Sword Art Online Alicization Turning em Português – Underworld – Capítulo 5 – Parte 5

Arco: Alicization – Turning

Parte 5

Sword Art Online - Alicization - Alice - Turning. Vol.11
Sou Alice Synthesis Thirty!

“…É realmente uma infelicidade.”

Essas foram as palavras da supervisora do dormitório Azurika.

“Estava certa de que vocês seriam os espadachins representantes da academia desse ano.”

“Pois então, era o que eu também pensava.”

Ele certamente não conseguia falar tão naturalmente igual ao seu amigo Kirito, ainda mais em uma situação dessas onde seu olho esquerdo também começava a arder violentamente, porém, agora era de puro nervosismo.

O céu do quinto mês já estava totalmente limpo, nem parecendo que no dia anterior tinha acontecido uma grande tempestade.

Muitos pássaros haviam aparecido e estavam cantando nas árvores no lado de fora, absortos de tudo que estava ao seu redor, aproveitando o clima de calmaria desse local à sombra da grande e majestosa torre branca.

Eugeo só pode pensar que ao contrário desses amigos alados, nem ele e nem Kirito iriam poder aproveitar a hospitalidade dessa academia novamente.

Os dois passaram toda a noite atrás dessa grande porta de aço, na câmara de disciplina subterrânea do edifício administrativo da academia.

O lugar era bastante limpo e organizado, pois provavelmente nunca tinha sido utilizado antes. Suas camas eram bastante confortáveis, similares às dos outros dormitórios também, porém, Eugeo foi incapaz de dormir como já era de se esperar.

Já Kirito agia como o Kirito de sempre, se esforçando ao máximo durante toda a noite para tratar seu olho direito. Mas regenerar um órgão era extremamente complexo quando esse era extirpado por uma arte sagrada em forma de selo, ainda mais quando não se tinha um catalizador para ajudar na cura.

Sem contar que não estava certo do porquê isso tinha acontecido e nem porque seu olho tinha ‘pulado’ para fora sem receber nenhum tipo de ataque ou ferida externa.

O poder sagrado do ambiente ao redor deles já havia se esgotado devido as incansáveis tentativas de Kirito e por esse motivo, mesmo relutante, acabou interrompendo suas ações momentaneamente.

Quando se deram por conta, a noite já havia passado e o sol da manhã seguinte já despontava na janela com sua luz laranja.

Às nove da manhã, com o sinal do campanário, pensou que ao abrir a porta, ali estariam os guardas imperiais para escoltá-los, mas ao contrário disso, a única pessoa parada do outro lado era a supervisora Azurika.

Ela, que devia estar na casa dos vinte anos, amenizou sua expressão séria por alguns instantes ao ouvir a resposta de Kirito.

Se virou para Eugeo com um olhar penetrante um pouco familiar, muito parecido com a irmã Azariya da distante vila de Rulid e igualmente à esse outro, também o deixou aflito.

Quando parecia que ela diria algo, resolveu se calar e apenas começou a procurar algo em seu bolso. Era uma pequena esfera verde claro. Parecia uma pequena pérola, mas que na verdade era a forma cristalizada de poder sagrado recolhida das quatro flores sagradas, cultivadas na academia.

Com um pequeno gesto, o cristal se rompeu entre os dedos de sua mão esquerda. E com um singelo som, algumas luzes dançaram no ar, enquanto sem perder tempo algum, começava a recitar diversas palavras em uma velocidade incrível com sua mão direita suspensa sobre o local onde deveria estar o olho direito de Eugeo.

E por fim disse:

System Call! Generate light element…

A desenvoltura e rapidez com que recitava as artes sagradas superavam todos os instrutores da escola.

Enquanto Kirito e Eugeo estavam atônitos, um complexo procedimento misturando gestos e imensas frases eram realizados sucessivamente sem aparente problema. Depois disso, uma cálida luz se depositou sobre o local onde estava o olho direito de Eugeo, curando a ferida e reconstruindo o globo ocular até então inexistente.

“Abra o seu olho!”

Ao ouvir o comando, timidamente Eugeo levantou a pálpebra direita que tinha permanecido fechada e ferida por mais ou menos dezesseis horas.

Ao fazê-lo, o seu campo de visão se ampliou, voltando ao estado que sempre esteve, como se jamais tivesse sido ferido. Eugeo deixou escapar um suspiro de alívio mesclado de pura admiração por aquela mulher.

Ficou olhando tudo a sua volta uma porção de vezes antes de fazer uma grande reverência.

“Mu-Muito obrigado, senhorita Azurika!”

“Tudo bem agora. Mas vamos deixar isso de lado por um momento e antes que os entreguem para a escolta, preciso lhes dizer uma coisa… espadachins de elite em treinamento Eugeo e Kirito.”

Colocou as mãos nos ombros dos dois garotos e as palavras que a supervisora disse a seguir foram em um tom muito suave, muito diferente da sua postura rígida de sempre.

“Escutem! Provavelmente ambos serão julgados por transgredirem as leis do Índice de Tabus ao reduzirem a zero a vida de outro ser humano. Porém, quero que se lembrem! O Índice de Tabus e também a própria Igreja Axiom, nenhum deles foram criados por Deus e sim pelo próprio homem.”

“Hã?…O-O que quer dizer com…”

Eugeo perguntou por puro reflexo.

Até mesmo a criança mais nova, assim que começa a compreender as coisas, sabia que o Deus da criação, Stacia, deu origem ao Mundo Humano. E que a Igreja, criada pelo mesmo Deus, era a responsável por supervisioná-lo.

“Não temos tempo para maiores explicações, então, por hora… é só o que posso dizer. Porém, creio que vocês começaram a descobrir a verdade por trás desse mundo, não percam o foco!”

Nessa hora Azurika franziu o rosto e fechou seu olho direito. Eugeo soube imediatamente que ela estava sentindo uma dor igual ao que ele tinha sentido.

“Espadachim Eugeo, você foi capaz de quebrar um selo que eu não pude. Dessa forma você será capaz de ir aonde nunca me foi permitido ir… Confie em sua espada e nesse seu amigo.”

Ela então se voltou para Kirito.

“E você, espadachim Kirito… ainda continua sendo uma incógnita completa para mim, não consegui entender de onde você realmente veio, mas… sinto que tem uma missão a cumprir e creio que você irá conseguir fazer com que as coisas se movam assim que chegar naquela torre. Estarei rezando para que seu caminho se ilumine e você sempre consiga ir adiante, sempre…”

Suas palavras eram muito estranhas para Eugeo, porém, Kirito pareceu compreendê-las totalmente. Ele assentiu e cobriu a mão da supervisora com a sua e levou o outro punho ao peito e disse:

“Muito obrigado. Voltarei a me reunir com você algum dia e sem dúvida teremos uma conversa para esclarecer tudo que gostaria de saber sobre… esse mundo.”

Mais palavras estranhas vieram de seu amigo e assim que terminou de falar, poderia até ser um efeito da luz do sol vindo da janela, mas… parecia que a senhorita Azurika, após piscar desconcertada algumas vezes, mostrou um leve sorriso.

Kirito deu uma piscada e olhou para cima, como se alguém tivesse lhe dado um puxão de cabelo, mas parece que a supervisora não tinha notado nada. Lentamente retirou suas mãos dos ombros dos dois e…

“Muito bem, temos que ir! Sua escolta está os esperando.”

O pátio da academia sempre tão barulhento com diversos alunos conversando e cruzando para lá e para cá, no momento estava no mais completo silêncio, sem ninguém ali.

Porém, Eugeo avistou algo inesperado no meio da arena de treinamento, algo que fez arregalar os recém-recuperados olhos.

Um gigantesco ser brilhando deslumbrante sob a luz de Solus, refletindo seu esplendor por todas as partes da academia.

A armadura de metal perfeitamente acoplada em seu peito e cabeça, com a naturalmente cobertura de escamas triangulares que adornavam e protegiam o resto do seu enorme corpo prateado, sua poderosa estrutura, com o par de asas recolhidas na lateral e sua pontiaguda cola deixava mais do que evidente de que se tratava de um dragão voador.

Essas criaturas sagradas normalmente eram montadas pelos guardiões da lei e da ordem, os Integrity Knight por serem os monstros mais fortes de todo o Mundo Humano.

Porém, com uma rápida olhada, não parecia que o dono do dragão estivesse por perto.

Sem demonstrar qualquer indecisão ou timidez, a supervisora do dormitório Azurika ia caminhando em frente aos dois garotos em direção ao monstro alado. Quando já estava muito próximo ao portão, se deteve repentinamente.

Encarou os dois inclinando levemente sua cabeça e dando passagem para que eles continuassem.

Então, assim que cruzaram por ela, esta se virou e se pôs em marcha para o dormitório dos novatos com Kirito e Eugeo lhe fazendo uma grande e silenciosa reverência.

Quando o som dos seus passos desapareceu, levantaram a cabeça e focaram a atenção novamente no dragão.

“Acho que… não restam dúvidas que seja um dragão voador de um Integrity Knight, não é?”

Eugeo murmurou com a voz cheia de receio enquanto seu amigo tranquilamente fez um pequeno ‘-Uhum!’. Já era de se esperar esse tipo de resposta despreocupada de Kirito enquanto empurrava o portão.

“Bom, que tal darmos uma olhada de perto?”

Empurrando o pequeno portão de metal com um sorrisinho de canto de boca, enfim entrou na arena, com Eugeo o seguindo logo atrás.

Parte do campo de práticas, com as arquibancadas, estava completamente sem iluminação artificial, contando apenas com a luz natural concentrada no meio da arena. Era uma visão realmente surreal, um grande espaço como aquele, que geralmente ficava abarrotado de alunos e instrutores, completamente vazio, isto é, tirando o fato de existir agora uma figura gigante cheia de dentes, garras e asas, dois pirralhos e…

Parado do outro lado da parede branca, em frente à uma grande pintura descrevendo o mito da criação do mundo com o tema ‘Os três deuses derrotando o deus da escuridão, Vector’, estava à silhueta de alguém de costas que observava a obra de arte.

Eugeo havia visto uma única vez um Integrity Knight de perto e foi quando levaram Alice de Rulid. Na época, o cavaleiro se identificou como sendo Deusobert Synthesis Seven e tinha um corpo enorme, com cerca de dois mels de altura. Porém, quem estava esperando por ele agora era muito menor do que aquele. Inclusive, poderia se dizer que era um pouco menor do que o próprio Eugeo.

Usava um manto azul preso nas ombreiras e adornado por um brasão da Igreja Axiom, que era uma combinação de uma cruz e um círculo. Mas o que mais chamava a atenção era o que estava por cima do manto, um belíssimo e longo cabelo loiro.

Era de uma intensidade como se os próprios raios de Solus estivessem emprestando sua beleza para aquelas mechas, brilhava mesmo estando na parte mais escura da arena, onde a luz natural não chegava.

A figura permanecia imóvel enquanto os dois garotos que se entreolhavam. Kirito então recomeçou a caminhar lentamente com Eugeo o seguindo.

Cruzaram o campo em linha reta e pararam pouco mais de cinco mels de distância daquela pequena pessoa.

Eugeo tomou a dianteira e começou a se apresentar.

“…Vindo do império Centoria do Norte e dessa academia de maestria com a espada, me chamo Eugeo, um espadachim de elite em treinamento.”

Seu companheiro disse em seguida.

“Exatamente o que ele disse e me chamo Kirito.”

Se fosse uma situação normal, Eugeo iria forçar seu amigo a se apresentar direito, sem usar ‘atalhos’, porém esse não era o caso, tanto a gravidade do que estava acontecendo como a ansiedade que tomava conta de seu ser, o impedia de fazer isso.

Ao olhar mais de perto a pessoa parada, outro sentimento o pegou de assalto.

Enquanto observava o grande manto azul e os longos cabelos dourados e ondulados, mesmo a distância, algo começou a inundar seu peito.

“Espere um pouco, será possível que…”

A combinação de azul com dourado. Sentia como se já tivesse visto isso em algum lugar…

Uma asfixiante angustia se converteu em choque que parou seus batimentos cardíacos por frações de segundos.

“Da região das cidades unidas de Centoria, Integrity Knight da Igreja Axiom, sou Alice Synthesis Thirty!”

A cavaleiro disse seu nome ainda virada de costas para eles.

Não havia dúvida de que era a voz. A voz que ele escutava diariamente durante boa parte de sua infância.

E esse nome. O sobrenome era totalmente estranho, mas com certeza escutou o primeiro corretamente.

Alice.

Não podia ser uma mera coincidência. Eugeo andou um, dois, três passos lentamente e sussurrou quase sem voz.

“…A..lice…? É você…? É você… Alice…!?”

Kirito compreendeu no ato o que seu amigo estava tentando fazer e levou sua mão esquerda para segurá-lo, porém a mão apenas resvalou no ombro de Eugeo quando esse deu mais um passo à frente.

A brisa que agitava os cabelos e o manto trazia consigo um perfume adocicado no ar. Era uma suave e nostálgica fragrância que recordava um jardim florido banhado com a luz do sol da manhã. Um agradável aroma que desprendia-se do vestido azul com avental que sua amiga de infância costumava vestir.

“Alice…!”

Ao chamar com mais força o nome, Eugeo tentou tocar o ombro direito da Integrity Knight.

Pensou que ao fazer isso ela viraria com um sorriso em seu rosto e o saudaria com a habitual alegria e…

Essa ideia foi imediatamente destruída por uma centelha de luz.

O terrível impacto contra sua bochecha direita fez Eugeo sair voando para longe como um boneco de prática inerte até colidir fortemente com o chão do tablado da arena.

“EUGEO!!”

Kirito imediatamente correu para ajudá-lo a se levantar, porém ao verificar se seu amigo estava acordado, encontrou o rosto de alguém completamente estupefato, sem consciência do que havia ocorrido.

Ainda de costas para eles, a cavaleiro tinha sua mão direita estendida horizontalmente com uma enorme espada em punho. Porém, a lâmina não estava exposta e sim ainda guardada dentro de sua bainha dourada.

Ela havia sacado a espada de seu cinturão e atacado o rosto de Eugeo com a velocidade de um raio.

Baixando a espada suavemente, a Integrity Knight falou:

“Falem e comportem-se com cuidado. Tenho autoridade para suprimir setenta por cento de suas vidas se assim necessitar. A próxima vez que tentar me tocar sem meu consentimento, perderá sua mão.”

Ao dar essa informação de forma fria e clara e com uma voz cortante, finalmente a cavaleiro se virou de frente para eles.

“…Alice…”

Eugeo não conseguia parar de dizer esse nome.

A Integrity Knight que ainda segurava a espada, era a mesma pessoa que foi levada de Rulid.

Era a amiga de infância de Eugeo, a filha de Gasupht, o chefe do local e irmã mais velha de Selka, Alice Schuberg, a figura adulta parada em sua frente não podia ser mais ninguém além dela.

Porém suas ações em nada lembrava aquela menina gentil e alegre de antes.

Mesmo com seu corpo praticamente todo coberto com uma armadura leve com finos detalhes e um vestido longo, seu rosto era inconfundível.

O cabelo dourado e brilhante, uma pele alva e os indescritíveis olhos azuis de dois tons eram características que nunca tinha visto em mais ninguém até agora, inclusive aqui em Centoria Central.

Só a luz que emanava desses olhos era ligeiramente diferente da Alice de antigamente. Perdera o resplendor que transbordava curiosidade e Eugeo não conseguia mais sentir aquela energia calorosa. O que havia agora era apenas uma aura fria com um olhar fixo e vazio.

Até aqueles lábios rosados não combinavam com a voz áspera que emitiam agora.

“…Pensei em retirar trinta por cento com esse golpe, mas acabou se reduzindo a metade disso. Se conseguiu evitar o dano somente evadindo com o movimento rápido de seu corpo, creio que isso seja a prova cabal do porquê foi nomeado como um espadachim de elite em treinamento… e talvez, também prove que realmente tenha cometido o terrível crime de assassinato.”

A maneira com que disse isso, deixou claro que acabara de ler os dados da janela de Stacia de Eugeo, mas tinha feito isso sem sequer fazer sinal algum no ar e nem tocá-lo. O rapaz nem conseguia pensar em como isso era possível.

Eugeo não queria aceitar que essas palavras que entravam em seus ouvidos vinham da outrora amável Alice.

Não, antes de considerar isso, Eugeo não podia aceitar o fato dela não ter nenhuma reação de ter feito tamanho dano a um ser humano.

Ele não conseguia acreditar no que seus olhos recém curados mostravam…, uma terrível e fria Integrity Knight sem nenhum sentimento.

Sword Art Online - Turning Alicization

Quando ia ignorar a advertência e chamá-la mais uma vez, Kirito o interrompeu.

“Essa cavaleiro é a Alice que você esteve procurando, não é?”

A voz de seu companheiro era clara e calma, o suficiente para tirar o sentido de urgência e desespero que tomava conta de Eugeo novamente e fazê-lo retomar a linha de raciocínio.

Depois de concordar com a cabeça, seu amigo continuou.

“Obviamente algo está errado. Portanto, vamos obedecê-la por hora. Se entrarmos na Catedral Central, mesmo sendo como criminosos, seremos capazes de entender o que está acontecendo.”

“Entrar na… catedral?”

Eugeo compreendeu o que Kirito estava dizendo. Era o que ele desejava, mesmo que não tivesse ganhado a chance de entrar lá vencendo os torneios e se tornado um Integrity Knight, ainda assim a meta estava sendo cumprida e com um ano antes do planejado.

Entrar na Catedral Central e encontrar Alice. Esse era o objetivo final de Eugeo.

As ordens das coisas se inverteram e o motivo da mudança de personalidade de Alice, que agora era uma implacável Integrity Knight, era completamente desconhecido para Eugeo. Se parasse para pensar um pouco, tinha conseguido completar metade do seu objetivo.

Nesse caso, ainda se fazia necessário entrar mesmo na catedral e descobrir o que tinha acontecido com ela e também uma maneira de fazê-la voltar a ser como era.

Pensando dessa forma, Eugeo finalmente recuperou sua calma interior. Alice percebendo isso, também guardou sua espada de volta no cinturão e com uma meia volta fazendo seu manto ondular pelo ar, começou a caminhar em direção ao portão.

“Levantem-se e sigam-me!”

Não estavam em posição de ir contra suas ordens no momento. Auxiliado por Kirito, Eugeo se levantou e começou a seguir Alice.

Encaminharam-se para onde estava o dragão voador no centro da praça da academia. Alice se aproximou do enorme animal e acariciou sue focinho com a mão direita.

Depois disso, retirou estranhas ferramentas de um compartimento de carga da cela do dragão. Eram três cordas de couro grossas, unidas entre si por elos de metal…

Eugeo reconheceu aquilo, era exatamente a mesma usada para amarrar a jovem Alice há oito anos, um dispositivo de retenção.

Virou-se para os dois garotos com um dispositivo em cada mão. Ordenou que se posicionassem eretos e continuou dando-lhes instruções com frieza extrema na voz.

Em comparação com os desmandos de Raios e mesmo sendo obrigados à isso, a voz dela era mais tranquila, resoluta e assertiva.

“Espadachim de elite em treinamento Eugeo e Kirito. Ambos serão presos, levados sob custódia, julgados e no final terão suas penas executadas.”

Os dispositivos de retenção inibiam completamente os movimentos dos dois, nem braços e praticamente nem pernas poderiam se mover livremente. Tudo fora fortemente amarrados pelas mãos de Alice. Provavelmente também tinha algum tipo de encantamento para que esse tipo de amarração fosse tão eficaz.

Após se certificar que estavam bem presos, a ponta das duas cordas foram fixadas nos ganchos da armadura correspondentes às patas do dragão.

Vários nós complexos foram dados até que Alice considerasse seguro o suficiente.

Kirito ficou amarrado à pata direita do animal enquanto Eugeo ficou na da esquerda.

Oito anos atrás o Integrity Knight Deusobert havia sujeitado a jovem Alice da mesma forma e em seguida foi embora voando de Rulid, levando a pequena garota amarrada à imensa garra de sua besta alada.

Um dragão desses levava um dia inteiro para percorrer a distância de Rulid até a Central, ficou imaginando o quão dura foi essa viagem para Alice. E essa mesma garota que, por alguma razão, se converteu em um Integrity Knight e agora fazia a mesma coisa com seu amigo, sem dar sinais de que o conhecesse e muito menos de vacilação de suas ações.

Essa mulher à sua frente, tinha as mesmas características de Alice Schuberg, porém ao mesmo tempo, era uma pessoa completamente diferente. Só podia supor que algum poder muito grande deve ter sido o responsável por essa grande mudança.

Era como Kirito havia dito, a única forma de descobrir a verdade seria ir até a Catedral Central. Só restava uma pergunta… como reverter a situação de Alice…?

Não era hora de pensar nisso ainda, antes, deveria se preocupar e se o mesmo acontecesse com ele? O que ocorreria se ele se esquecesse de tudo e de todos se transformando em uma pessoa diferente? Todo o tempo em que viveu em Rulid e a longa viagem até a central… inclusive as situações vividas nessa academia e se tudo fosse apagado…?

Quando um medo crescente começou a tomar conta de Eugeo, ele avistou…

“Tiezé…”

Eugeo automaticamente se virou para Kirito, que também estava surpreso olhando para a outra pessoa que também acabara de chegar até eles.

De maneira tímida e dando passos cambaleantes, foram se aproximando as duas jovens aprendizes novatas em seus uniformes cinza, Tiezé Shtolienen e Ronye Arabel.

A razão pela qual estavam com dificuldades para caminharem era devido a carga que cada uma delas carregava. Tiezé tinha em seus braços uma grande espada guardada em uma bainha de couro branco, enquanto Ronye trazia consigo uma enorme espada negra também em sua bainha da mesma cor. Sem dúvida alguma eram suas queridas armas, a Blue Rose Sword de Eugeo e a espada negra de Kirito.

As palmas das mãos de Tiezé e Ronye estavam esfoladas, enquanto tentavam segurar a todo custo e com muito respeito aquelas duas magníficas espadas.

Isso era algo perfeitamente natural, já que essas armas eram pesadas até para os dois garotos, de maneira que eles só conseguiam manejá-las dando tudo de si.

“Tiezé…!”

“Ronye…!”

Eugeo e Kirito disseram seus nomes em uníssono enquanto elas mostraram pequenos sorrisos, suportando a dor que sentiam.

Mas então, a Integrity Knight Alice se afastou do dragão e foi em direção às duas, com um olhar ameaçador.

Ao lembrar do que lhe aconteceu, Eugeo gritou imediatamente:

“Não! Tiezé, não venha!”

Porém, as duas aprendizes não pararam e continuaram avançando com gotas de sangue escorrendo entre seus dedos até que ao chegar em frente à Alice, caíram de joelhos.

A princípio não conseguiram dizer uma só palavra, ficaram ali tentando recuperar o fôlego. Por fim, Tiezé conseguiu levantar sua cabeça e falar com firmeza:

“Se-Senhora cavaleiro… por favor!”

Ronye continuou:

“Por favor, nos dê permissão de devolver as espadas aos nossos mentores e nos despedirmos deles apropriadamente…!”

Alice permaneceu encarando as duas garotas em silêncio, porém, fez um sinal de afirmativo com a cabeça instantes depois.

“Está certo. Mas não posso permitir que criminosos usem essas espadas. Ficarão sob a minha guarda por hora. Se desejam se despedirem deles, o façam agora! Vocês têm apenas um minuto.”

Pegou primeiro a Blue Rose Sword com a mão esquerda e em seguida a espada negra com a direita sem esforço algum. E então, sem demonstrar dificuldade nenhuma, caminhou até o dragão e depositou as duas espadas no compartimento de carga na cela do dragão.

Tiezé e Ronye se olharam e com pequenos sorrisos de alívio levantaram e foram até seus respectivos mentores.

“Senhor Eugeo…”

Tiezé não conseguiu dizer mais nada, apenas olhou fixamente dentro dos olhos de Eugeo. Seu rosto ainda um pouco inchado, evidenciava que tinha passado a noite toda chorando.

Depois de quase evitar o olhar de Tiezé por instinto, Eugeo fez um esforço e também olhou diretamente dentro dos dela.

Ele tinha feito elas presenciarem algo horrível quando cortou o braço de Wanbell. Assim como ouvirem os gritos bizarros de Raios com seus braços amputados ao morrer. Sem dúvida alguma que tudo isso tinha sido um duro golpe para Tiezé e Ronye, mesmo não sendo feridas fisicamente, suas almas estavam dilaceradas.

Eugeo pensava que justo agora não parecia em nada um mentor muito confiável e sim um grande idiota que desobedeceu o Índice de Tabus. Um criminoso maldito, preso e pronto para pagar por seus crimes.

Foi então que…

Grandes gotas de lágrimas brotaram dos olhos de Tiezé e rolaram por suas bochechas.

“Senhor Eugeo… eu sinto muito… foi tudo minha culpa…”

Mantendo junto as suas mãos com força, continuou falando com sua voz quase sumindo de tanta angústia.

“Se eu não tivesse feito… aquela idiotice…”

“Não… não termine essa frase!”

Eugeo mesmo pego de surpresa, balançou a cabeça em negativo.

“Você não fez nada de errado, Tiezé… Muito pelo contrário, fez o que era correto por sua amiga. Tudo o que aconteceu foi minha inteira culpa. Por favor, não se desculpe por nada.”

Ao escutar essas palavras, Tiezé intensificou seu olhar para Eugeo, como se estivesse vendo a sua própria alma e disse com todas as suas forças.

“Então, dessa vez…”

A jovem valete respirou fundo e completou.

“Dessa vez, será a minha vez de te salvar, senhor Eugeo. Farei… com certeza farei de tudo para me tornar uma Integrity Knight e irei salvá-lo… Então, por favor me espere. Definitivamente… definitivamente…”

Os soluços embargaram suas palavras. E Eugeo só podia balançar a cabeça em afirmativo.

Depois de ter terminado sua curta conversa no outro lado do dragão, Ronye colocou um pequeno embrulho nas mãos amarradas de Kirito e falou com a voz chorosa.

“E… isso aqui… é um lanchinho. Por favor coma quando sentir fome…”

As palavras de Kirito foram abafadas com o som das asas dos dragão se abrindo.

“Seu tempo acabou, se afastem!”

Alice que já estava montada em seu dragão voador sem que ninguém notasse, fez um pequeno som com a boca e o grande monstro começou a se mover e bater as enormes asas.

Eugeo sentiu-se sendo puxado para cima pela corda em volta de seu corpo.

Com lágrimas nos olhos, Tiezé e Ronye retrocederam vários passos.

As asas prateadas golpearam com força agitando o ar em toda a volta, levantando os cabelos das duas garotas.

Quando o dragão começou a correr para pegar impulso, as duas tentaram acompanhar o mais rápido que puderam, mas sequer conseguiram diminuir a distância que o animal já tinha tomado. Por fim, acabaram tropeçando e caindo as duas no chão.

Instantes depois o dragão pateou o chão e se alçou aos céus em espiral com uma facilidade incrível.

As figuras de Tiezé e Ronye foram diminuindo rapidamente até se confundirem com o chão.

E assim como a academia, a cidade também diminuiu de tamanho rapidamente e então…

O dragão voador, com a Integrity Knight em suas costas e dois criminosos presos em suas patas, se alinhou com a enorme torre branca cravada no ponto central da cidade, em outras palavras, ele estava indo diretamente para a Catedral Central da Igreja Axiom.

 

FIM DO CAPÍTULO 5

NOS VEMOS SEMANA QUE VEM !!!

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Bora ouvir um som?