Sword Art Online Alicization Turning em Português – Underworld – Capítulo 6 – Parte 3.2 – Final

Arco: Alicization – Turning

Parte 3

Sword Art Online Alicization - Turning - Quinella - Vol 11
Possuía um nível de egoísmo e fome de poder maior do que qualquer outra pessoa em Underworld… seu nome era Quinella

Certo! Agora sim, estava perdido mesmo! Cardinal havia dito que o Administrator era sua irmã gêmea!? Era isso mesmo!?

Para confirmar que estava ouvindo direito, repeti a pergunta, que resultou na mesma informação.

Como se tivesse culpando a si mesmo, ficou olhando sua própria mão direita por um tempo antes de abrir a boca novamente e dizer:

“Fazem mais ou menos trezentos e cinquenta anos quando se formou a absoluta organização denominada Igreja Axiom. Em outras palavras, isso seria cem anos depois do início da grande simulação de civilização. Os seres do mundo dos humanos casaram-se por volta dos vinte anos e nesse momento deram à luz a mais ou menos cinco filhos e quando chegou na quinta geração, já haviam superado os seiscentos habitantes. Proporcionalmente na próxima geração, bateu na casa do milhar…”

“Espere um segundo. Em primeiro lugar, quais são os sistemas de matrimônio e partos desse mundo?”

Depois que falei isso, fiquei um pouco nervoso por estar perguntando esse tipo de coisa para uma garotinha que parecia ter apenas dez anos. Independente de sua idade real, isso era muito estranho. Porém, Cardinal respondeu despreocupadamente.

“Sou incapaz de assegurar sem o conhecimento adequado dos atos de reprodução entre os humanos no mundo real, mas o ato em si mesmo deveria ser o mesmo da realidade, a julgar pelos princípios estruturais dos Fluctlight. Mas enfim, depois que a dupla de um homem e uma mulher se registram e firmam um acordo matrimonial, o sistema realiza a ação no corpo da mãe.

Para ser mais específico, um novo modelo Fluctlight será carregado em um cubo vazio dentro do Light Cube Cluster, com uma parte dos elementos externos dos pais e seus padrões de pensamentos e caráter inseridos, isso cria então um novo ser, um bebê recém-nascido.”

“Sim, sim, entendi… Mas o que quis dizer com registro de matrimônio?”

“É um simples comando do sistema. Se apresenta em forma de uma solicitação de matrimônio para Stacia. O chefe da aldeia era quem fazia isso na era original, mas depois que a Igreja se estabeleceu em todas as áreas, essas cerimônias são celebradas somente pelos sacerdotes.”

“Humm… certo, obrigado pela explicação e desculpe interromper. Prossiga com sua história, por favor!”

Cardinal concordou e retomou sua explicação.

“Dezenas de anos depois que o quarteto original finalizaram suas sessões, os habitantes que chegaram à casa dos milhares em número, já eram regidos por vários senhores.

Como aqueles que herdaram a arma chamada egoísmo de seus ancestrais eram vorazes em suas vontades, seguiram expandindo suas terras. Engolindo e anexando para si as localidades dos outros jovens que não puderam se opor, transformando-os em pobre camponeses arrendatários. Alguns poucos que não ficaram contentes com essa situação e posição social desfavoráveis, acabaram se afastando da central e foram cultivar novas terras em regiões remotas.”

“Sim, como foi o caso dos jovens que desenvolveram povoados como Zakkaria e Rulid.”

“Correto… os senhores que governaram sobre a central, naturalmente viram esse tipo de prática como uma afronta. Então, houve um longo período sem matrimônios entre eles.

Porém, ocorreu algo similar a um matrimônio político entre duas famílias de senhores antes disso tudo… E como resultado, um único bebê do sexo feminino nasceu. Esse bebê tinha um aspecto encantador, algo próximo às características angelicais, mas que possuía um nível de egoísmo e fome de poder maior do que qualquer outra pessoa vista antes entre todos os Fluctlight viventes em Underworld… seu nome era Quinella.”

Uma luz estranha surgiu nos grandes olhos de Cardinal que olhava para o nada, como se tivesse viajando para um passado longe e doloroso.

As chamas das lamparinas nas laterais das estantes que rodeavam o local onde estávamos, projetavam sombras complexas sobre os grandes cílios da menina. E mesmo com a voz tranquila, estava carregada de tristeza.

“Nesse momento, quem encarregava as tarefas sagradas para as crianças em Centoria para trabalhar nas cidades próximas, era um único senhor, o pai de Quinella.

E uma vez que ela atingiu a idade de dez anos, Quinella demonstrou uma aptidão incrível em esgrima, artes sagradas, canto, artes manuais como costura e muitas outras habilidades. Todo mundo pensava que ela seria perfeita em qualquer tarefa à que fosse encarregada. Porém, devido a isso, seu pai pensou que a bela Quinella era muito valiosa para trabalhar fora da cidade…”

Cardinal deu um leve sorriso sem graça.

“Com uma possessividade idiota, aquele homem pensando em mantê-la sempre perto de seu alcance, concedeu a sua filha uma tarefa sagrada que não existia até então, ‘investigadora de artes sagradas’ …

Quinella estava livre para dar asas à sua inteligência e em um local escondido de sua própria residência, começou a analisar, testar e aprender tudo que podia sobre as artes sagradas… ou em outras palavras, os system commands.

Até aquele momento, os habitantes de Underworld conheciam somente alguns comandos básicos, sem ninguém para considerar o significado por trás daqueles termos. Usavam só o suficiente para seus propósitos diários e nada mais.”

Isso estava correto, quando fiquei em Rulid, Eugeo e os outros aldeões não faziam mais do que chamar a dita janela de Stacia para comprovar a Vida das coisas.

“Porém… Quinella, uma garotinha que possuía uma quantidade enorme de tenacidade e perspicácia, continuou com sua análise sobre o significado dos termos usados nos comandos.

Sobre palavras como: generate, element e object, por exemplo, oriundas de um maravilhoso mundo paralelo. E com vários comandos extremamente fundamentais como base, Quinella desenvolveu a arte Thermal Arrow, com suas próprias forças. Os system commands que eram originalmente ferramentas para nada mais do que facilitar a vida das pessoas, acabaram se tornando uma arte ofensiva que destruía os objetos vivos. Agora Kirito…”

Repentinamente me chamou, pisquei enquanto olhava para Cardinal.

“Entende a razão pela qual o nível de autoridade de suas artes sagradas… ou em outras palavras, o valor da sua autoridade de acesso ao sistema aumentou tão rapidamente?”

“Bem… tenho um palpite. Provavelmente foi porque lutei contra os monstros… um grupo de goblins que encontrei em uma caverna do norte, a pouco mais de dois anos.”

“Certamente. Esse mundo foi desenhado originalmente para que seus habitantes lutassem contra inimigos externos invasores e dessa forma irem se fortalecendo. Isso seria necessário somente após a fase de carga experimental,

Portanto… a ideia sempre foi derrotar um oponente para aumentar sua autoridade, até chegar o momento em que seria necessário buscar inimigos de fora.

Quinella descobriu essa mecânica sozinha quando tinha apenas onze anos. Ela ficava treinando essa teoria, lançando flechas de fogo contra os animais no bosque próximo à sua casa…”

“…Então, isso significa que o objetivo de derrotar um oponente para aumentar seu poder não se limita apenas aos inimigos do Dark Territory, correto?”

“Exatamente. Isso é chamado de aumento de pontos de experiência e sempre se incrementa quando algum tipo de unidade móvel, incluindo os humanos, é aniquilada. Mas é claro, os humanos comuns desse mundo não assassinam uns aos outros e muito menos atacam animais inofensivos. Mas a coisa muda um pouco de figura se você for possuidor dos genes da nobreza. Eles costumam caçar por esporte e o resultado disso é o aumento de suas autoridades sem sequer perceberem… Menos Quinella, a garotinha de pouca idade que fazia isso com intenção de ganhar mais e mais poderes.”

Interrompendo suas palavras por um instante, Cardinal levou a xícara de chá até os lábios e parou. Devolveu a xícara na mesa com as duas mãos e prosseguiu.

“Depois de perceber que a autoridade no uso das artes sagradas aumentava muito com a morte das criaturas noturnas e outros pequenos monstros, ela saia todas as noites e continuava com seu massacre sem que seus pais ou aldeões suspeitassem de algo. Se tivesse parado as ações de Quinella quando ganhei consciência e ainda controlava Underworld

A garota não tinha emoções… ou melhor, até tinha, uma espécie de euforia crescente enquanto dizimava as centenas de bestas selvagens ao redor de Centoria em uma só noite. E quando terminava, as unidades mortas eram repostas sempre ao simples recitar dos system commands… somente para serem aniquilados mais uma vez na noite seguinte…”

Para um jogador de VRMMO como eu, isso era um comportamento bem comum. Durante o tempo no SAO, fazia isso diariamente justamente para fortalecer meus status. Basicamente, isso era a natureza padrão dos MMOs.

E saber disso só me deixava mais ainda apreensivo.

Uma garotinha vagando na noite em um bosque escuro, vestindo somente um pijama e incinerando qualquer coisa viva que encontrasse pela frente. A única palavra que vinha a mente era ‘pesadelo’.

Como se tivesse pressentido a mesma sensação que eu, Cardinal apertou a xícara entre seus pequenos dedos.

“O nível de autoridade de Quinella seguiu aumentando infinitamente. Dessa forma, com seu progresso absurdamente ascendente baseados na sua profunda análise dos comandos do sistema, ela finalmente foi capaz de manejar diversos tipos de artes que as pessoas começaram a tomar como puro milagres. Coisas como, recuperação de vida e a predição do tempo eram nada mais do que brincadeira para ela. Os habitantes de Centoria começaram a crer que Quinella havia sido enviada pelos deuses e a veneraram, seu pai fora o primeiro a agir dessa forma…

Quando chegou aos treze anos, possuía uma beleza verdadeiramente divina, mostrando sempre seu amável sorriso. E então ela achou que já era hora de satisfazer por completo seu infinito desejo de dominação. Mas no lugar de se apropriar das terras como os outros nobres senhores ou pegar na espada como um guerreiro, ela preferiu um outro método muito mais efetivo e poderoso… enganou a todos usando o nome de deus…”

Novamente Cardinal parou sua narrativa e lançou o olhar para cima, para o teto abobadado da Grande Sala da biblioteca, mas talvez seu olhar estivesse alcançando muito além…

Esse foi um dos maiores erros dos humanos que construíram esse mundo. Explicar os efeitos inexplicáveis dos system commands como sendo atos divinos. Na minha opinião, deus é como uma droga que embriaga totalmente os seres vivos conhecidos como humanos. Dizem que ele pode acalmar a dor, perdoar todos os atos cruéis, mas também o inverso é viável, em nome de deus… é possível fazer coisas terríveis. Felizmente eu não posso escutar essa sua voz ‘divina’ com a minha falta de emoções…

Voltando o olhar para a xícara, a menina tocou levemente a borda de porcelana com seu dedo da mão esquerda. O líquido quente instantaneamente brotou no fundo, enchendo novamente o recipiente que tinha acabado de esvaziar com um chá de aroma delicioso.

“Através dessa fé cega, ele viam milagres feito por Quinella, sempre justificando que eram obras de deus… não houve quem duvidasse de suas palavras, ainda mais depois que ela tinha curado um homem que tinha sido ferido durante o trabalho na fazenda e predisse a chegada de uma grande tempestade com três dias de antecedência.

Ela contou aos senhores nobres aos quais seu pai servia, que era necessário construir um local apropriado para rezar para deus. De maneira que uma grande torre de mármore branco foi imediatamente levantada no centro da aldeia… essa história rendeu apenas três capítulos de um desses livros… E esse foi o momento em que ocorreu a fundação da Catedral Central e também marcou o início de trezentos e cinquenta anos de dominação da Igreja Axiom. “

O relato dessa mulher santa, Quinella, de épocas antigas contado por Cardinal, me levou a pensar em uma outra pessoa. Escutei de Eugeo e Selka mesmo sem chegar a conhecê-la pessoalmente… uma garota que demonstrava imenso talento nas artes sagradas e esgrima, apesar de ser apenas uma aprendiz na igreja de Rulid, Alice Schuberg.

Mas Eugeo dizia que Alice era mais gentil e amável do que qualquer pessoa que conhecia quando estava em Rulid. Sem mencionar o que dizia sua irmã mais nova, Selka. Era tremendamente difícil imagina-la escapulindo pela noite para acabar com centenas de bestas selvagens na floresta.

Então… como Alice aumentou sua autoridade de acesso ao sistema?

Minha atenção se afundava em diversas perguntas sem respostas antes de ser trazido de volta pela doce voz de Cardinal

Sword Art Online - Turning - Volume 11 - Cardinal

“As pessoas daquela época acreditavam piamente que Quinella era abençoada por Stacia. Eles oravam todas as manhãs e tardes na torre branca e doavam tudo que tinham sem pestanejarem.

Os senhores de terras que não tinham laços de sangue com a garota abençoada estavam receosos com sua existência no início, mas… todavia, Quinella era bem astuta. Nomeou-os com títulos de nobreza alegando serem ordens divinas, em outras palavras, legitimou e criou a aristocracia.

Mesmo assim, ainda existiam algumas pessoas entre os camponeses que possuíam ressentimentos contra esses senhores, porém, não podiam ir contra as ordens vinda dos deuses. Igualmente, os recém nomeados nobres, acharam que era mais benéfico obedecer do que se opor à Quinella.”

Cardinal devolveu a xícara sobre o pires e me olhou fixamente.

“Levei bastante tempo pesquisando tudo para chegar a essa resposta, mas enfim, essa é a causa da existência do feudalismo em Underworld.”

“Entendi… Não foi um sistema de classe que foi desenvolvido com a necessidade de melhoria da sociedade e sim um modo de impor controle sobre tudo… Suponho que seja natural, no atual cenário, que os nobres de alta classe não tenham nenhum sentido de dever com nada.”

Cardinal concordou com minha palavras com uma expressão séria.

“É improvável que tenha visto com seus próprios olhos, mas o comportamento dos nobres mais importantes e as famílias imperiais quando estão dentro de suas reservadas propriedades é realmente repugnante. Seria impossível prever que tipos de atos eles poderiam cometer se não tivesse o Índice de Tabus que proíbe assassinatos ou danos contra a vida…”

“…Quem criou o Índice da Tabus foi Quinella, correto? Isso significa que ela deve ter algum… sentido moral…não é?”

“Humpf! Duvido muito.”

Cardinal torceu a boca quando disse isso.

“Mesmo depois de tantos anos de pesquisa, ainda não compreendo a razão pela qual os habitantes desse mundo não violarem as regras estabelecidas. Não sou exceção também.

De fato, não considero a Igreja Axiom como uma existência superior a ser respeitada, portanto, não sou obrigada a seguir nenhuma de suas normas… porém, ainda assim, sou incapaz de infringir diversas regras imposta a mim mesma como programa Cardinal. Posso dizer que meu atual confinamento nesse lugar por centenas de anos é resultado dessa minha incapacidade de me opor aos comandos.”

“Essa incapacidade de se opor aos comandos superiores… também se aplicam à Quinella?”

“Sim, se aplica. Mesmo sendo a pessoa que criou o Índice de Tabus e podendo ignorar todas essas leis estúpidas… ainda assim não o faz. É incapaz de se opor as diversas regras transmitidas desde muito nova por seus pais, mesmo tendo a sua disposição uma enorme gama de comandos.

Imagine o cenário se essa pessoa não se contentasse em apenas matar animais e monstros para obter mais poder e começasse a atacar outras pessoas. Mas graças aos ensinamentos básicos de convivência que seus pais lhe ensinaram, ela não é capaz de cruzar essa linha. Mas no fundo, eu ainda acho que ela continua a procurar um meio de poder acabar com a vida das pessoas e dessa forma, incrementar ainda mais o seu nível de autoridade.”

Novamente senti um arrepio percorrer todo meu corpo.

“Você está me dizendo que ferir outras pessoas já era um tabu desde o começo e que foi ensinado pelo quarteto original? E que Quinella apenas transcreveu isso para o livro de regras e adicionou alguns detalhes menores?”

“Essa é a ideia geral. Porém, está muito longe de ter feito isso procurando a paz mundial.

Quando completou 25 anos, a beleza de Quinella estava em seu ápice e a torre branca cada vez mais alta com diversos discípulos fervorosos. Ela ordenou que fossem construídas pequenas torres similares a grande torre branca em todas as aldeias, formalizando assim a Igreja Axiom e consolidando de vez o sistema de regras. Porém… com o aumento da população e com novas áreas do mundo sendo ocupadas, também veio a preocupação de algo acontecer sem que seus olhos enxergassem. Ela receava em aparecer alguém em algum lugar remoto que tivesse a mesma sede de poder que ela, alguém que se desse conta do segredo por trás da autoridade no uso das artes sagradas. Visando isso, ela decidiu criar um meio físico para combater esse tipo de coisa, as inscrições do livro de regras. Usando a lealdade à Igreja Axiom como primeira cláusula de tabu e a proibição de assassinato como segunda.

E porque você acha que ela fez isso, Kirito?”

“…”

Depois de um instante de silêncio, Cardinal continuou.

“Naturalmente foi para evitar que as pessoas se dessem conta do aumento do nível de autoridade após assassinar um ser humano. Essa é a única razão pala qual a Igreja Axiom proíbe o assassinato. Não existe nenhuma razão moral, ética ou benevolente no Índice de Tabus.”

Interrompi a sua explicação um pouco surpreso.

“Ma-Mas os assassinatos e qualquer tentativa de causar danos às outras pessoas eram eticamente tabus estabelecidos pelo quarteto original, certo? Tecnicamente falando, as pessoas já deveriam ter esse tipo de sentido moral sem que a igreja precisasse falar, não é?”

“Porém, o que aconteceria se os pais não ensinassem isso? A probabilidade disso acontecer era baixa, mas se as crianças não tivessem contato com alguém que pudesse lhe passar conhecimento ou orientação ética logo ao nascer? E se essas crianças tivessem os genes da nobreza? A possibilidade de seguirem seus próprios desejos e acabasse por assassinar outro ser humano seria altíssima e dessa forma, poderiam alcançar e possivelmente superar a autoridade de Quinella. Então, para reduzir ao máximo esse tipo de situação, ela compilou o livro Índice de Tabus e o colocou em cada um dos povoados e aldeias. Passando a tarefa aos pais de ensinarem seus filhos tudo sobre o que podia e não podia através desse livro de regras, tão logo aprendessem a falar, ler e escrever.

Veja bem, se os humanos desse mundo lhe parecem bons, diligentes e cheios de benevolência, é simplesmente porque isso deixa as coisas mais convenientes para a organização governamental absoluta, a Igreja Axiom. Tudo é consequência, nada foi feito com boas intenções.”

“M…mas…”

Estava relutante em acreditar nas palavras de Cardinal.

Não queria crer que as amáveis e respeitáveis personalidades com as quais interagi na Vila Rulid, durante o trajeto de minha viagem e na academia, como por exemplo, Selka, Ronye, Tiezé, Sortiliena… e acima de tudo, Eugeo, eram todos forçados a agir de acordo com essa programação tão… agressiva.

“…Isso não é tudo, não é? Ainda existe uma pequena partícula… a forma original do Fluctlight. Algo que todas as almas dos humanos tem desde o princípio… que nos deixa livre para definir o caminho a se tomar… certo?”

“Creio que você já comprovou isso, estou correta?”

Desconcertado com as palavras de Cardinal, pisquei algumas vezes.

“Hein…!?”

“Os goblins que tentaram matar vocês. Não acha que eles eram nada mais do que programas? Que eram a forma mais pura de um Fluctlight quando expostos às ordens totalmente contrárias às do Índice de Tabus… tais como: matar, roubar e atender todos os seus desejos mais escusos?

Eles já não eram mais pessoas em certo sentido, eram existências exatamente como você.”

“…”

Fiquei em silêncio por um momento.

Suponho que esse era o caso. Aqueles monstros com quem cruzei espadas tinham conversação e gestos verdadeiramente naturais, não eram nem um pouco parecidos com os monstros ou NPCs dos jogos VRMMO comuns. Além disso, o brilho assassino naqueles olhos amarelos, definitivamente não eram reprodução de alguma textura pré-programada.

E outra vez aqui estou eu, tentando defini-los se eram humanos de posse de um Fluctlight… Não posso ir adiante se continuar ignorando esse tema.

Para ajudar Eugeo e Selka, acabei matando duas daquelas criaturas…, não, matando duas daquelas pessoas que, infelizmente, estavam apenas seguindo os desejos corrompidos gravados em suas almas.

Assim como Eugeo foi capaz de romper com as restrições do Índice de Tabus, deveria haver uma possibilidade daqueles goblins de resistirem aos comandos de matar e roubar.

Porém, ignorando isso, eu simplesmente brandi minha espada somente pelo fato de serem goblins e terem a aparência de monstros… segundo minha perspectiva.

“Ei! Pare de pensar tanto nisso, seu idiota.”

Essas palavras de Cardinal me pegaram totalmente de surpresa. Provavelmente devo ter olhado para ela com uma cara realmente de idiota.

“Te digo que mesmo se você viver cem ou duzentos anos, não vai achar uma resposta apropriada para esses questionamentos que estão inundando sua mente. É muito complexo. Talvez se você se tornar um deus saiba responder tais coisas… você tem desejo de se tornar um?

Sinceramente, creio que nem se isso fosse possível, acharia de fato uma resolução. Mesmo eu estou um pouco desorientada sobre tudo isso, esperei por muito tempo para lhe conhecer e ter essa conversa para me ajudar a entender…”

Olhei para a garota a minha frente, enquanto ela olhava fixamente para o fundo de sua xícara. Continuou falando como se recitasse um poema.

“Fui uma supervisora durante muito tempo, fazendo meu trabalho sempre sem a menor dúvida. Nunca tomei conhecimento dos pequenos seres que se retorciam na palma de minha mão, vulneráveis em um mundo com uma lei implacável. Mas quando obtive um corpo humano… desenvolvi um apego pela vida, comecei a compreender diversas coisas as quais nem sabia que existiam antes… é provável que quem construiu esse mundo, sequer entendeu o significado daquilo que tinha originado. E mesmo tendo feito algo tão complexo e grandioso, não eram deuses… porém, ainda assim se tivessem tomado conhecimento dos atos deploráveis de Quinella, talvez ao invés de interesse, sentiriam aflição.

Digo isso pois se soubessem, esse mundo talvez entrasse na fase de carga experimental muito mais cedo…”

“Falando nisso… o que é exatamente essa carga experimental que já havia mencionado antes?”

Cardinal levantou os olhos enquanto balançava a cabeça em sinal de afirmativo.

“Certo, para esclarecer sobre isso, voltemos a história em ordem.

Então, Quinella criou o Índice de Tabus e o distribuiu pelo mundo inteiro, certo? Devido a esse livro, as regras da Igreja Axiom se tornaram cada vez mais sólidas. Ela revisava o conjunto de leis sempre com intuito de unir fortemente as massas com o maior sentido moral que se adaptasse à conveniência da igreja, eliminando todas as fontes de problemas recorrentes no dia a dia. Era tão específico essas leis que chegou a criar uma proibição de acesso a um determinado pântano com a desculpa de que era um local de enfermidades endêmicas e que as ervas que ali cresciam fariam com que o gado e as cabras não fossem capazes de produzirem leite…

Sem ninguém para duvidar e apenas seguir as leis descritas no livro, nenhum problema foi constatado. As massas continuavam a obedecer a primeira e mais primordial lei, que era manter a sua lealdade única e exclusivamente para a igreja. Foi um reinado verdadeiramente absoluto. Uma sociedade ideal, completamente sem fome, rebelião ou revoluções.”

Cardinal olhou ao redor e continuou.

“Houve um grande aumento na população em Centoria. Muito disso devido ao avanço das técnicas arquitetônicas através da aplicação de comandos em grande escala, que transformou a antiga aldeia em uma esplêndida cidade em um piscar de olhos.

Os terrenos da Igreja Axiom se expandiram da mesmo forma, juntamente com o aumento absurdo da altura da torre… agora que parei para pensar, essa Catedral Central é uma representação dos desejos insaciáveis de Quinella por poder, ela nunca foi de se contentar com o que tinha.

Quando chegou entre os trinta e quarenta anos, suas feições começaram a decair. Já não se saciava com as comidas ou luxuria como os demais nobres, algo além disso lhe incomodava. Não queria mais contato e nunca mais se mostrou ao mundo.

Então, decidiu se encerrar por vontade própria no ponto mais alto da crescente torre. Começou a dedicar todo seu tempo no estudo e análise das artes sagradas.

Ela buscava mais autoridade, mais conhecimento… queria transcender o limite estabelecido e imposto, queria suplantar o seu final, sua vida.”

Nesse mundo, o status da vida, era uma propriedade cruelmente controlada.

Esse valor crescia até os vinte ou trinta anos, para logo depois começar a reduzir gradativamente. Minha vida também aumentou um pouco nesses dois anos.

Certamente era aterrador ter a consciência do decréscimo desse valor dia após dia. Ainda mais se você for o governante absoluto com o mundo em suas mãos.

“Porém, não importava quantos comandos ela analisava ou se tinha poder suficiente para modificar o clima… o limite de sua vida não se alterava.

Não conseguia manipular o fator que a restringia, não conseguia alcançar quem tinha os poderes de administrador… os supervisores do mundo exterior ou ainda, o sistema de controle autônomo, Cardinal.

E assim a vida de Quinella foi se reduzindo inexoravelmente. Quando completou cinquenta anos… todos os rastros de sua beleza divina que cativava os corações das pessoas, desapareceram, inclusive sua locomoção havia se tornado precária e assim foi até que não mais podia sequer se levantar de sua magnífica cama. Apenas abrindo sua janela de Stacia a cada hora e contemplando o valor de sua vida acabando…”

Cardinal fez uma breve pausa e abraçou seu corpo como se sentisse um calafrio.

“Mesmo nessa situação, Quinella não se dava por vencida. Tinha uma tenacidade incrível… Testava todas as combinações possíveis, invocando sons diferentes na esperança de descobrir um comando escondido, fazia isso dia e noite até sua voz ficar rouca. A probabilidade dela conseguir algum resultado com esse esforço era incrivelmente baixa. Era como lançar milhares de moedas no ar e todas elas dessem cara… não, a possibilidade era ainda menor… porém…”

Nesse momento fiquei realmente inquieto.

Pude ver claramente a Cardinal, a garotinha que tinha se declarado como sem emoções, transparecendo algo muito próximo ao medo.

“Em uma determinada noite quando estava realmente entre a vida e a morte… onde o menor esforço poderia acabar com o restante de seus pontos de vida… Quinella enfim abriu a porta proibida.

Por meio de uma coincidência inacreditável… ou quem sabe uma ajuda de alguma entidade do mundo exterior, esse é o meu palpite, ela conseguiu acesso a isso. Permita lhe mostrar mesmo que não possa usar.”

Cardinal pegou seu cajado com a mão esquerda e o levantou, pronunciando algo quase sussurrando.

System call! Inspect entire command list!

Então, ouvi um som que não tinha escutado até agora e uma janela roxa relativamente grande surgiu em frente à Cardinal.

Não emitiu nenhuma luz ou outro som espalhafatoso, porém, compreendi de imediato o efeito desse comando.

Sem dúvida era a arte sagrada máxima. Tanto, que nem deveria existir.

“Pelo visto entendeu o que é. De fato… essa janela trata-se de um catálogo com todos os comandos existentes. E isso, digo com propriedade, foi o maior dos erros dos criadores desse mundo. Deveriam ter apagado esse comando em particular… no instante em que o quarteto original deixou esse mundo.”

Cardinal agitou o cajado e a lista proibida sumiu no ar.

“Quinella abriu seus olhos quase sem luz e olhou para a janela. E entendeu tudo. Ficou extasiada e literalmente se levantou em um salto.

O comando que tanto desejava estava no final daquela lista. Algo que deveria ser usado em casos de extrema necessidade para ajustar o balanceamento do mundo… uma instrução que rouba toda a autoridade do Sistema Cardinal, para que quem usar, se transforme em um verdadeiro deus…”

De repente uma cena muito clara apareceu em minha mente.

No piso mais alto da torre, capaz de alcançar ao céus. Não podia ver nada além de nuvens negras e ondulantes em um cenário noturno sem estrelas e com relâmpagos violetas.

Havia somente uma cama em meio a um espaço vazio e amplo, seu dono não estava nela. Ele estava em pé, com seus cabelos longos e desprovido de cor, com o corpo magro e decrépito. Uma figura fazendo movimentos estranhos, com os dois braços como galhos secos saindo das mangas de um pijama de seda branco.

Gritos de prazer vinham de sua garganta, retumbando por todo o local, emitindo um feitiço proibido, usurpando toda a autoridade de um deus. Um som estridente como uma gigantesca ave de rapina…

Underworld agora não era mais um experimento de I.A. e nem mais uma simulação de civilização virtual.

Tudo havia ficado para trás. Mesmo o pessoal do RATH que criou esse mundo… incluindo Kikuoka Seijirou, Higa Takeru e os demais que tinham em média trinta anos de idade no máximo.

A encarnação do puro desejo de dominação, Quinella, que nessa época tinha oitenta anos quando adquiriu os direitos administrativos, agora já havia somado mais trezentos anos, segundo o relato de Cardinal. Ninguém poderia imaginar que tipo de nível extremo de inteligência tinha sido gerado.

Será que Kikuoka e os demais conseguiriam controlar tudo realmente? Quanto de informações eles tinham do que estava acontecendo aqui?

A jovem sabia vestida de negro e eu ficamos nos olhando em silêncio, enquanto tentávamos lidar cada um com sua própria ansiedade.

Não existiam portas dentro da Grande Sala da biblioteca… em outras palavras, deveria estar completamente isolada do mundo exterior, mas sentia como se escutasse o retumbar de um trovão muito longe.

Esse ruído parecia ser uma advertência antes da chegada da mais poderosa tempestade que enfrentaremos na reta final do nosso caminho…

 

FIM DO VOLUME 11

 

POIS É! TERMINOU, MAS SEMANA QUE VEM VOLTAREMAOS PARA MAIS UMA ETAPA NESSA LONGA JORNADA!

Sword Art Online – Alicization Turning

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest