Sword Art Online Alicization – Invading – Capítulo 17 – Parte 2.2

Arco: Sword Art Online Alicization – Invading

Capítulo 17

Sword Art Online Alicization Underworld - Vector e Lipia- Volume 15

Parte 2

Gabriel cogitou retornar para a sala anterior e pegar sua espada, porém, desistiu da ideia acabou seguindo adiante, fechando a porta do dormitório em suas costas para assumir o papel de imperador novamente.

“Quem és?”

Perguntou de modo lacônico pela identidade da pessoa.

A resposta veio em um tom rouco e feminino.

“Tenho a honra de servi-lo essa noite, meu senhor.”

“Oh! É mesmo?”

Gabriel levantou uma sobrancelha e cruzou o dormitório que estava imerso na penumbra até chegar à cama.

As mãos que estavam no solo ao lado da cabeça pertenciam a uma jovem mulher vestida apenas com uma camisola fina de seda. Seu cabelo azulado estava preso com um laço e através da roupa, praticamente transparente, era possível notar os contornos de um maravilhoso corpo, sem nenhum sinal de armas.

“Por ordem de quem?”

Gabriel perguntou enquanto sentava na luxuosa colcha de seda.

A mulher titubeou um instante antes de responder.

“Eu… apenas recebo ordens, não pergunto quem as dá.”

“Entendo…”

Gabriel retirou o olhar dela e chegou-se mais para o centro da cama.

A mulher então levantou-se e deslizou silenciosamente para cima dele.

“Se me permite…”

Sussurrou ela enquanto se aproximava mais.

Finalmente pode ver o rosto daquela mulher. Tinha uma beleza exótica que o surpreendeu. Sua pele era escura mas possuía um ar de nobreza, características típicas da aristocracia, caso ela fosse do mundo real.

Uma sensação diferente percorreu a espinha de Gabriel enquanto observava a mulher que estava a ponto de tirar a roupa transparente e soltar a fita de seus cabelos.

Um Fluctlight poderia chegar àquele extremo?

Se essa magnífica mulher, agindo dessa forma, era considerada uma I.A. incompleta, em qual nível se encontrava Alice, que havia atingido a plenitude? A previsão do que estava por vir era realmente empolgante.

Contudo, o movimento seguinte de Gabriel em negar o corpo daquela mulher não foi acionado com a finalidade de deter seus fortíssimos desejos sexuais.

O motivo foi outro…

Ele o fez ao pressentir momentos antes, a afiada adaga ser retirada por ela do meio de seus cabelos e que já sustentava no alto de sua cabeça pronta para estocá-lo.

E tal como havia previsto, deixou seus reflexos agirem agarrando o braço dela com extrema facilidade e firmeza impedindo-a de continuar a trajetória mortal.

Sua força era maior do que ele estava esperando, mas ainda assim, não era nada preocupante.

Selando seu movimento, bloqueou o braço dominante da mulher com sua mão direita e com outro movimento rápido, a fez girar na cama, colocando-se por cima dela enquanto a continha pelo pescoço, passando gentilmente, porém firme, seu polegar esquerdo sobre a traqueia de sua atacante.

“Ghh…!!”

A mulher gemeu rangendo os dentes sem parar de lutar, tentando ainda empurrar a adaga à frente.

Gabriel fez pressão sobre sua traqueia enquanto observava seu rosto de contorcer em dor intensa.

Contudo, mesmo nessa situação, seus olhos acinzentados continuavam com um brilho intenso e determinado. Com a proximidade de seus corpos, verificou que devido sua maquiagem ruim, o rosto feroz e o estado de seus músculos bem treinados, que não devia ser uma assassina profissional, pois alguém especializado nessa prática, jamais deixaria tantos indícios óbvios de uma armadilha.

De maneira que ela não deve ter sido enviada por Fu Za, o líder da guilda dos assassinos, o que sobrava mais nove generais como suspeitos.

Chegando seu rosto mais perto, Gabriel refez a pergunta:

“Por ordem de quem?”

Soltou um pouco a pressão da laringe da mulher, que respondeu com a voz rouca.

“Fiz… por… vontade… própria!”

“Quem é seu chefe?”

“…Não… tenho um!”

“Humm…”

Gabriel pensou como uma máquina, sem demonstrar um traço de emoção.

Sabia que RATH queria exceder os limites dos Fluctlights artificiais no que discernia sobre a incapacidade de desobedecer às leis e ordens superiores.

Comparado com os habitantes do Mundo Humano, presos por seus intrincados conjuntos de leis, os moradores do Dark Territory sempre parecem exercer de suas liberdades de escolhas, entretanto, ele sabia que isso não era verdade.

Existia sim um limite, uma única lei que até esses seres deveriam obedecer.

Essa lei era sobre sempre obedecer ao mais forte. Um mundo onde a sobrevivência está para aquele que é o mais apto em combate e opressão sobre os mais fracos.

Ao que tudo indicava, mesmo sem a ajuda de Gabriel, o RATH já planejava fazer com que o Mundo Humano e o Dark Territory se enfrentassem como forma desse conflito ser o catalisador para que seus experimentos fossem completados, despertando todas as inteligências para que elas ficassem plenas e prontas para serem usadas nas missões militares.

Contudo, seja lá por qual razão, um Fluctlight nascido no lado humano acabou rompendo esses limites antes mesmo do experimento de carga entrar em funcionamento. Não havia nenhum registro que outro Fluctlight igual a esse ter nascido também no Dark Territory.

Dito isso, a alma dessa mulher que estava planejando assassinar o imperador com uma simples adaga, também deveria ainda estar presa à lei absoluta. Porém, ela ainda estava relutante em revelar o nome de seu mestre, mesmo que o ser mais poderoso do território escuro estivesse ordenando.

Seguindo essa linha de pensamento, essa mulher deveria de estar priorizando sua lealdade para com seu mestre às ordens de Gabriel, um imperador, o próprio deus. Resumindo em outras palavras, ela estava terminantemente querendo dizer que a pessoa a qual servia, era mais forte do que o imperador.

Gabriel acabava de ver uma oportunidade de exibir apropriadamente seu poder aos generais e todas as demais unidades do escalão executivo, para que o reconheçam como Vector, o deus da escuridão, o ser mais forte desse mundo.

Só restava decidir, como deveria começar…

Enquanto pensava, a mulher vocalizava em negativa.

“N-Não!!”

Teria que desfazer-se de um de seus generais, a pessoa que inspirou a vontade dessa mulher em assassiná-lo e isso era um fato.

Mas… como desmascarar esse traidor? Será que deveria entrar em contato com Critter e fazê-lo monitorar os generais? Não, isso iria requerer que a aceleração temporal baixasse e sincronizasse com a do mundo real, desperdiçando seu precioso tempo.

Então…

Enquanto decidia, observou novamente aqueles olhos prateados.

“Porque buscas minha vida? Para acumular riquezas? O que lhe prometeram? Terras?”

Perguntou apenas para manter-se no personagem, entretanto, a resposta foi imediata e muito além de suas expectativas.

Sword Art Online Alicization Underworld - Vector e Lipia

“Por justiça!!”

“Hã…!?”

“Se você começar uma guerra agora, iremos retroceder cem… não, duzentos anos!! Voltaremos para a época onde os mais fracos eram oprimidos, sem chance de lutar. Aquele tempo não deve retornar jamais!!”

Uma leve surpresa chegou aos olhos de Gabriel outra vez.

Aquela mulher realmente viveu o tempo anterior ao tratado de paz? Ou será que essas eram as palavras de seu mestre?

O homem inclinou sensivelmente seu rosto enquanto encarava fixamente aqueles olhos.

Determinação, lealdade entre outras emoções ocultavam-se em seu interior…

Sim, tinha um sentido para tudo aquilo…

Enfim, entendeu o que estava acontecendo.

Compreendendo a situação, viu que não precisaria mais daquela mulher, tinha perdido total interesse sobre aquele Fluctlight incompleto.

Assim, despreocupadamente, agregou mais força à sua mão esquerda que envolvia o frágil pescoço da mulher. Ela não tinha mais serventia, não necessitava de mais conversas.

Conseguia escutar os ossos de sua vítima serem esmagados enquanto via tentativa de gritos silenciosos saindo de sua boca totalmente aberta, assim como seus olhos arregalados ao máximo.

Gabriel saboreou um sentimento diferente enquanto segurava com suas mãos aquele corpo que se debatia ao ser estrangulado impiedosamente.

Isso era realmente um mundo virtual? A sensação dos tendões, cartilagens separando-se, tudo sendo transmitido para sua mão, estimulando seus cinco sentidos ao extremo, muito mais do que no mundo real. Sentia e absorvia o medo e a dor sendo irradiados, entranhando em sua pele através do toque.

Tremendo inconscientemente, fechou sua mão esquerda.

CRAC!

Os ossos do pescoço daquela desconhecida foram destruídos.

Então, Gabriel viu.

Da testa da mulher, que havia fechado seus olhos sem poder suportar a dor, brotou uma luz muito brilhante, com todos os espectros do arco-íris.

Sem dúvida alguma, era o mesmo fenômeno que havia presenciado no momento em que a vida da jovem Alicia a estava abandonando, uma alma em forma de nuvem luminescente.

Gabriel instintivamente abriu sua boca, absorvendo completamente a alma da mulher.

A amargura do medo e da dor.

O agridoce sabor do pesar e da tristeza.

Ao juntar tudo isso, um néctar divino foi originado e escorreu por sua língua e garganta.

Enquanto saboreava, algumas cenas surgiram em sua mente.

Garotinhos brincando em frente a uma construção caindo aos pedaços. Havia humanos, goblins e orcs. Então, as crianças olharam para cima, estendendo suas mãos, com sorrisos sinceros e esperançosos.

A imagem então começou a mudar enquanto desvanecia. A cena agora mostrava o torso de um homem, de constituição extremamente bem definida envolvendo-o em um abraço firme e afetuoso.

“-Eu… te… amo… Sua Excelência…!”

Uma voz ressoou bem fraca em sua consciência e depois desapareceu.

Mesmo depois da cena sumir, a força que exercia sobre a casca vazia da mulher ainda continuava.

Maravilhoso.

A experiência mais maravilhosa que já teve o prazer de sentir.

Em meio ao êxtase que experimentava, Gabriel ainda conseguiu deduzir a provável lógica por trás daquilo.

O Light cube que armazenava o Fluctlight da mulher e o próprio Fluctlight dele se conectaram através do STL. Portanto, quando sua Vida e todos os demais parâmetros chegaram a zero, os fragmentos de seus dados quânticos vazaram para fora.

Porém, essa teoria de fato não importava para ele. Finalmente tinha conseguido replicar o fenômeno pelo qual havia buscado por todo esse tempo. Havia saboreado todas as emoções daquela mulher até a última gota, quando estava à beira da morte. O turbilhão de sensações, o amor, medo, ódio… tudo…

Era um néctar divino chovendo em um deserto sedento.

Mais!! Ele necessitava de mais!! Tinha que matar mais, muito mais!!! Dezenas, centenas, milhares… todos!! Mataria todos com suas mãos!!

Gabriel arqueou seu corpo para trás enquanto soltava uma gargalhada rouca, insana, viciada!

****

O imperador observou os dez generais e seus respectivos subordinados, todos alinhados de maneira coordenada enquanto faziam uma grande reverência em sinal de respeito uma vez mais com aparente satisfação.

Como havia ordenado, todos os preparativos tinham sido completos para que fosse iniciada a marcha. De certa forma, pensou que esses dez seres eram muito mais eficientes e capazes do que todos os empresários do alto escalão da Glowgen, sua empresa.

A forma como trabalhavam, se organizavam e se entregavam de corpo e alma às tarefas sem jamais queixarem-se, era uma característica prazerosa aos seus olhos. Com toda essa carga de lealdade, poderia até considerá-los completos de fato. Marionetes completas.

Eles eram I.A. ideais para serem instaladas nos robôs especializados em combate nas guerras do mundo real.

Dito isso, precisava manter em mente que essa lealdade dos generais apresentavam era o motivo principal ao qual RATH esteve tão empenhado em criar os Fluctlights Artificiais.

Mas isso só estava acontecendo graças a maior lei ali existente, a instrução primordial gravadas em suas almas que os faziam obedecerem cegamente o ser mais forte dentre todos, o Imperador Gabriel… ou melhor dizendo, Vector.

Isso também deveria ser motivo mais do que suficiente para que não ocorresse nenhuma tentativa de traição e atentado contra sua vida. O único cenário onde seria possível, de acordo com as regras, era se tivessem dúvidas em relação ao seu poder.

Já estava mais do que claro de que este era o caso.

A prova maior foi dada quando aquela assassina infiltrou-se sorrateiramente em seu quarto, duas noites atrás.

A mulher tentou matar um líder, um imperador, um deus. Com toda certeza, seu mestre deve sinceramente supor ser superior a Gabriel, no local mais profundo de seu coração.

Essa pessoa, a qual ela havia chamado de ‘Sua Excelência’ em suas últimas palavras, estava entre os dez generais alinhados em sua frente.

No íntimo daquela assassina, acreditava piamente que seu mestre era de fato o homem mais forte do mundo, superando até mesmo o deus da escuridão. Então, se o caso era esse, havia grande possibilidade de que essa ‘Sua Excelência’ não tenha jurado uma lealdade real à Gabriel.

Se fosse para o campo de batalha nessa situação, com um exército sob o comando de uma pessoa dessas, poderia sofrer um ataque até mesmo durante o sono. Alguém capaz de enviar uma assassina como aquela logo na primeira noite, não perderia uma oportunidade sequer.

Portanto, a missão final antes de colocar os exércitos em movimento para frente de batalha era executar Sua Excelência que se esconde entre seus dez subordinados.

Fazendo isso, automaticamente, os nove restantes reconheceriam o poder do imperador, marcando como ferro em brasa em seus Fluctlights o quão grandioso e avassalador era o poder de um deus.

Nessa altura, Gabriel Miller não considerava mais a mínima possibilidade de derrota. Estava seguro de que poderia ganhar de qualquer um, mesmo que todos ali o atacassem ao mesmo tempo.

A crença de que Underworld era só mais um tipo de VR, embora ultrarrealístico, um programa que estava a altura de ser realmente chamado de sucessor de todos os outros anteriores a ele e que tudo ali não passava de simples unidades NPCs, estava totalmente gravado em seu ser.

***

As palavras de seu mestre surgiram na mente do Dark Knight Viksul Ur Shasta enquanto ajoelhava-se e mantinha sua cabeça abaixada. A recordação datava de mais de vinte anos no passado, na área de treinamento da Ordem dos Dark Knights.

“Meu próprio mestre morreu instantaneamente com sua cabeça cortada. Seu peito também havia sido escavado, terminando por cair no caminho de volta até o palácio. Perdi um braço, porém, regressei com vida, como pode notar… Realmente, não é algo para me gabar.”

Sentado em posição ereta no chão negro lustrosamente brilhante, seu mestre mostrava o coto do braço direito à Shasta, cortado perfeitamente na altura do cotovelo. Doía só de olhar aquela ferida, envolta em bandagens com o sangue ainda fresco contido pelo tecido do curativo.

Quem tinha feito aquele ferimento apenas três dias atrás tinha sido o inimigo eterno dos Dark Knights, o mais poderoso espadachim do mundo ou como muitos ali diziam, o pior monstro humano já visto, o próprio Commander Integrity Knight Bercouli Synthesis One.

“Sabe o que isso significa, Viksul?”

Com apenas vinte e poucos anos, Shasta não podia fazer nada além do que inclinar sua cabeça em confusão. O mestre deu uma batida em seu peito com o braço ferido, sujando um pouco suas roupas e fechou os olhos sussurrando:

“Eu finalmente consegui!”

“Conseguiu? O que você conseguiu?”

Um tom de incredulidade tomou conta das palavras do jovem Shasta.

Tinha ouvido falar do quão assustador era o manejo da espada de Bercouli. Era só ver o resultado no relato de seu mestre.

Entretanto, mais assustador do que ouvir era ver. Um calafrio percorreu sua espinha no momento em que observava o braço direito ferido de seu superior traçar um arco no ar, criando uma fina linha de sangue em sua trajetória enquanto sustentava uma felicidade incompatível com a situação no rosto.

“Logo estarei fazendo cinquenta anos, porém, ainda assim, creio que não tenha dominado completamente a arte com a espada e certamente permanecerei assim pelos próximos cinco ou dez anos… talvez até minha morte.”

Não sabia o que dizer ou pensar enquanto seu mestre falava aquilo com tamanha naturalidade.

“Nossas breves vidas não podem chegar até onde ele chegou, já que está por aí pelo que? Duzentos anos?…

Odeio admitir, mas, eu perdi no momento em que cruzei a espada com ele. Entretanto, mesmo tendo perdido de maneira tão ridícula, acabando por fugir, reconheço que não foi um erro total.

Eles não eram nada para aquele monstro…

Meu mestre e o resto dos mestres até agora. Todos os que ainda continuavam desafiando àquela espada só tendo como recompensa a morte…

Diga-me Viksul, qual é o ápice da esgrima?”

Shasta foi pego de surpresa, mas mesmo assim respondeu:

“A Unconscious Blade…?”

“Exatamente! A técnica de se unir com a própria espada que só se consegue através de incontáveis anos de duro treinamento. A que te possibilita cortar, desembainhar e mover-se antes mesmo de pensar. Matar de maneira limpa e contundente… esse é o ápice da esgrima!

Assim me ensinou meu mestre e agora ensino para você. Entretanto… não é apenas isso… Viksul. Há mais por trás do que uma simples técnica. Entendi só depois de ser cortado como um estúpido pedaço de carne por aquele monstro.”

Rapidamente assim como veio, sumiu. Um brilho estranho, demonstrando uma espécie de emoção percorreu os olhos de seu envelhecido mentor. Shasta, instintivamente inclinou-se para frente para ouvir com mais atenção.

“Você disse que… há mais…!?”

“Sim… algo que funciona ao contrário da Unconscious Blade, conseguida por treino. Estou me referindo a uma convicção inabalável, o poder bruto e materializado… da própria força de vontade, Viksul.”

Seu mestre moveu agilmente seu braço direito cortado para cima.

“Veja! Ele cortou até aqui. Foi um corte verdadeiro, vindo da Unconscious Blade, mais forte e rápido do que a minha espada, atingindo diretamente minha Vida… e ele fez isso quando EU estava com a iniciativa.”

“Era… o que eu estava quase perguntando… se era você no ataque.”

“Exato! Ele, originalmente estava na defensiva, usando sua espada para desviar meu ataque. E então, de uma maneira incrível e surreal, me fez retroceder e de lambuja, cortou meu braço. Você consegue acreditar nisso, Viksul? A sua espada sequer tocou a minha!”

Shasta ficou sem palavras enquanto sacudia a cabeça em confusão.

“C-Como…!? Como isso… foi possível!?”

“É a mais pura verdade. Quase como se a trajetória de meu golpe fosse parada por alguma parede invisível, a mesma coisa que fez a lâmina dele avançar.

Não foi uma técnica, tampouco o Armament Full Control Art que nós somos incapazes de usar. Não consigo achar outra explicação para esse fenômeno além dessa. Minha lâmina foi derrotada pela força de vontade, treinada ao longo de duzentos anos. Imagino que a força de sua espada vem desse longo caminho de batalhas, onde transformou sua vontade em uma realidade inalterável!”

Shasta custou a acreditar nas palavras de seu mestre.

Estava além de sua compreensão em acreditar que algo intangível, como o poder da força de vontade, pudesse repelir uma pesada, concreta e afiada espada de metal à toda carga em pleno ataque e com iniciativa.

Parecia que seu mentor estava lendo os pensamentos de Shasta, pois endireitou sua postura sentada, virou para ficar de frente para ele, respirou fundo em um breve silêncio, olhando para um ponto invisível em algum lugar e depois disse em tom de ordem, fixando os olhos diretamente nos seus:

“Viksul, vou lhe ensinar o segredo final da espada. É bem simples… corte-me!”

“O-O q-quê disse!? Não tenho co-…!”

Shasta, diante dessas palavras não podia apenas concordar com aquilo, porém, os olhos de seu mestre tinham um brilho intenso, fazendo uma imensa pressão sobre si.

“Preciso que me corte para ter nossas vidas conectadas. Essa é a tradição de nossa ordem. Agora que perdi com apenas um golpe, acabando nesse estado deplorável, creio que não me verá como sendo mais forte do que você por muito tempo. Tenho que passar o cargo e a responsabilidade adiante. Se eu continuar vivo, não conseguirá lutar contra ele de igual para igual eu apenas serei um estorvo para seu crescimento.

Portanto, você deve me cortar… não, deve me matar e depois ir até ele, até onde Bercouli está…!”

Ao terminar aquelas palavras, seu mestre colocou-se de pé, adotando uma postura similar como se estivesse empunhando uma espada em seu braço cortado.

“De pé, agora! Desembainhe sua espada, Viksul!! Verá algo incrível!!”

Shasta sem mais o que fazer ou refutar, cortou seu mentor, dando um fim a sua vida.

Com isso, aprendeu o significado por trás das palavras de seu mestre com seu próprio corpo.

Naquele momento, faíscas dispersaram-se violentamente quando a espada de Shasta encontrou a lâmina invisível no braço direito ausente de seu rival, aquela era a espada materializada pela força de vontade, a mesma que ainda o feriu profundamente na testa, deixando uma cicatriz que jamais desapareceria.

Ainda que banhado de lágrimas e sangue fresco, o jovem Shasta tinha dado o primeiro passo em direção ao segredo que superava inclusive a Unconscious Blade e a Incarnation Blade.

Os anos passaram-se, até que cinco anos atrás…

Shasta finalmente foi desafiado pelo terrível inimigo dos Dark Knight, o comandante dos Integrity Knight, Bercouli. Já estava na casa dos trinta e sete quando sentiu que sua espada havia chegado ao limite.

Seu mestre, quando chegou nesse ponto, percebendo que sua escalada na esgrima tinha chegado ao fim, havia retornado com vida a custo de um braço, entretanto, Shasta não tinha nenhuma intenção de regressar com vida caso perdesse.

Não tinha nenhum aprendiz capaz para cortá-lo a fim de ensiná-lo como aprimorar sua técnica, como seu mentor anterior tinha feito.

Decidiu que aquilo iria terminar mesmo que à custa de sua própria morte.

Com sua espada munida de toda determinação e resolução contidas em seu ser, ou seja, carregada com o poder da encarnação, chocou-a contra o ataque frontal de Bercouli sem o menor desvio.

Porém, mesmo que tivesse feito tudo de maneira impecável, Shasta já sabia que havia perdido. Ele tinha ciência de que não conseguiria realizar um segundo golpe com a mesma potência do primeiro contra aquele homem.

Contudo, quando as espadas estavam perfeitamente conectadas, Bercouli sorriu abertamente e sussurrou:

“Sua técnica com a espada é realmente genial! Pois, uma lâmina com somente a intenção de matar, jamais seria capaz de me enfrentar. Mantenha o que estiver aí dentro sempre em mente, treine e volte daqui cinco anos, garoto!”

O comandante em um movimento extremamente fluído, o empurrou facilmente para trás criando uma grande distância entre eles antes de se virar, despedindo-se tranquilamente.

Por alguma razão, percebeu que não seria capaz de cortá-lo daquela maneira, mesmo que estivesse cheio de aberturas.

Levou um tempo considerável antes de entender o porquê Bercouli tinha feito aquilo. Porém, agora, cinco anos depois, sentia que entendia.

Shasta provavelmente perderia aquele embate se sua espada estavesse cheia de sentimentos de ódio e sede de sangue. Porém, acima de tudo, só tinha conseguido enfrentar aquele homem pois sua lâmina continha algo mais, um sentimento guardado bem no fundo de seu peito, que sobrepujava inclusive os instintos assassinos.

Em outras palavras, carregava uma imensa gratidão por seus predecessores que transmitiram todas suas técnicas à custa de suas preciosas vidas, na esperança de que seus jovens discípulos crescessem como espadachins.

Esse foi justamente o motivo pelo qual Shasta decidiu iniciar as negociações pela paz imediatamente depois de receber a notícia da morte da Alto Ministro, a Administrator.

Ele tinha confiança que aquele homem, Bercouli, definitivamente aceitaria esse tipo de proposta.

E por essa mesma razão que…

Tinha que arrancar a cabeça do Imperador Vector, que havia descido do Mundo Celestial novamente ao Palácio Obsidiana com sua vontade titânica de recomeçar a guerra de outrora.

Mesmo agora, ajoelhado e com a cabeça baixa, mantinha concentrando sua força de vontade, refinando-a e a depositando em sua lâmina, preparado para o momento em que fosse preciso tomar sua vida.

O imperador, revivido depois de estar ausente após centenas de anos, era um homem de aparência jovem, com a pele pálida e cabelos loiros como um humano comum que vive além do Grande Portal. Nem seu físico e nem suas demais características indicavam que possuía muito poder.

Entretanto, aqueles olhos… de um azul tão vívido, mostravam que ele era tudo, menos um ser comum. Não tinha nada lá dentro, eram duas órbitas vazias, como se tivesse uma fome de destruição sem fim. A sensação é de que estavam absorvendo constantemente toda a luz em sua volta. Sem dúvida alguma, aquele homem ocultava um desejo terrível.

Se o vazio do imperador realmente fosse capaz de absorver tudo, refinar seu poder de encarnação em sua espada, não seria o suficiente.

O Dark General Shasta provavelmente morreria antes de fazer qualquer movimento. Entretanto, faria com que suas intenções fossem herdadas por aqueles que o seguiam.

O único arrependimento que tinha era de não poder compartilhar seus pensamentos com Lipia, já que ela não tinha vindo até seu quarto na noite anterior. Será que talvez pelo tempo que passou fora, em sua extenuante tarefa, tenha ido até seu ‘lugar’ especial?

Entretanto, se tivesse revelado seu plano de matar o imperador, provavelmente ela teria insistido em acompanhá-lo. Então, não envolvê-la, pode até ter sido uma coisa boa.

Shasta suspirou lentamente.

Ao baixar um pouco o centro de gravidade de sua cintura, tocou suavemente sua querida arma depositada no chão ao seu lado, com a ponta dos dedos da mão esquerda.

Quinze mels de distância o separava do trono. Em dois passos ele cobriria isso facilmente.

Ninguém poderia prever seu movimento inicial. Tinha que se mover de maneira inconsciente.

Transmitiu o poder da Incarnation concentrado ao limite em sua espada através dos dedos…

…E a converteu em ar.

Sua mão esquerda segurava a bainha da espada e…

Antes que pudesse fazer algo…

O imperador falou casualmente com sua poderosa voz em tom quase afável, porém, contundente.

“Que seja de conhecimento geral! Certa pessoa esgueirou-se ontem à noite para dentro de meus aposentos, ocultando uma adaga em seus lindos cabelos…”

Um silêncio nervoso tomou conta do ar no grande salão.

Entre os nove lordes perfilados do lado esquerdo de Shasta, um engoliu em seco, outro grunhiu estranhamente enquanto alguns desviavam desconfortavelmente os olhares.

Os demais no lugar, os seguidores de seus generais, ficaram entre gritos de surpresa e acusações sussurradas.

Shasta acabou sendo pego no meio da comoção geral. Enquanto um pensamento específico cruzava sua mente no instante em que seu corpo estava pronto para avançar e atacar.

Outro também tinha chegado à conclusão de que o imperador deveria ser eliminado?  O ataque certamente tinha falhado miseravelmente a julgar o estado ileso que se encontrava o senhor da escuridão. Mas acima de tudo, uma pergunta que não podia ser ignorada, quem dentre os nove também tinha intenção de assassiná-lo?

Os cinco senhores meio-humanos não poderiam ter sido dado suas características físicas. Pois as raças como os goblins, gigantes, orcs e ogros dificilmente passariam despercebidos pelos guardas no último andar do castelo.

Restavam os quatro senhores humanos. Porém, tinha que eliminar o líder dos pugilistas, o jovem Iskhan e o líder da guilda de economia, Lengyel.

O primeiro era muito jovem, impulsivo e sincero demais para fazer algo que não fosse um combate frontal limpo com seus punhos e o segundo, só faria algo se fosse lucrar muito com isso, o que não deveria ser o caso, pois ele já estava na melhor posição econômica de todas.

Então, analisando a situação onde o culpado foi pego em plena invasão do dormitório do imperador, os indícios apontariam para o líder da guilda dos assassinos, Fu Za. Porém, mesmo que não conhecesse aquele monstro muito bem, sabia que ele não usaria algo como uma adaga.

Sabia que aquele grupo era especializado em práticas assassinas envolvendo sempre veneno, nada de armas cortantes como espadas, adagas ou qualquer outra coisa relacionada.

Tanto que aqueles que não tinham aptidão para esgrima ou Dark Arts, geralmente acabavam nessa guilda obscura sob às ordens de Fu Za.

Eles seguiam uma metodologia de usar armas limitadas como agulhas ou dardos ocultos, adagas estava realmente fora dessa lista.

Pela mesma razão, poderia excluir também os usuários das Dark Arts, como sua líder D.I.L. ao seu lado. Mesmo ela sendo a encarnação da ambição materializada em forma de uma pessoa, uma mulher tão terrível que realmente deveria pensar em tomar a vida do imperador para si e reclamar o direito ao trono para presidir o Dark Territory, jamais seus assassinos usariam adagas como arma e sim, artes de magia negra.

Com isso, todos os noves generais estavam fora da lista de suspeitos de serem os mandantes da tentativa de assassinato do imperador.

O único que restava, era ele próprio, o Dark General Viksul Ur Shasta.

É claro, não se lembrava de ter dado essa ordem, pois havia decidido fazer isso pessoalmente usando sua própria espada, apostando sua vida no processo. Nunca daria uma ordem dessas a um subordinado e jamais tinha deixado transparecer sua intenção uma única vez e…

Não.

Não…

Ela não poderia ter…

De maneira surreal, todas essas conjecturas passaram por sua mente como se o ambiente estivesse em câmera lenta e seus pensamentos acelerados.

O resultado disso transcorreu em um lapso menor do que um piscar de olhos desde o momento em que o imperador havia dito aquelas palavras, falando sobre seu assassino.

Shasta sentiu que sua mão esquerda em contato com a bainha da espada estava se tornando cada vez mais fria e não era o poder da Incarnation agindo.

Um turbilhão de emoções começou a surgir, para sua tranquilidade, para seu terror… para a sinistra sensação…

Quase ao mesmo tempo, o imperador Vector prosseguia com a segunda metade de seu relato.

“Não tenho a intenção de expulsar a pessoa que enviou esse assassino. Na verdade, tenho que aplaudir esse espírito de querer sempre almejar mais e mais poder. Sua tentativa será sempre bem-vinda quando e enquanto quiser minha cabeça.”

Ao observar todos no salão com arrogância, o imperador expressou algo que poderia ser considerado como a primeira emoção a ser estampada em seu rosto pálido…

“Naturalmente, peço que se apresente, pois preparei uma generosa compensação por sua ousada tentativa. Veja só…!”

Despreocupadamente, ergueu sua mão em um simples sinal.

Após isso, a porta do lado oeste do salão, perto do trono, abriu-se silenciosamente e por ela saiu uma serviçal. Segurava em suas mãos uma grande bandeja de prata com algo retangular em cima, cuidadosamente coberta por um tecido negro.

A mulher depositou a bandeja aos pés do imperador, diante do trono, fez uma grande reverência e passou pela porta mais uma vez.

O silêncio da tensão no ar diminuiu gradativamente. Então, o Imperador Vector usou a ponta de suas botas para chutar o pano de cima da bandeja, mostrando o que havia lá enquanto seus lábios mostravam um sorriso torcido.

O que Shasta viu naquele instante, o petrificou imediatamente…

Era um cubo de gelo transparente, levemente azulado.

E selado dentro desse objeto, algo que nunca mais despertaria novamente, o rosto de uma mulher… de sua amada…

“Li…pi… a…!”

Shasta pronunciou silenciosamente.

Uma sufocante e interminável sensação de vazio invadiu seu peito, superando inclusive o frio que estava sentindo até há pouco tempo.

Ele sabia do orfanato que a Dark Knight Lipia Zankel administrava secretamente. Acreditava que aquele fio de esperança que ela proporcionava era a salvação do futuro. O ato de Lipia em proteger e criar aquelas crianças que só tinha a morte como certa, sem nenhum familiar, era outro lado dela que o fazia amá-la ainda mais.

O esforço em ajudar aqueles pequenos seres tão indefesos independentemente de suas raças era exatamente o motivo pelo qual falava de seus ideais somente para ela. Compartilhando daquele seu sonho onde a constante guerra com o Mundo Humano terminava e se uniam para construir um mundo livre de ódio e matanças.

Contudo, essa crença agora deu lugar ao assassinato de Lipia por seu imperador. Não importa que ela tenha sido morta pelo regente desse lugar, pois ele também tinha culpa, ele a induziu a fazer aquilo e por consequência, causou sua morte.

Uma imensa tempestade de arrependimento e autocondenação preencheu o recente buraco aberto em seu coração, concentrando tudo em um único ponto.

Em uma fração de milésimos de segundos, todos seus pensamentos se transformaram em uma única emoção negra… a sede de sangue.

Matar.

Ele mataria aquele homem sentado calmamente no trono com as pernas cruzadas, borraria aquele sorriso em sua maldita cara… sim, faria o que fosse necessário para estraçalhá-lo.

Mesmo que aquilo significasse renunciar a sua vida e o futuro do Dark Territory.

***

E agora? Como iria resolver essa situação?

Com um pouco de interesse, Gabriel ficou observando os dez líderes ajoelhados.

A assassina de fato amava seu mestre de todo o coração. Depois de ter sorvido aquela emoção, tão doce como néctar dos deuses no momento de sua morte, ele tinha entendido não somente a profundidade daquele sentimento, como toda a natureza pela qual aquele amor por seu mentor tinha se originado e como tinha sido cultivado, embora tenha sido sob uma forma diferente de dados, ainda assim ele sabia.

Por tudo isso, tinha certeza de que a pessoa a qual ela chamou de Sua Excelência definitivamente faria algum movimento.

Nesse instante, executaria a unidade traidora que ousou apontar uma adaga contra ele sem piedade, aumentando assim a lealdade das unidades restantes na base do terror e opressão.

Era exatamente como aqueles jogos de simulações que curtia em suas horas vagas no mundo real.

Que amontoados de dados tão deploráveis e ao mesmo tempo tão deliciosos.

Todos limitados de inteligência superior apesar de possuírem almas próprias seriam seus estoques ilimitados e renováveis. Assassinaria tanto quanto fossem de seu agrado.

No dia que Underworld cair em suas mãos, tanto o servidor como seus Light cubes serão as principais fontes para saciar a fome por almas que tem o atormentado desde a infância.

Ao apoiar a bochecha sobre sua mão esquerda que estava na guarda do trono, Gabriel seguia esperando pacientemente, relaxado.

Havia um espaço de aproximadamente quinze metros entre ele e as unidades. Podia enfrentar qualquer tipo de ataque por arma com sua magnífica espada presa em sua cintura sem problemas.

É claro, esse tipo de defesa poderia não ser suficiente caso os ataques utilizassem os comandos de sistemas. Ficou imaginando com qual desses ataques seria alvo.

As dúvidas de Gabriel logo se dissolveram…

A super conta, o Dark God Vector, foi configurada pelo pessoal do RATH para ser uma força imbatível no Dark Territory. A quantia de HP, conhecido aqui como Vida era absurdamente enorme, a espada equipada fora construída para ser a ferramenta mais poderosa de todas, isso sem contar que o perfil de Vector podia romper todas as regras, podendo utilizar qualquer tipo de comandos.

Protegido por essas condições…

Gabriel ficou confuso. Sob todas as circunstâncias privilegiadas a que dispunha, mesmo sendo de inteiro conhecimento dentro todos na sala, o cavaleiro com a armadura negra, ajoelhado no extremo esquerdo da formação perfilada dos generais começou a emanar uma aura negra, como se uma sombra perturbadoramente ameaçadora o envolvesse inteiramente.

Para o senhor do escuro, aquilo ela desconcertante. Não podia crer no que via, nem quando o cavaleiro agarrou a proteção de sua espada que estava no chão, desembainhando a velocidade da luz e saltando em sua direção com seus olhos totalmente concentrados, liberando um brilho escarlate tão terrível e agressivo que não tinha nenhum traço humano…

Esse movimento fez Gabriel entender o que estava acontecendo.

Até então, ele não compreendia direito esse mundo e seus habitantes. Tinha em mente de que eram um programas executados em um servidor físico, baseados na realidade construída por bits quânticos iguais aos Fluctlights dos humanos.

Ele não entendia como uma existência com essas características podia irradia uma pura e intensa aura destrutiva, com aquela sede de sangue extrema. A energia que era expulsa do Dark Knight excedia os limites do STL, atingindo Gabriel que estava no mundo real igual à alma daquela mulher, conectando diretamente ao seu Light cube através das linhas de transmissões quânticas.

***

Shasta identificou somente o imperador no meio de sua vista borrada com uma sombra vermelho sangue.

Seu braço direito tinha se movido mais rápido do que nunca ao desembainhar a espada.

O que liberou de dentro de sua bainha não tinha sido a conhecida espada cinza, um instrumento sagrado herdado de seu mestre, a Vague Mist, mas uma imensa quantidade de névoa negra que pouco se assemelhava a uma arma cortante. Era como um ser vivo disforme e horrendo que começou a rodopiar violentamente ao seu redor.

Shasta não pareceu notar que a lógica por trás daquele fenômeno era igual à técnica mais poderosa dos Integrity Knight, o Armament Full Control Art. Inexplicavelmente ele tinha resolvido a questão que vinha sendo investigada sem sucesso durante tantos anos, porém, aquilo não importava mais.

“RYAAAAAAAA!!!”

Shasta brandiu aquela que um dia fora sua amada espada, carregada de todo ódio e tristeza.

 

 

 

 

 

 

 

 

OLÁ PESSOAS!

AS POSTAGENS CADA VEZ MAIS ERRÁTICAS NÉ?

POIS É, INFELIZMENTE ELAS VÃO CONTINUAR NESSA MONTANHA RUSSA MAIS UM TEMPO. MEUS HORÁRIOS ESTÃO INDO DE ACORDO COM OS HORÁRIOS DO MEU PEQUENO.

ELE ESTÁ EM MOMENTOS DE ALTOS E BAIXOS, PEDINDO ATENÇÃO, TROCANDO O DIA PELA NOITE, ISSO SEM CONTAR NAS COMPLICAÇÕES NORMAIS DE BEBÊS (febre por causa dos dentes, vacinas, 8 resfriados por mês, fúria assassina…).

A DESSA SEMANA É ELE QUERER MAMAR DE 30 EM 30 MINUTOS… NÃO HÁ PAIS QUE AGUENTAM O TRANCO. RESULTADO: ELE PASSOU MAL (e ganhou uns quilinhos).

MAAAASSSSS!! O CAPÍTULO VIRÁ, NÃO SE PREOCUPEM, MESMO QUE EM DIAS ESTRANHOS HEHEHE.

ESTOU NESSA POR DOIS ANOS (vai fazer dois anos agora no dia 27/10 \o/), VOU ATÉ O FIM.

 

VAMOS ENTÃO AO QUE INTERESSA:

 

ATUALIZAÇÕES NO SITE: FIZ ALGUMAS ALTERAÇÕES EM RELAÇÃO AOS CAPÍTULOS DO PROGRESSIVE QUE O THIAGÃO VAI TOCAR, NA HOME VAI ESTAR TUDO BONITINHO E TAL, SÓ NÃO UPEI POIS O WORDPRESS DEU UMA QUEBRADA GERAL NAS TAGS E NÃO TIVE TEMPO (vide motivos acima) DE ABRIR O CÓDIGO DE DAR UMA AJEITADA. MAS LOGO ENTRA, FIQUEM DE OLHO LÁ NA PAGE DO FACEBOOK -> (Sword Art Online Alicization Underworld – Light novel em Português)  PELAS NOVIDADES QUE VIRÃO!

 

CAPÍTULO DO DIA:

CARA, QUE PENA DA LIPIA MAS… PQP!! VAI SER BURRINHA ASSIM NA CASA DO $@#$@%$#. PÔ! NEM UMA MAQUIAGEM SAPORRA FEZ DIREITO… LAMENTÁVEL, LAMENTÁVEL! (a participação dela no anime vai ser um fan service miseravi.)

E O GABRIEL ‘LOCAÇO’!! O BICHO COME ALMAS!! SÉRIO!! ALMAS… GANHOU TROFÉU BIZARRO DO MUNDO DE SAO, NADA SUPERA ESSE CARA…

AGORA, COM A MORTE DA MULÉ, O SHASTA VAI PARA AS CABEÇAS E AÍ JÁ VIU A M**** QUE VAI SER, NÉ?

BUENO! ATÉ SEMANA QUE VEM SE TUDO DER CERTO E COM BOLINHO DE ANIVERSÁRIO DO SITE PARA COMEMORAR!

 

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization Underworld – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

As músicas do Dark Territory vão ser sempre nessa pegada, bad vibe geral… mas, creio que não tem como ser diferente. A coisa boa é que encaixa bem com o momento tudofoiparaocaraleousmesmo da história.

OBS.: Esse Gabriel, mesmo com nome de arcanjo, é o ‘caipiroto’ (capeta da caipira, segundo minha senhora ruiva).

https://www.youtube.com/watch?v=XY80CU9TQgI