Sword Art Online Alicization Uniting em Português – Underworld – Capítulo 12 – Parte 2.2

Arco: Sword Art Online Alicization Underword – Uniting

Sword Art Online Alicization - Uniting - QuinellaParte 2

Conduziu a adaga para frente com toda a determinação que conseguiu, porém, a mesma seguia sendo detida por aquelas irritantes membranas púrpuras, impedindo que a ponta da pequena arma tocasse a pele da Administrator.

Entretanto, aparentemente a Alto Ministro também tinha falhado em predizer as ações de Eugeo, pois instintivamente jogou seu torso para trás com uma expressão surpresa.

Nesse instante, uma luz de pura repudia e indignação ficou refletida naqueles olhos prateados muito arregalados.

Enfrentando esse olhar, Eugeo colocou a mão esquerda contra a sua mão direita com a intenção de intensificar a pressão exercida na adaga.

“U…oooh!!”

Com um grito, o garoto complementou o que faltava de força e…

A ponta fina como uma agulha perfurou aproximadamente um milice, ou o que os habitantes do mundo real reconheceriam como um centímetro daquela barreira que continuava a brilhar intensamente.

As inúmeras letras sagradas que compunham as barreiras se uniram em uma única massa luminosa enquanto expandia rapidamente até explodir, engolindo a Administrator e Eugeo no meio do impacto.

“…!!”

Enquanto voava rapidamente em pleno ar, lançado da cama como se fosse atingido pela mão de um gigante, Eugeo ainda conseguiu obter sucesso em duas tarefas.

Ao recuperar um pouco de balanceamento, conseguiu puxar de volta para si a corrente com a pequena adaga com a mão direita, enquanto com a esquerda alcançou a bainha da Blue Rose Sword que havia colocado ao lado da cama momentos antes de chegar até a Administrator.

Mesmo abraçando sua pesada e querida espada, não teve nenhum efeito de diminuir o impulso recebido pela explosão de luz, sendo jogado longe até suas costas baterem contra uma das enormes janelas.

“Guhh…!”

Um curto gemido saiu de Eugeo enquanto tentava desesperadamente levantar seu rosto e olhar novamente para o centro da sala.

Toda a cobertura da cama havia sido despedaçada, descobrindo totalmente o leito circular, sobrando um amontoado de cortinas e véus semi-pendurados. E flutuando um pouco mais além, havia uma silhueta humana, silenciosa, na posição vertical. Apesar de ter sofrido o impacto das barreiras como Eugeo, seu longo cabelo só havia se ondulado levemente, sem nenhum sinal de dano sobre seu lindo corpo.

A tênue luz do prisma triangular extraído do garoto era visível em sua mão esquerda.

O tecido violeta que estava parcialmente enrolado em si como uma camisola, aparentemente não tinha suportado a explosão e se desintegrou totalmente, porém, a Administrator não fez nenhum movimento que demonstrasse constrangimento, como se não houvesse a necessidade de se preocupar com alguém, um reles mortal, visualizasse todo seu corpo sem roupas. Em vista disso, ela apenas ergueu a mão direita e ajeitou seus cabelos um pouco para trás.

Depois, sentou-se com suavidade, como se uma cadeira invisível estivesse presente em pleno ar, cruzando suas delineadas pernas. Silenciosamente, se moveu para frente há vários cens do chão nessa mesma postura. Parando cerca de dez mels de distância de Eugeo, que estava agachado sobre seus calcanhares e mãos no extremo sul daquela grande sala.

A Alto Ministro colocou o dedo indicador da mão direita sobre seus lábios, apoiado na guarda da cadeira invisível e olhou com dureza para o garoto jogado ao chão.

Ele pareceu incapaz de se mover e falar no momento, enquanto a mulher de olhos prateados lhe mostrava um sorriso cínico e falava:

“Estava realmente me perguntando onde estaria guardado tal brinquedinho… Isso foi algo bem típico daquela garotinha que vive em meios aos livros mofados, não é? E pensar que foi capaz de ficar escondido de minha vista. Devo dar os parabéns para ela, bolar algo assim em um tempo tão curto… exatamente o que deveria esperar de alguém que está há tanto tempo escondida fora do meu alcance.”

Ao dizer isso, desatou em uma risada silenciosa, porém, fazendo um grande arco com sua linda boca.

“Infelizmente, para ela, de nada adiantou. Não estive simplesmente dormindo por todo esse tempo. Aquela garotinha se enganou quando pensou que uma bugiganga metálica dessas pudesse me derrotar. Assegurei-me de que nenhum objeto de metal possa ferir minha pele, seja um machado como os dos orcs ou uma simples agulha de costura, nada pode me ferir.”

“O qu..?”

Ainda jogado no chão, Eugeo tentou responder.

Ela era imune as armas metálicas.

Se isso fosse realmente verdade, provavelmente mais da metade de todas as armas existentes estavam completamente inúteis. Mas isso também incluía a adaga de Cardinal? As membranas luminosas que frearam a ponta da pequena arma, era provavelmente uma técnica passiva defensiva, a qual Eugeo só tinha ouvido falar e não tinha a menor ideia de uma arte sagrada que pudesse desfazer seu efeito e mesmo se soubesse, duvidava que tivesse alguma capacidade de utilizá-la.

A Administrator sussurrou para o garoto que desesperadamente tentava manter-se em pé, falou com uma expressão de pena como quem julga um ser incapaz de fazer os mais básicos dos trabalhos, que tentava fazer o impossível que era destruir a existência mais poderosa desse mundo com uma patética arma diminuta.

Ela olhava Eugeo de cima enquanto pairava no ar, uma deusa olhando um simples mortal.

“Que garotinho mais lamentável!”

“…”

“E depois de tudo que lhe prometi… Só pedi que se doasse inteiramente para mim… em troca, lhe daria tanto amor. Um amor infinito, essa escravidão eterna a qual você vem buscando durante tanto tempo. Você me teria totalmente se tivesse esperado só mais um pouquinho.”

“…Amor… infinito…”

Eugeo inconscientemente repetiu essas palavras com a voz ressecada.

“Escravidão… eterna…”

A Alto Ministro assentiu com a cabeça, brincando com o Piety Module com sua mão esquerda.

“Sim, Eugeo. Se entregue completamente para mim para que essa sua sede torturante seja saciada imediatamente. Será liberto desse abraço implacável de insegurança e medo…

Essa é a sua última chance.

Destrua esse objeto inútil em sua mão direita com a espada que segura tão desesperadamente. Se fizer isso, lhe absolverei de todos os pecados com o meu amor ilimitado.”

“…”

Com a boca entreaberta, Eugeo olhou para a Blue Rose em sua mão esquerda e a adaga em sua direita.

“Você acha que amar é dominar e ser dominado…?

Você que é a pessoa lastimável. O ser deplorável aqui é justamente a Alto Ministro, por falar e pensar dessa maneira.”

“…!!”

Os lábios da Administrator se fecharam imediatamente.

Com apenas um gesto de sua mão direita, uma arte sagrada de autoridade extremamente alta acabaria com sua Vida instantaneamente. Porém, Eugeo continuou com suas palavras.

“…Concordo que eu sou igual a você nesse sentido. Realmente estive faminto de amor, o buscando desesperadamente… sem nada encontrar…”

Falou quase sussurrando essas palavras que machucavam tanto ele quanto ela.

“Agora, entendo que embora fosse um menino que de fato nunca fora amado por meus próprios pais, ainda assim, teve muitas outras pessoas que se dispuseram a isso…

O velho Garitta, o lenhador escolhido da antiga geração de Rulid. A irmã Azariya da Igreja da vila, a aprendiz de noviça, Selka.

Meu avô que me contava muitas histórias antigamente. Minha irmã mais velha, Sulinea, que sozinha se encarregava de cuidar de mim quando era apenas um bebê.

Banou e Toriza da fazenda Wolde com suas gêmeas Telin e Telulu.

O senhor Gorgolosso que me treinou. A instrutora Azurika.

Tiezé que sempre me brindava com seu lindo sorriso a cada dia quando trabalhava como minha valete. Ronye que sempre me apoiou enquanto ajudante de meu amigo…

E é claro, Kirito e Alice.

Então, não Administrator, se engana quando me chama de lastimável.”

Eugeo olhou diretamente as órbitas opacas sem pupilas da mulher, que emitiam uma luz misteriosa e crescente a cada palavra proferida por ele.

“Amar não é dominar. Não é buscar retribuição, não é algo que se possa receber em uma negociação. É algo que tem que ser dado e recebido livremente. Algo parecido como regar uma flor… isso é apenas uma maneira de encarar o que é o amor verdadeiro.”

Um sorriso surgiu nos lábios da Administrator conforme ele foi prosseguindo, porém, carecia da aparente doçura de antes.

“…Que infelicidade. E pensar que eu cheguei a oferecer perdão para esse garoto, esse grande pecador que se rebelou contra a Igreja Axiom e ainda quis salvar sua alma. Depois de tudo que ofertei, só recebi essas palavras ingratas.”

Eugeo perdeu o ar ao encarar aquela pessoa que flutuava e emitia uma aura humana até então, virar uma deusa implacável em um piscar de olhos.

Nada de fato havia mudado em seu exterior, porém, uma incomensurável e intimidante presença se apresentou, algo que só podia ser descrito como uma divindade se mostrando em sua totalidade, com sua pele quase translúcida. Uma manifestação de força aterradora que parecia poder destruir um exército de experientes espadachins ou usuários de artes sagradas sem o menor esforço, com um simples movimento de mãos.

“Eugeo… creio que você possa estar pensando que… eu necessite de você, correto? Que irei hesitar em tomar-lhe a vida só porque te quis como um cavaleiro… ou algo assim, não é?”

O mecânico sorriso da divindade não expressava nenhuma emoção.

Ele não podia fazer mais nada a não ser se agarrar o mais firme possível a adaga em sua mão direita enquanto suportava o sentimento de intimidação esmagador.

“Ufufu….!

Não meu caro, não necessito de um menino chato como você. Drenarei toda sua Vida ou quem sabe… lhe farei um favor e lhe transformarei em uma pequenina joia e o guardarei em alguma gaveta. Ou então te usarei em mim para tentar sentir alguma emoção toda vez que lhe ver. Mas o mais provável é que com o passar dos anos, você servirá apenas para marcar algum período de minhas memórias quando eu as arquivar.”

A Administrator disse isso com um sorriso entre dentes enquanto suavemente cruzava as pernas sentada em sua cadeira flutuante invisível.

Aquilo com toda a certeza não era uma ameaça vazia. A Alto Ministro da Igreja Axiom realmente podia cumprir com suas palavras no momento que desejasse.

Não havia mais escapatória, tinha perdido todas as oportunidades de sair dessa com vida.  Tentar usar o disco de elevação para alcançar as escadas dos andares abaixo também estava fora de questão. Pois mesmo que conseguisse tempo suficiente para pegar o disco, quebrar a grossa camada de gelo do piso andar de baixo, ainda lhe restavam muitas centenas de mels acima do chão, com apenas céu aberto a sua volta, não conseguiria fugir.

Além do mais, Eugeo já havia escolhido seu próprio destino no momento em que usou o Armament Full Control Art da Blue Rose em Kirito e Alice no nonagésimo nono andar. Decidiu naquela hora que iria apunhalar a administradora desse mundo com a adaga cedida por Cardinal mesmo custando a sua vida e sozinho.

Ela estava protegida por uma barreira que parava qualquer ataque de armas metálicas. Entretanto, Eugeo conseguiu comprovar que a proteção não era assim tão impenetrável quanto a Administrator estava afirmando.

Os círculos que surgiram pareceram se desestabilizar quando ele tentou empurrar a adaga na base da força bruta. Duvidava que aquele comportamento fosse a real finalidade da técnica defensiva, então, apostou que poderia usar essa possibilidade para fazer a adaga alcançar a Alto Ministro assim que ocorresse a explosão.

“Me transformar em uma joia?… Mas com essa aparência você nem precisa de adornos!”

Olhando Eugeo de lado, a Administrator sussurrou:

“Mas que garoto galanteador, disposto a me fazer baixar a guarda em seus últimos momentos…?

Me pergunto se não vou me aborrecer em ter que te matar e depois lhe transformar em joia? Mas creio que não vai levar tanto tempo quanto lhe submeter ao processo de síntese forçada como foi com aquela menina…”

Diante da situação, boa parte do que ela havia falado, Eugeo não conseguiu compreender, porém, algo lhe chamou a atenção.

“…Aquela… menina…?”

A mulher de cabelos prateados sorriu amplamente e assentiu com a cabeça.

“De fato. É a mesma garota a qual você está apaixonado, a pequena Thirty. Ela se recusava a recitar os comandos também, tanto que fez com que o sistema automatizado dos anciões gastasse vários dias para enfim eliminar a proteção de seu núcleo à força. Não presenciei por estar dormindo, porém, deve ter sido realmente insuportável…

O que acha? Quer experimentar?”

…Thirty… Alice…

Eugeo disse o nome mentalmente.

Mesmo não entendendo muitas coisas que saiam da boca da Administrator, ao menos uma coisa ele entendeu claramente.

A jovem Alice, que foi amarrada e arrastada para a Catedral Central oito anos atrás havia sido submetida a um tratamento atroz no processo de se converter em uma Integrity Knight. Como se negou a pronunciar a arte ‘remove core protection’, a qual Eugeo disse ao ceder às tentações da Administrator, abrindo as portas de seu coração e mente para ela, acabou sofrendo provações terríveis.

A dor das feridas que Eugeo recebeu em suas batalhas até agora empalideceram diante do que Alice deve ter passado.

Realmente ele poderia morrer ali, mas não se perdoaria se caísse sem ao menos conseguir golpear a Alto Ministro uma única vez.

“…”

Cerrando os dentes, Eugeo se levantou com os braços trêmulos e um pouco cambaleante.

Olhando para a Administrator, cujo olhos pareciam demonstrar menos interesse do que antes, enrolou a corrente da adaga em seu pulso direito e agarrou a empunhadura da Blue Rose com a mesma mão. Ao apertar o couro da empunhadura até que ele parecesse fazer parte de sua própria pele, a puxou para fora da bainha com um só movimento, lançando a proteção de sua lâmina no chão.

A espada brilhou em cor prateada e azul ao ser banhada pela luz da lua que vinha da janela em suas costas.

A mulher nua sentada em pleno ar, piscou ao receber o brilho refletido da luz da lâmina enquanto falou com a voz mais fria do que nunca.

“Entendo, então essa é sua resposta, menino. Muito bem…

Por entreter-me um pouco, lhe mostrarei alguma misericórdia e te matarei sem sofrimentos.”

Ao levantar a mão direita, apontou somente o dedo indicador para Eugeo.

A Administrator não parecia precisar recitar artes usando a língua sagrada ou qualquer outra língua. Entretanto, ela certamente tinha que cumprir alguns requisitos para que a sua arte ofensiva fosse ativada.

Isso era bem comum quando se tratava de elementos.

Geração e processamento.

Se fosse um elemento térmico, um tipo criogênico, por exemplo, ou algum outro, mesmo um mestre necessitaria de vários segundos para gerá-los e formá-los.

Portanto, esperando isso, Eugeo já havia tomado uma postura com sua querida espada em seu ombro direito para quando a Alto Ministro começasse a mover sua mão.

A lâmina da Blue Rose Sword estava coberta de um resplendor verde amarelado.

Alguns pontos luminosos surgiram na ponta dos dedos da Administrator.

“O… ohh!”

Essa foi sua última palavra antes de atacar e também sua derradeira técnica secreta.

Eugeo bateu seu pé no solo, perfeitamente consciente do que estava fazendo.

Técnica de avanço ultra-rápido do Estilo Aincrad, Sonic Leap.

A voz de Kirito reverberou em sua mente, como se ele estivesse falando ao seu lado.

“-Escute Eugeo, as técnicas secretas movem nossos corpos por conta própria. Porém, não podemos deixar que nos carreguem só por carregar.

Tem que se tornar um com a técnica e acelerá-la conforme você move seus pés e braços. Dessa forma, sua espada alcançará o inimigo mais rápido que a velocidade do som.

Quantas vezes já havia praticado? Quantas vezes havia falhado e foi-se ao chão ou parou sobre algum arbusto?

E nessas horas, quantas vezes escutou as gargalhadas de Kirito, rindo com felicidade?

A espada de Eugeo brilhou ainda mais, se transformando em um brilho verde muito escuro enquanto se elevava aos céus, ultrapassando inclusive a barreira do ar a frente que era cortada pela lâmina.

O sorriso da Administrator sumiu de seu rosto imediatamente enquanto estendia a mão direita.

Os elementos criogênicos, prontos para serem lançados sob a forma de farpas de gelo, estalaram ao entrar em contato com a Blue Rose Sword.

Imediatamente após isso, a técnica secreta ativada com toda força de Eugeo, se chocou contra a mão da Administrator, melhor dizendo, contra as membranas violetas que se expandiram há cinco cens de sua mão.

Um impacto com um ruído assustador atingiu o golpe de Eugeo.

A barreira violeta, capaz de repelir e destruir praticamente todas as armas de metal, capturou o Sonic Leap super acelerado, porém, as membranas se curvaram violentamente uma sobre as outras, fazendo as minúsculas letras sagradas tremerem desordenadamente.

A barreira deveria explodir como fez há poucos minutos antes de continuar se expandindo. Ele tinha que resistir de alguma maneira a essa explosão e conseguir cravar a adaga que carregava no pulso direito na Administrator. Não importava se seu corpo se partisse em pedaços desde que conseguisse cumprir seu intento.

“EX…PLO…DAAAAA!!!”

Eugeo gritou enquanto colocava toda a força que podia reunir na Blue Rose, que ainda conservava o brilho de sua técnica.

“…!”

A Alto Ministro permanecia em silêncio, porém, seus lábios não mostravam nenhum sinal de alegria ou satisfação. Uma luz negra girava em redemoinho nas profundezas de seus olhos semiabertos enquanto ela forçava seus cinco dedos da mão para frente, com o braço completamente estendido agora.

Não estava atacando com sua mão esquerda, pois estava segurando o Piety Module. A razão pela qual ela não largava o objeto mesmo dizendo que mataria Eugeo, devia ser que ainda queria tê-lo como um de seus cavaleiros, ou quem sabe, precisava daquilo para outra coisa.

Seja como for, de nada adiantaria ficar pensando nisso neste momento. Tinha que ter êxito nesse desesperado ataque final que provavelmente lhe tomaria toda a vitalidade e força. Se falhasse agora, estava tudo acabado.

“U… oooooooohhh…!”

Com mais esse grito, Eugeo usou toda força restante de seu treinado abdômen.

Um fenômeno imprevisto ocorreu outra vez diante de seus olhos.

A Blue Rose lentamente começou a se fundir na barreira violeta.

O impedimento mágico ainda tinha que desaparecer, entretanto, a ponta de sua amada espada que deveria estar sendo atacada ferozmente por aquelas pequenas letras sagradas circundantes, repelindo todo o metal, pouco a pouco estava… atravessando-a.

Aquilo definitivamente não era uma ilusão. A Administrator e seus arregalados olhos eram uma prova de que estava realmente acontecendo.

E após isso os eventos aceleraram de forma inacreditável.

Tendo interceptado a espada de Eugeo em pleno ar, a Administrator esticou-se rapidamente para o lado sem aviso prévio.

A barreira subitamente também sumiu, perdendo o alvo de sua proteção, então, a Blue Rose continuou sua trajetória para baixo, cortando nada mais do que o ar com um ruído agudo.

Vários mels do grosso tapete foram divididos em uma linha reta no momento em que a lâmina terminou seu avanço, tocando parte do chão.

Ele sabia que algo estranho havia acontecido. Tudo que tinha certeza era que até o momento estava combatendo uma arte ofensiva da Alto Ministro que estava imóvel, flutuando há poucos cens acima do chão. Suas extremidades agora estavam pesadas, provavelmente pela força empregada no golpe, porém, Eugeo sabia que não podia parar, então, pisou fortemente no solo mais uma vez para continuar a sequência de ataque.

Entretanto, sua inimiga demonstrou ser muito mais rápida dessa vez. Ela tinha novamente gerado elementos enquanto se esquivava do ataque anterior e já os lançava para cima de Eugeo.

Os pontos de luzes verdes já estavam juntos, todos concentrados diante de seus olhos no momento em que tinha entrado na postura para ativar a próxima habilidade.

Vendo isso, instintivamente Eugeo relaxou seu corpo e se protegeu usando a Blue Rose. Os elementos aéreos explodiram em um clarão verde quase que imediatamente, criando diversos redemoinhos violentos de vento que arrastou o garoto para o ar o enviando novamente a estourar-se contra a parede ao sul.

De maneira inusitada, porém, muito bem vinda, a Alto Ministro talvez em sua ânsia de parar o ataque de Eugeo, acabou ignorando o processo de manipulação de elemento e atacou com eles em sua forma pura. Se tivesse os moldados em lâminas de vento, por exemplo, poderia facilmente ter cortado alguns membros.

Entretanto, talvez não fosse algo assim tão bom. Dessa vez, ao invés de bater contra o vidro da janela, acabou chocando-se contra um dos gigantescos pilares que circundavam o mesmo.

Acoplada nesse pilar, estava uma enorme espada longa, a qual Eugeo acabou impactando-se diretamente antes de girar e cair no chão. Se a imitação de espada tivesse algum fio, teria sofrido um dano terrível, talvez até ao ponto de parti-lo ao meio.

Se fosse ter um pensamento positivo, não haver fio na espada decorativa pode também ter sido uma espécie de sorte, porém, infelizmente não estava em condições de ter pensamentos assim, só o que queria era conseguir respirar.

Tenho que me mover. Certamente outra terrível arte sagrada deve estar vindo.

Convencendo a si mesmo, Eugeo desesperadamente tratou de levantar a parte superior do corpo.

A Administrator aparentemente tinha voltado para cima da cama sem a cobertura, pois o brilho prateado de seus cabelos iluminavam as cortinas restantes. Mesmo o Sonic Leap não a alcançaria dessa distância, porém, não era barreira nenhuma para as artes sagradas.

Engatinhando, prestes a cair de exaustão e pelos ferimentos, era um alvo fácil.

“U… ghh…!”

Gemeu enquanto tentava se apoiar em seu joelho direito. Infelizmente, não tinha forças para conseguir usar essa perna.

Seus membros desobedeciam aos comandos para se moverem. Estavam erráticos, tremendo muito enquanto tentava se equilibrar sobre eles.

Ainda não! Não terminei o que tenho que fazer. Se me render agora, de que adiantou ter retornado para cá?

Pensou enquanto apertava mais os dentes.

Não, melhor dizendo, se eu me render agora, do que adiantou continuar vivendo até esse momento?

“Gu… o-ohh…!!”

Eugeo apoiou suas costas contra a espada decorativa do pilar enquanto, de alguma maneira, subia seu corpo usando a Blue Rose como ponto de equilíbrio. Ao que tudo indicava, tinha sofrido além de muitas contusões e fraturas, cortes também, pois seu sangue gotejava incessantemente no solo.

Deve ter se passado mais ou menos uns cinco segundos desde que havia caído ali, porém, a Alto Ministro estranhamente não tinha continuado com seu ataque.

Olhando mais atentamente, agora que tinha se levantado, ela ainda flutuava pouco acima da cama, uns vinte mels de distância em total silêncio.

Eventualmente, depois de mais alguns segundo, se colocou a flutuar pela sala sem um rumo específico enquanto sussurrava, quebrando enfim o silêncio.

“Essa espada… hummm, sim, acho que é isso…”

Ainda confuso sobre o significado das palavras daquela mulher, Eugeo olhou para sua mão direta.

A Blue Rose cravada no solo, servindo-lhe como um apoio, enquanto a adaga continuava presa pela corrente enrolada em seu pulso.

De qual espada a Administrator estava falando?

Sua intuição lhe disse que essa informação era de suma importância, porém, antes de chegar a uma resposta…

O silêncio que reinava no último andar da Catedral Central foi destroçado por um estranho grito que não vinha nem de Eugeo e nem da Administrator.

“Eeeek, eek, eeeeeeeeeeekkkk!!!”

Olhou a origem e viu o círculo no solo descer por uns quatro ou cinco mels. Era o disco de elevação que se conectava ao piso inferior. Uma voz mais forte ainda pode ser escutada outra vez do espaço redondo e escuro no tapete.

“S-So-socoorrooooooooo!!! Sua Eminênciaaaaaaaaa, Sua Eminência Alto Ministroooooo!!!!!”

Todo esse alarde só podia pertencer ao chefe Elder Chudelkin que tinha descido ao nonagésimo nono andar minutos antes.

Depois de escutar seus gritos esganiçados, a Administrator deu um passo para frente sem fazer nenhum som, tinha enfim aterrissado sobre a cama e resmungou.

“Como é que ele fica cada vez mais infantil com o passar dos anos? Creio que já é hora de lhe dar um reset.”

Eugeo lentamente se retirou para o lado da sala, distanciando-se do local do disco de elevação, enquanto era vigiado pelos olhos atentos da Administrator que sacudia casualmente a cabeça.

O dispositivo de transporte deveria estar voltando em sua velocidade padrão, de maneira que para retornar ao centésimo andar ainda iria levar algumas dezenas de segundos para trazer Chudelkin de volta.

Foi isso que o garoto pensou antes de ver mãos pálidas surgindo na borda do buraco, em uma altura completamente incompatível com a que o disco deveria estar. Seja o que for, o Chefe Elder não parecia estar usando o dispositivo de elevação subir.

“Hoooooooooooohhh!!”

A estranha voz ecoou uma terceira vez, seguida de uma redonda cabeça aparecendo logo após as mãos. A calvície tingida de um vermelho vivo devido ao esforço, sem nenhum fio de cabelo sequer, o Chefe Elder forçou seu corpo a atravessar a passagem, jogando-se logo após no chão com um som surdo.

Suas roupas pareciam estar levemente diferentes das que estava vestindo antes de descer para o andar abaixo, mesmo que as cores continuassem iguais, vermelho e azul, estavam completamente em pedaços, transformadas em trapos rasgados em diversas partes, sem contar que agora parecia muito maior do que antes, com algumas apresentando partículas de gelo… era isso ou o seu corpo…

Com um olhar desesperado assim que desabou no chão em uma posição nada digna, Chudelkin ficou arfando ruidosamente.

“Mas o que houve com suas roupas?”

A Administrator o indagou a distância.

Eugeo quase sentiu pena pelo estado em que se encontrava o Chefe Elder Chudelkin, com suas roupas rasgadas daquele jeito como se tivesse passado por algum tipo de triturador.

Sua cabeça arredondada e com uma silhueta estranhamente fina, destoando da sua habitual circunferência e baixa estatura, ele parecia agora um daqueles bonequinhos de palito que as crianças costumam desenhar.

O que será que aconteceu com esse palhaço que era tão gordo? Enquanto Eugeo ficava absorvido por essa inusitada questão, Chudelkin se colocou de pé sem prestar a atenção no garoto que estava pouco mais de um mel de distância e começou a se exclamar.

“P-Por favor, peço minhas humildes desculpas por incomodá-la ao me apresentar diante de Sua Eminência nesses trajes e dessa forma, minha grande e estimada Alto Ministro, entretanto, isso foi simplesmente o resultado da infeliz consequência da batalha feroz pela qual acabo de passar enquanto cumpria com minha promessa de matar os traidores e proteger a grande Igreja Axiom!”

Chudelkin ficou balbuciando desculpas e mais desculpas até se dar por conta, parar de narrar os fatos e arregalar seus olhos de meia lua ao notar a aparência completamente desnuda da Administrator. Suas duas mãos voaram imediatamente em seu próprio rosto redondo que havia ficado completamente vermelha enquanto gritava de maneira estridente.

“Haaaaauuaa!!!! Ohoooooooo!!! Seu humilde servo é indigno de contemplar o-o c-corpo de Ss-Su Eminência. Terei que arrancar meus olhos e transformar a mim mesmo em pedraaaaaaaa!!!”

Enquanto desatava a tagarelar sobre o quão era terrivelmente desmerecedor, os espaços entre seus dedos iam se abrindo, se abrindo… até que seus pequenos globos oculares pudessem visualizar a cena a sua frente, desprendendo um brilho insano de total satisfação.

A reação de Chudelkin foi tamanha que até a toda poderosa regente da Igreja Axiom pareceu se sentir incomodada pela primeira vez com aquilo pois logo tampou os seios com sua mão esquerda enquanto interrompia o falatório do palhaço com uma frase curta e fria.

“Cale a boca e diga logo o que você quer antes que realmente lhe transforme em uma pedra!”

“Hooooohh!! Hoaaaaa… aa… aaahhh…!”

Enquanto retorcia seu estranho corpo comprido e magro gritando coisas desconexas com um tom bizarro de voz, Chudelkin acabou percebendo que tinha passado do limite, pois congelou instantaneamente diante das palavras da Administrator.

Então, baixou sua cabeça totalmente ruborizada e suada e falou mais calmamente.

Deu meia volta se movimentando como um sapo extremamente comprido até o buraco no chão onde o disco tinha descido e ainda não retornado e falou desviando o olhar.

“T-Temos que… selar eles de uma vez! Essa dupla de demônios…!”

“Mas isso não era justamente o que você tinha que fazer? Não foi por acaso o que se propôs quando saiu daqui?”

A pergunta veio da Administrator, causando um estremecimento no palhaço.

“S-Seu humilde servo foi… submetido a uma grande e épica batalha de valor e coragem, terminando por ficar nessa aparência tão deplorável. Os traidores estão bastante acostumados a trilhar pelo caminho da covardia, enganação e astúcia…”

Ao ouvir essa desculpa esfarrapada do Chefe Elder, Eugeo começou a pensar.

Os traidores a que ele se referia, certamente, eram Kirito e Alice que Eugeo havia trancado no gelo no andar abaixo. E mesmo que ele fosse o segundo melhor usuário de artes sagradas da Igreja Axiom, se seus movimentos foram selados, pelo que palpita ter sido por elementais de gelo, a probabilidade de perder uma batalha se fazia muito alta, porém, como era de se esperar de alguém no alto escalão dessa organização mundial, Chudelkin ainda assim conseguiu escapar mesmo recebendo um provável e poderoso contra-ataque.

Com base nisso…

Eugeo inconscientemente deu um passo se afastando novamente do buraco.

Talvez tendo escutado ou percebido a movimentação em meio as milhares de desculpas, Chudelkin o olhou diretamente.

Seus finos olhos lacrimejantes arregalaram-se mais uma vez. Metendo o dedo indicador da mão esquerda em direção ao rosto de Eugeo, o palhaço Elder deu um grito autoritário como se tivesse esquecendo-se de sua própria vergonha.

“Hooaaaaa!! V-… Você, número Thirty Two!! O que pensa que está fazendo aquiiiiiii???? C-C…Como pode pensar em desembainhar essa sua lâmina nesse espaço sagrado na presença de Sua Eminência? Como pode? Como pooooooode!? Vamos! Ajoelhe-se agora! Fique de cabeça abaixada!!! Agooooooraaaaaaa!!!!”

“…!”

As palavras de Chudelkin sequer causaram algum efeito, nem ao menos foram registradas pela mente de Eugeo.

O garoto estava atento nas silenciosas vibrações vindas do andar abaixo, os sons do pesado disco de elevação ascendendo com o poder das artes sagradas.

O Chefe Elder, mesmo em sua completa imersão ao lhe dirigir maldições, pragas e ameaças, também acabou percebendo os ruídos com algum tempo de atraso.

Então, imediatamente parou com os xingamentos, virou para o buraco e deu uma olhada receosa.

“HOOAAAAA…..!!!”

Com um grito mais intenso, olhou mais uma vez para Eugeo.

“V-…V-Vá agora, número Thirty Two!! O que está esperando? Apresse-se e vá lá para baixo!! Tudo isso aconteceu em primeiro lugar, por sua culpa, por não ter dado cabo deles da maneira apropriada.

Vê? Nada do que aconteceu foi minha responsabilidade, Sua Eminência, por favor, lhe suplico que entenda isso e…”

Chudelkin seguia com seu discurso enquanto movia ágil e disfarçadamente seu pé direito em direção à cama da Administrator, como se tivesse se convidando…

Porém, nesse instante uma mão se estendeu vinda do buraco no solo e agarrou seu pé fortemente.

“H-Hohiiiiieeeeee….!!”

Gritando com seus olhos praticamente saltados fora das órbitas, Chudelkin começou a se sacudir, fazendo seu sapato pontiagudo do pé direito sair fora, mostrando um apoio corporal deveras incompatível com nenhuma de suas aparências, nem a esférica e nem a extremamente fina. Entretanto, aproveitou a situação para criar uma rota de fuga.

Sem o seu sapato, Elder aproveitou o corpo esguio e ágil para correr até a cama da Administrator e sumir por entre as muitas cortinas que ainda restavam sobre ela em meio à penumbra.

A Alto Ministro do outro lado da cama, apenas olhou silenciosamente para baixo em direção ao buraco com um grande sorriso nos lábios, perdendo totalmente o interesse no seu assecla idiota.

Eugeo sentiu que devia atacá-la imediatamente ao menor sinal dela tentar fazer algo, porém, ao contrário do que achou, ela apenas parecia estar esperando silenciosamente para dar as boas vindas aos seus novos convidados.

O garoto confirmou isso quando viu finalmente o disco de elevação prestes a parar totalmente no andar.

A mão que segurava o sapado de Chudelkin permanecia erguida. A manga negra um pouco esfarrapada deixava à vista um braço com músculos esguios, porém, firmes.

Quantas vezes aquele braço havia se defendido de seus ataques?

Ou melhor, quantas vezes aquela mão o empurrou para chegar até aqui? E inclusive continua fazendo isso nesse exato instante. Mesmo agora, depois que Eugeo tinha se desviado de seu caminho e apontado uma espada até a pessoa a qual pertencia esse braço.

O disco continuava a subida.

O cabelo negro foi o seguinte a aparecer, totalmente desgrenhado pelo combate e também por sua própria natureza rebelde. Após, estava seus dois olhos escuros como o céu noturno, brilhantes como um prisma iluminado pelas estrelas e por último… uma boca mostrando um sorriso valente e cheio de confiança…

“Kirito…”

A voz de Eugeo saiu como um sussurro enquanto falava o nome de seu amigo. Não deveria ter sido suficientemente forte para se ouvir longe, porém, como se fosse um dia comum, em uma situação corriqueira, seu companheiro olhou diretamente para Eugeo e assentiu com a cabeça, da mesma maneira de sempre, com o mesmo sorriso radiante.

Era quente, forte e exatamente na mesma intensidade desde que o conhecera pela primeira vez.

O disco fez um ruído alto enquanto parava finalmente.

“Kirito… você…”

Uma profunda emoção explodia em seu peito, um sentimento ou vários aos quais não conseguia nomear, tão forte que doía.

Porém, mesmo com essa intensidade, não era de forma alguma desagradável. Era uma dor de fato nostálgica, quase terna, um lembrete de que aquilo era realmente um sentimento precioso, totalmente ao contrário da agonia que sentia em sua cabeça quando o Piety Module estava cravado nela.

Com os olhos fixos em Eugeo, que havia caído em silêncio, o jovem de negro, seu amigo e também seu mentor, fez o que qualquer amigo faria…

Rui de forma arrogante e falou:

“E aí, Eugeo? Tudo tranquilo?”

“Eu… disse que não era para vir aqui…”

Instintivamente acabou retrucando de alguma maneira enquanto seu companheiro lhe jogava o sapato de Chudelkin com um sorriso brincalhão.

“Diga-me uma única vez que acabei seguindo seus conselhos como um bom menino?”

“É verdade, você sempre com essa… mania de.. de…”

As palavras restantes morreram.

Ele queria expiar seu pecado de voltar sua espada contra seu amigo, seu irmão, com sua própria vida. Estava preparado para usar sua última esperança, a adaga de Cardinal, na Administrator mesmo que seu corpo se despedaçasse.

Porém, acabou se reunindo novamente com Kirito antes de completar sua missão final, isso não deveria acontecer, ele não deveria estar aqui.

Não, isso não era verdade. Não tinha como repreendê-lo. Kirito chegou até aqui por suas próprias forças.

Ele rompeu o Full Control Art de seu amigo, repeliu o Chefe Elder Chudelkin e veio subindo até o último andar enquanto Eugeo ainda estava vivo.

Sim, ainda estou vivo. A adaga continua em minha mão direita. Portanto, ainda é tempo de lutar. Isso é tudo que preciso pensar agora.

Eugeo tirou o olhar de seu companheiro e o dirigiu para o centro da sala.

A Administrator ainda mostrava seu grande e enigmático sorriso enquanto permanecia tranquilamente imóvel na gigantesca cama. Suas grandes órbitas prateadas, seus espetaculares olhos ocultavam suas emoções mais profundas, a única coisa que podia demonstrar suas intenções eram as movimentações luminosas brancas e azuladas que circundavam aquilo que pareciam ser duas maravilhosas joias.

Tudo que parecia que ela estava fazendo era ficar olhando seu novo visitante.

Ele tinha que avisar Kirito antes que a batalha recomeçasse. Que a carne da Alto Ministro estava protegida por uma barreira que repelia qualquer objeto metálico… e que era praticamente intransponível.

Com o olhar fixado atentamente naquela bela mulher, Eugeo lentamente começou a se mover até seu companheiro.

E repentinamente.

Escutou um ligeiro ruído metálico que o fez olhar rapidamente até sua origem.

Outra pessoa saiu por trás da sombra projetada pelo pilar próximo de onde estavam, a direita de Kirito.

Cabelos e armadura dourados envoltos em um nobre resplendor, absorvendo a luminosidade lunar azulada. A Fragrant Olive Sword, um instrumento sagrado inspirado em uma flor, presa no lado esquerdo de sua cintura. Um avental branco sobre um vestido azul.

Era a Integrity Knight, Alice Synthesis Thirty.

Os olhos de Eugeo refletiam a garota. Ela estava cooperando com Kirito desde o nonagésimo andar. Porém, a dor em seu peito cresceu mais ao vê-la parada ali, lado a lado. Seus pés que o levavam para perto de seu amigo, acabaram parando envergonhado.

A Knight Alice primeiro olhou para a Alto Ministro e depois para Eugeo.

A bandana negra ainda permanecia amarrada no lado direito de seu rosto. Provável que ela pudesse ter se curado totalmente, como uma Integrity Knight com habilidade equivalente aos dos usuários de artes sagradas de alta categoria, entretanto, sabia que ela havia decidido isso para aceitar aquela dor.

Eugeo observou o olho esquerdo de Alice, tingido de azul índigo escuro, inundado por várias emoções. Uma que provavelmente dizia que era uma existência acima de qualquer humano e várias outras que diziam o contrário. Era um semblante completamente diferente da fria apatia que encontrou no jardim do octogésimo andar.

Apesar de saber que deveria recuperar suas memórias como Alice Schuberg, que esse era o certo, o fato de saber que esteve vivendo uma mentira, fazia o mundo interno da Integrity Knight Alice ser revirado totalmente.

E mesmo com tudo isso, ela ainda conseguiu tomar uma decisão.

Com certeza a pessoa ao seu lado, o rapaz de cabelos negros, foi quem conseguiu lograr sucesso em lhe aconselhar. As palavras de Kirito conseguiram alcançar o coração congelado da mulher cavaleiro Alice, que se apresentava como se nunca fosse possível de se derreter.

Sim…

Se ele conseguisse esse fragmento de memória ao qual Cardinal falou, o que deve estar guardado em algum lugar nessa sala, a mente da jovem instantaneamente voltaria a ser a Alice Schuberg, a amiga de infância de Eugeo.

Ao mesmo tempo, a personalidade de Alice como uma Integrity Knight, a personalidade que provavelmente conversou com Kirito, que desembainhou sua espada, aguentando a dor de perder seu olho direito e que firmemente decidiu lutar contra a Igreja Axiom juntando forças com ele, desapareceria.

Essa foi até agora a maior esperança de Eugeo e a razão pela qual o fez continuar lutando até então. Mas… como Kirito reagiria diante desse fato? Será que ele conseguiria ir até as últimas consequências em uma batalha como fez com a subcomandante Fanatio…?

Respirando profundamente, Eugeo interrompeu seus pensamentos.

Tinha que focar na batalha final. Precisava considerar vários assuntos antes e um deles dizia a respeito do porquê do silêncio da Administrator enquanto observava a cena a sua frente. De todos os modos, deveria esperar tudo dela, inclusive um ataque massivo a qualquer momento.

Desviando o olhar de Alice, Eugeo observou mais detalhes da grande sala enquanto se colocava em movimento. Alcançando o brilho da luz da lua que vinham das janelas atrás deles e cuidadosamente caminhou até ir para o outro lado de Kirito.

Este sussurrou para Eugeo, que estava ainda se apoiando na Blue Rose desembainhada e cravada no solo mais uma vez.

“Cara, você está horrível… não creio que tenha sido eu que lhe causou tudo isso, não é?”

“…”

Em resposta à pergunta de seu companheiro, disse logo o que veio à mente, acostumada a entrar sempre naquelas disputas inúteis e discussões que eles sempre tiveram.

Relaxando um pouco a tensão, falou.

“A sua espada não me atingiu diretamente uma única vez. Isso aqui aconteceu porque bati com as costas nesse pilar ali.”

“Viu só? Por isso deveria ter nos esperado.”

“Esperado? Mas do que está falando? Fui eu quem os prendeu, esqueceu?”

“Como se fôssemos realmente ficar presos lá só com aquilo…”

Entre sussurros, cutucadas e alfinetadas sobre como agiram ou deixaram de agir, sem que notassem, tinham retornado aos seus velhos hábitos, como se nunca tivessem sido separados no octogésimo andar… igual à quando viviam juntos na academia.

Graças a isso, a dor em seu peito ficou um pouco menor.

Entretanto, não era com poucas palavras e atitudes como as que tinham antes que iriam apagar todos seus pecados como ter apontado e ferido seu melhor amigo com uma espada, se rendendo aos encantos da sua pior inimiga, a Alto Ministro e esquecendo seu objetivo inicial.

Eugeo torceu os lábios, interrompendo a conversa e apertou a empunhadura de sua amada espada.

Kirito, focando novamente, também começou a prestar a atenção, observando silenciosamente de longe a imensa sala. Depois de um tempo, falou baixinho com a voz tensa.

“Então… essa é a tal Alto Ministro, a Administrator, não é?”

Quem lhe respondeu foi a mulher cavaleiro em seu outro lado, Alice.

“Sim… e ela está exatamente igual ao que era, seis anos atrás…”

Talvez por ter escutado essa última parte da conversa, a Administrator finalmente rompeu o silêncio.

“Certo, certo… esta deve ser a primeira vez que tenho tantos visitantes aqui em meus aposentos, não é Chudelkin? E falando nisso, você não disse que se encarregaria da pequena Alice e do garoto irregular?”

As cortinas de um dos lados da cama de repente se ergueu, e delas, surgiu uma cabeça. Olhando para a direção contrária de sua mestra, o Chefe Elder Chudelkin coçou o queixo enquanto gritava estridentemente.

“Hoh, hohiiii!!! S-…Seu humilde servo acabou reduzido a esse estado deplorável depois de uma feroz batalha de valor e coragem e…”

“Já basta! Isso eu já ouvi.”

“Hoaaaa! N… Não foi minha culpaaaaaa! Tudo isso aconteceu porque o Thirty Two foi muito gentil e fez menos do que deveria, cobrindo apenas a metade desses dois traidores dentro do gelo… além do mais, essa malcriada da Thirty, essa ridícula cavaleira ousou a utilizar o Release Recollection em miiiimmmm!! É claro, que eu não serei derrotado jamais por essa técnica cheia de brilhos como a dela, não tocará em nenhum fio de meu liiiiindo cabelinho, hohihihiiii!”

“Vou definitivamente pulverizar esse lixo…”

A voz sussurrada de Alice disse essas frias palavras cheias de rancor e sede de sangue.

Ignorando isso, Chudelkin se virou para a Administrator a observando mais uma vez de canto de olho. A mulher estava sobre a cama esperando o resto do relato de seu subordinado, que continuou a falar com sua voz irritante.

“Em primeiro lugar, até os números One e Two acabaram sendo derrotados! A estupidez daqueles dois deve ter infectado a Thirty também, estoooou muito seguro dissoooo!”

“Hummm, muito bem… cale-se agora!”

Chudelkin ficou mudo imediatamente, se jogando prostrado ao chão. Porém, parecia que seus olhos, agora amplamente abertos, continuava cobiçando o corpo nu da Administrator sem nenhum pudor.

Apesar de dizer que não tinha interesse nas ações do Chefe Elder, a mulher ficou olhando Alice diretamente nos olhos enquanto inclinava levemente a cabeça…

“Era só questão de tempo para dar um restart em Bercouli e Fanatio, mas… Alice, eu só tinha usado você por mero seis anos, não é? Nunca vi um error em circuitos lógicos tão novos… Me pergunto se tudo é por causa da influência desse garoto irregular? Se for, é realmente… fascinante.”

Dessa vez Eugeo não entendeu praticamente nada das palavras da Alto Ministro. Porém, o tom usado por ela lhe causou calafrio, como se tivesse se referindo a animais de abate ou mesmo uma ferramenta qualquer.

“Ei, minha pequena Alice. Você tem algo para me dizer, não é? Não irei ficar brava, portanto, pode me contar sem receio.”

A Administrator deu um passo para frente ainda sobre a cama com um pequeno sorriso.

Como se fosse empurrada por um muro invisível, Alice deu um passo para trás.

Eugeo, olhando para a deusa e ao mesmo tempo observando de canto de olho a mulher cavaleiro empalidecer e ficar tão branca quanto à luz da luz filtrada pelas janelas, contorcendo os lábios.

Porém, os pés de Alice não continuaram a retroceder, pois assim que deu o passo, retirou rapidamente sua luva dourada e com os dedos nus de sua mão esquerda, tocou suavemente o curativo improvisado em seu olho direito. Então, como se a tosca peça de pano tivesse lhe concedido forças, o passo que havia dado para trás, voltou a ser dado para frente.

Sua forte pisada ressoou pelo grosso tapete, um barulho como se tivesse tocado diretamente na pedra lisa. E, no lugar de ajoelhar-se, a guerreira dourada inflou seu peito orgulhosamente até sua mestra e com frieza na voz falou em um tom poderoso.

“Estimada Alto Ministro. Hoje será o fim da nobre ordem dos Integrity Knight. Fomos derrotados pelas espadas manuseadas por esses dois simples rebeldes parados ao meu lado. Os cavaleiros sagrados cairão, assim como essa sua obsessão insaciável por poder e enganação aos quais firmou a construção dessa torre!! ”

 

GRANDES PESSOAS!!!

TUDO TRANQUILINHO? PARTY FORMADA É HORA DE SENTAR A PORRADA NA PELADONA.

Sword Art Online – Alicization Uniting

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization Underworld – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Ignite nela!!