Sword Art Online Alicization Running em Português – Underworld – Capítulo 3 – Parte 3

Arco: Alicization – Running

Parte 3

Sword Art Online Alicization - Running -Volume 10
Porque será que Kirito ficou interessado naquela Unidade?

Zakkaria era um povoado rodeado por um muro retangular. Suas dimensões eram de 900 mels de norte a sul e 1300 mels de leste a oeste. O que dava aproximadamente cinco vezes o tamanho de Rulid, onde ambos viviam até pouco tempo.

Estava localizada em meio à uma grande planície sem rios ou lagos próximos, onde toda fonte de água era proveniente de poços. Por essas características, poderiam dizer que seria um lugar árido, porém, havia muito mais vegetação do que o império do Sul, o qual era conhecido por seus povoados de clima desértico.

As ruas e edifícios eram praticamente todos construídos em arenito em tom avermelhado, assim como as cores das vestimentas dos seus habitantes.

O que acabava por deixar as roupas azuis dos dois garotos bem chamativas. Eugeo baixou sua cabeça um tanto envergonhado, mas Kirito parecia nem se importar enquanto observava as tendas de ambos os lados da rua.

“Oh! Olhe aqueles bolinhos de carne que vendem ali! Parecem deliciosos… mas aquela outra ali parece ser mais barata… Então Eugeo, o que vai querer comer?”

Kirito conversava tranquilamente até notar a atitude retraída de seu companheiro. Ficou surpreso ao notar esse lado envergonhado dele.

“Mas para que isso, Eugeo? Já viemos aqui três vezes. Não há razão para ficar tenso desse jeito.”

“Sim, é verdade, essa é a terceira vez aqui, mas… é a primeira vez que vejo tanta gente ao mesmo tempo desde que deixamos a vila.”

“Se está dizendo isso só de ver esse tanto de pessoas em Zakkaria, o que vai dizer quando chegarmos à Centoria? É certo que lá vão ocorrer muitos torneios de espadachins e por consequência, reunir mais gente.

Além do mais, hoje será o dia da competição por aqui e os pais de Telin e Telulu as trarão para torcer por nós. Não pode deixar que te vejam assim.”

Eugeo recebeu um tapinha nas costas enquanto tentava se recompor.

“Entendido. É nessas horas que invejo essa sua personalidade despreocupada, Kirito…”

“Desfaça essa cara e pare de dizer bobagens, Eugeo! E aprenda uma coisa, ser ‘despreocupado’ também faz parte no manejo de espada do estilo Aincrad, tome isso como um pequeno truque.”

“Hein? É s-sério?”

“O que você acha? Hehehe…”

Enquanto conversavam, chegaram no fim da rua principal à oeste, a qual tinha aproximadamente 500 mels de comprimento. Onde ficava o Salão de Reuniões, a maior construção de Zakkaria.

A praça em formato retangular era até bem pequena se comparada com todo o resto do povoado, ainda mais agora, cheia de espectadores. Era um espaço com múltiplas funções, que era normalmente usado para discursos das autoridades locais, apresentações musicais e teatro e é claro, para o torneio de espadas como o que aconteceria hoje.

Já que assistir era algo gratuito, muitas pessoas vinham para presenciar os competidores e suas técnicas. O lugar já estava lotado mesmo faltando algumas horas antes do seu início.

Para uma Unidade Humana que estivesse restringida por uma Tarefa Sagrada ou por alguma outra cláusula do Índice de Tabus, esse torneio era a única oportunidade para entretenimento. Porém, mesmo que esse evento fosse com intuito de diversão para muitos, a atmosfera ali exercia uma intensa pressão sobre Eugeo, fazendo com que seu rosto ficasse mais branco do que o de Kirito.

“Sério que vamos lutar aqui…?”

Kirito ignorou aquela pergunta em tom de lamento de seu amigo, o agarrou pelo braço e o arrastou em meio àquela multidão até se parar em frente à janela de registro de participantes, logo em frente à entrada principal do Salão de Reuniões.

Era possível que a maioria dos participantes, sejam eles moradores de Zakkaria ou que viessem de outras localidades, já tivessem se registrados. Um velho e barbudo guarda estava sentado atrás da mesa daquele posto temporário. Kirito foi até esse senhor sem a menor hesitação e falou normalmente.

“Registro para duas pessoas, por favor!”

Ao escutar o pedido, o velho guarda levantou as grossas e grisalhas sobrancelhas e deu uma boa olhada em Kirito e Eugeo, que estava com uma expressão de espanto e disse:

“Os únicos que podem participar desse torneio são aquelas pessoa que tem a Tarefa Sagrada de guarda dos povoados do norte ou serem aprendizes de guardas em Zakkaria…”

“Humm, então eis aqui uma ‘exceção’.”

“O quê?”

Kirito deu um cutucão em Eugeo, que se apurou em catar nos bolsos de sua túnica o que parecia ser algo entre um pergaminho e uma carta.

“Deixe-me ver… humm, vejo que é uma carta escrita pelo chefe da aldeia.

Recomendo e comprovo esses dois jovens os quais terminaram suas Tarefas Sagradas concedida por Stacia e que agora procuram um novo caminho.’ Entendo…”

Nesse instante, o velho guarda coçou sua longa barba e disse:

“Em outras palavras, dois moleques da vila de Rulid ao norte, que não são nem guardas, querem encontrar uma nova Tarefa Sagrada e para isso pretendem ingressar como membros da nossa Guarda de Zakkaria.”

“Exatamente!”

Respondeu Kirito com um sorriso sincero seguido de uma pequena brincadeira.

“Porém não queremos nos contentar em ser apenas guardas, queremos ir direto para Cento-ufff!”

Eugeo lhe deu um golpe em suas costelas, conseguindo silenciar imediatamente seu companheiro.

“E-Essa é a situação, senhor. Por favor, deixe-nos fazer o registro para o torneio!”

“Humm, bem… está certo.”

Enfim o velho concordou e lhes alcançou lápis e papel.

“Escrevam seus nomes, local de nascimento e qual a escola de manejo de espada.”

“V-Você disse, escola !?”

A mão de Eugeo, que se encontrava estendida travou de imediato no ar. Kirito, por usa vez, nem pensou, apenas tomou o lápis de sua mão e começou a escrever.

Não era um papel de alta qualidade como o de um pergaminho, era apenas um papel comum, fabricado com fibras de seda. Nesse documento tinha todo o tipo de nomes e caligrafias diferentes, quase não sobrando espaço para os dados dos dois.

O garoto de cabelos negros escreveu ‘Kirito’ em linguagem comum desse mundo humano e no local de nascimento ele escreveu, Rulid. Parou por um instante mas logo continuou preenchendo o último requisito, o nome de sua escola, ‘Estilo Aincrad’.

Depois de ter passado cinco meses observando e vigiando esses dois rapazes, de todas as coisas que presenciou, existia apenas um dúvida que estava no topo de sua lista, e era esse estranho nome. Haviam aproximadamente trinta estilos de esgrima nesse mundo, mas essa era a primeira vez que escutava esse nome, Aincrad.

Será que era um estilo próprio criado por esse rebelde garoto chamado Kirito? Meu palpite é que deve ser algo assim. Porém, o mais estranho é que essa misteriosa escola Aincrad, diferente de todas as outras, não parece ter apenas um ‘Golpe Secreto’ e sim pelo menos uns dez…

Enquanto o observador se perdia em pensamento, Eugeo também terminou de se registrar, e é claro, a escola era a mesma. Após isso, entregou o papel e o lápis para o guarda que ao ler o que estava escrito, ergueu novamente aquelas imensas sobrancelhas.

“Humm, manejei espada desde muito tempo e essa é a primeira vez que vejo o nome dessa escola. Por acaso ela fica perto de Rulid?”

Essa pergunta já era de se esperar. Mesmo que houvessem mais de cinquenta participantes escritos naquele papel, mais da metade era da escola do Estulo Norgal e a outra grande parte da escola Estilo Zakkalight que eram os mais difundidos por todo o império Norlangarth. Era muito raro ter outras escolas pequenas e ainda mais com nomes tão esquisitos quanto esse.

Porém, Kirito não parecendo se abalar com a pergunta, apenas mostrou uma expressão tranquilo e sorriu.

“É uma escola recém criada.”

Respondia o garoto, enquanto Eugeo, mesmo pálido, concordava.

É claro que o velho guarda não iria realmente verificar se existia ou não o registro de tal escola. Apenas se reservou a dizer um rouco ‘-Compreendo…’, enquanto entregava dois braceletes de bronze para cada um, com um número gravado. Kirito ficou com o 55 e Eugeo com o 56.

“Vocês devem se dirigir até a área de espera dos participantes antes das 11:30hs. Vamos informar em quais blocos ficarão cada participante mediante a um sorteio. Após completar os blocos do leste e oeste, às 12:00 hs, teremos as preliminares onde usaremos o desempenho do espadachim para reduzir a quantidade de pessoas por blocos para oito em cada.

Depois disso, vocês devem realizar do um ao décimo movimento na ordem em que for estabelecido, entendido?”

Após de escutar a pergunta do guarda, Eugeo concordou imediatamente, porém, Kirito fez uma leve expressão de dúvida antes de também concordar.

“Bem. Terminando essa parte, virá o show principal, onde vamos apresentar os oito finalistas ao público, quatro em cada bloco que irão se enfrentar até restar somente um ganhador no leste e outro no oeste e esses ganhadores irão conquistar o direito de obter a Tarefa Sagrada de serem membros da guarda de Zakkaria.”

Os garotos concordaram ao mesmo tempo. O observador retomou o pensamento de algumas horas atrás. A meta deles era conseguir ingressar juntos na guarda, mas para isso, cada um deveria ser colocado em blocos separados, passar pelas preliminares e enfim ganhar o torneio principal. Porém, caso fossem colocados no mesmo bloco, esse plano falharia já no começo. E esse era o maior problema. Mas, esses jovens tão despreocupados deveriam ter algum tipo de plano.

A resposta à essa dúvida do observador chegou logo depois, quando eles já haviam se registrados e estavam em uma praça comendo um bolo de carne que haviam dividido.

“…Estava pensando, Eugeo. E se por acaso nos colocarem no mesmo bloco? O que deveríamos fazer?”

Perguntou Kirito enquanto dava a última bocada na sua metade do bolo.

“Do que está falando, Kirito?”

Respondeu Eugeo, que também terminava o seu lanche.

Em outras palavras, nenhum desses dois moleques avoados haviam pensado nisso até agora… Já era de se esperar, mas o observador não deixou de se irritar mesmo assim.

Vamos! Pense em algo!!

Se conteve em sair gritando, pulando do cabelo daquele rapaz tão inconsequente.

Nesse instante Kirito levantou sua mão, como era característico quando começava a pensar em algum plano, e levou seus dedos para coçar o alto de sua cabeça. O observador rapidamente se foi para o lado enquanto Kirito tocava a parte da frete de seu couro cabeludo. E incrivelmente nessa situação alarmante, o garoto disse algo bem otimista.

“Bem, as peças sempre caem onde devem cair. Não se preocupe! Definitivamente ficaremos em blocos diferentes. Vamos rezar para Stacia, Solus e Te…Tereri… como é que era mesmo?”

“Terraria!!”

“Isso! Pediremos a Terraria também.”

“Ah…!”

O observador suspirou coincidentemente junto com Kirito. Voltou para a sua posição original, no alto e na parte da frente da cabeça do garoto e pensou:

Não há o que se possa fazer, mas… está mesmo tudo bem para você, menino?

Trinta minutos depois, perto de soar o sino das 11:30hs, ambos entraram no vestiário do torneio. O local era bem amplo, aproximadamente 20 mels de comprimento. Com quatro bancos de aparência bem resistente na parte oeste e no lado contrário, sentado em frente, estavam os participantes da parte leste.

Haviam quatro cadeiras de aspectos elegantes nesse local. Porém, se encontravam vazias no momento, mas tinha um guarda na janela da recepção.

No instante em que Kirito e Eugeo colocaram os pés dentro do local, foram imediatamente observados por todos os cinquenta e quatro participantes que já estavam ali. Quase em sua maioria eram adultos que pareciam possuir skills assombrosas.

Dez desses participantes utilizavam uniformes de guarda aprendiz e todos eles eram jovens de outras localidades próximas que foram escolhidos para guarnição e sem dúvida alguma, estavam em suas melhores formas.

Em contraste com esses aprendizes, haviam também homens com barbas enormes e cicatrizes apavorantes. Eugeo sentiu a pressão desses fortes olhares sobre ele e tratou de endireitar a coluna, tentando mostrar sua melhor disposição ou o máximo que conseguia naquele momento.  Já Kirito, não parecia nem um pouco incomodado com os olhares ferozes que recebia, continuou entrando tranquilamente como se fosse um lugar normal para se caminhar. Enquanto caminhava com seu amigo, disse baixinho:

“Muito bom…”

“E-Está maluco? O-O que é muito bom…!?”

Kirito se aproximou um pouco mais do desconcertado Eugeo e respondeu suavemente.

“Que não tem participantes femininas.”

“Hã?… Mas Kirito…”

“Acho que você está pensando a mesma coisa não é? É meio complicado lutar contra uma mulher. Longe de discriminação, só que é… mais complicado mesmo.”

“I-Isso é verdade mas… eu nem tinha pensado nisso…”

“Só espero que não aconteça uma luta dessas, pelo menos não antes de chegarmos no… Torneio dos Quatro Impérios na capital ou algo assim.”

“Bom, para falar a verdade, escutei que no Império Ocidental existe um esquadrão composto somente por mulheres cavaleiros.”

“Sério!!??”

Assim, os dois começaram a sua conversa usual, relaxando a tensão inicial. Tanto que em segundos os outros participantes perderam o interesse nos dois garotos, voltando para o que estavam fazendo antes da entrada deles e com pensamentos parecidos com ‘esses moleques maltrapilhos provavelmente serão eliminados já nas preliminares’. Seguiram ajustando seus equipamentos e testando as empunhaduras das espadas que tinham recebido para o torneio.

Kirito olhou mais uma vez ao redor, parecia que estava pensando em algo. Se afastou um pouco de Eugeo, indo mais para perto dos bancos onde estavam os outros. Andou pelo meio deles e deu uma forte inspirada. Ninguém realmente entendeu ou prestou muita atenção nessa ação.

Depois de observar os participantes por mais uns minutos, Kirito voltou para perto de Eugeo. Levou seu rosto próximo da orelha de Eugeo e disse:

“Não mova a cabeça! Mas no segundo banco, o cara sentado mais afastado de todos, você o vê?”

Eugeo deu uma ligeira olhada sem virar o rosto e fez um rápido sinal que sim com a cabeça.

“O que está com roupas de guarda aprendiz?”

“Tenha bastante cuidado se for lutar com ele. Há uma chance de que faça algo ruim.”

Depois de escutar isso, observador que estava tão surpreso quanto Eugeo, levantou rapidamente sua cabeça e foi para um ângulo onde pudesse ver o garoto de quem Kirito falava.

Sentado mais afastado, estava um rapaz com cabelos castanhos claros, um pouco encurvado, vestindo um uniforme marrom. A idade, se pudesse observar na Janela de Stacia, era dezoito e o marcador de Vida e a Autoridade de Controle de Objetos estavam abaixo do normal. Mesmo o observador não conseguindo conferir o status, pode deduzir que era alguém que não merecia nenhum tipo de preocupação.

“Hein!? E-Então você o conhece, Kirito?”

Sussurrou Eugeo.

“Não!”

Kirito negou com a cabeça.

“…Humm, como explicar… Já sei! Digamos que a personalidade dele é muito similar à de Jink ou talvez um pouco pior.”

Jink era uma Unidade Humana e atual capitão da guarda da Vila de Rulid, onde os dois nasceram. Para eles, era uma pessoa mesquinha e pouco sociável.

Uma Unidade Humana deveria obedecer muitas regras e regulamentações, mas isso não significava que todos eram amigáveis. Se, por exemplo, haviam pessoas como as da fazenda Wolde, que tratavam todos com educação e amabilidade, também haviam pessoas que menosprezavam os outros, que acabam usando as mais variadas formas de atrapalhar a vida  de seus desafetos, mas sem romper com alguma lei majoritária. Em Rulid, Jink seria esse tipo de pessoa e se as palavras de Kirito estivessem certas, esse aparentemente inofensivo aprendiz era…

Sword Art Online Alicization - Volume 10

“Uma pessoa que aja como Jink pode muito bem tentar passar algo como a seiva da planta Shikigami em nossas espadas ou algo assim.”

Eugeo franziu o rosto enquanto murmurava.

“Mas isso não seria contra as regras?”

“Não se for aplicado e depois polido a espada. Seria muito difícil constatar esse tipo de coisa. Essa seiva acaba por deixar a espada escorregadia demais para conseguir segurá-la, no passado fizeram muitas vezes algo parecido comigo, de maneira que era bem complicado fazer qualquer movimento.”

“Entendo… Então não podemos perder de vista a espada que nos for emprestada. Não podemos baixar a guarda um minuto sequer.”

“Estará tudo bem se eu cair no mesmo grupo que esse cara, mas…”

“Caso isso aconteça, não faça nada estúpido que bote nosso plano a perder, Kirito!”

“Tentarei, tentarei…”

Kirito deu uma pequena risada enquanto dizia isso e virava-se em direção à janela de admissão, mostrando sua placa de identificação de bronze.

Esse era um torneio, porém eram utilizadas espadas de metal ao invés das de madeiras, como nos torneios menores ou práticas nas academias. Mesmo que a prioridades delas fossem menores, ainda assim tinham poder suficientes para desgastar consideravelmente a vida de um humano.

Como era normal, tinha uma regra que dizia que deveriam lutar até quase tocar seus oponentes. Estava terminantemente proibido qualquer tipo de dano infligido ao ponto de causar sangramentos.

Ambos seguraram suas espadas com força, nesse momento, quatro homens entraram no local e se sentaram nas cadeiras que antes estavam vazias. Eles eram guardas, todos vestidos com uniformes vermelhos brilhantes. O velho guarda que tinha realizado o registro deles, estava entre esses quatro.

Um dos homens, aparentando ter aproximadamente quarenta anos, tinha ombreiras douradas, mostrando que provavelmente ele deveria ser o líder, fez uma saudação simples para um dos jovens soldados que trouxe uma grande caixa e largou aos seus pés.

O líder bateu com a mão na tampa dessa caixa e disse:

“Aqui, nesta caixa, há pequenas bolas vermelhas e azuis, numeradas de um à vinte e oito, totalizando cinquenta e seis. Cada um de vocês deve colocar a mão nesse buraco e pegar uma bola. As vermelhas indicam que você caiu no bloco leste e as azuis no oeste. A ordem em que irão entrar na competição dependerá do número em cada uma dessas bolas.

Então, se não tem perguntas, venham aqui e peguem um bola. Comecemos pelos que estão na frente…”

Antes que o líder pudesse terminar de dizer essa frases, Kirito imediatamente já havia se levantado e caminhado para perto da caixa. Eugeo o seguiu apressadamente, de maneira que os demais vieram depois dos dois garotos.

Não houve nenhuma algazarra, só mesmo o barulho de bancos sendo arrastados.

O observador se moveu mais para frente da cabeça de Kirito e pode ver um buraco de mais ou menos 10 cens de diâmetro na caixa de madeira. Porém, estava muito escuro para ver o conteúdo, mesmo com uma visão melhor do que um humano, só conseguia ver as formas esféricas das bolas.  Pela ação antecipada, o observador entendeu que Kirito queria ser o primeiro a pegar. Provavelmente ele contava que nesse momento, a caixa estava totalmente lotada, que seria possível dar uma rápida olhada nas cores das bolas que estavam mais acima momentos antes de colocar a mão no buraco. Talvez ele esteja esperando o ângulo certo.

Sério mesmo? Como esse garoto pode estar tão tranquilo ao tentar trapacear dessa forma? Embora seja uma estratégia inteligente, ela tem um sério problema. Nesse mundo, há uma regra que impede que se espie dentro de urnas, como se fosse um feitiço sempre ativo. De maneira que a única forma de conseguir ver algo dentro de objetos assim, seria fazer outra magia que produza, por exemplo, um raio luminoso e o jogue dentro da caixa, de outra forma fica impossível trapacear.

“O que houve rapaz? Pegue uma logo!”

Ordenou o líder e Kirito estendeu sua mão lentamente até a abertura da caixa.

Não restando outra alternativa, o garoto só podia confiar em sua sorte e na sorte de Eugeo para caírem em blocos diferentes, já que por mais que ele tentasse, não conseguia ver nada, embora…

Ai! Ai!…Está certo…, te ajudarei mais essa vez…

Pensou o observador enquanto saltava dos fios de cabelo de Kirito no momento em que ele levava seu braço para dentro da caixa. Usou a sombra da mão como cobertura para conseguir entrar no buraco. Uma vez lá dentro, pode ver qual foi a cor da bola que Kirito havia pego, era uma bola azul, significando que o garoto tinha caído no bloco oeste.

Tomando ciência disso, ajustou o tamanho do seu corpo, aumentando de cinco mil para dez cens, o suficiente para poder agarrar com seus braços uma bola de madeira na cor vermelha que estava próxima e levantar para próximo da entrada da caixa.

Vários segundos depois, um braço um pouco pálido entrou pela abertura, que mesmo sem a confirmação da janela de status, conseguia perceber que se tratava da mão de Eugeo, muito pela tremedeira que a atacava, bem diferente da postura de Kirito.

O observador então empurrou a bola o máximo que conseguia até a palma trêmula da mão do garoto. Quando entrou em contato com a bola, a mão rapidamente fechou sobre o objeto e a puxou da caixa.

Alguns segundos depois foi possível ouvir um grito:

“Ei, Kirito! É vermelha!”

Depois disso, ambos se afastaram, deixando espaço para os demais participantes se aproximarem.

Nesse instante o observador suspirou.

Mas que coisa… sempre dando trabalho para os outros…

Estava a ponto de encolher de tamanho e se retirar quando lhe ocorreu algo.

E o jovem aprendiz de cabelos claros? Porque será que Kirito ficou interessado naquela Unidade?

Esse tipo de curiosidade era a síntese de ser um observador, então resolveu fazer mais uma coisa.

Bom, farei com que esse aprendiz lute contra Kirito no lugar de Eugeo. Não sairei ainda, ficarei esperando em um canto dessa caixa. Só espero que ninguém a abra por enquanto, pois iriam se apavorar com toda a certeza. Mesmo medindo somente 10 cens, o mundo das Unidades Humanas não está acostumado com organismos como eu.

Ficou ali escondido por vários minutos. Até que de repente entrou na abertura um braço bem magro, que só podia ser daquele aprendiz. Tratou de fazer a mesma coisa que fez com Eugeo, levantou uma bola azul que tinha guardado até o alcance daquela mão magra e pálida. Ao que tudo indicou, também não suspeitou de nada quando agarrou o objeto e o tirou da caixa.

O observador suspirou de alívio e tratou de se encolher para usar o próximo braço como escada e sair dali.

Continuou no braço dessa pessoa até chegar no banco que ela sentou. Saiu e escorregou pelas botas, caminhando pelo chão até encontrar o garoto que procurava. Subindo por suas pernas, dando a volta pelas costas e enfim chegando novamente nos cabelos negros de Kirito.

Com sua pequena missão concluída, suspirou mais uma vez.

Sei que interferir com o sorteio vai contra meu dever como observador. Se o Mestre descobre, com certeza serei castigado. Mas, não conseguiria observar de forma mais eficiente caso não colocasse Kirito e Eugeo em blocos diferentes e também coloquei aquele aprendiz para lutar com Kirito justamente com o propósito de obter mais informações.

Definitivamente fiz tudo isso em prol do meu dever como observador, nada mais. Inclusive se o aprendiz tiver alguma má intenção, não irei intervir tomando partido para proteger Kirito usando feitiços ou coisa assim. Exatamente, não farei isso… talvez…

NOS VEMOS NA PRÓXIMA SEMANA !!!

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Também estamos no Tumblr e no Pinterest

Até!

Bônus:

Bora curtir uma trilha bacana

https://www.youtube.com/watch?v=npWRH56ebds