Sword Art Online Alicization Dividing em Português – Underworld – Interlúdio IV

Arco: Alicization –Dividing

Interlúdio IV

6 de julho de 2026

Sword Art Online Alicization - Dividing - Volume 13

Haviam doze pavimentos na mega embarcação de quatrocentos metros de comprimento e mais de duzentos e cinquenta metros de altura, o Ocean Turtle.

Considerado como o paraíso dos mares, nem o maior navio de cruzeiro do mundo conseguia chegar aos pés dessa monstruosidade, que poderia ter tranquilamente dezoito suítes com um espaço bem considerável por andar, porém, ele não tinha sido projetado para o lazer.

O Ocean Turtle fora construído para ser um laboratório de pesquisas oceânicas e levava consigo todo o aparato tecnológico necessário para realizar qualquer tipo de análise. Fato que era inegável pela grande quantidade de maquinário ocupando cada espaço do imenso navio. E devido à situação, Asuna não podia reclamar de nada sobre os dormitórios, já que nem era para estar ali inicialmente.

O primeiro piso ao nível do mar era, basicamente, um dormitório simples. O segundo era onde ficavam as salas das máquinas principais, tomando conta de praticamente todo o local e do terceiro ao oitavo ficavam as instalações dos laboratórios de análise da vida marinha, buscas e classificação de recursos em águas profundas e pesquisa sobre placas tectônicas.

O nono e o décimo continham as cabines de controle e transmissões, no décimo primeiro era uma área coberta para recreação, composta de sala de estar, ginásio, piscina entre outras coisas. E por último, no décimo segundo, ficavam as antenas dos radares, com uma plataforma de observação.

A imensa instalação pertencia a Agência Japonesa de Ciência Marinha-Terrestre e Tecnologia, algo que não passava de uma meia verdade.

Pois trabalhava em atividades conjuntas na utilização de um reator de alta pressão de água, com seus processos intimamente ligados com as forças de autodefesa do país, onde os membros militares estavam constantemente a bordo, protegendo e controlando tudo mesmo depois da finalização da construção do reator experimental.

Tanto era o enlace de interesses dessas duas entidades, que quando o grande pilar composto de titânio, chamado de Eixo Principal, danificou o núcleo do casco do Ocean Turtle, seu conserto ficou inteiramente sob às custas e gestão das forças de autodefesa, firmando na ocasião um acordo para seguir com uma investigação super secreta com absolutamente nenhuma relação à pesquisa oceânica como pagamento.

Um intenso estudo e prática que visava à duplicação da alma de um bebê recém-nascido, criando-a em um mundo virtual tão complexo, que era praticamente indistinguível do real sob o nome de Projeto Alicization.

6 de julho de 2026, segunda, 07:45 AM.

Depois de fazer uma rápida visita à Kirito, Kirigaya Kazuto, que estava sendo submetido a um tratamento experimental na parte superior da instalação, chamada de eixo superior, Yuuki Asuna foi tomar o café da manhã no refeitório do décimo primeiro andar juntamente com Koujiro Rinko, uma pesquisadora da tecnologia de FullDive.

Ela observou aquelas instalações e teve que dar o braço a torcer que mesmo não se tratando de um navio de cruzeiro, com a ausência do luxo, era tudo muito bem organizado e até mesmo confortável. E só de pensar que não tinha sido levada para a prisão (caso houvesse uma ali), por decisão do Tenente Coronel Kikuoka Seijirou, a pessoa que supervisionava o projeto, ela já se dava por satisfeita.

Com tudo isso, ficou admirada com a qualidade do café da manhã no estilo buffet que estava sendo oferecido.

Rinko, que tinha acabado de enfiar um garfo no pedaço de peixe em seu prato do outro lado da mesa, falava enquanto olhava para uma escotilha na sessão transversal do refeitório.

“Me pergunto se esse delicioso peixe foi pescado aqui mesmo no Ocean Turtle…?”

“Q-Quem sabe, não é…?”

Depois de pegar o mesmo peixe para si, Asuna timidamente deu uma pequena mordida naquela deliciosa carne, com uma textura muito suave.

Não havia a menor dúvida de que se tratava de um produto fresco, mas ainda não fazia a menor ideia de onde o tinham pescado.

Largando o garfo por um momento, Asuna se pegou pensando que não tinha ouvido em nenhum momento qual era a precisa localização do Ocean Turtle, somente que estava no ‘mar perto das ilhas Izu’. E mesmo essa informação já se fazia incrivelmente vaga, pois a distância da cadeia de ilhas de Izu de qualquer outro ponto do Japão era realmente grande, tanto no norte quanto ao sul. Puxou pela memória e calculou que a ilha mais perto desse agrupamento, o arquipélago Hachijyou, ficava há mais ou menos trezentos quilômetros de Tóquio.

Se pegasse o telefone que trouxe consigo, o mesmo que utilizava para monitorar os sinais vitais de Kirito, poderia ligar a aplicação de mapas e descobrir sua localização, porém, como medida de segurança, ela não tinha permissão de se conectar a nenhum tipo de sinal de transmissão, como o wi-fi da embarcação. Somente poderia usar seu terminal móvel como fonte de reprodução de músicas que já estavam armazenados em sua memória local.

Mesmo se sentindo com sorte de não terem confiscado seu aparelho, inconscientemente, estava com uma frustração acumulada por não poder fazer nenhum tipo de busca ou ligação cada vez em que esse tipo de pensamento lhe ocorria.

Estranhamente não tinha esse tipo de sentimento enquanto estava presa em SAO, quando não tinha nenhum tipo de contato com o mundo real e não conseguia fazer uma única busca sequer.

Suspirando enquanto bebia o chá gelado, tentou não pensar mais nisso para não minar seu ânimo para o que deveria fazer.

Não era de fato um grande problema, na verdade estava um pouco irritada só por não poder usar a internet e isso não era o fim do mundo necessariamente, tinha que focar no que era importante.

Até agora tudo o que sabia era que estava envolvida em um projeto ainda muito obscuro levado a cabo por Kikuoka Seijirou, Higa Takeru e toda uma equipe militar.

Que mais segredos ocultavam delas? O que estava por atrás da cortina de meias verdades que eles contaram sobre Underoworld? E acima de tudo… como ficaria o estado de Kazuto, que estava recebendo um tratamento experimental no Soul Translator número 4, quando acordasse amanhã, segundo a enfermeira Aki Natsuki…?

Por hora iria se concentrar em seu amado. Só iria descansar quando amanhã, dia 7 de julho, a sua rede neural danificada estivesse inteiramente restaurada e recuperasse a consciência.

Infelizmente, há essa hora amanhã, teria que regressar para Tóquio de helicóptero, mas pelo menos teria tempo suficiente para trocar algumas palavras com ele e abraçá-lo calorosamente.

Depois de se contentar com esse pequeno fio de esperança, recuperando um pouco de seu espírito, Asuna continuou com a refeição enquanto fazia uma pergunta para Rinko.

“Senhorita Riko, você sabe exatamente a localização desse navio? Só escutei que estamos perto das ilhas Izu, nada além disso.”

“…Hum… agora que perguntou, creio que sei tanto quanto você…”

Depois de terminar sua comida, Rinko inclinou um pouco a cabeça enquanto colocava as mãos no bolso do jaleco branco. Parecia estar prestes a pegar seu telefone, porém, aparentemente chegou a mesma conclusão que Asuna, não tinha como se conectar à internet.

Ao fazer isso, franziu um pouco a testa.

“Vejamos… creio que Higa mencionou que estávamos há cem ou duzentos quilômetros à oeste da ilha Mikura… ou era a ilha Miyako…?”

Enquanto conversavam sobre aquela vaga informação, Rinko olhou para a grande janela ao seu lado mais uma vez. Asuna acompanhou a trajetória, observando a enorme superfície azul escura do mar.

O sol da manhã brilhava sobre a janela da outra ponta, criando um grande reflexo que fez as duas olhar para o outro lado, onde deveria ficar o oeste. Se o Ocean Turtle realmente estivesse no lugar onde disseram, nem Mikura e nem Miyako poderiam ser vistas, muito menos Honshu…

As duas deixaram escapar um suave ‘-Ah!’ enquanto contemplavam o oceano límpido tanto na direita quanto na esquerda.

Um fato que passou despercebido pelas duas a primeira vista, devido ao reflexo do sol na janela, foi uma pequena silhueta que flutuava artificialmente no horizonte… um barco. Tentar mensurar seu tamanho naquela distância era difícil, porém, parecia ser realmente bem grande.

Depois de um tempo Asuna ergueu seu garfo e disse:

“Senhorita Rinko, olhe lá!”

A doutora apertou os olhos para visualizar o que Asuna estava apontando.

“Oh! É um… barco… não é? Talvez seja um pesqueiro… ou…”

“…Ou…?”

Era muito maior do que um simples barco pesqueiro, sua cor também era muito diferente… sem contar nas enormes e numerosas antenas.

Rinko deu um pulo de sua cadeira e se aproximou da janela com Asuna ao seu lado. Com o reflexo do sol a vista estava um pouco prejudicada, porém…, não havia erro. Eram realmente antenas circulares instaladas no ponto mais alto do barco. Aquelas aparelhagens eram muito similares às… do Ocean Turtle.

E também a forma era muito diferente de um pesqueiro comum, era mais como um…

“Navio de guerra…?”

Nesse momento, uma voz sombria veio por trás das duas.

“E, tecnicamente, ‘não é japonês’, pois o Japão não possui navios de guerra…”

Asuna e a doutora Rinko olharam ao mesmo tempo para a origem daquela voz.

Quem estava de pé, segurando uma bandeja com o café da manhã era um homem com uniforme completamente branco e mangas curtas, o qual já tinham visto antes, Tenente Nakanishi.

As duas o cumprimentaram.

“B-Bom dia, senhor Nakanishi.”

“Bom dia.”

Após a saudação, o homem depositou a bandeja sobre uma das mesas próximas, inclinou a parte superior de seu corpo fazendo uma reverência e devolvendo o cumprimento.

“Bom dia para vocês também, professora Koujiro e senhorita Yuuki.”

“Essa é uma oportunidade rara, não gostaria de tomar café conosco?”

Ele considerou o convite de Rinko por alguns momentos e depois assentiu positivamente com a cabeça. As duas esperaram que ele se ajeitasse na mesa enquanto observavam a grande porção de alimentos em seu prato, exatamente o que esperavam de um militar em plena atividade.

“Esse é o tipo de alimentação padrão dos militares?”

Nakanishi deu um leve sorriso diante da pergunta de Rinko enquanto respondia.

“Para falar a verdade, a comida aqui do Ocean Turtle é muito melhor do que a maioria das rações reservada aos membros das forças de autodefesa. E muito desses alimentos foram cultivados nesse local mesmo, nas estufas da instalação. Vejam como esses tomates e pepinos parecem saborosos!”

“Sério? Existem plantações de vegetais aqui?”

O homem mostrou um largo sorriso cheio de orgulho enquanto respondia.

“Sim, fica na parte traseira do oitavo andar. É resultado de uma grande pesquisa sobre agricultura oceânica.”

“Será que é por isso que o tomate estava com um gosto levemente salgado?”

Brincou Rinko.

“Você os achou salgados!?”

Observando Nakanishi mastigar seus tomates fazendo uma expressão curiosa, possivelmente tentando comprovar o que a doutora tinha afirmado, Asuna e Rinko acabaram rindo um pouco. Então, quando a garota pegou o garfo para continuar a refeição interrompida, lembrou-se da frase do militar e parou seus movimentos.

O Japão não era proprietário de nenhum navio de guerra, foi o que havia dito, então… porque havia um por perto?…Será que era a embarcação original que o chefe do projeto estava antes de vir para cá?… Mas isso também não podia ser, pois as forças de autodefesa não deveria ter uma embarcação como aquela, já que o país não podia ter um exército. De maneira que, se não era um navio de guerra, tinha que ser algo parecido com isso…

Se o que pensava fosse verdade, então…

Asuna voltou seus olhos para a janela mais uma vez e os fixou atentamente na grande estrutura no horizonte enquanto perguntava.

“… Se aquilo não é um navio de guerra… poderia ser talvez um navio de… defesa japonês…?”

“Você está quase certa. Os navios pertencentes às forças de autodefesa marítimas se chamam navios de escolta.”

Nakanishi deu um sorriso estranho dessa vez e se voltou para a janela.

“Aquela embarcação é uma versão de destróier da nova geração, DD-127 Nagato. E o motivo pelo qual está nessas águas, bem… infelizmente não estou autorizado a… hein…!?”

Interrompeu sua fala no meio enquanto franzia a testa observando pela janela. Asuna percebendo isso acompanhou o olhar de Nakanishi.

Ela viu o navio de guerra, ou melhor dizendo, o navio de escolta mudar sua direção. Voltando sua popa para o Ocean Turtle.

Depois disso, Nakanishi se levantou da mesa dando as costas para Asuna e Rinko, tirando rapidamente de seu bolso um pequeno gadget móvel, parecido com o que Asuna possuía, e começou a manipulá-lo freneticamente enquanto falava baixinho.

“Alô! Tenente Coronel Kikuoka, me desculpe por incomodá-lo, mas… a respeito de Nagato, creio que ele alterou seu curso de escolta em 12 horas e… não, ele acabou de fazer isso e… está certo, sim… estarei aí imediatamente.”

Terminando a chamada, se voltou para as duas mulheres com uma expressão tensa e disse:

“Professora, senhorita Yuuki, me desculpe, mas terei que deixá-las por hora.”

“Não se preocupe com isso, parece ser um assunto importante, pode deixar que levaremos seu prato.”

“Agradeço sua gentileza, então, até mais!”

Após se inclinar formalmente diante da oferta de Rinko, Nakanishi girou em seus calcanhares e saiu do refeitório praticamente correndo.

“O que será que houve?”

“Gostaria de saber…”

Movendo um pouco a cabeça, se voltou para olhar a janela novamente.

Asuna sentiu uma inquietude estranha em seu peito enquanto observava o navio de escolta sumindo de vista se mesclando no horizonte com a neblina matutina. Era um pequeno formigamento familiar que a fez inconscientemente levar sua mão direita até a cintura, como se procurasse algo…

 

E VAMOS COMEÇAR MAIS UM VOLUME! O CAPÍTULO ESTÁ CURTINHO, MAS A CULPA É DO SR. REKI, ELE RESOLVEU ESCREVER POUCO NESSE, MAS SEMANA QUE VEM VOLTAREMOS A PROGRAMAÇÃO NORMAL COM SR. KIRITO E SRTA. ALICE.

Sword Art Online – Alicization Dividing

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Solta o som!

https://www.youtube.com/watch?v=I4piVD_1Y5U