Sword Art Online Alicization Turning em Português – Underworld – Capítulo 5 – Parte 4.2

Arco: Alicization – Turning

Parte 4

Sword Art Online Alicization - Turning - Vol - 11 - Kirito vs Raios

O Índice de Tabus não impede mais do que uma ínfima parte da maldade humana. Era por isso que Raios e Wanbell podiam fazer o que bem entendessem com essas garotas inocentes, escapando por entre as lacunas das leis. Não, se for avaliar pela ótica deles, estavam justamente agindo conforme as regras. E isso invalidava toda a iniciativa de Eugeo para deter esses atos, inclusive, o colocaria na posição de criminoso caso tentasse algo.

A absurda situação atual fazia com que a lei protegesse Raios e Wanbell e condenasse Eugeo.

Como se tivessem esquecido completamente da presença de Eugeo, os nobres ficaram hipnotizados com a visão dos corpos parcialmente nus das duas garotas e seus rostos distorcidos de medo. Pareciam estar se alimentando delas.

Mesmo com Tiezé e Ronye tentando se soltar, se remexendo violentamente sobre a cama, nada disso impedia os avanços dos dois nobres sedentos por luxúria, que continuavam a roçar seus corpos nos delas. Faziam movimentos lentos, saboreando o pavor a cada instante da ação.

“N-Não… Não… Nãão…!!”

Tiezé provavelmente tinha alcançado seu limite, ao ouvir o apelo choroso de sua amiga. Grandes lágrimas verteram de seus olhos enquanto gritava.

“Não… salve-nos…!! Salve-nos, senhor Eugeo!! POR FAVOR!!!”

Uma lei que permitia um castigo tão irracional às duas garotas só porque quiseram auxiliar sua amiga Frenica…

Uma lei que não impedia um plano tão covarde de atraí-las para uma armadilha. Que não punia um ato tão terrível quanto esse executado por Raios e Wanbell para corromper a pureza dessas duas meninas inocentes.

Se seguir uma lei dessas era considerado ser bom, então…

“Eu…”

Algo em seu interior estalou…

Eugeo começou a negar tudo.

Negar a força que o impedia de se mover. Dessa forma, ergueu seu corpo, que pesava como chumbo e levou sua mão direita até a empunhadura da espada azulada que estava na bainha em sua mão esquerda.

O olho direito já havia ultrapassado o estágio da dor, agora ele era somente uma massa incandescente a queimar seu globo ocular, mas essa sensação também foi negada, deixando somente uma mancha vermelho vivo em sua vista, algo muito ruim deve ter acontecido, mas isso já não importava mais. Tudo que tinha em mente era que deveria erguer sua espada com toda a força de vontade que ainda lhe sobrava.

Eugeo enfim desembainhou a Blue Rose Sword…

Provavelmente perderia tudo que tinha conquistado nessa academia até agora com esse ato. Sua posição como quinto espadachim de elite em treinamento, seu lugar na academia e inclusive… sua chance de participar do torneio como representante da escola.

Essas coisas agora pareciam não ter mais a mínima importância, ele somente observava fixamente as ações de Raios. A partir desse momento, estava ciente que perderia algo importante…

O orgulho de um espadachim…, não, seu próprio coração.

Naquele dia, durante o piquenique, Kirito havia dito isso quase como se fosse uma previsão ou um conselho de alguém com uma terrível experiência passada. Disse que haviam coisas pelas quais deveriam ser defendidas, inclusive se estão proibidas pela lei. Algo mais importante do que a lei imperial e os tabus da Igreja Axiom.

Finalmente entendeu o que era depois de tanto tempo. Descobriu do porquê que Alice tinha tocado o solo do Dark Territory oito anos atrás.

Não havia nada de errado com o ato de Alice que apenas tentava ajudar alguém, mesmo que esse alguém fosse um Dark Knight à beira da iminente morte. Ela fez o que mandava seu coração. Fez o que, em sua compreensão, era o mais importante.

E agora, chegou a vez de Eugeo. O que era exatamente o mais importante nem sequer conseguia colocar em palavras, apenas sabia que deveria ser feito, mesmo que muitas pessoas nesse mundo veja isso como maldade.

“Eu…!”

Com um grito silencioso, ecoando apenas em sua mente, Eugeo começou a sacar a Blue Rose Sword de sua bainha.

Porém…

CLANK!!!

Não somente a espada, mas seu braço inteiro congelou de repente no meio do movimento de saque.

Ao mesmo tempo, uma indescritível pontada de dor atravessou seu cérebro, queimando toda sua cabeça, vinda de seu olho direito.

Fagulhas vermelhas explodiram pelo raio de sua visão e sua consciência começou a mergulhar em sombras.

“…Mas… o que é isso?

…É igual, porém, diferente… daquela vez…!!”

Há oito anos. No momento que tentou ajudar Alice que estava sendo levada pelo Integrity Knight na praça de Rulid, aconteceu isso também.

Mesmo com a espada em punho, Eugeo não podia movê-la e tirá-la completamente da bainha, muito menos falar qualquer coisa.

A sensação de incapacidade de controle do corpo ficou infinitamente mais forte, nem ao menos tremia, estava como um objeto estático, uma cadeira com o mínimo sinal de consciência…

Raios e Wanbell deram uma rápida olhada para a estranha pose congelada de Eugeo, que parecia tentar puxar a espada, mas que não se movia um milímetro. Percebendo isso, apenas seguiram rindo dele.

Continuaram esfregando seus corpos com as roupas semiabertas nas duas garotas que agora gritavam em agonia, presumindo o que viria a seguir.

Nesse instante, Eugeo viu flutuando no ar uma estranha marca.

Bem em frente ao seu rosto pálido, como se estivesse sendo projetada por seu olho direito e brilhando em um vermelho vivo, várias letras na língua sagrada se alinhando em um círculo. Com o que sobrava de raciocínio, tentou compreendê-las.

Dizia: [SYSTEM ALERT: CODE871], mas não sabia o que isso significava e nem se tinha lido corretamente.

Porém, seus instintos o fizeram compreender o que era.

Provavelmente aquele sinal era alguma espécie de selo. Um selo aplicado no fundo de seu olho direito para assegurar que ele jamais infringiria as leis, detendo seus movimentos em cada situação em que isso se tornasse possível, exatamente como na ocasião com Alice.

“Ugh…uo…!!!!”

O limite de sua consciência havia chegado ao fim, não lhe restava mais tempo para ponderar.  Eugeo concentrou sua visão através do selo, focando Raios e Wanbell a ponto de penetraram os corpos das duas garotas.

Imperdoável. Realmente imperdoável.

Transformando todo seu ressentimento em força e a direcionando para aqueles dois seres sobre Tiezé e Ronye, Eugeo moveu a mão direita…

Dentro da bainha, a espada respondia a vontade de seu mestre e deslizava pouco a pouco. As letras sagradas em seu olho ficavam mais e mais brilhantes à medida que se movia e também começaram a rotacionar.

“N-NNãããoo-! S-Senhor Eugeoo!”

Tiezé gritou e em resposta…

“U..OOOAAAAAAHH!!!”

Eugeo também gritou com uma força que não tinha até então…

Com explosões de luz prateada saindo de seu olho direito, o globo ocular de Eugeo se desfazia em fragmentos e voava para fora de seu lugar com uma sensação aguda de dor e queimação.

Sem campo de visão foi imediatamente cortado pela metade, mas Eugeo não mais reconhecia aquilo como um impedimento, como dor ou como qualquer outra coisa. Apenas puxou selvagemente a Blue Rose Sword de sua bainha.

Enquanto a lâmina era retirada, já foi mostrando um incrível resplendor azul.

Esse era o movimento secreto do Estilo Aincrad, Horizontal.

Provavelmente percebendo o golpe que lembrava um relâmpago de canto de olho, Raios instantaneamente colocou toda a vontade em seu corpo para desviar.

Conseguiu evitar o choque direto, mas a luz do golpe raspou parte da sua grande cabeleira loira e a desintegrou na hora.

Porém, Wanbell que estava muito próximo, não conseguiu ser tão ágil em desviar ao perceber o golpe de Eugeo vindo. Parou seu corpo no momento em que estava prestes a penetrar Ronye e tentou girar para a esquerda com uma expressão de puro espanto.

“SHIIIN!!”

Com um curto e limpo som, a Blue Rose Sword passou sem esforço algum e levou tudo que havia abaixo do cotovelo esquerdo de Wanbell, que instintivamente havia levantado para se proteger.

Sem nenhuma resistência, o pedaço cortado do braço voou pelo quarto e caiu no extravagante tapete do outro lado.

Ninguém se moveu ou falou por um momento.

Com sua espada terminando de percorrer o caminho do ataque, Eugeo sentiu a dor no local onde deveria estar seu olho e onde agora, só havia um buraco.

Consequentemente…

Uma grande quantidade de sangue jorrou do membro cortado de Wanbell. A maior parte escorreu pelo tapete, mas algumas gotas respigaram no lado esquerdo de Eugeo, manchando seu uniforme azul índigo.

“NÃ… AAAHH… AAAAHHHH… !!!???”

Esse grito agudo saiu da garganta do nobre. Seus olhos e bocas escancarados, olhando para a imensa quantidade de sangue que saía do que que havia sobrado de seu próprio braço.

“Mm… me… meu b-braço…!! S-Sangue… muito sangue… ! Minha vida… minha vida está baixando!”

Mesmo agarrando sua parte cortada com a mão direita, o sangue não estancava. Enquanto o fluído vermelho se esvaía, correu até Raios, que estava parado à sua esquerda.

“Lo-Lorde Raios!! Arte sagradas!! Não, as artes não ajudarão agora… Por favor!! Compartilhe sua vida comigo…!”

A ensanguentada mão direita se esticou tentando agarrar Raios, que suavemente se esquivou e se afastou.

Tiezé e Ronye pareciam ainda não ter compreendido o que tinha acontecido, já que continuavam imóveis na cama sem expressão.

“L-Lorde Raios, sua vida!!”

Raios que olhava Wanbell, que seguia gritando, com os olhos em uma mescla de curiosidade e surpresa, falou:

“Pare com esse escândalo, Wanbell. Não perderá toda sua vida com somente a perda de um braço… pelo menos foi o que li em algum livro…, eu acho… Use essas cordas de seda aí e faça um torniquete para estancar o sangue!”

“Mas como eu…?”

“Esqueça isso e vamos nos ater ao mais importante agora! Você acredita no que acabou de acontecer aqui?”

Ignorando os lamentos de Wanbell, que tentava usar a corda que tinha amarrado as pernas das garotas em sua ferida freneticamente, Raios observou Eugeo que estava se endireitando após finalizar seu movimento de espada.

“Quem cortou seu braço fora foi a espada dessa pessoa ali.

Magnífico… essa é… a primeira vez que vejo alguém cometer um tabu desses. Eu até esperava que fizesse algum ato de desrespeito, mas… violar logo o Índice de Tabus? Ah! … Isso sim foi uma surpresa!”

Ainda com seu corpo exposto na parte de cima, Raios caminhou até a parede oposta da cama e sacou sua espada da bainha.

Ajustou seu casaco e disse:

“A autoridade para julgar pode ser usada somente em nobres de classe inferior e naqueles que vivem em meus domínios, mas… essa restrição já não importa contra alguém que cometeu um tabu tão grave. É meu dever como cidadão desse mundo lhe julgar.”

Enquanto dizia essas palavras com mais entusiasmo do que quando estava se divertindo com Tiezé, brandiu a espada prateada sobre sua cabeça com a mão direita.

Lá fora da janela, um imenso relâmpago com trovões iluminaram o quarto com um som parecido com um rugido. A violenta luz refletiu na lâmina prateada e chegou até o olho esquerdo de Eugeo.

Raios Antinous julgará Eugeo com essa espada…. em outra palavras, ele está claramente dizendo que irá assassiná-lo.

Independente disso, Eugeo não se moveu. Apesar de violar o Índice de Tabus, ultrapassando o estranho e desconhecido selo implantado em seu olho, sacrificando-o no processo, o impacto de ter mutilado o braço de Wanbell com sua espada tinha sido demais para ele.

De maneira que não conseguia mais sequer empunhar sua espada ou fazer qualquer outro movimento.

“Kukuhu… que lamentável, espadachim em treinamento Eugeo. Eu planejava em cruzar espada com você no torneio oficial do próximo mês. Realmente não consigo acreditar que esteja dizendo adeus a tudo isso que conquistou, dessa maneira tão patética.”

Falando com uma voz mesclada com uma alegria afetada, Raios foi se aproximando.

Eugeo apenas observou a espada erguida através de seu olho esquerdo.

Não posso morrer aqui, foi o pensamento que surgiu em sua mente. Mas essas palavras estavam totalmente enfraquecidas.

Morrerei se não me mover.

Naquele momento quando atacou, ele pensou que o sonho em se tornar um Integrity Knight e encontrar Alice desapareceria. Sua espada se banharia em sangue humano e Eugeo se tornaria um criminoso. Mas ainda assim, ele queria ajudar Tiezé e Ronye.

Dessa forma, Raios e Wanbell não seriam mais capazes de molestar essas duas garotas novamente. Mesmo que cometesse um terrível crime, ainda havia uma parte dele que sentiria alívio.

“Kuhuhu, essa é… é a primeira vez que cortarei o pescoço de um humano. Não, inclusive meu pai ou tio, nenhum deles devem ter feito isso antes.

Assim que eu conseguir, ficarei muito mais forte… até mesmo mais forte do que o herdeiro da família Levanteinn.”

A espada de Raios e seu rosto se iluminaram com outro relâmpago. Até Wanbell, que estava abraçando seu braço esquerdo, ficou prestando a atenção, como se tivesse esquecido de sua ferida.

Nesse momento Tiezé, que permanecia amarrada na cama, fez de tudo para falar algo.

Eugeo devolveu apenas um pequeno sorriso para a novata que lhe serviu como valete, mesmo que somente por pouco mais de um mês e inclinou a cabeça para baixo, aguardando o golpe final…

“Espadachim em treinamento Eug-… não…, criminoso Eugeo! Eu, o filho mais velho de uma casa nobre, Raios Antinous, te executará em nome da autoridade de julgamento dos nobres! Ofereça a sua vida para Deus… e se arrependa de seus crimes!”

Raios Antinous gritou e sua espada brilhou…

CLANK!!!

O som de uma pesada colisão foi ouvido.

A espada não chegou até a sua cabeça.

Eugeo levantou lentamente seu olhar e então viu.

Embaixo da espada de Raios, na metade de seu caminho, havia outra… espada de cor negra detendo seu avanço.

A cor da manga da vestimenta que cobria o braço que segurava a espada também era negra, assim como os cabelos molhados de chuva desse intruso.

“Ki-Kirito…”

Ao dizer seu nome, seu companheiro, que tinha ido ao dormitório dos novatos buscar Tiezé e Ronye, assentiu levemente com a cabeça, enquanto movia seu lábios dizendo um silencioso ‘-Me desculpe’.

Depois disso ,falou com uma voz firme.

“Afaste sua espada, Raios! Não deixarei que encoste em Eugeo ou quem quer se seja.”

Com isso, a boca de Raios se torceu por um momento por puro nojo, mas que se tornou um sorriso afetado enquanto respondia.

“Assim, que finalmente chega o espadachim em treinamento Kirito. Mas como pode ver… chegaste tarde! Esse indivíduo aí já não é mais um estudante dessa academia, inclusive um morador desse império.

É agora um terrível criminoso que desobedeceu o Índice de Tabus! Portanto, eu, Raios Antinous, o primogênito de família nobre e o espadachim de elite comandante em treinamento, tenho a autoridade para julgar seu crime.

Se afaste você e fique apenas observando… como a cabeça deste criminoso cai no chão, como uma flor arrancada!”

Em frente ao longo discurso de Raios, Kirito franziu a testa e respondeu de maneira bem mais curta e contundente:

“Guarde esse papinho para quem se importa! Estou pouco ligando para esse tal Índice de Tabus ou essa porcaria de autoridade dos nobres para julgar!”

Sem nenhuma intensão de falar polidamente, ele perfurou Raios com um olhar cheio de raiva e continuou.

“Eugeo é meu amigo. Ao passo que você é apenas um pedaço de lixo, pior do que os goblins do Dark Territory.”

Ao ouvir essas palavras, o rosto de Raios tremeu pela primeira vez, então o ódio se mesclou novamente com aquela alegria sádica que havia demonstrado antes.

“Mas veja só isso! Esses dois idiotas realmente cometeram delitos um após o outro. Traição contra a própria pátria é isso que é!

Devo agradecer profundamente, pois com isso, poderei julgar vocês juntos. Realmente um dia muito promissor… Como sou abençoado! Isso deve ser um presente de Stacia.”

Recolhendo sua espada, se colocou novamente em posição de ataque, com a lâmina no alto. Mas dessa vez, segurava a espada com as duas mãos.

Projetou um pouco seu corpo para frente e baixou seu centro de gravidade para ativar o seu golpe preferido…

O movimento Heavenly Mountain Wave Rending.

Ao ver essa posição, Eugeo instintivamente tentou se levantar.

Kirito havia enfrentado o líder anterior dos espadachins em treinamento, Uolo Levanteinn e conseguiu destruir seu melhor golpe com seu movimento do Estilo Aincrad de quatro golpes, Vertical Square.

Porém, a energia sinistra que saía do golpe de Raios, excedia em muito ao de Uolo. Era provável que não podia se igualar com Uolo em matéria de habilidade, mas seu orgulho distorcido de nobre, estava no máximo e isso aumentava o poder de sua espada.

Seria muito perigoso enfrentar algo assim, mesmo para Kirito.

Eugeo fez todo o possível para despertar seu corpo, mas não conseguia reunir forças suficientes em suas pernas.

Porém, seu companheiro, tocou levemente seu ombro direito e disse baixinho:

“Está tudo bem.”

E o conduziu gentilmente até a parede ao lado, antes de agarrar sua espada negra com as duas mãos.

Sua consciência ainda estava um pouco nublada, mas ainda assim Eugeo tentou prestar o máximo de atenção ao que acontecia, arregalando seu olho esquerdo.

O Estilo Aincrad deveria ser muito similar ao Estilo de Zakkaria, com a maioria de suas habilidades utilizando uma empunhadura simples.

Especialmente para os movimentos secretos, os quais nenhum deles eram ativados usando as duas mãos. Mesmo porque, tanto a espada dele quanto a de Kirito, não eram longas o suficiente para golpes de ambas as mãos.

“…!”

Justamente enquanto pensava isso, Eugeo foi pego de surpresa.

Deixando escapar pequenos sons parecidos com guizos, repentinamente a espada de Kirito começou a aumentar de tamanho, tanto em lâmina quanto em empunhadura. Com isso, seu alcance também aumentou consideravelmente, porém, ainda menor do que a espada de Raios.

Kirito segurava a espada redimensionada com as duas mãos no lado direito. A lâmina fez o ar tremer enquanto brilhava em tons de verde. Percebeu que aquela habilidade não pertencia ao Estilo Aincrad. Já havia visto aquela postura algumas vezes nas partidas oficiais no ano anterior, era o movimento secreto do Estilo Serlut, Whirling Current.

Raios também percebendo qual era o golpe, disse:

“Kuh… kuhuhu… que golpe desesperado! Destruirei a imitação de um estilo ridículo com meu movimento secreto!”

“Venha Raios! Vou fazê-lo pagar toda sua dívida!”

Ambos espíritos de luta inundaram o quarto, era impossível dizer quem era o mais alto, pois tudo estava tingido de vermelho e verde.

Wanbell, acovardado no chão perto da cama, Tiezé e Ronye imóveis ainda imóveis e Eugeo se apoiando na parede. Todos estavam magnetizados, observando o duelo dos dois espadachins.

Não seria um erro imaginar uma luta dessas nas finais das disputas da academia, com uma plateia empolgada e torcendo, porém hoje, a situação estava longe de ser algo para diversão e demonstração.

Ao soar o próximo trovão, os espadachins se moveram ao mesmo tempo.

“Keeyyaaaa!!”

Junto com seu grito de guerra, Raios brandiu sua espada para baixo.

“Seyaaaaa!!”

Kirito fazendo o mesmo, cortou diagonalmente para cima com sua espada.

A duas lâminas se chocaram com fagulhas vermelhas e verdes voando para todos os lados com o impacto, fazendo com que as janelas se quebrassem com a vibração.

Enquanto vislumbrava as lâminas negra e prateadas se chocando entre si, Eugeo finalmente entendeu porque que Kirito não utilizou o Estilo Aincrad.

Habilidade de empunhadura simples, se sobressaem em velocidade e isso era uma verdade, porém, não poderiam se defender de um golpe do estilo de Raios, com apenas um movimento. Para ser possível ganhar da aterradora força, teria que conectar mais dois ou três golpes ao saltar para trás no momento da colisão e assim finalizar com mais um ataque, mas isso seria impossível de executar dentro desse quarto, que era muito estreito.

Se o duelo fosse na sala ao lado, Kirito poderia lutar livremente e proteger a todos sem esforço da lâmina depravada de Raios.

Foi por essa razão que Kirito não usou seu estilo próprio e sim o movimento secreto de duas mãos do Estilo Serlut.

“Ki-Kirito…!”

Ao mesmo tempo em que disse o nome de seu companheiro com sua ressecada garganta, ele viu o ombro esquerdo de Kirito se deslocar para baixo.

Com um som gritante das espadas, a lâmina negra de Kirito retrocedeu.

Os olhos e boca de Raios se abriram em uma bocarra digna de um orc e um grito saiu dela.

“Que tal? Que tal!? Achou que conseguiriam fazer frente ao meu poder? Seu bando de bastardos sem sobrenomes! Não existe maneira de eu, o grande Raios Antinous, seja derrotado! Mesma que tenha conseguido fazer flores mortas viverem novamente com alguma técnica suspeita, não poderá avançar mais do que isso. Diante a minha espada, nenhuma falsa habilidade funcionará! Sinta o meu podeeeeeeerrrrr!!”

O espírito de Raios foi envolvido por uma energia vermelha escura que excedia a extensão da sua lâmina e passava por todo seu corpo, enquanto que a energia esverdeada de Kirito diminuía e tremulava.

“Kiri…”

Quando ia chamar por seu amigo mais uma vez, Eugeo se deu conta de uma coisa…

O Whirling Current foi detido pelo golpe de Uolo da mesma forma.

Foi durante o duelo final da academia. Sortiliena tinha sido empurrada para trás, até cair sobre o joelho pela força do golpe de Uolo, igual ao que acontecia com Kirito nesse momento… justamente quando…

“Uooooooo!!”

Kirito rugiu mais uma vez. Um forte brilho verde saía da espada negra, engolindo todo o quarto.

Era o segundo ataque do movimento secreto, um ataque de empunhadura simples.

O mesmo incrível movimento que Liena usou para derrotar Uolo Levanteinn.

Normalmente, os movimentos secretos são cancelados quando suas formas são destruídas. Então, somente quando a lâmina percorre a trajetória correta que o golpe pode continuar. Havendo notado isso no duelo de Kirito com Uolo, Sortiliena criou e dominou em menos de um mês, o segundo golpe do movimento secreto do Estilo Serlut, Whirling Current.

Kirito era o valete de Sortiliena, mas ela se graduou logo após a batalha final, assim, que não houve tempo dela ter ensinado aquela técnica para ele.

Em outras palavras, ele tinha dominado aquele movimento incrivelmente difícil de sua mestra, vendo a técnica apenas uma única vez.

Kirito era realmente incrível…, assim como sua mestra.

Essa deveria ser sempre a relação entre os espadachins em treinamento e seus valetes.

Era definitivamente a essência por trás da espada.

Lágrima fluíram do olho esquerdo de Eugeo. Estava profundamente afetado por todo o significado daquela magnífica técnica executada. Em seu íntimo pediu por mais tempo para poder estudar a fundo as técnicas com espada.

Enquanto isso, em seu campo de visão borrado, viu o Whirling Current acelerar o corpo de Kirito que cortou a espada de Raios perfeitamente ao meio e…

… os dois braços do líder dos espadachins de elite em treinamento se romperam, destroçados na altura dos pulsos.

Jogado para trás e aterrissando com um baque surdo de costas no tapete, Raios olhou a metade inferior de sua espada longa e as duas mãos que estavam agarrando a empunhadura, rodando no ar a pouca distância, com um olhar de pura incredulidade.

Depois olhou para seus próprios braços. Os braços brancos estendidos com o seu abrigo vermelho brilhante perfeitamente cortados.

Uma grande quantidade de sangue fresco jorrou aos borbotões de ambos os cortes, tingindo seu peito e estômago, da mesma cor que suas roupas.

“N…N… NÃÃÃÃÃÃÃÃOOOO !!!!!!!”

Gritando desesperadamente com sua voz aguda.

“M… Meus braços!!!Meus braços!!! Sangue, Sangueeee!!”

Sword Art Online - Alicization - Turning - Volume 11 - Kirito x Raios

Parece que Raios, que tinha repreendido Wanbell, quando este se desesperou ao ver que tinha perdido seu braço, não conseguiu manter a calma que havia aconselhado ao seu companheiro.

Tinha nos olhos arregalados um brilho desesperado enquanto olhava ao redor, até ver Wanbell encolhido em um canto.

Se aproximou, caindo de joelhos e gritou:

“Waaaannbeeeellll!! Sangue!!! Estanque meu sangramento!! Vamos, tire as cordas de seu braço e amarre os meus!!”

Ao que parecia, mesmo Wanbell que sempre seguia as ordens de Raios, não podia cumprir essa especificamente.

A confirmação era que ao ouvir Raios, ele agarrou seu braço cortado e amarrado enquanto negava com a cabeça.

“N-Não! S-Se desamarrar isso, a minha vida que irá se esvair!”

“O-O que está dizendo? Wan… bell, quer que minha vida se…”

A voz de Raios se deteve.

A opção era pegar as outras cordas, mas elas estavam ainda atadas em Tiezé e Ronye.

Se usasse elas, poderia tentar estancar o fluxo de sangue. Porém não tinha as mão para fazer isso e se seu companheiro tentar desamarrar elas, certamente iria abrir mais a ferida não curada de Wanbell e sua vida desceria, igualmente se ele tirasse a força as que estão no braço dele.

Reduzir a vida de outro sem uma razão válida ou o consentimento da outra pessoa era uma clara violação de Índice de Tabus.

“Mas… meu sangue está… Wanbell, você… Índice… Tabu… minha vida… vida…”

Raios começou a balbuciar palavras sem coerências com histeria na voz. Enquanto o sangue continuava fluindo para fora de seu corpo sem misericórdia.

Ele olhava desesperadamente para Wanbell que estava visivelmente apavorado e se encolhendo cada vez mais no canto do quarto.

Raios Antinous, o sucessor de uma família nobre de terceira classe, agora estava em uma situação onde deveria escolher entre sua própria vida e o Índice de Tabus.

Para ele, no gigantesco orgulho que tinha, fazia considerar que sua vida era mais importante do que qualquer outra coisa. Porém, ao mesmo tempo, não podia ir contra a lei absoluta, o Índice de Tabus.

Caso tentasse, seria taxado como criminoso, tal como Eugeo a quem tentou decapitar.

“Ahhhhh… tabu… vidaaa… sangueeee… tabuuuu… !!!”

Kirito se aproximou de Raios que continuava gritando.

Parou à dois mels dele o encarou e foi até a cama, onde estavam Tiezé e Ronye amontoadas uma sobre a outra.

Tocou-lhe os ombros para acalmá-las enquanto assentia com a cabeça, depois começou a desamarrar a parte superior de Ronye.

Talvez ele estivesse pensando em usar a corda para estancar o sangue de Raios, mas o nó que usaram era muito apertado e não desatou facilmente. Nesse meio tempo, o líder dos espadachins pareceu entrar em frenesi, com o volume de sua voz amplificando-se.

“SANGUE…. TABU…. VI… DA… DA… AAA!!”

Então Raios jogou violentamente seu corpo para trás, se contorcendo e dizendo palavras incompreensíveis.

E quando Kirito finalmente tinha em mãos a corda, aconteceu…

“VIDAA, DABUU, IDA, BuU, TADIiiI AaA….III I I iii!!!!”

A voz de Raios soou de modo muito peculiar, como se fosse gerada por algo metálico. Poderia ser considerada um grito de alguma besta, mas também era diferente, em nada parecia um ser humano…”

“IiiaAaIIIdDDaaa, i, aaa, iahratrhhhrrrrraaaaaiiatttrr-”

Aquele som foi interrompido repentinamente.

Raios Antinous se contorceu uma última vez até que parou definitivamente, caindo com um som surdo.

O sangue continuou fluindo lentamente de seus braços, porém, Eugeo compreendeu que não havia mais vida naquele corpo.

Kirito ficou congelado com uma expressão em um misto de pena e dor, nada mais justo considerando a ocasião. Tiezé e Ronye estavam freneticamente se desamarrando sem dizer uma palavra.

Arregalando os olhos, Wanbell se arrastou até o corpo de Raios.

“E-Eeekk!!”

Um grito de medo ecoou no quarto.

“Lo-Lo-Lo-Lorde Raios… está… morto…! V-V-Você… você o matou!! Você o matou! S-Seu assassino!! Seu m-monstro!!! Monstro…! Monstrooo!”

Com visível pavor de Kirito, foi se afastando, cambaleante até a outra sala.

Se agarrando às paredes, trôpego pela grande perda de sangue, saiu para o corredor em direção às escadas. Caiu umas quantas vezes nesse caminho, para enfim, sumir de vista berrando.

Eugeo observou Wanbell sem fazer nada, não tinha ideia do que aconteceria dali em diante. Tanta coisa havia ocorrido nesse curto espaço de tempo, que até o problema de seu olho direito parecia ser apenas um aborrecimento trivial.

Por hora, embainhou a Blue Rose Sword e se levantou com dificuldade.

Primeiro olhou para Kirito e depois se encaminhou para perto de Tiezé que já estava sentada na cama.

Porém, se deteve no meio da ação. Ele era agora um criminoso que tinha ido contra o Índice de Tabus e cortado o braço de Wanbell. Para uma garota de apenas dezesseis anos, ele deveria ser igual à Raios… ou talvez um ser ainda pior, uma abominação.

Por esse motivo, não iria forçá-la com sua terrível presença.

Então, decidiu que não deveria olhá-la nos olhos, por isso baixou sua cabeça e começou a retroceder.

E no momento que iria embora, a pequena figura saltou em seu peito.

O cabelo vermelho desordenado estava afundado no seu uniforme. Ao mesmo tempo que uma voz chorosa chegava aos seus ouvidos.

“Me desculpe… eu sinto, eu sinto muito… senhor Eugeo…, tudo isso foi… minha culpa…!”

Eugeo imediatamente negou com a cabeça.

“Nada disso foi sua culpa, Tiezé. Acredite em mim quando digo isso!”

“M-Mas… mas…!”

“Tudo vai ficar bem, agora vocês duas já estão salvas. E para falar a verdade, eu sou o único que tem que se desculpar… Perdão por fazê-las sofrerem tanto.”

Ao dizer isso, acariciou os cabelos de Tiezé, que desabou a chorar ainda mais forte. Ronye fazia a mesma coisa, agarrada em Kirito.

Os olhos dos dois amigos se encontraram e fizeram um leve sinal de afirmativo.

Nesse instante Eugeo percebeu que o rosto de Kirito franziu e se ergueu um pouco para cima, como se alguém tivesse lhe puxado os cabelos e sua expressão mudou para algo entre assombro e incoerência. Instintivamente olhou para o local onde o Kirito havia focado.

No teto do quarto, em um dos cantos, havia surgido um quadrado flutuante de cor violeta, parecido com uma janela de Stacia, porém muito maior. Dentro dessa janela, um rosto olhava para todos no quarto… Era impossível definir se era homem, mulher, jovem, velho ou até mesmo definir se era um ser humano. Suas feições eram muito estranhas, com olhos brancos e pele incrivelmente pálida, sem cabelos, era quase como uma escultura de vidro.

Creio que vi essa mesma pessoa em algum lugar do passado

Quando Eugeo disse isso, aquele ser abriu a boca fazendo menção de falar algo.

Kirito imediatamente virou para seu amigo e disse baixinho.

“Tiezé e Ronye não podem ouvir isso!”

Eugeo agiu rapidamente, abraçando a cabeça de Tiezé enquanto ela seguia chorando e Kirito fez o mesmo com Ronye.

“UNIDADE SINGULAR DETECTADA. RASTREANDO ID…”

Uma misteriosa voz saiu daquele quadrado violeta, não, daquela janela. Pensou que aquelas palavras deveriam ser algum tipo de arte cerimonial sagrada, porém não sabia o quê. Depois de pouco tempo em silêncio, falou novamente:

“COORDENADAS ATUALIZADAS. REPORTE COMPLETO.”

Assim que disse isso, a janela desapareceu. Um fenômeno estranho, mas a mente de Eugeo estava muito cansada para sentir surpresa ou medo. Resolveu que deixaria as explicações para Kirito.

A tempestade já tinha se ido sem ninguém perceber e os únicos sons agora eram dos soluços da duas meninas. Eugeo abraçou um pouco mais forte a sua pequena aprendiz enquanto baixava a vista até o chão.

O corpo de Raios Antinous continuava estirado no tapete, com seus dois braços cortados e aparentemente, sem nenhuma gota de sangue em seu interior.

Kirito foi quem havia cortado Raios, porém, Eugeo tinha cortado o braço de Wanbell também, de qualquer forma, os atos criminosos eram os mesmos. Incrivelmente, ainda conseguia ouvir os gritos de Wanbell em seus ouvidos.

Assassino! Monstro!

Essas palavras que só apareciam em velhos contos que seu avô lhe contava e que deixava ele e seus irmãos cheios de medo quando eram pequenos.

Geralmente eram adjetivos que os demônios e meio-humanos do Dark Territory recebiam.

Eugeo tinha confirmado isso quando os encontrou na caverna na borda da serra montanhosa, anos atrás.

…Certo, agora sou igual aos goblins. Pensou Eugeo. O humano chamado Wanbell Zizek… meu colega nessa academia, essa pessoa perdeu seu braço cortado pela minha espada em um ataque de fúria.

Sendo esse o caso, eu não deveria ao menos demonstrar que sou diferente desses goblins e orcs, julgando a mim mesmo? Creio que não deveria, após ter me tornado um monstro desses, receber um abraço tão carinhoso quanto o que recebo de Tiezé…

Fechou o olho e nesse momento, quando começou a ser tomado por uma angústia, sentiu um aperto firme em seu ombro esquerdo.

Percebeu que Kirito estava de pé ao seu lado.

Seu amigo lhe disse calmamente como se estivesse lendo seus pensamentos até agora.

“Você é um ser humano, Eugeo. Igual a mim e essas duas… que comete erros mas que busca sempre um significado para as coisas… é assim que são os seres humanos.”

Eugeo sentiu descer pelo rosto um fluído quente de seu único olho restante. Pensou que poderia ser sangue como o que estava saindo do buraco onde deveria estar o outro olho, mas depois se deu conta de que eram lágrimas.

Elas escorriam de maneira incontrolável, passando pela sua bochecha e caindo sobre a cabeça de Tiezé.

Depois de pouco tempo, a menina olhou para ele, com seus olhos refletindo uma luz cálida e reconfortante, pegou um pequeno lenço no bolso de seu uniforme com um quase imperceptível sorriso e tocou suavemente o rosto de Eugeo, secando suas lágrimas…

É COMO DIZ O DITADO AQUELE, VÃO AS MÃOS E FICAM.. NÃO, NÃO FICAM NADA!! TOMA!! SEUS MALEDETOS!!!

SÓ EU FIQUEI ALIVIADO VENDO  QUE ESSES 2 CARINHAS NÃO VÃO MAIS INCOMODAR NINGUÉM?

BOM, A PARTE 4 ACABOU, NOS VEMOS SEMANA QUE VEM !!!

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

E deixe o som rolar…