Sword Art Online Alicization Dividing em Português – Underworld – Capítulo 10 – Parte 1.3

Arco: Alicization –Dividing

Capítulo 10

Sword Art Online Alicization - Dividing - Vol 13 - Chefe Elder Chudelkin
Syssssstem Caaaaallll!!! Deeeeeep Coooon- gelaaaaaation!!!!

Eugeo piscou com certa dificuldade ao ouvir aquelas palavras enquanto tentava responder.

“É exatamente por esse motivo… que me custa muito perdoar os atos que alguns de vocês cometeram…”

As emoções foram inundando seu peito, transbordando por todos os cantos de sua mente, fazendo-o se esquecer por hora da situação desesperadora em que se encontrava e prosseguindo a falar.

“Todos vocês foram forçados a não se lembrarem sobre quem realmente são… tendo que dedicar suas espadas e vidas congeladas para a Igreja Axiom sem saber sua verdadeira intenção. Usando essa fachada de justiça encarnada, fazendo de tudo para que a lei fosse cumprida…

Deixe-me dizer uma coisa, você não é um cavaleiro santo convocado do Mundo Celestial pela Alto Ministro. Você veio a esse mundo porque sua mãe lhe deu a luz e um nome, Bercouli… sim, você é um humano igual a mim!”

Eugeo terminou de dizer essas palavras quase gritando. Exatamente no momento em que se dava conta quem na verdade era aquele gigante diante de seus olhos.

A surpresa lhe veio como uma brisa quente invadindo seus pulmões…

Ele era… o verdadeiro Bercouli, o incrível homem que aparecia em tantas histórias antigas as quais tinha escutado de seu avô quando criança. Os grande espadachim que fundou Rulid trezentos anos atrás e que havia se tornado o primeiro líder de sua guarda.

O herói que tinha ido explorar a caverna no extremo norte da borda da serra e roubado uma preciosa espada que estava ao lado do grande dragão branco que no momento dormia… a Blue Rose Sword, a mesma que Eugeo segurava agora.

Ponderou por alguns instantes se ele talvez pudesse ser algum descendente do Bercouli original que estivesse carregando o mesmo nome, porém, sentia que aquilo não poderia ser verdade. Os Integrity Knight, que tem a redução de suas vidas totais totalmente congeladas, obviamente não envelheciam. Em outras palavras, este era o Bercouli original.

O personagem principal daquele inacreditável conto de fadas, ‘Bercouli e o Dragão Branco do Norte’, que tanto adorava ouvir quando era pequeno…

Era o seu herói que estava agora diante de seus olhos. Mas que muito provavelmente não se lembrava de nenhum desses seus feitos, pois logo acabou tendo suas recordações seladas ao se tornar um Integrity Knight.

Após uma breve recuperação de consciência devido à imensa emoção, Eugeo perguntou com a voz trêmula…

“…Bercouli… você por acaso se lembra de ter visto essa minha espada antes?”

A espada azul, ainda continuava brilhando com toda sua força debaixo de mais ou menos dez cens de gelo.

O comandante dos Integrity Knight, o protagonista de tantos contos de fadas a trezentos anos, baixou seus olhos para o gelo.

Sua barba craquelou enquanto o homem emitia sons com a voz rouca. Porém, as palavras de Bercouli pegaram Eugeo mais uma vez de surpresa.

“…Ah sim… a vi em algum lugar… Sim, foi naquele tempo…”

Eugeo ouviu essas desconcertantes palavras outra vez.

Os olhos de Bercouli que estavam novamente fechados, se abriram bem lentamente enquanto falava:

“Creio que ela estava no ninho do dragão guardião do norte quando eu o matei…”

Uma grande onda de choque atingiu o garoto, superando a sensação congelante crescente em seu corpo.

“V-você… o matou…?”

Lembrou-se da cena oito anos atrás, que Alice e ele testemunharam ao chegarem no ninho do dragão.

Aquela pilha de ossos gigantes amontoados no centro da caverna, com horríveis feridas profundas talhadas em toda a extensão de sua estrutura, em ângulos que somente uma espada poderia fazer. Obviamente uma ação proveniente de mãos humanas.

“Os ossos do dragão… foi você que fez aquilo…? Matou o dragão que aparecia em sua história mais heroica…?”

Sem disfarçar, emoções febris surgiram em seu rosto, brotando de sua ferida, jorrando por todos os poros de seu corpo semicongelado.

Eugeo negava aquela afirmação com a cabeça, com algo saindo de seus olhos, borrando mais sua visão.

“V-Você deve estar se confundindo… deve ser isso… Bercouli é um herói… e ele jamais mataria… todos sabem disso lá em Rulid, o povoado onde cresci, …o seu povoado. Lá ouvimos todas suas histórias e nos inspiramos em seus feitos desde muito jovem.

Sabemos que você fez uma longa viagem até o norte desde a cidade central e fundou uma pequena vila nas terras selvagens… é nosso real patriarca.

Foi por causa disso que a Alto Ministro o capturou e selou suas recordações, transformando-o em seu primeiro Integrity Knight, não é? E que não é o único, a senhorita Fanatio, o senhor Eldrie e Alice… todos são iguais… Antes de virarem cavaleiros a serviço da Igreja Axiom, eram todos seres humanos…”

“…Selado… minhas recordações, você disse…?”

Os olhos de Bercouli já não focavam em mais nada. Talvez pelo resultado da batalha ou porque estava olhando para um outro lugar ou tempo distante. Seja como for, uma voz estranhamente suave e baixinha saiu de seus lábios que já perdiam suas últimas forças.

“…Desculpe se não posso acreditar em sua história tão fascinante assim facilmente… mas… é fato que andei pensando nisso durante muito tempo… em toda a falação acerca de ser convocado do Mundo Celestial como um cavaleiros dos deuses… só um idiota total aceitaria algo do tipo hehe… he…”

Toda a força de Bercouli o abandonou. O gelo havia se instalado sobre as cicatrizes em seu rosto severo, moldado pelas batalhas. As lágrimas que fluíam de Eugeo nesse momento também acabaram congelando, sendo absorvidas pelas camadas implacáveis de gelo que alcançavam seu rosto, engolindo aos poucos tudo à sua volta.

O conto de fadas que escutou milhares de vezes quando pequeno, de Bercouli e o dragão branco, agora não passava mesmo de uma história infantil, perdendo seu sentido.

Saber que seu herói, que lhe servia de guia, havia matado um outro ser que deveria ser uma força do bem, passava agora uma sensação de perda, enganação e frustração…

A Alto Ministro, Administrator, tinha realmente uma força muito além do que ele podia imaginar. Depois de tudo, ela tinha a capacidade de manipular livremente espadachins poderosíssimos, convertendo-os em seus cavaleiros assassinos e os forçando a cometerem atos imperdoáveis.

Provavelmente ela não se importava nem um pouco ou se sentia ameaçada por reles espadachins aprendizes que estavam em uma tentativa pífia de lhe fazer frente. Ela faz jus as suas alcunhas… a Alto Ministro que tudo gere, a Administrator que tudo controla… a própria Igreja Axiom que tudo manipula e condena…

Eugeo ainda conseguiu perceber em um lugar remoto de sua mente, o esgotamento de sua vida, sendo sugada para dentro das rosas de gelo que permaneciam em suas inexoráveis demandas por drenar toda sua energia. Provavelmente o mesmo acontecia com Bercouli, que estava imóvel, com seus olhos aberto, congelados em um olhar eterno quase sem brilho algum em suas pupilas azuis acinzentadas.

Foi um empate…?

No momento em que pensou nisso, uma faísca quase imperceptível de vida ainda brilhou em seu peito, era o próprio desejo de não se dar por vencido em forma de energia.

Porém, ele não podia sequer mover um dedo.

A força começou a se esvair com suavidade de sua mão direita, afrouxando o agarre na empunhadura da submersa Blue Rose Sword, se desfazendo embaixo do gelo.

Terminou.

“Ho-hoooo, esplêndido, simplesmente esplêndido.”

Uma voz aguda, como o som de uma garra raspando em uma placa de metal soou de maneira muito alta por todo o salão de banho.

Eugeo instintivamente tentou mover seus olhos que não tinham muito foco, mas que ainda assim, conseguia visualizar uma silhueta extremamente grande se aproximando.

Pensou que era um ser humano, mas se fosse, era um excessivamente redondo. Seu torso, inchado como um barril, era quase um círculo perfeito, contrastando com extremidades muito curtas. Era uma visão deveras cômica para se dizer o mínimo.

Completando a composição desse ser, seu pescoço era totalmente ausente, apenas com uma cabeça igualmente redonda encaixada naquela circunferência enorme, dando muito a ideia de ser um desajeitado boneco de neve que as crianças construíam durante o inverno.

Porém, diferente do boneco, esse ser tinha roupas extremamente coloridas, com cores tão berrantes que doíam os olhos, mesmos os já borrados como os de Eugeo.

As vestes na parte de cima eram brilhantes, de um vermelho escuro na parte da direita e azul na parte esquerda. Em seu protuberante estômago, se viam enormes botões dourados. Da mesma forma, suas calças bufantes acompanhavam a ideia da camisa, só que as cores eram nas posições invertidas, assim como seus sapatos espalhafatosos.

Não havia um só fio de cabelo em sua cabeça redonda como um ovo, apenas um chapéu angular dourado com a parte superior reta, se assemelhando com o que Cardinal usava, porém neste caso, de muito mal gosto. E fechando esse horrível conjunto, a figura tinha um pouco mais de um mel de altura, quase um anão.

Basicamente era um palhaço baixinho muito gordo, como os que se apresentavam se equilibrando sobre objetos e fazendo acrobacias na praça do sexto distrito de Centoria durante o festival de verão.

Porém, ao contrário desses artistas, os traços faciais desse pequeno homem eram assustadores.

Devido a sua pele extremamente branca, era impossível determinar sua idade. O nariz redondo, com sobrancelhas bem separadas e lábios grossos pintados exageradamente de vermelho em um amplo sorriso macabro em total desarmonia com seus olhos bem finos como duas luas minguantes e pupilas anormalmente frias.

O palhaço de vermelho e azul veio saltitante enquanto cruzava o caminho de mármore até saltar para dentro da piscina na parte congelada.

Seus sapatos aterrissaram exatamente sobre duas rosas de gelo, triturando-as instantaneamente.

“Ho, hoo! Hoo, hoo, hoo!!”

Ao que tudo indicava, tinha algo de muito engraçado na cena, pois o pequeno homem levava as mãos para o alto e gargalhava de maneira histérica. Ficou assim por algum tempo e logo começou a pisotear todas as outras rosas ao redor, transformando-as em partículas de gelo, uma atrás da outra.

Fazia o maior estardalhaço a cada rosa destroçada enquanto ia se aproximando dos corpos de Eugeo e Bercouli presos no gelo.

Assim que terminou de esmagar a última rosa, ficou parado a uma certa distância enquanto encarava os dois guerreiros.

Logo aqueles lábios artificialmente vermelhos se abriram amplamente e aquela voz horrível soou mais uma vez.

“Ahá!!! Inaceitável, isso é realmente inaceitável, senhor Knight Commander. Vendo esse cenário, suponho que você não tenha lutado com tudo que tinha, não é? Se isso realmente for verdade, será tratado como uma traição por parte de sua eminência, a Alto Ministro resplandecente. Estou seguro que ela o castigará assim que despertar de seu sono.”

Para total descrença de Eugeo, ele conseguiu ouvir uma voz prestes a se fragmentar sair dos lábios de Bercouli.

“Ora vejam só… o velho chefe… Chudelkin… é melhor que não se meta nas batalhas entre dois espadachins…”

“Hoo, hohooo!”

Ao escutar as palavras de Bercouli, o pequeno palhaço mudou sua expressão por alguns instantes e saltou três passos para trás, arrumou sua postura e falou novamente em voz alta aplaudindo.

“Espadachins? Batalha?? Não me faça rir, hoohoohoooo!!!”

Aquela risada estridente e afetada parecia não sair de um ser humano.

“Você tem certeza do que diz? Vai querer negar que traiu seus votos ao facilitar para um traidor declarado? Meu caro senhor Knight Commander, você não utilizou o ‘outro lado’ de sua Time Piercing Sword, não é mesmo? Se fizesse isso, poderia ter acabado com esse pirralho muito antes que ele pudesse pensar em falar algo.

E ao não fazer isso, já é mais do que prova de uma grande traição à Alto Ministro!!”

“Ora…cale essa boca, seu inútil! … Eu teria lutado com tudo que tenho sim… se você não tivesse mentido, em primeiro lugar…

Esse carinha aqui não é nenhum assassino do Dark Territory… muito pelo contrário, ele é muito mais hábil e poderoso do que um idiota inflado, uma bola de carne inútil como você…”

“Caaaaaale-seeeeee!!!! Ou irei arrancar esse seu… seu… cabelo!”

Com seus olhos arregalados, o pequeno homem ficava saltando como uma bola, pisoteando a cabeça de Bercouli com suas pernas curtíssimas. Ficou girando o calcanhar para a direita e esquerda no rosto do comandante enquanto gritava estridentemente.

“Em primeiro lugar, fiz isso porque todos os seus cavaleiros ridículos fizeram uma porcaria de trabalho, estragando tudo. Me fizeram rir quando começaram a perder para essa duplinha que não chegam a ser metade de minha barriga.

Não se preocupe, assim que a sua eminência acordar, cuidarei para que ela fique ciente do que todos os seus cavaleiros fizeram… com toda a certeza ela punirá todos vocês… e quem sabe, até elegerá um novo comandante depois de você ser descartado!”

“Mas o que…? Seu desgraçad… só fizemos o que você disse para…”

“Ah! Fique quieto, quem manda aqui sou eu. E além do mais, não preciso ficar discutindo as minhas decisões com você. É melhor que durma de uma vez!”

A pequena bola com perna que se assemelhava a um ser humano, ergueu o dedo mínimo da mão direita com um gesto exagerado enquanto apontava para a cabeça de Bercouli.

Lambendo os lábios com aquela língua mole e cheia de saliva, começou a cantar uma arte sagrada em um tom igualmente espalhafatoso e penetrante.

Syssssstem Caaaaallll!!! Deeeeeep Coooon- gelaaaaaation!!!! Unit of Integration, ID zero, zero, one!

Era uma arte sagrada que nunca tinha ouvido antes. A pronúncia em si era incrivelmente curta para ser uma arte ofensiva e… não teve nenhum efeito… pelo menos assim Eugeo pensara, porém…

“Guhh…!”

Bercouli gemeu baixinho e imediatamente depois disso, seu corpo, cabelos, pele e até a roupa, começaram a ficar tingidos com uma cor cinza. Ao que parecia, ao invés de congelado, o comandante agora estava sendo… petrificado.

A luz havia desaparecido de seus olhos por completo, ficando em um tom único sob os pés daquele estranho homem, o palhaço chamado chefe Elder Chudelkin, que após terminar sua arte, finalmente desceu da cabeça de Bercouli tranquilamente.

“Hoh, hohi, hohihi… na verdade não tenho mais necessidade de usar alguém como você nunca mais, senhor número um, pois agora… encontrei um peão que me será muito útil… sim… muito útil, não é?”

O palhaço sussurrou com aquelas pequenas órbitas incrustadas na cabeça que deveriam ser seus olhos, olhando fixamente para Eugeo.

Um medo muito maior do que o frio do gelo que o cercava, percorreu sua espinha.

Porém, Eugeo já havia chegado ao seu limite. Só conseguia ficar olhando em desespero aqueles sapatos vermelhos e azuis se aproximando, os mesmos que desintegraram suas rosas de gelo. Infelizmente a cena a seguir não foi registrada, pois sua consciência começou a se perder na escuridão…

Kirito… Alice…

Tão logo disse mentalmente esses nomes, sua mente cessou a atividade.

ESSE CHEFE ELDER É MUITO BIZARRO, ALÉM DE SER UMA REFERÊNCIA CLARA À HISTÓRIA DE ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS, ELE ME LEMBRA MUITO O ANDROID 19 DE DRAGON BALL Z.

BOM, FIM DO CAPÍTULO 10, UFA!!

SEI QUE FOI CURTINHO, MAS SEMANA PASSADA NÃO CONSEGUI TERMINAR ELE 100%, AÍ FALTOU ESSE TANTO.

SEMANA QUE VEM SENHOR KIRITO E DONA ALICE SERÃO O FOCO A AÇÃO.

OBS.: MEU CHIBI KIRITO JÁ ESTÁ MELHOR, NÃO SE ALIMENTA MAIS POR SONDA E ENCHE A FRALDINHA NORMALMENTE, OBRIGADO PELAS MENSAGENS.

Sword Art Online – Alicization Dividing

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Um mix das OST do novo filme de SAO – Ordinal Scale

https://www.youtube.com/watch?v=HE56tpHqF04