Sword Art Online Alicization – Exploding – Capítulo 18 – Parte 4.2

Arco: Sword Art Online Alicization Underword – Exploding
Capítulo 18

Sword Art Online Alicization Underworld - Exploding - Eldrie Woolsburg

Parte 4

“Aaaah!! Que poder delicioso!!”

A líder da Guilda dos Usuários de Dark Arts, D.I.L., ergueu suas mãos para os céus enquanto todo o corpo tremia em um doce êxtase.

Será que outra feiticeira em toda a história do Dark Territory já havia experimentado um espaço tão carregado de energia escura? Uma concentração tão brutal que fazia parecer até um ser vivo, uma criatura inominável pronto para o ataque.

Nada nesse mundo tinha uma prioridade tão alta e um poder tão puro como a Vida dos seres dotados de inteligência. Não importava que viesse dessas ridículas e repulsivas existências chamadas orcs.

Se fosse comparar, esse material viscoso advindo do sacrifício seria como um vinho precioso, daqueles que fora maturado por mais de cem anos, enquanto que as energias do sol e da terra não passariam de água, pura e simples.

A reserva destinada anteriormente para ativar Wide-area Incineration Projectiles, no fim, não era mais do que meros resíduos de vidas desgastadas prestes a serem dispersas no campo de batalha. Porém, essas três mil existências com suas energias completas que foram inteiramente convertidas em energia escura, compunha uma massa crítica de energia tão coesa e tão assustadoramente poderosa, que elevaria aquela arte ofensiva a quase um fenômeno divino, digno de sua imensa cobiça.

Todas as subordinadas de D., sobreviventes do ataque anterior e as que entoavam os comandos pela primeira vez, estenderam seus braços como se fossem uma evolução de milhares de serpentes, criando uma grande junção daquela matéria horrível.

Estavam sendo gerados incontáveis organismos artificiais consumidores de Vida, também chamados de Life Eaters, originados a partir da energia transmutada. Nenhum objeto corpóreo poderia se defender contra eles. Nem espadas ou armaduras, não importando o seu nível de prioridade. Em questão de eficiência de consumo de conversão, os elementos de matéria escura eram muito inferiores aos de fogo, contudo, com uma reserva abundante, isso realmente não importava.

D.havia definido a mudança de ataque como vingança e para se opor ao pilar de luz inimigo que tinha incinerado suas preciosas servas. Sua ganância e ansiedade eram tanta, que até os gritos horripilantes de agonia dos soldados orcs lhe pareciam música para os ouvidos.

“Muito bem… preparem-se para lançar a Death Curse Worms!!”

E quando todos estavam esperando a ordem final de D. …

A líder avistou incrédula quatro cavaleiros montados em seus dragões se aproximando rapidamente em sua visão periférica.

O choque momentâneo logo virou euforia. Ela tinha agora a chance de reduzir ainda mais a força principal do inimigo, acabando com os Integrity Knight e seus malditos dragões voadores de uma só vez.

Cada vez mais sentia que era a sua hora de brilhar no palco principal.

“Esperem!! Deixem eles chegarem mais próximos…!! Esperem…!!… Esperem….!!… AGORAAAAAAAA!!!!!!! ”

“ZWWAAAAAAAAAAAAAH!!!!”

Incontáveis prolongamentos parecidos com serpentes negras saíram em trajetória reta rumo aos cavaleiros inimigos, desprendendo vibrações de pura morte e medo por onde cruzavam.

***

A percepção de que a arte ofensiva do inimigo constituía-se em uma gigantesca massa opressiva de escuridão absoluta não somente golpeou a mente dos guardas comuns por vários instantes, como também pegou os próprios Integrity Knights do alto escalão desprevenidos.

Era uma invocação do elemental escuridão com uma prioridade inacreditavelmente alta, provavelmente superando em muito a arte de elementos luminosos que Alice havia lançado momentos antes.

Um mal inominável tinha sido criado e liberto. Com toda a certeza consumiria a Vida de todos que tentassem se defender por meios físicos.

Ficava a dúvida: como havia conseguido manifestar uma arte de elementos escuros, o que normalmente demandava muita energia para ser criado, com uma intensidade tão grande em uma área que deveria estar completamente exaurida?

A resposta chegou antes para o Knight Commander Bercouli…

Contudo, nem mesmo ele conseguiu pensar em uma maneira eficaz para remediar a situação.

Haviam muitos aspectos a serem levados em consideração nas artes ofensivas: o elemento ao qual estavam embasados, alcance, velocidade, direção, potência entre outros.

Portanto, para conseguir se defender de ataques desse tipo, seria necessário compensar ou superar todos esses atributos em um espaço de tempo praticamente nulo. Em outras palavras, podia-se dizer que eleger e executar instantaneamente uma contra medida adequada para cada situação era o que diferia a qual categoria o invocador pertencia, ou seja, quem fosse mais proficiente nesses quesitos, era classificado de invocador de alta categoria.

Ser capaz de raciocinar e agir, selecionando um contra-ataque mais efetivo ou até mesmo evadindo-se enquanto mantinha-se em avanço constante, era pré-requisito de um guerreiro do alto escalão.

Contudo, esse caso era uma exceção.

A ofensiva inimiga estava muito além do nível considerado normal.

Somente o elemento luminoso podia fazer frente ao elemento de escuridão pura. Porém, os elementos de luz sofriam do mesmo problema de seu oposto espectral, o imenso tempo e o esforço para sua conversão e ativação. Efetivamente, era impossível gerar elementos suficientes para serem capazes de dissipar uma invocação naquela escala.

Existia uma solução, que era o ataque da liberação de memória de determinado instrumento divino que certamente conseguiria perfurar a arte inimiga, porém, a luz da Heaven Piercing Sword era estreita demais para dissipar totalmente a onda de escuridão e também… a pessoa dona dessa espada não se encontrava na unidade de avanço.

“RECUEM!!!  SUBAM O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL!!!”

Bercouli conseguiu gritar.

Os quatro dragões voadores giram imediatamente enquanto traçavam espiral ascendente, indo em direção aos céus sobre o vale.

Ao mesmo tempo, a imensa massa de serpentes negras também modificou sua rota fazendo um zumbindo ainda mais desagradável.

E então…

“NÃO!!”

Bercouli gritou mais uma vez.

Os vermes que vinham em sua direção eram menos da metade total gerada pelas feiticeiras. Os demais foram diretamente para os guardas e a unidade de suporte que estavam no solo.

“!!!!”

Rugindo, a Integrity Knight Alice, ao perceber o curso da situação, fez com que seu dragão se lançasse em uma trajetória descendente muito acentuada em direção à fonte da invocação da dark art tão veloz quanto um projétil.

SHHHAAIN!!

Desembainhou a Fragrant Olive Sword produzindo um som intermitente mesclando-se com seu avanço aéreo. Um resplendor dourado cortou os céus no instante em que a lâmina surgiu.

“Não princesa!! Isso não irá funcionar!!”

Bercouli gritou tentando desesperadamente conter sua querida discípula.

O Full Armament Control Art da Olive Sword de fato tinha um poder imbatível em um combate contra vários inimigos, contudo, seu elemento continuava sendo o metal, jamais cortaria através das trevas que transitava entre duas dimensões, a corpórea e a não corpórea.

Alice tinha ciência desse fato, porém, não podia apenas ficar observando seus companheiros da guarda serem massacrados sem fazer nada.

Então aconteceu…

Um quinto dragão voador surgiu como um míssil prateado, vindo diretamente da entrada do vale.

Takiguri.

O dragão que pertencia ao Integrity Knight do alto escalão, Eldrie Synthesis Thirty-One.

***

Eldrie repetia mentalmente como um mantra uma única palavra enquanto segurava firmemente as rédeas de seu companheiro alado.

Proteger!

Sua mestra Alice.

Protegeria a pessoa a qual devotou sua espada e alma a qualquer custo.

Contudo, ao mesmo tempo, conseguia escutar outra voz que minava sua determinação, tão forte e tão antagônica que chegava a assustar.

Como a protegeria? Como faria isso sendo tão fraco? Como podia pensar assim quando não passava de um idiota carente de atenção e dos sentimentos por sua mestra? Como salvar uma pessoa a qual possuía capacidades que o sobrepujava a níveis divinos?

Eldrie, mesmo tendo se convertido em um Integrity Knight há pouco tempo, apoiava sua lâmina na vontade ferrenha de servir Alice. Foi por esse motivo que conseguira se tornar membro dos cavaleiros sagrados do alto escalão, porém, isso também selara seu destino de ficar sempre à sombra daquela pessoa, criando uma fraqueza inexorável em seu coração.

Não tenho a força necessária para proteger a mestra Alice e nem o direito de andar ao seu lado!

Sua energia lhe era sugada pela metade quando esse pensamento vinha à tona. Mesmo sobre Takiguri, que continuava o avanço em direção à comitiva dos guardas no solo, uma indescritível premonição começou a o assolar.

Vendo o rumo das coisas, era bem capaz de ter o mesmo destino que certamente sua mestra teria, perecer sobre essa terra negra.

Voando resignado pela morte iminente, Eldrie achou ter escutado algo, então, direcionou seus olhos até o chão.

A unidade dos guardas estava desordenadamente tentando procurar um lugar seguro ao perceberem a massa escura se aproximando a velocidades alarmantes. Logo atrás deles, as carruagens da equipe de suporte também estavam desalinhadas, tomando rumos variados.

Nisso, uma luz azul clara piscou, filtrando-se através de uma fenda entre o couro que servia como porta de um desses veículos.

Uma voz misteriosa falou diretamente em sua mente.

Faça por sua própria força de vontade e determinação.

Por seu desejo de proteger.

No fundo você sabe disso, certo?

O amor não se busca. Ele simplesmente acontece, portanto, ame com tudo que tem, faça essa a sua verdade e o fio de sua espada! Sabe que isso é o correto a se fazer, não é…?

“A..ah…!”

O que ele esteve fazendo até agora?

Não era forte o suficiente? Não podia ter o coração dela apenas para ele? E só por isso não poderia protegê-la?

“Que homem lamentável que sou…”

E pensar que a senhora Alice estava nesse momento bem ali, lutando com tudo que tinha para salvar todo o Mundo Humano.

Eldrie sacudiu as rédeas de Takiguri com sua mão direita e gritou como todo seu coração:

“VÁ!!”

Como que sentindo toda a carga emocional de seu mestre, o dragão bateu suas asas tão forte que o ar explodiu, acelerando como nunca tinha feito antes.

Eldrie ainda conseguiu ouvir a voz de Alice tentando detê-lo quando passou por Amayori em pleno voo descendente como se ela estivesse parada no ar.

Sem nenhum sinal de desistir do avanço mergulhou inteiramente na torrente mortal de serpentes.

Sua mão esquerda apanhou o chicote de prata branca de sua cintura como se estivesse em um balé e não em uma situação de morte.

Diziam que a origem de seu instrumento divino, o Frost Scale Whip, era uma criatura considerada um deus serpente gigantesco que vivia nas montanhas do império oriental. Liberar suas lembranças incrementava o alcance diversas vezes e permitia que sua trajetória fosse alterada livremente.

Dito isso, um poder desses quase não tinha propósito contra essa arte de pura maldade e escuridão.

Ainda assim, Eldrie estava resoluto com uma convicção inabalável. Então, ele rezou com toda sua alma.

“Oh, serpente!!

Oh, antiga serpente!!

Se você é o deus de todas as serpentes, então devore todos esses vermes!!!

RELEASE RECOLLECTION!!!

O chicote de escamas emanou uma deslumbrante luz prateada enquanto produzia um som como um grito gutural pelos céus.

O Frost Scale Whip dividiu-se infinitamente dentro daquele resplendor. Convertendo-se em centenas de milhares de raios de luz, que atacaram as serpentes tingidas de pura escuridão.

Cada um desses traços de luz haviam se tornado em uma serpente resplandecente instantaneamente. Dispersando-se em uma formação radial que mantinham como ponto de origem a mão esquerda de Eldrie, suas extremidades abriram reluzentes mandíbulas expondo dentes afiadíssimos, mordendo cada contra parte negra até a morte.

“ZZZOOOOBUSH!!”

As serpentes destroçadas se transformavam em infinitas partículas que voltavam imediatamente ao seu elemento escuro primal, para logo em seguida se dispersar no ar.

O enxame que estavam indo atacar os guardas, assim como o que perseguiam os dragões voadores alteraram suas trajetórias como se reconhecessem que as serpentes brilhantes devessem ser priorizadas como seu novo objetivo.

Levou pouco tempo até que as serpentes negras atacassem as que o cavaleiro havia produzido, enroscando-se em volta de seus corpos e fazendo constrições, destruindo tudo no caminho e indo em direção à fonte para inundá-la.

Durante o ataque inicial, Eldrie havia percebido e usado o único aspecto da arte do inimigo que podia ser explorado, o atributo de perseguição automática. Então, o manipulou e o concentrou em um único lugar…

… Sobre ele.

Minha mestra Alice!

Ele sorriu e fechou os olhos.

A escuridão recaiu sobre o cavaleiro no instante seguinte.

A vida numérica do Integrity Knight Eldrie que era pouco mais de cinquenta mil, se transformou em cinquenta mil… negativos em segundos.

A figura do guerreiro sem peso algum desmoronou em direção ao chão como que tivesse sendo levado pelo vento.

Sword Art Online Alicization Underworld - Exploding - Eldrie

***

ELDRIEEEEE!!!!!!

Alice gritou.

Seu único discípulo, quem havia a acompanhado através desse curto, porém, inesquecível período de tempo, deslizou das costas do dragão voador, que também havia perdido uma imensa parcela de sua carne e mostrava uma ferida horrenda exposta.

Fazendo Amayori girar três vezes, Alice mergulhou em meio aos vestígios das serpentes negras que ainda estavam se dissipando e segurou a mão direita de Eldrie com a sua esquerda. Perdeu o ar dos pulmões de supetão com o impacto devido à alta velocidade a que se encontrava, contudo, cerrou os dentes e conseguiu puxar o homem junto ao seu peito enquanto guiava sua companheira alada para cima.

Takiguri a seguiu pelo lado direito em sinal de preocupação por seu mestre.

Alice continuou gritando sobre as costas de seu dragão.

“Eldrie! Abra… abra os olhos!! Não permito que… não deve… você não pode me abandonar em um lugar desses!!”

As pálpebras do guerreiro, que haviam assumido um tom branco azulado, tremeram levemente, assim como o imenso rombo que havia no lugar de seu peito.

Sob os cílios parcialmente erguidos, seus olhos violetas brilhavam gentilmente em direção à Alice.

“…Mestra… está… a salvo…”

“Sim… sim!! É claro que estou a salvo e graça a você!! Por isso, não pense em ir embora! Por acaso esqueceu de que lhe disse para sempre estar ao meu lado para me ajudar?”

Sua visão ficou borrada. Gotas caíram sobre o rosto de Eldrie, uma atrás da outra.

Ignorando esse fato, Alice abraçou fortemente seu discípulo enquanto afagava os cabelos.

Uma voz quase inaudível ondulou até seus ouvidos.

“Minha senhora Alice… há muitas… muitas pessoas que… necessitam de você. Eu… sou um ninguém… um ninguém que sonhou em ter… de você…-”

“Seja o que for que deseja, te darei!! Mas não me deixe!! Não jurou ser meu discípulo!!? Não se atreva a ir…!!”

“Não preciso de mais nada, já recebi…  o suficiente…”

Alice sentiu o peso de seu pupilo se desfazer rapidamente de seus braços, deixando-a enquanto mostrava um ar de plenitude e satisfação quase infantil.

“Eldrie!? ELDRIE-…!!”

Um último sussurro saiu dos lábios do guerreiro caído, filtrando-se entre os soluços de Alice.

“Não… chore… ma… mãe…!”

A alma que pertencia ao Integrity Knight Eldrie Synthesis Thirty-One, também conhecido como Eldrie Woolsburg, deixou Underworld para todo o sempre.

 

O querido discípulo de Alice se converteu totalmente em luz pura, como se aqueles poucos segundos de conversação fossem frutos de um milagre ou imaginação e se dispersou no ar noturno diante dos olhos úmidos da mulher cavaleiro.

Eldrie desapareceu em poucos instantes sem deixar nem sequer um fragmento de sua imponente armadura. O Frost Scale Whip, que ainda segurava em sua mão esquerda, caiu lentamente sob as costas de Amayori.

Como que reconhecendo a morte de seu mestre, Takiguri, que seguia voando ao lado, soltou um rugido angustiado que se espalhou ao longe, enchendo o peito de quem ouvisse de um sentimento de perda indescritível.

Alice respirou fundo um ar que pareceu por alguns segundos adocicado, lembrando o cheiro de rosas antes dirigir o olhar para cima.

Esse é o real significado da guerra!

Diante desse cenário, seria absurdo guardar rancor e sair em um ataque impensado, não importando o tipo de ofensiva executada pelo inimigo.

Guerras sempre produziram e produzirão vítimas como resultado.

Ela própria havia arrebatado um sem número de vidas das fileiras inimigas apenas alguns minutos atrás. Seu ato por si só era algo imperdoável.

Sendo assim…

Esta fúria, esta tristeza… tudo deveria se tornar força. Canalizar um poder capaz de superar qualquer coisa, independentemente do que fosse…

A lógica era simples: massacre atrairá um massacre maior ainda… ela começou e ela iria terminar e arcar com isso.

“Certo! É melhor que estejam preparados!”

Desembainhando a Fragrant Olive Sword com um ruído fortíssimo, Alice gritou:

“Amayori! Takiguri!! Avancem a máxima velocidade!!!”

Os dragões voadores restritos por artes de submissão jamais obedeceriam às ordens que não fossem proferidas por seus próprios mestres.

Porém, os dois irmãos dragões rugiram ferozmente assim que ouviram aquelas palavras, parecendo que estavam apenas aguardando por aquele sinal.

Bateram suas asas começando um violento movimento de arremetida rumo ao meio do Dark Territory, a terra que parecia ter sido totalmente cremada pelos deuses.

Incitados por uma ira abrasadora, os olhos azuis de Alice determinaram rapidamente a distribuição e organização das principais forças do inimigo.

A quase quinhentos mels de distância, na esquerda da abertura do vale, estavam a Ordem dos Dark Knights, vestidos com armaduras douradas, somando aproximadamente cinco mil.

E logo ao lado desses, também à esquerda, estava a Guilda dos Lutadores, figuras musculosas, vestidas com grandes cinturões de couro com o mesmo número de integrante.

Esses dois grupos, dez mil guerreiros, formavam a força principal do inimigo.

Um pouco mais recuada, na retaguarda, estava a infantaria de orcs e goblins, provavelmente a tropa de reserva.

E seguindo esses pelotões, uma gigantesca unidade de transporte. Certamente era ali que se encontrava o comandante inimigo, o Deus da Escuridão Vector.

E como que servindo de ‘liga’ entre todos os grupos principais, mesclados entre os Dark Knights e os lutadores, guerreiros vestidos inteiramente de negro.

Ou melhor dizendo, guerreiras.

Eram as invocadoras, as usuárias de Dark Arts, as responsáveis por lançar aquela terrível manifestação etérea em grande escala de instantes atrás. Seu efetivo somava aproximadamente dois mil. Dentre essas, as que perceberam a aproximação dos dragões voadores, optaram por escapar sem ao menos se preocuparem de avisar seus companheiros.

A covardia daquilo estava em um nível intolerável.

“Desgraçadas! Não vão escapar!!”

Alice ordenou aos dois dragões com um grito cheio de ira.

“Acertem quem estiver fugindo na retaguarda!! AGORA!!!”

Os irmãos alados envergaram seus pescoços em um movimento sincronizado enquanto abriam as mandíbulas ameaçadoramente. Suas presas brancas brilharam com uma luz incandescente ao refletir as chamas produzidas.

ZZZUUUBAAAAAAAHHHHH!!!!!

Dois raios de extremo calor cortaram o céu tão veloz que os olhos mal podiam acompanhar a trajetória indo em direção às usuárias de Dark Arts que fugiam.

As explosões abriram fendas na terra. Chamas infernais irromperam para todos os lados, usando tudo que tinha ao redor como combustível para aumentar ainda mais a intensidade. As silhuetas daqueles seres desprezíveis que corriam à frente e que foram acertados se retorceram como folhas secas em uma grande fogueira.

Uma barreira intransponível de fogo furioso havia selado e frustrado qualquer tentativa de fuga. Em pânico, as feiticeiras só puderam voltar e se reunir em um só ponto.

Alice ergueu a Fragrant Olive Sword. Sua lâmina brilhou mais dourada do que o próprio sol.

Enhance Armament!

A espada se separou em centenas de milhares de fragmentos com um som metálico tão furioso quanto um enxame de abelhas. Cada um daqueles pequenos objetos giravam de maneira agressiva, refletindo a vontade de Alice. Suas extremidades nunca foram manifestadas de maneira tão afiada quanto agora.

***

Ridículo!! Impossível!!!

A líder dos usuários de Dark Arts, D.I.L. , repetia mentalmente essas palavras enquanto olhava incrédula um cavaleiro que repentinamente havia surgido como uma flecha, vindo da entrada do vale, e mergulhado em sua criação suprema.

A arte Death Curse Worms, invocada por duas mil usuárias da sua guilda, usando o sacrifício das vidas de três mil orcs tinha atacado o exército inimigo com um poder muito acima do jamais visto até hoje. As criaturas deveriam ter prioridade mais do que suficiente para devorar não somente os Integrity Knights nos céus, como também todo o efetivo das tropas em solo.

Ainda assim, por alguma razão desconhecida, a arte que tinha o propósito de devorar tudo em seu caminho acabou focando seu imenso poder em um único cavaleiro, descarregando toda sua potência ali, desperdiçando a melhor chance de vitória.

A principal característica daquela arte era seguir qualquer forma de vida, principalmente as que tivessem maiores níveis. Em outras palavras, criar instantaneamente um ser artificial dotado de vitalidade comparável à uma besta mágica, uma que superasse os humanos e os dragões, seria o necessário para atrair intencionalmente seus vermes. Contudo, era impossível criar algo desse nível sem antes recitar uma longa arte, cheia de comandos complexos.

Qualquer coisa fora disso, contrariaria a lógica primordial das invocações.

A pergunta martelava incessantemente na mente da mulher.

Como pode existir um poder que eu, a líder suprema da Guilda dos Usuários de Dark Arts, a cabeça chave do centro de inteligência mundial, desconheça!?

D.rangia os dentes em desespero.

De qualquer jeito, era um fato inegável de que o inimigo tinha conseguido se defender e iniciaria em breve uma nova ofensiva, usando como pagamento o  sacrifício de apenas uma pessoa.

Com  isso em mente, sabia que o desenrolar das ações resultaria em algo terrível… para ela e suas subordinadas. Era sensato esperar uma violenta retaliação a altura.

“Retirada!! Rápido!! Todas feiticeiras, fujam!!”

D. pareceu grunhir ao invés de falar.

Contudo, a rapidez do avanço dos dragões alados foi muito acima de suas expectativas. Em segundos, dois raios crepitantes cruzaram por cima de sua cabeça, atingindo o chão dezenas de mels à frente, levando consigo várias dezenas de suas subordinadas que já haviam começado a fugir, carbonizando-as instantaneamente.

As chamas pareciam rugir conforme consumia de maneira voraz todo o oxigênio do lugar.

As ondas de calor alcançaram inclusive o segundo andar da carruagem onde estava D., chamuscando seus cabelos negros aos quais tanto se orgulhava.

“Kihiiiiii….!!!”

Gemendo, D. se jogou para fora do veículo, evitando ficar em evidência no teto da carruagem ou mesmo, fritando como carne sobre uma chapa quente.

Com esse movimento, ela pelo menos garantiria o anonimato, pois se mesclaria com suas subordinadas enquanto procurava um meio de fugir da sequência de ataque mortal que viria.

A confirmação de seu receio veio em forma de uma luz dourada e cegante vinda dos céus.

Instintivamente, seu olhar se voltou para cima no momento de perceber que a espada da Integrity Knight montada em seu dragão voador começava a se dividir em incontáveis fragmentos brilhantes.

Ela pode sentir nitidamente que cada uma daquelas partículas carregava uma aterradora prioridade. Estava mais do que claro que qualquer elemento que tentasse gerar para combater aquilo, não seria forte o suficiente para conseguir se defender.

Desgraçada! Sua maldita!! Não posso deixar que me mate aqui!!! 

Não morrerei em um lugar assim! Eu sobreviverei para governar o mundo!!!

Olhando rapidamente à sua volta de maneira enlouquecida, D. moveu suas mãos com os dedos na forma de garras e os cravou nas costas de duas de suas subordinadas que corriam à frente.

Suas garras pontiagudas rasgaram facilmente a pele delas, enterrando-se profundamente na carne. O ataque só parou quando encontrou seu objetivo, a coluna vertebral de cada uma, as quais puxou para fora como se não fossem nada.

“Gyaahh…!!! S-Senhora D…!!!?”

“O q-!! Não, pare! Por fav-…!!”

Ignorando as súplicas das duas mulheres condenadas, a usuária de Dark Arts mais proficiente do alto escalão do Dark Territory deixou escapar uma gargalhada sinistra enquanto já recitava a frase inicial de um encantamento.

As palavras que se seguiram foram de fato uma maldição.

Transfiguration.

Estava usando uma arte secreta que transformava a carne de um ser vivo, utilizando como energia a própria vida do indivíduo.

Squelch!

Carne e sangue viraram uma massa disforme, dissolvendo os corpos saudáveis e esbeltos das duas jovens.

A massa cobriu D. dos pés à cabeça sem deixar um só espaço de fora,  transformando-se em uma espécie de película defensiva e extremamente elástica, não lembrando em nada que algum dia fora parte de um ser vivo.

Isso tudo ocorreu instantes antes de uma furiosa tempestade dourada carregada de morte violenta desabasse sobre a terra.

***

No coração de Alice não houve momento de dúvida ou remorso enquanto silenciava o mar de gritos agonizantes que chegavam aos seus ouvidos.

Não permitiria que aquela maldita arte fosse utilizada novamente, eliminaria todas as invocadoras, trituraria até o último pedaço de seus corpos para não sobrar nada, varrendo suas existências desse mundo.

A cada movimento de mão, a luz resplandecia e as pétalas pontiagudas acompanhavam sua trajetória, rasgando o inimigo sem nenhuma dificuldade enquanto a mulher cavaleiro os observava. Elas não usavam nenhum tipo de proteção como armaduras, portanto, a cada passada das pétalas, os corpos eram completamente destroçados.

Alice manteve o estado de liberação das memórias de sua arma até o momento em que constatou que havia aniquilado noventa por cento de seus inimigos. A Vida de sua amada espada certamente tinha sido reduzida consideravelmente, porém, não havia arrependimentos quanto a isso.

Mesmo que cerca de duzentas feiticeiras tivessem fugido em meio à confusão, se escondendo sob os escombros ou até mesmo embaixo dos pedaços de corpos de suas companheiras que ainda estavam se desfazendo, Alice preferiu restaurar a espada ao seu formato original ao invés de persegui-las.

Fez isso, pois em sua visão periférica avistou aproximadamente dez Dark Knights se aproximando montados em seus dragões, vindo da parte esquerda do território, onde sua Ordem estava agrupada com a Guilda dos Lutadores.

Supôs que logo a rodeariam e a atacariam, contudo, os cavaleiros inimigos apenas assumiram uma formação simples de reconhecimento mantendo-se no ar e sem dar nenhum sinal de que avançariam mais.

Ela logo entendeu o motivo, Bercouli e seus companheiros estavam logo à suas costas.

“Princesa, não exagere!”

Alice conseguiu responder de alguma maneira para o Knight Commander que passava lentamente ao lado e a olhava com preocupação por seu estado mental devido à morte de Eldrie.

“Não… se preocupe, meu senhor, estou bem. Por favor, escolte as unidade que estão no solo. Irei cumprir meu papel como isca.”

“Está certo… porém, não se afaste muito!”

Bercouli respondeu e girou enquanto olhava para os cavaleiros inimigos.

Comandando Takiguri que permaneceu a seu lado, Alice fez Amayori subir lentamente enquanto avançava.

Ela pode sentir de alguma forma a atenção dos Dark Knights, dos lutadores, orcs e goblins, totalmente focada em si, assim como interesse da estranha energia que denunciava uma gigantesca presença em algum lugar que não conseguia localizar.

Escutou baixinho os rangidos suaves das tropas da guarda e equipes de apoio que a seguiam  enquanto continuavam a se dirigir ao sul.

Alice gritou suficientemente alto para ser ouvida em todo os cantos do campo de batalha.

Sua voz, amplificada pela Incarnation, soou de maneira vívida e nítida.

“Meu nome é Alice!! Sou a Integrity Knight Alice Synthesis Thirty!! Sirvo a vontade das três deusas que protegem o Mundo Humano, também chamada de Sacerdotisa da Luz!!”

Foi uma proclamação sem nenhuma base, um mero engodo.

Ainda assim, todo o exército inimigo se agitou prontamente no instante seguinte. O forte desejo de capturar Alice se espalhou como imensos tentáculos. Parecia que o inimigo desejava muito mais capturar essa tal sacerdotisa do que pisotear o Mundo Humano.

Será que ela poderia ser realmente essa pessoa? Estaria de fato se tornando a encarnação da sacerdotisa ao decidir assumir o nome?

Sem ter muito ao que se basear, Alice deu de ombros. Irrelevante, pois tudo que precisava era que seus inimigos a perseguissem.

Já estaria ótimo se conseguisse afastar o inimigo do vale, ganhando algum tempo para os demais. Dessa forma, faria com que os sacrifícios de Eldrie, Dakira e tantos outros guardas que perderam suas jovens vidas, não fossem em vão.

Com isso em mente, prosseguiu com a declaração:

“A todos que se colocarem em meu caminho, preparem-se para ser destruídos pelo meu poder sagrado!!”

***

“Ohh…!”

O Imperador do Dark Territory, o Deus da Escuridão Vector e também, o caçador de almas, Gabriel Miller, se levantou do luxuoso trono cheio de ansiedade e deleite.

“Ooh…!!!!”

Gabriel não havia sentido nenhum tipo de emoção até agora, mesmo após ter dado a ordem de erradicar as três mil unidades orcs, que aparentemente tinha fracassado em seu propósito, ou após saber que a maioria de suas invocadoras não mais existia. Contudo, ao presenciar aquela cena, sem dúvida alguma, começou a sentir uma espécie de calafrio percorrer todo seu corpo e também sua tétrica alma.

Uma voz tranquila veio daqueles lábios pálidos que formavam um grande sorriso viciado.

“Alice… Alice…”

Os olhos famintos de Gabriel captaram cada detalhe da jovem cavaleiro vestida inteiramente com uma resplandecente armadura dourada sobre um dragão no distante céu noturno.

Longas mechas de cabelos loiros tão brilhantes quanto o sol, pele alva, olhos perfeitamente azuis.

A figura coincidia exatamente com o que seria a aparência madura da menina a qual primeiramente havia colocado suas mãos, Alicia Klingerman. Em sua imaginação, ela seria exatamente dessa forma.

Em sua mente, aquilo era um fato inegável, a alma dessa Alice era a mesma que ele não havia conseguido capturar daquela vez no mundo real e que veio se refugiar aqui, nessa realidade virtual.

Dessa vez, irei tomá-la para mim!

Capturaria com suas próprias mãos. Obteria o Lightcube contendo seu Fluctlight e a sorveria pouco a pouco até que estivesse plenamente satisfeito.

Fixando o olhar sobre a mulher cavaleiro, como que hipnotizado enquanto a via balançar as rédeas de seu dragão, dirigindo-se para os céus escuros do sul, Gabriel falou de maneira suave, porém, cheio de um desejo ardente no crânio usado como comunicador.

“Todas as unidades, ouçam atentamente as novas ordens! Vão para o sul deste território!! A Guilda dos Lutadores irá compor o pelotão de vanguarda, seguido respectivamente pela Ordem dos Dark Knights, os meio humanos e por fim o pelotão de suporte. Capturem essa guerreira, a Sacerdotisa da Luz!

Concederei o direito de poder governar todo o Mundo Humano para o comandante de qualquer unidade que a capturar.”

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

OLÁ PESSOAS!

CHEGANDO MAIS UM CAPÍTULO BONITAÇO. CONFESSO QUE ESSE FOI MAIS TRANQUILO DE FAZER E DIFÍCIL DE POSTAR. SEMPRE QUE SENTAVA AO COMPUTADOR ACONTECIA ALGO, MAS BELEZA, CÁ ESTAMOS SEM MAIORES PROBLEMAS.

E O QUE ROLOU NESSE CAPÍTULO?

BOM, BASICAMENTE: ELDRIE VIROU CARNE MOÍDA! PRÓÓÓÓXIMO !!!

AH! SEI LÁ, NUNCA CURTI O ELDRIE, MUITO CHORÃO, TÍPICO FILHINHO DA MAMÃE. AQUELA ADMIRAÇÃO TODA DA ALICE DE FATO FOI UM COMPLEXO DE HYOGA DE CISNE, NUNCA ESQUECEU A MAMÃE E ESPELHOU TODA A CARÊNCIA NA DONA 30º. TRISTE MASSS… NÃO CONSEGUI COMPRAR ESSE PAPINHO DELE. ENFIM, JÁ ERA E O TAKIGURI PERSISTE, PONTO PARA SELEÇÃO NATURAL HEHEHE.

E O QUE DIZER DA D? BICHO ESPERTONA. AÍ ESTÁ UMA I.A. SAGAZ E SEM MUITAS CAMADAS. ELA TEM UM OBJETIVO CLARO E NO MELHOR MODO ‘SER HUMANO’ STYLE, VAI ENCONTRANDO AS BRECHAS PARA SEGUIR SOBREVIVENDO, CURTO PERSONAGEM FDP DESSE JEITO, MAL POSSO ESPERAR PARA VER ESSA DOIDA NO ANIME, AINDA MAIS QUE DEPOIS ELA VAI… (ok, ok, sem spoiler 😉 ).

 

E O AVISO DA SAIDEIRA:

ESTÁ CHEGANDO PESSOAS! AQUELA QUE TODOS QUEREM VER… QUERO LOGO TRAZER PARA VOCÊS, ESTÃO EMPOLGADOS? EU SEI QUE SIM ^_^

SAO ALTERNATIVE: VI OS 3 EPISÓDIOS, AINDA ESPERANDO UMA MENÇÃO OU UMA CENA FODÁSTICA, POR ENQUANTO, NÃO SOU CAPAZ DE OPINAR E VOCÊS? O QUE PODEM ME DIZER SOBRE ESSE ANIME? JÁ AVISO QUE NÃO LI A LN (SHAME ON ME).

 

FORTE ABRAÇO E ATÉ A PRÓXIMA!!!

 

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization Underworld – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Estamos também traduzindo Sword Art Online Progressive, não deixem de ler.

 

Essa música vem homenagear aquele guerreiro que no último instante se redimiu bravamente. Eu sacaneei o cara, mas reconheço que ele fez por merecer estar entre os melhores. RIP Eldrie (na lápide estaria escrito: “Quem não chora,não… mama” [Não resito… pqp] ).

 

 

 

 

 

 

  • Jean Carlos Galarça Estevo

    pq a felicidade que surge depois de ver o post do facebook dura apenas 30 minutos e depois toda a ansiedade volta????
    vlw por mais esse capitulo Andre…
    eu estou curtindo o SAO: alternative justamente por não ter nenhuma menção ao kirito e amigos, é uma história completamente nova e separada usando o máximo que pode desse universo pouco explorado de GGO

    • André Brandão

      Desculpe por isso hehehe 😉 .
      Então, sobre as menções, ao que parece que nosso colega ali em cima nos comentários disse que houve uma sim, apesar de sutil. Mas você está certo, uma história nova não necessariamente precisa se manter à sombra do sucesso anterior, mas ainda assim, quero que uma cena foda aconteça, algo parecido com as do Kiritão ‘full putaço’.

  • Emanuel Tavares

    e mais gente morre :v

    • André Brandão

      Sim, não tinham como sustentar o salários deles 😀 😀

  • Roni Nunes

    obrigado por mais esse capitulo,
    eldrie viro carne moida acompanhado de churrasco de feiticeiras auhauhuah, e alice sem sabe que e ela mesmo se mostrando pra geral,

    Sao alternative: ainda ta apenas na apresentaçao, creio que vai começar algo no proximo epi pelo titulo do proximo epi rsrsrs, esperar e ver uahauha

    • André Brandão

      Disponha!
      Pois é, quem disse que programa de culinária não dá ibope né? XD
      Vi o quarto episódio de SAO Alternative e ainda está inacreditavelmente lento, espero que no próximo as coisas ocorram mais aceleradas.

  • Gabriel lima

    Mas ouve sim uma mençãos ao “velho” GGO
    tanto q o squad jam foi feito por causa da participação do kirito e da sinon
    E ainda parece q a pito foi morta pela sinon no Bob

    • André Brandão

      Eita, isso realmente passou batido por mim. Terei que rever os episódios para pegar essa.
      Valeu pela dica 😀

  • Luiz Miguel YLOVEASUNA

    Meu Deus cadê a deusa Asuna

    • André Brandão

      Também quero, acredite!

  • Pedro

    Aí chega na melhor parte e eles cortam pra asuna. Tô feliz e puto kkkkkk

    • André Brandão

      Hahahaha é sempre assim né? XD

  • OverReactionV3

    Bem ruizinho esse Sword Art Online, prefiro Log Horizon ou Overlord. Muito nutelinha.
    By the way! O site é bonito e recomendarei para quem gosta desse tipo de história. Sucesso aí!

    • André Brandão

      Que pena que não curtiu. Entretanto, você leu esse capítulo solto ou começou do início? Se possível, e for a primeira opção, comece lá no arco de Aincrad, talvez mude de ideia. Em todo o caso, obrigado pelo comentário e forte abraço.
      Obs.: Curto muito Log Horizon e Overlord também 🙂