Sword Art Online Alicization Dividing em Português – Underworld – Capítulo 11 – Parte 3.1

Arco: Alicization – Dividing

Capítulo 11

Parte 3

Sword Art Online Alicization - Alice x Bercouli

“E… lá vamos nós…!!!”

Com o grito quase beirando um lamento desesperado, impulsionei meu corpo para cima em um esforço final.

Quase escorreguei na tentativa de enganchar a ponta do meu pé direito na beirada de mármore, utilizando o resto de força que tinha na perna para me puxar para cima e me arrastar pela superfície lisa do piso.

Minhas articulações e músculos haviam chegado ao limite, latejando e ardendo como se tivesse posto fogo neles. Gotas de suor escorriam pela minha testa enquanto meu corpo procurava recuperar o fôlego de maneira desajeitada. Mal tinha forças para secar o rosto com as mãos.

O realismo dessa fadiga era impressionante, quase me fazendo por em dúvida se estava realmente dentro de um mundo virtual gerado pelo STL.

Por fim, havia chegado ao nonagésimo quinto andar da Catedral Central depois de duas horas de agonizante subida após o surgimento da lua. Tinha utilizado toda minha força para escalar o paredão, enfrentando o desgaste crescente, de maneira que agora mal conseguia olhar ao meu redor.

Resolvi esticar minhas pernas e fechar os olhos para ajudar o corpo a recuperar um pouco de sua vida.

O nosso objetivo, o nonagésimo quinto andar, estava a sete andares acima da faixa estreita de pedra onde ficavam os subordinates de pedra. Mas a principal razão do meu cansaço não tinha sido a subida propriamente dita e sim o cavaleiro dourado atado à minha cintura.

Há algumas horas atrás, a Integrity Knight Alice Synthesis Thirty conseguiu superar a barreira que provavelmente estava presente em todos os habitantes de Underworld, o selo do olho direito, com aquele terrível e misterioso alerta do sistema. E ela havia conseguido isso com suas próprias forças, que infelizmente, acabou cobrando um alto preço.

Seu magnífico olho direito, com brilho comparável a uma joia preciosa, explodiu para fora de sua órbita, se dispersando sem deixar rastro. Fazendo com que Alice caísse inconsciente com a dor incomensurável.

Não estou muito certo se isso é pelo modo com que as almas são armazenadas, em um local artificial, o Lightcube, mas é fato de que os seres de Underworld são altamente sensíveis às perturbações psicológicas.

Quando são atingidos por uma carga muito grande de emoções, sejam elas, pena, medo ou raiva por exemplo… sentimentos pouco comuns nesse mundo sem violência, eles acabam por perderem os sentidos por um determinado período. Acredito que a razão seja para proteger suas luzes flutuantes, os Fluctlight, de um erro lógico grave. Algo parecido com o que ocorreu com a irmã menor de Alice, Selka, quando foi capturada pelos goblins naquela caverna dois anos atrás.

Estou supondo que Alice desmaiou exatamente pelo mesmo motivo, diminuir o impacto do choque de romper esse selo. Se ela continuasse consciente, poderia acontecer igual ao espadachim em treinamento Raios Antinous, que acabou entrando em colapso mental, com sua programação se enchendo de erro.

E se isso que estou cogitando for realmente certo, então é incrível que Eugeo, depois de ter experimentado o mesmo fenômeno de Alice no quarto de Raios dois dias atrás, apesar de não estar em sua melhor forma, ainda conseguia manter-se coeso em sua personalidade e ter respostas cognitivas normais.

Ao menos, tinha chegado a uma resposta razoável sobre essa vulnerabilidade emocional e absoluta obediência às ordens dos habitantes de Underworld. Sei agora que a mudança para eles não é impossível, que eles podem sim transcender essas barreiras.

Eugeo e Alice eram provas mais do que tangíveis disso. Os habitantes desse mundo eram inteligências criadas pelo homem, porém, sua força e sua alma não diferem em nada com a dos seres humanos do mundo real.

Enquanto seguia pensando nisso, esperava a recuperação de Alice, a qual tinha puxado para cima comigo e que permanecia desacordada desde o momento em que caiu no estreito parapeito dos subordinates.

Havia conseguido conter o fluxo sanguíneo de seu olho com meu parco conhecimento de artes sagradas de cura e com a reduzida quantidade de recursos espaciais adequados para uma regeneração satisfatória. Infelizmente estava longe de ser algo bom, mas era o que eu tinha na hora.

A lua havia surgido sem que eu me desse conta e os recursos espaciais começaram a ser repostos lentamente. Então, aguardei até ter energia suficiente e recomecei a criar os ganchos para prosseguir com a escalada. Que agora seria mais difícil, pois tinha que carregar a Integrity Knight comigo de algum jeito.

Arranquei um pedaço de pano da minha camisa e improvisei um tapa-olho, o enrolando ao redor de sua cabeça e a preparei para o içamento paredão acima.

Desconectei-nos da fina corrente em nossos braços com o intuito de amarrar a garota em minhas costas.

Pensei seriamente em jogar fora aquela armadura tremendamente pesada, porém, como Alice havia se proposto em lutar ao nosso lado, percebi que não poderia fazer isso. Dessa forma, não tinha outra opção, a não ser levá-la junto com armadura e sua espada pesada como chumbo.

Me odiando um pouco por ter ideias idiotas, amarrei a garota em minhas costas e iniciei a escalada naquele céu noturno.

Felizmente, apesar de meus músculos estarem a ponto de desfiar, a subida não teve mais nenhuma surpresa. Quando avistei a sacada logo acima, após insuportáveis horas de escalada, senti minhas forças se renovando, prontas para dar seu último esforço. Fiquei tão agitado, que até deixei cair um dos preciosos ganchos.

Rezei para que ele se desfizesse antes de atingir alguém no solo.

De qualquer forma, finalmente consegui entrar aqui…

Falando sinceramente, devia ter mais ou menos uns três minutos de forças restantes no meu corpo.

Então, agora provavelmente serei perdoado se me encostar para dormir um pouco após subir essa altura toda.

Com isso em mente, deixei-me relaxar. Nessa hora, fui tomado por um sentimento intenso de felicidade. Certamente era meu corpo agradecendo o descanso.

Infelizmente… logo encontrei um obstáculo. Nas minhas costas ouvi uma voz…

“U… uhm…!”

Era o gemido da mulher cavaleiro que me fez algumas cócegas na nuca com sua respiração enquanto despertava.

“…Onde… estou…? …Como…!?”

Alice sussurrou enquanto tentava se levantar, porém, a corrente se tencionou de imediato, impedindo seus movimentos e fazendo minhas costas dolorosamente esticar ao contrário.

“Essa corrente… Kirito… não me diga que você… me trouxe até aqui…!!?”

Sim sua maluca, não tive outra opção. Espero ao menos um muito obrigado de sua parte.”

Foi o que eu pensei na hora, mas não disse nada.

“Afaste-se logo de mim!! Está completamente encharcado de suor!! Se isso encostar em minhas roupas eu…!!! Saí!! Me solte de uma vez!!!”

Ao dizer isso, recebi quase que imediatamente uma cabeçada na nuca.

Acabei batendo com o lado do rosto no mármore, desejando que seu olho estivesse com uma dor mil vezes maior… Pelo menos a irritação me devolveu um pouco de força.

“Então fiquei quieta!… Precisava mesmo fazer isso!? Que escândalo…! ”

Depois de nos desamarrar, a garota saiu de minhas costas e fui me apoiar em um pilar circular próximo recuperando o fôlego novamente.

Ao que tudo indicava, aquela mulher não tinha se dado conta do quão duro foi trazê-la até aqui. Apenas fiquei vendo-a sacudir e espanar seu vestido por baixo da grossa armadura.

E quando achei que suas grosserias tinham acabado, a vi levando seus pulsos, que haviam estado constantemente em contato com meu pescoço suado, até a altura do nariz e franzindo o rosto.

Acabei não me contendo, tinha que falar algo para essa garotinha mimada e ingrata.

“Se está tão ofendida assim, porque não vai tomar um longo e belo banho, ‘Óh! Grande cavaleiro sagrado’?”

Falei isso com intuito de irritá-la, mas comecei a perceber que Alice realmente estava cogitando minhas palavras, pois ficou com um ar de quem estava pensando seriamente em algo.

“Ei! Caso não tenha percebido, estou apenas te irritando, era uma brincadeira…”

“Não, você está certo. Creio que descendo uns cinco andares… no nonagésimo, tem um grande salão próprio para um banho. Ele é utilizado pelos Integrity Knight descansarem e se limparem.”

“O que…!??”

Aquilo realmente tinha sido inesperado.

Estaria mentindo se dissesse que não gostaria de me limpar, depois de ter suado tanto para subir essa parede ridiculamente alta e ter passado por todas aquelas batalhas desde a fuga do cárcere subterrâneo.

Nem precisava ser necessariamente um local para banhos, até uma simples poça de água já me faria feliz.

Enquanto pensava nisso, dei uma olhada no local onde estávamos. O nonagésimo quinto andar da catedral, o lugar chamado de Morning Star Lookout, parecia ter sido construído para ser um descomunal mirante, exatamente como a tradução de seu nome indica.

Toda a extensão do andar era destituída de paredes, motivo esse que fizemos dele o nosso objetivo principal de escalada. Como sustentação, esse enorme salão utilizava uma infinidade de colunas enormes e redondas dispostas entre si.

Ao ver tamanho espaço vazio e desprotegido, dei um pouco de razão para a Administrator em ter colocado aquelas sentinelas para proteger o acesso.

A parte externa, onde deveria ter paredes, culminava seu final em uma enorme sacada, rodeada de diversas esculturas de mármore com vasos cheios de plantas desconhecidas por mim, com algumas mesas e cadeiras um pouco mais afastadas da beirada.

De fato, era um lugar magnífico. Me imaginei sentado preguiçosamente em uma dessas acomodações observando o céu noturno como agora. A visão dava a impressão de que eu próprio havia me tornado um pássaro, olhando toda a extensão de Underworld que parecia seguir ao infinito.

A grande escada que conduzia para cima e para baixo fora construída na parte norte. Ela estava com o piso imaculadamente limpo e sem sinal de que alguém tivesse, por ventura, passado.

Me pergunto se Eugeo já esteve por aqui?

Atrasado umas sete horas desde que caí para fora da torre no octogésimo andar, é provável que Eugeo já tenha prosseguido.

Se agiu racionalmente, deve ter percebido que eu o seguiria cedo ou tarde, portanto, deve ter subido e passado por aqui há horas, talvez travando muitas batalhas no caminho.

O único problema que me atormenta agora é sobre o terrível oponente que deve ter se interposto no caminho de Eugeo, o mais forte de todos os guerreiros aos quais lutamos até agora, o tal do Integrity Knight Commander Bercouli Synthesis One, o herói lendário, mais forte do que a segunda em comando, Integrity Knight Fanatio, que empatou comigo e perdeu para Alice, essa última que cuidou de nós dois sem dificuldades.

É claro que Eugeo não é fraco. Inclusive, ele me supera em muitos quesitos no manejo com a espada. Porém, uma técnica por si só não tinha poder suficiente para derrotar os cavaleiros sagrados, que tinham uma força sobre-humana.

Até agora temos contado sempre com a estratégia no estilo ‘vale tudo’, arriscando um tudo ou nada, mas isso sempre partiu de mim. Será que Eugeo realmente é capaz de agir dessa forma sozinho…?

Depois de dar uma olhada ao redor também, Alice me chamou com uma voz em tom preocupado.

“Deixando o assunto do banho de lado, esse seu companheiro… o tal Eugeo, será que conseguiu subir até aqui…?”

“Porque a pergunta?”

“Depois de tudo, esse andar é o único lugar onde é possível retornar para dentro da torre, caso estejamos vindo pelo lado de fora. Isso se torna óbvio já na primeira olhada…

Em outras palavras, se seu amigo estivesse chegado aqui, ele não deveria ter ficado te esperando…?”

“…Você tem razão…”

Assenti com a cabeça enquanto cruzava os braços. Agora que ela tinha mencionado, se Eugeo não esperou aqui e prosseguiu com sua escalada, provavelmente a essa hora estaria capturado ou na pior das hipóteses… morto.

Sinceramente, acredito de que Eugeo não é o tipo de pessoa que se deixaria ser preso ou assassinado assim facilmente.

“Além disso, se Eugeo…”

Alice continuou falando com uma expressão pensativa, falando o nome do garoto de forma muito natural, talvez até mesmo sem dar-se conta disso.

“…Veio subindo por aquela escada, chegando ao Top Cloud Garden, provavelmente encontrou o oponente mais forte até aqui. O orgulho de todos os guerreiros… sua excelência, o senhor Knight Commander Bercouli.”

Notei a grande admiração que ela possuía por essa pessoa somente pelo modo com o qual falou, mas deixei isso de lado, pois outra coisa me chamou a atenção.

“Ele é realmente tão forte assim? Esse Knight Commander…”

No rosto de Alice se formou um sorriso que parecia ser uma mescla de orgulho ferido e admiração total enquanto assentia com a cabeça.

“Eu jamais consegui ganhar uma luta contra ele. Então, se comparar, vocês dois que perderam contra mim… já podem supor o quão forte ele é.”

“…Sim, talvez esteja certa, porém, não se esqueça que não chegamos a realmente terminar de lutar…”

Não conseguia realmente ficar quieto diante das palavras delas.

Então, parecendo ignorar minha resposta, a mulher cavaleiro falou:

“Certamente, a experiência do senhor Bercouli com a espada está muito acima de todas as médias conhecidas. Inclusive, posso facilmente dizer que sua técnica está no nível dos deuses. O instrumento sagrado que carrega o Time Piercing Sword, possui a capacidade de cortar o próprio tempo, como seu nome sugere.

Sendo mais específica, os golpes que saem de sua arma, podem permanecerem ativos no tempo e espaço… consegue imaginar as implicações disso? Mesmo que consiga desviar desses golpes, uma atrás do outro, uma hora se verá preso em uma jaula cheia de poderosíssimas lâminas invisíveis, esperando para te dilacerar, sem que você possa se defender.

Com um pouco de sorte, perderá apenas alguns membros ou no pior dos casos… o pescoço. É isso que tenho a dizer para alguém que irá encontrá-lo em batalha.

Todos aqueles que lutaram com ele, acabaram por morrer somente após terem recebido um único golpe. Foram destroçados como se fossem bonecos.”

“…Os golpes permanecem…”

Era difícil imaginar um golpe desses através de palavras, mas suponho que em sua essência, significa que os golpes deles se propagam para o futuro…

Sendo esse o caso, realmente era uma habilidade aterradora. Algo que facilmente anularia o cerne do Estilo Aincrad, que se baseia em golpes consecutivos.

Creio que Eugeo se encrencou…

Como iria lutar contra um oponente desses? Ainda sinto que ele não morreu, porém, essas sensações angustiantes e frias ainda percorrem minhas costas.

Talvez seja melhor mesmo descer as escadas e procurar meu amigo, mas… e se ele foi capturado e levado para cima? Para a presença da Administrator

O que aconteceria se ela utilizasse toda sua gama de comandos de sistema para acabar com ele? Senti um arrepio em imaginar ela utilizando sua influência sobre Eugeo.

Com isso em mente, acabei reunindo forças que nem sabia que tinha em minhas pernas e levantei cambaleando. Olhei apreensivo para a escada e mordi os lábios.

Passou pela cabeça que esse seria o momento perfeito para utilizar as artes sagradas de busca para achar a posição de Eugeo, mas lembrei de que esse tipo de comando não funciona para seres vivos. Caso contrário, o longo jogo de gato e rato que a Administrator e Cardinal estão participando acabaria em segundos.

Então, já que não funcionaria para achar o ser humano chamado Eugeo, talvez possa achar…

Conforme pensava, surgiu a existência de uma solução extremamente simples.

“Mas é claro…!! ”

Alice me ouviu falar isso com sua característica desconfiança estampada no rosto enquanto eu pronunciava as palavras iniciais padrão de todas as artes sagradas levantando minha mão direita.

System call!!!

Os recursos naturais que tinham sido drenados no lado de fora da torre, ao que tudo indicava, estavam em pleno processo de recuperação, pois mesmo com um pequeno delay, logo a ponta de meus dedos desprenderam um brilho violeta.

Contendo minha empolgação crescente, falei com cuidado a continuação do comando.

Generate umbra element. Adhering to possession. Object ID, WLSS703. Management approval

Mesmo sabendo que poderia ser um tiro no escuro, lembrei-me das regras das cadeias de caracteres que identificavam os objetos. No caso específico, a primeira metade que compunha o ID, provavelmente era um código da sua classe, sua categoria. Eu estava procurando a de armas conhecidas como espadas, o resto certamente tinha a ver com sua característica e modo de usar. Então, juntei tudo isso: uma espada com o gume duplo e com a empunhadura de uma mão.

A identificação da minha espada negra era WLSS102382, o que indicava a existência de várias centenas de espadas longas de uma mão nesse mundo. Levei em conta que a Blue Rose Sword fora criada com uma numeração provavelmente muito menor, já que é um instrumento sagrado extremamente antigo e puxando um pouco pela memória, consegui um palpite…

Enquanto cogitava sobre essas coisas, o ponto escuro formado na ponta de meus dedos se distanciou de mim e lentamente flutuou em direção ao chão, desaparecendo ao tocar a superfície do piso mais a nossa frente.

“…No andar abaixo então…?”

“É o que parece.”

Alice agora tinha um olhar de compreensão sobre o que havia acabado de fazer.

Abri e fechei minhas mãos várias vezes. Parecia que minha vida havia se recuperado um pouco, diminuindo a progressão da fadiga de meu corpo, porém, as lesões que Alice sofreu, muito mais contundentes do que as minhas, persistiam.

Com uma pontada de culpa, olhei em seu rosto e perguntei:

“Como está seu olho direito? Há alguma possibilidade de curá-lo…?”

Alice passou a mão suavemente sobre o curativo improvisado do pedaço de minha camiseta e respondeu:

“Foi… você quem colocou isso?”

“Sim… mas só consegui deter o sangramento… infelizmente esse é o limite de minhas habilidades nas artes sagradas curativas. Se fosse você, provavelmente conseguiria…”

“Mas isso é mais do que óbvio, nem tente comparar suas habilidades com as minhas, tenho muito mais autoridade nesse quesito, entretanto…”

Em meio a sua habitual aspereza nas palavras, de repente sua voz vacilou. Seu olho esquerdo, como metade de um céu, incompleto, repousou seu olhar sobre a lua prateada.

“A quantidade de poder sagrado no ar daqui não é suficiente para gerar o número de elementos luminosos necessários para regenerar meu olho perdido, definitivamente.

Mas, é provável que permaneça assim mesmo com o sol surgindo…”

“Então, isso quer dizer que tudo dependerá do nível de autoridade? E se usar um catalisador, algo com um poder muito elevado… como essa sua armadura aí…?”

“Só em devolver o equipamento sagrado ao seu estado natural, já iria requerer um poder sagrado absurdo, drenando tudo na volta. O que você estava fazendo durante as aulas na academia…? Sério, estou realmente curiosa…”

Alice fez uma expressão incrédula e genuína enquanto falava.

“Seja como for, com meu campo de visão reduzido, minha habilidade em combate está sim prejudicada, mas nem por isso serei um obstáculo durante uma provável luta. Apenas isso não me fará parar nem por um segundo.”

“M-Mas…”

“E tem mais… desejo realmente permanecer com essa sensação mais um pouco. Essa dor é a prova de minha decisão de ir contra a Igreja Axiom, a quem devotei toda minha vida e esforços durante meus anos como Integrity Knight.”

Não podendo fazer mais nada, apenas assenti com a cabeça. A guerreira Alice tinha que abrir caminho com suas próprias forças, tomar as rédeas de seu destino e assumir a decisão de lutar pelo que ela acredita a partir de agora.

Com isso em mente falei:

“Certo, então serei sua visão direita quando estivermos batalhando.”

Respondendo dessa maneira, comecei a me dirigir para a grande escadaria.

“Vamos de uma vez! Pelo comportamento do elemento umbra, parece que Eugeo subiu bastante.”

Para ser sincero, procurei a posição atual da Blue Rose Sword, pois sei que ele jamais deixaria sua amada espada abandonada. Então, era certo que se eu a encontrasse, encontraria meu amigo também.

Alice assentiu com a cabeça e iniciou seu avanço em direção às escadas.

“Eu irei na frente, pois estou bem familiarizado com a espada… apesar de que provavelmente não haverá desvios, somente uma escada reta…”

Conforme prosseguíamos, uma brisa extremamente fria nos assolava vinda do acesso norte, no início da grande escada.

Não havia de fato nenhum sinal de vida dos habitantes da catedral ali, era uma imensidão vazia e não era privilégio dos andares abaixo e sim de praticamente toda a estrutura dessa torre.

Mas se por um lado o lugar era desprovido de pessoas, por outro, ele era tomado por uma sensação intensa de desolação, solidão e tristeza, tão forte que parecia haver uma viscosidade se movendo no ar. Não importava o quanto eu olhasse para esse lugar, para mim, isso não passava de uma luxuosíssima ruína.

E o que era mais apavorante é que esse mesmo lugar desolado, era de fato a organização mais poderosa que reinava sobre o Mundo Humano.

Se me lembro bem da explicação de Cardinal, na parte superior da Igreja Axiom deveria ter um grupo de pessoas chamados de anciões, uma ordem à parte dos Integrity Knight. E esse era justamente outro fator intrigante, pois até agora não topamos com nenhum integrante dessa classe, mesmo após termos chegado tão alto.

Quanto mais descíamos escada abaixo, com Alice ao meu lado, mais receoso ficava. Tal era meu desconforto que a mulher cavaleiro pareceu ler minhas expressões, franziu o rosto e disse:

“Creio que sei o que está pensando e sendo bem honesta… nem sequer os Integrity Knight sabem muita coisa sobre esses anciões. Sempre ouvimos falar de um departamento chamado Câmara dos Anciões, que fica nos últimos andares da torre, a partir do nonagésimo sexto piso, porém, somos proibidos de entrar nesse local…”

“I-Incrível! Era exatamente o que estava pensando! … E já que tocou nesse assunto… por acaso sabe o que esses anciões fazem?”

“…São encarregados do Índice de Tabus!”

A voz de Alice reverberou com um som grave.

“São as pessoas que confirmam e inspecionam tudo o que os habitantes do Mundo Humano fazem. Monitoram se eles cumprem com todos os desígnios do Índice de Tabus…

E quando há alguma infração, são os que acionam os Integrity Knight para resolverem a situação. Fora um deles que me contatou e me disse para ir até a Academia de Maestria com a Espada, em Centoria do Norte, para prender Eugeo e você.”

“…Entendi…

Em outras palavras, é essa tal Câmara dos Anciões que faz todo o servicinho sujo da Administrator, não é? Mas isso é realmente surpreendente… logo ela, tão cuidadosa com seus segredos, receosa e desconfiada, transferir tamanha responsabilidade e ceder grande autoridade para esses caras. Só posso chutar que esses anciões também tenham seus desejos e lembranças selados como os guerreiros sagrados e…”

E lá fui eu e minha boca grande novamente…

Sem querer acabei tocando em um assunto sensível, o que fez a garota fechar o semblante e apressar o passo, seguindo na minha frente sacudindo a cabeça.

“Por favor, não mencione nada em relação as minhas antigas recordações. Nada garante que meu olho esquerdo não comece a doer e exploda também.”

“E-Eu sinto muito e… para te tranquilizar, provavelmente não acontecerá mais nada… pois houve o mesmo com Eugeo e mesmo depois de conversar sobre o que causou o rompimento do selo do olho direito, nada ocorreu…”

“Assim… também espero.”

Alice novamente passou sua mão sobre seu olho, provavelmente recordando os dolorosos momentos no lado de fora da torre.

Comecei a analisar a situação…

Desde o momento em que ela tomou a decisão de se rebelar contra a Igreja Axiom e lutar com a Administrator, o Piety Module, que certamente está inserido em seu Fluctlight, não demonstrou nenhum sinal de instabilidade. Imaginei que o fragmento roubado pela Alto Ministro estava relacionado com sua irmã menor Selka ou seu amigo Eugeo, porém, diferentemente de Eldrie, mesmo falando sobre o assunto, o prisma púrpura não fez nenhuma menção e saltar de sua testa, nem mesmo quando ela tentou lembrar do rosto de sua familiar ou quando encontrou Eugeo na academia.

Nesse caso, quais são exatamente as lembranças de Alice que foram roubadas?

Independentemente do que eu possa cogitar, não creio ser produtivo tentar incomodá-la com isso nesse momento.

Depois de tudo terminado, podemos deixar a cargo de Cardinal para ela reverter o Synthesis Ritual e assim ajudar Alice a lembrar de tudo e deixar de lado esse personagem criado pela administradora desse mundo.

Enquanto continuava caminhando de forma automática, comecei a sentir o coração acelerar.

A única coisa a soar no lugar que estávamos eram nossos passos batendo nos degraus da enorme escadaria. Estava tudo afundado no mais sepulcral dos silêncios.

Muitos degraus depois, chegamos enfim a uma gigantesca porta…mais uma na verdade, pois cruzamos com outras desse tipo no nonagésimo quarto, terceiro, segundo e primeiro andar.

Dei uma observada e perguntei:

“É aqui?”

Alice parou imediatamente.

“Sim… o grande salão destinado aos banhos… o nonagésimo andar, está logo atrás dessa porta. O senhor Bercouli geralmente não escolheria um lugar para interceptar seus inimigos, mas caso o fizesse, esse aqui seria… o tipo ideal de lugar que ele acharia, pois aquele homem é…”

A garota interrompeu suas palavras e apenas levantou a mão direita, empurrando as folhas duplas da porta, que sem oferecer nenhuma resistência, escancararam-se sem fazer ruídos.

Uma espessa névoa branca engoliu-os imediatamente, me fazendo instintivamente proteger o rosto.

“Oaaah!!!… Mas que diabos de vapor é esse? É muito mais do que se esperaria de uma onsen pública… não consigo ver um palmo em frente ao meu nariz…”

Depois de falar, me dei conta de que a garota provavelmente não tinha ideia do que seria uma onsen, mas não iria parar para explicar também, pois mesmo com aquela quantidade absurda de vapor, seria incorreto dizer que para mim estava aceitável retirar as roupas e me banhar em águas mornas… retirando todo o suor de meu corpo o mais rápido possível.

Com isso em mente, dei um passo adiante, para dentro do grande salão de banho.

E logo após fazer isso, notei algo estranho…

O vapor que inundava todo o andar e nos envolvia, não estava nem um pouco quente… na verdade, a temperatura estava tremendamente baixa.

Ao que parecia, isso não era esperado nem por Alice, pois fez um grunhido de espanto.

Depois de certo tempo, com a ausência de movimento nosso, a névoa assentou um pouco, abrindo o horizonte para nossas vistas captarem o cenário melhor.

O enorme salão de banho cobria provavelmente todo aquele andar, ele deveria ser quase que totalmente inundado com águas quentes, mas nesse momento… estava completamente tomado por uma gigantesca camada branca.

Quase nada havia ficado de fora, tudo que tinha por ali estava coberto, inclusive uma grande piscina de aproximadamente 50 metros…

Outro fator incrível era o que parecia ser uma fonte com a cabeça de um animal, que provavelmente servia para jorrar grandes porções de água quente… totalmente congelada, com o mais cristalino dos gelos.

Conforme a névoa parava seu movimento, mais podíamos ver…

Para todos os lados haviam marcas geladas… estalactites e estalagmites se projetando de diversas partes das superfícies da sala. Com todas essas evidências, a primeira certeza é de que aquilo não era um fenômeno natural e sim algo provocado por uma gigantesca arte sagrada de grande alcance.

Só o que eu sabia até o momento era que não deve ter sido uma tarefa muito fácil, congelar todo esse local. Se aquilo foi feito por elementos criogênicos, deve ter sido executado por no mínimo dez usuários de alto nível para ter conseguido tal resultado, não é?

Caminhei até a esquerda, por um estreito caminho entre duas piscinas, desci as escadas que serviam de acesso à piscina a minha frente e caminhei sobre a superfície branca endurecida.

O gelo sequer rangia comigo em cima, mesmo eu estando carregando a espada negra, que tinha um peso absurdo. Cogitei que o método de congelamento usado deve ter começado do fundo para superfície.

“…Mas quem…?…”

Murmurei atônito, enquanto sacudia as mãos para afastar a névoa insistente em minha frente. Ao fazer isso, meus pés entraram em contato com algo conforme avançava.

Um ruído como o de cristal se estilhaçando veio de minhas solas. Forcei a vista para ver o que tinha gerado aquele barulho e vi diversas protuberâncias arredondadas sobre toda superfície de gelo.

Abaixei e peguei uma delas com a mão, retirando-a com certa dificuldade do solo e levantando ao nível dos olhos.

Eram pétalas translúcidas azuladas… pétalas de uma flor, de uma rosa feita totalmente de gelo.

“…!”

Tinha visto aquilo antes. Quando lutei contra a subcomandante Fanatio Synthesis Two, no quinto andar e também quando batalhei no octogésimo andar.

Era a arte suprema de meu amigo, utilizada para deter os movimentos do oponente ao dar à luz a essas rosas de gelo.

Em outras palavras, a pessoa que congelou tudo nesse andar não tinha usado uma arte sagrada propriamente dita…

“…Eugeo…”

Como o som de um sino enquanto caminhava, Alice se aproximou de mim no momento em que disse isso.

Ela então retrucou com a voz rouca, quando seu olho esquerdo se abria mais do que o normal.

“Deuses… foi o Eugeo que fez isso…?”

“Sim, não há erro. É realmente o resultado do seu Full Control Art da Blue Rose

E sendo honesto… nunca imaginei que pudesse ser tão poderoso…”

Eugeo tinha me dito que em seu estado pleno, sua arte poderia restringir completamente os movimentos de alguém, mas isso aqui era ridículo. Uma pessoa que fosse acertada com tamanha violência, teria sua vida totalmente drenada em instantes.

Isso aqui era literalmente um inferno gelado.

Vendo isso, acredito mais ainda que poderia ser capaz de fazer frente ao herói lendário, Bercouli…

E no momento em que pensei nisso, lembrei que se o elemento umbra apontava que a Blue Rose Sword estava aqui, então certamente Eugeo estaria por perto também.

Enquanto começava a olhar para os lados, iniciando as buscas, Alice deu um pequeno grito.

“Ah…!”

“…!?”

Ao olhar para onde a garota estava virada, há mais ou menos vinte metros adiante, avistei uma silhueta estranha e gigantesca.

Aquilo sem dúvidas era o contorno dos ombros de um ser humano e sua cabeça… com o que deveria ser o resto de seu corpo, totalmente enterrado no gelo.

Depois de uma rápida troca de olhar com Alice, largamos as rosas congeladas ali e começamos a correr.

Quanto mais me aproximava, mais me dava por conta de que aquela silhueta sepultada no gelo não era de Eugeo, pois sua constituição era infinitamente mais poderosa da de meu amigo.

Diminuí a velocidade em sinal de decepção e também de cautela, por outro lado, Alice gritava com uma voz chorosa e corria mais rápido.

“Meu senhor…!!”

Ela rapidamente chegou até a pessoa enquanto eu perguntava.

“É o comandante Bercouli? Então… onde está Eugeo…? ”

 

SENHOR KNIGHT POPSICLE COMMANDER!!!

Sword Art Online – Alicization Dividing

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest