Sword Art Online Alicization Dividing em Português – Underworld – Capítulo 11 – Parte 4.1 – Final

Arco: Alicization – Dividing

Capítulo 11

Parte 4

Sword Art Online Alicization - Eugeo x Kirito - DividingAlice e eu paramos tão somente por cinco minutos ao ver aquela cena bizarra.

Depois de nos entreolharmos, tomei a dianteira e comecei a corrida por aquele corredor estreito.

Felizmente, não parecia conter nenhum tipo de armadilha como aquele gás tóxico vermelho que acabei inalando há pouco tempo. Era incrível pensar que o chefe Chudelkin estaria usando uma roupa preparada com veneno ou que aquele corpo tivesse propriedades tão… estranhas.

A pequena passagem era realmente feita para alguém de seu tamanho diminuto, pois se nos descuidássemos, bateríamos a cabeça no teto.

Os sons arrastados que ouvia logo atrás de mim eram das ombreiras da pesada armadura de Alice que raspavam nas laterais das paredes do corredor. Até eu, que não tinha nada além de minha roupa, tive certa dificuldade de prosseguir com a espada desembainhada enquanto carregava a Blue Rose na cintura, pois volta e meia ela acaba cravando em um dos cantos.

Após uma suave curva, surgiu um lance de escadas nos impelindo a subir. Detivemos-nos um momento no primeiro degrau para confirmar que não se tratava de uma emboscada e depois continuamos a avançar.

Não era mais possível ouvir os passos de Chudelkin correndo a frente, somente o ar gelado nos acompanhava durante a caminhada naquela via escura.

O tamanho das escadas realmente me surpreendeu, pois se estendiam por três andares ininterruptamente, compondo do nonagésimo sexto até o nonagésimo oitavo piso. Corroborando com a altura gigantesca do teto que vi da Câmara dos Anciões, onde ficam aquelas pobres almas automatizadas. Então, supus que a escada terminaria no nonagésimo nono nível.

A longa batalha contra a Igreja Axiom, que havia iniciado sua parte final desde a prisão subterrânea, a qual venho trabalhando há dois anos, no momento em que parti de Rulid com Eugeo, iria finalmente terminar nos próximos dois andares.

Meu companheiro não estava mais ao meu lado, mas provavelmente irei encontrá-lo no quarto da Administrator, se as palavras do Knight Commander Bercouli estivessem certas.

Irei devolver a Blue Rose Sword para seu dono e nós três, incluindo Alice, derrotaremos Chudelkin e a Alto Ministro desse mundo.

Para só então…

Balancei a cabeça negativamente por alguns instantes, para evitar fazer planos muito além da minha atual situação. Após fazer isso, me concentrei na pequena iluminação que apareceu no final da escadaria.

Não tinha tempo agora para ficar pensando no que iria acontecer depois de tudo ter terminado. Agora era o momento apenas de me concentrar na batalha final e somente isso.

Foi no instante em que foquei todos os esforços, que escutei algo bem fraquinho… a voz esganiçada do chefe Elder.

System Call! Generaaaaaaate…

Era o comando para evocação de alguma arte sagrada de ataque, um elemental possivelmente. Automaticamente me coloquei em guarda, porém, não podíamos parar de avançar. A luz que vimos anteriormente no alto da escada desapareceu em um flash!

“…Estamos quase lá!”

Respondi para Alice quando ela gritou em sinal de advertência atrás de mim.

“Cuidado! Ele está preparando uma armadilha para nós!”

“Eu sei!”

Assentindo com a cabeça, preparei minha espada negra enquanto corria o mais rápido possível.

A magia era muito útil quando usada em ataques surpresa, principalmente nesse mundo onde era possível preparar e carregar os elementos. A geração de um único elemento térmico, com as devidas alterações de sua forma, poderia criar uma arma de fogo pronta para disparar em seu inimigo assim que ele entrasse em foco.

Entretanto, por outro lado, as artes sagradas desse tipo podem ser limitadas pelo número de elementos criados.

Pegando um elemento básico como o fogo, por exemplo, se for um estudante que acaba de começar a aprender a manipulação ou se for um usuário experiente fazendo a conjuração desse único elemento, sua potência serão exatamente a mesma, porém, existe sim uma enorme diferença entre os dois usuários.

Essa diferença está na capacidade de cada um de manipular vários elementos ao mesmo tempo. E isso se dá somente por um longo e extenuante treinamento. No caso citado, um usuário experiente poderá facilmente gerar dez elementos de uma vez só, enquanto o novato, provavelmente manipulará apenas um. Esse limite se dá, pois a arte de manipulação elemental requer um dedo para se manter em carga para cada material gerado.

Minha amiga negra, por sua natureza de poder absorver energia, pode me proteger de um ataque concentrado de dez elementos térmicos ou criogênicos ao mesmo tempo.

Se Chudelkin apontar um ataque surpresa contra nós, minha chance de revidar será muito alta, mas somente se conseguir chegar até o andar, saindo dessa escadaria onde somos alvo fácil. Minha ideia é ir o mais rápido possível e entrar cautelosamente até lá.

Depois de decidir isso, acelerei o passo nos poucos metros que restavam, dando um grande salto na etapa final da escalada.

Porém, ao contrário do que estava esperando, não houve nenhum mar de chamas e nem chuva de lanças de gelo.

Girando no ar e aterrissando no chão, olhei 360 graus da grande sala e não consegui avistar nenhum sinal do maldito Chudelkin. A única movimentação foi de Alice que chegou logo em meu encalço, cobrindo os últimos degraus da grande escadaria.

A garota fez exatamente o que havia acabado de fazer, olhando tudo ao seu redor.

Depois de breves instantes, franziu a testa e falou:

“Acabamos de ouvir aquele desgraçado recitar um feitiço, mas… não há nada aqui!… Será que Chudelkin desistiu de nos atacar de surpresa e escapou por outra passagem… talvez para o centésimo andar…?”

Acompanhei o raciocínio de Alice e olhei para o teto.

“Mas ali não existe somente o quarto da Adminsitrator? Será que o não mais tão gorducho Chudelkin tem permissão de ir entrando assim sem avisar?…”

“Pois é, duvido muito que tenha algo assim… E falando nisso, onde fica a escada que sobe para o quarto dela?”

Olhei com mais atenção o lugar onde estávamos, era uma sala circular muito ampla.

O diâmetro devia ser algo em torno de trinta metros, do chão ao teto com paredes curvadas, eram tudo feito do mesmo tipo de mármore branco com alguns pequenos objetos decorativos.

Havia várias lamparinas muito grandes dispostas nas laterais, mas no momento, apenas quatro delas estavam acesas, deixando o local em uma leve penumbra.

Levando-me a pensar se todas estivessem acesas ao mesmo tempo, provavelmente produziriam um efeito cegante, dado o nível de brancura do salão.

A escada que tínhamos vindo desembocava em uma abertura na borda daquela parede curvada. Ao seu lado havia uma porta com o mesmo ângulo de curvatura e na mesma cor branca do material usado para cobrir todo o lugar. Se estivesse fechada, provavelmente se mesclaria com perfeição ao solo, criando um efeito incrível.

Da mesma fora, poderia haver outra porta oculta que dava acesso às escadas para o piso superior. Com isso em mente, fiquei buscando fissuras ou marcas em todos os lugares, porém, não conseguia ver nada parecido.

Pensei também que poderia golpear o teto com alguma habilidade e onde estivesse mais fraco, ou seja, onde estivesse a porta de acesso, provavelmente faria um rombo.

Entendendo que essa era a melhor opção, apertei o cabo de minha espada na mão direita e…

“…Esse salão…”

Alice murmurou de repente. Girando em seu calcanhar, me encarou com seu olho esquerdo levemente aberto.

Perguntei.

“…O que tem esse lugar?”

“Creio que… foi aqui onde despertei como aprendiz de Integrity Knight, seis anos atrás…”

“…Você tem certeza?”

“Sim… todas essas lamparinas estavam acesas… e essa sala brilhava intensamente…

E a estimada Alto Ministro estava bem no centro dela quando acordei…

-Desperte, filha dos deuses’… foi o que ela disse…”

Alice deve ter se dado conta de que sem querer, tinha assumido novamente o tom respeitoso. Porém, assim que disse, logo franziu o rosto e continuou falando.

“…A aceitei como a grande ministra oficial dos deuses. Me falou sobre minhas memórias anteriores bloqueadas temporariamente para cumprir com êxito minha missão como uma Integrity Knight. Fiquei sob os cuidados desde então do meu grande senhor… o comandante Bercouli.

Lembro-me vagamente de ter uma depressão em algum lugar aqui no chão, parecida com a superfície de pouso do disco de elevação construída nos andares do meio dessa torre. Desde então, nunca mais estive nessa sala.”

“Uma depressão… no solo?”

Inclinando a cabeça, comecei a pisar no mármore do chão com um pouco de força, para ver se achava a tal depressão.

Entretanto, só conseguia sentir a firmeza da pedra polida sob a sola de minhas botas.

Comecei a imaginar o quão absurdo seria ficar testando o solo daquela enorme sala e também imaginando que mesmo achando a tal depressão, não tínhamos nenhum método para fazer o hipotético disco elevador baixar.

“Alice, você se lembra por acaso como a Administrator voltou para seus aposentos naquela vez?”

A mulher cavaleiro ficou pensando por um tempo com o dedo da mão esquerda sobre os lábios.

“Eu acho que… antes de sair daqui com o senhor Bercouli, creio ter visto ela olhar para o teto… enquanto descia algo parecido com um pequeno círculo…”

“É isso!”

Essa era a informação que queria. Então, fiquei olhando para o teto, ver se achava algum sinal de orifício naquele extremamente branco teto oval. Infelizmente, depois de quase ter um torcicolo, nada encontrei. Nenhum objeto que pudesse se parecer com um interruptor, nenhum item ou construção que se assemelhasse com aquela que tinha no quinquagésimo e octogésimo andar.

Mas tinha que ter algo, uma alavanca, botão… qualquer coisa.

“Ah…! É mesmo, talvez a chave seja o comando que Chudelkin estava falando naquela hora…”

Alice respondeu minha dúvida afirmativamente com a cabeça.

“Então… aquela arte realmente não tinha nada relacionado com uma arte ofensiva…?  Você se lembra o que ele recitou, Kirito? Quais foram as palavras que disse após o gritar generate?”

“B-Bem…hã….!”

Estava quase dizendo que não fazia a menor ideia, mas antes de responder, vasculhei o que pude de minha memória. Parece que após o comando padrão de gerar algo, a voz estridente daquele cara disse…

Lili…, acho que algo que começava com ‘li’…”

“Hum…”

Alice me deu uma olhada fria enquanto me via quase fritar o cérebro tentando lembrar algo útil para a situação.

“Acho que com isso já dá. O único comando que me ocorre começando com ‘li’ é o que envolve elementos luminosos.”

Como não podia ajudar mais em nada, apenas concordei com a cabeça. Então, Alice embainhou sua espada novamente e ergueu suas duas mãos para o teto.

System call!! Generate light element!!

O número de elementos luminosos que a garota gerou facilmente na ponta de seus dedos, não podia ser outro senão o limite de uma invocação, ou seja, dez pontos de luz esplendorosos.

Giraram e pulsaram em um padrão radial ao partirem a toda velocidade para cima. Foram atingindo, um após o outro, vários pontos do teto, todos sem fazer o menor ruído, exceto um, que soltou um grande flash também em forma circular com o diâmetro de aproximadamente um metro. Sua localização não se dava no centro e sim bem próxima da parede.

Fui para o lado de Alice, para verificar melhor o fenômeno. O efeito de luz se desfez no exato momento em que colidiu com a superfície, porém, o padrão no formato circular permaneceu visível. Lentamente uma parte do teto de mármore deslizou-se para baixo e iniciou uma suave descida.

A chapa que se desprendia do teto era incrivelmente espessa, cerca de cinquenta centímetros aproximadamente e aparentava ser muito pesada. Porém, incrivelmente se movia sem fazer o menor dos ruídos ou tremor.

Imaginei que o elemento luminoso deve ter servido de interruptor que energizou o mecanismo de movimentação dessa grande placa de mármore mas não conseguia dizer exatamente como aquilo deve ter sido construído.

Muito provavelmente estivesse em pé de igualdade a todos os fenômenos inexplicáveis que ocorriam na Grande Sala da Biblioteca onde Cardinal operava verdadeiros milagres com suas artes poderosíssimas.

Afinal, esse mecanismo certamente era criação da Administrator, o ser mais poderoso desse local.

O disco de elevação, como Alice o chamou, fez um pequeno barulho e apenas quando tocou o solo. Sua superfície era totalmente tingida de vermelho no lugar de seu outro lado de mármore incrivelmente branco. Conforme se movia, parecia emitir certo brilho branco azulado que vinha do buraco circular no teto.

Enfim, o caminho para o próximo nível tinha sido aberto.

A maior e última batalha finalmente começaria quando Alice e eu subíssemos nesse disco e chegássemos ao centésimo andar.

O plano inicial era apunhalar a Administrator com nossa arma secreta, a adaga que carregávamos enquanto ela ainda estivesse dormindo e deixar tudo a cargo de Cardinal. Entretanto, a administradora, governante da Igreja Axiom deve de ter acordado com a chegada de Chudelkin ao seus aposentos… e sem contar que já havia utilizado a outra adaga com a subcomandante Fanatio. Se fosse um jogo de cartas, diria que nossa mão não era muito boa.

Por sorte, vou considerar assim, estava comigo a Integrity Knight Alice, que havia concordado em lutar para que sua antiga personalidade voltasse a ser o que era, a Alice original.

Portanto, não era mais necessário usar a adaga que estava com Eugeo na mulher que agora era nossa aliada. Só precisávamos resgatar Eugeo que provavelmente estava congelado ali no último andar e por fim, cravar sua adaga bem no peito da senhora Administrator.

Parecia um plano bem arriscado ou talvez nem desse para considerar um plano mas… era nossa única chance. Não conseguia nos ver ganhando em qualquer outro cenário.

Ao que parecia, Alice também estava tomando suas últimas resoluções, se enchendo de coragem para enfrentar a dura realidade.

Trocamos olhares silenciosos enquanto assentíamos com a cabeça. Por fim, falamos:

“…Vamos!”

“Vamos zerar isso de uma vez!”

A poderosa Integrity Knight Alice Synthesis Thirty, que provavelmente não entendeu minhas últimas palavras e eu, o espadachim em treinamento, Kirito, caminhamos em direção ao disco de elevação, que tinha a tarefa de subir os quinze metros finais de nossa aventura.

Um passo, dois, três e…

A luz branca azulada que provavelmente fosse a luz da lua de repente parou de fluir do buraco no teto.

Quando a mesma voltou a surgir, estava refletida em algo que me cegou por alguns breves instantes. Estava banhando uma pesada e elegante armadura. Possuía um longo manto que sacudia-se lentamente por algum tipo de brisa repousando sobre suas bem delineadas ombreiras.

Lentamente começou a descer pelo sulco do teto, como se estivesse usando alguma corda ou algo assim, estava a mais ou menos seis metros do chão.

A julgar pelo seu tamanho, dificilmente se tratava de Chudelkin. Rapidamente cogitei se era a própria Administrator descendo, com sua armadura completa, tomada por um sentimento de raiva e infortúnio, vindo nos punir aqui mesmo no nonagésimo non andar.

Era difícil de fato ver seu rosto que momentaneamente estava oculto pela luminosidade vinda do último andar.

Porém, pelo porte físico, dificilmente seria uma mulher, aquela pessoa que logo estaria em nossa frente, era sem dúvida alguma um homem.

“Serio? Mais um Integrity Knight…?”

Perguntei baixinho.

“Mas essa armadura nem dever-…, não… mas…”

O sussurro assustado de Alice deu-se no momento em que o cavaleiro aterrissava sobre o disco de elevação com um estampido metálico elegante enquanto absorvia o impacto dobrando parcialmente os joelhos e levantava com suavidade.

A armadura era toda prateada com detalhes azuis. A superfície era parcialmente translúcida, brilhando fortemente como se tivesse dentro de si a própria luz da lua. O manto era também de um azul profundo, rodeando e protegendo suas costas e seus cabelos… onduladamente suaves.

Um calafrio atingiu imediatamente meu corpo, como se recebesse uma enorme descarga elétrica quando olhei fixamente aquela pessoa.

A cor dos cabelos daquele cavaleiro…

Era a cor que sempre me acompanhou nesses últimos dois anos que passei aqui em Underworld.

Mas como? Por que!?….

Diante de mim, o cavaleiro levantou seu rosto, me deixando perplexo, totalmente confuso.

Os olhos verdes me olhando por trás de um semblante abatido…

Não podia negar mais, a pessoa dentro daquela incrível armadura de um Integrity Knight era…

“…Eugeo….”

Não sei se gritei, falei ou apenas pensei seu nome…

Era impossível que fosse um equívoco, de todas as pessoas desse mundo, jamais o confundiria com outro alguém. O amigo, meu melhor amigo, que sempre esteve comigo desde que nos conhecemos na floresta em Rulid.

Só cheguei até aqui graças a sua presença… tínhamos passado por tantas coisas e agora…

Era realmente Eugeo, definitivamente.

Porém, sua expressão atual, seu olhar e até o jeito de mexer os lábios… me eram totalmente desconhecidas. Não… o que estava vendo sequer poderia ser considerado uma expressão. Era tão inumano, tão frio e imutável… como um bloco eterno de gelo, muito mais frio e tétrico do que ar do salão de banhos, onde encontramos sua espada.

“Eugeo!”

Chamei-o com toda força que consegui reunir. Entretanto, a fria e afiada luz que fluía de seus olhos nem vacilou.  Sua atitude impassível diante meu apelo, provavelmente nem era para me ignorar ou algo do tipo, seu modo de se portar era o mesmo de um guerreiro que se colocava diante de um… inimigo…

Sua leitura corporal me dizia somente uma coisa… ‘-Vou te matar!

“Não pode ser… isso foi muito rápido.”

Alice murmurou ao meu lado enquanto eu perguntava desesperado.

“O que foi… muito rápido…?”

“A realização do ritual.”

Franzindo o rosto incrédula, a mulher cavaleiro hesitou antes de continuar falando.

“Seu amigo… Eugeo já passou por todas as etapas da síntese…”

O Synthesis Ritual, a manipulação máxima da Administrator que acessava diretamente o Fluctlight do indivíduo. Roubando todas suas recordações e a substituindo por uma lealdade forçada… criando um poderoso cavaleiro.

“…Mas não tem como isso ter acontecido… disseram que era um processo demorado… com você mesmo, foram três dias e três noites…”

Alice não conseguiu argumentos para rebater, apenas dava de ombros e sacudia negativamente a cabeça.

“O chefe Elder disse que demorou esse tempo comigo, pois me recusava a recitar as tais palavras necessárias que davam início ao ritual… em outras palavras, talvez realmente não deva necessariamente ser algo que demande muito tempo… se a pessoa disser logo o que eles querem…

Embora também ache que tenha sido muito rápido, pois não faz muito tempo que Eugeo lutou com o senhor Bercouli… ele deveria ao menos estar…”

“…Sim… algo não está certo. Eugeo jamais se entregaria tão fácil… só faria isso se por acaso caísse em alguma armadilha ilusória ou talvez…”

Enquanto falava isso, comecei a caminhar instintivamente para frente, afinal, meu corpo estava acostumado a estar na presença de meu amigo, não tinha nada de errado me aproximar dele.

Mas ao fazer isso, a mão esquerda de Alice me segurou com firmeza, me puxando de volta, aproximando seus lábios de meu ouvido e dizendo.

“Você não pode fraquejar agora! Seu amigo precisa de ajuda, busque no seu íntimo uma forma de salvá-lo, porém, não conseguirá fazer isso se der mais um passo em sua direção. Do jeito em que está, irá lhe fatiar sem pensar, quem está em sua frente não é mais seu conhecido.”

“Salvá-lo…?”

“Sim! Você mesmo disse, há somente uma forma de um Integrity Knight voltar a ter suas memórias. Mantenha isso em mente e trabalhe para salvar Eugeo! Se me entendeu, prepare-se para o que está por vir!”

Senti nesse momento uma energia fluindo para dentro de meu corpo através daquela mão repousada em meu ombro. Alice me olhava intensamente, resoluta em sua decisão.

Sem mais o que fazer, respirei fundo e empunhei minha espada negra, que parecia pesar o dobro agora.

Sim, Alice devia de estar certa. Certamente as memórias e a personalidade de Eugeo já não o habitavam mais.

A missão continuava praticamente a mesma, apenas com uma carga extra. Deveríamos conseguir de volta também os fragmentos de memória de Eugeo e o entregar para Cardinal poder reintegrá-los novamente.

Fazendo-o voltar a ser o espadachim gentil e corajoso que sempre foi.

De qualquer forma, teria que começar uma conversação para avaliar a situação e recolher dados. Talvez pudesse persuadir a atual personalidade de Eugeo e com isso facilitar as coisas… quem sabe não fosse impossível obter alguma colaboração?

Com isso em mente, juntamente com as palavras de Alice ecoando em meus ouvidos, finalmente tomei minha decisão.

“…Por favor, deixe ele comigo.”

Quando sussurrei isso para Alice, colocando minha mão sobre a dela que ainda me segurava de maneira firme, a mulher cavaleiro ficou por alguns instantes me encarando, para então soltar ainda que vacilante o seu agarre.

Após isso, deu um passo para o lado enquanto eu me aprontava.

“Entendido. Porém, não baixe a guarda um momento sequer. Esse cavaleiro… não é mais o Eugeo que conheceu, ele está completamente mudado.”

“Sim!”

Em silêncio, Alice se afastou mais um pouco.

Para ser sincero, não importa o quão forte Eugeo tenha se tornado quando foi convertido em Integrity Knight, se ele for atacado pelo Full Control Art de Alice, com sua letal tempestade de pétalas com a capacidade de envolver o inimigo totalmente, provavelmente não será capaz de contra-atacar.

Porém, preferiria usar isso como último recurso, já que nossas energias estão baixas com a exaustão da escalada. E também, não gostaria de infringir danos em meu querido amigo e muito menos ver dois companheiros de infância se digladiando, mesmo que ambos estejam com suas memórias seladas, isso seria muito cruel.

Dei um passo adiante e olhei Eugeo diretamente nos olhos. Porém, vi a mesma energia congelante transbordando deles.

“Eugeo.”

Chamei-o pela terceira vez com a voz rouca.

“Você me reconhece? Sou Kirito… seu companheiro. Estivemos juntos desde que saímos de Rulid há dois anos… você se lembra?”

O garoto envolto em sua armadura prata azulada permaneceu em silêncio por um tempo antes de abrir a boca.

“…Sinto muito, não te conheço.”

Essas foram as primeiras palavras do Integrity Knight Eugeo. O tom de sua voz era exatamente como eu conhecia, mas estava carregada de uma frieza combinada com sua total falta de expressão.

Ao que parecia, suas memórias antes do ritual foram realmente retiradas, mas devido a rapidez da conversão, é provável que não tenha tido tempo hábil para implantar tantas memórias falsas, como todo aquele papo de ser convocado do Mundo Celestial entre outras coisas. Minha crença é que possa haver um grande vazio na consciência de Eugeo.

Se eu continuar com esse tema…

“Mas agradeço.”

Arregalei os olhos quando Eugeo falou isso. A sua natural cordialidade ainda estava ali, talvez se continuasse…

“…Sério? Pelo quê?”

Entretanto a resposta foi:

“Agradeço por trazer minha espada de volta.”

“Hã…!?”

Depois de ficar boquiaberto por um momento, olhei para o lado direito da minha cintura.

O instrumento sagrado, a Blue Rose Sword, embainhada em sua proteção de couro branco. Olhando novamente para frente, perguntei:

“O que… pensa em fazer com essa espada?”

Os olhos verdes do garoto piscaram de repente, enquanto falava em tom muito natural.

“Para lutar contra vocês dois. Isso é o que aquela pessoa deseja.”

“…!”

Como era de se esperar, ele desceu até essa sala para acabar conosco… essas foram as instruções ‘daquela pessoa’, a Alto Ministro, a Administrator.

Entretanto, mantive minha postura amigável, mesmo que minhas esperanças estivessem escorrendo pelo meio de meus dedos.

“Eugeo… porque está seguindo instruções de alguém… de uma pessoa a qual você mal conhece? Não te incomoda em não ter uma razão adequada para lutar? Um motivo real para se empenhar? Pense bem, não somos teu inimigos.”

Reforcei.

“Viemos até aqui para lutar contra a Alto Ministro e resgatar todas as preciosas lembranças que-…”

“Não me importo em ter uma razão para lutar.”

Algo parecido com uma emoção surgiu no rosto de Eugeo pela primeira vez quando interrompeu as minhas palavras, desaparecendo logo depois.

“Aquela pessoa me deu exatamente o que eu necessitava e isso é o suficiente para mim.”

“Exatamente o que você queria…!? O que seria essa coisa que é mais importante do que sua querida Alice?”

Achei ter percebido seu rosto pálido ter estremecido, com um rastro de emoção passando por ele no instante em que escutou o nome daquela de deveria ser a pessoa mais importante da sua vida. Porém, logo foi coberto e levado para longe… deixando apenas o frio em seus olhos.

“Eu… não sei e também não quero saber. Não quero vocês aqui… não preciso de nada mais. Já tenho o suficiente… e isso é tudo…!”

Depois de dizer isso em voz baixa, Eugeo lentamente desceu do disco de elevação estendendo sua mão direita em minha direção.

“Não tenho nada mais para falar com você. Vamos lutar de uma vez… afinal, não é por esse motivo que estão aqui?”

“…Não estamos aqui para lutar com você, Eugeo. Se não quer conversar, também não irei lhe devolver esta espada.”

Após dizer isso em voz desafiadora, troquei minha espada negra de mão, passando-a para a esquerda e peguei a Blue Rose, ainda dentro da bainha, com a direita.

Fixei o olhar em Eugeo enquanto me certificava a localização de Alice atrás de mim e…

“Não necessito que você me entregue.”

A bainha branca foi imediatamente arrancada de minha mão quando terminei de ouvir aquelas palavras. A princípio achei ter sido Alice, porém, não tinha sido ela.

A espada deslizou pelo ar como se estivesse amarradas à cordas invisíveis, sendo puxa diretamente para a mão de Eugeo que estava aproximadamente dez metros de nós.

Arte sagrada?… Mas quando ele disse o encanto…?

Ouvi um pequeno sussurro atrás de mim.

“O braço de encarnação…!”

“O quê..!?”

Perguntei sem desviar o olhar.

Alice respondeu:

“É uma arte secreta entregue aos Integrity Knight desde a antiguidade. Serve para mover objetos sem o uso de comandos e nem outro tipo de arte. É um poder movido puramente pela força de vontade o guerreiro…

Ouvi dizer que poucas pessoas dentre os próprios cavaleiros sagrados podiam usar isso… na verdade, praticamente ninguém além do meu senhor Bercouli.”

“Significa que você também não pode usar, Alice?”

“…Eu pratiquei exaustivamente, porém, não consegui mover nem uma pedra sequer. Isso não é algo que Eugeo pudesse aprender somente por se transformar em um Integrity Knight…”

A Blue Rose Sword chegou suavemente na mão direita de Eugeo no momento em que conversávamos e logo foi presa à sua cintura.

Assim que fixou a bainha, agarrou sua magnífica arma e desembainhou elegantemente.

Eugeo e eu havíamos nos enfrentado incontáveis vezes nesses dois anos, porém… nossas mãos sempre estavam segurando espadas de madeiras, próprias para práticas.

A espada negra e a espada azul jamais tiveram a oportunidade de se enfrentarem.

Até agora…

Finalmente esse momento havia chegado. As emoções transbordavam dentro de mim enquanto apertava o cabo de minha amiga negra.

Minhas suspeitas desde que deixamos Rulid tinham se concretizado…

Contudo, se fosse para nossas espadas a se chocarem, então…

A celebração de uma batalha há muito tempo aguardada havia chegado, um duelo ao qual não tinha intenção nenhuma de deixar ninguém interferir, nem mesmo a grande administradora.

“Eugeo.”

Falei minhas últimas palavras.

“Suponho que não se recorde, mas eu sou a pessoa que lhe ensinou a lutar com uma espada. De maneira que não irei perder para o meu aluno.”

A boca de Eugeo permaneceu fechada. Em troca, a Blue Rose suavemente se elevou sobre sua cabeça e se moveu em uma postura de ativação de habilidade… era o movimento característico do Sonic Leap.

Sentindo-me um pouco feliz por ele não ter esquecido suas habilidades com a espada do Estilo Aincrad mesmo que tenha esquecido o meu nome, fiz o mesmo movimento.

As duas espadas desprenderam um enorme flash luminoso verde claro.

E em uma fração de segundo…

Tanto Eugeo como eu percorríamos o piso de mármore como dois projéteis prontos para se chocarem.

Sword Art Online Alicization - Dividing - Kirito e Eugeo

FIM DO VOLUME 13

QUE BELEZA! QUE ALEGRIA OUTRO VOLUME QUE TERMINA!!!

A LUTA INCRÍVEL DESSES DOIS AMIGOS FINALMENTA VAI ROLAR. NÃO PERCAM O PRÓXIMO VOLUME SEMANA QUE VEM!

ATÉ LÁ!

FUI!!

Sword Art Online – Alicization Dividing

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Música de reconciliação… isto é, se ainda sobrar alguém para se reconciliar hehehe 😉