Sword Art Online Alicization Running em Português – Underworld – Capítulo 2 – Parte 3

Arco: Alicization – Running

Underworld – Parte 3

Sword Art Online Alicization - Running- Asuna
Kirito, você tem que voltar!

Realmente vocês criaram algo muito maluco…

Mesmo que aquela máquina tenha sido criada a partir dos dados que ela mesma havia proporcionado, Koujiro Rinko só conseguia ficar assombrada vendo aquele monstro.

No cômodo do lado, isolado por uma grossa parede de vidro, haviam objetos retangulares gigantescos que iam até o teto do local. Seu exterior era de metal não polido, com seu brilho prateado fosco, passando uma sensação bem ameaçadora.

Era muito maior do que o Medicuboid, usado para tratamento médico intensivo e sem falar do NerveGear.

E chamando bem a atenção, com somente algumas palavras em inglês, Soul Translator, desenhado na lateral da máquina. E logo abaixo, um grande número 4, enquanto que na direita, tinha o número 5.

Finalmente pude ver a tão falada máquina…

Rinko ficou ali, analisando tudo por uns dez segundos, antes de murmurar:

“Quatro… essa é deve ser a quarta máquina e aquela ali… a quinta…?”

Era isso o que poderia se supor vendo aqueles números encrustados nos grandes blocos do outro lado da parede transparente. Então ouviu uma breve explicação da pessoa à sua direita.

“O modelo experimental, o número um, encontra-se no laboratório principal em Roppongi e está conectado diretamente em um satélite.

Os modelos dois e três estão aqui no Ocean Turtle também, mas como pôde observar, essas máquinas necessitam de muito espaço, de maneira que não tinha área suficiente para colocá-los todos juntos, por isso separamos. E esses aqui, o quatro e cinco, são os modelos mais recentes, embora menores do que os anteriores, ainda assim precisam de uma sala bem grande para acomodá-los.”

A pessoa que explicou isso e as guiou até ali, não foi Kikuoka, nem Higa, nem o primeiro tenente Nakanishi, para dizer a verdade, nem era um homem. Em contraste com as roupas da maioria ali, essa usava um uniforme branco que cobria um corpo esbelto, sapatilhas rasteiras e completando a vestimenta, um pequeno chapéu. Era uma enfermeira.

A professora se perguntou o motivo pelo qual tinha uma enfermeira naquele lugar, mas depois de ponderar um pouco, viu que em um barco daquele tamanho e em um lugar completamente isolado, deveria com certeza, existir uma equipe médica.

A enfermeira tinha seu cabelo preso com três tranças e usava um óculos sem moldura. Levava consigo um tablet, o qual estava digitando algo que logo após mostrou para Rinko. Se tratava de um mapa do Ocean Turtle. Usou seu dedo com as unhas bem feitas para traçar um grande arco.

“A área central da pirâmide tem um mastro de estabilização com 20 metros de diâmetros e 100 metros de altura, chamado Main Shaft, ou Eixo Principal. Esse é o pilar que suporta cada andar dessa embarcação e também ajuda a manter a cobertura das demais instalações. Em seu interior, passam todos os circuitos vitais para o sistema de controle desse enorme veículo, em resumo, é a coluna vertebral do plano Alicization… E o lugar onde estão os 4 STL é o marco principal, Lightcube Cluster.

“Uau!… e pelo que vejo, isso é somente a parte de cima, não é? E como é a parte inferior?”

“Como você constatou, essa é uma construção dividida em dois, superior e inferior. O meio é uma chapa imensa e sólida de titânio. Tudo que está acima, consideramos superior e tudo que está abaixo desse bloco metálico, é considerado inferior. Nesse momento estamos na ‘Segunda sala de controle’ no piso superior. Chamamos de ‘Sub-con’.”

“Entendi. Então o primeiro lugar que nos levaram, era a ‘Primeira sala de controle’ e o andar inferior é o ‘Main-com’, correto?”

“Incrível, professora Rinko!”

Rinko deu um sorrisinho um pouco torcido enquanto a enfermeira se admirava sorrindo abertamente.

A garota que estava parada em silêncio ao lado, Yuuki Asuna, mantinha suas mãos apoiadas na parede vidro, olhando intensamente para a quarta máquina. Pois deitado na cama e conectado com todos aqueles aparelhos, estava o corpo de um garoto.

Muitos eletrodos estavam ligados sob a roupa branca do paciente, juntamente com uma sonda ligada em seu braço esquerdo. A área acima dos ombros estava toda coberta pelo STL, e por isso não era possível enxergar. Mas Asuna sabia que era Kirigaya Kazuto, a pessoa a qual estava procurando até agora.

Sword Art Online Alicization - Soul Translator
Kirigaya ficará bem e definitivamente voltará para você

Asuna continuou concentrada em Kirito e nem notou os olhares de Rinko sobre ela. Suas pálpebras se fecharam ligeiramente enquanto sussurrava algo impossível de ouvir. Lágrimas desceram de seus olhos, rolaram pelo rosto e encontraram o chão.

Rinko queria confortar Asuna de alguma maneira, mas ficou paralisada por alguns instantes e….

“Está tudo bem Asuna, Kirigaya ficará bem e definitivamente voltará para você.”

A enfermeira de óculos disse isso com um tom amável. Caminhou para perto da garota, passando por Rinko e estendendo sua mão até os ombros de Asuna.

“Sim, é claro que ele voltará… Mas me diga… porque está aqui, Aki?”

“Hã!? Vocês se conhecem?”

Rinko perguntou em clara confusão enquanto Asuna concordou com a cabeça.

“Bem, essa é Aki e é uma enfermeira que… trabalha no hospital de Chiyoda. E o motivo dela estar aqui, no meio do oceano, perto das ilhas Izu, é algo que eu não sei…”

“Estou aqui pois fui designada para cuidar de Kirigaya.”

“Então, qual é a sua real profissão? Ou é igual à Kikuoka? Se fazendo passar por algo que não é.”

A enfermeira chamada Aki não demonstrou nenhum sinal de insegurança enquanto recebia o intenso olhar de Asuna, muito pelo contrário, mostrou um sorriso muito gentil ao mesmo tempo que baixava suas mãos.

“O que está dizendo? Não sou como aquele senhor lá, sou uma legítima e linda enfermeira. Tenho tudo comprovado, diplomas, cursos, certificações… Porém, a instituição em que me formei foi a Academia de enfermagem da defesa nacional de Tóquio.”

“…Mas isso é um pouco…”

Asuna balançou a cabeça em acordo com a professora Rinko, que continuou.

“…Fiquei um pouco perdida agora, mas de todo jeito, quem é essa Aki afinal de contas?”

“Uma enfermeira legítima e… um pouco mais.”

Asuna assumiu a conversa novamente.

“Se realmente é uma enfermeira que se graduou na Academia de enfermagem e que está afiliada às forças de defesa, tecnicamente deveria estar trabalhando no Hospital da Defesa Nacional. Mas ao invés disso, Aki estava trabalhando no Hospital de Chiyoda durante o incidente de SAO, indicando que fora mandada para lá por Kikuoka, correto?”

“É uma resposta brilhante, Asuna.”

A enfermeira Aki repetiu o que havia feito antes e lhe deu um sorriso. Asuna continuou analisando-a antes de falar.

“Também há mais uma coisa. Li em algum lugar que aqueles que se alistam para essa academia de enfermagem, são tratados como recrutas no exército. Para tanto, acabam utilizando o mesmo sistema de ascensão de cargo. Nesse caso, além de enfermeira, você também é…”

“Um segundo, não diga mais nada!”

Disse a enfermeira com um leve sorriso enquanto colocava seu dedo nos lábios de Asuna, interrompendo-a. Então levantou sua mão até a cabeça, alinhou seu corpo e disse em voz alta e firme:

“EU, SEGUNDO-SARGENTO, AKI NATSUME, CUIDAREI PESSOALMENTE DA VIDA DE KIRIGAYA!!…Não se preocupe!”

A enfermeira e oficial da defesa deu a resposta final, acabando com aquela discussão. Restou apenas uma Asuna olhando um pouco desconcertada. Então a garota baixou a cabeça, suspirou fundo e disse:

“Certo, por favor, faça isso!”

Então virou-se novamente para a quarta máquina STL no outro lado daquela parede de vidro e ficou olhando intensamente o garoto deitado naquela cama de gel de aproximadamente 3 metros.

“…Você tem que voltar, Kirito!…”

Murmurou mais uma vez enquanto as lágrimas voltavam a rolar pelo seu rosto, o que fez a enfermeira a confortar novamente, colocando a mão esquerda nos ombros de Asuna.

“É claro que ele voltará. Enquanto estamos aqui, seu Fluctlight está lutando incessantemente para se curar. A rede neural já está se regenerando novamente e dentro de pouco tempo, ele acordará.

Além do que, ele não é qualquer um. Pois esse rapaz é o herói que terminou SAO, não é verdade? Vamos lhe dar esse crédito.”

Porém, as palavras que saiam da sua boca não condiziam com seus sentimentos, cada uma delas produzia uma forte dor em seu peito, mas não poderia deixar isso transparecer. Apenas respirou profundamente e ficou ali, parada ao lado de Asuna, observando através do vidro.

20:00 horas.

Rinko baixou a cabeça e olhou para o relógio em seu pulso. Então observou o visor junto a porta com palavra ‘CHAMAR’. Apertou o botão da lateral e alguns segundos depois ouviu uma voz que deu uma curta resposta.

“…Sim?

“Sou eu, Koujiro. Gostaria de falar uma coisa, tem um momento?”

Claro, só um instante.

Segundos depois que a voz metálica vinda do painel silenciou, sua iluminação trocou de roxa para verde e com uma vibração, a porta deslizou para o lado e se abriu.

Rinko entrou no quarto e viu Asuna sentada na cama. Esta cumprimentou a professora com uma leve balançada com a cabeça enquanto apertava o botão do controle remoto para fechar a porta novamente.

A cabine tinha exatamente as mesmas características e dimensões do que o quarto de Rinko, que se encontrava logo em frente. O espaço era de mais ou menos 6 tatames ou 9,72 m², totalmente em resina branca, com uma mesa, um sofá e um pequeno computador, que era apenas um terminal para acessar a rede interna da embarcação.

O primeiro tenente Nakanishi, quando as trouxe até ali, informou que aquelas eram ‘cabines de primeira classe’. Em sua cabeça, Rinko tinha uma outra definição para cabines de primeira classe e todas tinham um enorme espaço, com banheiro privativo juntamente de uma grande banheira, uma confortável cama e um eficiente serviço de quarto… Algo lhe dizia que Nakanishi não conhecia muito bem esse tipo de lugar, pois esse local era meramente um cubículo para dormir com um diminuto chuveiro. Mas talvez realmente isso já fosse um luxo ali…

Com exceção de um pequeno detalhe, o quarto e Asuna era ligeiramente diferente do de Rinko, pois tinha uma estreita janela ao lado da cama. Que mostrava o exterior do Ocean Turtle, a área que estava junto aos painéis solares.

A professora tinha pego o elevador ao lado propositalmente horas antes apenas para ficar admirando o pôr do sol e agora se deu conta que daquela pequena janela isso também seria possível. Mas com o avançado da hora, o céu já estava escuro e nublado, provavelmente nem as estrelas seriam vistas naquela noite.

Você gosta da paisagem marinha? Se quiser, pode ficar aqui, não me importo de trocar.

Asuna disso essa frase com um pequeno sorriso sincero nos lábios. Rinko colocou o pequeno copo de plástico com chá Oolong, que havia comprado em uma máquina localizada no corredor perto dos elevadores na mesa antes de sentar-se naquele dura acomodação.

“Ai! Que assento duro!”

Soltou essa frase, que imediatamente tomou como um lamento de uma velha. Nesse instante ela deu uma boa olhada em Asuna. Sabia que ainda era uma mulher jovem, mas ao ver a beleza daquela garota em sua frente, se deu conta de que sua juventude começava a desbotar, pois já estava passando dos 30 anos…

“Beba!”

Asuna pegou o copo enquanto sorria.

“Muito obrigada. Justamente o que precisava, estava morrendo de sede.”

“Peguei a água em um dos bebedouros.”

Asuna deu uma olhada para a professora enquanto bebia.

“A água de Tóquio com toda certeza é melhor do que essa…

Bom, parece ser água do mar purificada. E suponho que esteja livre de Trialometano. Mas digo uma coisa, é provável que seja mais nutritiva do que muitas das que vendem por aí.”

Saboreou o chá gelado com um longo gole, muito embora ela preferisse estar bebendo cerveja. Porém não queria descer até a cafeteria para comprar.

Suspirando, Rinko ficou novamente observando Asuna.

“É realmente uma pena que não tenha podido estar com Kirigaya.”

“Sim, mas só o fato de poder vê-lo pelo vidro já foi um alívio, senti como se ele estivesse apenas dormindo tranquilamente.”

Asuna deu um sorriso e a professora pode notar que um pouco daquela ansiedade que estava estampada no rosto daquela menina tinha diminuído um pouco.

“Mas que noivo problemático você tem, hein? Do nada desaparece e vem parar no meio do oceano. Deveria colocar uma coleira nele o mais rápido o possível…”

Rinko deu uma piscadinha para Asuna que estava sorrindo com seus pensamentos longe. E quando a garota se deu conta que estava sendo observada, corou e baixou a cabeça.

“Eu gostaria de lhe agradecer imensamente, professora Koujiro, por aceitar um pedido tão maluco quanto o meu… não sei nem o que dizer.”

“Não há necessidade disso e pode me chamar apenas de Rinko… Além do mais, o que fiz por vocês dois ainda é muito pouco…”

Rinko balançou a cabeça como se decidindo o que deveria dizer. Então olhou diretamente para Asuna e prosseguiu.

“…Tenho algo para dizer para você. Hummm, não, não somente para você e sim para todos os jogadores do antigo SAO…”

“…”

Rinko fazia seu maior esforço para continuar olhando para os olhos de Asuna. Suspirou fundo, abriu alguns botões de sua camisa e de seu pescoço retirou um fino colar de prata, deixando à mostra uma pequena cicatriz em seu esterno.

“Sabe algo… sobre essa cicatriz…?”

Asuna continuou olhando para o local acima do coração de Rinko e finalmente balançou a cabeça em afirmativo e respondeu:

“Sim. Esse é o lugar onde estava uma micro bomba de fragmentos colocada pelo líder da guilda… Kayaba Akihiko, e ficou aí por dois anos…”

“Correto… fui forçada a tomar parte naquele terrível plano ficando encarregada de cuidar do corpo daquele homem enquanto ele ficava imerso durante longos períodos… aos olhos do mundo isso é o que se sabe. Por isso não fui indiciada por nenhum crime e meu nome não foi divulgado, o que me ajudou a fugir para a América assim que pude…”

Rinko devolveu o colar no pescoço e fechou a camisa enquanto continuava com visível dificuldade o seu relato.

“Mas isso não é a verdade. É certo que havia uma bomba implantada em meu corpo e que foi retirada no hospital da polícia, porém jamais foi detonada, mas caso eles tentassem, ela nunca explodiria… era somente um artefato falso para me acobertar.

Uma vez que o incidente terminou, nunca busquei um motivo do porquê a arma era falsa, já que foi o único presente que recebi da pessoa que a colocou…”

Mesmo após escutar isso, a expressão de Asuna não se alterou. Aqueles puros olhos claros pareciam que podiam ver o interior do coração de Rinko.

“Kayaba e eu começamos a sair durante o primeiro ano da universidade e incluindo o tempo que passamos nos nossos laboratórios estudando, foram seis anos juntos… mas eu era a única que pensava dessa maneira.

Sou mais velha do que você, porém não consegui o que fez, que é alcançar o coração da pessoa que tanto amei… Não conseguia ver os sentimentos de Kayaba. Ele queria apenas uma coisa, algo que jamais consegui entender.”

Seu olhar se perdia agora no oceano naquela noite totalmente escura. Rinko começou a falar sobre os últimos quatro anos, falando cada palavra bem devagar. E conforme ia dizendo aquele nome que trazia tanto sofrimento, começou a sentir que estava no rumo certo de sua absolvição.

Durante o tempo em que se matriculou na famosa universidade industrial do Japão, Kayaba Akihiko já estava à frente da terceira geração de desenvolvimento na Argus Corporation. Ele focou seus esforços como programador de jogos, fazendo com que a simples produtora de videogames Argus, virasse umas das melhores empresas de desenvolvimento mundial. Assim, que não foi difícil para ele conseguir um posto de administração quando entrou na universidade.

Se dizia que Kayaba tinha um salário anual de mais de 100 milhões quando tinha apenas 18 anos e depois de adicionar as taxas de licenciamentos de suas criações, atingiu um nível ainda mais absurdo.

Naturalmente, várias garotas o cercavam no campus, mas que acabavam desistindo e pedindo desculpas quando recebiam olhares mais frios do que gelo, demonstrando que ele estava completamente desinteressado em qualquer tipo de relacionamento amoroso.

Por isso, Rinko não podia entender porque Kayaba nunca a rejeitou, mesmo sendo um ano mais nova e sem muitos atrativos. Talvez fosse porque ele jamais tivesse dito algo ruim para ela? Ou quem sabe porque dentre todas, ela era a única intelectualmente capaz de trabalhar em um laboratório como o de Shigemura?

Não importa o que fosse, de uma coisa ela tinha certeza, não era por sua beleza.

A primeira impressão que Rinko teve de Kayaba quando ela lhe abraçou foi que ele parecia um broto de feijão prestes a quebrar. Sua usual aparência pálida, as roupas brancas amarrotadas e sempre um dispositivo de diagnóstico nos bolsos ou nas mãos para alguma eventual necessidade. Recordou de vários pequenos incidentes que ocorreram, como da vez em que o arrastrou para um passeio em um carro alugado.

“Se não sair de vez em quando para tomar um sol, as ideias não irão aparecer!”

Rinko falou de repente pegando de surpresa um Kayaba que estava sentado no banco do carona olhando para trás com a expressão perdida.

Depois de um tempo, você deixa de precisar da emulação dessa luz natural sobre sua pele.

Essas foram as estranhas palavras que ele disse, deixando uma sensação estranha na confusa Rinko.

Um tempo depois tomou conhecimento do outro lado daquele jovem famoso. Toda aquela exposição acabara por distanciá-lo de qualquer aproximação social. O isolou de tudo e todos. Mas acima de tudo, era realmente um rapaz franzino e triste que não se alimentava bem. Por isso, toda vez que ia até seu quarto, ela sempre o obrigava a se alimentar direito, preparando algo com suas próprias mãos.

Essa pessoa nunca me rejeitou. Será que era porque estava pedindo ajuda e eu sequer me dei conta?

Essa era algo que sempre se perguntava, porém, nunca teve uma resposta. Aquele homem, Kayaba Akihiko, nunca confiou em ninguém mais além dele próprio até o final. Ele só queria uma coisa, ‘um mundo que não estava aqui’, ele queria atravessar uma porta que sempre esteve proibida para os homens, onde só é permitida a entrada dos deuses.

Por várias vezes, Kayaba falou sobre um castelo gigante flutuando que aparecia em seus sonhos. Esse castelo era composto por diversos níveis, todos com ruas, bosques e campos até onde a vista alcançava. E um desses níveis tinha uma longa escadaria que se projetava até os céus, onde ficava um maravilhoso castelo em meio as nuvens.

“E mora alguém nesse lugar?”

Quando Rinko perguntou isso, Kayaba sorriu e respondeu:

Não faço ideia…

Quando era bem pequeno, sempre sonhava em ir até esse castelo. Todas as noites eu escalava aquelas escadarias, degrau por degrau e me aproximava dos céus. Porém, certo dia, não consegui mais subir, não conseguia me aproximar mais do castelo de meus sonhos…

Mas, um dia após Rinko entregar sua tese de bacharelado, ele finalmente faria a viagem rumo ao seu castelo dos sonhos para nunca mais voltar.

E usando apenas suas mão, transformou aquele castelo flutuante em algo real, tomando para si a vida de 10 mil jogadores deixando Rinko para trás, sozinha aqui no chão.

“Soube do incidente de SAO pelos noticiários e vi a foto de Kayaba sendo exibida apontado como o principal envolvido. Não conseguia acreditar e quando corri até sua mansão, vi que era realmente verdade, pela quantidade de viaturas policiais, carros de TV e curiosos, todos na rua em frente à residência.”

Rinko percebeu a dor em sua própria voz, todo aquele sentimento que tinha guardado por tanto tempo, começou a fluir novamente.

“Essa pessoa nunca me disse uma palavra sobre isso até o final. Foi igual quando começou a sua jornada. Ele nunca me enviou um e-mail sequer. Eu… realmente fui uma grande e completa idiota. O ajudei com o desenho básico do Nerve Gear pensando que era apenas mais uma criação para a Argus. Nunca descobri qual era a sua verdadeira intensão… E quando Kayaba desapareceu sem deixar rastros, percorri o Japão inteiro a sua procura. Passei muito tempo tentando descobrir onde havia ido.

E foi de um modo bem curioso, enquanto folhava uma revista, que lembrei algo do passado, um livro mapa que ele levava em seu carro, o qual tinha uma marca assinalada perto das montanhas em Nagano. Algo me dizia que meus instintos poderiam estar certo e que deveria verificar…

Se eu tivesse avisado a polícia naquela hora, o incidente de SAO poderia ter tomado um rumo bem diferente…”

Se a polícia tivesse entrado naquela cabana das montanhas, havia uma possibilidade de que Kayaba matasse todos os jogadores como havia declarado.

“…Mas creio que ele não iria até esse extremo…

Rinko apenas pensou isso mas não disse nada.

“Despistei a vigilância da polícia sobre mim, já que era a pessoa mais próxima dele e fui até Nagano sozinha. Passei três dias procurando a vila nas montanhas que estava assinalada no mapa. E antes que me desse conta, estava completamente atolada em lama até o pescoço… mas minha irritação por tudo aquilo ser culpa dele e a vontade de não me tornar sua cúmplice, me dava motivos e força suficientes para continuar, pois meu desejo naquela hora era de mata-lo….”

Mas exatamente como na primeira vez em que se viram, Kayaba nunca se surpreendeu em vê-la e nem tão pouco fez uma expressão de rejeição quando ela entrou na cabana e foi recebida por um ‘bem-vinda!’. Rinko não conseguia parar de sentir o peso do facão que estava em suas costas, mas…

“Eu… sinto muito, Asuna. Não consegui… matá-lo….”

Tentou evitar, porém, sua voz ficou embargada ao mesmo tempo em que lágrimas brotaram e rolaram pelo seu rosto.

“Não consegui mentir e lhe mostrei o facão que trazia comigo. Mas Kayaba somente me olhou e repetiu o que sempre dizia:”

Mas que mulher mais problemática”.

“Então colocou novamente o Nerve Gear e entrou em Aincrad.

Durante seu tempo ali, nunca se preocupou com seu corpo. De maneira que sua barba e cabelos já haviam crescido desordenadamente enquanto que em seus braço, pendiam diversos tubos e fios… E-Eu… apenas…”

Rinko não conseguiu dizer mais nada. Ficou em silencio tentado se recompor por alguns instantes.

Quando finalmente se acalmou, Asuna disse:

“Kirito e eu jamais te culpamos, Rinko.”

A garota que era dez anos mais nova de repente colocou a mão em sua cabeça e lhe mostrou um lindo sorriso.

“Bem… diferente de mim, Kirito ainda guarda muito rancor do líder da guil… de Kayaba Akihiko…, pois eles não conseguiram acertar as contas…”

Rinko lembrou que Asuna havia pertencido a guilda que Kayaba tinha criado naquele mundo.

“Sim, é verdade que esse incidente causou a morte de 4 mil pessoas. Se for levar em conta todo o desespero e medo pelo qual passaram quando morreram, definitivamente não conseguiria perdoar o crime do líder da guilda. Porém…, mesmo parecendo egoísta o que direi, é muito provável que esse curto período de tempo que vivi naquele mundo com Kirito, tenha sido a melhor recordação da minha vida até agora.”

Asuna moveu sua mão em direção ao corpo, como se tivesse pronta para pegar algo em sua cintura.

“E assim como o líder da guilda é culpado, eu, Kirito e você também somos todos culpados, Rinko… Mas sinto que nada do que fizermos vai poder compensar. O mais provável é que tenhamos que continuar enfrentando com coragem a nossa culpa e viver com isso.”

Nessa noite, Rinko sonhou com algo que fazia tempos que não sonhava, sua época de estudante, quando não sabia de nada.

O sonhador Kayaba sempre se levantava muito antes de Rinko, tomava seu café e lia as notícias. Rinko só acordava quando o sol já tinha nascido e ele olhando para ela dizia com um sorriso brincalhão:

Bom dia! Você realmente é uma mulher bem problemática para vir até esse lugar…

Aquela voz grave fez com que Rinko abrisse os olhos levemente. Se deu conta de que havia a figura de alguém alto parado no meio da escuridão.

“Ainda é de noite…”

Rinko voltou a fechar os olhos enquanto murmurava isso. O ar se agitou ligeiramente juntamente com sons de passos se afastando, seguido do som da porta se abrindo e fechando.

Estava a ponto de voltar a entrar em sono profundo quando…

“!!!”

Rinko deu um pulo da cama. A sensação de conforto de segundos atrás tinha desaparecido e seu coração pulsava rapidamente. Não sabia dizer ao certo se tinha sido um sonho ou se era realidade. Procurou imediatamente o controle para acender as luzes do quarto.

Não havia nada na cabine sem janela. Contudo, Rinko podia sentir um levíssimo aroma, como a presença de alguém, flutuando no quarto.

Saiu descalça em direção a saída. Apertou o painel, esperou a porta deslizar para o lado e caminhou para fora do quarto indo até o corredor.

Novamente não viu ninguém, nenhum movimento nos corredores que a essa hora estavam com as luzes mais tênues, mas ainda assim possibilitando a visão ao redor.

Foi realmente um sonho…!?

Mas aquela voz ainda ressoava em seu ouvido. Rinko inconscientemente pegou e esfregou o pingente de seu colar mantido no pescoço.

O que havia dentro era um objeto soldado que nunca mais poderia ser aberto. Era a bomba em miniatura que estava selada acima de seu coração. O pingente parecia emitir calor próprio enquanto ela o mantinha na palma da mão.

 

NOS VEMOS NA PRÓXIMA SEMANA  COM O PRÓXIMO CAPÍTULO!!!

 

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Até!

Bônus:

Trilha meio tensa para entrar nesse clima igualmente tenso!