseguiria transmitir aos corações humanos.

Antes que essa reunião começasse, Yui havia ficado insegura sobre esse momento. Naquela hora, quando estava voltando do Ocean Turtle, sabia que essa seria uma missão muito pesada.

Porém, quando viu linhas transparentes de lágrimas que repentinamente começaram a fluir dos olhos de Lisbeth, foi a vez de Yui ficar surpresa, algo raro para sua programação sempre lógica.

“S-Sim… você está certa. Todos estão conectados, as pessoas são como rios.”

Silica, também com os olhos úmidos, ficou de pé e foi até Yui, se ajoelhando em sua frente e a abraçando gentilmente.

“Não se preocupe, Yuizinha. Ajudaremos Kirito e a Asuna, então, por favor, não chore mais!”

“É isso aí! Não precisa de toda essa formalidade, como se fôssemos estranhos, Yui. Não tem como nós deixarmos o Kirito na mão, heheh.”

Klein ajustou o nó de sua bandana enquanto sorria.

Agil, ao seu lado, também concordou falando de maneira calma.

“Nós devemos muito a ele. De maneira que é uma ótima hora de começar a pagar um pouco disso, não é?”

“Pessoal…!”

Abraçada por Silica, Yui só conseguiu dizer essa palavra antes de cair em prantos.

Ainda não sabia por que não conseguia interromper as lágrimas que inesperadamente haviam se manifestado, apenas seguia pensando.

Não temos muito tempo, ainda há muito o que lhes dizer. Os termos de priorização de minhas ações dizem que devo passar as informações de maneira calma e ordenada, porém… está…  muito difícil…

Será que meus circuitos estão com defeito?

Contudo, mesmo com seu sistema lhe ordenando suas prioridades, mostrando os parâmetros a seguir, a pequena existência só conseguia dizer enquanto soluçava:

“Muito obrigada a todos… muito… obrigada… pessoal…!”

Depois de vários minutos, Yui finalmente conseguiu reprimir parcialmente suas lágrimas e explicou rapidamente a situação atual aos quatro jogadores e as suas previsões do que poderia acontecer em seguida.

A situação era a seguinte:  no Ocean Turtle, onde estavam Kirito e Asuna, os atacantes haviam criado um site na internet com a intenção de recrutar milhares de jogadores.

Estimava que as pessoas atraídas pelo anúncio e proposta do site começariam a surgir em números massivos, logando diretamente dentro de Underworld.

Klein franziu a testa e falou de maneira séria.

“De acordo com os dados dos gamers de lá, estimo que talvez trinta mil americanos façam a imersão… melhor, acho que poderá passar dos cem mil… Para eles, Kirito e Asuna, junto com o Exército do Mundo Humano, com Alice entre eles, serão meramente players para se fazer PvP.”

“O que aconteceria se rastreássemos as publicações nas redes sociais dos VRMMO americanos e denunciássemos o link como anúncio falso ou que estejam violando as suas regras…? Será que conseguiríamos encerrar esse teste beta?”

Diante da sugestão de Lisbeth, Yui sacudiu de modo negativo a cabeça.

“Na verdade a situação real é que existe um conflito ultrassecreto ocorrendo entre tropas japonesas e norte americanas. Se  expormos de maneira arbitrária, talvez tenha o efeito contrário, já que estaremos mostrando uma falha, um acesso para dentro do governo do Japão.”

“Se colocássemos: ‘- Seus oponentes são humanos reais, por favor, não machuquem ninguém’, … talvez de fato seja ainda mais problemático… gerando possivelmente um conflito aberto internacional…”

Silica sussurrou tristemente.

Um grande silêncio se fez, mas que foi destroçado graças à voz enérgica de Klein.

“Vocês estão pensando muito! Bora lá! Vamos enfrentar fogo com fogo! O número de pessoas que jogam aqui nunca perderá para os que jogam na América. Vamos fazer nosso próprio site beta, carregando sei lá… tudo que o RATH tiver de contas disponíveis. Certamente teremos algo em torno de trinta ou quarenta mil pessoas prontas para lutar em um instante!”

“Concordaria com você, porém, tem um problema nisso…”

Agil disse rapidamente, com seus braços ainda cruzados sobre o tronco.

“E qual é o problema?”

“A diferença de horário. A hora atual aqui no Japão é 04:30 AM, ou seja, o momento em que temos o menor número de jogadores conectados.Por outro lado, na América, são por volta das 12:30 PM em Los Ângeles e 15:30 PM em Nova Iorque. Em termos de número de jogadores online, o outro continente tem uma quantidade absurdamente maior.”

“Hummm…”

Klein gemeu ao se dar conta do furo em seu plano.

Yui assentiu, já tendo ponderado a mesma ideia.

“O Agil tem razão. O problema se foca principalmente na diferença de horário, temos muito poucos jogadores de VRMMOs nesse período, portanto, o recrutamento será imensamente lento, estimando algo aproximadamente de mil pessoas. Em outras palavras, mesmo conseguindo esses mil, se forem conectados com contas do mesmo nível que os inimigos, provavelmente seriam totalmente derrotados.”

“Contudo, sabemos que a Asuna está usando uma conta de nível muito superior, não é? Como não há tempo para que nossos novos avatares consigam upar como certamente Kirito fez… ainda há a possibilidade de pedir as contas mais poderosas que o RATH possa disponibilizar…”

Yui observou Lisbeth que falava com uma expressão muito séria.

“Não… é provável que eles não disponham de tantas contas assim, contudo… existe outros tipos de contas. Na verdade, provavelmente ainda mais fortes dos que as pré-determinadas que os inimigos estão usando, tanto em termos de nível quando em afinidades.”

“H-Hã!? Sério? Onde?”

“Todos as têm! São justamente as contas que estão usando aqui, conectadas nesse mundo.”

Para os quatro jogadores alarmados, Yui começou a explicar os detalhes centrais de seu recém-formado plano.

Entretanto, ela sabia que o que estava para pedir-lhes era um sacrifício inacreditável, no sentido real da palavra, necessitava que eles entregassem metade de si próprios.

Porém, ao mesmo tempo, Yui acreditava fortemente que essas pessoas na sua frente o fariam sem pensar.

“Me refiro no processo de conversão de contas! Todos nós e muitos outros jogadores de VRMMOs precisarão converter seus avatares evoluídos nos mais variados mundos criados pelo The Seed e transferi-los para Underworld!”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

OLÁ PESSOAS!

FINALMENTE O FINAL (!?)

FOI DURO, FOI SOFRIDO, DEMORADO, ENROLADO, MAS ENFIM… ACABOU.

CORRI MUITO PARA TERMINAR ESSES ÚLTIMOS DOIS CAPÍTULOS E O QUE MAIS ME ATRASOU FORAM AS DITAS IMAGENS. APANHEI MUITO PARA AJUSTÁ-LAS. E O PIOR DE TUDO FOI QUE QUANDO ESTAVA NO FINAL, POR ALGUM MOTIVO O NOTE FOI PARA O ESPAÇO E QUANDO RECUPEREI OS ARQUIVOS, ESTAVAM COM UM SAVE MUUUUUITO ATRÁS. BASICAMENTE, REFIZ O NEGÓCIO 2X.

MAS JÁ ERA!

ESPERO QUE TODOS APRECIEM E CURTAM DE MONTÃO.

MASSSS…. CHEGA DE PAPO E VAMOS VER O QUE ACONTECEU NESSES MUNDOS.

 

KIRITOSO CONTINUA BABANDO IGUAL AO MEU CHIBI KIRITO, ENTÃO, ESSE NÃO TEVE ALTERAÇÕES.

ELDRIE FOI COMER CAPIM PELA RAIZ.

DEUSOBERT FOI PARA O BANCO DE RESERVA.

AS DUAS GÊMEAS SANGUINÁRIAS ESTÃO AFIANDO AS FAQUINHAS PARA O CHURRASCO.

FANATIO ESTÁ PROCURANDO SEU ELMO PARA TAPAR O ROSTO NOVAMENTE DE VERGONHA DEPOIS DA REVELAÇÃO DO BERCOULÃO SOBRE SUAS… REUNIÕES… ESTRATÉGICAS, TÁTICAS E OPERACIONAIS… EMBAIXO DAS COBERTAS HEHEHE.

OS QUATRO OSCILATIONS BLADES AGORA SÃO UM TRIO.

RENRI… BEM… QUEM QUER SABER DE RENRI, NÃO É MESMO?

SHEETA ESTÁ SÓ ESPERANDO PARA FATIAR.

BERCOULÃO… ÉÉÉÉÉ!! ESSE SIM, É O CARA! MITOU EM TODAS AS SUAS BREVES PARTICIPAÇÕES!! SÓ EU QUERO UM ANIME CONTANDO SUAS AVENTURAS PASSADAS? HEIN? HEIN?

SAINDO DOS CAVALEIROS SAGRADOS, TEMOS RONYE PROTAGONIZANDO AO INVÉS DA SUA PORTA VOZ TIEZÉ QUE PROVAVELMENTE SERÁ A NOVINHA DO NOVINHO DA INTEGRIDADE.

SORTILIENA (adoro a sonoridade do nome, espero que não mudem muito no anime), SURGINDO PARA DEIXAR O HARÉM DO KIRITOSO MAIS FLORIDO.

E POR FIM… ALICE TOMANDO UM CHEGA PARA LÁ DA RAINHA DO CAMPINHO… A DE FATO, DEUSA ASUNA!!!

UFA!!

PASSOU MUITA ÁGUA POR ESSA PONTE! FOI MUITO BOM!

AH! NÃO FALEI DO PESSOAL DO OUTRO LADO… MAS ASSIM… A MAIORIA BATEU AS BOTAS, FIM DA HISTÓRIA! QUEM NÃO MORREU, AINDA FALAREI NOS PRÓXIMOS POSTS.

MENÇÃO APENAS PARA VASSAGO! ESSE CARA… FIQUEM ESPERTO COM ELE, SÓ DIGO ISSO…

 

BUENO! SÃO QUASE 5 DA MADRUGADA NESSE MEU PORTO ALEGRE FRIO, O PEQUENO FINALMENTE DORMIU E EU FAREI O MESMO.

AGRADEÇO O APOIO DE TODOS QUE ME ACOMPANHARAM NESSE QUE FOI O VOLUME MAIS CONTURBADO DE TRABALHAR, MAS MUITO GOSTOSO DE VER O RESULTADO.

ENTÃO, NOS VEMOS NO VOLUME 17 DE SWORD ART ONLINE ALICIZATION – AWAKENING!

 

FORTE ABRAÇO E ATÉ LÁ!

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization Underworld – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Estamos também traduzindo Sword Art Online Progressive, não deixem de ler.

O último post fica por conta da clássica Swordland, a terra das espadas, que foi o que a história virou!!