Sword Art Online Alicization – Invading – Capítulo 17 – Parte 7

Arco: Sword Art Online Alicization – Invading

Capítulo 17

Sword Art Online Alicization Underworld - Vector e D.I.L- Volume 15

Parte 7

“Todos os Integrity Knights de alta categoria são tão poderosos? ”

Gabriel Miller perguntou enquanto sacolejava em cima do enorme tanque, ou assim aquele veículo reforçado de forma retangular e sem canhões deveria ser. Suas quatro enormes rodas rangiam fortemente sobre seu peso ao ser puxado por um monstro de duas cabeças similares a um dinossauro.

Mesmo que as molas do luxuoso sofá servissem como amortecedores, ainda assim não suprimiam completamente os trancos. Entretanto, não era nada comparado com a excruciante falta de conforto que sentia quando andava em veículos de combates na infantaria Bradley quando era um soldado.

Os tremores ali se resumiam a ruídos e tilintares das taças de vinho e demais adornos batendo uns nos outros, além do som possante das patas do monstro que servia como motor propulsor.

Contudo, era um infortúnio, pois a viagem já perdurava por três dias desde que deixaram o Palácio Obsidiana. Nem no mundo real ele tinha experimento algo tão enfadonho e demorado assim. De maneira que embora não estivesse dolorido, estava muito entediado. Não queria ter que ficar tanto tempo conectado nesse mundo virtual sem nada excitante para fazer.

A bela jovem moveu-se preguiçosamente aos seus pés, ajoelhada sobre o tapete enquanto acariciava sua perna direita e assentia com a cabeça.

“Sim, eles são muito fortes. Deixe me ver… sendo mais precisa, nessa guerra que dura mais de trezentos anos, nossos usuários de Dark Arts e nossos cavaleiros nunca conseguiram assassinar um só Integrity Knight… porém, o oposto é algo tão corriqueiro, acontecendo tantas vezes quanto há estrelas nos céus de lá.”

“Humm…”

Aproveitando que Gabriel tinha ficado em silêncio, Vassago começou a falar enquanto segurava uma garrafa de vinho sentado no lado oposto do lugar, com as pernas cruzadas preguiçosamente.

“Mas então… D, me diga! Se esses Integrity Knights são tão fortes assim, porque eles não tentaram invadir este lado?”

A líder da guilda dos usuários de Dark Arts, D.I.L. virou-se para Vassago com um sorriso menos à vontade e respondeu levantando seu dedo indicador.

“Fico feliz que tenha perguntado, meu senhor Vassago. Ainda que cada um deles seja um guerreiro sem igual com capacidade de destruir mil dos nossos soldados, ainda assim, são em números reduzidos. Se dez mil de nossas tropas os cercar em espaço aberto, poderíamos ir machucando-os, dilapidando-os pouco a pouco seus corpos em danos cumulativos e sucessivos, terminando por drenar toda a Vida existente neles.

Por isso nunca foram além dos limites da cordilheira, onde não conseguimos encurralá-los.”

“Ooh! Entendi. Então, não importa o quão fodidamente forte é o mob, se for atingido por dano DoT, cedo ou tarde ele vai bater as botas, hein!? Hehehe… que coisa legal de se saber.”

“Hã…!? Mob? Fodidamente?

Olhando Vassago rapidamente, como que o tivesse lembrando de que D, mesmo tendo aparência e postura extremamente real, ainda não passava de uma inteligência artificial, ou seja, incapaz de saber o conceito de mob como sendo um mobile, um NPC funcional dentro de jogos ou que DoT se referia ao dano acumulativo (Damage Over Time) e ininterrupto que um personagem pode sofrer, isso sem falar de certas gírias. Gabriel tratou de mudar o rumo do assunto, falando calmamente.

“Deixando isso de lado, em síntese, só o que precisamos é atrair esses Integrity Knights para campo aberto até sermos capazes de cercá-los e eliminá-los, correto?”

“Em um cenário como esse, a vitória é certa. Embora o número de sacrifícios dos goblins e orcs provavelmente ultrapassarão a casa dos dez mil”

D deu uma risadinha enquanto dizia isso e pegava uma fruta com aparência venenosa, a julgar por sua cor, que estava em uma bandeja de prata no chão, roçando em seus lábios com o mesmo tom rubro.

Era evidente que Gabriel não tinha nenhuma preocupação com a perda de unidades de infantaria. Falando mais seriamente, não se importava nem um pouco em ter que destroçar todo o exército do Dark Territory, incluindo D, submissa diante de seus olhos, se com isso conseguisse derrotar o inimigo. Em certo sentido, essa batalha não era diferente das simulações táticas realizadas pelo departamento de pesquisa de operações da Glowgen Defense Systems ao qual participava quase que diariamente.

Sendo necessário, ele caminharia sobre uma montanha de cadáveres, reinaria sobre o Mundo Humano como seu novo governante, onde daria sua primeira e última ordem.

Encontrar a garota chamada Alice e trazer até ele. Quando isso acontecesse, sua missão nesse estranho mundo terminaria.

Chegando a essa conclusão, começou a se dissociar automaticamente dessa realidade, estranhando-a como algo descartável, de maneira que até o vinho que estava achando saboroso começou a perder o gosto.

Gabriel levantou sua taça com o fluído violeta intenso e o sorveu em um único gole.

Nesse momento, o caçador de almas, Gabriel Miller, construiu inconscientemente a aparência de Alice em sua mente, a existência que tinha coincidentemente quase o mesmo nome de sua primeira vítima, Alicia Klingerman. Correlacionou às duas: virgens, jovens e esbeltas.

Convenceu-se que essa pessoa provavelmente vivia em uma casa antiga como a de Pacific Palisades, que era uma menina linda, dócil e gentil, uma flor esperando ser colhida… por ele.

Obviamente, Gabriel não tinha como saber.

Estava além de suas expectativas que a Alice que estava perseguindo, era uma Integrity Knight, a mesma que estaria no pelotão de frente, liderando o exército inimigo.

As longas filas das tropas vinham atrás do veículo de comando com bandeiras esvoaçantes do imperador, embora o ritmo fosse lento, não demonstravam nenhum sinal de retroceder, muito pelo contrário, a moral estava extremamente alta. Nesse estado, seguiriam até o fim do mundo sem ao menos parar para descansar.

As escarpas da cordilheira surgiam em sua frente como dentes pontiagudos de uma serra se mesclando ao céu vermelho como sangue.

Agora, já havia chegado ao quarto dia de marcha, datando o sétimo dia do décimo primeiro mês.

A força principal do Dark Territory finalmente alcançara a base de uma montanha que fazia divisa com a grande porta que estava prestes a colapsar. Incontáveis tendas negras preparadas pelo grupo avançado de reconhecimento alinhavam-se pela vasta planície.

BUMBURUM! BUMBURUM!

Sons abafados sacudiam a terra, vindos de enormes tambores de guerras que os gigantes golpeavam sem parar.

Do teto do veículo de comando, Gabriel observava tranquilamente o enorme aglomerado constituído pela força principal, com outras sessões segmentadas ao redor, dando a impressão de um grande órgão exposto, com suas células sangrentas à mostra embaladas ao som das batidas de um coração.

O primeiro regimento da guarda de avanço, um batalhão de infantaria rápida de goblins juntamente com outro batalhão pesado de orcs, totalizando uns quinze mil. Essa célula formava uma coluna que se encaixava exatamente na extensão do desfiladeiro que atravessava a cordilheira da borda.

Os massivos corpos dos gigantes estavam estrategicamente colocados entre a formação principal, que embora não fossem em número tão elevado quanto os outros, mais ou menos quinhentos, serviam perfeitamente como tanques para romper qualquer defesa, dando o suporte e proteção necessários às demais unidades.

Os meio-humanos seguiam atrás como o segundo pelotão.  Eram eles: os lutadores da guilda dos pugilistas, cinco mil e outra parte de mesmo número, da Ordem dos Dark Knights.

O jovem cavaleiro que sucedeu como o novo Dark General havia implorado pela posição de vanguarda para se redimir da desgraça de seu predecessor. Gabriel resolveu permitir para evitar que toda a unidade dos cavaleiros sofresse com a moral baixa, selando o surgimento de qualquer outro elemento incerto entre as fileiras sob seu comando.

O terceiro regimento compreendiam sete mil arqueiros ogros e três mil mulheres da guilda dos usuários de Dark Arts. O propósito desse agrupamento era atacar e aniquilar as tropas inimigas à distância. De acordo com sua líder, D, conseguiriam dessa forma derrotar toda a força principal do inimigo, os Integrity Knights, concentrando a energia neles assim que tivessem em seu raio de ação.

Para ser honesto, Gabriel tinha o desejo de enfrentar pessoalmente esses cavaleiros ditos como invencíveis e devorar suas almas poderosas. Contudo, seria um risco muito alto, pois caso perdesse essa super conta por causa de algum acidentes inesperado, seus planos para conquistar Underworld iriam por água abaixo.

Seguiria de maneira comedida, pois se lembrou que quando dominasse tudo, poderia produzir esse tipo de Fluctlight Artificial quantas vezes quisesse e a hora que desejasse.

De maneira que a prioridade agora era capturar Alice e escapar do Ocean Turtle.

Oito dias dentro dessa realidade consistia em mais ou menos quinze minutos no mundo real. Acabar com o conflito contra o Mundo Humano e transmitir a ordem de busca para Alice, provavelmente levaria dez dias, então nesse caso, tinha que acabar com essa guerra em no máximo um dia.

“Aah! Quer dizer que não vou poder me divertir lá fora?”

Vassago reclamou enquanto levava mais uma garrafa, agora de uísque, à boca.

“Acha que eu não vi? Você fugiu, saiu de fininho quando aquele general chamado Shasta virou um tornado e atacou.”

“Hehehe! Eu confiava inteiramente em você, comandante.”

Vassago deu um enorme sorriso sem nenhuma ressalva.

“Veja bem! Especializei-me em combate PvP, porém, não sou muito bom contra monstros sem um corpo para dilacerar, entende?”

Gabriel não sabia o quão sério seu subordinado estava falando com aquela resposta, apenas ficou observando-o antes de perguntar novamente.

“Vassago, porque você se ofereceu para essa operação?”

“Operação…? Você se refere à imersão em Underworld? Bem… digamos que me pareceu divertido…”

“Não, antes disso. A invasão do Ocean Turtle. Você trabalha para a Glowgen faz um tempo, porém, só se especializou em operações cibernéticas. Qual foi sua motivação em participar em uma missão onde chovia balas para todos os lados? Pela sua idade, acredito que não é um soldadinho, cachorro de exército de guerra como a do Oriente Médio igual ao Hans e Brigs.”

Embora estivesse falando bastante para os padrões de Gabriel, de fato ele não tinha muito interesse em Vassago Cassals. A pergunta foi puramente para matar tempo e curiosidade momentânea sobre o que havia por baixo daquele jovem.

Vassago deu de ombros e respondeu em um resmungo.

“Ah! Pelo mesmo motivo também… diversão.”

“Oh..!?”

Gabriel ergueu as sobrancelhas.

“Se for pensar, é um motivo meio ridículo, não acha? Vir a campo mesmo sendo alguém que poderia estar vivendo com um alto padrão, já que se graduou muito bem na universidade. Inclusive no próprio exército você estaria com a vida mansa.”

“Nhé! Prefiro sujar minhas mãos.”

Ao ouvir a resposta, Gabriel ficou pensando.

O que você acha divertido, Vassago? Atirar nas pessoas? Assassinar?… E o que mais?

Enquanto cogitava alternativas em silêncio, ouviu passos na escada de dentro do enorme veículo, localizada na parte traseira. Após um breve instante, a líder dos usuários de Dark Arts, D.I.L. surgiu.

Fez uma respeitosa reverência, sempre fazendo questão de deixar determinadas partes de seu corpo à mostra antes que seus lábios se movessem.

“Sua Majestade, todo o exército já se encontra em posição.”

“Entendido!”

Além da força principal de trinta e cinco mil soldados despachada à frente, havia dez mil como tropas de reserva, constituída principalmente de goblins e orcs juntamente com a unidade de transporte de cinco mil homens da guilda responsável pela economia mais afastada à esquerda e à direta do veículo de comando.

Cinquenta mil.

Esse era o tamanho total da força militar que Gabriel dispunha.

Se falhasse em passar pela defesa do inimigo mesmo com todo esse efetivo, esgotando todos seus recursos, seria obrigado a revisar seus planos básicos, sem contar que a probabilidade de capturar Alice cairia absurdamente.

Com isso em mente, o exército inimigo somava aproximadamente três mil, de acordo com o relatório exploratório dos cavaleiros que patrulhavam em seus dragões. Em outras palavras, não tinha como perder. Só precisava derrotar os Integrity Knight conforme havia planejado anteriormente.

“Muito bem! Quanto tempo até o Grande Portal desmoronar?”

  1. respondeu a pergunta de Gabriel com seu rosto abaixado.

“Fui informada que será em aproximadamente oito horas.”

“Então, a primeira divisão entrará no desfiladeiro uma hora antes que a porta caia. Estabeleçam-se o mais próximo possível e ataquem no momento em que o caminho ficar livre. Assim que atravessarmos, envie também o segundo e o terceiro pelotão! Quero que acabe com o inimigo em um só movimento.”

“Sim! Entregaremos as cabeças dos generais inimigos antes que amanheça. Mas talvez possam estar um pouco… carbonizadas…”

Rindo, D. transmitiu as ordens ao usuário de Dark Arts mensageiro que estava esperando logo atrás dela. Após compreender, o mesmo a reverenciou e sumiu pelas escadas.

Gabriel olhou a gigantesca porta feita de rocha elevando-se aos céus até onde sua vista alcançava.

Mesmo há uma milha de distância, calculou por cima, conseguia sentir seu peso, sua presença imponente à frente. Ver algo tão colossal cair, certamente seria uma visão e tanto.

Contudo, isso seria apenas o aviso para o banquete. A liberação e desaparecimentos de milhares de almas com certeza seria um espetáculo de luzes ainda mais maravilhoso. Os pesquisadores do RATH trancados no eixo superior do Ocean Turtle devem estar desesperados por não poderem ver esse incrível fenômeno. Ali dentro era a melhor ‘cadeira’ para assistir o show que viria a seguir.

BUMBURUM! BUMBURUM!

BUMBURUM! TUM! BUMBURUM! TUM! TUM!

Os tambores de guerra pareciam instigar ainda mais a fome e fúria em seu interior. Como uma imensa fogueira feita de almas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


OLÁ NOVAMENTE, PESSOAS!!
SIM, CAPÍTULO PEQUENO, POIS SERIAM 2  (O 7 E O 8), MAS NÃO DEU PARA TRAZER CONFORME DISSE NO POST ANTERIOR. PORTANTO, PARA NÃO DEIXÁ-LOS MAIS UMA SEMANA SEM NADA, TROUXE TUDO O QUE TINHA. DESSA FORMA, FICA SOMENTE O CAPÍTULO 8 PARA FECHAR O VOLUME. ELE É DEVERAS PEQUENO, TENTAREI SOLTAR ANTES DE SÁBADO, SE NÃO DER, PACIÊNCIA.

 

E LÁ VAMOS COM A HISTÓRIA ATÉ AQUI.

SENHOR GABRIEL ACHA REALMENTE QUE A ALICE É UMA FRÁGIL FLOR PRONTA PARA SER COLHIDA… HAHAHAHA.. O QUE ESSE CARA TEM NA CABEÇA?

VAI SER DIVERTIDO QUANDO NOTAR O ERRO DELE NO ANIME HEHEHE.

FALANDO NISSO, ESTOU CITANTO MUITO A FUTURA ANIMAÇÃO, MAS FICO TRADUZINDO E VISUALIZANDO OS DIÁLOGOS E CENAS QUE VÃO SER CORTADOS OU QUE SERÃO ADAPTADOS E VOU ME EMPOLGANDO.

IGUAL AO CENÁRIO DESSE CAPÍTULO, GABRIEL OLHANDO PELA JANELA, VENDO A GRANDE PORTA E A SEUS PÉS UM MAR DE MONSTROS (alguém falou Percy Jakson?). AÍ DÁ UMA TOMADA AÉREA NO ESTILÃO SHINGEKI NO ‘MIOJINHO’/ SENHOR DOS ANÉIS, VARRENDO TUDO, MOSTRANDO AS TROPAS DE AMBOS OS LADOS, PASSANDO SOBRE A PORTA, TUDO AO SOM DOS TAMBORES… PQP! SEI QUE O ESTÚDIO TENDE A NÃO FAZER GRANDES PRODUÇÕES COM MOVIMENTAÇÃO ESTÁTICA E TAL (vide o boss caveira centopéia do arco Aincrad… sofrível aquilo ), MAS SERIA FODA SE FIZESSEM. 

NA MINHA MENTE VAI FAZER, QUANDO VOCÊS ESTIVEREM VENDO O ANIME NO FUTURO PRÓXIMO, ESPERO QUE LEMBREM-SE DO QUE EU DISSE AQUI E COMPAREM.

BUENO!

MEU TEMPO FOI MUITO CURTO, MAS NÃO QUERIA DEIXÁ-LOS SEM NADA.

ENTÃO, ATÉ O FECHAMENTO!

 

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization Underworld – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Estamos também traduzindo Sword Art Online Progressive, não deixem de ler.

Eu escolheria essa exata música para o capítulo do anime XD.

 

 

 

 

  • thiago passos

    “Mar de monstros” é foda, kkkkkk.

    • André Brandão

      😀

  • Jean Carlos Galarça Estevo

    do jeito que o Bercouli e a Fanatio (tá errado o nome mas vc entendeu) engrandeceram a Alice no último cap. é bem provável que eles coloquem ela pra bater de frente com o Gabriel…
    seria uma luta foda

    • André Brandão

      Né? 🙂

  • Thiago

    Ótimo capitulo, agora que a coisa vai ficar boa pq esse volume foi tranquilo ate demais, quero sangue kkkkk
    Eu quero fazer uma sugestão também, não sei se é viável mas acho que os leitores daqui (assim como eu) podem ajudar também, a fazer tipo um glossário com os termos que vão aparecendo, alguns eu ate esqueço o significado e fico meio perdido e acho que seria uma boa fazer o mesmo com algumas das skills que aparecem. Fica aí essa sugestão, abraço vlw

    • André Brandão

      Opa!
      O glossário está saindo do forno, em breve ele estará aqui na página 🙂
      E também achei o volume calminho demais. Só algumas lutas no Dark Territory que salvaram hehehe

  • Luiz Miguel YLOVEASUNA

    Bem como tu disse André o harém do kiritinho só vai aumentando,e acho que a Alice não é tão forte assim nn a nível de um Deus nn.

    • É que você ainda não viu a luta que vai se desenrolar com ela, depois que sair tu volta nesse comment e me diz o que tu acha 🙂

      • Pedro

        Vai demorar?

        • Então…como eu sou esganado eu me agarrei ao santo goggle e um cursinho pela metade de inglês que fiz e fui lendo, e como eu lia freneticamente não me parece longe kkkkkkkk

          Mas vamos ir curtindo a história e a tradução, esse site é muito bom e explica tudo direitinho (então vou te deixar na curiosidade mesmo kkkk)

          • André Brandão

            Hahahahaha, boa! 😉

      • pedro

        acho ela forte mas n nlv deus pq se n tinha pelomenos 40 porcento de chanse de ganhar da adm mas se sabe o resultado da luta – morte

        • André Brandão

          Lembrando que tudo depende do poder de sua imaginação. Seguindo essa lógica, qualquer coisa pode se tornar possível, não acha?
          Embora eu ache que ela não tem de fato o poder de um deus hehehe.

  • Matheus Lara

    Por que que só Alice é a I.A perfeita se Eugeo é praticamente igual? Ainda tem plot twist demais aí pra explicar porque ela é tão perfeita e essa coincidência de nomes dela com RATH.

    • Pedro

      A coincidência já foi explicada há vários capítulos… e Eugeo morreu, ent só tem ela msm

      • Matheus Lara

        A origem do nome eu sei, só não entendo porque ela é tão especial assim.

        • Matheus Lara

          Conseguir ir contra regras me parece raso pra chamar ela de perfeita

  • pedro

    eugeo vai voltar? so pra mim perder as esperanças de vez e quando kirito volta ? seria bom você responder isso plzz mas entendo se n responder e ate qual volume vc tem noçao do que vai acontecer oque vai acontecer?

    • André Brandão

      Hahaha nossa, quantos questionamentos! Meu caro, suas dúvidas começarão a ser respondidas a partir do volume 16 que se inciará na próxima semana, dizer mais seria dar spoiler e isso eu me recuso a fornecer.
      Obrigado pelo comentário e forte abraço! 😉

      • pedro

        triste mas vlw por responder e bom projeto tio do pave em treinamento kkkkk