Sword Art Online Alicization Turning em Português – Underworld – Interlúdio III

Arco: Alicization – Turning

Interlúdio III

Sword Art Online Alicization - Turning - Volume 11
Conheça o Ichiemom!

No meio da enorme embarcação de pesquisa oceânica, Ocean Turtle, tinha um grande pilar oco de vinte metros de diâmetro e cem de altura.

Esse pilar, totalmente feito de titânio, era chamado de eixo principal e era responsável por sustentar cada andar daquela imensa estrutura, enquanto ao mesmo tempo, também tinha a função de proteger o ‘coração’ do navio, servindo como anteparo para vedar completamente o acesso exterior. A parte relacionada aos controles, todo o sistema elétrico e os incríveis maquinários criados pela misteriosa organização RATH, também estavam protegidos dentro desse eixo.

Sendo mais exato, toda estrutura era para evitar o acesso indevido às quatro impressionantes máquinas de FullDive que podiam ler e copiar a alma de uma pessoa para o Soul Translator, ou STL. Também ali estava o local central da única unidade de armazenamento quântico, ao qual se conectava a todos os outros equipamentos, seu nome era Light Cube Cluster.

Esse grande emaranhado de equipamentos ficava bem no centro do pilar, sendo separados em níveis. Abaixo deles estavam as máquinas STL número 2 e 3, ao qual chamavam de eixo inferior, enquanto os STL 4 e 5 estavam acima, no eixo superior.

O protótipo número 1 não estava nesse navio e sim na sucursal de pesquisa do RATH em Roppongi, província de Minato, bem longe dali.

Kirito, Kirigaya Kazuto, era mantido em coma para ser tratado do grande dano ao seu sistema nervoso no STL número 4, na parte mais alta do eixo principal. Portanto, para chegar até ele, uma pessoa deveria seguir desde os níveis mais baixos e subir passando por todos os dispositivos de segurança, além de ser necessário passar por elevadores e escadas.

 

06 de julho de 2026, 7:30 da manhã.

Asuna, Yuuki Asuna, ajustou a gola de sua blusa enquanto subia a escura escada em espiral. O eco de seus passos no chão antiferrugem era a única coisa a ser ouvida naquele caminho iluminado apenas pelas luzes LED alaranjadas de emergência.

Ela não sabia exatamente quantas vezes subiu e desceu escadas como essas no castelo flutuante daquele mundo distante. Esses tipos de escadas geralmente conectavam o local onde estavam os boss de cada nível em Aincrad.

O líder dos Knight of the Blood, Heathcliff, costumava caminhar sempre à frente com ela e os demais integrantes das outras guildas, felizes e emocionados com cada vitória obtida, mas existia uma única exceção… Aquele jogador solo de vestimentas negras que, independentemente do que acontecesse, caminhava sério ao seu lado desde o momento em que concordou em ajudar à sua guilda, na fase inicial do plano para terminar o jogo da morte.

O mesmo que por muitas vezes a tirava do sério com brincadeiras idiotas ou por atitudes indiferentes quando queria descansar ao invés de se empenhar em batalhar. O guerreiro que sempre tinha informações vitais, conseguidas às custas de sabe-se lá quais os sacrifícios, de determinado andar ou inimigo… a pessoa que por incontáveis vezes assumia o peso da vida dela em suas mãos para salvá-la, mesmo ultrapassando seus limites e ignorando sua própria segurança…

“…Kirito…”

Asuna sussurrou o nome de seu amado, e é claro, não obteve nenhuma resposta.

Se segurou como pode para aguentar o desespero e solidão crescentes em seu peito. Não poderia se deixar levar pelos sentimentos de derrota como antes. Pois a diferença agora, era que ao menos Kazuto não estava mais perdido. Ele estava a sua espera em um quarto no alto daquelas escadas.

Mesmo sem trocarem palavras ou segurarem as mãos um do outro, chegaria a hora em que ele despertaria e ela estaria ali, ao seu lado.

A enfermeira Aki Natsuki, disse que em seu estado atual, a única esperança era o tratamento feito através do STL, que regeneraria seu sistema nervoso em aproximadamente dois dias e quando isso acontecesse, naturalmente ele iria despertar.

Asuna estava no Ocean Turtle em meio ao mar perto da Ilha Izushichi, sem ter dito exatamente qual era a situação para seus pais. Pois como conseguiu a cooperação da professora Koujirou Rinko, falou que a acompanharia em uma instalação de observação para auxiliá-la em uma pesquisa muito importante por alguns dias, o que de fato, não era uma mentira total.

Sabia que aquela desculpa era difícil de engolir, porém sua mãe, Yuuki Kyouko, a observou por um instante e apenas disse: “-Cuide-se!”. Não tinha ideia o porquê ela tinha feito isso, talvez tenha percebido que era um assunto grave.

Seja como for, permitiu que Asuna tivesse três dias livres, do dia 5 até o dia 7 de julho. Em resumo, seu tempo estava praticamente esgotado e ela teria que pegar o helicóptero no Ocean Turtle para a Shin-Kiba amanhã à tarde.

Porém, não sabia se iria retornar para Tóquio junto com Kazuto, mas as palavras da enfermeira Aki ao menos asseguraram que antes de ir embora, ela poderia conversar com ele.

E nesse momento era iria se irritar muito, chorar muito, rir muito e … abraçá-lo muito.

Se detendo em meio a escada em espiral, Asuna respirou fundo e prosseguiu com a subida.

O final da escada estava há uns vinte degraus. Não necessariamente era um beco sem saída, pois ela teria que passar por uma escotilha localizada no grande teto de metal, porém, era o único acesso. Portanto seguiu pelo vão, subindo a estreita escada vertical.

Atravessou o piso de titânio com mais de vinte centímetros de espessura que servia de anteparo pressurizado e que dividia a parte superior da parte inferior da central do Ocean Turtle.

O Tenente Nakanishi disse que poderia facilmente suportar disparos de rifles automáticos de alta potência à queima roupa. Porém, uma situação dessa era algo impensável de acontecer em um barco dessas dimensões, somente em um caso extremo de guerra e ainda assim era improvável.

“É bem o estilo de Kikuoka, fazer algo tão exagerado, mas pensando bem, todos daqui são assim…”

Murmurou isso enquanto subia a escada e passava por toda a escotilha. A sinistra escada em espiral continuava dali em direção ao teto, exatamente como era no piso inferior, mas a diferença era a luz que banhava esse compartimento, um espectro esverdeado. Esse padrão luminoso era replicado no chão. Ignorou isso e prosseguiu a escalada dos degraus.

A parte mais baixa do eixo superior onde estava, era aonde o gigantesco equipamento que servia de coluna vertebral física para o Projeto Alicization, o Light Cube Cluster, estava instalado. Provavelmente era toda essa estrutura que envolvia a escada.

Assuntos relacionado ao Light Cube Cluster eram tratados com o máximo de discrição, de maneira que ela não soube muito acerca dos detalhes de sua construção, mas tinha ouvido que era uma espécie de depósito para os cubos de luzes, como seu próprio nome sugeria.

Os artefatos que continham os Fluctlight Artificiais, ou em outras palavras, as almas de todos os residentes de Underworld, aquelas I.A. tão completas, eram os cubos de luzes, ou Ligthcube, e exatamente no meio de centenas de milhares desses cubos ordenados sistematicamente, havia um único e massivo cubo maior. Porém, naquele ali não havia alma alguma, pois era a memória extensível de todo o sistema, a Mnemonic Visual Data. O que dava suporte para construir tudo dentro do Underworld. Era realmente o núcleo da tecnologia do STL, o Observador Central.

Foi assim que o cientista chefe do RATH, Higa Takeru, havia ensinado sobre a estrutura de Underworld enquanto evitava quebrava os protocolos de sigilo sobre seu trabalho.

Mas honestamente, a primeira reação de Asuna sobre tudo isso foi:

“Para que isso tudo?”

Se já tinha contato tanto até aqui, por que não fazia o serviço completo? Poderia muito bem mostrar todo esse Light Cube Cluster.

Quando ela questionou sobre isso, Higa lhe respondeu com um sorriso torcido de canto de boca.

“O Cluster está coberto com uma proteção de metal intransponível, mesmo se te mostrássemos agora, tudo que veria seria um grande retângulo metálico.”

Disse que nem ele e nem ninguém do RATH, nem sequer o próprio supervisor do projeto, o membro das forças de autodefesa do Japão, o Tenente Coronel Kikuoka Seijirou, poderia acessar seu interior.

Assim, Asuna apenas podia contar com sua imaginação para visualizar como era o Cluster por dentro.

Um incontável número de cristais suspensos ordenadamente na escuridão. Todo construídos no formado de quadrado perfeito e em seu centro um único e enorme cristal sendo trespassado por raios luminosos ininterruptos. Dando a impressão de ser o coração de uma galáxia lotada de estrelas brilhantes…

Se ficasse ali por mais tempo, se perderia em pensamentos distraidamente.

Por ficar focada nisso, Asuna custou em perceber alguém descendo a escada em espiral.

“Ah! Me desculpe!’

Baixando a cabeça por puro instinto, se desculpou em voz baixa. A pessoa começou a caminhar em sua direção lentamente sem falar nada.

Cada passo que dava nos degraus metálicos, um som maior ainda reverberava por todos os lados.

“…!?”

Mas o que seria aquele som? Asuna ficou intrigada enquanto seu coração começava a disparar.

A figura não parava de avançar, já estava prestes a ficar em sua frente…

Ela saltou rapidamente para trás, pressionando as costas contra a parede para sair de vista.

A figura passou reto, ignorando-a completamente e seguiu para descer a escada em direção à escotilha.

A definição certa não era ‘alguém’ e sim ‘algo’. Não importava como se colocasse, aquilo não era humano, definitivamente.

Sua silhueta era humanoide, mas seu esqueleto era composto por simples marcações metálicas e vários cilindros plásticos em sua extremidades e cintura.

Suas articulações eram complexas, cheias de engrenagens expostas e um emaranhado de cabos multicoloridos agindo como se fossem veias e vasos sanguíneos.

‘Aquilo’ carregava uma grande caixa em suas costas e onde em um humano estaria o rosto, existiam três lentes de tamanhos distintos: uma pequena, uma média e uma grande.

Ao fazer essa análise, finalmente Asuna se deu conta do que era e disse com uma voz rouca.

“U-Um ro…bô…?”

Nesse instante, a misteriosa máquina humanoide parou.

Detendo-se em meio aos degraus, as engrenagens giraram e retrocederam. Parou no mesmo nível em que estava Asuna, lentamente virou seu corpo para a esquerda, diretamente para ela.

A lente maior e a média eram escuras, mas a menor, que estava totalmente acesa e parecendo mirar em Asuna, piscou algumas vezes.

“Gh…!”

Asuna engoliu em seco e começou a retroceder. Mas suas costas estavam coladas na parede ao lado da escada, não havia lugar para ir. Asuna tentou ir para a direita e para a esquerda, porém, a lente a seguia implacavelmente.

Monstros não deveriam surgir no meio das escadas entre os andares, para falar a verdade, não deveriam existir bots aqui e…

…Asuna se tocou que não estava em um mundo virtual e sim no mundo real.

Por alguns instantes ela havia se confundido completamente e começou a raciocinar como o seu ‘eu’ dos jogos. E quando retomou a ideia de fugir dali…

“Pare logo com isso, Ichiemon!”

A voz vinha de cima.

Olhou para sua origem e viu que um homem descia correndo nervosamente as escadas.

Camiseta estampada e bermuda, cabelos espetados como um monte de agulhas e usando um óculos muito fora de moda, lá estava o pesquisador chefe a cargo do Projeto Alicization, Higa Takeru, trazendo em sua mão direita um laptop muito desgastado.

Como se tivesse realmente entendido a ordem de Higa, a máquina humanoide desviou sua mira de Asuna e girou o corpo noventa graus, retornando a sua posição inicial.

Nesse instante a garota relaxou os ombros, olhou para Higa e perguntou com a voz um tanto desconcertada.

“Senhor Higa, o que vem a ser isso exatamente…?”

“Hum, bem… conheça o Ichiemom. Seu nome real é Eletroactive muscled operative machine… encurtando, EMOM. E como ele é o primeiro de sua série, leva o número um, ichi em japonês, logo, chamamos de Ichiemom. Bonito, não acha?”

Higa fez uma expressão satisfeita de quem sanou todas a dúvidas com essa resposta mais do que esfarrapada, mas que logo sumiu do rosto, ao ver a encarada nada amistosa de Asuna enquanto perguntava:

“…Me referi ao que esse Ichiemom estava fazendo aqui?”

Dessa vez, quem respondeu não foi Higa.

“Pedi ao Higa que me ajudasse com a configuração de meu programa. Mesmo que já não sejamos mais colegas de seminário.”

Aquelas palavras com um sorriso forçado pertenciam à mulher que estava descendo as escadas logo atrás de Higa. Vestia um jaleco escuro sobre um jeans com os cabelos penteados e com a franja presa para o lado. Nenhuma outra adjetivo combinava mais para essa mulher do que ‘intelectual’, assim era Koujirou Rinko, a pessoa que teve um importante papel no plano de infiltração de Asuna no Ocean Turtle.

“Bom dia, Asuna!”

“B-Bom dia.”

Depois de cumprimentá-la, Asuna examinou o robô mais de perto, ou melhor dizendo, Ichiemom e disse espantada.

“Incrível, até algo como isso aqui faz parte do Projeto Alicization também…!”

Com Ichiemom os seguindo pelo caminho através das escadas e corredores, Asuna chegou ao seu destino, a segunda sala de controle. Deixou suas perguntas de lado por um momento e foi apressada pelo corredor que dava acesso ao quarto de armazenamento do STL.

Mesmo que a porta não pudesse ser aberta, a parede ao lado era feita de vidro reforçado. Pressionando ambas as mãos contra aquela superfície, escaneou com seus olhos o cômodo quase sem iluminação do outro lado.

Os dois gigantescos cuboides retangulares, ocupando muito espaço lado a lado, eram os Soul Translators 4 e 5.

O número 5 estava desligado, porém, vários outros indicadores estavam ativos e piscantes no 4.

Seu olhar se depositou sobre a magra figura que podia ser vista repousando na cama de gel conectada na unidade principal.

Era Kirito, Kirigaya Kazuto. A pessoa que, de várias maneiras, era o companheiro de Asuna.

Ele tinha sido atacado por um fugitivo do incidente do Death Gun nas ruas de Setagaya fazia uma semana. Uma grande quantidade da droga succinylcholine fora injetada nele induzindo uma parada cardíaca.

De alguma maneira conseguiu se manter com vida, graças em muito, pelas rápidas medidas de salvamento, porém, um sério dano cerebral foi causado.

E a pessoa que agilmente transferiu Kazuto para o Ocean Turtle, a fim de evitar que ficasse em estado vegetativo permanente, inclusive, preparando uma ambulância especialmente para esse intuito, tinha sido o Tenente Coronel Kikuoka Seijirou, o líder geral do Projeto Alicization.

Essa difícil e arriscada decisão foi devido a sua grande crença de que somente o STL poderia dar o tratamento necessário para Kazuto, pelo menos isso foi o que ele próprio disse.

De qualquer maneira, parecia uma enorme coincidência que existisse justamente nessa hora o mundo virtual Underworld, preparado como um espaço VR para tratamento.  E que esse equipamento tivesse a função de revitalizar sua consciência através da reconstrução de seu Fluctlight e que após isso, fosse capaz de estimular o sistema nervoso.

Asuna não conseguia entender bem esse tipo de explicação, mas entendeu que Kazuto não estava em um simples coma, se é que um estado de coma possa ser chamado de simples.

No momento, a única coisa que ela podia fazer era observar o corpo de seu amado e ter certeza de que sua mente estava vagando em algum lugar daquele distante mundo virtual.

Pensando bem, ela estava agora na mesma posição de Kazuto quando ia visitá-la quase que diariamente na ocasião em que ela ficou presa no mundo das fadas, Alfheim, por Sugou Noboyuki.

Gostaria de poder entrar em Underworld para ajudar Kirito como ele fez comigo daquela vez…

Após desejar isso, ficou um tempo em silêncio olhando diretamente para ele e depois se afastou da parede de vidro.

Nos veremos outra vez era o que dizia em seu coração enquanto regressava até a sala de controle.

Era um lugar bem menor se comparado à sala de controle principal no eixo inferior. O console também parecia ser bem mais simples, até os móveis pareciam serem feitos de um material mais barato.

Higa e Rinko não se sentaram, ficaram checando dados no notebook que traziam enquanto a irritante máquina humanoide, Ichiemom, havia regressado e estava agora ao seu lado.

Depois de confirmar que o robô estava em modo stand by, ela se aproximou dos dois cientistas.

Eles foram colegas no mesmo curso da universidade quando ainda eram estudantes, ambos companheiros dos já renomados alunos de Kayaba Akihiko e seu ajudante Sugou Noboyuki. Conversavam como se tivessem regressado àqueles dias.

“Como imaginei, esse foi o gargalo. A velocidade de processamento não foi o suficiente. Mas temos mais espaço, não é? Talvez fosse melhor usar um chip de maior capacidade.”

“Isso é o mais longe onde consigo chegar com meu cérebro. A questão do calor excessivo e o consumo da bateria são fatores muito sensíveis. Não vejo mais opções para otimizar esses recursos…”

“Esses músculos de polímeros são extremamente antiquados, só para começar a falar. Tente usar CNT, creio que conseguirá uma melhor performance e necessitará menos energia para movê-los.”

“S-Se usar uma coisa dessas… bem, talvez seja possível… mas acho que não conseguirei material para tanto… na melhor das hipóteses, apenas um…”

“Essa sua mania de usar muitas partes mecânicas ainda não mudou. Isso acaba consumindo muita energia e processamento.”

Rinko ia responder de maneira exasperada mas nesse momento notou Asuna e apenas deu de ombros com um suspiro.

“Ah! Me desculpe por isso, Asuna.”

“Não, tudo bem, creio que Kirito ficaria feliz por estar em um ambiente animado.”

Depois de responder com um pequeno sorriso, olhou para o robô outra vez. Ao que tudo indicava, toda a estrutura do corpo daquela máquina era para se parecer com músculos, material orgânico. Mas mesmo que RATH fosse o líder mundial de pesquisa, aquele monte de tralha que se movia não parecia em nada estar ligado ao objetivo principal de uma I.A. altamente adaptável.

Como se tivesse adivinhando o que Asuna estava pensando, Higa grunhiu enquanto esticava suas costas e se apoiava na mesa.

“Construir essa coisa foi um pedido daquele cara lá.”

“Hã..!? Kikuoka que pediu? Mas porque ele…”

“Para falar a verdade, nem eu faço ideia.”

Quem prosseguiu dessa vez foi Rinko.

Um corpo móvel será necessário para acomodar um Fluctlight que vier de Underworld, não acham? … Foi o que ele disse.”

“Então… esse robô foi construído para ser pilotado por uma I.A?”

“Ao que parece…”

“…Esse seja o caso”

Higa e Rinko concordaram ao mesmo tempo, enquanto Asuna olhava ainda mais espantada para o corpo de Ichiemom. Certamente sua forma podia ser descrita como humanoide, mas todo o resto de sua estrutura, com articulações se sobressaindo em ângulos estranhos e com várias camadas de silicone tentando cobrir corpo metálico em nada poderia se comparar à um humano.

“Não acho que seria algo legal, nem com Ichiemom e muito menos para a I.A. que, em tese, iria ter um corpo desses. Vocês não acham isso também…?”

Pelo menos, a filha de Asuna e Kazuto, a I.A. conhecida como YUI, detestaria isso sem pestanejar, foi o que ela falou internamente.

Enfim, Asuna disse o que estava pensando enquanto Higa começava a esfregar as mãos de nervosismo.

“B-Bem, saiba que ninguém vai pilotar esse carinha. Ichiemom é um protótipo usado para coleta de dados, por isso sua ‘mente’ foi desenvolvida de modo convencional também. Essa é a razão pela qual você o ache talvez, tão… idiota.

Existe sim um número dois muito mais inteligente. Esse realmente está sendo preparado para os testes para comportar uma I.A.”

“Número 2… Então…, qual o nome desse robô…?”

Asuna perguntou de forma um pouco tímida, a que Higa respondeu com uma expressão como se fosse a coisa mais óbvia do mundo.

“Oras! Se Ichi é um, dois é Ni em japonês. Portanto…, Niemom, hehe!”

“Vocês sempre nomeiam as coisas dessa forma…!?”

Asuna moveu a cabeça de um lado para o outro em sinal negativo enquanto seguiu perguntando o que tinha em mente.

“Pode me dizer o porquê do outro robô que está sendo preparado para levar a I.A. tem que ser mais inteligente?”

“Bom, isso porque os sensores e o sistema de balanceamento terão que ter uma capacidade muito maior, para dessa forma permitir um melhor rendimento… ao menos é nisso que estamos trabalhando.”

Deixando Higa prosseguir com a explicação, Rinko deu um passo para o lado e ficou na ponta dos pés por alguma razão. Esticou suas mãos e manteve essa postura enquanto se balançava um pouco.

Sword Art Online Alicization - Underworld - Turning - Vol.11

“Nós, os humanos, estamos sempre regulando o balanceamento corporal, mesmo quando estamos com os pés firmes no chão, esse é o comportamento padrão e fazemos esse tipo de coisa sem nenhum motivo em especial, de maneira praticamente inconsciente.

Podemos nos manter equilibrados, mas ainda assim, não é como se realmente estivéssemos pensando: ‘Me apoiarei para a esquerda e esticarei meu pé direito até atrás da minha perna esquerda’, ou algo como isso.

Todos esses comandos já estão gravados em nossas mentes, em outras palavras, em nossos Fluctlight, você já o conhece como sendo o sistema de equilíbrio automático e controle motor de nossos músculos e esqueleto.”

O salto de seus sapatos bateram no chão enquanto Rinko sorria.

“Ichiemom está equipado com dispositivos que replicam esse sistema de equilíbrio, tanto elétrica quanto mecanicamente. Mas para que faça algo como o que viu a pouco, descer e subir as escadas, requer uma grande quantidade de equipamentos sensoriais e de balanceamento trabalhando em conjunto com uma CPU de alto processamento, uma bateria e um sistema de resfriamento, somados a um suporte sólido para aguentar seu próprio peso. Aí está a resposta para o porquê ele não ser mais esperto.”

“E ainda assim, está muito mais parecido com um ser humano do que os outros protótipos eram há dez anos atrás.”

Virando para Higa, Asuna balançou lentamente a cabeça em afirmativo.

“Em outras palavras… você está querendo dizer que se sua mente não for uma CPU e sim um Fluctlight Artificial, o equilíbrio automático teria o mesmo desempenho de um ser humano…?”

“Sim, é exatamente isso. Dessa forma poderemos reduzir o número de dispositivos e com isso ele ficaria mais rápido e ágil, criando um corpo com uma forma humana quase perfeita…

Seria realmente ótimo se realmente acontecesse, mas…ainda é uma visão bem otimista da coisa. Ao menos, como disse antes, Niemom, que está sendo construído no departamento de desenvolvimento, visualmente se parece muito mais com um ser humano.”

“Se está interessada tanto por Niemom, acho melhor te levar para dar uma olhada e…”

Rinko parou de falar subitamente. Depois de pensar um pouco, franzindo a testa e continuou em um tom mais baixo.

“Ei Higa! Pensando agora, Niemom não pode se mover sozinho, não é?”

“Hum? Bem, ele tem um CPU, mas o programa de controle está totalmente em branco. E mesmo se carregarmos o mesmo sistema do Ichiemom nele, provavelmente iria cair no chão no terceiro degrau devido a atual situação do sistema sensorial…”

“Entendi…”

Rinko respirou fundo, tentando não desanimar enquanto virava para Asuna novamente.

“Asuna, ainda não tomou o café, não é?”

“Sim.”

“Eu também não. Quer me acompanhar? Ao que parece, Higa vai ficar aqui e lanchar com o amigão mecânico dele.”

“Ah! Tudo bem, claro!”

Ela pensou que Rinko estivesse brincando, mas imediatamente Higa tirou do bolso de sua bermuda uma barra de cereal e levantou a mão, dando um ‘tchauzinho’.

Inclinando a cabeça para cumprimenta-lo, Asuna virou-se e seguiu atrás de Rinko.

Olhando uma última vez para o STL na penumbra, seus lábios disseram um silencioso:

Até daqui a pouco!

Saindo no corredor fora da sala de controle, viu figuras humanas vindo na direção contrária. Eram dois homens, ambos usando abrigos sobre suas camisas. Provavelmente faziam parte do pessoal do RATH, mas ela ainda não tinha gravados seus nomes.

Pensou que eles ainda deveriam reconhecê-la como sendo a assistente da doutora.

Continuando a seguir Rinko, Asuna fez uma breve reverência quando cruzou por eles e nesse momento…

Teve uma sensação esquisita, um perigo familiar, algo que a fez olhar para os dois mais uma vez. Com seus cabelos longos amarrados em um rabo de cavalo e barba por fazer, ficava difícil saber se os tinha visto antes.

Seja como for, algo ficou a alertando no fundo de sua mente. Se isso tivesse acontecido em Aincrad, provavelmente puxaria seu florete e os alcançaria de imediato. A sensação não passava, tanto que até sentia o toque da empunhadura de sua espada na ponta dos dedos…

“Algum problema, Asuna?”

Rinko a chamou com uma voz tranquila e casual e ela finalmente se deu conta de que estava parada em meio ao corredor em posição de ataque. Os homens já haviam se distanciado indo em direção à sala de controle.

“…Não, não é nada.”

Depois de responder e recomeçar a caminhar, Asuna começou a vasculhar sua mente para saber o que poderia ter causado essa estranha sensação. Porém, quanto mais tentava, menos conseguia um motivo, de maneira que o pensamento foi se perdendo até desaparecer totalmente.

 

FIM DO INTERLÚDIO.

SEMANA QUE VEM  VOLTAREMOS PARA UNDERWORLD!!!

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Saudades da dona Asuna! Bora ouvir um som!