Sword Art Online Alicization Rising em Português – Underworld – Capítulo 7 – Parte 1.2

Arco: Alicization – Rising

Parte 1

Sword Art Online Alicization - Rising - Quinela e Cardinal - Vol.12
A batalha das duas deusas

“Mas de acordo com o que você disse antes, a alma do Administrator que possuiu a garotinha era uma cópia perfeita da original, certo? Em outras palavras, essa alma também estava sem as emoções não é? Então… como você foi capaz de surgir nesse momento?”

O olhar de Cardinal se perdeu um pouco antes de responder a minha pergunta. Ela devia estar relembrando aquele momento tão particular que ocorrera há mais de duzentos anos.

Após o curto período de silêncio, falou com uma voz muito suave.

“Meu vocabulário não contém as palavras necessárias para expressar de maneira exata o que ocorreu naquele instante… nessa experiência… extraordinária, mesmo que tenha causado tantos problemas, principalmente para a pequena garota.

O Administrator, sem um vacilo em seus atos, foi levando a cabo sua intenção de copiar e sobrescrever uma alma por meio do Synthesis Ritual. De fato, ela teve sucesso em suas ações. Tudo que tinha dentro daquela mulher, suas recordações, foram completamente apagadas. Qualquer traço da individualidade do Administrator, não, de Quinella, fora comprimido e preparado para ser descartado. Tudo pelo qual a Quinella original viveu e gastou sua vida inteira percorrendo atrás, foi completamente desprezado.

Enfim, o ritual estava finalizando. Só restava confirmar que tudo que atrapalhava sua alma agora não era nada mais do que lixo pronto para ser descartado… porém…”

As bochechas de Cardinal que estavam coradas até aquele momento perderam toda a coloração. Ela tinha me dito que não possuía emoções, mas não era isso o que deixava transparecer. Se não fossem emoções o que via em seu semblante, não saberia o que mais poderia ser tão profundo.

“Porém, no instante final da duplicação de sua alma… no instante em que nós abrimos nossos olhos… fomos envolvidas em uma situação indescritível e deveras inusitada.

Era basicamente como… olhar em um espelho, com dois humanos exatamente iguais, não, mais do que isso, era como se tivesse ocorrido o desdobramento de dimensões e você pudesse olhar para você mesmo. Era impossível resistir àquele magnetismo.

Ficamos nos olhando por um indefinito período de tempo só para depois começarmos a ser inundadas com uma hostilidade avassaladora. A ideia era uma só, não podíamos tolerar a existência daquela alma diante de nossos olhos…

Aquilo sobrepujava uma mera emoção, era… instinto, puro, simples, voraz… como se tivéssemos marcados em nossas almas uma lei imutável. Se aquela situação continuasse por mais tempo, ambas iriam ser aniquiladas. Não sei se posso dizer que foi uma lástima, porém, acabamos não nos matando naquele momento.

O Fluctlight existente dentro do corpo da menina filha de artesões ruiu antes disso e eu, a segunda individualidade, assumi o controle.

Então, nos firmamos como o Administrador, aquele que agora residia no corpo original de Quinella e o subprocesso de Cardinal que acabara de entrar no corpo da pequena filha de artesãos.

Com o equilíbrio restabelecido, a aniquilação das almas duplicadas cessou.”

Uma alma que se aniquila…

As palavras de Cardinal me lembraram do triste e assustador fenômeno que havia ocorrido há duas noites, um acontecimento que ainda não tinha superado.

Eu tinha cruzado espadas com o espadachim de elite em treinamento número um da academia onde vivia, Raios Antinous, e na ocasião, cortei fora seus dois braços com o movimento secreto do Estilo Serlut, Whirling Current.

Aquele tipo de ferida poderia ser considerada como um dano fatal no mundo real, mas sua vida ainda poderia ser restaurada aqui em Underworld com o tratamento adequado. Eu tencionava manter o nível de sua vida, o que funciona como o HP nos jogos, amarrando seus dois braços e fechando suas feridas para evitar o sangramento.

Porém, antes que pudesse fazer qualquer coisa, um estranho grito saiu de Raios enquanto desabava sem vida no chão.

O sangue ainda fluía de seus machucados naquele momento. O que significava que sua vida não tinha chegado a zero, em outras palavras, outra coisa havia matado ele.

Instantes antes de morrer, Raios estava tendo que decidir entre salvar sua vida ou ir contra as leis do Índice de Tabus, uma decisão para proteger e uma para romper.

Ele não conseguiu escolher e sua alma acabou se desfazendo em pedaços, pego em uma espécie de loop infinito de erros.

Será que um fenômeno parecido pegou Quinella de surpresa quando conheceu a duplicata de si mesma? O fundamento dessa minha hipótese parece ser o mesmo do que aconteceu com Raios. Não consigo sequer cogitar o horror de uma situação igual à essa, ao ver uma outra existência que era exatamente igual a você, a nível celular, quântico…

Essa teoria também se aplicava a mim, já que desde o instante em que acordei nesse mundo, ainda não tinha conseguido me certificar que não era um Fluctlight Artificial de um provável verdadeiro Kirigaya Kazuto.

Decidi guardar esses pensamentos em um lugar bem profundo de minha mente para que não prejudicasse meus objetivos. Felizmente, a dúvida se foi quando descobri que podia ir contra o Índice de Tabus.

Não sei o que faria se me fosse revelado que minha consciência estava jogada eternamente em uma escuridão, com uma voz tão familiar, a minha, me dizendo: ‘-Você não é nada mais do que uma existência duplicada que pode ser completamente apagada com um simples apertar de tecla’. Creio que enlouqueceria e me aniquilaria também…

“E então? Entendeu tudo agora?”

Cardinal falou como se fosse um velho mestre passando ensinamentos para seu pupilo.

Fiquei uns instantes em silêncio processando tudo que tinha ouvido. Depois, levantei a cabeça, pisquei algumas vezes e assenti.

“Ahh… sim, de alguma maneira, entendi sim.”

“Que ótimo, já não era sem tempo. Então, passarei para o ponto principal de nossa conversa.”

“O ponto principal? … Tudo bem. Deve se tratar daquilo que te fez esperar por mim, não é? Enfim, o que exatamente espera que eu faça?”

“Sim. Estive esperando por todo esse tempo, desde aqueles dias antigos, duzentos anos, para finalmente lhe dizer isso. Então, onde parei?

Ah! Sim… estava na parte onde me separei do Administrador.”

Cardinal recomeçou a falar enquanto girava a xícara vazia em suas mãos.

“Obtive um corpo físico próprio naquele dia. Para ser preciso, esse foi o corpo que consegui, dessa pobre aprendiz…, mas infelizmente, sua individualidade não mais existe desde que seus dados do Light Cube foram sobrescritos.

Nascida dessa terrível cerimônia e com um resultado imprevisto, olhei fixamente a Administrator que estava parada na minha frente por 0,3 segundos antes de tomar o curso lógico das medidas que tinha preparado previamente.

Em outras palavras, tratei de colocar meu plano em ação e eliminá-la com as artes sagradas do mais alto nível. Eu era uma cópia perfeita do Administrator, o que significava que tinha um nível de autoridade de acesso ao sistema igual também. Calculei que conseguiria acabar com sua vida antes que os recursos naturais ao nosso redor fossem exauridos, para isso tinha que tomar a inciativa. Com o primeiro ataque, mesmo ela usando a mesma arte sagrada, não iria adiantar e a vitória, gradativamente, seria minha.

Meu primeiro ataque foi perfeito, de acordo com as minhas expectativas.

Uma luta até a morte de proporções jamais vistas havia começado. Imensos raios e trovões colidindo entre si, chamas infernais, adagas de gelo e toda a gama de elementais sendo atirados desde o ponto mais alto da Catedral Central.

Com tamanha potência de golpes, nossas vidas caíram vertiginosamente em um piscar de olhos. Nossos tempos de respostas eram exatamente os mesmos… e como havia previsto, graças ao primeiro golpe que acertei, estava em vantagem. Se continuasse, o caminho natural seria encerrado com a minha vitória.”

Sword Art Online - Alicization Rising - Volume 12

Meu corpo estremeceu ao imaginar a feroz luta dessas duas deusas.

Meu conhecimento das artes sagradas eram limitados àquelas extremamente rudimentares que mudavam a forma dos elementos, como a que utilizei contra o Integrity Knight Eldrie. De maneira que sua ofensiva estava longe de se comparar com o mais simples golpe de espada, por isso só usava para conseguir alguma distração, ou seja, eram inúteis para tentar baixar a vida de qualquer coisa.

Como sempre, prefiro usar uma lâmina à magia ou um projétil. Foi assim em ALO, em GGO e agora aqui também…

“Hum, espere um instante! Você disse que mesmo a Administrator era incapaz de matar alguém, não é? Então, essa restrição não se aplica a você também? Afinal, é uma cópia dela. Como vocês foram capazes de se atacarem assim?”

Cardinal me deixou terminar, e pacientemente, apesar de franzir um pouco a testa por ter sua narrativa interrompida, balançou a cabeça em afirmativo e respondeu:

“Humpf! Enfim, uma boa pergunta. É como tinha dito, mesmo sendo o Administrator, a criadora do Índice de Tabus, não poderia romper com a proibição de assassinar passada por seus pais, quando era apenas a jovem Quinella.

Mas já que perguntou, creio que terei que lhe explicar a origem por trás do fenômeno pelo qual nossos Fluctlight são incapazes de desobedecerem ordens. Verá que não é algo tão absoluto quanto pensa.”

“Como assim….?”

“Vejamos um exemplo…”

Cardinal moveu sua mão direita, a que segurava a xícara de chá, sobre a mesa. Mas por alguma razão, ela não baixou totalmente o recipiente, detendo seu movimento imediatamente antes que seu antebraço tocasse o tablado da mesa com o recipiente.

“Olhe só, não posso mais baixar essa xícara além desse ponto.”

“Hã!?”

Cardinal franziu a testa novamente e explicou como se fosse a coisa mais simples do mundo.

“A razão disso acontecer, é porque quando era jovem, minha mãe, e me refiro à mãe de Quinella, me deu a simples regra de que as xícaras devem ser colocadas sempre sobre os pires e nunca diretamente sobre a mesa. E incrivelmente seu efeito perdura até hoje.

O único tabu significativo era o assassinato, mas existem outras dezessete proibições tão estúpidas quanto essa. Não posso baixar meu braço além desse ponto, não importa o quanto tente forçar, pois se fizer isso, começarei a sentir uma intensa dor em meu olho direito…”

“Dor… em seu olho direito…”

“Exatamente. Essa é a grande diferença das demais pessoas comuns. Eles são incapazes de sequer imaginar a ideia de colocarem as taças sobre as mesas. Em outras palavras, não tem como obter a consciência de que estão presos por regras invisíveis, apenas fazem isso por ser ‘normal’. Talvez até seja melhor assim.”

Provavelmente consciente de que era um ser completamente artificial, um sorriso amargo surgiu no rosto de Cardinal, enquanto endireitava seu braço.

“E agora… Kirito. Você vê isso como uma xícara de chá, não é?”

“Eh?”

Novamente deixei escapar um som estranho de minha garganta enquanto olhava de maneira confusa para o objeto na mão de Cardinal.

Era uma xícara de cerâmica branca, curva e simples, Não tinha nenhuma decoração elaborada.

“Bom… sim, é uma xícara de chá, sem dúvida…”

“Hum… e agora?”

Cardinal levantou o dedo indicador de sua mão esquerda e tocou ligeiramente a borda de cerâmica.

Um líquido fluiu para dentro da xícara, soltando um leve vapor esbranquiçado. Porém, o aroma estava diferente de antes. Meu nariz imediatamente indicou que aquela fragrância não era mais um simples chá preto. Com toda a certeza, agora se tratava de uma sopa de creme de milho.

Cardinal inclinou um pouco para me mostrar o seu interior. Era um fluído viscoso, de cor amarelo pálido, exatamente o que eu estava esperando. E além do creme, tinha até algumas migalhas de pão branco flutuando na superfície.

“S-Sopa de creme de milho? Nossa, parece deliciosa, será que você me daria um pouco e…”

“Deixe de ser idiota, se atenha a minha explicação. Me diga, se aqui tem sopa, então qual é o recipiente que normalmente eu teria em mãos nesse momento?”

“Ah…? Bem… isso seria…”

A primeira vista o recipiente não havia mudado nem um pouco do que era antes. Mas agora que ela mencionou, talvez ele estivesse ficado um pouco mais… largo, mais do que seria esperado de uma simples xícara de chá. Então arrisquei…

“… Uma… taça de sopa?”

Quando respondi timidamente, Cardinal sorriu concordando com a cabeça.

“Sim, isso agora é uma taça de sopa, pois está cheia de sopa dentro.”

E como eu já estava presumindo, ela a colocou sobre a mesa sem nenhum problema.

“Qu-…!?”

“Veja só o que aconteceu. Isso foi uma demonstração do quão ambíguos são os tabus aplicados em nossos Fluctlight Artificiais. Com uma simples troca de perspectiva, é possível sobrepuja-los sem nenhum problema.”

“…”

Gostaria de dizer que estava surpreso, mas novamente me lembrei do que tinha ocorrido dois dias atrás.

Naquele momento, Raios estava a ponto de acertar sua espada em Eugeo, quando felizmente consegui chegar a tempo e interceptar sua trajetória. Se a espada de Raios tivesse acertado meu amigo, provavelmente o teria matado.

O assassinato estava obviamente listado como o maior de todos os tabus. Mas naquele instante, Eugeo não era um humano do ponto de vista de Raios e sim um criminoso perigoso que havia violado o Índice de Tabus e que deveria ser punido. Ao reconhecer isso, facilmente foi capaz de passar por cima dessa grande proibição gravada em sua alma.

Enquanto continuava pensando em silêncio, um som suave veio da garotinha à minha frente. Cardinal estava se ajeitando confortavelmente na cadeira, levantando a xícara de chá… digo, a taça de sopa até seus lábios.

Ao ver aquela cena, meu estômago, que já tinha processado todo aquele rápido lanche de antes em pontos de vida, estava pedindo por mais.

“…Será que eu poderia comer um pouco disso também?’

“Você é o humano mais comilão que conheço. Tudo bem, me dê sua xícara!”

Enquanto sacudia a cabeça de um lado para o outro, Cardinal estendeu sua mão esquerda e tocou a borda da minha xícara que fez um suave som. Após isso, se encheu com uma deliciosa fragrância de sopa de milho.

Tratei de levar meu novo recipiente, a taça de sopa, até a boca para saboreá-la. Instintivamente fechei meus olhos diante do nostálgico sabor.

Tinham diversos tipos de sopas em Underworld, mas nesses dois anos, nunca tinha provado uma tão perfeita quanto essa.

Suspirei involuntariamente de satisfação. Cardinal esperou alguns instantes e reiniciou sua história.

“Compreendeu, não né? Os tabus que nos prendem são coisas que podem ser facilmente ignorados com a mera alteração de perspectiva, exatamente como demonstrei com a xícara antes.

Então, nós duas, não pensamos uma na outra como sendo humanos quando começamos a batalhar.

Ao meu ver, ela era um sistema defeituoso que estava danificando o mundo, e ela, provavelmente me considerava como um vírus difícil de eliminar… Não houve um só momento de vacilo enquanto acabávamos com nossas vidas.

Dessa forma continuamos a despejar sem dó todo o tipo de artes sagradas uma na outra e quando estava a dois ou três ataques de eliminar de vez o Administrator, ou no mínimo conseguir um empate…”

E provavelmente recordando um momento ruim, Cardinal deu uma mordida sem seus pequenos lábios…

“…Aquilo aconteceu… em seus momentos finais, aquela mulher se deu conta de nossa diferença decisiva…”

“Diferença decisiva…? Mas que tipo de diferença podia ser essa? Tirando a aparência externa entre vocês… as duas têm exatamente o mesmo nível de autoridade de acesso ao sistema e o mesmo leque de artes sagradas disponíveis também… não é?”

“Naturalmente. A que tinha conseguido o importante primeiro ataque tinha sido eu, seria normal que obtivesse a vitória no final. E foi por isso que ela parou de atacar com as artes sagradas.

Resolveu converter um monte de objetos de altíssimas prioridades em uma arma ao mesmo tempo em que preparava o lugar onde estávamos lutando com System Commands e os deixou proibidos.”

“M-Mas ela fazendo isso, também negava a possibilidade dela mesma em lançar artes sagradas, não?”

“Esse era exatamente o plano dela. Então, quando percebi sua intenção, rapidamente também fiz a mesma coisa. Criei uma arma com a mesma prioridade que a dela e resolvi acabar com sua vida através de dano físico.”

Cardinal ficou em silêncio e levantou seu cajado que estava apoiado na beira da mesa e o direcionou para mim. Quando o segurei com a mão esquerda, fiquei tremendamente surpreso.

Seu peso era um absurdo, era inimaginável que uma garota tão pequena e de aparência tão frágil pudesse segurar aquilo.

Rapidamente, em pânico, usei também meu braço direito para tentar sustentar aquela coisa. Com muita dificuldade consegui encostá-lo novamente no canto da mesa.

Calculei que aquele cajado tinha uma prioridade muito mais alta do que a minha espada negra e a Blue Rose Sword de Eugeo juntas.

“Entendi… não é somente nas artes sagradas que você está em modo deus e sim em seu nível de autoridade de objetos também, não é?”

Cardinal me olhou dizer isso como se não fosse nada, apenas dando de ombros naturalmente.

“O Administrator copiou não somente suas memórias e processos cognitivos como todos seus níveis de autoridades e vida também. A espada que essa pessoa gerou e esse cajado tem exatamente o mesmo nível de habilidade.

Mesmo depois que estávamos trancadas em um combate físico sem poder recorrer ao uso das artes sagradas, pensei que podia obter a vitória. Porém, depois de assumir uma posição, finalmente me dei conta da verdadeira intenção do Administrator, e isso era… a diferença decisiva entre nós…”

“Como perguntei antes… que diabos de diferença foi essa?”

“Simples… olhe meu corpo!”

Cardinal abriu sua túnica e expôs seu corpo vestido com uma blusa branca, calças compridas negras e meias brancas até os joelhos. Era uma figura de uma garotinha, magra e um pouco encurvada que contrastava com sua forma de falar e agir como se fosse um mestre ancião.

Sentindo que estava olhando mais do que deveria, desviei o olhar e perguntei:

“E o que tem exatamente com seu corpo…?”

A garota novamente fechou sua túnica e fez um grunhido irritada.

“Mas você é lerdo mesmo! Imagine você lutando trancado nesse corpo. Sua perspectiva, alcance dos braços… Você seria capaz de fazer tudo que faz com sua espada atualmente se tivesse um corpo pequeno como esse?”

“…Ahh…!!”

“Estive até aquele momento no corpo do Administrator, quero dizer, no corpo de Quinella, que era uma mulher muito alta. Não havia me dado por conta disso enquanto lutávamos com as artes sagradas, mas… no momento em que brandi esse cajado e me preparei para o ataque do inimigo, finalmente entendi que a situação tinha ficado crítica.”

Percebi exatamente o que ela estava dizendo. Nos inúmeros VRMMOs e também no mundo real, se acostumar com as distâncias em lutas corpo a corpo, caso estivesse com um avatar de proporções bem diferentes do seu corpo real, iria requerer uma grande quantidade de tempo de adaptação.

“Se me permite perguntar, qual é a diferença de altura entre vocês duas atualmente?”

“Facilmente ultrapassa os cinquenta centímetros.

Ainda lembro nitidamente daquele enorme e cínico sorriso enquanto me encarava nessa situação. De qualquer forma, a batalha continuou…

Ficamos nos golpeando desenfreadamente, porém, cada ataque só confirmava a triste verdade… então, sem mais opções tive que admitir a derrota…”

“E… o que aconteceu…?”

Ela custou um pouco para responder.

“A vantagem do Administrator era decisiva, mas ela também cometeu um erro. Se na hora em que bloqueou o uso das artes sagradas naquela sala também tivesse selado as saídas, eu teria sido assassinada com toda a certeza. Mesmo não possuindo emoções humanas eu…”

A expressão de Cardinal transparecia verdadeiramente irritação, mas não quis interromper.

“Determinei que tinha que me retirar o mais rápido possível. Então, corri para a saída mais próxima como um raio no momento em que ela levantou sua espada para atacar. Ainda assim, ela conseguiu me acertar pelas costas causando um imenso dano, reduzindo uma boa porção de minha vida…”

“I-Isso… deve ter sido terrível…”

“De fato, mas aceitei esse golpe pois já tinha previsto a situação e sabia que não morreria. Bem ao contrário do senhor que passou esses últimos dois anos e dois meses desperdiçando o tempo em banquetes com mulheres e quase perdeu sua vida em algumas situações. Entrar em batalhas sem saber o quão forte é seu inimigo é somente burrice e não valentia.”

“B-Banquete com mulheres? Do-Do que está falando? Eu…”

Parei minha frase no meio.

“Ei! Espere um segundo! Dois anos e dois meses… não me diga que esteve me observando esse tempo todo…?”

“Mas é claro que sim. Mesmo eu tendo vivido por mais de duzentos anos, esses dois anos e dois meses que passei vendo todos seus atos pareceram uns quatrocentos…

Como disse antes, você é muito lerdo para fazer qualquer coisa.”

“B-Bem, vamos deixar isso de lado por hora… Me diga logo, como conseguiu escapar do Administrator?”

“E agora está com pressa é?…

Calculei que poderia fugir pela porta da sala de estar do último piso da catedral. Ao cruzar a porta consegui utilizar novamente as artes sagradas, porém a situação não tinha mudado. Depois de tudo, se tentasse contra-atacar com magia, ela iria simplesmente estender a área de bloqueio um pouco mais e englobar a sala, ou talvez, o andar todo.

Com isso em mente, comecei a procurar um lugar seguro para ir onde seus ataques não pudessem me alcançar para poder bolar uma maneira de lançar outro ataque.”

“Mesmo que diga isso… existe realmente um lugar no mundo onde o Administrator, com toda a sua abrangência de supervisor do mundo, não possa ir?”

“Certamente, ela virou um deus quando assumiu o papel de supervisor, mas ela não possuía exatamente a onipresença absoluta. Dessa forma, há somente dois lugares onde ela não pode ir mesmo que queira muito.”

 

ESSA BAIXINHA É INCRÍVEL NÃO É? BEM PESSOAS, NOS VEMOS NA PRÓXIMA SEMANA COM ESSE CAPÍTULO IMENSO!

Sword Art Online – Alicization Rising

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Vamos de música? Ignite!! (E não é a nova do LOL hehehe)