Sword Art Online Alicization Running em Português – Underworld – Capítulo 3 – Parte 4

Arco: Alicization – Running

Parte 4

Sword Art Online - Alicizatio - Running - Volume 10 - Kirito x Egome
Estilo Aincrad, Snake Bite…

O campanário da igreja de Zakkaria anunciou a chegada do meio dia sob fortes aplausos dos espectadores.

Em meio aos gritos de alegria e fumaça, os cinquenta e seis participantes do torneio se alinharam em duas filas e saíram do vestiário em direção ao centro da arena que havia se formado na praça. A fila de Eugeo deu a volta até ficar no lado direito da plataforma no bloco leste, enquanto a fila de Kirito foi para a esquerda da plataforma no bloco oeste. Todos os participantes perfilados se voltaram para o líder de Zakkaria, sentado no espaço VIP, e fizeram uma grande reverência e saudação.

O atual líder, Kelgam Zakkalight, terminou a abertura com um curto discurso que foi precedido de mais aplausos, que enfim, deu início ao torneio.

Porém, essa ainda era a parte das preliminares, de maneira que o número de participantes deveria ser reduzido pela metade, vinte e oito.

Os competidores caminharam até um pequeno palanque nos seus respectivos blocos e um a um, foram mostrando seus ‘Estilos’.

O termo ‘Estilo’ se referia à trajetória que as espadas traçavam em determinado movimento. Por certo, uma série de ações padrões haviam sido designadas para essa etapa. Os pré-requisitos avaliados em cada uma dessas ações eram: precisão, ferocidade e elegância.

Para o observador, que havia acompanhado os treinamentos dos dois rapazes nesses últimos cinco meses, a sua única preocupação era com Kirito. Tudo devido aquele misterioso ‘Estilo Aincrad’ que ele utilizava, pois nesse torneio, especificamente nessa parte, os movimentos mais apreciados deveriam ser os do Estilo Zakkalight.

Já que os juízes eram praticamente todos oriundos da guarda de Zakkaria, acabariam não vendo com bons olhos os participantes com movimentos desconhecidos. Era provável que perdessem pontos ou até mesmo, nem se qualificassem justamente por isso.

Em sua vez, Eugeo levou aproximadamente dez segundos para cada movimento, cem segundos no total. Todos realizados sem um erro sequer, mostrando certa elegância como se estivesse dançando. Isso tudo era resultado de seu intenso treinamento e prática, dia e noite e também auxiliado pelo seu alto nível de Autoridade de Controle de Objetos, pois para ele, a espada que emprestaram era tão leve quanto um pequeno graveto.

Ao ver sua performance, os espectadores explodiram em salva de palmas e gritos, superando as comemorações dos outros que já haviam se apresentado.

Os juízes provavelmente não queriam dar àquele misterioso visitante uma pontuação muito alta, mas não tinha como julgar pelos seus sentimentos e sim pela inegável habilidade mostrada e também que estavam presos pela regra de que ‘os pontos devem ser dados única e exclusivamente baseados na apresentação’.

Porém, seria totalmente diferente se um Nobre Imperial estivesse julgando, pois eles não são presos a regra nenhuma, ficando livre para julgar como quisessem. Por sorte a única autoridade no local era Kelgam Zakkalight, com o quinto grau de nobreza e ele não era um dos juízes.

Ao terminar sua apresentação, Eugeo desceu do pequeno palanque e secando o suor de sua testa, olhou para seu amigo do outro lado e sorriu. Kirito levantou seu polegar em resposta, mas honestamente, ele era o fator mais incerto desse torneio.

Dois minutos depois foi a vez de Kirito ser chamado.

Ele caminhou até o palanque e subiu sem demonstrar nenhum receio ou sinal de tensão, e essa era justamente a atitude que mais deixava o observador apreensivo.

Não faça nenhum movimento maluco agora! Só faça o que está estipulado!

O observador se agarrou mais firme nos fios de cabelo tentando conter seu nervosismo.

Kirito parou no meio daquele simples palanque e fez uma reverência para o líder no assento VIP e imediatamente desembainhou sua espada.

Aquela ação tão impaciente causou estranheza nos juízes que franziram a testa imediatamente. Porém, Kirito ignorou e se colocou em posição para o primeiro movimento, levantando a espada com a mão direita e…

“ZUMM!!”

Como um raio, uma forte onda de impacto sacudiu a arena.

“BUUUSH!!”

O vento deslocado pela incrível oscilação da lâmina alcançaram as grades onde estavam os demais espectadores à 20 mels de distância.

Gritos puderam ser ouvidos de pessoas assustadas e angustiadas na plateia e fazendo alguns descendentes de nobres levantarem de suas cadeiras.

Essa reação das pessoas foi compreensível, já que o movimento que Kirito deveria completar em dez segundos mais ou menos ele o fez em apenas dois à uma velocidade aterradora.

V-Você enlouqueceu de vez!!???

A vontade do observador nessa hora era de arrancar até o último fio de cabelo rebelde daquele garoto. Porém, logo se deu conta de uma coisa. Não havia de fato nenhuma cláusula nas regras do torneio que falava em quantos minutos cada movimento deveria ser executado. Em outras palavras, não era contra as regras terminar tudo rapidamente… mas ainda assim….

Kirito endireitou o corpo, balançando a espada enquanto olhava para a plateia no norte e começou o segundo movimento.

O vento da furiosa espada fez com que os cabelos de todos os espectadores levantassem, só que dessa vez, além dos gritos de surpresa, também houve muito aplauso. Logo, ao proceder para o terceiro e quarto movimento, de uma forma contínua, as salvas de palmas também aumentaram de intensidade.

Pensando bem, deve ser muito chato ficar vendo sempre as mesmas ações de forma cadenciada. E provavelmente essa era a razão pela qual separam em dois blocos, cada um realizando os mesmos movimentos ao mesmo tempo. Dessa forma, tudo terminaria mais rápido.

Kirito não diminuiu em nada a velocidade durante os dez movimentos obrigatórios. E ao final, embainhou sua espada e fez um reverência para todos que estavam na arena, que mais uma vez, fizeram estrondosas saudações. Em meio à multidão, no bloco oeste, encontrou as gêmeas Wolde, Telin e Telulu. Como haviam prometido, estavam torcendo para eles junto com seus pais.

E é claro, quem veio até ele desviando da aglomeração que ocorreu, foi o integrante do bloco oposto, Eugeo. Parecia estar se esforçando para não agarrá-lo pelo colarinho da camisa quando disse:

“M-Mas o que você fez!?”

“Bom, pensei que todos esses movimentos iriam aborrecer todos que vieram aqui para assistir, de maneira que achei melhor acabar com tudo rapidinho, não foi legal?”

“M-Mesmo que isso não seja contra as regras, será que não pode fazer algo normal pelo menos uma vez na vida?”

“Ah! E também tem um porém, quando se faz um movimento muito rápido, mesmo que cometa alguns erros, ele passará batido hehehe…”

“…Eu desisto…”

Se for mensurar, Eugeo estava setenta por cento surpreendido e trinta por cento assombrado. De modo que não conseguiu dizer mais nada, apenas balançou a cabeça e relaxou os ombros.

“…Bom, espero que ao menos, os juízes o pontue de acordo com os aplausos que recebeu…”

Ao escutar isso, o observador concordou com Eugeo.

As preliminares acabaram levando mais uma hora, terminando somente quando o campanário soou avisando que já eram duas tarde. Os participantes novamente subiram no tablado montado para que os juízes anunciassem o nome daqueles que iriam para as finais.

O observador sentiu um grande alívio ao escutar o nome de Eugeo, seguido de Kirito alguns segundo mais tarde. Nunca havia tido tais sentimentos em todos esses anos, o que acabou deixando-o desconcertado.

Sério, quando foi a última vez em que me senti assim por alguém? Não, creio que essa é a primeira vez.

O restante, quarenta participantes, baixaram suas cabeças e voltaram para dentro do vestiário, sobrando somente oito competidores em cada bloco esperando na arena. Foi lhes dado água e um pouco de comida enquanto os espectadores também descansavam. Então trinta minutos se passaram e as finais deram início.

Nessa parte do torneio, haveriam lutas entre os membros, até que sobrassem apenas uma pessoa em cada bloco.

O dono da fazenda Wolde, Banou Wolde, havia contado à Kirito e Eugeo, que até algum tempo atrás, ocorria também uma batalha entre os ganhadores do dois blocos. A razão de mudarem essa tradição, foi que geralmente acontecia uma intensa batalha nessa luta específica, que levava ao derramamento de sangue. Então decidiram que isso não mais deveria acontecer.

E não somente o torneio de Zakkaria, mas todos os outros que aconteciam no Mundo Humano, essa regra também acabou sendo adotada.

Tudo isso para que o Índice de Tabus não fosse quebrado. A regra absoluta que não permitia baixar a vida de outras pessoas deliberadamente. E para que isso fosse cumprido em um torneio, ainda mais utilizando armas reais, o espadachim deveria ter uma esplêndida habilidade. O que era exatamente o intuito dessa competição, mostrar que mesmo com uma espada e atacando o inimigo, ainda possa ter controle e segurança para o lutador e a todos a sua volta enquanto sobrepuja o oponente.

Também essa era a maior razão pela qual todas as escolas de esgrima focarem no refinamento de seus estilos, movimentos.

Tudo com intuito de prevenir acidentes mesmo em uma luta contra o inimigo. Em resumo, não era uma batalha sangrenta visando a morte do outro e sim uma batalha de Estilo versus Estilo.

O que acabava ocorrendo era que um embate desses se limitava na repetição dos mesmos ataques e defesas em que o primeiro que se cansasse ou perdesse a concentração entre um golpe e outro, provavelmente seria o perdedor.

A única ocasião que era permitido que algum sangue fosse derramado eram nos torneios de alto escalão em Centoria Central, onde tinha a regra do ‘Primeiro golpe’ ou em eventos de grande prestígio organizados onde os Integrity Knight ou o pessoal da Academia de Maestria participavam.

Um fator que diferencia as Unidades Humanas dos demais seres viventes é algo chamado ‘emoção’. E essa era justamente a razão pela qual acabavam possuindo uma grande força, mas que também podia os deixar angustiados ou serem capazes de fazer coisas imprevisíveis.

Os incidentes que Banou Wolde comentou eram resultado da crescente emoção nos corações dos espadachins na hora da luta. Todos com um desejo ardente de ganhar, acabavam por se descontrolarem e atingirem os corpos de seus oponentes quando deveriam atingir apenas as armas.

É claro, nunca foi noticiado um ferimento fatal, pois caso acontecesse, a Igreja Axiom iria intervir          sem dúvida nenhuma. Porém, mesmo com apenas uma única gota de sangue, já era o suficiente para deixar as pessoas apavoradas. E com pensamentos e ações como essas, foi bem compreensivo que a batalha entre o bloco oeste e leste fosse cancelada.

Provavelmente esse dois jovens espadachins não sabem tudo sobre esse assunto. A meta era sair ganhador desse torneio, se destacarem entre a guarda da cidade e obterem o direito de realizar o exame para ingressar na Academia de Maestria de Centoria Central. Ir superando todos os obstáculos para um dia, quem sabe, se reunirem com Alice na Catedral de Centoria na Igreja Axiom.

“É impressionante tudo que terão pela frente, todas as dificuldades que enfrentarão, porém eles estão trilhando o caminho certo. Mas, se os dois ganharem realmente o direito de entrar na torre branca, eles terão que…

O sino das duas e meia da tarde interrompeu a linha de pensamento do observador. Depois disso, a orquestra, que estava alinhada em uma das extremidades da praça, tocou uma majestosa marcha, indicando que as lutas finais começariam.

A dupla que já haviam terminado o lanche, se levantou. Os olhos negros e verdes se encontraram enquanto seus punhos fechados se chocavam, para em seguida virarem e saírem em silêncio na direção dos seus respectivos blocos, sem a necessidade de olhar para trás.

Nas grades, onde até a pouco tempo na etapa preliminar ainda sobravam espaço, agora estavam abarrotadas de gente que se espremiam, gritavam de alegria, assoviavam e aplaudiam, formando um grande vozerio que era levado pelo vento.

O pessoal da guarda encarregado da segurança e organização do torneio, levou para perto dos juízes um grande rolo de papel, que ao desenrolar e estender sobre uma placa, mostrava escritas em negro com um formato padrão de embates de torneios, informando quem lutaria contra quem e em que ordem.

No bloco leste, a primeira luta de Eugeo seria no terceiro encontro da primeira rodada. Kirito também acabou lutando na terceira. Mas absorto a isso, o observador só ficou atento ao jovem aprendiz, que se descobriu chamar-se Egome, o mesmo que havia deixado Kirito interessado por alguma razão.

O encaminhou para o bloco do garoto de cabelos negro para obter mais informações sobre ele. E mesmo com um corpo tão pequeno, 5 mil, ainda conseguia sentir uma vibração estranha emanando daquele aprendiz, desde quando ele tinha enfiado a mão na caixa na hora do sorteio. Restava comprovar se seus movimentos eram compatíveis com uma simples Unidade Humana ou não.

Já a preocupação de Kirito parecia ser completamente diferente da do observador, pois não aparentava agora nenhuma surpresa enquanto lia aquele nome de Egome no cartaz da ordem das lutas.

Uma vez terminado o discurso do líder dos juízes, este desceu do ringue onde aconteceriam as lutas e sentou na cadeira.

O observador viu o primeiro e o segundo combate do alto da cabeça de Kirito e percebeu que as batalhas estavam sendo muito fáceis.

Era muito igual, geralmente o que começava atacando, continuava fazendo isso, usando habilidades bem básicas, três ou quatro vezes, enquanto o seu oponente ficava defendendo sem deixar nenhuma abertura e assim o embate se seguia com ocasionais faíscas voando pelos ares conforme as lâminas se chocavam.

Então em determinado momento as posições se invertiam, quem estava atacando começava a defender e quem defendia, começava a atacar e novamente uma série de golpes de ataques e defesa poderiam ser presenciadas.

Quem não estivesse muito acostumado com esses torneios, poderia até pensar em se tratar de algum treino, porém, diferente disso, ali eram utilizadas armas reais feitas de metal.

O que normalmente ocorria, era a diminuição de vida dos participantes por pura fadiga. E uma vez que caísse a determinado nível, seus movimentos começavam a demonstrar aberturas em suas execuções, tanto no ataque quanto na defesa. Então, o primeiro que falhasse em defender, acabava por permitir que seu oponente o tocasse com a ponta da espada, finalizando o combate. Tinha vezes em que acontecia de ambos se cansarem sem se acertarem uma única vez, aí a fadiga acabava por forçar um dos dois a gritar: ‘-Eu desisto!’… ou algo semelhante.

O que acontecia aqui era completamente diferente do que acontecia nos torneios das classes principais na Central, onde os lutadores se atacavam, avançando e retrocedendo todo o tempo. Porém, parece que todos os outros torneios no norte são como esse daqui.

O rapaz chamado Egome não deveria ter realmente nenhuma habilidade incrível, nesse caso, o terceiro encontro dessa competição terminaria certamente com uma vitória fácil para Kirito, já que sua Autoridade de Controle de Objetos era muito maior do que todos ali.

O observador perdeu toda a tensão que tinha a poucos momentos, justo na hora em que Kirito subia no ringue ao ser chamado para o combate.

No outro bloco do leste, Eugeo também tinha sido chamado para iniciar sua luta. Mesmo daquela distância, era possível ver que o seu oponente estava muito nervoso, pois nem tinha começado o combate e ele já estava ofegante e suado, o que também indicava que Eugeo passaria por ele sem problemas.

Mas ali, no bloco oeste, algo começou a ficar diferente…

Egome, estava parado bem próximo, olhando fixamente Kirito por debaixo de sua franja de cabelos cor de areia. Devido à proximidade, o observador conseguiu acessar sua janela de Stacia, que em virtude de seu tamanho, era praticamente imperceptível à olho nu, e mais uma vez não viu nada de extraordinário, inclusive, seus valores eram baixos até para rapazes da sua idade.

“...Então, porque Kirito está sendo tão cauteloso com ele?…

Os dois começaram a caminhar, desembainhando lentamente as espadas. O jovem juiz levantou sua mão direita e a deixou cair, gritando:

“COMECEM!”

Exatamente no mesmo tempo em que o juiz gritou, Egome avançou com tudo.

Normalmente, os dois espadachins iriam ficar frente a frente, se cumprimentarem e depois começariam a executar seus golpes, tudo isso para se acostumar com o ritmo um do outro. Era com isso que o público geralmente estava acostumado a ver, de maneira que uma quebra de rotina acabou provocando certa comoção da plateia.

Porém, começar direto um ataque não era contra as regras. Até mesmo usar ataques surpresas para ganhar rapidamente, apesar de não ser muito bonito, também não era proibido e era considerado uma estratégia válida.

“OOOOHHHH!”

Egome atacou pelo lado direito com grande vigor e Kirito automaticamente correu para receber o ataque.

“KLANG!!!”

Ouve um estranho som metálico que até agora não havia sido escutado nesse torneio. Faíscas amarelas voaram para todos os lados.

O público esperava que após um golpe desses, as espadas iriam retroceder, mas ao invés disso, elas continuaram se chocando mais e mais vezes, causando uma vibração elétrica no ar.

Kirito contra-atacava todos os golpes, aparentemente sem nenhum esforço e a uma grande velocidade. De maneira que acabou pressionando seu oponente, já que esse era mais lento quando levantava a sua espada.

Mais uma vez aquele som agudo ecoou pelos dois blocos se espalhando pela arena.

Aproveitando-se de sua mobilidade incrível, Kirito se aproximou do rosto de Egome, que nessa hora estava completamente franzido e sussurrou:

“Humm, sinto o cheiro da planta Nedge Lezta em você.”

“…O quê !?”

Egome falou em um tom estridente, como metal. Kirito então disse outra vez, usando uma voz mais incisiva:

“Existe apenas um uso para a Nedge Lezta. Depois de secar e queimá-la, suas cinzas servem para adormecer certos insetos venenosos. Como por exemplo…, uma mosca gigante do pântano.”

“…!”

Os olhos de Egome arregalaram de surpresa junto com os do observador.

Isso quer dizer que aquilo que Kirito estava fazendo no vestiário, quando passou por entre os participantes cheirando o ar, era procurar alguém que estivesse com o cheiro da Nedge Lezta… Nesse caso, era porquê…

“…Nessa manhã, na entrada oeste de Zakkaria, foi você que colocou a mosca do pântano… o inseto que picou e enlouqueceu aquele cavalo, não é?”

Em resposta a essa pergunta, Egome apenas sorriu maliciosamente.

“Não tenho porque responder algo para um vagabundo como você. Mas ainda assim… tudo o que fiz foi somente libertar um inseto que não fazia mal para ninguém… Não rompi com a Lei Imperial e nem com o Índice de Tabus, se está se referindo a isso.”

O que o aprendiz disse era verdade. Se aquele inseto pudesse machucar algum humano diretamente… se fosse um organismo que pudesse matar, seria completamente ilegal trazê-lo para um área onde viviam os humanos. Porém, liberar uma mosca que só ataca os cavalos não era contra nenhuma regra.

Porém, as coisas não eram tão simples. Sem importar o quão jovens são, qualquer um entenderia que soltar um inseto desses perto dos cavalos, seria quase certo que a vida deles seriam desgastadas…. Também era previsível que um desses animais acabasse enlouquecendo por uma picada e por consequência disso, acabasse machucando quem estivesse ao seu redor.

A maioria das Unidades Humanas que se dessem conta disso, jamais fariam tal coisa. Isso era algo que estava totalmente explícito no Índice de Tabus e também em seus corpos, ‘Não reduzir a vida de outras pessoas.’. Porém, mesmo sabendo que isso causaria danos à Eugeo e Kirito, ele…

Tudo indicava que foi realmente uma ação premeditada desse jovem chamado Egome. Talvez para ele, havia apenas um pensamento, algo como: ‘- Soltarei aqui esse inseto que não causa nenhum dano ao ser humano. E não tenho ideia do que acontecerá depois…’, e tal conduta certamente não iria contra o Índice de Tabus.

Se isso fosse verdade, então esse garoto poderia ter…

“… o sangue da nobreza.”

O garoto estava demonstrando aquilo que até agora eram apenas rumores, o lado obscuro dos nobres. Era completamente distinto das pessoas como as que viviam na fazendo Wolde, uma pessoa que acreditava que ‘qualquer coisa que não rompa deliberadamente as regras, pode ser feita sem remorso.’

“…Porque?”

Egome encarava Kirito de cima a baixo, enquanto respondia a pergunta.

“Simplesmente porque isso não me agrada. Vagabundos como você e aquele outro ali, que nem sequer possuem uma Tarefa Sagrada, querendo me desafiar? Eu? Egome Zakkalight? E ainda querendo se unir a nossa guarda? Definitivamente eu não permitirei. Percebi isso logo quando vi vocês pegando as regras do torneio no mês passado. Naquele exato instante decidi que iria acabar com essa palhaçada.”

“… Entendo, um nobre então. Mas ainda que tenha antecedentes de prestígios e tudo mais, não passa de um delinquente, por usar esse tipo de métodos. Bom, que tal acabarmos logo com isso?”

Mesmo escutando que ele era parente do líder de Zakkaria, Kirito não demonstrou sequer medo ou respeito e ainda por cima o repreendeu. Começou então a exercer mais força nas espadas que estavam ainda se chocando, aparentemente tentando fazer seu oponente cair, porém…

Nesse instante Egome deu um sorriso de escárnio e logo após pode ser ouvido um som agudo. Kirito se deteve por um rápido momento. Quando olhou para as espadas, forçando uma lâmina sobre a outra, percebeu que a sua apresentou um pequena, porém aparente fissura.

Porque somente uma espada está sendo afetada com a força, mesmo que sejam iguais?

Rapidamente abriu as janelas de ambas as espadas e encontrou uma inesperada mensagem.

A espada de Kirito era um objeto de nível dez, enquanto a que Egome possuía, era de nível quinze. Olhando mais de perto, até o brilho delas eram ligeiramente diferentes.

“GHHN!”

Kirito soltou um pequeno grunhido enquanto retrocedia sua espada. Era algo que Egome estava esperando. Se lançou adiante, atacando freneticamente com o intuito óbvio de reduzir a vida da espada de seu oponente.

“Ah! Antes que diga algo, isso também não está contra as regras, viu?”

Egome sussurrou enquanto mostrava uma expressão vitoriosa.

“De acordo com o regulamento desse torneio, todos os participantes devem lutar utilizando as espadas de metal fornecidas pela organização do evento. De maneira que… não é contra nenhuma regras que tenha uma espada mais aprimorada misturada no meio delas e que coincidentemente eu a tenha escolhido.”

“…Então, creio que tenha subornado o guarda que distribui as espadas.”

“Absolutamente não sei do que está falando. Se quer mesmo continuar com isso, terá que provar. E falando em continuar, quer mesmo seguir com essa batalha? Você está só adiando o inevitável e causando a redução da vida da sua espadinha.”

Egome continuou atacando sem parar, utilizando toda a sua força com um sorriso torto no rosto. Enquanto falava, Kirito fez algo inesperado.

Ele não o enfrentou de frente, como vinha fazendo a poucos instantes e sim se inclinou e rolou de lado, passando por debaixo do braço de seu oponente. A espada de Egome perdendo a resistência da espada de Kirito, deslizou sem equilíbrio, fazendo um barulho metálico estranho e caindo no chão.

Com essa manobra, Kirito conseguiu saltar para longe e manteve a distância.

Nessa hora, os espectadores que estavam atentamente assistindo o desenrolar da partida, explodiram em aplausos. Eles nunca tinham visto uma ação como aquela, onde um lutador rolasse pelo chão, passando por debaixo da guarda do seu oponente, justo em meio a um ataque como aquele e ainda conseguindo desequilibrar o atacante, fazendo-o perder a espada.

Ignorantes a conversa que tinha ocorrido no ringue, ficaram maravilhado com o embate e cobriram os dois participantes de gritos e aplausos.

Egome finalmente conseguiu se recuperar da surpresa, ajeitando sua postura novamente, só que dessa vez, o olhar para Kirito era de pura fúria.

Isso será perigoso.

Instintivamente foi o que o observador sentiu. É certo que mesmo sendo um nobre, não poderia quebrar o Índice de Tabus, assim, que não usaria a espada para tirar a vida de Kirito, não diretamente. Porém, se Kirito acabasse machucado por acidente, estaria tudo bem aos olhos dos mantenedores das leis. É realmente surpreendente que esse garoto esteja pensando em algo assim, nessa situação.

Tal hipótese do observador foi por terra quando viu o movimento seguinte de Egome.

Levantou a espada de nível quinze, que até agora esteve empunhando com as duas mãos, somente com a mão direita e parou na altura do ombro. Ficou alguns instantes procurando como se estivesse algo no ar, até finalmente ajustar uma posição. Então, a espada foi tomada por um brilho de cor azul claro.

“…Arte secreta de Zakkalight, movimento final, Azure Wind Slash.

A multidão foi ao delírio novamente. O juiz da partida parecia um pouco preocupado e não parava de olhar para os assentos onde estavam os outros juízes, como que pedindo o que fazer, mas eles também pareciam perdidos.

Como o nome sugeria, o Estilo de Artes Sagradas, se referia aos movimentos mais aprimorados de cada escola, frequentemente chamados de movimentos finais. Geralmente era proibido usar eles, mas não tinha nada estipulado nas regras desse torneio que impedisse seu uso em competições, pois a única coisa que dizia era que os participantes tinham completa liberdade para lutar como quisessem.

Uma vez que Egome decidiu usar, não tinha forma de fazê-lo parar.

O problema todo era que o poder da Arte Secreta era incomparável com os outros estilos normais e uma vez ativado, não era possível desativar. O corpo do usuário se moveria automaticamente, não por sua vontade e sim por uma força sobrenatural que era similar ao que acontecia com os feitiços das Artes Sagradas.

Em outras palavras, se a defesa de Kirito falhasse, ele não seria simplesmente ferido e sim cortado ao meio. Egome claramente entendia isso, mas ainda assim, queria usar essa Arte Secreta. O mais provável era que ele tenha pensado que se houvesse sangue derramado, a culpa era unicamente do defensor, pois ele falhou em se defender corretamente.

Porém, ainda havia uma maneira de deter o movimento de Egome.

Kirito deveria baixar sua espada, expondo seu corpo desprotegido para o ataque do inimigo. Nesse caso, a força de vontade de Egome se quebraria, pois usar uma Arte Secreta nessas condições, seria romper claramente com o Índice de Tabus. Não importando o tipo de sangue nobre que possuísse, não poderia suplantar a autoridade do livro definitivo de regras e da Igreja Axiom. Essa era a limitação absoluta que estava imposta nas Unidade Humanas.

“Abaixe espada!

O observador fez muita força para não dizer essas palavras de ajuda para Kirito. Sabia que mesmo que não dissesse, o garoto acabaria percebendo que essa era a única solução.

Vamos! Abaixe logo a sua espada!

“…Ora, ora! Que venha então esse movimento secreto.”

De repente, Kirito sussurrou isso, em um volume que o observador mal conseguiu ouvir.

Moveu sua mão esquerda, segurando a empunhadura da espada, como fez Egome e se posicionou de uma maneira muito semelhante também. Porém, diferente do seu oponente, que tinha ficado ajustando sua posição, Kirito fez o movimento rápido e preciso. Ao parar seu corpo, imediatamente a lâmina começou a emitir um brilho roxo.

Ao verem essa cena, tanto os espectadores quanto os juízes, prenderam a respiração. Eugeo, que estava no ringue do lado oposto, sacudiu a cabeça.

Ai, ai! Lá vai ele novamente…

Só de olhar, já sabia que o que viria a seguir seria rápido, muito rápido.

Egome contorceu seu rosto começando a se mover enquanto mostrava seus dentes.

“KYYYYYYYYYYYYAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!”

Com um grito semelhante à uma ave de rapina, a técnica foi ativada. Deu uma forte passada com seu pé esquerdo, levantando a espada de metal que estava apoiada em seu ombro, atacando com uma trajetória diagonal em direção à Kirito.

Tenho que parar essa luta agora!

Era o que passava naquele exato instante na cabeça do observador. Porém, já era muito tarde tentar usar qualquer Arte Sagrada.

Tenho que saltar da cabeça de Kirito e revelar minha verdadeira forma. Sei que é totalmente contra as regras. Mas ainda que tenha que receber qualquer castigo do meu Mestre, será insignificante se comparado com deixar meu objeto de observação morrer…

E nessa hora…

“Shhhhhh!!!!”

Kirito avançou a uma velocidade absurda.

Sem nenhum temor, sem nenhuma dúvida, foi ao encontro da trajetória de luz azulada que Egome estava traçando. Sua mão direita se moveu, desenhando um magnífico arco de luz púrpura da direita e incrivelmente, da esquerda também, era um ataque espelhado.

“KIIIIN!!!”

Um afiado som metálico foi liberado, passando através dos muros da arena, ecoando por todas as ruas de Zakkaria.

Um resplandecente brilho prateado cruzou os ar girando, refletindo a luz de Solus enquanto lentamente aterrissava. Era a lâmina de uma espada que fora cortada desde sua empunhadura se cravou à direita do ringue, no mármore vermelho.

A habilidade de espada de Kirito foi tão rápida e intensa que até para o observador era impossível dizer como tinha acontecido. Porém, conseguiu ver o momento crucial.

A espada foi balançada da esquerda para a direita e imediatamente da direita para a esquerda novamente. A rapidez foi tanta, que deu a impressão de que Kirito estivesse atacando com duas espadas ao mesmo tempo, vindo de ambos os lados.

E de fato houve apenas um único som metálico. Esses dois golpes pareciam bestas rugindo enquanto golpeavam precisamente o mesmo ponto causando a ruptura da lâmina de Egome. E mesmo com uma espada de torneio que tinha sua vida reduzida à metade, a afiada espada com cinco níveis de vantagem foi completamente…

Os olhos de Egome estavam arregalados enquanto permaneciam imóvel. Ele, quem havia estado arrogantemente balançando sua poderosa espada de torneio, tinha agora apenas um cotoco com uma empunhadura. Em face dessa situação, não pode evitar de tremer. Kirito, ainda em posição, sussurrou na orelha direita de Egome:

Sword Art Online - Running - Volume 10
Habilidade de golpes gêmeos consecutivos.

“Estilo Aincrad, habilidade de golpes gêmeos consecutivos… Snake Bite.

Ao escutar essas palavras… o observador sentiu todos seus pelos se eriçarem.

Esse humano chamado Kirito… tinha uma peculiaridade que excedia em muito suas expectativas. Até para ele, em seus trezentos e setenta e oito anos de história em Underworld, era muito raro ver alguém como esse garoto… Quem sabe pudesse estar no mesmo nível que seu Mestre e ‘aquela pessoa’ …

Enquanto sentia aquela emoção inexplicável, não, na verdade sequer estava consciente do que sentia, só pensava em uma coisa.

Quero ver o final dessa viagem. Quero acompanhar esses dois, Kirito e Eugeo. Eles chegarão lá, definitivamente…

No calendário do Mundo Humano, no ano trezentos e setenta e oito, os ganhadores do bloco leste e oeste do torneio de Espadachins de Zakkaria foram dois jovens garotos sem uma Tarefa Sagrada, que vieram de uma pequena e afastada vila ao norte.

Como tradição, ganharam o direito de se unir à guarda da cidade.

No final, o primeiro encontro foi o único que causou algum problema a Kirito. Após isso, ele não usou mais os ‘dois golpes consecutivos’. E na primavera que se seguiu, ganharam cartas de recomendações para ingressarem na Academia Real de Esgrima, um fato que não poderia ser mais óbvio para aqueles dois prodígios.

ATÉ A PRÓXIMA SEMANA !!!

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Bônus:

Uma bela trilha para uma batalha

https://www.youtube.com/watch?v=0pC0lCpHRpM