Sword Art Online Alicization Dividing em Português – Underworld – Capítulo 10 – Parte 1.1

Arco: Alicization –Dividing

Capítulo 10

Integrity Knight Commander Bercouli (5º mês do calendário do Mundo Humanos do ano 380)

Sword Art Online Alicization - Eugeo x Bercouli - Dividing - Vol.13

Não me sentia assim tão sozinho fazia muito tempo.

Eugeo sussurrou mentalmente enquanto subia as longas escadas.

Ele, que havia passado boa parte de seus dias de outrora balançando um machado naquela floresta, com os olhos, ouvidos e o próprio coração selados… desde o fatídico verão de oito anos atrás, quando não pode fazer nada além do que olhar Alice ser amarrada na pata de um dragão voador, sendo arrastada para longe e nunca mais voltar.

Ninguém dentre os moradores da vila, incluindo sua família, moveu um dedo sequer para tentar interceder e salvar a filha do chefe de Rulid das garras do Integrity Knight.

Mesmo após o ocorrido, não comentavam ou falavam sobre isso, tratando o assunto quase como um tabu. Com isso, Eugeo acabou vivendo isolado à margem da pequena sociedade, um solitário, um pária, somente por ter sido o amigo mais próximo da garota criminosa.

Por sua vez, ele também os desprezou, guardando para si todos os sentimentos e recordações daquele incidente, se afastando de qualquer possível aproximação.

Mal conseguia viver reconhecendo sua própria fraqueza e covardia, não via um futuro para si. Ficou preso no passado, se afundando em um pântano profundo e pegajoso de culpa e medo, até que…

….Conheceu aquele garoto. Um viajante que não possuía nenhum pertence sequer além de seu próprio nome, na primavera há dois anos atrás.

E essa mesma pessoa foi capaz de arrancá-lo das profundezas de sua auto piedade lhe dando um novo começo.  Juntos, eles iniciaram uma grande aventura, palavra inexistente no seu vocabulário até então.

Enfrentaram criaturas do Dark Territory, derrubaram o indestrutível Giga Cedro e formaram um laço de confiança e amizade, salvando-o mais uma vez.

Tinha orgulho de tê-lo como amigo.

Desde então, jamais haviam se separado, mesmo quando fizeram o impossível feito de entrarem juntos no corpo militar da cidade de Zakkaria e treinarem dia após dia na academia de maestria de espada. Em todos esses momentos, Kirito estava lá.

Ainda que seus planos não tivessem saído como deveria, conseguiram se infiltrar com êxito rumo ao objetivo final de sua longa viagem, a Catedral Central da Igreja Axiom.

Superou inúmeros obstáculos para chegar onde chegou… e tudo isso, graças ao seu companheiro de cabelos negros que sempre o guiou e o incentivou.

E agora… pela primeira vez desde que se conheceram, Kirito não estava mais ao seu lado.

Em meio a uma batalha feroz contra a Integrity Knight Alice Synthesis Thirty, a mentalidade distorcida que estava no corpo original de sua amiga, Alice Schuberg, com falsas recordações implantadas, abriram um rombo na parede do andar em que estavam na torre, graças a união inesperada das duas Armament Full Control Art que produziu uma explosão maior que sua resistência podia suportar. E foram sugados pelo buraco, sendo arremessados para os céus no quase mesmo instante em que a parede se reconstituía.

O imenso paredão voltou ao seu estado imaculado, não mostrando nenhum tipo de indício de que um dia houve um buraco nele. Permaneceu dessa forma mesmo após Eugeo aplicar diversos golpes termais poderosos.

Com isso, podia supor que a parte exterior daquela parede também possuía a mesma resistência e regeneração acelerada. Esse comportamento deveria ser o resultado de uma arte sagrada tão ridiculamente avançada que ele sequer podia imaginar a primeira linha do comando que fora utilizado.

Tendo isso como base, supôs que as artes combinadas de Kirito e Alice provavelmente ocultavam um poder que superavam o poder de quem criou a arte de reparo da construção.

Após tomar conhecimento disso, sabia que aqueles dois poderosos guerreiros, que suplantaram as forças até mesmo o construtor desse lugar, não deviam estar mortos só por terem sido jogados para fora. Especialmente em se tratando de Kirito, que sem dúvida nenhuma, tinha a maior capacidade de reação ante a situações inesperadas, ultrapassando até o mais experiente dos Integrity Knight.

Com toda a certeza conseguiu resistir à queda de alguma maneira maluca e já devia ter começado a escalar novamente esperando a primeira oportunidade para entrar aqui mais uma vez. O mesmo vale para a cavaleiro Alice.

A personalidade atual de Alice era ser uma fiel guardiã da Igreja Axiom, portanto, não conseguia imaginá-la de forma alguma cooperando com Kirito. Contudo, não conseguia visualizar um cenários onde eles estivessem lutando um contra o outro do lado de fora do paredão. O máximo que conseguia supor é que eles estariam perseguindo um ao outro enquanto escalavam a parede.

Gravando essa sensação em seu coração, sabia que logo mais haveria uma chance de usar a adaga dada por Cardinal em alguma parte dos andares superiores.

Renovando suas esperanças, Eugeo abriu a porta no extremo sul do octogésimo andar e começou a percorrer a grande escada.

Seguia seu caminho em uma batalha interna intensa contra o sentimento de abandono, desamparo e impotência.

Ele precisava se manter firme, pois não sabia a hora em que pudesse ser pego em uma outra emboscada. Aguçou seus sentidos ao máximo e prosseguiu com cautela. Porém, não sentia nenhuma presença humana. Isso se repetiu no octogésimo primeiro e octogésimo segundo andar.

Havia visto e enfrentado vários inimigos com suas armas magníficas. A Frost Scale Whip de Eldrie, o Conflagrant Flame Bow de Deusobert, as espadas envenenadas das aprendizes Fizel e Linel, a Heaven Piercing Sword de Fanatio e seus ajudantes, os Four Oscilation Blades, somando nove Integrity Knight, restando, pelo que conseguiu de informação, o Knight Commander e o tal do chefe Elder, que ainda não tinham se mostrado e provavelmente estavam nos andares mais acima. Sem contar, é claro, da Administrator.

Não conseguia imaginar do que o ser mais eminente da Igreja Axiom e também do Mundo Humano era capaz e muito menos como ele se parecia, mas isso não importava no momento, pois ele tinha pela frente o comandante e o chefe Elder para derrotar.

Um sentido de urgência foi aumentando em seu peito, então, tratou de sacar sua amada espada azul e ir subindo devagar atento a tudo ao seu redor.

Porém, mesmo com isso, não conseguia fazer sua mente parar de divagar em certos pontos.

Como estariam Kirito e Alice?

Alice estaria perseguindo Kirito pela parede ou estão realmente batalhando no pior cenário possível? Ou talvez… o misterioso encanto que possuía aquele humano conhecido como Kirito, fez inclusive com que a incrível guardiã Alice baixasse sua espada…?

Eugeo sentiu seu peito apertar e se encher de um sentimento desconhecido quando pensou nos dois juntos. Começou a atuar como um estimulante, algo parecido com o que sentiu quando brandiu sua espada para o cavaleiro caído Deusobert horas atrás…

Consciente que havia sido Deusobert quem havia levado Alice de Rulid oito anos atrás, foi tomado pela ira e um ódio irracional, o suficiente para acabar com a vida daquele homem derrotado sem um pingo de remorso. Naquele momento, Kirito o deteve, fazendo com que um sentimento de grande inferioridade e vergonha brotasse em sua alma, diante da presença e bondade do amigo.

Naquela hora você conseguiu ver através de tudo não é? Prestou atenção e atacou inclusive com intuito de salvar aquele cavaleiro, e creio que é o mesmo agora com Alice, não é? …”

Aquela força de vontade de Kirito conseguiria com certeza alcançar de algum modo o coração da atual Alice, da Integrity Knight Alice.

Mesmo que ela seja agora uma pessoa manipulada pela Alto Ministro… se for Kirito, que ajudou os cavaleiros Deusobert e Fanatio, que se colocou à beira da morte para salvar o inimigo… então talvez eles…

“…Não, isso é bobagem minha…”

Sussurrando para si mesmo, Eugeo se obrigou a mudar de pensamento.

Não tinha motivos para ficar pensando naquela estranha sensação. Tinha é que se focar em recuperar as memórias roubadas que estão no último andar da catedral, devolvendo-as para a Alice, fazendo sua nova e artificial persona sumir. Isso era tudo o que importava, a única Alice que realmente importava para ele.

Conseguiria abraçá-la com força e definitivamente diria o que não conseguiu naquela época.

Que a protegeria… que sempre a protegeria. Estava muito próximo de isso acontecer, com um pouco de sorte, seria nessa noite ou o mais tardar… amanhã.

Seus pensamentos clarearam mais uma vez, dando-lhe forças para avançar.

E quando ouviu o campanário soar às dezenove horas em algum lugar, ele se deteve nas escadas.

Mais alguns passos e chegaria ao nonagésimo andar, a parte crucial de sua viagem por toda Igreja Axiom…

Finalmente havia chegado, os degraus terminavam ali, com provavelmente outro grande salão em frente. Somente uma enorme porta separava-o de seu objetivo. Provavelmente aquele local utilizava praticamente toda a área da torre, semelhante aos salões do quinquagésimo e octogésimo andar.

E certamente… haveria mais um terrível inimigo o espreitando.

Será que consigo ganhar? Será que consigo sozinho?

Imóvel, parado na entrada da sala, Eugeo perguntava para si mesmo. Como poderia lutar contra alguém mais forte do que Fanatio, que deixou Kirito praticamente morto ou Alice que superou os dois ao mesmo tempo?

Porém, mais uma vez se deu conta de que sempre fora Kirito quem assumia a responsabilidade de trocar golpes com os inimigos em todas as batalhas até agora. Ele sempre ficou escondido atrás das costas de seu companheiro, sendo meramente um apoio, aguardando e carregando uma arte sagrada, como a de controle total.

Kirito havia dito que essa era a estratégia mais eficiente e natural dado às naturezas de nossas armas e suas habilidades. Porém, com ele longe, só podia contar consigo para lutar do começo ao fim.

Acariciando suavemente sua amada espada azul na cintura, aguçou os sentidos. Concentrou-se no estado de sua espada e confirmou que provavelmente ela conseguiria ativar sua técnica mais poderosa só mais uma vez, por isso, deveria ser feito sem erro. Não podia se dar ao luxo de possibilitar que o inimigo escape de seus tentáculos congelados.

Traçou mentalmente que o melhor plano seria levar o inimigo para algum canto da sala, trocando golpes do seu estilo e esperar criar uma abertura.

“…É agora, minha amiga.”

Sussurrou para a Blue Rose enquanto usava a mão direita para abrir a grande porta branca.

No exato momento em que empurrou a grande massa sólida, foi atacado por uma luminosidade que o cegou, juntamente com um vapor esbranquiçado e um som estranho e contínuo.

Uma arte sagrada?

Instintivamente pensou ao saltar para o lado.

Então, se deu conta de que a nevoa branca não era fumaça proveniente de nenhuma habilidade ofensiva, era simplesmente… vapor.

Suas mãos e mangas logo ficaram úmidas quando entraram em contato direto com aquilo. Não tinha odor, apenas se espalhava por todos os lados, sendo levada ao sabor da brisa morna em redemoinhos preguiçosos.

Como supôs, era realmente um lugar imenso. Inúmeras lâmpadas ajustadas no teto super alto. Certamente tinha um nome pomposo como o Cloister of Spiritual Light ou Cloudtop Garden. Não era possível ver muito bem a superfície do piso por causa do grande volume de vapor, mas além disso, ainda não sentia nenhuma presença humana.

Eugeo deu mais alguns passos adiante tentando encontrar a origem de toda aquela névoa, e antes que seus olhos pudessem enxergar, seus ouvidos captaram um som de água corrente. Não havia erro, era realmente o som de grande quantidade de água caindo, como de uma fonte ou talvez… queda d’água em algum lugar ali dentro.

Foi então que o ar frio advindo da porta aberta fez o seu trabalho e espalhou o nevoeiro concentrado ao redor.

Um grande caminho de mármore branco se abriu aproximadamente uns cinco mels à sua frente. De cada lado desse caminho, haviam escadarias… submersas em águas límpidas… ou melhor, em água quente.

Parecia ter a profundidade de mais ou menos um mel em uma quantidade incalculável de litros de água aquecida para encher totalmente um lugar como aquele. Pelo menos foi o palpite de Eugeo, ao ouvir como aquele volume aquoso reverberava.

“…Mas… que espécie de lugar é esse…!?”

Eugeo falou com a voz rouca enquanto tentava entender o que estava vendo.

A temperatura da água estava quente demais para criação de animais aquáticos de qualquer tipo e a umidade não era agradável ao ponto de ser um jardim para descanso. Isso seria muito mais útil se fosse usado como um…

“Ah!… N-Não me diga que isso é…”

Depois de sussurrar, se abaixou até a beira da água e mergulhou a mão direita nela. Era realmente quente, mas não algo a níveis insuportáveis… estava na temperatura ideal para um certo rapaz de cabelos negros. Se estivesse aqui, Kirito diria ‘-Está uma temperatura relaxante!’.

Em outras palavras, isso aqui era uma fonte termal para banhos… gigantesca!

Ele não era acostumado a ver esse tipo de construção, já que em sua antiga casa, o cômodo utilizado para banhos era pequeno com uma modesta banheira. Tanto era o espanto ao ver algo assim, que ficou muito intrigado ao perceber que o dormitório dos espadachins na academia tinha um espaço para esse fim bem considerável, muito menor do que esse agora, mas mesmo assim impressionante. Se pegava pensando por várias vezes em como aquela quantidade toda de água era aquecida.

Diferenças a parte, em sua casa ou na academia, eles não chegavam nem aos pés do cenário ao seu redor. O tamanho descomunal dessa imensa piscina podia comportar muito bem todos os alunos da academia e ainda assim não preencher nem uma terça parte dela. Claro, que isso poderia muito bem causar um embaraço geral caso os meninos e as meninas resolvessem tomar banho juntos ao mesmo tempo.

Depois de suspirar pensando em algo tão corriqueiro diante da situação, Eugeo aproveitou a ocasião para lavar suas mãos e rosto.

Após isso, prosseguiu no caminho de mármore que se aprofundava mais e mais naquele espaço cheio de vapor, que provavelmente o levaria até a porta ou escada mais próxima que daria para o andar superior.

Ficou mais tranquilo pois pensou que a probabilidade de ser atacado em um local de banho era um pouco demais para os grandes e honrados guerreiros.

Com isso em mente, deu um passo, dois, três e… descobriu que poderia estar completamente enganado a esse respeito….

O caminho se expandiu em um grande círculo, criando um enorme vão arredondado entre a imensa banheira.

Quando se aproximou mais do centro, percebeu uma silhueta de alguém atrás da cortina de vapor à sua direita.

“…!?”

Saltou para trás por instinto e colocou a mão em sua espada.

Não conseguia visualizar muito bem, mas ao menos sabia que a pessoa do outro lado possuía uma constituição bem avantajada. Também notou o cabelo curto, nada feminino.

A grande figura estava submerso até os ombros naquela água quente, parecendo preguiçosamente relaxado.

O homem (assim o definiu), parecia realmente estar apenas se banhando sem preocupações, mas aprendeu com a escalada até aqui que nada era o que parecia, portanto, não baixou sua guarda.

Independente das circunstâncias, ainda era seu inimigo e pensou em talvez usar um ataque surpresa contra ele, aproveitando sua posição pouco favorável, já que estava praticamente todo imerso na água.

Aconteceu quando Eugeo deslizou sorrateira e silenciosamente sua espada para fora da bainha.

“Sinto muito mas… você poderia aguardar um pouco? É que… acabo de chegar na capital há alguns instantes e meu corpo está todo rígido e dolorido por ter passado tanto tempo sobre a minha montaria, o dragão.”

A voz era baixa e em tom cansado. As poucas palavras soaram bem simples em comparação à todas as pessoas as quais encontrou dentro dessa catedral. Tal foi seu espanto inicial ao ouvir isso que ficou sem palavras.

A falta de palavras empoladas, características marcantes dos nobres, o deixava mais com ar de um camponês do que de um cavaleiro.

Enquanto Eugeo permanecia indeciso sobre o que fazer, ouviu o som das águas serem agitadas e o vapor se tornar mais denso, envolvendo ainda mais o contorno da figura à frente.

O dono daquela voz surgiu em meio à agitação e dispersão do vapor conforme se movia ao se levantar. De costas para Eugeo, colocou suas duas mãos na cintura e girou seu pescoço dando um gemido lento e demorado, como alguém que estivesse acabado de acordar.

O homem parecia cheio de aberturas para um ataque, mas Eugeo permaneceu imóvel com a mão em sua espada.

Que corpo gigantesco! Mesmo com metade ainda submersa, dava para notar que tinha aproximadamente uns dois mels de altura. Seus cabelos um tanto grisalho em tons azulados era curto com mechas desgrenhadas. Seus poderosos braços provavelmente eram capazes de utilizar qualquer classe de espadas sem nenhum esforço, das leves até as mais pesadas.

Se não bastasse aquele homem ser quase duas vezes o seu tamanho, o que assustava mais eram os incríveis músculos volumosos e bem treinados espalhados por toda a extensão de suas costas.

Aquela pessoa deixaria seu antigo mentor e amigo da academia, o senhor Gorgolosso Baltoh, que sempre baseou sua esgrima na explosão muscular e força física, realmente impressionado e talvez até um pouco inferiorizado com sua constituição.

Mesmo tendo dito que estava relaxando, parecia mais que estava fazendo uma forte carga de exercícios, pois aquela montanha muscular parecia prestes a explodir.

Eugeo ficou fascinado e pensando que tipo de treinamento aquela pessoa estivera fazendo durante sua vida, para ter um porte físico daqueles, algo que poderia facilmente servir como descrição de um corpo de um antigo deus da guerra, como havia em diversos livros que tinha lido.

Em meio a essa mescla de admiração e medo, o garoto notou que havia um sem números de cicatrizes que cobriam quase todo aquele corpanzil. E observando com mais atenção, percebeu que praticamente todas eram marcas de flechas, cortes e perfurações que provavelmente provenientes de ataques de espadas, adagas e toda uma gama de armas com lâminas.

O que era estranho, já que até mesmo as feridas mais profundas e graves sumiam sem deixar rastros com o tempo, caso fosse utilizado artes sagradas de alta prioridade. O que só deixava-o mais alarmado, pois se ainda estavam ali, significava que aquele homem estivera sempre lutando as mais ferozes batalhas dias após dias sem descanso, não dando tempo para que aquelas marcas sumissem… era algo incrível e ao mesmo tempo aterrorizante de se imaginar…

De fato, sem sombra de dúvidas, aquele homem no banho deveria ser o tão aclamado comandante de todos os cavaleiros. Em outras palavras, o mais experiente e poderoso dentre todos os Integrity Knight. O maior e mais terrível obstáculo que poderia aparecer no caminho de Eugeo nessa parte da catedral.

Nesse caso, seria melhor atacar agora mesmo e derrotar logo este homem que está sem nenhuma arma e armadura. Kirito nessa situação faria isso. Porém, mesmo com o sentido de urgência crescendo em seu peito, Eugeo permanecia imóvel.

Na verdade não podia saber se ele estava de costas propositalmente, esperando e atraindo ele para alguma emboscada ou se era pura e simplesmente confiança.

Sem demonstrar aparente interesse em Eugeo, o homem terminou de se espreguiçar e se alongar e começou a caminhar para o lado norte, jogando bastante água para cima enquanto caminhava.

Logo, percebeu que havia uma cesta mais à frente do caminho, que parecia ser o local onde ele tinha colocado suas roupas.

Depois de se sacudir um pouco, pegou um pano dentro da cesta e enxugou parcialmente seu corpo, sentou-se e começou a colocar suas vestes.

Vestiu primeiro uma espécie de calção e logo após cobriu o resto com uma espécie de túnica com a frente aberta de um tecido muito simples e leve, parecendo algo feito no império do norte. Para completar, enrolou parte desse pano em sua cintura e finalmente virou o rosto para Eugeo.

“Me desculpe pela demora.”

Tinha uma expressão firme que contrastava com aquela voz profunda e desgastada.

Algumas rugas já se formavam perto de sua boca, demonstrando que ele já havia passado dos quarenta quando se tornara um Integrity Knight, mas mesmo assim, suas bochechas e nariz continuavam firmes, sem sinais de flacidez. E completando aquela estranha visão, estava o brilho dos seus olhos, reluzindo sob as grandes sobrancelhas.

Apesar da falta de sede de sangue, que esse esperaria do mais forte comandante de um batalhão de guerreiros, aqueles olhos azuis claros emitiam tanta pressão que chegava a causar um mal estar apenas em tentar encará-los, e Eugeo conseguia sentir isso a quinze mels de distância…!

Muito provavelmente seu olhar estava mostrando apenas curiosidade. Talvez estivesse pensando que tipo de batalha iria enfrentar em poucos instantes ou até mesmo, que estivesse empolgado para ver.

Mas seja qual fosse o motivo, era fato de que apenas aqueles que realmente tinham confiança absoluta em sua própria espada, podiam encarar um inimigo daquela forma.

Eugeo fez a ligação na hora em que se pôs na posição de oponente, aquele homem, de certa forma, parecia muito com… Kirito.

Depois de prender o que Eugeo achou que era um pano em sua cintura mas que na verdade era o cinturão, ele levou a mão direita até o meio da cesta e retirou suavemente uma enorme espada longa a depositando sobre seu ombro. Logo após, começou a caminhar pelo mármore com os pés descalços e molhados.

Permanecendo em silêncio até se parar há mais ou menos oito mels de Eugeo, o homem passou a mão por seu rosto com tocos de barba por fazer e enfim falou:

“Certo então… aqui estamos! Mas antes de começarmos a lutar, poderia me dizer algo?”

“…Hã?”

“Bem… quero que me diga se meu subordinado, o subcomandante… Fanatio…, ele por acaso morreu?”

Com o mesmo tom coloquial, sem honoríficos ou palavras rebuscadas, a pergunta foi feita quase como se estivesse falando com um de seus comandados.

Eugeo ia retrucar dizendo que não era um de seus soldadinhos, porém, quando ia fazer isso, se deu conta de algo.

Percebeu que por alguns instantes, em meio a pergunta, o olhar daquele homem tinha se perdido, desviando aquela mirada cortante como uma lâmina e suavizando um pouco o tom de voz, mesmo que quase imperceptível ao dizer o nome de seu subordinado.

Pode sentir que ele estava verdadeiramente ansioso pela notícia, então, pensou no que seu companheiro ausente diria.

“…Sim… ELA está viva e recebendo tratamentos médicos no momento… eu acho.”

Tendo escutado a resposta de Eugeo, o homem sem cerimônia alguma deixou escapar um longo suspiro de alívio enquanto balançava positivamente a cabeça.

“Muito bem, entendi. Então, em virtude disso, não tomarei a sua vida.”

“O qu-…!?”

Mais uma vez Eugeo ficou sem fala.

Aquelas palavras possuíam uma carga de vaidade e certeza tão grandes e foram proferidas com tanta convicção, que não tinha como aquilo ser um blefe. A confiança em si era uma grande arma em sua própria verdade, manter-se convicto de suas forças e ideais, era algo que Kirito sempre dizia, mas nem mesmo seu amigo conseguiria dizer tais coisas na frente de um inimigo de maneira tão natural.

A fonte do orgulho, dura como pedra vinda desse gigante na sua frente era sem dúvida nenhuma, uma energia muito maior do que Kirito e Eugeo juntos pudessem adquirir.

A experiência conquistada através de incontáveis batalhas terríveis, estavam estampadas em cada uma daquelas cicatrizes.

Porém, mesmo que os números sejam significativamente mais baixos do que as dele, Eugeo também havia passado por muita coisa, enfrentando vários Integrity Knight, como esse homem, no caminho até aqui. Mostrar qualquer traço de fraqueza antes de cruzarem espadas seria uma desonra completa para todos os guerreiros sagrados derrotados, uma vergonha para seu mentor Gorgolosso, seus instrutores da academia e é claro, para seu amigo e mestre.

Reunindo todos esses sentimentos, Eugeo olhou bem nos olhos do comandante e falou com força na voz:

“Então eu digo, que não gosto desse tipo de tratamento.”

“Mesmo?”

Passando a mão no peito, entre a brecha de suas roupas no estilo oriental, o homem falou com uma voz risonha.

“Mas o que há com você, garoto?”

“A senhorita Fanatio não é sua única subordinada, correto? O senhor Eldrie e os Four Oscilation Blades também o são, assim como Alice… por acaso não se importa se estão vivos ou mortos?”

“Ahhh!!… É a isso que estava se referindo.”

O homem levantou um pouco a cabeça e coçou o lado do rosto com a empunhadura da espada com a mão esquerda.

“Me deixe explicar… Eldrie, Alice, os Four Oscilation Blades, Dakira, Jeis, Hobren e Giro estão todos sob os comandos de Fanatio, portanto, eles são discípulos dela. Mas somente ela que é a minha discípula, entendeu?

Não sou muito de guardar rancores, mas pelo menos tenho a obrigação moral de vingar a minha pupila e isso é tudo. Mas como ela está viva, fico mais tranquilo, apenas isso.”

Ele sorriu amplamente e logo complementou como se estivesse se auto corrigindo.

“…Ah sim, temos a pequena Alice. Ela pode até pensar em mim como sendo seu mestre também, só que… há essa altura, ela evoluiu de maneira tão brutal que não sei dizer quem é mais forte.

Seis anos atrás, quando era apenas uma novata que tinha acabado de se tornar uma aprendiz de cavaleiro, não foi tão difícil, mas agora ela está bem mais assustadora, até para mim.”

“Seis anos atrás… aprendiz de… cavaleiro…!?”

Eugeo interrompeu sem pensar o homem, sussurrando essas palavras.

Seis anos atrás… isso significava que já tinham se passados dois anos após ser levada de Rulid. Kirito tinha lhe ensinado, através de um conhecimento que ele não sabia explicar, que os nomes dos Integrity Knight usavam identificação por números em língua sagrada e que eles acresciam de acordo com sua entrada na ordem, por exemplo, Alice era a trinta, Eldrie, o trinta e um e que Deusobert era o sete. E em relação ao tempo, quando Alice se converteu em um cavaleiro, a julgar pelo seu número recente… ela…

“…Alice é o trinta… o Integrity Knight Thirty, não é?”

O homem inclinou um pouco a cabeça diante da pergunta estranha de Eugeo, mas de imediato entendeu o que ele queria saber.

“Ahh! Em geral não temos o hábito de dar números aos aprendizes. A pequena senhorita só virou o trinta há mais ou menos um ano, quando finalmente foi permitida entrar para os Integrity Knight. Mesmo muito jovem ela já era mais do que qualificada para a função, suas habilidades já eram acima da média até para os guerreiros experientes daquela época. Só não engajou justamente pela pouca idade…”

“Mas… Linel e Fizel já possuíam números mesmo sendo aprendizes…”

No instante em que escutou esses nomes, a boca do guerreiro se torceu como se tivesse comigo algo amargo.

“…Bem, essas criaturinhas irritantes são um caso extremo de exceção, as únicas a conseguirem uma numeração sendo somente aprendizes.

É realmente incrível que tenha permanecido com vida após lutar com elas, é tão surpreendente isso, mas de uma forma bem diferente da de ter vencido Fanatio. ”

“De fato, conseguimos paralisá-las com o próprio veneno que elas colocaram nas suas adagas, por esse motivo, mantivemos nossas cabeças sobre o pescoço.”

Eugeo respondeu.

O homem conhecia Alice quando ainda era uma aprendiz de cavaleiro. Portanto, ela teve suas lembranças seladas através do Ritual de Síntese fazem somente seis anos… quando tinha treze, ao que parecia.

 

Então, foi partir desse momento que Alice passou a crer que era uma existência espiritual que tinha sido invocada do Mundo Celestial com a finalidade de se tornar uma Integrity Knight sob o comando da catedral…?

Observando Eugeo que tinha ficado em total silêncio, o gigante deu de ombros.

“Bom, eu não tenho intenção alguma de perder para você, garoto. E também duvido que a pequena senhorita tenha realmente sido ferida, justamente por ser tão forte quanto eu. O que me leva a perguntar…

Ouvi dizer por aquele inútil do chefe Elder que você possuía um cúmplice, correto? E como você está sozinho aqui, devo supor que provavelmente ele esteja em alguma parte dessa torre tendo uma… ‘conversinha amigável’ com ela?”

“Em resumo? Sim!”

Depois de assentir com um estranho sentimento, Eugeo colocou a mão sobre a empunhadura de sua espada. Ele não queria deixar sua animosidade se sobressair diante das palavras provocativas daquele homem, não era hora de perder seu objetivo de vista. Então, concentrando sua força no olhar, devolveu a gracinha no melhor estilo Kirito.

“Entendo, só fico me perguntando quem será o próximo a tentar se vingar de mim, depois que eu o derrotar?”

“Opa! Hehehe, não se preocupe com isso, eu não tenho um mestre!”

Ele sorriu suavemente e tirou a espada de seu ombro com apenas a mão direita enquanto colocava descansadamente sua mão esquerda no interior da abertura no peito de suas vestes.

Ligeiramente enegrecida, a lâmina estava brilhante, meticulosamente polida. Porém, era possível ver uma imensidade de manchas e marcas antigas e novas por toda sua extensão. Criando uma aparência estranha, mas muito poderosa. Aquela luminosidade rompia a névoa e atingia o teto.

A empunhadura e a proteção pareciam serem feitos do mesmo metal que a lâmina, mas diferentemente das outras armas dos Integrity Knight, essa não possuía um adorno sequer.

Mesmo assim, não era uma arma a qual se devesse menosprezar. Provavelmente já havia bebido uma quantidade enorme de sangue em um período infinito de tempo, o que talvez tenha dado aquela coloração acinzentada escura à ela.

Eugeo, por sua vez, também sacou sua amada espada da bainha do seu lado esquerdo, enchendo os pulmões com uma grande porção de ar.

Não estava ativada com a arte de controle total, mas sua lâmina azul imediatamente começou a liberar um grande ar gelado, talvez em resposta a tensão de seu mestre, formando alguns cristais de gelos em meio ao vapor de água ao redor.

Em um movimento tremendamente natural daquele homem, se colocou em posição de luta, levando sua perna direita para trás, mantendo sua espada somente com a mão direita na vertical e passando um pouco da altura da cintura.

Se parecia muito com a posição do Estilo Norkia, o Lightning Slash, porém sensivelmente diferente. Pois ajustando a espada daquela forma, para ativar essa habilidade, haveria a necessidade de fazer um grande movimento somente para executá-la, portanto, já que a posição não era a ideal, provavelmente não deveria ser o mesmo golpe.

Eugeo assumiu a postura de sua habilidade do Estilo Aincrad, o Sonic Leap.

Ele esteve aprendendo os golpes consecutivos diretamente de seu amigo Kirito. Era realmente incrível, pois todos os nomes estavam na língua sagrada, a língua santa que era transmitida pelos criadores da Igreja Axiom, os três deuses que formaram o mundo. Não havia um dicionário para elas em nenhuma biblioteca conhecida, mesmo nos grandes edifícios da academia ou nos castelos dos quatro imperadores, de acordo com os instrutores.

O conhecimento sobre o significado por trás de cada vocábulo se limitava aos rituais sagrados. Portanto, mesmo Eugeo que se dedicou imensamente a estudá-los na academia, mal conseguia saber o sentido da maioria deles além de element ou generate, por exemplo.

Porém, apesar de ter perdido todas suas recordações anteriores ao tempo em que foi encontrado na floresta de Rulid dois anos atrás, Kirito parecia conhecer bastante sobre a língua sagrada. O comandos utilizados nos nomes dos movimentos secretos não foram exceção. Como o Sonic Leap, que traduzindo ficaria ‘Salto sônico’, a habilidade de saltar e avançar a velocidade do som.

Não sabia ao certo o que era a velocidade do som e o quão rápido isso deveria ser, mas de fato era uma habilidade poderosa que honrava o nome que tinha, possibilitando cobrir uma longa distância, aproximadamente dez mels com um vigor absurdo. Um ataque nessas condições era totalmente seguro se fosse ativado no momento em que o inimigo desse o primeiro passo e criasse a brecha para o salto.

Uma grande ruga se criou na testa do homem no momento em que Eugeo liberou a tensão de seu corpo, apoiando a espada em seu ombro direito e projetando levemente o corpo para frente.

“Essa é uma postura bem incomum, rapaz… Só por curiosidade, mas por acaso você quer me dizer que é capaz de lutar com golpes consecutivos?”

“…!”

No momento em que escutou essa pergunta, uma onda de choque atravessou o corpo de Eugeo.

Para ser específico, o Sonic Leap que pretendia executar era um simples golpe do movimento secreto, porém, de fato era o mesmo que as habilidades de ataques consecutivos em sua essência. O Estilo Aincrad, a princípio não era algo que tinha sido transmitido para as pessoas, não havia uma escola ou algo assim, então… como esse homem conseguiu tirar uma conclusão dessas somente olhando uma postura…? Eugeo engoliu em seco mas se colocou a pensar…

Mesmo que ele tivesse adivinhado que Eugeo era um usuário de habilidades consecutivas de ataque, não deveria saber exatamente que tipo de golpes usaria, pois era totalmente improvável que conhecesse o Estilo Aincrad. O principal motivo disso era que ele nunca tinha lutado com o criador dessas técnicas, Kirito… pelo menos não depois que ele perdeu a memória.

“…Que importância tem se eu utilizo ou não ataques consecutivos?”

Ao responder dessa maneira, o homem deu de ombros.

“Como disse, apenas curiosidade. Pois dentre os tantos Dark Knight que enfrentei, praticamente nenhum deles usavam essas habilidades em sequência. E devo dizer que não são boas recordações… Isso até é meio proibido sabe? Geralmente desse lado da cordilheira, não lutamos com ataques fluídos.”

“…Está me pedindo para lutar no estilo tradicional?”

“Não, não, longe disso. Pouco importa se são ataques consecutivos ou diretos, apenas prossiga. Só falei por falar, mas já que a luta será nesses termos, vou mostrar algumas coisinhas que tenho também.’

Depois de colocar um sorriso nos lábios, o homem ergueu um pouco mais sua espada, mas ainda com ela na posição ereta.

Eugeo mais uma vez foi surpreendido. A lâmina desgastada começou a vibrar e desprender ondas como se fossem ondas de calor. Na primeira olhada ele pensou que era alguma coisa na própria névoa do local, porém, pouco depois começou a não acreditar no que seus olhos viam… ou melhor, não viam.

A lâmina acinzentada começou a desvanecer, perdendo sua solidez…

Será que ele já estava com o Armament Full Control Art ativado?

Ficou completamente inquieto cogitando o que viria depois, mas mesmo assim tratou de preparar seu movimento secreto.

Aprendeu sobre a arte de controle total fazia pouco tempo através de Cardinal, porém, já havia conseguido se acostumar relativamente bem, devido as batalhas reais que enfrentou.

Esse tipo de habilidade se assemelha com os movimentos secretos de cada estilo, incrementando os atributos de suas armas, porém, tinham coisas mais profundas, já que se tratava de uma junção de habilidades com espadas e artes sagradas. De maneira que era possível manter um estado de espera da arma e liberá-la somente quando completasse o encanto. Isso também tinha um nome, o Enhance Armament, funcionando tal e qual um feitiço normal.

A quantidade de tempo em que era possível manter esse estado de espera para as artes sagradas variava de indivíduo para indivíduo, dependendo muito de seu caráter e experiência.

Eugeo conseguia manter durante vários minutos se conseguisse ficar com a boca fechada sem dizer uma palavra, apenas concentrando sua mente, mas Kirito havia demonstrado um estado superior de concentração, pois conseguia conversar ao mesmo tempo em que permanecia com uma concentração assustadora.

Em face a tudo isso, não conseguia imaginar que tipo de arte de controle total aquele homem gigante tinha, mas era evidente que devido a toda experiência e confiança que exalava dele, com toda a certeza poderia manter uma conversa tranquila enquanto mantinha o movimento de ativação e hibernação até a hora em que fosse necessário seu uso.

Ele estava esperando que o ataque de Eugeo fosse uma habilidade de golpes consecutivos e não mudou seu padrão, de maneira que era provável que sua técnica seja poderosa o suficiente para fazer frente a investidas em grandes velocidades.

Decidido, Eugeo usou tudo que tinha de concentração e ficou observando atentamente seu oponente.

A distância entre eles ainda se mantinha em oito mels.

O Estilo Norkia, assim como a escola acima dela, Norlangarth ou Alto Norkia, não tinham habilidades de longo alcance que pudesse chegar na distância em que se encontravam. Então, a técnica daquele homem provavelmente consistia em mover sua espada adiante, mudando de posição sem alterar a postura e nem a distância com seu corpo, aumentando o seu raio de alcance quando ativasse o controle pleno de sua arte. Esse deve ser a tal ‘coisinha’ que ele havia se referido anteriormente.

Para Eugeo, só restava tentar evadir-se a todo o custo e terminar esse duelo com seu contra-ataque mais efetivo.

Como o garoto havia imaginado, o homem ficou parado em pé sem se mover, mantendo sua espada verticalmente com sua mão direita. Sua boca havia perdido o sorriso inicial e soltou um rugido que movimentou a água da imensa banheira.

“Pois bem, eu sou o comandante de todos os Integrity Knight, meu nome é Bercouli Synthesis One!”

Como? Esse nome? É sério mesmo? Seus ouvidos não estavam o enganando. Eugeo vasculhou sua mente por rápidos instantes tentando fazer conexão com esse inesperado nome, porém, não podia perder tempo agora com isso, tinha que focar única e exclusivamente na habilidade do inimigo.

Um enorme ruído ecoou por todo o lugar, o homem que tinha acabado de confirmar as suspeitas de Eugeo, que era realmente o grande Knight Commander que todos os Integrity Knight haviam comentado com tanto respeito, bateu seu pé esquerdo no chão com um enorme estampido no pavimento de mármore, fazendo o vapor de água na volta ser disperso imediatamente.

Aquela cintura corpulenta, o enorme peito, ombros e braços produziram um movimento aterradoramente rápido, porém, muito fluído. A espada levantada desceu primeiro pela direita e logo girou horizontalmente.

Eugeo sentia que era a forma mais extrema das habilidades com a espada transmitida entre todos os estilos tradicionais. Um movimento tal que só podia ser realizado através extensas e intermináveis sessões de treinamento e prática, durante incontáveis anos. Tudo naquele ataque era incrível, a forma como a espada cruzava o espaço, a força, agilidade… realmente… a perfeição.

Porém, todas as habilidades tradicionais possuíam uma fraqueza em comum. Como consequência de sua postura ser demasiadamente exagerada, a trajetória dos ataques acabam sendo previsíveis.

Então, no momento em que o comandante começou a cortar o ar na posição horizontal, Eugeo sabia que só era necessário saltar para trás, ligeiramente para à esquerda para evadir desse tipo de ataque. Esse era tudo que precisava quando se enfrentava uma espada nesse estado.

Sentiu o ar vibrando perto de sua orelha direita. Mas não houve a dor do impacto.

Sim! Esquivei!

Carregando toda a carga emocional, Eugeo deu o primeiro passo para ativar seu movimento secreto, Sonic Leap, instantaneamente.

“O… Ooooh!!”

Sua espada brilhou esplendorosamente em verde e amarelo acompanhando a intensidade de seu grito.

Tudo acelerou.

Eugeo foi tomado pela força da aceleração como se uma mão invisível o envolvesse e o impelisse a toda velocidade para frente em um golpe rápido como o vento até o comandante que estava girando sua espada.

Em suas costas, a pressão do ar que a espada de seu inimigo produziu e que foi esquivada previamente, passou por ele em direção a porta da entrada do salão de banho, criando um estranho som no ar, ficou esperando o choque e…

Nada.

Nada fora ouvido e nenhuma vibração mais foi sentida.

Poderia ser que a espada do comandante talvez não fosse tão poderosa e desapareceu antes de atingir a porta?

Impossível. Se isso fosse verdade, o Armament Full Control Art do comandante, o homem que em tese deveria ser mais forte do que Deusobert e Fanatio, acabaria sendo mais fraco até mesmo do que Eldrie, que só havia se tornado cavaleiro um mês atrás. Mas que mesmo sendo apenas um novato, sua técnica utilizando o Frost Scale Whip era rápida como um raio e com um alcance absurdo.

Tinha alguma coisa errada, ele era o comandante. Será que seu ataque tem um curto alcance? Deveria ser algo assim, pois Eugeo continuava sem nenhum arranhão mesmo após ele ter executado o golpe.

Ou era isso ou aquele homem apenas tinha feito um golpe comum, algo só para demonstrar sua rapidez. Parecido com os movimentos que os instrutores faziam para ensinar os estudantes da academia.

Ele está brincando comigo? Ou talvez esteja apenas querendo me assustar, pois se acha muito superior a mim. Só assim para conceber esse movimento tão… simples

O cérebro de Eugeo estava prestes a fritar de tanto pensar no que havia acontecido que, infelizmente, não conseguiu notar a situação.

Havia algo bem em frente ao homem que acabava de brandir sua espada, no caminho que Eugeo estava percorrendo há uma velocidade alucinante. Era uma linha luminosa deixada pelo movimento secreto do comandante. Apenas uma flutuação semitransparente disposta horizontalmente e fixada no ar. Parecendo ter a mesma composição daquela energia estranha que envolveu a espada do inimigo instantes antes de golpear.

Com a velocidade do movimento, seus pensamentos, apesar de parecerem lentos, estavam igualmente acelerados.

Ali é o lugar onde… ele acabou de cortar…”

Um profundo calafrio percorreu sua coluna. Mesmo tentando instintivamente interromper o avanço do Sonic Leap, sequer conseguiu desacelerar, pois um movimento secreto uma vez que fora ativado, não era tão fácil pará-lo.

Dessa forma, jogou suas costas para trás com todas as forças, cravando seus calcanhares no chão, porém, só conseguiu dar uma pequena abrandada na velocidade de aproximação até que…

O corpo de Eugeo foi suspenso no ar no exato momento em que entrou em contato com aquele estranho fenômeno.

O impacto abrasador acertou seu peito em cheio, do seu lado esquerdo até a axila direita.

O garoto loiro foi jogado no ar como um trapo que fora pego em um furacão. Dando várias voltas no ar sem nenhum controle. Juntamente com uma imensa quantidade de sangue, brotando e se espalhando em espiral à medida que eram expulsas da ferida em seu peito.

Caiu muitos mels para trás, mais para o lado esquerdo do caminho que estava seguindo, dentro da piscina, tingindo parte da água com a cor vermelha.

“A-aah!!!…Aaaah!!”

Sword Art Online Alicization - Dividing - Vol.13 -Eugeo x Bercouli

Golfadas de água quente invadiram sua garganta, misturando-se com o sangue que brotava dali. Ao que parece, a lesão tinha sido profunda o suficiente para chegar aos pulmões.

Se não tivesse desacelerado segundos antes de ser atingido, estaria agora partido em dois.

S-System… call…!! Generate… light element !!”

Com seu corpo boiando na superfície, entoou a arte curativa. Felizmente, estava rodeado de uma grande quantidade de água quente, estado onde o líquido está mais carregado de poder sagrado do que, por exemplo, quando está frio. Porém, Eugeo não conseguiria tratar completamente uma ferida tão grave como aquela em um período tão curto de tempo com suas capacidades atuais.

O Knight Commander ficou lá de pé, apenas observando calmamente Eugeo deter de qualquer maneira o sangramento e finalmente levantar seu corpo das águas. Durante esse tempo, ele já havia devolvido sua espada rústica na bainha e colocado também sua mão direita dentro da abertura no peito de sua roupa.

“Cuidado rapaz! Isso foi bem perigoso! Não imaginei que você iria se precipitar com uma velocidade tão absurda como aquela. Desculpe aí, quase que te matei!”

Diante de um comentário tão casual, Eugeo não conseguia nem retrucar, apenas juntou forças suficiente para perguntar:

“Qu… que habilidade… foi essa?”

“Eu disse que iria te mostrar umas coisinhas. Você deve ter pensado que eu apenas havia cortado o espaço em minha frente, como se fosse um movimento de demonstração, não é? Só que na verdade o que eu cortei foi o espaço… no futuro!”

EUGEO ENCONTRANDO UM SAMURAI MALUCO, ALTAS OLHADAS, PINTOU UM CLIMA…SQN. FINALMENTE O TODO PODEROSO BERCOULI APARECE E O BICHO ACERTA O FUTURO…

Sword Art Online – Alicization Dividing

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Vou de música repetida pois estou sem internet o dia todo e postando do celular, então, caso entre no YouTube, ele comerá minha alma junto com meus créditos.