Sword Art Online Alicization Running em Português – Underworld – Capítulo 3 – Parte 2

Arco: Alicization – Running

Parte 2

Sword Art Online Alicization - Running - Volume 10
De onde veio esse monte de palha?

O dia seguinte era o último de agosto e a manhã estava extremamente clara e ensolarada.

Kirito se espreguiçou e abriu os olhos. Ficou surpreso ao notar que estava quase que todo coberto por palha enquanto se sentava. Começou a sacudir a cabeça, limpando os cabelos, onde o observador estava e retirando a palha de suas pernas e braços.

O minúsculo ser se moveu para frente dos fios de cabelos e se agarrou bem firme às raízes capilares. Era o seu lugar preferido para observação. O único cuidado que teria que tomar eram as ocasiões em que Kirito coçava a cabeça.

Embora sua vida não diminuísse com o passar do tempo, não era imune aos danos sofridos no seu corpo, porém, o valor máximo de sua vida era muito maior do que a de um ser humano comum e mesmo que seu corpo estivesse reduzido de tamanho, ainda conservava a resistência de suas dimensões normais, de maneira que conseguia tolerar golpes ocasionais.

Kirito não notou o observador escondido em seus cabelos e saltou do monte de palha. Colocou a mão no ombro de seu companheiro e o sacudiu.

“Ei! Eugeo. Acorde! Já amanheceu.”

A chacoalhada nada delicada fez com que o garoto adormecido acordasse de supetão, arregalando os grandes olhos verdes, que a princípio demonstraram confusão, mas depois fez uma pequena careta e disse:

“…Bom dia Kirito… Como de costume, sempre acordando mais cedo do que todo mundo. E sua gentileza ao despertar os outros é… comovente…”

“Pois é, mas deveria ser o contrário. Vamos levantar de uma vez e terminar nosso trabalho da manhã para podermos praticar mais um pouco com as espadas antes do almoço. Ainda tenho que refinar melhor o sétimo movimento.”

“Ainda diz uma coisa dessas mesmo depois de ficar treinando como um louco com os bonecos, simulando batalhas… Realmente é difícil acreditar que mesmo na noite anterior ao torneio, tenha ficado praticando quase que a madrugada toda… Não, sendo você, não me espanto com mais nada…”

“Esqueça isso, só lembre-se que não podemos perder essa oportunidade.”

Kirito disso isso para incentivar Eugeo a levantar do monte de palha que usavam como cama para poder guardá-lo nos grandes barris de madeira que estavam ao lado. Após juntar tudo, colocou-os no canto do armazém e se dirigiu até a saída.

Quando saiu para fora do armazém, o sol golpeou seus olhos. O observador se escondeu mais profundamente nos cabelos. Talvez estivesse muito acostumado com a penumbra daquela enorme biblioteca e agora não tivesse mais tanta tolerância com a claridade do sol. Porém, Kirito não parecia partilhar desse sentimento, pois fez uma expressão alegre enquanto respirava o ar puro e refrescante da manhã.

“Nossa! Com esse ar tão frio, é mesmo uma sorte não termos pego um resfriado durante a noite. Ainda mais antes de um dia tão crucial com hoje. Devo ser mais resistente do que aparento.”

E ainda tem a capacidade de dizer uma coisa dessas? Da próxima vez que dormir com o corpo descoberto não te ajudarei mais.

Pensava o observador quando percebeu que Eugeo se aproximava por trás de Kirito.

“Mas é certo que iremos ficar doentes que continuarmos a dormindo em um lugar desses. Que tal se usássemos um pouco do nosso dinheiro para dormir em uma pousada daqui para frente?”

“Não, isso não será mais necessário.”

Kirito sorriu, e é claro, era impossível ver seu rosto do alto da cabeça, mas o observador tinha certeza que era um sorriso malicioso. Enquanto isso, o garoto prosseguiu:

“Não vamos mais precisar, pois a partir de hoje viveremos em Zakkaria.”

“Certo, certo!”

Eugeo sacudia a cabeça enquanto carregava o outro barril cheio de palha. Ambos estavam bem tranquilos, mas o peso desses barris de aproximadamente 1 mel era bem considerável, ainda mais cheios de palha. Um jovem comum com idade similar à deles, não conseguiria aguentar mais do que vinte passos carregando esses enormes objetos.

E o motivo pelo qual esses dois garotos magricelas não estavam sequer suando ao carregar tal coisa, era porque suas Autoridades de Controle de Objetos estavam ridiculamente altas. Ambos podiam usar uma espada longa que estava guardada em um canto daquele armazém, um objeto de classe 45, de nível Instrumento Divino.

Mas então, porque aqueles jovens de aparência tão comum, que viviam até pouco tempo no campo, tinham um nível de autoridade tão alto? Já havia se passado praticamente meio ano desde que tinha começado a observá-los e ainda não conseguia entendê-los por completo.

Porém, tinha a certeza de que simples treinos ou eventuais brigas não concediam um aumento daquela magnitude na força deles. Seria preciso que tivesse lutado contra criaturas selvagens de classes bem altas, mas monstros assim haviam sido caçados até praticamente a total extinção na zona de onde eles vieram. E tem mais, esses dois tampouco tinham uma Tarefa Sagrada do tipo Caçador e de outra forma, se tivessem feito uma caçada para atingir tal nível, eles acabariam por romper uma das regras do Índice de Tabus. E se o incrivelmente inquieto e energético Kirito não o fez, seria impossível para o leal e honesto Eugeo.

Tirando essas hipóteses anteriores, sobra somente uma única possibilidade…. a de que eles acabaram enfrentando um inimigo forte o bastante para incrementar suas autoridades desse jeito, um que nem sequer os mais selvagens dos monstros podem igualar… um intruso do Dark Territory. Mas por outro lado, isso também era impossível. Esses dois não são guardas e nem sentinelas, de maneira que é impossível para eles encarar qualquer ser do Exército Escuro.

Pois eles sempre são exterminados pelos Integrity Knight enviados da capital Centoria para patrulharem a cadeia de montanhosa. Incluindo desde um goblin, até um Dark Knight, nada passa dos limites das montanhas.

Se tivesse ocorrido uma invasão na vila de Kirito… teria tido uma grande preocupação, ainda mais se fosse em grande escala. Pois dessa forma, aquela antiga premonição se tornaria no ‘Momento Profetizado’, mas creio que ainda é muito cedo para isso…

Ficou pensando nisso enquanto permanecia escondido nos cabelos. Os jovens já haviam guardado seus barris e começado a dar comida para os cavalos, escová-los e trocando as ferraduras enquanto comiam. Essa era a primeira tarefa que Kirito e Eugeo tinham pela manhã durante sua estada na Fazenda Wolde, nos arredores de Zakkaria.

Depois de trabalharem pouco mais de cinco meses, ambos já mostraram técnicas dignas de serem nomeados com a Tarefa Sagrada de … Alimentar Cavalos. Escovaram e trocaram as ferraduras até o último animal justamente quando terminavam de comer.

Então, ouviu-se o som do sino das 7 horas que vinha da igreja de Zakkaria, que estava a 3 kilolus de distância.

Era chamado de ‘O campanário da hora” que a igreja Axiom construía para cada vila e cidade e seu som podia ser escutado em um raio de 10 kilolus sem que sua potência diminuísse. Porém, fora dessa distância o som simplesmente sumia. Esse era um tipo de controle psicológico para assegurar que uma ‘Unidade Humana’ não se movesse para longe do raio do sino, mas isso não parecia surtir efeito com aqueles dois garotos.

Usaram o balde de água para lavar as mãos e penduraram as escovas dos cavalos junto com as tachas para as ferraduras. Depois pegaram dois barris vazios e deixaram o estábulo.

Nesse momento, ouviram uma saudação.

“Bom dia, Kirito e Eugeo!”

As duas vozes sincronizadas vieram das duas filhas gêmeas de 9 anos do dono da fazenda, Telin e Telulu. Seus cabelos e olhos eram castanho avermelhados, com camisas e saias completamente iguais. A única forma de distingui-las era pelas fitas que usavam para prender os cabelos em um rabo de cavalo que eram de cores diferentes.

Se aproximaram dos dois, a com o laço vermelho era a Telin e a com o laço azul era a Telulu. Porém, as duas meninas brincalhonas seguidamente trocavam seus laços para fazer Kirito e Eugeo se confundirem.

“Bom dia, Teli…”

Eugeo estava a ponto de cumprimentá-las normalmente, mas Kirito o deteve por um instante.

“Espere um pouco! Temos algo diferente aqui…”

As duas aos escutar isso, se olharam e começaram a rir.

“Então, o que houve? Tem algo errado?”

Tudo nelas eram idêntico, rosto, maneira de rir e falar. Kirito e Eugeo as observavam e cochichavam entre si.

Porque uma Unidade Humana teria gêmeos…? Assim como os incrivelmente raros trigêmeos, nem sequer o Mestre conseguia entender direito como aconteciam esse tipo de ocorrência.

Depois e inúmeros casos consecutivos de Unidades Humanas morrendo nas áreas mais afastadas, a incidência de nascimento de gêmeos aumentou consideravelmente. Isso provavelmente era algum tipo de ajuste populacional do sistema. Mas se fosse esse o caso, não haveria necessidade de serem completamente iguais. Não haviam falhas para que se pudesse diferenciá-los.

Dessa forma, o observador só conseguiria distingui-las se desse uma olhada na Janela de Status daquelas Unidades… ou nos termos dos humanos desse mundo, olhar na Janela de Stacia. E somente assim, saberia quem era quem e poderia ganhar esse pequeno jogo. Em outras palavras, Kirito só poderia contar com seu próprio instinto.

Acredite nos seus instintos, garoto!

Murmurou quase que inaudível na base do couro cabeludo do rapaz. Kirito não foi capaz de ouvir, mas mesmo assim levantou a mão esquerda e apontou para a garota com o laço vermelho.

“Bom dia, Telulu!”

E depois apontou para a que usava o laço azul.

“E bom dia, Telin!”

Assim que terminou de falar, as gêmeas se olharam novamente e disseram juntas:

“Acertooou!!!”

E moveram suas mãos para frente, cada uma trazendo consigo uma cesta retangular de vime.

“Aqui está a recompensa por conseguir acertar. Torta de amoras!”

“Nos esforçamos bastante colhendo as melhores amoras. Levamos um dia inteiro fazendo isso para que vocês possam se alimentar bem e ganhar o torneio. ”

“Sério? Muito obrigado, Telulu, Telin!”

Kirito baixou o barril de madeira, largando-o no chão. E levou suas mãos e acariciou a cabeças das duas meninas. Que lhe retribuíram com largos sorrisos. Só pararam de sorrir quando olharam para Eugeo, que estava com um expressão preocupada.

“…O que houve, Eugeo? Não ficou feliz?”

“Não diga que não gosta de amora?”

Imediatamente o rapaz de cabelos loiros começou a sacudir as mãos.

“Não! Não é isso. Adoro amora também!… É só que recordei de algo do passado. Me desculpem e também muito obrigado por se preocuparem conosco.”

Depois de ouvirem isso, as duas sorriram aliviadas e correram até a mesa arredondada que ficava perto do campo de pastagem, logo mais adiante do estábulo.

Kirito desviou o olhar das duas meninas que preparavam o café da manhã e foi até Eugeo dando-lhe uma palmada em suas costas.

“Temos que ganhar esse torneio de qualquer maneira hoje e chegar o mais rápido possível até o alto escalão do exército para que possamos finalmente ir para Centoria no próximo ano… onde está Alice. Não concorda, Eugeo?”

Eugeo concordou diante dessa simples, porém firme frase.

“Sim, exatamente isso. Os cinco meses em que passei aprendendo o ‘Estilo Aincrad’ de você foram somente para esse momento, Kirito.”

Kirito não rebateu nada do que Eugeo disse, mas também não precisava. Haviam muitas mensagens nas entrelinhas que ambos compreendiam, cada um da sua própria maneira.

Nessa curta frase, cheia de significado para os dois, haviam somente uma única palavra que era estranha para o observador, algo que ele nunca tinha escutando em seus 200 anos como invocador, aquele estranho nome do estilo de luta com espadas.

Mas ao menos estava a par do objetivo em comum da dupla, a unidade chamada Alice.

Se a Alice mencionada tantas vezes por eles era a mesma que lembrava… então aqueles dois tinham realmente um grande caminho pela frente.

Isso porque ela estava em um lugar, muito, muito alto, chamado Catedral de Centoria, na cidade de mesmo nome…

“Kirito, Eugeo! O que estão esperando?”

“Venham logo! Ou Telin e eu comeremos tudo.”

Kirito foi empurrando as costas de Eugeo, enquanto se dirigiam apressados à mesa.

As sacudidas interromperam os pensamentos do observador, fazendo-o retornar à realidade.

Repassou mentalmente várias coisas sobre esses últimos cinco meses. E uma dessas é que estava perdendo o foco que era de apenas observar e começou a ser preocupar com o futuro daqueles dois…

Se agarrou com mais força nos cabelos negros e suspirou profundamente.

Depois de um animado café da manhã, as gêmeas os deixaram dizendo essas palavras:

“Estaremos torcendo por vocês!”

Os dois levaram os cavalos para o pasto e fizeram a limpeza do estábulo. Normalmente após esses afazeres, começariam a praticar com as espadas de madeira, mas hoje era diferente.

Ambos foram se lavar no poço e nesse momento o observador deixou a cabeça de Kirito para se esconder na copa da árvore mais próxima, trocaram as roupas de trabalho e colocaram suas próprias e finalmente se dirigiram à casa principal da fazenda.

A esposa do dono do local, Toriza Wolde, tinha uma personalidade bastante sincera e direta, algo realmente útil para quem cuida de uma fazenda. Provavelmente essa foi uma das razões pela qual ela havia contratado aqueles estranhos garotos.

E hoje, foi igualmente sincera com suas palavras quando se despediu deles com palavras de incentivo e lhes alcançando um embrulho com seus almoços que Kirito e Eugeo agradeceram cordialmente.

Enquanto os acompanhava até a rua, brincou:

“Caso falhem em virarem soldados lá na cidade, voltem e sejam esposos de Telin e Telulu!”

Esse comentário brincalhão fez com que os garotos rissem sem jeito.

Deixaram a casa principal e caminharam cerca de 3 kilolus em direção à cidade. Fizeram o trajeto praticamente em silêncio, algo incomum entre os dois. Provavelmente devido ao nervosismo.

Cada ano, em 28 de agosto, a cidade de Zakkaria promovia um evento de competição de espadas na zona norte de Norlangarth, atraindo pessoas de mais de 50 aldeias e vilarejos.

Basicamente, todos os participantes seriam pessoas com Tarefas Sagradas relacionadas à Guarda com exceção de Kirito e Eugeo  que não possuíam uma tarefa definida.

E existiam somente duas vagas para entrar no exército de Zakkaria, que estavam designadas para uma pessoa do bloco leste e a outra para uma pessoa do bloco oeste. De maneira que eles não poderiam falhar se quisessem dar prosseguimento aos seus objetivos.

Porém, havia uma possibilidade de caírem no mesmo bloco e assim, somente um passaria, pois teriam que inevitavelmente lutar um contra o outro. Mas pelo visto nenhum deles queria levar essa hipótese em conta.

Enquanto seguiam imaginando como seria o torneio, ouviram explosões ao longe.

O observador foi mais para o alto da cabeça de Kirito e avistou que os sons, seguidos de clarões, vinham mais além da colina, na direção de onde ficava a maior cidade da área NNM, Zakkaria. A população dessa cidade era em torno de 1950, menos de 10% do volume populacional da capital Centoria, mas nos dias de torneio, seu número quase excedia a capacidade do local, fazendo com que uma simples caminhada pelas ruas se tornasse uma bela dor de cabeça, tamanha multidão encontrada pela frente.

Ao se aproximarem da entrada leste da cidade, Eugeo sussurrou:

“…De fato, se não estivesse vendo, poderia duvidar sobre a existência de Zakkaria.”

“O que quer dizer?”

O garoto loiro sorriu ao escutar a pergunta de Kirito.

“Bem, isso é porque, tecnicamente, nenhum adulto de Rulid jamais viu Zakkaria. O antigo chefe da guarda, Doyke, tinha o direto de vir participar no torneio, porém nunca o exerceu. E eu sequer teria essa possibilidade se ainda estivesse encarregado de cortar o Giga Cedro. Por isso disse que esse lugar poderia não existir.”

“Mas agora você confirmou, Zakkaria existe e você chegou aqui com suas próprias forças.”

Kirito sorrindo respondeu ao seu amigo e continuou:

“Realmente Zakkaria é incrível. E sendo assim, se ela existe, então Centoria também é real.”

“Sim. É realmente maravilhosa. Partimos de Rulid há mais de cinco meses e ainda não descobrimos tudo que existe além daquele povoado… impressionante, realmente impressionante.”

O observador conseguia entender as palavras sinceras de Eugeo, mas sentia algo estranho. Seu Mestre, quem vivia nesse mundo por incontáveis anos, já tinha visto a cidade de Centoria assim como todo o mundo humano, o qual confirmou que seu tamanho era de 1500 kilolus. E mesmo com sua capacidade superior à qualquer Unidade Humana e equiparada aos Integrity Knight, existia toda uma área que ainda lhe era desconhecida. E ela ficavam atrás daquela imensa cordilheira, além dos limites da borda da cadeia montanhosa, a qual rodeava todo o mundo humano… o Dark Territory.

Existiam apenas alguns rumores de como era lá. Que tinha diversas aldeias e cidades, inclusive uma enorme metrópole totalmente de obsidiana negra… O observador cogitou uma oportunidade de tentar verificar esses locais com seus próprios olhos.

Impossível…! Melhor deixar esses devaneios de lado e continuar meu trabalho aqui, observando essa dupla…, mas talvez um dia…

Isso era o que provavelmente o observador estava pensando naquela hora.

Então de repente algo chegou perto muito rápido, causando tanta agitação que o observador quase saiu voando da cabeça de Kirito. Para evitar cair, se agarrou com todas suas forças nos fios de cabelos negros e começou a procurar o motivo de todo alvoroço.

O que viu foi um cavalo bem na frente do garoto, já com as patas dianteiras erguidas, prestes a aterrissar sobre Kirito.

Com um relincho muito alto, se sacudiu como se quisesse jogar sua montaria, um guarda da cidade, longe. Graças ao pequeno tempo que levou se retorcendo no ar, foi justamente o que Kirito precisou para se evadir, pulando para trás, evitando o dano que levaria ao ser pateado.

O animal continuou indo para cima de Kirito, galopando e corcoveando em direção ao portão leste da cidade, mais ou menos 10 mels de distância, onde estava o pelotão de cavalaria em frente a um local com uma ponte de pedra e um fosso.

Quando Kirito, que avançava se esquivando do cavalo descontrolado, estava quase atravessando a ponte, o sentinela que estava lá gritou:

“Pa-Pare! PARE!!”

O soldado que estava sobre o cavalo tentava desesperadamente controlar o animal puxando pelas rédeas, mas não parecia surtir nenhum efeito.

Animais vivos como os cavalos requeriam um grande Controle de Autoridade, mas uma Unidade que tivesse a Tarefa Sagrada de Guarda deveria cumprir esse requisito.

Mas nessa situação, haviam somente poucas situações onde o cavalo não escutaria seu cavaleiro. Por exemplo, pouca alimentação e hidratação levando uma diminuição significativa de sua Vida ou ainda o sentimento de proximidade de alguma fera prestes a atacar. Mas justo agora, nenhum desses cenários pareciam se encaixar.

Enquanto o observador continuava tentando adivinhar, o cavalo novamente começava a se erguer as patas traseiras. Kirito, que até agora não tinha conseguido se livrar da perseguição do cavalo, estava bem embaixo delas…

As pessoas que estavam na volta começaram a fazer uma algazarra ao perceberem a situação.

Até mesmo a vida de um adulto se reduziria pela metade ao ser pisoteado por um cavalo… E caso pegasse um ponto vital, era bem possível que se esgotasse por completo.

“C-CUIDADO!!”

Alguém gritou no mesmo instante que Kirito fazia um movimento de rolamento. Movendo-se por entre as pernas do animal e seguindo para o seu lado, levantando-se e rapidamente passando os braços em volta da cabeça do cavalo, agarrando fortemente e gritando:

“Eugeo, ali atrás!!”

Seu amigo já estava em ação quando Kirito gritou. Enquanto segurava com todas suas forças a cabeça do animal, Eugeo chegou por trás, até a base da cola e rapidamente com a mão direita, pegou algo entre a pelagem. Nesse instante, o arredio cavalo, tornou-se imediatamente dócil.

Kirito afrouxou a força exercida sobre a cabeça do cavalo e começou a acariciar gentilmente seu nariz.

“Certo, certo! Já está tudo bem, garoto. Senhor guarda, já pode relaxar as rédeas.”

Ainda em choque, o jovem soldado na sela concordou e afrouxou as cordas. Kirito se afastou do cavalo dando um passo para trás. E o animal, tranquilamente, foi retornando ao seu local junto à ponte de pedra.

Ao verem o feliz desfecho dessa situação, as pessoas suspiraram aliviadas.

O observador, não podendo fazer mais nada, também suspirou no alto da cabeça de Kirito enquanto baixava os braços que tinha erguido instintivamente para fazer um feitiço de proteção para evitar que o garoto e ele saíssem feridos do ataque.

Caso Kirito não tivesse sido ágil o suficiente e contornado a situação, ele realmente teria executado o comando e interferido naquela hora, revelando-se e pondo a perder toda missão. Algo inconcebível para um mero observador.

O garoto, que não tinha consciência de seu pequeno passageiro, estava tentando recuperar o fôlego colocando a mão sobre o peito, virou para seu companheiro e sussurrou:

“…Uma mosca gigante do pântano?”

“Exatamente.”

Eugeo confirmava em voz baixa, enquanto olhava ao redor. Quando constatou que as pessoas já haviam ido embora, abriu a mão direita e mostrou seu conteúdo.

Era um inseto alado de 4 cens de largura, com riscas vermelhas e pretas no abdômen. Parecia uma abelha gigante, mas sem o ferrão venenoso característico, ao invés disso, tinha grandes filamentos protuberantes saindo de sua boca.

Dentre as classes de insetos capazes de limitar os movimentos das Unidades Humanas, este não era particularmente muito nocivo, já que não causava um dano direto a um humano. Porém sua picada causava uma dor imensa e ainda poderia baixar uma porcentagem de vida ao chupar seu sangue.

A boa notícia é que esse tipo de inseto só ataca cavalos, gados e cabras. E essa era justamente a razão pela qual o amável cavalo daquele soldado tinha se descontrolado, ele tinha sido picado no traseiro por essa enorme mosca do pântano.

“Mas… isso é estranho…”

Kirito murmurou isso enquanto recolhia o inseto já morto pelas mãos de Eugeo.

“Não deveria existir nenhum pântano aqui perto, não é?”

“Sim, foi isso que me disseram logo quando começamos a trabalhar na fazenda Wolde. Que não precisávamos nos preocupar com esses insetos atacando os cavalos pois não existiam regiões pantanosas por perto… Que o único lugar que tinha um, era na floresta mais à oeste e por essa razão jamais deveríamos levar os animais para lá.”

“E essa floresta do oeste está aproximadamente à… 7 ou 8 kilolus de Zakkaria. É praticamente impossível que um inseto desses venha até aqui.”

Em resposta, Eugeo só pode inclinar a cabeça para o lado, tentando pensar em algo plausível e acabou dizendo a primeira coisa que veio à mente.

“…Bom… mas quem sabe ele tenha vindo dentro de algum produto de algum comerciante que tenha passado por lá? Não acha isso possível?”

“…Talvez…, quem sabe né?”

Enquanto discutiam sobre isso, a mosca nos dedos de Kirito perdeu a coloração. A vida dos insetos eram muito baixas e as dos insetos mortos eram mais ainda, de maneira que seus cadáveres permaneciam íntegros por apenas poucos minutos.

Rapidamente a grande mosca do pântano adquiriu uma cor acinzentada e se desintegrou virando pó até seu pequeno corpo desaparecer por completo.

Kirito assoprou sua mão e terminou de limpar em sua roupa.

“De qualquer forma demos muita sorte em não sairmos feridos dessa, justo antes do torneio. Foi bom termos aprendido a lidar com cavalos lá na fazenda, não é?”

“Com certeza. Caso consigamos nos unir ao exército, o que acha de tentarmos vaga na cavalaria?”

“Fizemos todo esse esforço para chegar até aqui, não me venha com essa de ‘Caso consigamos…’, Eugeo! Definitivamente vamos passar, não importa o tipo de obstáculo que por ventura venha a se apresentar.”

Eugeo observou o sorridente Kirito com uma expressão surpresa.

“Sim, obstáculos… temos que ganhar esse torneio de qualquer jeito. Mas não podemos nos esquecer de que haverão muitos oponentes para enfrentar.”

“Sim, é verdade. Mas o que quero dizer é que não devemos baixar nossa guarda, nem antes do torneio. Sempre pode ocorrer algum incidente como esse de agora a pouco.”

“Você está certo. Mas é realmente surpreendente ter ver tão cauteloso, Kirito.”

“Mas é claro que estou sempre cauteloso. Que tipo de pensamento tem sobre mim?”

Depois de dizer isso sorrindo, Kirito deu alguns pequenos empurrões em Eugeo e disse:

“Agora chega de conversa! Vamos encher nossas barrigas antes que o torneio comece!”

 

NOS VEMOS NA PRÓXIMA SEMANA !!!

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Até!

Bônus:

Bora curtir uma trilha bacana

https://www.youtube.com/watch?v=17Zz7cXdVXs