Sword Art Online Alicization Turning em Português – Underworld – Capítulo 6 – Parte 1

Arco: Alicization – Turning

Capítulo 6 – Os prisioneiros e o cavaleiro (5º mês do calendário do Mundo Humano do ano 380)

Parte 1

Sword Art Online - Alicization - Turning - Eugeo
Estou pronto!

Existem momentos em que as recordações dos dias no castelo flutuante de Aincrad me vem à mente, esse é um deles.

Naquele tempo… cada dia parecia extremamente comprido, especialmente no primeiro ano do jogo mortal. Era algo que sempre acontecia quando deixava a segurança de alguma cidade. Tinha que me manter constantemente em guarda para o eventual ataque de monstros (e muitas vezes de jogadores), isso me forçava a estar sempre na melhor forma, tanto na potência de ataque quanto na defesa. Com certeza, esse era o principal fator que contribuía para minha rápida escalada de níveis.

Lembrei também da minha absurdamente rígida rotina de dormir e comer apenas o estritamente necessário para poder manter meus padrões de concentração e força, me dedicando ao máximo para coletar todo o tipo de dados com os informantes.

Certamente, em um determinado momento, fui chamado de delinquente pelo grupo das linhas de frente quando tirei um dia inteiro para apreciar o clima e dormir um pouco, mas não me lembro de outra ocasião a qual perdi algum tempo sem fazer nada de produtivo.

Tanto é, que sinto que meus quatorze anos antes de SAO e os dois anos dentro do castelo flutuante, tem o mesmo nível de importância e significado.

Em compensação…

… Os dias que passei aqui nesse mundo tão estranho ao qual fui jogado, tem-se passado de modo muito acelerado.

Não posso dizer também que fiquei matando tempo durante minha estada em Underworld.

Todos os dias nesses dois anos, incluindo a viagem desde a Vila de Rulid, engajar na guarda de Zakkaria e estudar na academia de esgrima principal de Centoria, mesmo sendo extremamente agitados e me tomado tanto esforço, pareceram nada mais do que um piscar de olhos, porém, levou mais tempo do que aquele que passei em Aincrad.

A noção de tempo é completamente diferente da daquela vez.

E creio que sei o porquê…

É devido à falta de perigo em meu HP, conhecido aqui como Vida, baixando a zero.

Ou talvez a taxa de aceleração do tempo fluindo nesse mundo em comparação ao mundo real.

Quando comecei a trabalhar meio período naquela empresa cheia de mistérios chamada RATH, a aceleração Fluctlight do STL foi explicada com sendo até três vezes maior do que a normal. Mas creio que isso era apenas uma linda mentira que me contaram. A julgar pelos diversos dados que consegui até agora, estimo que o grau de aceleração esteja na casa de umas mil vezes.

Se esse número for exato, os dois anos aqui equivalem a apenas dezoito horas no mundo real.

Essa ridiculamente amplificação da velocidade provavelmente seja a responsável por eu ter essa sensação de que os dias são muito curtos, juntamente com a ausência do perigo real.

…Não.

Talvez possa haver outra razão…

O sentido que direcionei minha vida até agora… em especial os agradáveis dias que passei na academia junto com Eugeo, Sortiliena, Ronye e Tiezé. Apesar de ter como objetivo polir minhas habilidades com a espada para poder escapar desse mundo, realmente gostei de cada segundo ao qual passei vivendo esse que, para mim, foi um incrível sonho. Talvez por isso que no fundo do coração, esse tempo tão prazeroso tenha passado tão rápido.

Mas isso também pode ser visto como uma traição. Estou traindo os sentimentos de todos os que estão preocupados junto do meu corpo no mundo real. Asuna, Sugu, Sinon e todos os demais preciosos amigos.

Me pergunto se o que aconteceu seja algum tipo de punição por essa traição. Ter o caminho manchado de sangue em um lugar onde sequer o conceito disso existia e ter que passar o resto de meu tempo aqui, trancado em um lugar onde nem a luz do sol pode penetrar.

Interrompendo meus pensamentos, movimentei a parte de cima de meu corpo enquanto olhava a corrente feita de aço presa ao meu pulso direito. Dei uma puxada mas, tudo que consegui foi perceber que estava realmente muito bem presa, já que só ouvi minhas articulações estalarem e nada do grilhão se mover.

Pouco depois ouvi um murmuro da escuridão próxima.

“Que bom que acordou, Kirito.”

“Ahh… na verdade já acordei faz um tempo. E você? Dormiu bem?”

Sussurrei essa pergunta em tom de brincadeira de mau gosto, mas baixo o suficiente para não alertar o carcereiro.

“Como… como eu iria conseguir dormir bem? Olhe o nosso estado! … Está de sacanagem, né? Não sou você, que consegue até roncar em um momento como esse.”

“Bem, esse é segundo ponto essencial para os praticantes do Estilo Aincrad. Durma sempre que puder, não saberá quando irá precisar de forças para lutar.”

Enquanto falava o que vinha a mente, fiquei observando o nosso redor mais uma vez.

Tudo na volta estava imerso na penumbra, com somente com alguns pontos luminosos que vinha da sala do carcereiro, no final do corredor além das grades da cela.

A escuridão era tal que, distinguir o contorno da silhueta de Eugeo na cama do lado era quase impossível.

É claro, havia dominado a arte sagrada de elementais para iluminar um objeto como um graveto, mas parece que todo o tipo de conjuração era impossível de ser praticada nessa cela, provavelmente, por medida de segurança.

Como não conseguia ver o rosto de meu amigo, arrisquei uma pergunta:

“E aí?… Conseguiu se acalmar um pouco?”

Deduzi que deviam ser por volta das 3 da madrugada. Tínhamos sido jogado nessa prisão subterrânea no meio da tarde, depois do incidente do dia anterior. Pelos meus cálculos, já haviam se passado aproximadamente 35 horas. Eugeo tinha recebido um severo dano psicológico ao romper com o tabu quando cortou o braço de Wanbell Zizek com sua Blue Rose e também quando viu a vida de Raios Antinous se extinguir bem na sua frente.

Houve um breve silêncio antes que me respondesse com a voz um pouco tremida.

“Sabe… isso tudo parece que foi uma espécie de sonho… sacar uma espada contra Wanbell… e Raios…”

“Não deve pensar demais nisso agora! Pense somente em nossa atual situação e nas coisas que ainda estão por vir.”

Sabia que estava jogando uma carga bem pesada para cima de Eugeo, mas precisava dizer essas palavras.

Ele continuava em silêncio.

A vontade era dar-lhe um tapa nas costas para ver se acordava, mas as correntes de ferro me impossibilitavam. Estava realmente preocupado com seu estado.

Foquei o máximo de atenção nos contornos de meu amigo na penumbra, rezando para que meus sentimentos o alcançasse e dissesse:

Eu entendo! Não precisa ficar assim. Você não está sozinho nessa!

Quem havia cortado os braços de Raios tinha sido eu e não ele. Na verdade nem deveria ter sido uma ferida mortal para começo de conversa, mas como não foi imediatamente tratado…

Provavelmente os pensamentos dele devem ter entrado em um loop infinito de prioridades. Não conseguia saber o que fazer, se priorizava sua vida ou se rompia com o Índice de Tabus, o que ocorreu é que em meio a tudo isso, seu Fluctlight entrou em colapso e se decompôs.

É claro, sou consciente de que acabei com a vida de um dos habitantes de Underworld. Porém, eu já havia feito isso antes, quando matei os goblins na caverna do norte de Rulid para salvar a irmã de Alice, Selka dois anos arás. Matei duas bestas, não, duas pessoas desse mundo.

Ambos, Raios e os goblins, eram companheiros de Fluctlight Artificiais. Então, se eu ficar me atormentando por esse crime e não ser capaz de me recuperar disso, seria uma desonra àquele orgulhoso líder goblin, que era muito mais poderoso do que Raios.

E isso não é tudo…

Entendi que o objetivo da companhia que opera Underworld, RATH e também de Kikuoka Seijirou, era a criação de uma inteligência artificial perfeita.

Os Fluctlight Artificiais que vivem nesse mundo já possuíam um nível de consciência emocional e pensamentos equivalentes ao das pessoas do mundo real. Se seu único defeito era sua cega obediência à lei absoluta, isso significava que Eugeo, que sacou a Blue Rose e cortou fora o braço de Wanbell para proteger Tiezé e Ronye, já havia superado essa barreira.

Para ser mais preciso, o grande avanço na experiência foi alcançado, Eugeo agora poderia realmente se tornar uma inteligência artificial verdadeira.

Apesar de tudo isso, mesmo depois de ter se passado por volta de 35 horas, o mundo ainda continuava em pleno funcionamento e sem dar nenhum sinal de parar.

Porém, a taxa de aceleração era realmente alta e talvez o pessoal do RATH ainda não tinha sido capaz de detectar a situação, ou um incidente ainda mais grave muito além de minha imaginação possa ter ocorrido…

“As coisas… que ainda estão por vim… né?”

Eugeo murmurou essas palavras na cela ao lado, me tirando de meus pensamentos e fazendo olhar para onde estava ele estava.

“É como você disse, Kirito. Se não escaparmos dessa prisão e descobrirmos o que aconteceu com Alice…”

Analisei o significado nas palavras de Eugeo, enquanto ficava um pouco aliviado, pois de alguma maneira, parecia que estava enfim se recuperando do choque.

Ele tinha dito ‘escaparmos dessa prisão’ sem sombra de dúvidas. Em outras palavras, Alice era o mais importante para ele agora, muito mais do que o símbolo de autoridade da Igreja Axiom poderia exercer com essa cela, muito mais do que as palavras veladas dessa imensa corporação de dominação do mundo humano fazia com seus habitantes, em dizer que o lugar daqueles que não possuem perdão de Deus deveriam estar.

O estado mental de Eugeo realmente tinha passado por uma transformação muito importante depois das terríveis experiências da outra noite.

Mas agora não era o momento para ficar analisando isso profundamente, haveria uma hora para isso e não era agora.

Era provável que logo após o nascer do sol, os carrascos iriam vir para nos julgar. É como eu disse para Eugeo, só precisamos pensar em como sair daqui.

“Aah!.. Definitivamente deve haver uma forma de escapar desse lugar…”

Se ao menos isso se tratasse de um evento de aprisionamento, o clássico de todo RPG…

Ignorando essas maluquices da minha mente, tentei puxar a corrente que estava presa em mim novamente. O grilhão ao redor de meu pulso direito estava soldado com aço extremamente grosso e frio, conectado no outro extremo da cela em um anel metálico encrustado na parede. Já havia confirmado que não havia nenhuma falha entre essas conexões e não dava para arrancá-los simplesmente puxando eles.

Alcançamos nosso objetivo principal quando finalmente cruzamos os muros da Igreja Axiom na Catedral Central depois de viajar desde Rulid no extremo norte, mesmo que tenhamos entrado aqui amarrados e presos nas patas de um dragão voador, o fato não muda o resultado.

Sem tempo para apreciar todo o esplendor da torre branca que se erguia através das nuvens, nos arrastaram intermináveis lances de escadas abaixo até o lado oposto da torre em um subterrâneo e entregues a um carcereiro que nos prendeu aqui.

A Integrity Knight que se dizia chamar Alice Syntesis Thirdy nos deixou aqui e foi embora sem dar uma olhada sequer para trás, cumprindo apenas o seu papel de captora.

O gigante carcereiro, que usava uma máscara metálica muito estranha, nos levou lentamente pelos corredores até a nossa cela e nos prendeu com uma agilidade e precisão incompatíveis com seus físico avantajado.

Tivemos apenas uma refeição desde então, pão duro como pedra e uma bolsa de água morna que foram lançados pelas grades. Mas se pensar no tratamentos dos jogadores PK presos no castelo de ferro negro em Aincrad, podia dizer que aqui era um hotel cinco estrelas.

As tentativas de partir a corrente, incluindo métodos como: puxar, morder e usar artes sagradas, fracassaram miseravelmente. Uma corrente como essa só se partiria se tivéssemos com a Blue Rose Sword de Eugeo ou com a minha espada negra, que mesmo com Ronye e Tiezé tendo tanto esforço para nos entregar, foram colocadas sob os cuidados da Igreja Axiom e levadas para algum lugar que desconhecemos.

O lanche que Ronye nos entregou já havia sido devorado em minutos tempos atrás.

Em outras palavras, mesmo que tenha dito que deve haver uma saída daqui, até agora não conseguimos nenhum avanço no plano.

“Me pergunto se… Alice esteve trancada aqui há oito anos também…”

Sentado na cama sobre um trapo velho que servia como cobertor, Eugeo falava visivelmente desanimado.

“Hum… vai saber!”

Não era uma resposta decente, mas não havia outra para dar. Se a amiga de infância de Eugeo, a irmã mais velha de Selka, Alice Schuberg, recebeu o mesmo tratamento que nós, certamente o terror e solidão foi exponencialmente maior do que o que sentimos, pois ela era apenas uma menina na época e estava completamente sozinha aos cuidados daquele apavorante carcereiro.

Pouco depois essa mesma garotinha foi submetida a alguma espécie de julgamento e condenada a sabe-se lá qual tipo de castigo que…

“Ei Eugeo, confirme para mim mais uma vez! Essa Integrity Knight chamada Alice Synthesis Thirdy é realmente a Alice que você esteve procurando, não é?”

A minha pergunta, que já havia feito antes, encontrou um breve momento de silêncio que foi precedido de uma resposta em um tom muito triste.

“Aquela voz… o cabelo dourado e seus olhos azuis… Não tem como eu esquecê-los. Essa realmente é Alice. Só que… toda aquela aura a sua volta, parece ser de uma pessoa completamente diferente…”

“Bom, com certeza ela está diferente, pois atacou seu amigo sem ao menos pestanejar. O que quero dizer é que claramente suas recordações e pensamentos estão sendo manipulados de alguma forma…”

“Mas eu nunca ouvi falar de uma arte sagrada que pudesse fazer tal coisa, nem nos livros mais antigos da biblioteca da academia.”

“Lembra que nos disseram que existia na catedral um sacerdote que podia controlar o fluxo de Vida? Não estranharia que também pudessem fazer o mesmo com as recordações.”

A máquina que estava usando para fazer o FullDive em Underworld fazia exatamente isso. Era capaz de manipular a memória no cérebro de um ser vivo em um nível incrivelmente mais profundo de manipulação, acessando diretamente os Fluctlight. Provavelmente tinha algo a ver com isso, um meio de controlar os pensamentos dos Fluctlight Artificiais, entrando e controlando suas ações diretamente no local onde estão armazenados.

Esse era o meu palpite para a situação.

“Mas… se esse cavaleiro é mesmo a Alice… quem era aquela pessoa que nos ajudou dois anos atrás na caverna do norte de Rulid…?”

“Aah… é mesmo! Disse que escutou a voz de uma garota, que disse exatamente o que fazer para Selka curar a minha ferida…”

Nunca disse em detalhes o que havia acontecido naquela vez, quando tive que pedir emprestado parte do poder de Selka e compartilhar com minha própria vida para fechar aquele corte tão terrível. Muito menos que estive praticamente morto ao tentar fazer isso. Achei realmente que não era necessário falar.

A voz disse algo assim:

Kirito, Eugeo… eu estive esperando há tanto tempo por vocês. Continuarei aguardando… no topo da Catedral Central…”

Nessa hora uma cálida luz curou a ferida de Eugeo e devolveu boa parte de minhas energias também. Diante disso, não era possível dizer que tinha sido apenas a minha imaginação.

Fomos sem dúvida alguma, ajudados por Alice, a mesma que tinha sido levada pela Igreja Axiom. Agora, como ela tinha feito tal coisa, não tinha ideia.

Depois disso, Eugeo e eu concordamos que o objetivo principal seria vir até a Catedral Central em busca dessa garota, pois acreditamos naquela voz.

Porém, a Alice que surgiu na nossa frente de forma totalmente inesperada, não se definia como Alice Schuberg, a filha do chefe da vila de Rulid e sim como a trigésima Integrity Knight.

Atitude essa que manteve até o final, nos considerando como criminosos que mereciam ser julgados. Em nenhum momento deu a menor pista de que tinha alguma recordação de sua infância com Eugeo.

Em resumo, tínhamos que confirmar se era simplesmente outra pessoa com as feições de Alice ou se era a própria com suas memórias alteradas.

E a única maneira de fazer isso era escapar desse lugar e irmos pessoalmente até o topo da catedral e descobrir tudo sobre a Igreja Axiom nem que fosse na base da força.

Mas falar é fácil, o problema todo é que não conseguimos sequer arranhar essas correntes e barras de ferro.

“Mas que saco! Que vontade de pegar o deus criador disso aqui e amarrá-lo com essa corrente e obrigá-lo a nos contar tudo o que queremos saber.”

Disse isso em voz baixa enquanto imaginava a cara deslavada do ‘deus’ de óculos, mais conhecido como Kikuoka Seijirou amarrado com esses grilhões.

Eugeo ao me ouvir dizer isso, deu um sorriso nervoso e disse:

“Ei! Ei! Creio que falar mal de Stacia dentro de sua própria igreja não seja uma boa ideia, não importa o que pense dela. Vai que resolve lhe castigar?”

Ao que parece, não perdeu sua crença religiosa, mesmo trocando suas prioridades em relação ao Índice de Tabus. Mas irritado do jeito que estava, acabei dizendo outra asneira.

“Que seja então. Se vai me castigar, que tal lançar uma maldição aqui nessa porcaria de corrente?”

Ao dizer isso, veio uma ideia repentina. Mudei o tom e continuei.

“Humm, falando nisso, será que as janelas de Stacia surgem aqui?”

“Não faço ideia. Para que você quer abrir uma?”

“Aah!”

Depois de tentar dar uma espiada no carcereiro, que estava à esquerda das grades, levantei os dedos indicador e médio da minha mão direita.

Fiz o gesto no ar para ativar a janela de status e rapidamente toquei a superfície da corrente que segurava na minha mão esquerda.

Um instante depois, o familiar som da janela purpura tilintava no ar enquanto o quadrado luminescente surgia na minha frente. Na verdade, eu duvidava que somente isso fizesse a situação mudar para melhor, mas ao menos eu teria dados com que trabalhar.

“Oh! E não é que surgiu mesmo?”

Sorri para Eugeo e voltei minha atenção para a janela. Os dados mostrados eram apenas três curtas linhas, seu identificador único de objeto, a durabilidade que no caso era [23500/23500] e alguns conjuntos de caracteres mostrando a Classe de Objeto [38].

Classe 38 era um número de prioridade muito maior do que muitas espadas de renome, mas não era rival para o nível 45 de uma arma como a Blue Rose e o 46 da espada negra oriunda da rama do Giga Cedro.

Trocando em miúdos, era possível romper essas correntes se tivéssemos uma de nossas espadas, mas infelizmente não as tínhamos sob nosso poder.

Eugeo imitou o meu ato e sussurrou com nítida decepção na voz.

“Uaa! Por isso essas coisas nem se moveram da parede. Sem uma arma poderosa ou ferramenta com nível acima da classe 38, jamais conseguiremos cortar isso.”

“Sim…”

Olhei novamente ao redor da estreita e escura cela, mas só avistei nossas camas de ferro e as bolsas de água que nos jogaram.

Pensei em arrancar um dos pés da cama tentar usá-lo como uma alavanca, porém ao verificar a sua classe, percebi que era inútil, pois era somente nível 3. Pensei também nas barras da cela, que pareciam muito mais resistentes, mas não conseguia chegar até elas devido ao comprimento da corrente que me limitava.

Quando girei a cabeça nervosamente para os lados, procurando qualquer coisa que pudesse haver no local, Eugeo falou:

“Não importa o quanto procure, nenhuma maravilhosa espada irá cair do céu convenientemente no nosso colo aqui dentro dessa prisão. A primeira vista já dá para perceber que não temos muitos recursos. Tudo se resume à essas camas, bolsas com água e nossas correntes.”

“Nossas… correntes…”

Murmurando isso, olhei para a correntes que prendia meus braços e a que prendia os de Eugeo no outro lado. E nessa hora me veio outra ideia.

“É isso!!! Não! Não se resume a somente essas correntes e sim que ainda bem que temos essas malditas correntes!!!!”

“Como é que é!? Do que você está falando!? Não, na verdade estou até com medo de saber…”

Levantei imediatamente enquanto assinalava para Eugeo fazer o mesmo. Comprovei sua posição mesmo com a penumbra.

Um anel de metal se fixava em seu pulso direito assim como o que estava fixado ao meu e estavam conectados a uma grande corrente que terminava em um gancho encrustado na parede atrás da cama.

Comecei a executar o meu plano.

Primeiro passei por debaixo da corrente que prendia a mão direita de Eugeo e logo passei por cima, retornando a minha posição inicial. Isso fez com que as correntes se ficassem unidas em forma de X.

Gesticulei para Eugeo se mover um pouco para trás, enquanto me distanciava levemente.

Um puxão.

Ruídos metálicos foram ouvidos das correntes cruzadas.

Eugeo pareceu finalmente começar a entender o plano.

“Ei Kirito, não me diga que vamos simplesmente fazer isso para escapar?”

“Com certeza que sim. Essas duas correntes possuem o mesmo nível de autoridade, então logicamente, esse método é o mais indicado para destruir a vida de ambas ao mesmo tempo. Mas chega de perguntas, puxe logo essa corrente com as duas mãos!”

Provavelmente Eugeo ainda tinha um monte de dúvidas, mas obedeceu, agarrando seu lado da corrente com a outra mão e conforme instruí, baixando o centro de gravidade de seu corpo. Fiz o mesmo e então…

“Espere! Um instante…”

Fazendo o selo no ar com a mão esquerda, chamei a janela de Stacia da corrente mais uma vez.

Se tivesse que provar essa minha teoria no meu mundo e tentasse cortar correntes de ferro dessa grossura, provavelmente usaria todas as minhas forças e no máximo conseguiria arranhar suas superfícies.

Mas aqui em Underworld, mesmo com tudo parecendo real, as coisas não obedeciam as leis da físicas do mundo real.

Foi como o caso da árvore gigante de diâmetro de quatro metros sendo cortada em poucos dias utilizando uma arma sagrada, a Blue Rose Sword. Se dois objetos estivessem a ponto de se chocarem com certa quantidade de força e velocidade, o que tivesse a autoridade mais alta sem dúvida alguma destruiria o outro com marcador menor.

Sincronizamos nosso tempo com um simples ‘um-dois…’ e então puxamos as correntes com toda força física que possuíamos.

-Cling!

Um surdo e violento ruído metálico ecoou. Quase fui jogado para trás devido à enorme força do puxão de Eugeo que resultou em ser maior do que eu havia esperado. Me segurei como pude para não ser arrastado.

Mas somente com esse primeiro puxão não conseguimos acabar com aquelas correntes. De maneira que continuamos a puxar freneticamente.

Por alguns instantes começamos uma louca e perigosa brincadeira de competir quem puxava mais forte, ignorando por breves momentos, nosso objetivo principal.

Sons agudos, rangidos, faíscas alaranjadas se espalhavam para todos os lados do ponto onde as correntes estavam enroscadas. A cada puxão virava minha cabeça e olhava a janela de Stacia ainda aberta.

“Uhuu!”

Queria poder comemorar o plano, mas minhas mãos não poderiam soltar os elos de metal, então, me conformei em apenas em sorrir. Os mais de vinte mil pontos de vida estavam diminuindo a uma velocidade que meus olhos não conseguiam acompanhar, a coluna das dezenas eram apenas borrões.

Provavelmente chegariam a zero em poucos minutos nesse ritmo.

Apertei meus dentes e reuni todas minhas forças para continuar com o cabo de guerra contra Eugeo.

É claro, esse método não iria funcionar se todos os requisitos não fossem cumpridos. Tinha que ter além das correntes com um alto nível de autoridade, dois presos com autoridade de controle de objetos de mesmo nível ou maior, um parâmetro equivalente a força em SAO.

Portanto, creio que Alice, se foi realmente aprisionada aqui, jamais conseguiria executar tal proeza com apenas onze anos.

Ela deve ter sido realmente julgada conforme o previsto, sem nenhuma chance de escapatória. Se essa Integrity Knight, Alice, for a garota de Rulid, provavelmente passou pelo ‘algo’ que conversamos antes, o poder que alterou seus pensamentos e recordações, convertendo-a em uma guarda fiel da Igreja Axiom.

Por ficar perdido em pensamentos enquanto executava a tarefa de puxar as correntes, acabei esquecendo do porquê tinha deixado aberta a janela de Stacia. Que era verificar o ponto onde a vida das correntes estaria preste de chegar a zero.

Então…

PING!

Um agudo som metálico reverberou, muito mais alto do que antes.

Sem tempo para agir, Eugeo e eu saímos voando para trás a toda velocidade e atingimos com força a parede de concreto às nossas costas.

Jogado no solo segurando a cabeça com ambas as mãos, tive que suportar uma dor semelhante à que tive quando estava testando o STL pela primeira vez.

Depois que estabilizou, fui me erguendo enquanto segurava nas grades da cela, esperando a hora em que o carcereiro viria correndo para ver o que estava acontecendo, mas por sorte, surpreendentemente isso não ocorreu.

Deixando escapar um suspiro de alívio, me aproximei de meu amigo.

Eugeo, demorou um pouco mais para se levantar, estava aturdido, sacudindo a cabeça de um lado para o outro.

“Uugh… acho que minha vida se reduziu em algumas centenas com isso.”

“Isso não é nada se comparado ao que conseguimos… olhe!”

Mostrei meu braço direito e sacudi a corrente que agora estava solta partida e livre do gancho na parede. Infelizmente havia ficado um bom pedaço ainda grudado em nossos pulsos, algo em torno de um mel e vinte cens ou nas medidas do mundo real, um metro e vinte centímetros, mas era melhor do que nada.

Quatro peças de metal em forma de U ainda rodopiavam pelo chão, eram os anéis das intersecções que não foram capazes de suportarem a pressão e romperam-se.

Quando pararam de girar, se despedaçaram como se fossem feitas de poeira e com um leve ruído e desaparecem no ar.

Enquanto olhava aquele fenômeno, novamente abri a janela de status e vi o quanto de vida tinha restado da corrente que estava presa em meu braço, por pura curiosidade. Constatei que era um valor em torno de [18000] e que seguia se recuperando, incrivelmente o valor ainda permanecia muito próximo do original.

Eu tinha certeza de que assim que a corrente se rompesse, iria se despedaçar completamente, nos livrando totalmente, porém, creio que o sistema desse mundo acabou reclassificando esse objeto.

Dei um suspiro e olhei para Eugeo que inspecionava o seu pedaço de corrente e balançava a cabeça dizendo:

“Sério mesmo… como pode pensar em algo tão absurdo como isso, Kirito? É tão ilógico que… não tenho como acompanhar esse seu raciocínio.”

“Hehehe, meu lema é:

‘Seja tão ilógico quanto conseguir, tão irracional quanto quiser e tão indiscreto como não se deve ser…’.”

“Não quero nem saber de onde tira essas frases…”

Bom, o fato é que conseguimos nos livrar de mais ou menos três metros de correntes que nos prendiam à essa parede, mas não tinha ideia de como se livrar desse resto que sobrou grudado em nós. Mesmo se tentássemos o mesmo método, não iríamos conseguir retirar tudo.

“Parece que não há outro jeito, teremos que levar isso conosco, pelo menos por enquanto.

Sei que é um pouco pesada, mas não acho que vá chegar a nos atrapalhar caso as enrolemos em nossos braços.”

Disse Eugeo enquanto começava a enrolar os elos da corrente em seu antebraço. Enquanto concordava, fiz a mesma coisa. Ao terminarmos, percebemos que havíamos criado sem querer uma espécie de escudo improvisado.

Igual a duas crianças, nos olhamos e rimos daquilo como se tivéssemos encontrado um brinquedo novo.

“…Bem, agora o próximo passo é…”

Eu meio que já sabia da resposta, mas ainda assim tinha que confirmar, de maneira que olhei seriamente para Eugeo e perguntei:

“Eugeo sei exatamente o que devemos fazer daqui para frente, porém, preciso lhe perguntar antes…

Sabe que no momento em que sairmos daqui para ir atrás da verdade a respeito da condição de Alice, será o mesmo que nos opor a toda a Igreja Axiom, não é? E que ao cruzarmos essas grades, não teremos mais tempo para fazer planos ou ponderar sobre nada. E… é  provável que mais pessoas morram por nossas mãos ou que vamos perder nossas vidas nas mãos delas. Sabendo disso, devo lhe perguntar…

Está de acordo e preparado para isso?

É um caminho sem volta e caso não esteja seguro, sugiro que não se envolva, fuja ou permaneça aqui.”

Essas foram as palavras mais duras que já disse para meu amigo nesse pouco mais de dois anos de convivência, mas não tinha como não as dizer.

Podia parecer tranquilo por fora, mas o Fluctlight de Eugeo…, ou seja, sua alma que era uma coleção de fótons, havia sofrido recentemente um impacto estrutural intenso, que alterou todo seu aspecto. Ele tinha começado a negar toda a crença, cultivada desde a infância, relacionada à Igreja Axiom e nesse momento, estava provavelmente reorganizando suas prioridades.

Em resumo, Eugeo estava em seu instante mais instável, onde qualquer carga de pensamento poderia causar uma reação em cadeia e seu padrão atual de consciência poderia colapsar ou acabar em um estado vegetativo, algo parecido com o que aconteceu com Raios.

Por isso estava evitando tratar de assuntos relacionados à Igreja Axiom e o Índice de Tabus até agora.

Porém, se íamos realmente escapar dessa prisão e entrar a força na Catedral Central, precisava me certificar de fortalecer a sua vontade o máximo possível, ao invés de nos arriscarmos a perder nos prováveis conflitos que se seguirão.

E sim, devido a essa visível mudança, minha intenção é fazer com que o meu melhor amigo encontre as pessoas do mundo real.

Underworld nesse momento era o resultado de um enorme experimento realizado pela empresa RATH, não seria de se estranhar que de uma hora para a outra o sistema fosse desligado ou resetado. E se algo assim acontecer, centenas de milhares de Fluctlight que vivem nesse mundo seriam apagadas. Não posso permitir que isso aconteça e nem perdoar a pessoa que o fizer.

Devo fazer com que o pessoal do RATH e o desgraçado manipulador do Kikuoka Seijirou consigam falar diretamente com Eugeo para que saibam que existem indivíduos conscientes e completos nesse mundo.

Os habitantes desse lugar definitivamente não eram NPCs. Eles tinham pensamentos e emoções equivalentes a qualquer pessoa do mundo real, merecem o direito de continuarem a viver aqui.

“Preparado?”

Eugeo ouviu minha voz e arregalou bem os olhos e depois lentamente os baixou.

Então sua mão direita foi subindo e se fechando em um punho em riste.

“Sim! Estou preparado!”

A sua voz saiu tranquila, quase um sussurro, porém senti uma determinação ferrenha. Ele realmente já estava pronto.

“Eu já havia decidido isso. Só voltaria para Rulid juntamente com Alice, inclusive se tiver que ir contra a Igreja Axiom. Se for preciso, vou desembainhar minha espada e lutar, não importa como ou quantas vezes forem preciso… Se essa Integrity Knight for a verdadeira Alice, vou descobrir a razão pela qual perdeu suas memórias e a farei voltar ao normal. Isso é e sempre será a coisa mais importante para mim. ”

Depois de terminar de dizer isso, ergueu sua cabeça e me olhou diretamente com um pequeno sorriso.

“Não foi isso o que você disse aquele dia durante o piquenique, Kirito? Que há coisas que devemos fazer, mesmo se estiverem proibidas por lei? Enfim, sinto que entendi o significado de suas palavras.”

“…Entendo.”

Experimentei uma estranha e forte emoção que enchia meu peito. Concordando, dei um leve tapa em seu ombro esquerdo após dar um passo a frente.

“Definitivamente sinto sua determinação…

Bem, só por enquanto vamos tentar evitar ao máximo as lutas. Pois não vejo muita chance de ganharmos em uma batalha real contra Alice e os demais Integrity Knight. Se for possível, quero que os enfrentemos um de cada vez.”

“Como é que é? Ouvi mesmo uma frase cautelosa saindo de você, Kirito?”

Respondendo para meu amigo enquanto sorria que esse tipo de frase somente os fortes podem dizer, me aproximei das grades da cela. Ao visualizar a janela de status desses grossos objetos com diâmetros de aproximadamente 3 cens, percebemos que possuíam a classe 20 com cerca de 10 mil de vida.

Eugeo, que estava ao meu lado olhando a janela, suspirou.

“Hummm… não é tão poderosa quando as correntes, mas levará algum tempo para dobrá-las com as mãos vazias. O que devemos fazer? Quer ver se conseguimos empurrar juntos com o ombro?”

“Se fizermos isso, é provável que nossas vidas acabem antes do que as barras de ferro. Tenho uma ideia, só observe!”

Fiz um sinal para Eugeo retroceder e desenrolei a corrente em volta do meu braço direito.

Disse que tinha um plano, mas na verdade só pensei no que fazer agora, enquanto tirava parte da corrente do braço.

Lembrei-me da senhorita Sortiliena enquanto estava sob seus cuidados nas práticas com a espada. Ela sempre tinha um objeto que atacava e se enrolava nas coisas, geralmente o mesmo que usava para me jogar longe girando no ar. Era a arma que simbolizava o Estilo Serlut, o chicote de couro branco.

Olhando-me enquanto balançava o pedaço de corrente de 1,2 metros, Eugeo disse preocupado:

“Ki-Kirito, não está pensando em bater com isso nas grades, está? Se a ponta da corrente ricochetear em você, provavelmente será ferido gravemen…”

“Não se preocupe, treinei bastante em como utilizar um chicote com a senhorita Liena. E não se esqueça que ela era conhecia como ‘O manual de táticas ambulante’, de maneira que me ensinou muito bem.

E agora escute! Como você supôs, vou destruir as grades e acabar fazendo um tremendo barulho com isso aqui. Aproveite essa hora e corra o mais rápido possível para as escadas e se prepare para acabar com o carcereiro assim que ele aparecer. “

“Tremendo barulho…!?”

Ignorando a surpresa de Eugeo, pouco a pouco fui ajustando o tamanho e a frequência com que balançava a corrente.  Mesmo que o raio de ação não fosse exatamente como a de um chicote, deveria ser o suficiente para fazer um belo estrago ao adicionar a minha força nesse objeto de prioridade classe 38.

Somente um golpe, concentrando tudo na ponta do chicote e não na mão.

Recordando as palavras de Sortiliena, puxei a corrente com toda força que tinha e a estendi por completo, criando um movimento de ondulação acompanhado de um grito.

“SEEI!!!”

A ponta da corrente avançou pelo ar como uma serpente cinza escura e atacou perfeitamente bem onde as barras se cruzavam, com um grande clarão e faíscas dispersando por aquela penumbra.

“BLANG!!!”

Junto do grande ruído, as barras de aço e suas sustentações saíram do marco e voaram para todos os lados, com boa parte dos destroços atingindo a parede oposta e caindo no chão.

Se houvessem outros presos ali, provavelmente pensariam que se tratava de algum castigo divino perpetrado pelo Deus Solus ou algo assim.

Saí pela passagem recém aberta em meio a nuvem de poeira que se formou.

O carcereiro com aquela máscara que parecia um regador, definitivamente deve ter pulado no teto com esse barulho todo, mesmo não tendo acordado com os ruídos de antes, esse de agora era impossível de ignorar.

Duvidava que o grandão fosse tão forte quanto um Integrity Knight, mas preferiria evitar qualquer tipo de luta enquanto não tivesse nada além do que um pedaço de corrente substituindo um chicote ou fazendo as vezes de escudo.

Olhei para o final do corredor, completamente preparado para qualquer movimento no outro lado, porém, passaram-se alguns instantes e… nada. Cruzando olhar com Eugeo que também tinha saído da cela, sussurrei:

“Cuidado! Pode ser algum tipo de armadilha.”

“Certo.”

Fizemos sinais de afirmação com a cabeça e começamos a correr tentando não fazer muito alarde o que a bem da verdade, já era um pouco tarde.

De acordo com a informação que tinha conseguido quando fomos arrastados para cá, o cárcere subterrâneo da Igreja Axiom fora construído com oito cômodos, que se entendem como como raios em uma roda, com cada passagem comportando quatro celas de cada lado.

Se todas as celas suportava 2 pessoas por vez, calculei que a capacidade total da prisão era de 128 indivíduos, mas sinceramente duvidava que algum dia esteve completamente lotada.

Os oito corredores desembocavam na única sala da guarda onde deveria estar o carcereiro, ou onde em uma roda, se encaixaria o eixo, com uma escadaria em espiral indo para cima. Essa era a melhor analogia que podia pensar quando imaginava a construção.

De maneira que o melhor cenário para podermos escapar era desviar de algum jeito o ataque do carcereiro, alcançar a escada e fugir.

Com esse esboço de plano na cabeça, fiquei em silêncio observando o interior da sala da guarda.

Pequenas lâmpadas estavam suspensas na parede cilíndrica do cômodo, mal iluminando seus arredores.

Não havia sinal de movimento, mas não podia deixar de imaginar que o guarda estava ali em algum lugar, escondido em um ponto cego, só esperando os dois passarem para atacar com alguma arma terrível.

“…Ei, Kirito!”

“Shhhh!!!”

“Vamos de uma vez, Kirito!”

Enquanto olhava mais uma vez procurando a presença de alguém, meu ombro foi tocado por Eugeo. Quando me virei um pouco irritado para ele dizendo:

“Mas o que foi?”

“Esse som… não são… roncos?”

“…O que!?”

Quando parei para prestar a atenção, notei realmente um som cadenciado e familiar.

“…”

Novamente olhei para Eugeo, assentindo silenciosamente com a cabeça.

Recomeçamos a caminhar.

Depois de passar da entrada do corredor, sem nenhum rato nos espreitando das sombras, constatamos um espaço físico circular bem razoável, com um grande pilar de mais ou menos 5 metros de diâmetro no centro.

Percebemos que essa sala era o local de onde vinham os roncos.

Uma porta negra feita de ferro estava cravada no meio do pilar com uma pequena janela na parte superior. Eugeo e eu fomos pé ante pé, de maneira furtiva nos aproximando dela. Demos uma olhada para dentro da janelinha.

Não havia diferença na grande cama instalada no meio da sala redonda com as camas das celas. E nesse confortável móvel estava a pessoa com o sono mais pesado que eles já viram, o carcereiro, que dormia tranquilamente com seu corpanzil igual a um barril.

A máscara que parecia um regador ainda continuava em seu rosto, vibrando em ressonância a cada ronco.

Esse era um momento onde deveríamos estar claramente com pressa, mas em virtude a situação inusitada, acabei me detendo com alguns pensamentos.

Ser o carcereiro solitário nessa prisão, onde rara as vezes recebia algum prisioneiro deveria ser uma tarefa muito enfadonha de fato. E pelo visto, esse homem esteve trabalhando aqui durante anos… ou talvez, dezenas de anos.

Mais uma coisa a se levar em consideração nesse estranho mundo, onde um garoto, mesmo sendo um nobre, pudesse receber uma tarefa sagrada, um cargo a cumprir desde os dez anos de idade e que levaria provavelmente todos os anos de sua vida, sem sequer ter a chance de mudar… ou reclamar…

Levantando com o som do campanário, que informa o tempo nesse local onde o sol nunca entra e patrulhando um cárcere de celas vazias, para então retornar ao início e dormir novamente esperando novo despertar da campainha.

Esse trabalho tão linear e imutável o deixou em tal estado mental, que nem o barulho que fizemos foi capaz de despertá-lo e tirá-lo de sua rotina sem fim.

Um molho com várias chaves estava pendurado em uma das paredes da sala. Eu imaginava que algumas delas era a que nos libertaria dos grilhões, mas não tinha intenção de interromper a agradável soneca do carcereiro e como o plano era evitar brigas, dei um passo para trás e sussurrei.

“…Vamos!”

“Aah… sim.”

Parece que Eugeo estava pensando em algo parecido também.

Nos afastamos silenciosamente da pequena janela deixando nosso amigo dorminhoco de lado e nos dirigimos para a escada em caracol que rodeava a sala da guarda.

A partir dali as coisas ficariam feias, provavelmente desesperadoras.

Com isso em mente, nos olhamos seriamente por alguns instantes e prosseguimos com a subida sem olhar para trás.

Estávamos prontos.

 

NOS VEMOS SEMANA QUE VEM COM A PARTE 2!!!

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Bora ouvir um som?

 

https://www.youtube.com/watch?v=QCPIjgkVUow