Sword Art Online Alicization Underworld em Português – Uniting Capítulo 13 – Parte 3.3 e Parte 4

Arco: Sword Art Online Alicization Underword – Uniting

Capítulo 13

Sword Art Online Alicization Underworld - Quinella x Cardinal

Parte 3

“Como é que é!?”

Cardinal e Alice se espantaram ao mesmo tempo, enquanto eu ficava sem palavras.

Os fragmentos de memórias dos Integrity Knight, todas as recordações mais preciosas extraídas dos humanos transformados em cavaleiros sagrados através do Synthesis Ritual. Os sentimentos, as ligações com as pessoas mais queridas, como a mãe de Eldrie e a esposa de Deusobert… estavam tudo ali naqueles cristais.

Então, se isso era verdade… esses cristais eram os que estavam em todas aquelas espadas que formavam a criatura da Administrator?

Não! Os cristais não deveriam ser mais do que informações soltas guardadas no Fluctlight. Não eram almas completas ao ponto de formarem pensamentos coerentes.

Dificilmente podia imaginar que eles pudessem ter tanta afinidade com as espadas ao nível de serem capazes de ativar o Full Control Art.

Tinha algo mais nessa explicação, pelo menos era o que meu sexto sentido estava dizendo. Se esses cristais no teto eram realmente as recordações de todos os Integrity Knight, então, neles também estavam as memórias de Alice roubadas há seis anos.

Dois anos e pouco atrás, Eugeo sofreu uma ferida gravíssima durante a batalha contra os goblins na caverna do norte de Rulid. Lembro claramente de ter escutado a voz de uma garota me dizendo que estava esperando Eugeo e eu no andar mais alto dessa catedral. E após ouvir essas palavras, senti fluir uma energia enorme entre nossos corpos, força essa que acabou curando Eugeo.

E se aquela voz de fato pertencesse à Alice? Significava então que mesmo fragmentos de recordações roubadas ainda continuavam tendo pensamentos ordenados?

Porém, ainda tinha outra coisa a ser investigada…

O fato da regra de não ser possível curar sem que houvesse contato direto, isso valia para qualquer tipo de arte sagrada curativa.

Nem mesmo a Administrator conseguia transmitir sua voz e poderes de cura a distâncias tão longas quanto aquela, cobrindo 750 quilômetros em linha reta daqui da Catedral Central até a caverna situada nos limites da montanha ao norte.

Para acontecer algo assim, um milagre deveria ocorrer e só consigo lembrar do fenômeno de overwriting que controla o Armament Full Control Art. Sendo isso verdade, as memórias guardadas de Alice deveriam ser de fato…

O grito de Cardinal, ardente como fogo, interrompeu minha linha de raciocínio.

“Então é isso… !? Quinella, sua maldita desgraçada!!… O quão longe você deseja chegar manipulando a humanidade, seu monstro?”

Olhei para a mulher que flutuava calmamente com um sorriso tranquilo diante de nós.

“Ora, ora…! Não me elogie tanto, afinal, creio que posso lhe dar o crédito, não é, minha irmã? Você descobriu antes do que eu pensava, minha cara defensorasinha hipócrita da humanidade, rainha da falsa benevolência.

Então, já que entendeu, diga-me! Qual é a resposta para tudo isso que mostrei?”

“…É o pattern ou seja, o padrão inerente e compartilhado por todos os Fluctlight…”

Cardinal apontou o cajado diretamente para a Administrator.

“Ao colocar uma piece de recordações extraídas por meio do Synthesis Ritual em um modelo mental loaded com um Light Cube novo, pode se criar uma imitação de uma human unit. Dessa forma, sua inteligência seria extremamente limitada… uma existência que não possuiria nada mais do que seus instintos, sendo inconcebível que pudesse executar um command tão avançado quanto o Armament Full Control Art.”

Desesperadamente tratei de entender o significado por trás daquelas desconcertantes palavras. Cardinal disse na sala da Grande Biblioteca, que os bebês nesse mundo nasciam através de um protótipo de Fluctlight, carregado em um novo Light Cube, mesclando as características externas dos pais, seus padrões emocionais e tendências. Fundamentalmente, o que ela acaba de dizer agora era algo parecido. Só com o fragmento de memória de um Integrity Knight incrustado no lugar da informação que deveria ser herdada dos pais.

Em outras palavras, os cristais brilhando no teto eram de certa forma, bebês que receberam memórias de todas essas pessoas…

Será que era isso mesmo? Então… como Alice conseguiu falar comigo de maneira tão direta há dois anos? Um recém-nascido muito dificilmente poderia falar daquela maneira.

Enquanto me afogava em perguntas, Cardinal continuou falando.

“…Entretanto, esse ‘limite’, também tem uma brecha. E seria quando alguma parte dessas recordações inseridas no protótipo de Fluctlight,a informação estrutural da alma envolvida, possui um padrão significativamente diferente das demais. Sendo mais específica…”

As palavras da pequena sábia detiveram-se antes dela golpear o solo com a base de seu cajado e gritar:

“…Esses eventos de recordações roubadas dos Integrity Knight, essas pessoas que carregavam dentro de si um forte sentimento de amor, foram usados como recursos para criar armas. Estou errada, Administrator!!?”

Uma incrível sensação de angústia tomou conta de mim antes que a breve confusão fosse dissolvida. Os donos das espadas eram as memórias roubadas dos seres conhecido como Integrity Knight. E as espadas foram criadas com as informações e lembranças dos próprios seres amados pelos Integrity Knight sendo usado como recursos… A mãe de Eldrie, a esposa de Deusobert e assim por diante, todas as pessoas queridas desses guerreiros estavam ali… Era isso que Cardinal estava se referindo.

Eugeo e Alice pareceram entender momentos depois enquanto deixavam escapar gemidos incompreensíveis de suas bocas praticamente em uníssono.

Resumindo, se isso estivesse certo, então, o fenômeno de liberação do Recolection era de fato possível.

Depois de tudo, A e B, a informação do Main Visualizer e do Fluctlight, podiam derivar da mesma existência. Se o Fluctlight recém-nascido receber o fragmento específico de recordação como uma emoção muito forte e contundente, o acesso à maior das artes sagradas desse mundo era totalmente plausível de ocorrer.

O problema estava no tipo de emoção. Que classe de sentimentos e comoção tinham os fragmentos para conseguir passar algo para uma inteligência ao nível de um bebê, sendo capaz de energizar o gigantesco golem de espadas…?

“Avareza.”

Como se estivesse lendo meus pensamentos, a Administrator disse essa palavra.

“O desejo de tocar, de adotar, de fazer alguém ser seu. Essa desagradável, porém extremamente poderosa vontade, é o que move meu lindo bonequinho.

Fufu, Ufufufu!!!”

Os olhos prateados da mulher estreitaram-se enquanto seguia com sua provocação.

“Os indivíduos artificiais com os fragmentos de memória dos cavaleiros inseridos desejam apenas uma coisa, transformar a pessoa querida em sua propriedade. Eles sentem a presença do ser amado preso no teto. Entretanto, não podem vê-los, não podem tocá-los. Tudo que tem são fome e sede enlouquecedores como inimigos que se interpõem em seu caminho. Se destruírem esses inimigos, a pessoa será finalmente sua.

Por isso lutam não se importando com feridas e nem com quantas vezes caiam. Eles se levantarão e matarão pela eternidade se for necessário…

Que tal? Não é realmente um cenário lindo? É maravilhoso… o poder da avareza, de fato, verdadeiramente maravilhoso!”

A voz da Administrator se tornou aguda e reverberou por toda a sala enquanto os olhos do Sword Golem começavam a piscar violentamente. Uma ressonância metálica, brutal era emitida de seu exoesqueleto, o que para mim agora parecia mais ser gritos de dor e agonia.

Esse gigante não era uma arma automática de desejava matança. Tudo o que ele queria era o que a recordação queria. Um amontoado de pensamentos como o de um menino miserável e perdido era o que o movia. Mesmo que a Administrator tenha dito que era a avareza, agora me parecia ser algo mais…

Entretanto, de todos os modos, aquilo estava indo muito…

“Mal!!!”

O grito que coincidia com a conclusão de meus pensamentos veio de Cardinal.

“O querer encontrar-se com alguém novamente, tocá-lo com suas próprias mãos, tais desejos são profanados por essa sua palavra. Na verdade… ele se chama… amor, amor verdadeiro! O poder mais forte que os humanos possuem e seu maior milagre… e é algo com o qual você não deve jogar!!”

“Mas você é uma cabeça dura, irmãzinha!”

A Administrator estendeu as mãos até o Sword Golem enquanto seus lábios se torciam de excitação.

“Não entende? Amar é dominar… é condicionar! E sua forma verdadeira nada mais é que uma saída de sinais vindos do Fluctlight! Apenas estou usando esses sinais com uma intensidade mais forte. Em um formato muito, muito mais inteligente e eficiente dos métodos que você usa!”

A voz da soberana vibrou aguda novamente como se estivesse convencida de seu triunfo.

“O que você consegue manipular e conduzir são dois ou três garotos. Enquanto eu… eu sou muito diferente! Esse meu boneco tem uma energia transbordante condicionada de mais de trezentas units e tudo que tenho a fazer é inserir os fragmentos de memórias e usá-los como eu quiser!

E, além disso, agora existe outra questão…”

As palavras que saíram de sua boca após instantes de silêncio, foram como picadas mortais extremamente venenosas.

“…Agora que está consciente disso tudo, não pode mais destruir meu boneco. Pois mesmo que sua forma tenha se modificado, essas espadas alteradas são iguais a seres humanos, seres viventes!!”

A declaração da Administrator ficou ecoando por um bom tempo antes de desaparecer. Olhei estupefato para o cajado de Cardinal levantado contra o golem… descer lentamente.

A voz que veio da garotinha estava anormalmente suave para a situação.

“Aah… sim, isso certamente é verdade. Não posso assassinar ninguém. Essa realmente é a única restrição que não posso romper. Passei duzentos anos refinando minhas artes sagradas para extinguir sua existência e seu corpo que se desviou da humanidade… porém, parece que foi em vão.”

Escutei aquelas palavras totalmente desorientado. Palavras de admitiam a derrota ditas de uma maneira muito tranquila.

Se as espadas que formavam o golem eram humanos, Cardinal não podia acabar com elas… não, não faria nem se pudesse.

Mas se houvesse uma maneira de burlar essa restrição com outras ações como foi o caso da taça de café que virou um prato de sopa.

Sword Art Online Alicization Underworld - Quinella x Cardinal

“Kuku. Kukukukuku!!”

Os lábios da Administrator se abriram tanto que quase rasgaram os cantos de sua boca, transformando a risada em um horrível som gutural de escárnio.

“Que idiota…!! Que patética…!!!”

Riu descontroladamente outra vez.

“Já deveria estar cansada de saber a verdadeira forma desse mundo. O que constitui as vidas de todos aqui, saber que tudo não passa de um amálgama de data esperando para serem reescritos. E mesmo sabendo disso, você ainda insiste em reconhecer essas existências como seres humanos e se recusa a matar…? Deveria ter algum parâmetro que limitasse essa sua estupidez…”

“Não! Eles são humanos, Quinella!”

Cardinal respondeu em tom de recriminação.

“Todos que vivem em Underworld possuem emoções verdadeiras, aquelas que nós duas perdemos. Um coração para rir, para lamentar, para nos orgulharmos, para amar. O que mais necessita para ser um humano, diga-me? Mesmo que o recipiente de sua alma seja um Light Cube ou um cérebro orgânico, isso não é problema nenhum. É nisso que eu acredito. Por isso, devo aceitar com orgulho quando declaro minha derrota. ”

As últimas palavras que falou cravaram fundo em meu peito. Porém, o que infringiu mais dor foram as palavras a seguir.

“Entretanto, tenho uma condição. Pode ficar com a minha vida… desde que perdoe e poupe a vida desses jovens.”

“…!!!”

Imediatamente dei um passo adiante com minhas forças como se estivessem sendo drenadas. Eugeo e Alice fizeram o mesmo por pura tensão.

Entretanto, a aura resoluta saindo da pequena Cardinal congelou nossos movimentos.

Os olhos da Administrator ficaram finos como os de um gato frente a sua presa encurralada enquanto inclinava levemente a cabeça.

“Oh….! E que graça teria aceitar tal condição nas atuais circunstâncias?”

“Já lhe disse, não? Que dediquei duzentos anos a refinar minhas artes sagradas. Se deseja uma batalha, vou reduzir sua vida à metade no mínimo enquanto detenho os movimentos dessa pobre criatura atormentada. Por acaso, uma situação dessas, uma carga desse nível não exporia sua limitada capacidade de memória a um risco… maior?”

“N… Nn…!”

Forçando um sorriso até o final, a Administrator colocou o dedo indicador de sua mão direita em seu queixo e fez de conta como se estivesse pensando seriamente sobre o assunto.

“Duvido que uma batalha com um ganhador pré-determinado seja de fato um risco, entretanto, seria um aborrecimento. Tirá-los desse espaço isolado e enviá-los para algum lugar remoto desse mundo seria o suficiente para você? De outra forma negarei sua oferta, pois não vou desistir de colocar minhas mãos sobre eles outra vez.”

“É o suficiente que os tire daqui. Eles definitivamente…”

Cardinal não terminou sua frase. No lugar disso, a barra de sua túnica balançou enquanto girava para nós com uma luz gentil em seus olhos.

Queria gritar para deixar de brincar conosco. Minha vida provisória aqui não deveria se comparar com a vida real de Cardinal. Considerei seriamente se deveria atacar a Administrator nesse instante para dar algum tipo de tempo para a pequena sábia fazer algo.

Entretanto, não podia. Isso colocaria a vida de Eugeo e Alice em risco em uma aposta tão arriscada.

Minha mão direita apertou tão forte a empunhadura de minha espada que podia sentir a pele da palma rasgar enquanto meu pé direito pisava no chão de maneira tão furiosa que piso sob o tapete apresentou rachaduras.

A voz da Administrator chegou aos meus ouvidos enquanto o impulso de batalhar continuava a aumentar dentro de mim.

“Está certo, estou de acordo!”

Mostrando um sorriso angelical, a mulher assentiu com a cabeça de forma magnânima.

“Estou totalmente de acordo de deixar o mais divertido para depois, sabe? Juro pela deusa Stacia que…”

“Não, não jure pela deusa, e sim pelo que lhe é mais precisos… seu próprio Fluctlight.”

Cardinal a interrompeu de forma cortês ao que a Administrator cedeu uma vez mais, com seu sorriso ficando cada vez mais cínico.

“Oh! Claro, está tudo bem, jurarei por meu Fluctlight e todos os preciosos dados que posso acumular por aí. Depois de te matar rapidamente, deixarei esses três ilesos. Não poderei romper esse juramento… pelo menos não por enquanto.”

“Certo.”

Ao concordar, Cardinal virou para olhar para Eugeo e Alice, que estavam lado a lado em silêncio e finalmente retornou para mim.

Um suave sorriso estava repousado em seu jovem rosto com seus grandes olhos castanho cheio de uma luz gentil. Um turbilhão de emoções inundava meu coração enquanto minha vista começava a embaçar, entretanto, não fazia questão nenhuma de deter.

Os lábios de Cardinal sussurraram um silencioso ‘-Sinto muito!’.

No outro extremo, a Administrator anunciou com a voz aguda, ‘-Vamos logo, irmãzinha!’.

Com um movimento ligeiro de sua mão direita, a Alto Ministro fez com que o golem parasse no meio do salão. E ainda com a mão levantada, fechou o punho como se agarrasse algo e partículas de luz surgiram do nada, girando a sua volta.

O objeto que apareceu era uma adaga de prata, não, era maior, um estoque de prata. Era da mesma cor de um espelho, a lâmina fina como uma agulha gigante e uma empunhadura elegante, uma linda espada que combinava com sua esbelta figura.

A primeira vista poderia ser confundida com um objeto ornamental, entretanto, ao observar com mais atenção, era notável ver a incrível prioridade que era emitida em forma de aura, tão forte que chegava a tirar o fôlego só de encarar a distância.

O instrumento sagrado pessoal da Administrator, que rivalizava com o cajado negro que Cardinal usava para canalizar suas artes. O estoque prateado soltou um som agudo como de uma sineta de cristal ao se mover em direção à Cardinal.

Caminhando mais para frente com passos firmes, a sábia seguiu sem o menor sinal de medo em direção àquela arma sagrada tão poderosa.

Alice e Eugeo se inclinaram para frente, fazendo menção de persegui-la. Porém, eu levantei minha mão esquerda e os detive. Honestamente, queria levantar minha espada e atacar a Administrator. Mas saltar por impulso somente serviria para desperdiçar a determinação e dedicação de Cardinal.

Então, não fiz nada além de segui-la com os olhos cheios de lágrimas, rangendo os dentes, porém, parado no mesmo lugar.

Um arco-íris de euforia surgiu nos olhos espelhados da Administrator enquanto observava a aproximação do seu outro eu.

Imediatamente, um imenso relâmpago elétrico emitido da ponta de sua afiadíssima lâmina, tingindo todo o salão com uma luz branca cegante e penetrou o delicado corpo de Cardinal.

Forcei minha vista a se acostumar com a claridade enquanto via uma silhueta diminuta se torcendo pela forma brusca com que fora lançada para trás.

A energia do gigantesco ataque elétrico ainda crepitava no ar se dispersando aos poucos. Desesperadamente mantive meus olhos abertos enquanto dava um passo para trás. A jovem sábia ainda se mantinha em pé, embora seu corpo tivesse se inclinado sobre seu cajado, mantendo seus pés firmes no solo e o rosto encarando sua maior inimiga com extrema determinação.

Infelizmente, as dimensões dos danos era algo incrivelmente doloroso de se ver. O chapéu e a túnica negra estavam torrados em diversos pontos, com fumaça saindo dos buracos. Partes de seus cabelos não mais existiam, com boa parte ainda carbonizada, perdendo toda sua propriedade brilhante e macia de que me lembrava.

Há apenas cinco metros de nós, de pé e em silêncio, Cardinal lentamente levantou sua mão esquerda e passou onde deveria estar seu cabelo que agora jazia queimado. Mesmo rouca, sua voz preenchia o ar.

“Pfff!…. Isso foi tudo… que sua arte sagrada pode fazer? Não importa quantos desses raios você lance…”

Ggggaaannnn!!!!!

O mundo pareceu vibrar com um rugido ensurdecedor. Um raio ainda maior que o anterior saiu do estoque da Administrator e apunhalou sem piedade o corpo de Cardinal.

Seu chapéu retangular voou e explodiu em partículas em pleno ar. Seu pequeno corpo convulsionou de forma grotesca e desabou para a direita, porém, a pequena garota colocou seu joelho no chão e evitou a queda.

“Com certeza que eu estava me contendo, querida irmã.”

O sussurro da Administrator soou elétrico, parecendo estar se contendo para não explodir em um êxtase selvagem.

“Seria muito chato terminar tudo em um instante. Afinal, esperei duzentos anos por esse momento… não é!?”

Ggggaaannnn!!!!!

Um terceiro ataque.

Esse fez um arco e golpeou Cardinal no alto de sua cabeça como um chicote e a lançou no chão com uma força aterradora. A pequena garota explodiu seu corpo no solo, foi jogada para cima com o rebote, tamanho fora o impacto e voltou a cair com um golpe seco.

A maior parte de sua túnica tinha sido torrada, assim como sua camisa de baixo branca cheia de buracos. As queimaduras serpenteavam a pele branca como a neve, sinais carbonizados que também eram visíveis nos pés e mãos, como se estivesse sido presa por diversas cobras negras.

Mesmo com tudo isso, ela apoiou suas mãos contra o solo e levantou seu corpo lentamente. Como se quisesse acabar de vez com sua desesperada tentativa de reunir forças, um novo relâmpago a atacou pelo lado. A figura da menina saiu voando e rodou no chão por vários metros.

“Fu… ufufufu, fufufufu!”

À distância, a Administrator não conseguia mais suprimir sua risada.

“Fufu…aha.. Ahahahahahaha!!!”

Os limites entre a íris e o branco de seus olhos especulares desvaneceram enquanto um resplendor multicolorido girava dentro deles.

“Hahahahahahahaha!!! Hahahahahahahaha!!”

E da ponta do estoque que ela manteve direcionada para o pequeno corpo da garota ao chão, foi disparado incontáveis relâmpagos conforme sua risada se intensificava. Todos acertaram seu alvo, perfurando e apunhalando a já imóvel Cardinal. Cada vez que recebia um ataque, o corpo era jogado para algum canto, todo queimado, roupas, pele, cabelos… cada parte de sua existência.

“HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA!!”

A gargalhada explosiva da Administrator machucou meus ouvidos. Seu corpo se contorcendo no ar com uma alegria demoníaca, com seu cabelo prateado esvoaçante e totalmente desalinhado.

As lágrimas continuavam saindo de meus olhos, embaçando minha visão e me cegando, porém, não eram pelos incessantes ataques luminosos, eram as emoções queimando em meu peito, em minha alma, que não tinham mais espaço dentro de mim e estavam transbordando.

Lamento pela perda da vida de Cardinal diante de meus olhos, fúria direcionada para a Administrator que se deleitava com cada instante de sua maldita vingança e o mais importante… ódio e repulsa para minha impotência ao ver isso e não fazer nada.

Não podia levantar minha espada e nem dar um passo adiante. Se fizesse isso, o sacrifício de Cardinal seria desperdiçado.

Entretanto, uma voz dentro de mim gritava para que cortasse a Administrator com a espada que segurava na mão direita, mas meu corpo permanecia estático como se estivesse petrificado… e eu sabia qual era a razão.

Se o poder de Incarnation era o que me permitia romper os limites de alcance do Vorpal Strike e perfurar Chudelkin àquela hora, o mesmo acontecia agora, a vontade que me transformava em um boneco imóvel de madeira.

Minutos atrás, sofri uma grave ferida antes mesmo de conseguir acertar um golpe no golem. A sensação fria da espada rasgando meu estômago havia deixado uma marca profunda em mim, uma forte imagem de derrota. Esse medo se retorcia e me negava a recordar novamente a imagem do Espadachim Negro nesse lugar novamente.

Não tinha nenhuma chance de vitória nesse meu estado atual contra nenhum Integrity Knight, não, provavelmente nem contra um novato da academia. Atacar a Alto Ministro assim era impensável.

“Kuh… ugh…”

Um gemido patético saiu de minha garganta.

Cardinal entendeu que não tinha como ganhar e aceitou, mas ainda se manteve em pé de maneira corajosa até o fim. Estava repugnado da minha aceitação pela perda da sua vida sem nenhuma intenção de salvá-la, mesmo acontecendo na minha frente.

Alice em minha esquerda rangeu os dentes e o corpo de Eugeo tremeu enquanto lágrimas fluíam em silêncio. Não sabia o que havia em seus corações, mas ao menos, era evidente de que eles também estavam lamentando suas próprias fraquezas. Mesmo que consigamos sair daqui, o que faremos com essa ferida marcada em nossas almas?

A Administrator apertou seu estoque e carregou o raio final, provavelmente o mais forte que já havia feito até agora, já que ficou um tempo girando na lâmina. Assistimos a cena mais uma vez paralisados.

“Creio que já é hora de colocar um fim nisso. Nosso jogo de esconde-esconde de duzentos anos… acabou. Adeus, Lyceris! Até nunca mais, minha filha… e meu outro eu.”

Com palavras carregadas de um estranho sentimentalismo, a Alto Ministro liberou a energia acumulada.

O ataque final, emitido como se fosse milhares de relâmpagos, foram disparados diretamente no corpo de Cardinal, sem errar uma única fagulha.

Ao ser atingido, o corpo da garotinha elevou-se no ar, sendo jogada em meus pés. Seus membros, a começar pela perna direita carbonizada, começaram a se fragmentar em incontáveis partículas com um ruído seco, se desfazendo em fumaça.

“Ufufu… ahahahaha… ahahahahahaha! Hahahahaha-ahaha!”

Outra risada quase histérica da Administrator ecoou por todos os lados enquanto girava sua espada em sua mão direita e fazia uma dança em pleno ar.

“Certo… certo! Sua vida baixa bem lentamente, não é? Aaah!! Que sensação maravilhosa… saborear cada momento… Mas creio que já está na hora do ato final. Veja só, até permitirei que diga suas últimas palavras.”

Meus joelhos dobraram e levei as mãos até o que restava do corpo de Cardinal. O rosto da garotinha estava todo carbonizado no lado direito e sua pálpebra esquerda estava fechada. Entretanto, um pequeno foco de calor de sua vida ainda residia ali, mas estava prestes a desaparecer. Pude sentir isso ao tocar sua bochecha com a ponta de meus dedos.

Inconscientemente, levantei Cardinal e a aninhei em meu peito. Minhas lágrimas não paravam de rolar caindo sobre aquelas horríveis queimaduras. Seus olhos, que escaparam de serem totalmente torrados, tremeram e abriram lentamente.

Mesmo nas portas da morte, uma luz de compaixão ilimitada preenchia suas pupilas castanhas.

“-Não chore, Kirito!

Foram as palavras que surgiram em minha mente.

“-Esse não é um final tão ruim assim. Nunca acreditei… que morreria dessa forma… nos braços de alguém com quem meu coração pode se conectar… alguém que realmente sente por mim…”.

“Me desculpe… eu sinto muito…!”

As palavras saiam de meus lábios e espalhavam pelo ar. Escutando isso, Cardinal mostrou um leve sorriso em seus lábios milagrosamente ilesos.

“-Do que… está se desculpando? Ainda tem… uma missão para cumprir… não é? Você, Eugeo… e Alice também… Vocês três… com esse belíssimo mundo… por favor…!

A voz de Cardinal rapidamente se desvaneceu e seu corpo começou a ficar mais leve. Alice, que estava de joelhos ao meu lado, levou as mãos e tocou Cardinal.

“O faremos… o faremos com certeza!”

Com sua voz embargada e lágrimas nos olhos, disse:

“Essa vida que foi me dada… pode descansar tranquila, definitivamente lutarei por sua causa.”

As mãos de Eugeo surgiram do outro lado.

“Eu também…”

Percebi a firme determinação na voz de meu amigo, algo que geralmente ele não revelava.

“Eu também, finalmente entendi o que necessito para seguir adiante.”

Mas, nem Alice e nem eu esperávamos as palavras que vieram logo após, Cardinal provavelmente estava na mesma situação.

“Agora é o momento. Desculpe-me, mas… não irei fugir…

Tenho um dever que devo cumprir a todo custo.”

Parte 4

Fraco!

Porque me falta poder?

Eugeo estava imerso nesses pensamentos enquanto a Alto Ministro, a Administrator, queimava a pequena sábia, Cardinal, com monstruosos raios elétricos.

Descobriu que o Sword Golem que ele achava ser um demônio igual aos do Dark Territory , era na verdade igual a ele, um ser humano…

Certamente tinha ficado horrorizado ao saber disso, tanto que seu corpo inteiro tremeu ao saber como a Alto Ministro tinha manipulado todos de maneira extremamente cruel.

Entretanto, o que o atingia mais forte era o desespero de sua completa incapacidade de lidar com a situação.

Havia um motivo pelo qual, Kirito, a Integrity Knight Alice, a aranha negra, Charlote e a antiga Alto Ministro, Cardinal e ele estivessem ali, em uma luta contra a Administrator no último andar da catedral.  E era por causa de seu primeiro desejo… o de resgatar sua amiga de infância, Alice Schuberg, da Igreja Axiom.

E ele sabia que tinha sido quem mais havia atrapalhado o avanço de todos, quem mais os colocou em perigo. E por essa mesma razão que ele agora deveria lutar nas linhas de frente, ele tinha o dever de ser aquele a receber mais golpes e suportá-los.

E mesmo sabendo disso eu…”.

Respirou fundo.

Terminei sucumbindo as tentações da Administrator, apontei uma espada para Kirito como um Integrity Knight, com minhas recordações seladas. Voltei ao último andar depois de prender Kirito e Alice em um bloco de gelo com a intenção de derrotar a Alto Ministro sem nenhuma ajuda, a qual se fez ser uma tentativa patética.

Tudo que pude fazer foi distrair o Chefe Elder Chudelkin com uma simples flecha congelada e depois… apenas observar o Sword Golem destroçar Charlote, Kirito e Alice…

Eu sempre fui tão fraco assim?

O fragmento de memória de Alice estava a apenas dez mels de distância… em algum ponto na obra que cobria o teto. Será que eu tinha o direito de ter minha vida salva por Cardinal, ser expulso da catedral sem levar esse fragmento? Será que minha jornada vai acabar assim?”.

A Alto Ministro certamente jogaria Eugeo, Kirito e Alice em lugares distintos.  A probabilidade de serem atirados para além do Império de Norlangarth do Norte era alta. No pior dos casos, era possível que nunca mais visse seu amigo ou mesmo retornasse para Rulid.

Poderia terminar em alguma terra erma e desconhecida para viver com medo de ser perseguido pelos seguidores da Igreja Axiom… lamentando sua própria idiotice e incapacidade…

Ao menos, deveria manter os olhos bem abertos. Esse foi o primeiro pensamento que veio em sua mente enquanto via os raios brilhantes golpearem Cardinal. Eugeo então por fim se deu conta. Aceitar o destino de ser enviado para alguma terra estranha… seria sua maior vergonha, a pior coisa que poderia acontecer.

A Alto Ministro havia dito que iria transformar quarenta mil humanos, a metade dos habitantes do Mundo humano, em espadas. E que com isso produziria em massa esse monstro terrível para lutar contra as forças do Dark Territory.

Isso significava que todas as famílias e seres queridos estavam prestes a serem separados. Igual a Eldrie e sua mãe, Deusobert e sua esposa, Alice e seus pais.

Todos se converteriam em um tenebroso e horripilante arsenal.

Tal injustiça era imperdoável, completamente imperdoável.

Deter essa tragédia será minha missão final. Estou aqui, nesse exato instante, justamente por essa razão.

Não tenho o nível de domínio de espada de Kirito ou Alice, nem a competência em artes sagradas como Cardinal… entretanto, definitivamente há algo que posso fazer. Se estou com tempo para lamentar minha falta de força, vou usá-lo para buscar uma maneira com a qual lutar.”

Eugeo pensou desesperadamente em silêncio.

Mesmo que a Blue Rose Sword pudesse romper aquela barreira que bloqueia todos os metais, já que era metade feita de gelo eterno, um ataque frontal para cortar a Alto Ministro só resultaria em ser queimado até a morte por um daqueles raios ou mesmo pelo Sword Golem.

O Release Recollection só deteria os movimentos da Administrator por um momento com muita sorte.

Mesmo que tentasse destruir o Sword Golem primeiro, os ataques não alcançariam sua única fraqueza, o Piety Module. Pois teria que coordenar muito bem o movimento para passar precisamente entre as três grandes espadas que formavam suas costas, isso sem mencionar em driblar o corte das lâminas que faziam às vezes de caixa torácica. Realmente requeria uma capacidade de elevação no ar como a da Alto Ministro para fazer isso e uma armadura forte o suficiente para repelir as afiadas lâminas.

Podia ser melhor somente congelá-las e fundi-las como um monobloco, usando as lembranças das habilidades do gelo eterno aprendidas na sala da Grande Biblioteca.

Nesse instante, Eugeo arregalou os olhos. Havia sim um modo de conseguir o que ele queria.

Entretanto, mesmo que conseguisse, existia algo mais. O mesmo tipo de poder que alimentava o golem de espadas, o poder milagroso do Release Recollection Art.

Então, repentinamente, Eugeo escutou gritarem seu nome ou achou que tinha escutado.

Era como se algo estivesse se arrastando por ali. Então, olhou até onde ficava o dossel da cama da Administrator.

A obra no teto, que simbolizava o mito da criação, ficava bem centralizada acima desse lugar.

As deusas que criaram os céus e a terra do Mundo Humano. Os antigos seres humanos que surgiram e tiveram a oportunidade de morar ali. Com o tempo, as deusas escolheram um modo com o qual guiar todos. E assim nasceu a Igreja Axiom, com uma torre de mármore branca construída no coração da principal cidade, a capital Centoria Central.

A obra mostrava exatamente o mito descrito nos livros que Eugeo havia lido na Grande Biblioteca. Entretanto, sabia que aquilo ali certamente tinha sido inventado. Uma história feita pela Alto Ministro, a Administrator, para poder controlar as massas.

E nessa arte, uma miniatura de uma pequena ave residia em um dos cantos. Estava voando com uma rama de trigo no bico. Era a história de um pequeno pássaro azul que antes de morrer, voou com o trigo para as partes mais remotas do reino com o intuito de avisar que a comida ainda existia nas outras regiões, seu símbolo era de um pássaro de ar nobre.

Eugeo sentia que aquela poderia ser a única história com um fundo de verdade nessa obra toda.

Mas ao passo disso, a pequena estátua desse pássaro tinha um cristal em um de seus olhos brilhando em azul.

Um brilho tão cativante que sempre esteve na mente de Eugeo. Era exatamente como a luz dos olhos de uma garotinha de cabelos loiros que conhecia muito bem…

 

 

CARA, ESSE VOLUME É MUITO TRISTE… 

CURTIA MUITO A CARDINAL, VIROU DE UM SISTEMA MALEDETO A UMA GAROTINHA PETULANTE MUITO LEGAL.

E O KIRITOSO PRECISA ATIVAR A PASSIVA DELE LOGO. SERÁ QUE PRECISA UMA GALERA MORRER NA SUA FRENTE PARA ELE SAIR ESTRIPANDO, CORTANDO, MOTHERFUCKERZANDO GERAL?

ATÉ SEMANA QUE VEM… E SE PREPAREM, SÓ PIORA… 🙁

ATENÇÃO: AINDA DISPONIBILIZANDO O LINK DO FILME, SÓ ME PASSE O E-MAIL DO GMAIL QUE ENVIAREI 🙂

Sword Art Online Alicization Underworld Uniting

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization Underworld – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Música triste em homenagem a Cardinalzinha que morreu ao descobrir que podia amar

28 comentários em “Sword Art Online Alicization Underworld em Português – Uniting Capítulo 13 – Parte 3.3 e Parte 4

  1. Luizcvmg says:

    Ola, Andre poderia mandar o link do filme novamente semana passada tu enviou,mas não apareceu nada na minha caixa de entrada.
    email:luizmiguelcvmg@gmail.com ou envie nesse email:reinaldocvmg1@gmail.com

Deixe uma resposta