Sword Art Online Alicization – Invading – Capítulo 16 – Parte 2

Arco: Sword Art Online Alicization – Invading

Capítulo 16

Sword Art Online Alicization Underworld - Critter - Vassago - Gabriel- Volume 15

Parte 2

“Puta que p-…!”

O resto da frase foi abafada com o estrondo da sola da bota explodindo contra a parede de aço maciço.

O som e o xingamento haviam partido de Vassago Casals, um dos militares da equipe de invasão que tinha acabado de pisotear uma cesta de doces que algum funcionário do RATH havia deixado ao lado do console principal da sala de controle minutos antes de abandonar o lugar.

Ficou maldizendo e chutando a lateral da sala mais alguns instantes tentando se acalmar, o que de fato não surtiu nenhum efeito. Andou a esmo por ali, ajeitando seu cabelo preto e ondulado devido sua origem hispânica, aproximou-se do homem que estava perto do console e pegou-o pelo colarinho.

“Diga isso mais uma vez, seu desgraçado!”

O homem que fora agarrado pelo forte braço direito de Casals possuía uma constituição muito magra em relação aos demais membros da equipe, com seus cabelos loiros curtos, contrastando com a pele pálida.

Usava óculos com uma moldura metálica antiquada em seu rosto esquálido, corroborando ainda mais com a ideia de que se tratava do único membro não combatente do grupo.

Seu nome era Critter, um hacker consultor do departamento de cyber operações ou CYOP da Glowgen Defense System.

Ainda que fosse um elemento com uma extensa ficha criminal, seu nome real jamais fora revelado, usando como identificação, seu apelido na rede. Provavelmente, o mesmo ocorria com Vassago, que era o nome de um dos setenta e dois demônios registrados em uma das seções do grimório Lemegeton, Ars Goetia. Para ser mais exato, era um dos príncipes do inferno que governava sobre vinte e seis legiões de demônios.

Sabendo disso, com toda a certeza nenhum pai daria um nome desses ao seu filho. Ele também era do mesmo departamento de Critter, o CYOP, embora suas habilidades diferissem do primeiro, sendo muito mais voltadas para o combate real e simulações feitas em Full Dive, fazendo com que tivesse um desempenho assombroso em batalhas VR. Era uma dupla realmente estranha e muito perigosa.

De fato…

Além de Gabriel Miller, os doze membros da equipe de invasão ao Ocean Turtle não passavam de cachorros buscando ganhos rápidos e referências pessoais ligadas por origens sombrias.

E Critter, um desses mercenários, provavelmente estava acostumado com esse tipo de pessoa, já que não demonstrava nenhum sinal de temor, mesmo quando fora erguido do chão pelo pescoço por Vassago. Ao contrário, continuou com um ar desafiador nos lábios enquanto mascava ruidosamente seu chiclete antes de responder:

“Digo quantas vezes você quiser ouvir. Esse console está mais ferrado do que sua mãe. O inutilizaram tanto que nem com o laptop que trouxemos será possível invadir, antes disso iremos morrer de velhice com tantos níveis de segurança que instalaram. Entendeu ou quer que desenhe?”

“Maldito quatro olhos!! Fala como se tivesse sido por nossa culpa. Está insinuando que demoramos para invadir, dando tempo para que eles bloqueassem tudo? É isso?”

A troca de ‘elogios’ com seu colega seguiu carregada de palavrões e maldições de maneira desenfreada.

Sua ótima aparência, selvagem, poderia lhe render uma incrível carreira como modelo sem muito esforço, entretanto, seu visual fascinante era ao mesmo tempo, ameaçador. Coisa que  aumentava à medida que sua fúria se intensificava.

“Eu não insinuo porcaria nenhuma, só digo verdades. Se ofendeu? Só posso lamentar por você…”.

“Muita valentia vindo de alguém que sempre fica escondidinho na retaguarda enquanto a batalha está acontecendo. Seu medroso de merda!”

Os outros membros nem sequer esboçaram reação de apartar àquela discussão, apenas se limitaram a assistir e rir da dupla.

Em um dado momento, Gabriel estalou os dedos, chamando a atenção dos dois imediatamente.

“Está bem, parem com isso! Estamos sem tempo para descobrir de quem é a culpa. Temos que pensar em nosso próximo passo”

Ouvindo isso, Vassago, que tinha dado uma olhada para os demais, estalou a língua e reclamou como um garoto mimado:

“Mas aniki, se não disciplinarmos esses sujeitos, eles poderão…”

Não chegou a completar a frase, pois recebeu um olhar duro de Gabriel.

Ao que tudo indicava, o oficial líder da Glowgen Defense System não gostava muito de ser chamado de aniki, palavra normalmente usada para definir o irmão mais velho no Japão e também, adjetivo muito utilizado por companheiros, membros da máfia dos Yakuzas.

Vassago o chamava assim em sinal de reconhecimento de sua força durante os treinos de combates que fizeram um contra o outro, tanto real quanto em VR.

Entretanto, por mais vezes que o escutasse chamar dessa forma, não se sentia confortável, pois aquilo, mesmo que fosse superficial, acabava em insinuar que houvesse algum tipo de relação entre eles. Algo que não conseguia compreender nem no nível mais básico. Sentimentos por colegas, partidários de uma mesma ideia, companheiros de combate… nada disso incutia nele a forma mais remota de emoção. Todos eram ferramentas e peças completamente desprezíveis. Simpatia era algo muito além de sua capacidade de entendimento.

Em todo o caso, ele almejava conseguir classificar todas essas emoções humanas ausentes nele de uma maneira ordenada e lógica com base nas informações de cores e formas dos Fluctlight depois de obter a tecnologia de extrair e preservar as almas.

Com isso em mente, Gabriel assumiu um tom de liderança na voz e ordenou a todos:

“Escutem Vassago e Critter! Estou satisfeito com o trabalho dessa equipe até agora. Conseguimos alcançar nosso primeiro objetivo, que era ocupar essa sala de controle sem baixas, apenas com pequenos ferimentos aceitáveis como os de Gary.”

Após ouvir essas palavras, Vassago soltou o colarinho de Critter meio a contragosto e pôs as mãos na cintura.

“Mas aniki, isso não terá nenhum sentido se a principal via de acesso dessa sala de controle estiver bloqueada. Afinal, esse é o nosso maior objetivo, chegar nesse tal Light Cube Cluster que fica além dessa parede de aço, não é?”

“Por isso eu disse que deveríamos estar pensando em nosso próximo passo, atravessar essa parede.”

Deu um suspiro e continuou.

“Se entendeu, acrescento que o pessoal da Força de Auto Defesa do Japão não vai ficar tranquilamente esperando sem fazer nada. Se a equipe do Aegis, que está escoltando essa ‘tartaruga’ resolver invadir, estaremos automaticamente no lado perdedor dessa história, ou seja, nós onze e mais esse que você considera um peso, seremos liquidados de maneira igual. Portanto, chega de apegar-se à coisas sem importância e vamos usar todos nossos recursos enquanto ainda temos tempo.”

Como se esperava do homem que Gabriel tinha elegido como vice comandante dessa operação, Vassago compreendeu a situação, diferentemente dos outros membros que não passavam de cães raivosos e começou a trabalhar em uma solução.

Gabriel deu levemente de ombros após pensar um pouco.

“Pelo visto, nosso cliente tem algum tipo de trato com o alto escalão da força de defesa, já que o Aegis não está fazendo nenhum movimento que indique uma tentativa de resgate do pessoal do Ocean Turtle. Portanto, devo crer que o plano original, que eles ficarão parado por vinte e quatro horas sem nos atacar é de fato verdade.”

“Ooh!”

A voz veio de Critter. Seus olhos acinzentados estreitaram-se por cima da armação do óculos.

“Então, isso significa realmente que essa operação não é uma invasão qualquer…

Opa! Acho que é melhor eu não dizer mais nada, não é?… Hehehe.”

“Pois estou pensando a mesma coisa.”

Assentindo levemente com a cabeça, Gabriel deu um sorrisinho e olhou para sua equipe outra vez.

“Certo, vamos rever a situação. Agora são exatamente 14:47hs, horário do Japão e passaram-se quarenta minutos desde que entramos na sala de controle principal do Ocean Turtle.

Entretanto, mesmo conseguindo ocupar esse lugar, falhamos em fazer os pesquisadores do RATH como reféns e também ficamos isolados do acesso ao sistema. Portanto, teremos que forçar um pouco a barra para alcançar nosso próximo objetivo, que é a sala de controle de apoio que está aqui atrás…

Brigs, será que conseguimos cortar essa parede pressurizada?”

A pessoa mais alta do grupo, parecendo mais um gigante, deu um passo a frente e respondeu:

“Será bem difícil. Isso é feito dessas novas ligas metálicas com materiais integrados e o cortador portátil que trouxemos não vai dar conta de cortar essa porcaria em menos de vinte e quatro horas.”

“Entendo, o Japão veio bem preparado. Então… Hans, será que podemos explodir essa porta com C4?”

O segundo membro mais alto, com um bem aparado bigodão, foi quem se apresentou dessa vez.

“Olhe, sinceramente eu não recomendaria isso. Não é atrás dessa parede que está o Light Cube Cluster que viemos pegar? Se explodir, não garanto que o equipamento fique intacto, na verdade, é provável que voe junto. Vai ser lindo, porém, pouco lucrativo.”

“Hmm…”

Gabriel cruzou os braços e depois de instantes de silêncio, prosseguiu falando.

“A missão que nos foi dada é localizar e extrair um determinado Lightcube e levá-lo de volta com sua interface íntegra. Já temos inclusive o ID desse cubo. Em outras palavras, se pudéssemos operar esse console, seria muito fácil fazer uma busca entre todos os dispositivos e ejetar o que queremos. De fato, era algo para se fazer em menos de meia hora e depois aproveitar o sucesso com uma cerveja na mão.”

“Porcaria! E essa merda está mais difícil de hackear do que os servidores do Pentágono. Inclusive tem um monte de armadilhas prontas para nos liquidar se dermos um passo em falso.”

“Tsc! E tudo isso porque essa pilha de ossos desnutrida não consegue remover um simples bloqueio. Depois vem dizer que é um hacker. Creio que aquela história de ter invadido os servidores do departamento de defesa nacional tenha sido apenas balela. Mas o que esperar de um gamer que a única arma que disparou na vida era feita de polígonos?”

Depois de trocarem olhares assassinos, Gabriel interrompeu novamente a discussão entre Vassago e Critter.

“Vocês querem retornar de mãos vazias e serem punidos ou querem fazer algo e quem sabe, sair até com um bônus nas mãos?”

“O bônus, é claro!”

O grupo inteiro respondeu ao mesmo tempo.

“E vocês serão idiotas o suficiente para se deixarem enganar por um grupinho de engenheiros medíocres?”

“Não!”

“Então pensem!! Provem que essas coisas sobre seus pescoços servem para algo mais do que separar os olhos e criar cabelo!!”

Pensamentos sádicos e manipuladores surgiam na mente de Gabriel enquanto desempenhava o papel de ‘comandante incentivador’.

Obter a primeira inteligência artificial verdadeira, Alice, criada por mãos humanas era sua maior prioridade. O objetivo de sua vida desde que soube da existência dessa tecnologia. Seu intento não era outro senão monopolizar o Soul Translator para si.

Seu plano consistia em usar essa equipe para conseguir o que queria e depois usar o gás de efeito neurológico que tinha trazido secretamente consigo, para acabar com todos. Após isso, fugiria para a Austrália, limpando com seus rastros.

Porém, essa operação acabou sendo solicitada antes pela Agência de Segurança Nacional, ou NSA, e coincidia exatamente com seus objetivos. E para complicar, mesmo que estivesse na sala de controle, o acesso estava bloqueado. Tinha que achar outro meio de conseguir o Lightcube de Alice e se livrar da agência e seus companheiros.

Alice… A.L.I.C.E.

Tinha sido o informante identificado apenas como ‘coelho’ dentro do RATH que havia dito esse nome de maneira codificada para o cliente de Gabriel, a NSA.

Não conseguiu maiores dados a respeito desse tal coelho. Entretanto, supondo que o vazamento de uma informação desse nível tenha se dado por uma quantia exorbitante de dinheiro, o mais provável é que a pessoa deva ter se precavido de todas as maneiras para se proteger, afinal, uma traição dessas era algo imperdoável, paga com a morte.

Em outras palavras, não podia contar com mais nenhum tipo de ajuda dessa pessoa para abrir a passagem para o outro lado do acesso pressurizado.

Ainda não era hora de colocar seu plano em prática.

Tinha que ‘dançar conforme a música’ por enquanto e usar todos os recursos que o serviço de inteligência havia lhe proporcionado dentro desse escasso período de tempo que ainda lhe restava.

O limite de tempo… esse era o fator decisivo…

Gabriel podia suprimir qualquer tipo de emoção que julgasse inútil como apreensão, ansiedade e medo, porém, não conseguia eliminar a crescente pressão que o limite de tempo lhe impunha, menos de vinte e três horas…

Os agentes da NSA lhe disseram isso quando contrataram essa missão, que tudo deveria ser feito no mais absoluto segredo, respeitando a janela de tempo de maneira impecável.

As atividades da empresa RATH podiam mudar o rumo da indústria de defesa do Japão, fazendo com que seus interesses ficassem… perigosos.

O alarde era tão sério, que mesmo alguns superiores do alto escalão das Forças de Auto Defesa do país viam o RATH como uma influência ruim para a nação japonesa e principalmente… para seus negócios. Na verdade, Gabriel acreditava que a ganância de certos membros tenha sido fator determinante para que colocassem esse experimento e a empresa como sendo seus principais desafetos e alvo dessa enorme traição.

O pessoal mais jovem da diretoria das Forças de Auto Defesa, que tinham pouco traquejo político, eram as bases para o RATH, a energia motriz que movia o surgimento dessa nova tecnologia.

Em contrapartida, a NSA estava em negociação secreta com determinado funcionário de alto cargo da Força de Auto Defesa marítima através de contato com um membro da CIA na embaixada do país.

A embarcação com o Aegis, Nagato, que servia como escolta do laboratório flutuante do RATH, o Ocean Turtle e que em tese faria a segurança dos tripulantes, fora impossibilitada de agir por vinte e quatro horas a contar do início da invasão.

Entretanto, caso demorasse para cumprir a missão, o Aegis iria agir de maneira implacável assim que esse tempo expirasse, com o objetivo de não deixar rastros ou dúvidas de sua ação coordenada.

Se isso acontecesse, a pequena equipe de Gabriel seria facilmente aniquilada.

Ele planejava sua fuga no pequeno submarino mesmo que chegasse nesse pior cenário. Porém, fracassar em obter o Lightcube, sua principal motivação na busca das almas, era algo inadmissível.

Não iria retroceder.

Ele já havia decidido o rumo de sua vida depois dessa operação.

Em primeiro lugar, escaparia com Alice para Austrália e esconderia o Lightcube e a tecnologia STL em seu chalé nas ilhas soberanas em Queensland. E retornaria para San Diego de avião para reportar o ‘fracasso’ da operação à NSA.

Após isso, assim que a situação se acalmasse, voltaria para Austrália e instalaria o maquinário para os instrumentos da tecnologia STL no enorme galpão de sua residência, construindo um mundo virtual desenhado segundo seus caprichos.

Alice e Gabriel seriam seus únicos habitantes nesse mundo inicialmente. Porém, com o tempo isso seria muito solitário. Também pretendia criar mais materiais para suprir sua pesquisa sobre a alma.

Ele iria procurar almas jovens, cheias de energia nos arredores de Sydney e as capturaria para extrair suas essências com o STL no momento em que arrancasse-as de suas cascas mortais e desnecessárias.

Feito isso, retornaria para sua mãe pátria, os Estados Unidos, ou então, talvez fosse para o Japão, o lugar onde se originou a tecnologia de imersão total.

Gabriel possuía uma profunda fascinação pela mentalidade única dos jogadores de VR japoneses. Mesmo que não fossem todos, mas tinha alguns que pareciam encarar aquelas simulações como algo mais, como se de fato fosse algo real.

Mesmo não estando em posição de expor seus sentimentos, ele mal conseguia segurar seus desejos e excitação ao recordar daquela garotinha sniper que conheceu em Gun Gale Online.

Provavelmente, aquilo deve ter tido relação com o tal ‘real mundo virtual’ que uma vez existiu naquele país há tão somente dois anos. Aqueles jovens que experimentaram um jogo verdadeiramente de vida e morte desenvolvido e hackeado por seu próprio criador.

Eles, aqueles que sobreviveram, possuíam almas compatíveis com os mundos virtuais em níveis tão elevados como nenhum outro ser.

Se fosse possível, gostaria de capturar para si as almas daqueles jogadores que ficaram nas linhas de frente. Não sabia se a pequena sniper era um deles, no entanto, ele também a queria. Para Gabriel, os Lightcubes valiam e com certeza brilhavam mais do que qualquer pedra preciosa no planeta.

Enquanto os ricaços do mundo torram fortunas para ostentar suas posses. Esse tipo de artefato, com essa beleza ímpar seria monopolizado somente por ele. O deixaria escondido em sua residência à mercê unicamente de seus caprichos.

Decidiria em que mundo colocaria as almas, as controlando ao seu bel prazer.

E acima de tudo, o que mais o deixava maravilhado, era em como ele copiaria as almas dos seres humanos, extraindo-as de suas cascas e selando nos Lightcubes. O poder de pegar aquelas almas distorcidas e reescrevê-las ao seu modo, seria inebriante. Já conseguia se imaginar cortando-as para que exibissem aquele resplendor magnífico, lapidando cada nuance de suas formas, igual a uma joia em seu estado bruto sendo trabalhada para virar algo totalmente novo e precioso.

Após a longa viagem de Gabriel, depois de todos os caminhos aos quais trilhou, finalmente estaria retornando àquele momento, onde tudo começou.

No momento em que vislumbrou, mesmo que por um mero instante, o inigualável brilho da alma de Alicia Klingerman debaixo daquela enorme árvore.

Esses pensamentos duraram frações de segundos, porém, Gabriel fechou seus olhos e sentiu um arrepio percorrer sua espinha.

Uma sensação fria como gelo regressou no momento em que abriu os olhos.

Se as almas daqueles jovens que queria em sua coleção eram como joias, eles seriam iguais a rubis, safiras e esmeraldas em uma coroa, enquanto Alice seria o diamante gigantesco incrustado bem no centro.

Só Alice, a última alma livre de todas as impurezas, era suficientemente digna de ser sua companheira eterna. Portanto, tinha que encontrar um meio para pegar esse Lightcube de uma maneira ou de outra.

Infelizmente, não era possível se apoderar dela por meios físicos sem antes romper a incrivelmente reforçada porta pressurizada que guardava os clusters que armazenavam os Lightcubes.

A única alternativa era usar o sistema dos terminais dessa sala. Porém, parecia que nem mesmo o cyber criminoso mais competente desse meio, o indivíduo conhecido como Critter, podia fazer nada para quebrar o bloqueio do console principal, sem contar nos outros avariados.

As botas de Gabriel ressoaram no chão de metal enquanto se dirigia até Critter, cujos dedos percorriam freneticamente o teclado.

“Como estamos?”

Suas mãos levantaram-se em resposta.

“É inútil tentar conectar com os privilégios de administrador. Tudo que podemos fazer é chupar os dedos enquanto damos uma bela olhada no país das maravilhas onde vivem todos aqueles Fluctlights no cluster do outro lado dessa parede.”

Critter moveu seus dedos e uma janela se abriu no enorme monitor na parede oposta, exibindo a curiosa vista.

Estava bem longe de ser realmente um ‘país das maravilhas’ como ele disse. Pois a paisagem mostrava um vermelho angustiante, com o solo tão negro quanto asfalto recém-colocado.

Diversas tendas primitivas de couro cozido estavam erguidas e aglomeradas no centro da imagem. Ao lado delas, reuniam-se dez estranhas criaturas, algumas atarracadas, outras robustas e calvas, que estavam fazendo um escândalo, discutindo uns com os outros por alguma razão desconhecida.

Embora lembrando a forma humanoide, dificilmente seriam confundidos com pessoas do mundo real. Suas costas eram horrendas, encurvadas, com braços desproporcionalmente grandes, arrastando no chão e pernas musculosas apesar de parecerem atrofiadas, por talvez sustentarem o peso enorme da caixa corporal macilenta.

“Goblins…!?”

Gabriel sussurrou enquanto Critter respondia animadamente:

“Ooh!! Vejo que está bem informado, comandante. São de fato ligeiramente diferentes de orcs e ogros… sim, creio que esteja certo, devem ser goblins.”

“Entretanto, eles estão muito grandes e também aparentam serem mais fortes. Talvez deva se tratar de hobgoblins.”

Vassago, que tinha se aproximado e se posto um pouco ao lado, fora quem complementou a informação, colocando as mãos na cintura.

Como era de se esperar de alguém que se especializou também em combate VR, ao que tudo indicava, tinha algum conhecimento de RPGs de fantasia.

O alvoroço entre a dezena de hobgoblins foi escalonando progressivamente enquanto Gabriel e os demais permaneciam observando.

Sword Art Online Alicization Underworld - Critter - Vassago - Gabriel- Vol.15

Os que estavam no centro daquela estranha reunião começaram a empurrar uns aos outros, agitando mais a situação, enquanto os que rodeavam aumentaram os gritos  erguendo as mãos ameaçadoramente.

“Critter!”

Falando como acabasse de formular uma ideia, Gabriel chamou o homem de cabelos curtos sentado ao terminal.

“Sim?”

“Esses… monstros… eles são parte do sistema?”

“Humm… creio que sim. Me parecem que são humanos, pelo menos em essência. Pois todos são almas artificiais também carregadas no cluster dos Lightcubes… ou seja, tem Fluctlight.”

“Sério!? Puta que pariu!!”

Vassago imediatamente se inclinou para frente após gritar o palavrão.

“Esses hobgoblins são humanos!? Quer dizer que tem almas como nós!? Há! Minha avó, a velha Frisco, teria um treco se ouvisse isso!!”

Ele continuava falando alto enquanto dava tapas na nuca de Critter.

“Essa pesquisa, esses seres, foram criados sem a intervenção de Deus. Eles criam, verdadeiras aberrações monstruosas…

Será que todos os Lightcubes que estão lá no cluster são goblins,orcs e todas essas outras criaturas malucas? A nossa ‘Alicezinha’ também é uma dessas coisas? ”

“Bem, na verdade… não.”

Critter tratou de corrigir Vassago enquanto retirava irritado a mão de seu comparsa de sua nuca.

“Escute só! Esse mundo é o lugar que o pessoal do RATH construiu para que pudessem colocar os Fluctlights. Seu nome é Underworld e está dividido em duas áreas. No centro, um pouco para o oeste, fica o Mundo Humano, e como seu nome sugere, é onde os humanos normais vivem enquanto tudo que vive em volta, é pertencente ao Dark Territory, um lugarzinho maravilhoso abarrotado de monstruosidades como essas que estamos vendo.

Naturalmente, Alice está no Mundo Humano. Entretanto, esse lugar é ridiculamente gigantesco, encontrá-la sem uma investigação detalhada é praticamente impossível.”

“Oras! Mas as pessoas que vivem na parte dos humanos falam a nossa língua, correto? Então, se entrarmos nesse império, bastaria somente perguntar para os que vivem lá: ‘-Vem cá meu camarada! Conhece uma menina chamada Alice?’ e creio que isso resolverá nossos problemas… o que acha?”

“…Uau! Você é realmente um imbecil ou fica se fazendo passar por um?…”

“Como é que é!?? Seu desgraçado!!!”

“Ah! E tem mais… Underworld é um mundo feito por japoneses, logo, a língua falada ali é o japonês. Você por acaso conseguiria falar com eles?”

Ao fazer a pergunta maldosa, Critter ficou sorrindo de maneira cínica.

Imediatamente, Vassago lhe devolveu o sorriso torto enquanto respondia:

Não devia me menosprezar tanto…

Nesse exato instante, todos olharam para Vassago assombrados. As palavras daquele homem foram em um japonês tão fluído ao ponto de surpreender até mesmo Gabriel.

O jovem hispânico voltou a falar em inglês.

“A comunicação não será um problema. E agora, quatro-olhos? Tem algo mais que deva me dizer que insinue que meu plano não dará certo?”

Depois de se recuperar da surpresa, Critter suspirou.

“Já que insiste…

Existem dezenas de milhares de pessoas que vivem no Mundo Humano. Você realmente pensa em ir um por um desses humanos e perguntar sobre a garota…? Se acha que consegue fazer isso com o nosso curto tempo, vai firme!”

Ok! Ok! Ok! Ok!…. Pode parar! Já entendi…”

Enquanto escutava o diálogo, uma ideia começou a se formar na cabeça de Gabriel.

“Entendo…

Então, posso supor que seja pouco provável que absolutamente todas as contas para iniciar sessão em Underworld sejam de nível um. Não é, Critter?”

“Sim, exatamente isso, chefe!”

O som das teclas do teclado do terminal pareciam até um instrumento de percussão sob os comandos dos ágeis dedos do hacker. E em instantes, várias listas surgiram no enorme monitor, umas sobrepostas às outras.

“Deve existir contas de todos os tipos. Provavelmente separadas por classes sociais para os mais diversos perfis do pessoal do RATH poderem ingressar nesse mundo para fins de observação e pesquisa in loco, além de, obviamente, a de administrador.

Vejamos… um oficial de exército… não, um general talvez… também não, … um nobre seria melhor… Não, já sei! Um imperador!”

“Opa! Isso soa muito bem!”

Vassago interrompeu, se metendo no meio deles.

“Resumindo. Só temos que iniciar sessão como algum general, presidente, imperador ou seja lá qual figura poderosa for e mandar em todos, não é? Tipo: ‘-Soldados, escutem! Busquem Alice e tragam-na até aqui!!’, não é?”

“Cara, essa ideia agora parece tão estúpida quando é você a dizê-la!”

E sem se deter para continuar a briga, Critter seguiu com seus comandos com uma velocidade absurda, resmungando palavras incompreensíveis mais para si do que para os demais a sua volta.

Depois de mais resmungos, anunciou para todos:

“Mas que azar dos diabos, hein!? Eles não só colocaram uma maldita senha no acesso principal, como também bloquearam o ingresso nas contas de alto nível. Infelizmente, parece que só podemos fazer imersão no Mundo Humano com perfis de cidadãos comuns.”

“Humm…”

Um quê de decepção passava pelos rostos de Critter e Vassago, porém, a expressão de Gabriel permanecia inalterada enquanto mexia afirmativamente a cabeça bem lentamente com um olhar afiado.

O tempo que lhe restava certamente não era muito.

Porém, esse limite se aplicava unicamente ao mundo real. Muito diferente do tempo que fluía comprimido em um grau absurdo de várias centenas de vezes mais acelerado no mundo que aparecia no monitor, Underworld.

Em outras palavras, as vinte e três horas de janela de ação que tinham, eram equivalente a mais de um ano naquela realidade virtual. Com todo esse tempo, buscar Alice não era de fato uma tarefa impossível, muito menos extraí-la para o mundo real por algum console dentro dessa enorme embarcação, mesmo que para isso tivesse que começar como um cidadão comum.

Porém, Gabriel achava que isso seria realmente muito chato. Se fosse ter que chegar nessa situação extrema, não seria mais interessante começar no lado de fora do Mundo Humano?

“Critter, por acaso não existe super contas fora desse império…? Como por exemplo…, no Dark Territory?”

“…Fora!? Mas isso não apenas dificultaria ainda mais capturar Alice?”

Os dedos de Critter aceleraram no teclado enquanto expunha sua dúvida.

Buscando na janela recém aberta, Gabriel respondeu calmamente:

“Bom, isso é algo bem provável. Entretanto, não é impossível passar pelas fronteiras, não é? Podem existir maneiras de cruzar esse tipo de barreira com certos direitos de determinadas contas.”

“Oh! Exatamente o pensamento que esperava de você, aniki! Sua mente está em um nível completamente diferente de nós. Em outras palavras… você pensa em pegar a conta de algum chefe do lado dos monstros ao invés de virar um humano comum e invadir o território deles, não é? Essa missão só me deixa ainda mais empolgado!!”

Aparentemente, já um tanto cansado de ficar dialogando com seu comparsa, Critter ainda jogou água fria na alegria de Vassago, que já começava a gritar comemorando.

“Realmente não me importo com sua empolgação, porém, se gosta de estética, já aviso que poderá acabar virando um daqueles hobgoblins ou quem sabe, um ‘lindo’ orc caso inicie sessão no Dark Territory. Se bem que pensando agora, creio que até que combinaria com sua fuça e… e… Hein!? Olhem aqui, vejam!!!”

Clicando de maneira mais agressiva com o mouse, apareceram outras duas janelas no monitor.

“Isso é promissor! Temos aqui duas super contas nesse lado, mas… bem, não temos suas senhas ainda, mas pelo visto não tem outra segurança! Então… vejamos… humm… uma conta com a posição de um Dark Knight, com o nível de prioridade… 70!! Isso sim poderemos usar!”

“Opa!!! Ohohoho!! Isso soa bem mesmo! Ficarei com essa!”

Ignorando o alarido de Vassago, Critter puxou a outra janela.

“E nesse outro… Hã? Que merda é essa? O campo que indica a posição desse aqui está em branco e… e também não mostra o nível. Tudo que está definido é o nome, que vejamos… como se lê isso…? Hum… Imperador… Vector?”

“Aah!! Se diz imperador, então deve ser um figurão, não é? Acho que vou ficar é com esse e…”

Gabriel suavemente colocou a mão sobre o ombro de Vassago antes que ele terminasse sua frase.

“Não, eu usarei essa!”

“Hein! Mas aniki, você fala japonês?”

Mesmo que não seja tão bom quanto o seu.”

Gabriel respondeu no idioma do Japão, língua a qual veio estudando durante três anos. Mesmo que ainda não tivesse uma fluidez na leitura, tinha confiança de ir bem em conversas cotidianas sem maiores problemas.

“Hahahaha! Muito bom! Realmente você é incrível, aniki! Certo, você será o imperador e eu lhe acompanharei como um Dark Knight. Parece que as coisas ficaram mais divertidas!

E então, quatro olhos? Quando podemos iniciar a sessão?”

Ignorando Vassago completamente, Critter continuou com seus comandos no teclado. Sua expressão estava muito séria enquanto lia a informação extraída no monitor. Instantes depois, Gabriel prevendo algo, perguntou resoluto:

“Temos outras questões aí, não é, Critter?”

“Não consigo mensurar se isso é um problema ou não, mas está realmente me incomodando…

Há vários termos estranhos aparecendo aqui e ali. Dados referenciando outros dados mais estranhos ainda… Não consigo entender o significado completo, mas um em especial parece ser o centro de tudo…”

“É mesmo? Qual?”

Critter respirou fundo antes de responder à Gabriel.

“Experimento de carga final…”

 

 

 

 

 

VOLTEI QUERIDAS PESSOAS!

QUEM ACOMPANHOU LÁ PELA PÁGINA NO FACEBOOK SABE QUE EU ESTIVE (AINDA ESTOU), DOENTE, MAS PELO MENOS POSSO RETORNAR PARA O MEU PASSATEMPO FAVORITO DEPOIS DE TROCAR FRALDAS (mentira) 😀

MEUS HORÁRIOS FICARAM MALUCOS, MINHAS ROTINAS ENTÃO NEM SE FALA. MINHA RECUPERAÇÃO… BEM, ESSA É UMA DAS NOTÍCIAS QUE INFELIZMENTE ME PREOCUPA, PORÉM, AQUI NÃO É LUGAR PARA ISSO…

BORA FALAR DE COISA BOA (Tek Pix nããããooo!!!)

 

NESSE CAPÍTULOS VOCÊS CONHECERAM A BANDA PODRE DE ALICIZATION, PELOAMORDEKAMISAMA (sou mais a Belldandy, que fique claro!)

É UMA GALERINHA NOJENTA MAIS QUE VAI TACAR FOGO NAS COISAS (uebaaaa!! die! die! die!!).

NO CAPÍTULO PASSADO EU COMENTEI QUE VERÍAMOS UM VELHO CONHECIDO/DESCONHECIDO ENTRANDO NA HISTÓRIA… E AÍ? SABEM DE QUEM EU FALEI? COMENTEM SE DESCOBRIRAM, MAS PODE COMENTAR SE NÃO DESCOBRIRAM TAMBÉM HEHEHE 😉

 

SEGUNDO RECADO A RESPEITO DAS ATUALIZAÇÕES AQUI DO SITE.

DURANTE MEU PERÍODO DE RECUPERAÇÃO REFIZ A NOVA TRADUÇÃO DO FILME ORDINAL SCALE E ESTAVA SINCRONIZANDO TUDO QUANDO… O FANSUB PUNCH LANÇOU O ARQUIVO EM 1080P LINDÃO, QUE EMBORA DISCORDE DE UMA CACETADA DE COISAS NA LEGENDA DELES, AINDA ASSIM ESTÁ BACANA E VOCÊS PODEM CONFERIR AQUI MESMO NA PARTE DE MOVIE DO SITE.

CLIQUE AQUI MEU CAMARADINHA E ASSISTA ESSA DILIÇA!

Sword Art Online Ordinal Scale Full HD

 

 

 

 

 

 

 

E ENCERRANDO AS NOVIDADES, TEMOS UM DOS VOLUMES ANTIGOS DA LIGHT NOVEL QUE ESTAVA 20% ESPANHOL, MAIS PRECISAMENTE O AINCRAD VOLUME 2 SENDO TOTALMENTE TRADUZIDO POR UM COLABORADOR PARA LÁ DE ESPECIAL, O SENHOR THIAGO PASSOS (uma salva de palmas para esse guerreiro!!). AÍ VOCÊ PERGUNTA, ONDE ESTÁ ESSA MARAVILHA? É CLARO QUE EU RESPONDO, ESTARÁ LÁ NA PARTE DE VOLUMES FINALIZADOS AINDA NESSE FIM DE SEMANA (30/09/2017 ~01/10/2017), MINHA CARA PESSOA!

(Thiagão, só libere as permissões de visualização e download my friend, senão ninguém pode acessar hehehe 😉 )

 

UFA!! É UMA SENHORA VOLTA NÃO? ESPERO QUE TENHAM GOSTADO, VEJAM O FILME, AGUARDEM O VOLUME 2 SER PUBLICADO (avisarei no Facebook), VOU RESPONDENDO AS MENSAGENS DURANTE O FINAL DE SEMANA COM CARINHO E ATENÇÃO, ENTÃO, NÃO SE PREOCUPEM!

FORTE ABRAÇO E ATÉ O PRÓXIMO CAPÍTULO!

 

Sword Art Online Alicization Underworld Invading

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization Underworld – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

E a música de hoje é a premissa de tudo, o início de um novo desafio, que podem acreditar, vai ser insano! Preparem-se!

 

 

 

 

  • Doidão de Paçoca

    Ótimo capítulo, agradeço a tradução. Sem contar a música qual combinou bem.

  • Matheus Lara

    É um comentário meio atrasado de quando tava em 44%, mas me emocionou o Kirito por impulso querer salvar a vila mesmo naquele estado.
    Já sabemos bem a personalidade dele e mesmo assim é legal continuar lendo esses momentos de heroísmo.

    • Que bom que curtiu, mas ainda assim, dá uma alfição ver o cara desse jeito.

  • Matheus Lara

    “Com velho conhecido/desconhecido” Tava se referindo ao jogador do GGO que vencia todo mundo, que a Shino falou nos primeiro volumes?