Sword Art Online Alicization Dividing em Português – Underworld – Capítulo 11 – Parte 3.2

Arco: Alicization – Dividing

Capítulo 11

Parte 3

Sword Art Online Alicization - Alice x Elder ChudelkinAcelerei o passo.

Quando cheguei perto, Alice estava de joelhos em frente ao gigante semienterrado no gelo, com suas mãos sobre ele, gritando desesperada.

“Senhor…! Meu senhor comandante Bercouli!! O que aconteceu com você…?”

Estranhei um pouco a pergunta de Alice, pois ela já deveria de saber a capacidade da Blue Rose depois de tê-la visto em ação no octogésimo andar…

O enorme homem estava realmente afundado até a altura do peito dentro da espessa camada de gelo. Seus ombros eram uma massa muscular incrível, seguindo até o pescoço, assim como as demais partes de seu corpo. Seu rosto possuía traços e cicatrizes que completavam aquele visual feroz afiado como de uma grande espada, um guerreiro que parecia ter saído de um dos livros de mitologia grega do mundo real, principalmente por ter aparência das estátuas que tanto vi em museus, com a grossa pele em tons cinza… cinza…!?

…Por falar nisso…

“…Esse efeito… não é do Full Control Art de Eugeo…”

Ainda de joelhos, Alice confirmou minhas suspeitas com a cabeça.

“…Eu penso o mesmo. Ouvi de meu senhor Bercouli há muito tempo… que o ancião principal da Igreja Axiom tem o poder de converter qualquer pessoa em pedra… incluindo os Integrity Knight. Acho que o nome desse feitiço era… Deep Freeze, se não me engano.”

“Mas porque ele faria algo assim? Já que o guerreiro, seu aliado estava congelado, não seria mais lógico ajudar um companheiro para assim ter mais recursos para deter os intrusos?”

“…Provavelmente é porque ele não via meu senhor com bons olhos, já que este tinha algumas desconfianças sobre a Câmara dos Anciões… Mas mesmo com isso, ele permaneceu fiel aos desejos de paz desse mundo, entendendo que essa estrutura de governo era vital para que tudo continuasse coeso. Por esse motivo que seguiu com sua luta durante todos esses intermináveis dias.

Porém, independente de sua autoridade, o chefe ancião não… poderia ter feito isso sem uma justificativa.”

As lágrimas transbordaram do olho esquerdo de Alice e deslizavam por seu rosto enquanto permanecia com a cabeça abaixada.

Em nenhum momento ela tentou limpá-las, pois não retirava as mãos do petrificado Bercouli.

As gotas de seu pranto caiam diretamente no rosto do comandante e dispersavam como partículas de luz conforme tocavam a superfície.

E foi nesse momento que aconteceu.

BISSSSHH!

Um ruído ecoou.

Alice se levantou enquanto permanecia com o olho fixado em Bercouli. Era como se o tênue calor das lágrimas de Alice acabassem dissolvendo os efeitos da petrificação, pois a camada de pedra começou a apresentar algumas rachaduras.

Em instantes, as fendas se multiplicaram e foram se quebrando e estalando.

A escultura de pedra cinza começou a crepitar e lentamente seu pescoço começou a se mover em direção à espantada Alice.

Pouco a pouco a cabeça já estava voltando a se mover, com pedaços de pedra caindo para todos os lados, se rompendo em estilhaços. Fragmentos que provavelmente se tratavam de carne caíam sem parar.

A julgar pelo nome da arte, ela devia congelar não somente os corpos dos habitantes de Underworld, como também suas mentes. O que aquela pessoa estava fazendo era algo inimaginável, digno de um herói mitológico. Ao que tudo indicava, não havia nenhuma maneira de voltar à vida após receber um ataque daqueles, porém, esse estupendo homem estava usando sua própria força de vontade para quebrar essa regra absoluta.

“Meu senhor… pare!! Por favor, pare!! Seu corpo vai se quebrar se continuar!! Meu senhor!!!”

Alice continuava a gritar, com sua voz rouca, embargada devido às lágrimas.

Ao que pareceu, sua voz conseguiu alcançá-lo, pois o comandante dos cavaleiros sagrados parou de lutar por alguns instantes. Seus olhos, que tinham adquirido o mesmo tom cinza da pele, estremeceram e recuperaram um pouco de sua cor original, o azul acinzentado. Suas íris tremeluziam como a superfície da água. Ao ver essa cena, pude sentir vividamente a força de vontade que emanava daquele olhar.

Com seu rosto parcialmente livre, sua boca se torceu formando um amplo sorriso, seguido de uma voz grossa, terrivelmente rouca, porém, ainda poderosa.

“…Ei… pequena senhorita! Não precisa chorar dessa forma… senão vai arruinar sua beleza.”

“Meu senhor…!”

“Não se preocupe com esse velho… não vou me deixar vencer por uma arte dessas hehehe… Ao invés disso, me diga…”

Bercouli deteve suas palavras por um momento e fixou o olhar no rosto choroso de Alice com aquela venda improvisada sobre o lado direito de sua cabeça, antes de dar um sorriso surpreso que parecia ser genuinamente preocupação e orgulho de um pai para com sua filha.

“…Isso no seu olho direito… você finalmente conseguiu cruzar a barreira, minha pequena menina? O mesmo selo que… demorei trezentos anos para romper e… não consegui…”

“M-Meu senhor… eu… eu…”

“Não é necessário fazer essa cara… estou realmente… muito orgulhoso… não há nada mais que possa lhe ensinar pequena senhorita… ou melhor,… grande senhorita…”

“N-Não diga isso, por favor… ainda há muitas coisas que gostaria que me ensinasse…!”

Sem fazer nenhum movimento de conter seu lamento quase infantil, Alice abraçou o pescoço do comandante. Fazendo surgir um sorriso dolorido no rosto de Bercouli enquanto sussurrava no ouvido da garota.

“Sei que você será capaz de conseguir… corrigir todos os erros da Igreja Axiom… e guiar esse mundo distorcido de volta para o que deveria ter sido inicialmente…”

Os olhos de Bercouli, que mais uma vez começaram a perder sua luz, regressando ao estado petrificado, me encararam fortemente enquanto seus lábios praticamente estáticos se moviam produzindo uma voz ainda mais rouca.

“Ei rapaz de preto… deixo a minha pequena Alice… em suas mãos…”

“…Fique tranquilo.”

Assenti com a cabeça para o antigo herói enquanto novas rachaduras surgiam em seu rosto, se espalhando pelo pescoço. Percebi que ele estava se esforçando para dizer suas últimas palavras…

“O seu… companheiro foi levado pelo… chefe Chudelkin…

Provavelmente… está nos aposentos da… Alto Ministro…

Apressem-se… antes que aquele valente garoto… seja enganado por suas próprias… m-memó… rias…”

O comandante Bercouli se transformou novamente em uma silenciosa estátua de pedra no instante em que disse seu último conselho.

Por entre a névoa branca, as inúmeras rachaduras pelo seu rosto e pescoço se misturavam com suas já adquiridas cicatrizes de batalhas, enfatizando mais ainda seu valor como guerreiro e como o herói da antiguidade.

“”…Meu senhor…!”

A voz desolada de Alice saiu descompassada enquanto se agarrava mais ainda ao cavaleiro. Fiquei olhando a cena e pensando no significado por trás das palavras que o Knight Commander Bercouli havia deixado ao se transformar em pedra.

Sword Art Online Alicization - Alice e BecouliA pessoa conhecida como Chefe Elder Chudelkin havia executado a arte Deep Freeze no comandante Bercouli e levado Eugeo para longe daqui.

Esses eram os fatos.

E olhando com mais atenção, me dei conta de que pouco mais a frente tinha um buraco perfeitamente quadrado no gelo que parecia ter sido cortado por uma serra elétrica e que ia até o fundo da banheira, bem próximo de Bercouli.

Suponho que Eugeo deva ter desligado sua arte para não afetar mais ainda o seu oponente e o acabar matando, porém, com isso… o tal chefe não teve ter tido dificuldades de tirá-lo do gelo e o levado até os aposentos da Administrator.

Entretanto, ainda resta a parte final da frase que ele disse e que está me incomodando… algo sobre ser enganado pelas suas próprias recordações.

Acredito fortemente que Eugeo não entregaria seu cérebro em uma bandeja assim tão facilmente. Mas, se isso realmente aconteceu, não consigo sequer imaginar que tipo de técnicas a Administrator poderia usar para alterar as capacidades cerebrais do Fluctlight de meu amigo.

Olhando para a superfície congelada enquanto pensava, percebi que algo estava brilhando na parte lateral mais profunda do buraco aberto. Caminhei até ele e me peguei olhando para uma espada longa cravada no fundo da piscina.

Não havia erro.

Sua cor, porte e forma elegante, mesmo que coberta por algumas camadas de gelo, denunciava que era mesmo a amada espada de Eugeo, a Blue Rose Sword.

Minha inquietação só aumentou ao ver esse maravilhoso instrumento sagrado que praticamente fazia parte de Eugeo, sendo deixado para trás, nesse solo congelado como um objeto descartável.

Olhei para Alice que continuava agarrada ao corpo de Bercouli e então brandi minha amiga negra e coloquei sua ponta sobre o local do gelo onde se encontrava a empunhadura da Blue Rose.

Empurrei, fazendo uma espécie de alavanca e empregando um pouco de força até que…

Um ruído agudo reverberou sobre a superfície congelada enquanto parte do gelo se desfazia na vertical, criando um vão.

Ajoelhei-me e agarrei a empunhadura exposta da Blue Rose com a mão esquerda e lentamente fui retirando-a de seu túmulo de gelo. Tive que aguentar um frio implacável, com vários graus negativos agindo em minha mão, danificando um pouco a pele.

A espada apresentou alguma resistência ao ser puxada, mas após um tempo, saiu com o mínimo de ruído, derrubando no chão alguns fragmentos de gelo que ainda permaneciam sobre si.

Quando segurei a minha espada negra com a mão direita e a Blue Rose na esquerda, minhas articulações protestaram na hora devido ao imenso peso que suportavam.

Era muito natural, já que estava segurando dois itens da classe instrumentos sagrado com alta prioridade. Entretanto, não podia deixá-la abandonada nesse local.

Ronye e Tieze, nossas aprendizes na academia, haviam machucado suas mãos ao ponto de sangrarem só para garantir que tivéssemos nossas espadas no momento em que éramos carregados e levados para a catedral.

Então, nesse momento, assumo a responsabilidade e serei o encarregado de guardar a Blue Rose Sword para Eugeo.

Olhando novamente ao redor, vi a bainha familiar de couro branco na superfície próxima de onde estava a espada azul no gelo.

Embainhei a minha espada negra e a prendi na cintura no lado esquerdo, enquanto guardava a Blue Rose em sua proteção de couro a prendendo no outro lado, conseguindo de alguma maneira um equilíbrio satisfatório para me mover.

Respirei fundo enquanto me virava e dei de cara com Alice parada silenciosamente em pé nas minhas costas.

Ela enxugou as lágrimas de seu olho esquerdo e falou em um tom forte, talvez para esconder sua vergonha.

“…Os único capazes de usar duas espadas são os nobres de alta classe e somente eles… porém… você estranhamente me parece extremamente adaptado à elas…”

“Hein!?… É mesmo…?”

Não pude deixar de dar um sorrisinho irônico.

Vivi durante muito tempo lutando com duas espadas equipadas nos meus dias em SAO, porém, como fiquei escondendo as minhas habilidades, ainda me causa estranheza quando ficam me encarando portando duas lâminas.

Mas não tinha como ela saber disso. E muito menos esse meu EU podia tentar se comparar a minha outra grandiosa existência, aquele Kirito invencível que zerou o jogo da morte SAO com sua terrível habilidade de empunhadura dupla… embora ainda possa senti-lo no fundo de meu coração zombando da minha atual fraqueza…

Se me perguntassem, devido minha péssima forma, trocaria de bom grado de lugar com aquela pessoa, para que ele pudesse viver seu papel uma segunda vez.

“… Apesar do que você disse, é impossível que eu possa brandi-las ao mesmo tempo.”

Alice assentiu compreensivamente a cabeça enquanto eu dizia essas palavras, dando de ombros.

“Ao manejar duas espadas ao mesmo tempo, você fica impossibilitado de utilizar habilidades secretas importantes. Mesmo se ignorarmos esse fato, fica mais do que evidente que não há benefícios em equipar-se com duas armas.

De qualquer modo… se essa espada foi deixada para trás, suponho que Eugeo já tenha sido levado para a presença da Alto Ministro…

É melhor nos apressarmos, as ações daquela pessoa estão além dos padrões humanos…”

“Você já falou com ela antes? Já conversou com a Administrator?”

“Somente uma vez.”

A expressão de Alice endureceu enquanto respondia minha pergunta.

“Foi há seis anos… provavelmente logo após despertar com minhas memórias do passado seladas, como aprendiz de Integrity Knight. A encontrei… conheci a porta voz dos deuses, a humana que estava acima de todos.

Ela era uma mulher maravilhosa no sentido real da palavra, um corpo esbelto… não portando nenhum tipo de arma… mas acima de tudo, o que mais chamava a atenção eram aqueles olhos…”

Alice continuou falando baixinho enquanto abraçava seus próprios braços.

“Aqueles olhos prateados eram como espelhos, que refletiam toda a luz… uma pressão intensa.

Sim, entendo agora…

Devo ter sido acuada por aquela visão, me enchendo de temor e respeito.

Atendi o seu chamado, o aceitei e prometi jamais trair sua confiança e acreditar cegamente em todas suas palavras. Acabei me entregando a ela de corpo e alma… e foi a sensação mais apavorante que tive em toda minha vida…

Agora entendo o erro que cometi…”

“Alice…”

Pressenti uma ligeira alteração em seu rosto.

Mas, como que lendo meus pensamentos, a garota respirou fundo, levantou seu olhar e disse resoluta.

“Mas agora estou bem! Eu já estou decidida, farei que o acho ser o correto para mim, para minha irmã mais nova, todos os que vivem no longínquo vilarejo do norte, assim como a população em geral…

Meu senhor… ele conhecia o selo colocado em nossos olhos direitos. Em outras palavras, o Knight Commander dos Integrity Knight, Bercouli Synthesis One, definitivamente não acreditava cegamente que o governo da Igreja Axiom era benevolente. E até descer nesse andar, confesso que ainda tinha algumas dúvidas em relação a você e seu amigo, mas ao presenciar isso…

Foi muito bom ter podido reencontrar o meu senhor… graças a isso, retirei todas as dúvidas de meu coração, não irei mais fraquejar, acreditarei no que ele acreditou durante tanto tempo.”

Alice baixou mais uma vez e acariciou o rosto petrificado de Bercouli.

Então, logo se ergueu e pisou firme no gelo enquanto retornava pelo caminho que tínhamos vindo.

“Vamos! Provavelmente o Chefe Elder irá tentar nos impedir de prosseguir até o quarto da Alto Ministro.”

“T-Tudo bem mas… vai deixar o seu estimado comandante igual à um picol-… digo, vai deixá-lo assim?”

Perguntei antes que a garota cruzasse a porta, ao que a Integrity Knight Alice virou parcialmente a cabeça, deixando o canto de seu olho esquerdo escapar um olhar afiado enquanto dizia.

“Ele provavelmente irá se libertar caso consigamos parar a pessoa que lançou essa arte. O encanto irá se dissipar se… apunhalarmos o Chefe Elder Chudelkin.”

Se antes eu já não queria ter esse cavaleiro como inimigo, agora, a ideia de cruzar espadas com ela definitivamente gelava até minha alma e não era efeito desse salão congelado.

Dito isso, apenas a segui como pude, carregando aquelas duas espadas ridiculamente pesadas.

Regressamos ao mesmo andar de antes, o nonagésimo quinto, o Morning Star Lookout, depois de percorrer rapidamente os outros cinco.

Diferentemente de mim, que respirava com dificuldade devido a Blue Rose em minha direita e a espada negra na esquerda, a grande mulher cavaleiro mantinha uma expressão imutável e tranquila, mesmo com a enorme discrepância de nossos equipamentos.

Sentia calafrios ao ver a determinação estampada em seu olho azul enquanto ela seguia em frente, resoluta em suas convicções.

Ao cruzar a porta de acesso ao próximo andar, Alice voltou seu olhar para mim e disse:

“…Escute enquanto recupera o fôlego. Os anciões não devem ser muito diferentes das pessoas comuns em termos de combate armado a curta distância, mas suas artes sagradas tem autoridades muito maiores dos que as dos Integrity Knight. Mesmo se o ar tiver pouco recurso como agora, eles provavelmente conseguem cristais catalisadores e nos atacam com uma interminável onda de artes de longo alcance. ”

“Então… o negócio é não dar espaço para eles…

Estamos falando de um ataque furtivo, não é?”

Alice concordou com a cabeça e rapidamente respondeu.

“Exatamente, mas não é hora de nos preocuparmos em como lutar propriamente dito, mas em como iniciar o ataque.

Teremos que nos aproximarmos o mais rápido e silenciosamente possível, mas não sei se isso será possível. Caso fracassemos em nosso ataque surpresa, vou ficar na retaguarda combatendo as artes sagradas com meu Full Control Art.”

“…Sobrando para mim o ataque direto…”

Vendo meu ‘entusiasmo’ na perspectiva de atacar inimigos do tipo mágico, que nunca foi do meu agrado, Alice ergueu as sobrancelhas e falou com seu habitual e renovado sarcasmo.

“Não me importo em inverter os papeis. Mas nesse caso, pedirei que nos defenda com suas artes sagradas…”

“Certo, certo… já entendi. Deixe que eu me encarrego do ataque direto.”

Certamente, minha espada estava recuperando um pouco de sua vida, mas não estava muito seguro de que pudesse utilizar meu Full Control Art nesse momento. Se possível, gostaria de conservá-la guardada na bainha pelo menos até chegar na Administrator.

E tem mais, a minha habilidade especial ao convocar a enorme lança de elemental umbra, tinha a característica de drenagem de forças original do Giga Cedro, a qual precisava de um tipo de funcionalidade que a espada de Alice tinha, a absurda energia gerada da tormenta de pétalas.

Por isso, tinha que nos manter em condições para lutarmos juntos e conseguir o máximo de poder destrutivo.

Alice continuou falando.

“E eu estando na retaguarda, posso lançar artes curativas sem problemas ao mesmo tempo em que rebato os demais ataques. Então, pode ir sem medo para cima deles com tudo que tem, só ordeno que deixe o meu alvo principal vivo, o maldito Chudelkin.

Não tem erro em saber quem ele é…

Um baixinho vestido com uma roupa bufante nas berrantes cores azul e vermelha. ”

“…Nossa!… Realmente esse seu equipamento é muito útil, mas essa pessoa ficará quieta enquanto isso?”

“Provavelmente não. Além dessa terrível arte Deep Freeze, deve de ter muitas outras de ataque rápido e tão poderosas quanto. Não devemos esquecer que ele é quem detém a maior capacidade nas artes sagradas dentro da igreja, só perdendo para a Alto Ministro.”

“Sim, entendi. Os que parecem patéticos a primeira vista, sempre acabam sendo os mais problemáticos nas missões.”

Alice fez um breve momento de silêncio, com uma expressão cautelosa antes as minhas palavras antes de olhar para as escadas e dizer:

“Que seja, vamos adiante!”

O que nos esperava, depois de um lance de escadas no próximo andar enquanto caminhávamos o mais silenciosamente possível em nossa pressa, era uma passagem estreita com pouca luz e uma pequena porta negra no final.

O tamanho daquele espaço iluminado por uma estranha lamparina verde era de mais ou menos um metro e meio e a pouca visibilidade nos forçava a ter cuidados redobrados.

Ao cruzar a porta, mais a frente tinha outra menor ainda com o corredor acompanhando o decréscimo de altura.

Alice e eu quase raspávamos nossas cabeças no teto. Provavelmente, um homem como o comandante Bercouli teria que engatinhar para passar por ali.

Era uma sensação muito claustrofóbica, bem diferente de minhas experiências anteriores, onde estava acostumado que os subchefe e chefes das dungeons ficavam em lugares mais… extravagantes e chamativos.

Esse lugar era realmente diferente dos generosamente decorados pisos abaixo, como o Morning Star Lookout ao qual acabamos de passar.

Perguntei-me do porque desse espaço ser tão reduzido?

“…Essa é mesmo a tal Câmara dos Anciões de que falou?”

“Eu… acho eu sim, mas… só saberemos depois que cruzar essa portinha.”

Ela continuou pela passagem, com seu cabelo dourado agitando para se ajustar ao pequeno espaço.

Começando a acreditar de que poderiam haver armadilhas nesse trecho, cogitei em passar em sua frente para colocar nosso plano em prática, porém, não consegui alcançá-la, apenas a seguir.

Contei com a sorte e com o pensamento de que eles não colocariam armadilhas tão próximas aos aposentos da Administrator, pois supunham que ninguém conseguiria chegar tão longe dentro da área da Igreja Axiom. E caso houvesse alguma, que fosse chamativa tanto quanto aos subordinates.

O caminho tinha aproximadamente vinte metros e deixou seus intrusos passarem sem maiores incidentes até a pequena portinha, sorte nossa.

Olhamos-nos e assentimos com a cabeça.

Assumi o papel ofensivo, estiquei a mão direita e girei a minúscula maçaneta. Creio que ela estava fechada com chave, porém, estranhamente acabou se abrindo facilmente com um ‘clic’.

Lembro claramente de poder sentir uma espécie de presença no ar frio que soprava naquela escuridão, igual à sensação que tinha toda vez que entrava na área de algum chefe em Aincrad.

Minha pele toda se arrepiou com aquela nostalgia inquietante.

Mesmo pressentindo isso, não podia simplesmente contar para Alice. Então, após abrir a porta, me inclinei para olhar o que havia após.

O estreito caminho se seguia um pouco mais e depois se ampliava em um espaço maior, iluminado por uma luz violeta vacilante, porém, não conseguia dizer sua origem.

E no momento em que timidamente passei pela porta que o barulho que me soava como maldições, chegou também aos meus olhos.

Parei no lugar e agucei minha audição. Não era a voz de uma só pessoa, eram talvez dezenas… várias dezenas de vozes murmurando sobre as outras.

Alice se aproximou nas minhas costas e sussurrou que eram artes sagradas, ao que lhe respondi afirmativamente com a cabeça, contendo minha respiração.

Me preparei, esperando múltiplos ataques dirigidos a nós, porém, vi depois que não era o caso.

A palavra generate, crucial para as artes ofensivas, estava ausente nos fragmentos de comandos que conseguia ouvir.

Tentei entender que tipo de comando era, mas não obtive sucesso.

Enquanto ficava nesse impasse, Alice sussurrou mais uma vez.

“Vamos! Os anciões estão ocupados com uma arte muito grande. Embora não saiba dizer para que sirva, ao menos está a nosso favor. Podemos usar essa oportunidade e nos esgueirar para perto deles, usando essa escuridão.”

“Sim, você está certa. Como planejamos, eu irei primeiro e você me cobre.”

Devagar fui puxando a espada negra de minha cintura. Sabia que a Blue Rose iria me atrasar, mas não podia simplesmente largar ela por ali.

Confirmei que Alice também já tinha empunhado a sua espada e dei um passo adiante.

Ao me proteger na penumbra, senti um fedor muito desagradável misturado naquele ar gelado. Não era cheiro de nenhum animal conhecido por mim ou sangue… parecia algo… em decomposição. Enquanto pensava nisso, pressionei minhas costas contra parede e olhei para o espaço mais a frente, conhecido como a Câmara dos Anciões.

Era uma sala bem mais alta do que o corredor de onde estava.

Um espaço circular com um diâmetro aproximado de vinte metros. A parede sinuosa se estendia para o alto, provavelmente cobrindo o equivalente a três pisos da catedral, com a parte mais alta do teto envolta em escuridão. No geral sua forma era parecida com a sala da Grande Biblioteca onde vive Cardinal.

Não havia nenhum tipo de lâmpadas. As únicas fontes de luz eram estranhas luzes violetas tremeluzentes ao redor das paredes. Além disso, havia grandes objetos retangulares dispostos lado a lado de maneira uniforme em espaços curtos entre eles logo abaixo das luzes, mas que não conseguia reconhecê-los.

Perto de nós, do nada surgiu uma dessas luzes que pareceu ganhar vida e nela um brilhante plano reto púrpura, muito semelhante à… uma janela de Stacia. E o que estava na frente daquelas luzes, compondo a ponta daqueles objetos retangulares era na verdade…

…Cabeças de seres humanos.

O que achei ser algum tipo de objeto redondo luminoso, alinhado às paredes dessa sala cilíndrica eram…

“…Cabeças decapitadas…?”

Uma voz rouca saiu de minha garganta e Alice, atrás de mim, também deixou escapar um gemido em menor volume.

“Não, talvez estejam dentro de algo, caixas eu acho… ou então… estão crescendo nas paredes…!?”

Procurei desesperadamente algo para comprovar o que Alice tinha dito. Certamente os pescoços e ombros estavam abaixo daquelas cabeças redondas, porém, era tudo que eu podia visualizar. A impressão era de que elas eram um daqueles troféus de caça que vi em tantos filmes antigos que Sinon me emprestou, só que ao invés de placas com cabeças cravadas nela, eram caixas com bustos dispostos, grudados em outras caixas retangulares que provavelmente guardavam o resto do corpo, iluminados pelas janelas de Stacia.

Os seres fixados nessas que chamei de caixas, pareciam completamente tranquilos, inconscientes de sua realidade, com seus rostos não demonstrando nenhuma emoção.

Não tinham nenhum tipo de cabelo e suas bochechas eram magras e chupadas para dentro, tinham olhos vítreos complementando aquele visual pálido com a pele branca acinzentada enquanto contemplavam janelas de Stacia que flutuavam diante de seus rostos.

As janelas mostravam linhas de texto e números em espaços determinados que aquelas cabeças humanas na parede analisavam fixamente e de maneira monótona, repetindo comandos que saiam de seus lábios finos e descoloridos.

System call… display rebelling index…”

Todo meu corpo se enrijeceu quando ouvi aquela voz.

“Então… são eles…?”

“V-Você sabe algo sobre essas coisas?”

Alice perguntou baixinho. Olhando de relance o rosto da garota, confirmei.

“Sim… dois dias atrás, depois que lutei contra Raios e Wanbell na academia, algo parecido com uma janela surgiu no meio do quarto. E dentro dela, um rosto pálido que encarava Eugeo… foi sem dúvidas um desses carinhas aí…”

Alice prestou bem a atenção nas vozes desses seres humanos mais uma vez e depois franziu o rosto.

“A arte que estão recitando…

Não tenho nenhuma informação sobre ela, mas parece que estão divididos em grupos e cada uma dessas divisões está analisando uma parte… do mundo dos humanos. Esses índices que aparecem nas janelas… não sei o que esses valores representam.”

“Valores…”

No momento em que repeti essa palavra, uma voz surgiu em minha mente.

“-E dentro desses parâmetros ocultos, existe um chamado Quociente de Transgressão.

A Administrator rapidamente se deu conta que esse valor podia ser utilizado para revelar os seres humanos resistentes às regras do Índice de Tabus que ela estabeleceu…”

A jovem sábia na biblioteca, Cardinal, foi quem dissera isso.

Não restavam dúvidas, as palavras rebelling index, recitadas por esses humanos nas caixas, mostravam o quociente de transgressão de que Cardinal havia se referido. Em outras palavras, essas dezenas de seres nas paredes estão monitorando todas as pessoas que vivem no Mundo Humano, testando suas capacidades e probabilidade de se voltarem contra a Igreja Axiom.

Se detectarem algo, um valor fora do normal, eles logo identificam a pessoa que cometeu o tabu e informam sobre ela. E o responsável por receber os dados aciona os Integrity Knight para deter o criminoso. Igual ao que aconteceu conosco e obviamente, com Alice…

Enquanto estávamos ali em pé, estupefatos, ouvimos um tilintar mecânico. Alice e eu logo entramos no modo de luta, apertando a empunhadura de nossas espadas e aguardando um ataque, porém, o som não era porque tínhamos sido descobertos e sim por outro motivo tão estarrecedor quanto a descoberta desses seres.

A cabeça que estava logo acima de nós, de repente cessou de recitar os comandos e começou a virar para cima, sendo acompanhado pelos demais em um movimento combinado.

Até aquele momento não tinha me dado conta, mas tinha algo parecido com uma chave, logo acima de suas cabeças. Os seres ergueram seu pescoço ao máximo enquanto a parte de cima da caixa se abria.

Um líquido viscoso e marrom brotou do que me dei conta serem torneiras e não chaves que eles pegavam com suas bocas, bebendo de maneira mecânica.

Era uma cena completamente grotesca, aquelas cabeças bebendo de forma bizarra um líquido de aparência terrível que jorrava de forma desordenada, derramando-se muitas vezes para fora, caindo no pescoço e peito. Esse era provavelmente o motivo daquele fedor putrefato que vínhamos sentindo desde que entramos nessa câmara.

O tilintar soou mais uma vez e a dose daquele alimento líquido parou de jorrar das torneiras. As cabeças nas caixas giraram em sua posição original, olhando para frente e recomeçaram a recitar os comandos.

System call… System call…

“Isso é… é… desumano…!!!”

Não podia permitir que esse tratamento terrível continuasse. Nem mesmo os animais próprios para o abate deviam ser tratados dessa forma.

Rangi os dentes de raiva, reprimindo minha indignação prestes a explodir enquanto a voz tensa de Alice surgia em minhas costas.

“E-Esses… são os… anciões da Igreja Axiom….? Os que se supõe reger o Mundo Humano…!!?”

Olhei para trás e vi a Integrity Knight olhando para o vazio, com seu olho azul ardendo em fúria.

Não tinha pensado nisso até aquele momento, mas essas dezenas de seres humanos presos dentro dessas caixas na parede, sem dúvida alguma, eram os funcionários mais importantes da Igreja Axiom.

“E a pessoa que fez isso… essa coisa digna de ser o espetáculo mais grotesco do mundo… também foi a… Alto Ministro…?”

“Sim… provavelmente.”

Assenti com a cabeça.

“Eles devem ter sido os humanos mais proeminentes nas artes sagradas, mesmo que suas habilidades de combate fossem nulas, foram sequestrados de todas as partes do mundo e tiveram suas mentes esvaziadas de sentimentos e emoções, foram emparedados dessa forma, se transformando simplesmente em ferramentas de observação, chamados de anciões…”

Sim, eles não eram nada mais do que ferramentas, instrumentos utilizados para a manutenção da paz perfeita… ou talvez a origem da inércia desse mundo, imobilizando o avanço natural de todos os humanos, para que sempre vivam sob o julgo da Igreja Axiom.

A miséria em que se encontra o destino desses chamados anciões sobrepujou até mesmo a desgraça da vida dos Integrity Knight, que em comparação a isso, só perderam as memórias daqueles que lhes eram preciosos, mas manteram-se íntegros como seres humanos.

E o mais apavorante é que isso vem ocorrendo há centenas de anos… Essas pessoas vêm sendo vitimadas pelo simples prazer da Administrator em ser uma entidade dominante.

Alice lentamente baixou a cabeça, com seus cabelos cobrindo o rosto, ocultando sua expressão.

“…Não posso perdoá-la!”

Projetando a ira de seu mestre, a Fragrant Olive Sword em sua mão direita vibrou, produzindo um timbre suave.

“Não importa qual seja o crime que eles possam ter cometido… o fato é que ainda continuam sendo seres humanos. Fazer tal coisa… privá-los de suas capacidades mentais, de suas emoções… do próprio sentimento de se reconhecerem como pessoas ao invés de apenas terem suas recordações seladas como os cavaleiros, sendo armazenados em caixas como objetos, se alimentando de lixo… sendo considerados existências piores dos que as bestas… não há honra e nem justiça nesse lugar.”

Alice levantou o rosto de maneira furiosa quando terminou de dizer essas palavras tão carregadas de energia enquanto começava a caminhar resoluta, que só pude segui-la em silêncio.

Os olhares dos anciões mantiveram-se fixados nas janelas de Stacia, ignorando completamente a presença da mulher cavaleiro passando com sua brilhante armadura que produzia luminosidade inclusive em meio à escuridão.

Alice foi um pouco para a esquerda e se colocou em frente de uma das luzes.

Fiquei olhando o rosto daquele ancião. Não podia dizer ao certo sua idade e muito menos qual era seu gênero. Será que até as características humanas mais básicas haviam sido roubadas durante esses intermináveis meses de cárcere sem ter o contato com a luz do sol?

A Integrity Knight suavemente elevou sua espada para cima. Pensei que iria romper aquela caixa, mas apenas apoiou a ponta dourada da Fragrant Olive Sword sobre o local onde estaria o coração do ancião.

A inspiração daquele ar viciado soava como um sussurro no salão.

“Alice…!”

“Não concorda que acabar com sua vida aqui… seria um ato de misericórdia?”

Eu realmente não tinha resposta imediata para aquela pergunta.

Dada às circunstâncias, mesmo que fosse possível reaver os fragmentos de memórias deles…

Isso se ainda houvesse fragmentos para recuperar, o problema estava justamente em como seus… Fluctlight estavam danificados. Os danos estavam além de qualquer reparação… pelo menos era isso que eu podia supor no fundo da minha alma.

Porém, ainda tinha Cardinal… talvez no momento em que ela voltar a ser a administradora, possa nos dar alguma esperança ou pelo menos uma alternativa melhor do que a morte. Com isso em mente, pensei em me colocar na frente de Alice e tentar contê-la.

Entretanto, um ruído estranho retumbou na passagem momentos antes de Alice ou eu fazermos qualquer movimento.

“Aah… aaaah-!”

Foi um grito esganiçado de uma pessoa.

“Aah!! De forma alguma, aah….! É um desperdício… oh estimada Alto Ministro…. não deixe que a toque aí!! Por favor…! Aah!!! Oooh! Uuuuf!!”

Alice e eu nos entreolhamos ao ouvir esse monte de interjeições sem sentido. Não tinha nenhuma recordação daquele tom de voz.

Não parecia ser de alguém jovem, mas ainda assim, também não parecia ser de alguém velho. Tudo que podia dizer é que o dono daquela estranha voz estava tão excitado que tinha perdido todo o sentido da razão ao balbuciar aquele monte de coisas.

Como se tivesse sido tirada de um transe, Alice moveu a sua lâmina, apontando para um novo alvo a frente ao que acompanhei me virando para a direção que ela indicava.

O resto da sala cilíndrica era uma passagem amplamente aberta em comparação ao corredor que viemos inicialmente. A voz aguda vinha dessa nova direção.

“…!”

“Vamos!”

Alice assinalou com a espada.

Respondi inclinando minha cabeça e começamos a nos movimentar silenciosamente.

A sala carecia de pilares ou qualquer outro mobiliário que pudéssemos nos esconder, portanto, tínhamos que juntar um pouco coragem para cruzar diretamente o recinto pelo centro do local. Mas pelo menos, os seres humanos nas paredes continuavam seu trabalho, olhando fixamente para as janelas de Stacia, nos ignorando totalmente. O que dava a entender que fora suas obrigações de análise, só o que existia no mundo dessas infelizes criaturas era consumir aquele alimento líquido pútrido.

Infelizmente, no momento não podia ajudá-los, mesmo estando a par de sua situação desesperadora. Porém, desde o contato com os outros funcionários, como o carcereiro da prisão subterrânea até a ascensorista que gentilmente nos trouxe até aqui, reforçou minha intenção de fazer algo por eles, muito embora seja um eufemismo de minha parte acreditar que possa fazer alguma diferença na posição em que me encontro.

Mas, diferentemente dessas pessoas as quais cruzei, uma coisa me fazia sentir que o dono dessa voz distorcida tem algo a ver com esse lugar horrível, o que por si só me dá a dica de que não será um aliado.

Alice, aparentemente pensava o mesmo, pois uma aura crescente de ira surgia em seu rosto pálido a cada passo dado.

Cruzamos a sala sem mais delongas em linha reta e alcançamos a entrada da passagem.

A todo instante ia verificando se nossa posição estava segura, olhando de um lado para o olho atentamente.

Além da passagem, o mesmo modo estranhamente estreito de caminho se apresentou, porém, a sala dessa vez era de um tamanho razoável, não tão grande quanto à outra, mas ainda assim, normal.

Era um local iluminado, nos permitindo ver o interior sem nenhuma dificuldade. Embora fosse uma sala normal, algo me pareceu muito estranho.

Os móveis brilhavam em cor dourada. Suas dimensões muitas vezes eram maiores do que a usual, como as gavetas e a cama, ou então menores do que o normal, como a mesa e várias caixas espalhadas por ali.

Independente de suas dimensões, tudo brilhava deslumbrantemente, refletindo a luz dourada a ponto de incomodar nossos olhos, mesmo àquela distância.

Mas o que mais chamava a atenção nos móveis era o que havia em cima deles, incontáveis brinquedos de diversos tipos e tamanhos.

A maioria era de pelúcia com as cores primárias muito berrantes. Diversas partes sozinhas, como mãos humanas, botões que provavelmente faziam às vezes de olhos, fios de linhas emaranhados que acreditei que eram para fazer os cabelos ou cobrir bonecos que em forma de animais, como gatos, cachorros, cavalos, gado ou… monstros que não podia identificar de imediato devido aos seus contornos repulsivos.

Estavam por toda a parte da sala, com sua maior concentração sobre a enorme cama.

Tinha também muitas prateleiras nas paredes, com bichinhos de pelúcia de animais e instrumentos musicais dispostos como em uma vitrine das lojas de brinquedo que havia nos shoppings do mundo real ou o mais próximo que tinha por aqui, as tendas de brinquedos no quinto distrito de Centoria.

E no meio disso tudo, estava o dono da voz, enterrado em pilhas de brinquedo… divertidamente… brincando…!?

“Hooooooh! Hooooooooh!!”

Assim como havíamos classificado aquele monte de interjeições, gemidos e exclamações sem sentido, aquela pessoa só podia ser descrita como… estranha.

Redondo.

Uma cabeça redonda como uma bola em cima de um torso quase esférico como um boneco de neve. Mas, não era branco, estava vestido como um traje bufante de palhaço, com a cor vermelha na direita e azul na esquerda. As mangas que cobriam seus braços rechonchudos tinham listras verticais também nas mesmas cores.

Era um incrível espetáculo que chegava a doer os olhos se mantivéssemos analisando por muito tempo.

A cabeça em forma de bolota não era exatamente pálida e sim, totalmente branca e calva como os anciões na outra sala, porém, diferente deles, sua superfície era tão brilhante como se fosse lustrada com cera, apoiando um chapéu parecido com o que a Cardinal usava, no mesmo tom dourado dos móveis.

Me aproximei de Alice e cochichei no seu ouvido:

“Esse é o tal chefe dos anciões…?”

“Sim, essa coisa é o Chudelkin.”

A resposta da cavaleiro, embora dita com aquela voz melodiosa, indiscutivelmente transparecia desgosto e nojo.

Olhei mais uma vez a criatura esférica em seu traje espalhafatoso…

…Tinha que ser justo um palhaço…? Qual o problema dessas pessoas?

Se ele era realmente o chefão, então seu status estava em pé de igualdade com o Knight Commander Bercouli, só que ao invés de ser um guerreiro, era o maior usuário de artes sagradas desse lugar, abaixo somente da Administrator. Em outras palavras, era a pessoa mais importante dentro da Igreja Axiom tirando o grande chefe.

Mas mesmo sabendo de tudo isso, era como se as expressões ‘estou indefeso’ ou ‘me surre com gosto’ estivessem escritas em sua testa roliça. E justamente nesse momento, sua mente parecia estar absorta a tudo a volta, fixada em algo que levava em suas mãos.

Não consegui ver muito bem devido a sua circunferência que bloqueava, mas parecia que o tal Chudelkin estava muito focado em observar uma espécie de bola de cristal. Agitava alegremente suas diminutas perninhas enquanto seguia exclamando ‘-Hah!’ e ‘Hoh!’.

Estava preparado para ter um tenso começo, culminando em uma enorme batalha, como foram as lutas contra Deusobert e Fanatio, mas… o que deveria fazer nessa situação?

Enquanto me enchia de dúvidas, Alice fez seu movimento, aparentemente incapaz de se conter por mais tempo.

Usando toda a força de vontade acumulada e sem nenhuma intenção de ocultar sua presença, arrancou em um avanço poderoso, pisando no chão com uma força descomunal.

Se fosse colocar um paralelo aqui, se ela fosse um carro, sua arrancada seria direto na quinta marcha com uma aceleração de zero a duzentos e vinte quilômetros em menos de meio segundo sem a necessidade de ir progressivamente avançando a troca na caixa de câmbio enquanto eu era um utilitário econômico.

Com essa explosão de arrancada, me deixou comendo poeira vários passos atrás. Ela havia se transformado em apenas um borrão dourado, queimando o chão a cada passada poderosa.

E quando Alice já havia alcançado o raio de ação necessário para acertar o pescoço do pequeno palhaço, na hora em que pensei que veria a cabeça de Chudelkin voando pelo ar, aconteceu…

“Hooooooooooooaaaah…!?”

Alice investiu com fúria para cima daquela coisa redonda, que ao perceber a aproximação de maneira até agora impossível para eu imaginar, conseguiu escapar do ataque agilmente se afundando no meio da montanha de brinquedos soltando um grito esganiçado e histérico.

Mas mesmo com toda a agilidade, Alice rompeu com uma explosão a ‘barreira’ de brinquedos, encurralando o pequeno homem contra a parede.

Com a ameaça finalmente presa, deixei-o para Alice cuidar e me pus a vasculhar a sala atrás de Eugeo, que havia sido levado por ele do andar de banho. Infelizmente não pude localizar meu amigo em lugar algum.

Quando voltei minha atenção novamente para o centro do recinto com uma pontada de desapontamento, vi a tal bola de cristal que Chudelkin estava tão interessado.

Um redemoinho de luz se agitava no interior da bola que media cerca de cinquenta centímetros de diâmetro mais ou menos e que mostrava uma imagem em perspectiva.

Uma garota sentada desalinhadamente com suas pernas dobradas para o lado sobre lençóis aparentemente muito luxuosos. Seu rosto estava escondido atrás de longos cabelos prateados e com seu corpo completamente desnudo.

E nesse instante, juntamente com uma sensação de nojo, me dei conta que esse era o motivo por trás daqueles estranhos gritos e gemidos de Chudelkin. Ele estava em êxtase enquanto espiava a cena.

Cheguei mais perto para ver se reconhecia a pessoa sendo observada, mas talvez pela arte ter sido interrompida, logo começou a desbotar e sumir.

Alice, por sua vez, não mostrou nenhum interesse na imagem desde o início. Estava com a ponta de sua espada enfiada dentro da boca do palhaço que se erguia desesperadamente na ponta de seus pés encostado à parede enquanto vociferava.

“Vou arrancar essa sua língua nojenta fora no instante em que tentar falar qualquer arte!”

A pequena boca do homem tentava gritar algo, mas depois da advertência, parou de se debater enquanto o suor frio descia pelo rosto.

A julgar pela regra fundamental de Underworld, que força todas as artes serem precedidas pela frase ‘System call’, um oponente usuário de feitiços perdia toda sua vantagem caso fosse obrigado a ter que tomar uma postura dessas como a que a Alice está fazendo com o chefe dos anciões.

Ainda assim, mantive minha atenção em seus bracinhos enquanto olhava o rosto desse tal Chudelkin.

Inexplicável.

Não havia outra expressão que pudesse se encaixar nessa figura. Lábios vermelhos brilhantes ocupavam a metade inferior de seu rosto perfeitamente circular, um nariz esborrachado sobressaindo por cima disso, com olhos e sobrancelhas em forma de arco. Todo o conjunto o fazia assemelhar-se a um emoticon.

Porém, esses olhos fininhos estavam agora ridiculamente esbugalhados, com suas pupilas negras tremendo em pânico enquanto olhavam Alice.

Os lábios grossos franzidos como se fossem uma trombeta, tentaram balbuciar com uma voz que era uma mescla de metal oxidado.

“V-Você… número trinta… c-como e porque… está aqui? Deveria ter caído da torre com esses lixos e morrido como uma inútil que é…”

“Não ouse me chamar por um número! Meu nome é Alice e não sou representada por essa classificação!”

A cara já retorcida de Chudelkin se franziu mais ainda com a resposta de Alice, que possuía uma sede de sangue gigantesca, fria como gelo. A pressão era tanta que desviou o olhar da garota e me avistou diretamente pela primeira vez.

Seus olhos se fecharam um pouco em forma de uma meia lua e ofegante grasnou.

“E v-vo-vocêêê!!!! Como? Thir…. Knight Alice…. porque não destruiu esse maldito? Ele é um rebelde que se voltou contra a igreja… Não lhes disse que era um espião do Dark Territory?”

“Certamente, ele até pode ser algum tipo de criminoso. Mas, não é nenhum guardião do território das trevas… não igual ao que estou olhando nesse momento.”

“O-O q-quê….!!!??”

As extremidades curtas de Chudelkin tremeram como se fossem um de seus bonecos jogados nesse cômodo.

“E-Então planeja trair mesmo a igreja? Hein? Sua inútil cavaleiro de merdaaaa!!!”

Talvez com a espada em sua boca, longe de seu ângulo de visão, não o tenha apavorado o suficiente, pois sua cara branca começou a se tornar vermelha conforme se enchia de fúria e berrava de forma histérica, fazendo sua voz soar muito mais distorcida e afetada do que o ‘normal’.

“Vocês, Integrity Knight são mesmo uns inúteis!! Foram e sempre serãããõoo!!!

Principalmente você, sua marionetezinha metida a besta!! Todos não passam de bonecos que se movem de acordo com meeeeeeus desejos!!! Como pode tentar se voltar contra vossa eminência?? Como pode trair a igreja?? Como você, sua merdinha, pode supor que vai ganhar da Alto Ministro de Axiom, a grande Administratooooooorrrrrrr????”

Depois de se desviar da saliva que era expulsa da boca de Chudelkin escancarada forçadamente pela espada, Alice friamente respondeu sem sequer mover suas sobrancelhas de tanto desprezo.

“Mas não foi essa mesma Igreja Axiom que nos transformou em bonecos? Depois de tudo, é provável que você mesmo tenha selado nossas recordações através do Synthesis Ritual, nos incutindo uma lealdade forçada em nossas almas e nos fazendo crer que éramos guerreiros convocados do Mundo Celestial, não é? Me diga… chefe… Elder Chudelkin!”

“Qu…?!”

O rosto de Chudelkin mudou de cor umas quantas vezes, de branco para vermelho, para roxo e vermelho novamente enquanto sua boca se abria mais ainda e começava a babar.

“Como você… sabe…?”

“Parece que não foi feito um bom trabalho, já que algumas recordações, mesmo seladas, ainda permanecem em nós, mesmo que fracas. Vi uma cena estranha no momento em que entrei ali na câmara anterior… uma menina assustada, cheia de ansiedade e medo, amarrada no centro da sala, tendo as paredes de seu coração abertas e arrancadas por todos aqueles anciões, sendo alvo de artes terríveis por três dias e três noites que pareceram três eternidades de sofrimento. Essa é a verdade por trás desse ritual…

Minhas lágrimas de dor e desespero mancharam o solo de pedra desse corredor quando eu era apenas uma garotinha.”

Apesar da intenção de Alice em se conter na frente de Chudelkin, estranhamente o mesmo retomou um pouco de sua cor original do rosto, o branco, ao ouvir as palavras da garota tão afiadas quanto o fio de uma espada e incrivelmente começou a retrucar.

“Sim… é como você disse. Ainda posso lembrar desses dias, sabe? A jovem, imaculadamente pura, tão encantadora era você, tão frágil… suas lágrimas corriam por aquele rostinho angelical, pedindo, suplicando…

‘-Oh! Por favor!! Não faça isso… não me façam esquecer… é muito precioso para mim… por favooor!!

Hohohoohooohooo!”

Quando Chudelkin tentou imitar a voz de uma garotinha em um falsete repulsivo, o olho de Alice brilhou como se uma chama vermelha estivesse eclodido em sua íris querendo queimar tudo a volta.

Porém, Chudelkin continuou com suas provocações, recomeçando seu monólogo medonho.

“Aaahh! Siiim!!! Ohooo, claro que me lembro! O prazer que obtenho toda vez que uso o sinal que começa o ritual, que pode levar uma hora ou a noite toda…aahhh!! É um deleite…!

Aconteceu depois que a trouxeram de algum lugar de merda, perdido nesse lixo de mundo e lhe transformei em uma aprendiz. Você era realmente um prodígio, pois conseguiu uma lacuna entre todos os seus afazeres diários, que não eram poucos e foi fazer… pasmem! Turismo no festival de verão de Centoria, mas como sabia que você ainda tinha a intenção de voltar para a porcaria de sua cidade natal, usava isso para lhe enganar dizendo que se fosse uma boa aprendiz, poderia voltar um dia… e com isso fui ‘cozinhando’ você, a fazendo trabalhar cada vez mais duro.

Mesmo sendo burrice, você fez tudo direitinho! E depois, quando alcançou autoridade suficientemente alta, após eu tê-la ‘engordado’ com poder sagrado, deu-se início ao Synthesis Ritual forçado.

Aquele rostinho se enchendo de lágrimas quando soube por mim que jamais voltaria para sua casa foi … Aaaahhh!!!

Quis lhe transformar imediatamente em pedra só para poder guardar aquela expressão para sempre Hoh, hoh, hooohooo!!!”

Quase não consegui me conter de puxar minha espada e partir esse ser gorducho viciado ao meio. Me segurei como pude enquanto Alice, rangendo os dentes ao máximo, teve mais controle do que eu e perguntou:

“Tem algo estranho nesse seu relato. Ritual forçado? O que isso quer dizer? Significa que o ritual só pode ser feito se a pessoa o fizer por livre e espontânea vontade?”

O chefe ancião apertou mais seus olhos, transformando-os em linhas finas se preparando para rir novamente.

“Hohoho, mas que ouvidos bons você tem minha cara marionete! Na verdade houve uma pessoa que se negou, mas mesmo assim… hohoho! Foi há seis anos atrás… você saaaaabe que era essa pessoa? Você sabe? Hein? Hein?… Uma diquinhaaaaa!

‘-Minha tarefa sagrada está em minha vila, em minha terra natal, não tenho nenhuma necessidade de escutar ordens suas.’

Ou algo próximo a isso… Hohohooo!

Siiiim, você era tão irritadinha, falava com tanto desprezoooo….!”

No final de tudo, Chudelkin, que provavelmente era o único humano que conseguia conservar sua própria identidade na Câmara dos Anciões, deu uma risadinha desafiadoramente vulgar.

Parecia exatamente o que a pequena Alice diria, segundo os relatos que tinha ouvido sobre sua índole, já que não a conheci naquela época.

Talvez recordando momentos para ele ruins, o chefe ancião franziu o rosto e torceu os lábios em desgosto.

“Você era uma pirralha impertinente de merda. Me causou taaaaaantos problemas que por vezes pensei em pedir a sua eminência, a Alto Ministro, para despertar e dar um jeitinho em você. Infelizmente não podia fazer nada além de dar continuidade o mais depressa possível aos preparativos para o ritual, entendeee? Mas você não podia esperar não é meeeeeesmo?

Não me culpe por ter feito o que fiz, pois não tive outra opção absolutamente, pois você aproveitou meus momentos de concentração para retirar os anciões automatizados de suas funções e tentar contato com as pessoas que lhe eram valiosas. Aquilo realmente me deixou beeeeeeeem irritado. Como resultado lhe arrastei por todos os lados como um lixo que você ééééeéééé e lhe joguei aqui!!!! Hohiii, hoh-ho-!!!”

Suas gargalhadas estridentes cessaram por um momento em que a ponta da Fragrant Olive Sword avançou um centímetro dentro de sua boca. Porém, o sorriso em seus lábios se manteve.

As palavras que escorriam de Chudelkin tinham várias pistas valiosas de informações.

Não quero fazê-lo responder muito mais coisas, pois Alice pode não se conter, portanto me afastei um pouco para pensar.

Porque esse palhaço estava falando tantos segredos vitais da igreja assim sem freio? A Alice está com a espada quase o decapitando e mesmo nessa situação ele continua a desafiá-la, quando o normal seria justamente o contrário, tentar conversar para salvar sua pele… estranhamente também não parecia estar aguardando uma oportunidade de contra-atacar com alguma arte sagrada.

Fiquei remoendo os pensamentos em silêncio enquanto os olhos de Chudelkin ficavam estranhamento me olhando e olhando para Alice. Pouco depois, começou a tagarelar mais uma vez.

“Assim que a primeira fase do ritual estava completa, você foi levada até sua eminência, a Alto Ministro pelas minhas próprias mãos e digo isso com muuuuuito orgulho, admito.

Lamentavelmente não pude ver o que se passou depois, mas no final, o ritual terminou e você despertou como uma Integrity Knight, convencida de que tinha sido convocada da terra dos deuses, o Mundo Celestial.

Mesmo tendo me dado taaaaanto trabalho, acabou igual aos outros cachorrinhos inúteis. Quase engasguei de tanto rir quando a vi falando as mesmas baboseiras do que eles… Ohhohohoh, hooooooo!”

Dei-me conta novamente com o movimento de vai e vem dos olhos de Chudelkin enquanto ele falava rapidamente sem parar. Olhava agora como se estivesse visualizando algo no ar, como se tivesse… esperando algo.

Em outras palavras, a tagarelice dele até agora era apenas para ganhar tempo…?

Quando fui avisar Alice, a mulher cavaleiro abriu a boca antes. Sua voz parecia muito mais fria do que o gelo que rodeava o comandante Bercouli.

“Chefe Elder Chudelkin, pensei por algum momento que você pudesse ter sido um pobre idiota que tivesse sua vida também destruída pela Administrator, uma vítima como os Integrity Knight e aqueles pobres ali na outra sala. Mas mesmo que tudo isso fosse verdade, você parece se divertir imensamente na atual circunstância. Em vista disso, creio que não tem nada para lamentar… e eu também não. Agora chega! Suas histórias já me aborreceram.”

A ponta da espada de Alice começou a se mover, saiu de sua boca e desceu… começando a pressionar o centro da estrutura redonda da criatura em trajes de palhaço, justo onde deveria ficar seu coração. O material brilhante que constituía sua vestimenta não demonstrou muita resistência e logo se abriu para a lâmina passar.

Essa era a hora, provavelmente Chudelkin tentará falar algo mais, alguma informação que possa achar relevante para ganhar tempo.

A localização de Eugeo talvez…

Porém, minhas esperanças foram facilmente destruídas um segundo depois.

A lâmina dourada cravou profundamente no peito do chefe ancião atravessando até atingir a parede, silenciando-o imediatamente. O corpo ficou empalado com sua boca escancarada em meio às palavras que nunca seriam ditas…

Nesse instante, os estreitos olhos de Chudelkin se arregalaram e seu traje vermelho e azul se inflou rapidamente como um balão. Talvez para evitar que o sangue saísse aos jorros, Alice virou o rosto e foi aí que aconteceu.

BAAMMM!!!

Uma tremenda explosão rugiu no recinto e o corpo perfeitamente redondo de Chudelkin saiu disparado como um balão furado em pleno ar. Uma torrente de sangue vermelho tingiu a armadura de Alice e … não!

“Mas o quê…!?”

“Hein…!?”

Tanto Alice como eu gritamos de surpresa. O que havia saído do buraco não era líquido… e sim vapores, gases coloridos de vermelho vivo.

A fumaça vermelha tomou conta de tudo, envolvendo cada canto da grande sala.

Lembrei-me de imediato que havia monstros com esse tipo de habilidade especial em Aincrad também. Sua pele se acumulava e inchava sobre o próprio corpo, criando quase uma cópia de si mesmo e cada vez que eram afetadas, explodiam em uma grande nuvem de fumaça dando a chance de o oponente fugir com seu corpo verdadeiro intacto.

Sword Art Online Alicization - Dividing - Alice vs Elder ChudelkinHavendo refrescado a memória desses fatos, instintivamente girei a espada na mão direita na hora em que vi uma grande e magra sombra passando agilmente pela minha visão periférica.

Senti um pouco de resistência quando golpeei, porém a única coisa que caiu aos meus pés foi um chapéu dourado familiar.

Dei um passo adiante procurando o inimigo, mas os efeitos daquela fumava provavelmente venenosa estavam chegando em minha garganta, causando uma dor como se tivesse engolindo um cacto cheio de espinhos no momento em que respirei, provocando um acesso de tosse.

“Chudelkin…!!!”

Alice gritou com sua mão esquerda cobrindo a boca e saltou para o lugar onde a sombra havia acabado de passar.

O pequeno palhaço não tinha passado pela porta que se conectava com a Câmara dos Anciões e sim ido para além dela. Pensando em como não tinha visto nenhuma passagem por ali, corri também me abaixando para evitar a fumaça e aguardando ver o nosso não mais gorducho inimigo.

Porém, o que vimos após a cortina de fumaça foram novamente as caixas douradas que estavam espalhadas por ali, uma delas, estava arrastada da parede mostrando uma passagem secreta atrás.

Demos uma rápida olhada para dentro do vão e vimos a sombra de uma cabeça redonda com um corpo alto e ridiculamente magro com as extremidades bem finas e compridas escapando com agilidade.

“Hohiii! Hohi-hii hii-hii-hiii…!!!”

Aquela risada estridente chegou aos meus ouvidos a medida em que continuávamos a perseguição.

“Nem todas as artes são recitadas, seus idiooootas!!! Idiooooootaaaaaaas!!!!

Querem me pegar? Então venham! Sigam-me! Os enfrentarei em meu terreno dessa vez, hoh-hoh, hohoooo…!”

A risada continuou como um brinquedo quebrado, ritmada ao som de passinhos muito leves e rápidos.

Realmente, eu odeio palhaços.

 

 

EPISÓDIO GRANDÃO PARA ALEGRAR AS PESSOAS!! MAS NÃO SE ENGANEM, ELE É GRANDE MAIS VAI TE DEIXAR EM UMA BAD INACREDITÁVEL…

CADA VEZ MAIS ESSE MUNDINHO PERFEITO DA SENHORA ADMINISTRATOR FICA MAIS CABULOSO.

SE FOR PENSAR, É UMA PUTA CRÍTICA AOS PENSAMENTOS DE MUITOS DÉSPOTAS QUE PISARAM NESSE NOSSO MUNDINHO, NÃO É?

Sword Art Online – Alicization Dividing

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Música tensa, vai te deixar na M***** igual ao capítulo de hoje T_T