Sword Art Online Alicization Running em Português – Underworld – Capítulo 2 – Parte 2.3

Arco: Alicization – Running

Underworld – Parte 2

Sword Art Online Alicization - Running - Volume 10
Artificial Labile Intelligence Cybernetic Existence – A.L.I.C.E.

“O quê…!?”

O trio, que não esperava a resposta da garota, ficaram atônitos, enquanto Asuna continuou a falar:

“Desde o momento em que cheguei aqui, fiquei me perguntando porque a Força de Autodefesa estaria tão interessada em criar uma Inteligência Artificial tão avançada.

Já faz bastante tempo, Kirito e eu tínhamos deduzido que Kikuoka estava interessado em VRMMO porque queria utilizar essa tecnologia para treinamento militar e policial afim de fortalecer as defesas do país. Portanto, imaginamos também que a criação dessa tão incrível Inteligência Artificial fosse para auxiliar no treinamento de tropas no combate às possíveis forças inimigas. Seja como for…, mantendo esse raciocínio, o treinamento dentro do mundo VR não possui realmente nenhum perigo real, então é bem plausível que os soldados façam grupos e ‘joguem’ juntos essas simulações de guerra com as demais pessoas, os civis…”

Ela parou por um instante, olhando as máquinas ao seu redor.

“Porém, parando para pensar, esse plano em si é mesmo muito complexo e exagerado para ser somente um projeto de treinamento.

Kikuoka, não tenho ideia de qual é esse ‘passo seguinte’ a que se referiu anteriormente, mas de uma tenho certeza, que todo esse esforço para desenvolver as I.A. são para uso em guerras no mundo real.”

Depois de um momento de surpresa, o rosto que estava olhando fixamente os olhos claros da garota, mudou para algo sem emoção, porém ainda com um sorriso incompreensível, disse friamente:

“Desde o início então…”

Soou a voz com um tom implacavelmente duro.

“A pesquisa para integrar os VR para o treinamento militar vem desde o surgimento da tecnologia de FullDive, quando ainda era uma parafernália cheia de monitores e fios.

Todas essas bugigangas que o exército norte americano desenvolveu antigamente ainda se encontram em exposição na nossa sede em Ichigaya.

Fazem cinco anos, exatamente no mesmo tempo em que começou o desenvolvimento do Nerve Gear, a nossa Força de Autodefesa e o exército norte americano estavam desenvolvendo programas de treinamento em conjunto, porém, depois de testar o beta de SAO, mudamos imediatamente de planos.

Nesse tipo de ambiente, a tecnologia propiciava muito mais alternativas do que as que estávamos tentando criar. O conceito de guerra, a partir daquele instante, já havia mudado… e então, no final desse ano, quando ocorreu o incidente de SAO, me transferi voluntariamente para o Ministério de Assuntos Internos e Comunicações para encabeçar a iniciativa de resgate dos jogadores. E desde então venho cuidando e acompanhando de perto qualquer coisa relacionada à esse incidente, tudo para o bem do plano. E depois de meia década, finalmente chegamos até aqui.”

“…”

A conversa foi para um lado que não tinha sido previsto, tanto que Rinko acabou ficando sem argumentos por algum tempo. Só seguiu falando o que lhe vinha a mente de imediato.

“…Eu era apenas uma estudante, ainda na escola primária quando aconteceu a guerra do Iraque, porém, lembro claramente de muitos fatos. Dos informes como aviões e blindados de guerra não tripulados dos Estados Unidos atacavam o inimigo. Suponho que sua explicação tem algo a ver com isso, não? Que todas essas armas que citei tinham I.A. trabalhando por trás. Ao menos é isso que acho que está pensando…”

“E não somente eu. Todos os países estão atrás desse tipo de tecnologia, especialmente os Estados Unidos a persegue incessantemente a muitos anos.

Bem, o que irei falar agora pode lhe trazer algum desconforto, Asuna…”

Kikuoka parou por um breve momento e olhou para Asuna. E comprovando que a garota estava calma, continuou:

“…Sugou Nobuyuki, quem te prendeu no mundo virtual de ALO, usou muitos jogadores de SAO como parte de um experimento. Ele tencionava vender os resultados de sua pesquisa para as companhias americanas.

Lembra-se da Grojean Micro Eletronics? A que fez diversos contratos para poder liderar o nicho de VR e ficou mundialmente conhecida pela ilegalidade desses acordos e por utilizar de maneira ilícita muita tecnologia militar nos seus projetos? Também temos a indústria estadunidense de munições que está focando um esforço considerável no desenvolvimento de drones para combate, justamente esses que a professora Koujiro acabou de mencionar. Sua mais notável conquista até agora é um avião chamado Unmanned Aerial Vehicle, que foi abreviado para UAV.”

Provavelmente Higa estivesse preparado para esse tipo de discurso de Kikuoka, pois imediatamente quando o avião foi mencionado, moveu o mouse para abrir uma imagem da máquina e colocá-la no enorme monitor. Nessa imagem haviam pequenos aviões caças, todos sem tripulação com a fuselagem bem alongada e várias asas unidas. Essas asas tinham mísseis teleguiados presos na parte de baixo e não havia uma só janela neles.

“Esses são aviões caças não tripulados para ataque e reconhecimento da armada americana.”

“São pequenos e dispensam uma cabine, permitindo um designer voltado para ficar invisível aos radares. As máquinas mais antigas eram todas controladas remotamente por um operador manipulando tudo através de um console, mas esses são muito diferentes.”

Quando disse isso, trocou a imagem por outra no monitor e dessa vez, era de um soldado sentado em uma confortável cadeira reclinada ao ponto de quase ficar na posição horizontal, com suas mãos apoiadas nos encostos. Então, Rinko viu um capacete preso à cabos muito familiar ao Nerve Gear. Olhando mais de perto, a pintura e alguns outros detalhes eram relativamente diferente, mas ainda assim, era o mesmo modelo.

Rinko olhou para o lado e viu a expressão congelada de Asuna. Então se voltou para Kikuoka que continuou com a explicação.

“Aqui, o operador está em uma cabine virtual. É como se realmente estivesse operando uma máquina enquanto está em imersão. Dessa forma, ele pode localizar as forças inimigas e disparar mísseis teleguiados sem problemas. Porém, o problema é que usamos ondas eletromagnéticas para controlar tudo, o que acaba deixando-o vulnerável à ataques do tipo PEM, pulso eletromagnético…, que é conhecido hoje em dia como ‘Contramedidas Eletrônicas’.

Fazem dez anos, os UAV de reconhecimento que os americanos usaram para se infiltrarem no Oriente Médio, foram todos abatidos por pulsos eletromagnéticos, resultando na queda e aprisionamento desse equipamento. Causando muitos transtornos nas relações internacionais o que quase iniciou outra guerra.”

“Então, é para esse uso que servirão as inteligências artificiais…? Para controlar esse tipo de aviões…?”

Kikuoka tirou seus olhos do monitor e virou para as duas mulheres e assentiu com a cabeça.

“O objetivo final é eliminar todos os caças pilotados por humanos em batalhas aéreas. Mas suponho que haverá diversas outras utilidades para esses Fluctlight Artificiais, assim que conseguirmos desenvolver programas adequados para cada propósito.

Porém, ainda há um grande problema. Que é passar para eles, soldados sem corpo, o conceito de ‘guerra’ …, mais precisamente, a vontade de matar. Mesmo sendo algo ruim, ainda é necessário matar os inimigos em uma batalha. E nosso maior entrave até agora tem sido que, os atuais Fluctlight Artificiais são totalmente incapazes de entender esse tipo de pensamento paradoxal, já que isso vai de oposição à suas regras.”

Kikuoka franzia a testa conforme ajeitava seus óculos no rosto.

“Montamos um ‘Experimento de sobrecarga’ para pôr a obediência dos residentes de Underworld à prova.

Sendo mais específico, escolhemos uma aldeia isolada e fizemos com que as colheitas e todas as reservas das fazendas fossem incapazes de sobreviver no inverno, criando uma situação que deixaria uma única escolha para que a aldeia sobrevivesse, que teriam que abandonar vários grupos de aldeões e racionar a comida restante com os que sobrarem. Forçando-os claramente a desobedecerem as regras do Índice de Tabus, já que eles estavam condenando vários dos seus à morte…, porém, o que aconteceu foi… que eles escolheram repartir tudo que tinham com todos os moradores e como consequência, todos morreram de fome quando a primavera chegou.

Com isso, provamos que eles são existências realmente incapazes de romper com suas as regras, seja lá por qual razão. Infelizmente isso acaba sempre terminando de maneira trágica. Em outras palavras… se eles são pilotos manejando armas, necessitam saber da premissa de que ‘matar é o melhor a se fazer’ em determinada situação. Mas que tipo de circunstância seria capaz de forçar eles a fazer tal ato? Nem nós conseguimos imaginar…”

O oficial de defesa cruzou os braços que saiam das mangas de seu yukata sacudindo negativamente a cabeça.

Rinko não conseguia imagina um cenário onde aviões caça ou outros tipos de veículos bélicos estivessem sendo pilotados por todo tipo de formas estranhas pensantes, usando mísseis e metralhadoras para matar indiscriminadamente, sejam soldados ou civis. Seus braços estremeceram enquanto tentava não pensar em algo tão caótico e terrível.

“…Isso realmente não é uma de suas brincadeiras, não é? Porque usar I.A. em armas que por si só, já são incrivelmente perigosas? Ainda que limitado, porque não seguem simplesmente controlando-as remotamente como vem fazendo? Se bem que… eu também não gosto da ideia da existência de qualquer tipo de arma sendo controladas por humanos.”

“Bem, não é como se eu não entendesse a sua sensação. Quando vi os rifles americanos com todos aqueles poderosos calibres nos veículos não pilotados, fiquei um pouco agradecido que não tinha nada manipulando eles. Porém, armas ainda são um mal necessário nessa era. E os países avançados são incapazes de resistir as demandas dos tempos.”

Kikuoka levantou um dedo de sua mão como um professor e continuou.

“Então, usaremos como exemplo a América do Norte, que tem o maior exército do mundo. A atual taxa de mortalidade durante a Segunda Guerra Mundial foi de mais ou menos 400 mil soldados. E mesmo com um número tão expressivo de mortes, o Presidente Roosevelt, recebia apoio incondicional pelas pessoas do seu país. Fazendo com que ele ficasse 4 mandatos no poder, exercendo seu trabalho por 13 anos e só saindo pois morreu em decorrência de um derrame cerebral.

Ainda não gosto desse tipo de atitude, mas naquele tempo, oitenta anos atrás, era válido usar o número de mortes de soldados como índice de vitória de um exército, diria até que fazia parte do ‘espírito’ das guerras de outrora.”

Após dizer isso, levantou o segundo dedo da mão.

“E já na Guerra do Vietnam, havia um movimento pacifista anti-guerra iniciado pelos estudantes, o que fez o Presidente Johnson não conseguir reeleição para um segundo mandato. Nessa ocasião, 60 mil pessoas morreram em combate. E enquanto a bandeira do anticomunismo era levantada, os soldados eram enviados ao campo de batalha somente para morrer um após o outro.

Porém, durante a paz temporária que foi chamada de Guerra Fria, os sentimentos das pessoas mudaram um pouco mais… e logo, esse tipo de abordagem acabou com o colapso da até então União Soviética.

A América tendo perdido seu grande inimigo chamado Comunismo, voltou-se para a fase que chamamos de guerra contra o terrorismo para poder manter sua indústria de munição e armamento para os exércitos, que havia se espalhado e se incrustado no coração e alma do país.”

Kikuoka levantou seu terceiro dedo sem fazer pausa em sua narrativa.

“Mas nesse campo de batalha, não havia sinal algum de aprovação dos cidadãos quanto ao que dizia respeito das mortes de seus soldados.

Durante a Guerra do Iraque, no começo do século, de todo o contingente que a América do Norte enviou, cerca de 4 mil soldados acabaram morrendo e esse número sacudiu as bases da administração do Presidente Bush. Claro que essa não foi a única razão para que a popularidade desse presidente fosse para o ralo, mas colaborou muito. Tanto que foi bem previsível que na eleição seguinte, o apoio do povo foi para o Democrata Obama que prometia a retirada das tropas do Iraque, ao invés do Republicano McCain, que tinha um linha de pensamento bem similar ao Bush. Em outras palavras…”

Ele baixou as mãos, respirou fundo e se preparou para dar sua longa conclusão.

“Dentro desse país, já não se admite que nessa era, os humanos tenham que ir diretamente para as guerras. Porém, são incapazes de deixar de repassar fundos para esse intento, sempre usando o argumento que é para uma suposta defesa. O futuro da guerra tem se transformado em armas não tripuladas contra inimigos com igualmente armas não tripuladas.

…Posso entender a situação da América, mas não posso aceitar esse tipo de coisa…”

Rinko concordou com o comentário de Kikuoka, porém, sentia uma irritação crescente conforme ia pensando no uso de armas não tripuladas para levar cabo uma guerra. Então, não se contendo, olhou para o homem parado na sua frente e perguntou:

“Existe algo que está me incomodando faz tempo. Porque você, que é um oficial de autodefesa desse país, segue nessa estúpida corrida armamentista?

Ou por acaso essa pesquisa do RATH foi encomendada pelas forças armadas americanas?

Devo lembrar do tratado de paz que o Japão assinou com os Estados Unidos e as nações aliadas na Segunda Guerra, para que não houvesse nenhum tipo de exército e somente um contingente reduzido denominado Força de Autodefesa?”

“VOCÊ ESTÁ ENGANADA! NÃO FOI ISSO QUE ACONTECEU!!”

Kikuoka negou com a voz alterada e aos berros, mas logo voltou ao seu estado normal, com os sorrisos enigmáticos de sempre e abrindo seus braços de forma exagerada.

“…É mais correto dizer que estamos flutuando em meio ao oceano exatamente para nos escondermos do exército americano. Pois de outra forma, se fizéssemos uma base no continente, ela estaria à vista deles.

E quanto estarmos produzindo armas não tripuladas para incrementar o poderio de um exército, bom, é um pouco exagerado dizer isso… e também um pouco complicado de explicar a razão.

Seria como perguntar para o professor Kayaba porque que ele criou SAO, mas creio que mesmo que diga tal coisa, vocês ainda não estarão satisfeitos, não é?”

“Pode apostar que sim.”

Rinko respondeu imediatamente, sem demonstrar nenhuma expressão e Kikuoka mais uma vez deu um grande e forçado sorriso enquanto encolhia os ombros.

“Me desculpe por ter sido rude ao falar dele… Certo… a principal razão é que atualmente o Japão está completamente vulnerável, pois nossa tecnologia de defesa é completamente inútil e fraca…”

“Tecnologia… de defesa?”

“Colocarei desse modo. As armas são desenvolvidas desde sempre, seu intenso progresso bélico nunca parou, porém, é de se esperar que nenhum país exporta armas para o Japão, justamente pelo motivo que você mencionou, de não podermos ter um exército formal. O mesmo serve para os fabricantes diretos. Eles não fecham nenhum tipo de contrato com a Forças de Autodefesa. No final, acabamos sempre comprando os últimos e mais obsoletos armamentos dos americanos. Onde, na última vez, demos um pouco de sorte, pois estávamos fazendo um desenvolvimento em conjunto e conseguimos algum retorno ‘melhor’. Mas deixo o termo ‘sorte’ bem vago, pois na verdade fomos apenas usados como massa de manobra intelectual e depois ganhamos algumas migalhas.”

Kikuoka ajustou o cinto de seu yukata, cruzou os braços e continuou explicando em um tom amargo.

“Por exemplo, os jatos de defesa que temos hoje, foram desenvolvidos nos Estados Unidos. Eles afirmam serem os mais atuais, mas na verdade, têm escondido suas mais recentes descobertas tecnológicas, todas elas muito mais avançadas do que as do Japão.

E quanto as armas que compramos, quais são as reais capacidades delas? Fica impossível de saber, pois parecem que tudo que chega para nós já está bem sucateado e depreciado. Nossos principais aviões de defesa, que compramos a pouco tempo, parecem que seu centro foi totalmente removido, virando uma casca oca. E é assim, dessa forma que o exército americano vem nos vendendo tecnologia desatualizada as quais temos que nos contentar sem reclamar, pois essa é a única fonte de equipamentos de defesa que possuímos… e parando para pensar agora, me sinto um idiota falando essas coisas…”

Kikuoka sentou fazendo uma careta, enquanto cruzava as pernas.

“E isso é o que se resume a nossa situação.

E chegando em um ponto onde um grupo de nossos oficiais, aliados com grupos de jovens técnicos de pequenos e médios fabricantes de artigos para a autodefesa sentiram o quão vulneráveis estávamos. Se perguntaram se poderiam realmente confiar toda nossa defesa tecnológica para a América? Essa urgência do iminente perigo, que foi o estopim por trás do nascimento do RATH, um conglomerado visando criar tecnologia própria do Japão. E isso é tudo o que pretendemos fazer.”

As palavras de Kikuoka foram realmente admiráveis, mas… até que ponto devemos aceitá-las como verdade?

Rinko pensou isso enquanto olhava bem dentro dos olhos por detrás das lentes dos óculos de moldura negra daquele oficial. Porém, aquele homem era muito experiente em não deixar transparecer nada, era como visualizar um abismo escuro.

A professora então resolveu checar o outro lado, encarando Higa Takeru, que estava sentado ao lado de Kikuoka.

“…E você? Qual é o seu motivo para tomar parte desse plano? É o mesmo dele, Higa? Não sabia que era tão engajado nos assuntos de defesa nacional.”

“Não, nada disso.”

Higa Takeru balançou timidamente a cabeça enquanto preparava uma resposta.

“Meu motivo, bom… é algo bem pessoal. Tinha um amigo muito próximo quando era um estudante na Universidade Coreana e que foi enviado para o Iraque pra prestar serviço militar, infelizmente ele foi apenas para ser assassinado por um suicida se explodindo com uma bomba.

Bom…, mesmo que continuem ocorrendo guerras nesse mundo, a minha esperança é que pelo menos os humanos não tenham que morrer por razões tão estúpidas. É nisso em que acredito.”

“… Entendo. Porém esse oficial de defesa aí do seu lado, quer que a tecnologia de armas não tripuladas fiquem somente com as forças de autodefesa desse país, não é? Logo, as mortes em batalha continuarão ocorrendo…”

“Sim, mas Kiku disse já estar ciente de que mesmo que sejamos atualmente os únicos a possuir esse tipo de tecnologia, não será possível mantê-la exclusivamente conosco por muito tempo, mas que poderemos sair na dianteira e tomar as rédeas da situação.”

Kikuoka fez uma careta enquanto ouvia as palavras de Higa. E até aquele momento, silenciosamente escutando a conversa do trio, Asuna acabou entrando no assunto, com sua melodiosa voz, porém em tom frio e claro.

“Você nunca falou de seus ‘belos’ ideais para Kirito, não é?”

“…Porque diz isso?”

Kikuoka inclinou a cabeça e Asuna fitou diretamente seus olhos.

“Se tivesse falado isso para Kirito, ele definitivamente nunca teria lhe apoiado. Pois há uma grande falha nessa sua história.”

“…A que se refere?”

“Os direitos sobre a inteligência artificial.”

Ao escutar essa frase, Kikuoka fechou o semblante na hora.

“…Não, é verdade que nunca dissemos nada do que falamos agora para Kirito, mas simplesmente pois não tivemos oportunidade. Ele também é uma pessoa bem idealista, certo? Se fosse de outra forma, jamais teria terminado SAO.”

“Simplesmente não entendo vocês. É certo que Fluctlight Artificiais não possuem um corpo ou carne. Mas porque ainda insistem em dizer que são vidas falsas?”

Os olhos de Asuna transmitiam uma tristeza profunda… que por um momento mostrou todo o sentimento de reprovação e pena daqueles adultos tão depreciáveis em sua frente. Porém, continuou dizendo lentamente.

“…Mesmo que eu diga isso, provavelmente vocês não serão capazes de entender… Em uma determinada área no nível 56 de Aincrad, disse praticamente essas mesmas palavras para ele…

Havia um boss de fase que tínhamos que vencer de qualquer jeito, porém a dificuldade era elevadíssima. Tanto que foi cogitado usar os próprios NPCs… os aldeões controlados por I.A. para ajudar na luta. Porém, Kirito disse que sob nenhuma circunstância deveríamos fazer tal coisa, pois os NPCs estavam vivos e que certamente deveria de ter outra alternativa. Todos de minha guilda riram dele… mas no final, viram que Kirito tinha razão.

Então, mesmo que sejam Fluctlight Artificiais, cópias produzidas em massa e armazenadas em dispositivos, Kirito jamais iria ajudar vocês a usá-los como meras ferramentas de batalha.”

“Não é como se não entendesse o que quer dizer. É certo que os Fluctlight Artificiais tem o mesmo nível intelectual de nós humanos. E olhando por essa perspectiva, concordo que estão realmente vivos. Porém, essa é uma questão de mensurar prioridades. E para mim, as vidas de centenas de milhares de Fluctlight Artificiais é muito menos prioritário do que a de um oficial de Autodefesa que trabalha em prol de seu povo e seu país.”

Esse é uma discussão sem fim e que nunca terá uma resposta definitiva…

Foi o que Rinko pensou. Qualquer coisa a respeito se as Inteligências Artificiais tem ou não direitos humanos, era uma pergunta que nunca teria uma conclusão razoável.

Quanto mais ponderava sobre o assunto, mais Rinko ficava confusa.

Como uma cientista, o pragmatismo dentro de mim me diz que as almas clonadas não são vidas e sim apenas experimentos. Mas ao mesmo tempo que digo isso… o que pensaria aquela pessoa? Aquela que sempre buscou algo que não estava aqui e que de tanto procurar, nunca mais voltou…

Rinko rompeu o silêncio para tentar ordenar mais uma vez seus pensamentos.

“Falando disso, gostaria de saber porque o garoto Kirigaya é tão indispensável para esse plano mirabolante? Por não ser nem cientista e nem militar, o risco de vazamento de informações é altíssimo. Então, porque ele?”

“É exatamente para responder à isso que tivemos toda essa conversa. Mas acabamos nos desviando do tema principal e quase esquecemos o que tínhamos para falar. Bom, vamos lá!”

Kikuoka pareceu tentar se esquivar dos olhares afiados de Asuna enquanto dava algumas tossidas entre sorrisos estranhos.

“Começamos com o porquê que os habitantes de Underworld não podem desobedecer o Índice de Tabus… Seria um problema com sua construção no Lightcube que contém os Fluctlight? Ou quem sabe isso venha da própria criança? Vamos repassar nossa discussão.

Se for o primeiro caso, haveria uma necessidade de rever o design do projeto e refazê-lo, mas se for o outro caso, teríamos que fazer uma abordagem um pouco diferente. Para isso, um de nossos técnicos, um humano real, teve suas memórias bloqueadas completamente e este voltou a ser uma criança novamente.

O deixamos crescer em Underworld para ver se suas ações seriam similares às dos Fluctlight Artificiais.

“Mas fazer algo assim não afetaria o cérebro dessa pessoa? Se sua vida foi ‘reiniciada’ …, isso não significaria que ele perderia as recordações anteriores?”

“Sem problemas… os Fluctlight podem aguentar uma carga de recordações de mais ou menos 150 anos, como eu havia dito antes, lembra-se?

Embora ainda não saibamos do porquê dessa margem…, mas se acabar traçando um paralelo estranho, na Bíblia, as pessoas contemporâneas de Noé viviam mais de cem anos, talvez estejamos recontando a mesma história sobre uma outra ótica…

E voltando então, primeiramente quando dissemos que o deixamos crescer, na verdade foi por pouco tempo. Cerca de dez anos apenas. Mas foi tempo suficiente para conseguirmos comprovar nossas teorias sobre se tínhamos chance de conseguir romper com esse tal de Índice de Tabus que eles criaram. É claro que após o experimento, todas as recordações da imersão também foram bloqueadas, de modo que quando retornou para a realidade, estava no mesmo estado que se encontrava quando iniciou os testes no STL.”

“…E os resultados foram…?”

“Recrutamos oito pessoas da companhia para servirem como testers, deixamos que eles fizessem a imersão no Underworld e os colocamos para crescer em diversos tipos de ambientes. No final… a coisa mais impactante foi que nenhum deles rompeu com as regras do Índice de Tabus antes de completarem dez anos de idade. E ao contrário do que pensávamos, eles eram bem menos ativos do que os Fluctlight Artificiais. O comportamento no geral eram de pessoas introspectivas que não se socializavam com quem estava na volta. De fato, não demonstraram nenhum interesse em conhecer os arredores do mundo onde estavam. Deduzimos que isso era pela sensação de incomodidade.”

“Sensação de incomodidade?”

“Sim. Ainda que tivéssemos bloqueados suas memórias desde o nascimento, isso não significa que tenhamos apagado tudo. Se isso acontecesse, eles não conseguiriam regressar mais a nossa realidade. Mas de qualquer maneira, não tinha a ver com ‘conhecimento’ e sim de ‘instinto’. Pois o que estava atuando ali era seus corpos. Os impedindo de se acostumarem com o local onde estavam, levando sempre a estarem com uma sensação de que aquele não era o seu lugar. Toda essa carga acabou que eles não conseguiam se acostumar com o Underworld. Independentemente do quão real aquele mundo possa ser, ainda assim não é diferente dos mundos virtuais criados pelo The Seed. Uma vez lá dentro, eles instintivamente sabiam que aquele local era levemente diferente de nossa realidade.

Foi mais ou menos a mesma sensação que tive quando usei o NerveGear pela primeira vez durante o beta de SAO.”

“…Devido a sensação da gravidade.”

Complementou Asuna.

“Gravidade?”

“Ao contrário da visão ou audição, a parte da pesquisa de desenvolvimento sobre a gravidade e equilíbrio em SAO acabou atrasando nos prazos e por isso foi implementada um pouco mais tarde. Ocasionando esse desconforto, pois a maioria dos sinais de movimentos contavam com a gravidade para poder ajustar nossos cérebros e dessa forma, quem não estava muito acostumado com o jogo, acabava tendo dificuldades para se locomover livremente.”

“Sim, e isso levava algum tempo para se acostumar.”

Kikuoka concordou com a cabeça.

“E se queremos fazer todo o tipo de experimentos, temos urgência de que a pessoa que entre lá para realizar os testes, já saiba se movimentar apropriadamente dentro do mundo virtual. Tínhamos em mente que isso era um ponto crucial. Pois as experiências não iriam durar somente dias ou meses e sim anos. Suponho que compreenda agora. É por esse motivo que necessitávamos de uma pessoa que estivesse mais habituada ao mundo virtual possível.”

“Espere um momento!”

Asuna interrompeu Kikuoka.

“Você está se referindo aos ‘três dias contínuos de imersão’ que Kirito falou? … Mas ele havia nos dito que a maior taxa de FLA era por volta de 3 vezes, assim que passou uns dez dias dentro do mundo virtual. Por acaso vocês mentiram para ele? E na verdade foram dez anos…!?”

Kikuoka e Higa foram fuzilados pelo olhar de pura raiva de Asuna. Era um olhar tão penetrante que eles instintivamente baixaram as cabeças com expressões de angustia.

“Sinto muito, na verdade, isso foi um erro cometido por nossa filial em Roppongi. Pois tinha dito para não revelarem nenhuma informação sobre a taxa de aceleração…”

“E ainda tem algo pior do que isso! Roubaram dez anos da alma de Kirito, para fazer isso. Se o tratamento que estão dando para ele agora fizer a mesma coisa, eu jamais perdoarei vocês!”

“Não é como se estivéssemos dando uma desculpa, mas Higa e eu contribuímos com o experimento por mais de vinte anos.”

“Porém, os dez anos de Kirito foram bem menos do que as quantias de Fluctlight que os membros do RATH contribuíram, mas ainda assim, foram bem mais proveitosos.”

“Você quer dizer ele fez algo que foi contra o Índice de Tabus enquanto crescia no Underworld?”

Rinko não conseguiu segurar a vontade de perguntar e Kikuoka sorriu.

“Tecnicamente não foi bem assim, porém, pode-se dizer que os resultados de sua estada por lá, foram muito mais do que esperávamos. Desde tenra idade, Kirito sempre demonstrou uma maravilhosa curiosidade e carisma, o que ocasionou o quase rompimento do Índice de Tabus inúmeras vezes. E claro, se seu Fluctlight tivesse quebrado facilmente o Índice da Tabus, isso significaria que os Fluctlight Artificiais tinham uma falha estrutural grave, o que não me deixaria lá muito feliz. Porém, seguimos observando suas ações e depois de passar mais ou menos sete anos lá dentro… Higa se deu conta de um fato muito interessante.”

Higa interrompeu Kikuoka e assumiu a explicação.

“Sim, originalmente eu era contra que Kirigaya fizesse parte do experimento, devido aos seus princípios indo contra os nossos e a probabilidade de vazamento de informações vitais, mas quando comecei analisar seu progresso lá dentro, tive que dar o braço a torcer sobre a excelente intuição de Kiku.

Digitalizamos a importância de várias cláusulas do Índice de Tabus e revisamos cada status dos residentes, inclusive criamos um marcador para ver qual era a probabilidade de romper com as regras definidas. Os Fluctlight Artificiais, a garota e o garoto, que sempre interagiam com Kirito, haviam incrementado significativamente sua probabilidade de perverter as leis do Índice de Tabus.”

“Hein…!? E isso significa…”

“Em outras palavras, Kirito, ainda que suas recordações do mundo real e personalidade tivessem sido seladas, foi capaz de afetar as ações dos Fluctlight Artificiais que estavam ao seu redor. De forma simples, sua força de vontade, carisma e jeito de ser contagiava a todos.”

Rinko percebeu que os lábios de Asuna mostraram um pequeno sorriso depois de escutar a descrição de Higa. Esse tipo de coisa sobre seu amado ela podia aceitar perfeitamente.

“…Ainda agora, não conseguimos entender com certeza do porquê dos Fluctlight Artificiais não desobedecerem as regras. Provavelmente seja pelos elementos utilizados para construir o Ligthcube, mas já decidimos que não vale a pena investir tempo para analisar esse tipo de coisa por enquanto, pois temos outras prioridades.

Resumindo, não temos necessidade de resolver o problema completamente, só queremos uma exceção, uma I.A. que seja adaptável e que tenha um conceito de saber priorizar as regras. Assim, uma vez que for clonada, deveremos conseguir algumas respostas.”

“Não gosto muito dessa ideia… mas no passado, foi obtido bons avanços com esse método.”

Rinko suspirou e perguntou a Higa.

“E então? Conseguiram a exceção que queriam?”

“Houve uma que chegou nas nossas mãos. A garota que era a existência mais próxima de Kirito e que finalmente desobedeceu o Índice de Tabus antes que o experimento de dez anos terminasse. Ela cometeu um crime muito grave entrando na zona proibida daquele mundo. Depois de inspecionarmos os arquivos, descobrimos que havia outro Fluctlight Artificial no local e que este havia morrido dentro da zona proibida. O mais provável é que a garota tenha querido salvá-lo. E analisando por esse lado, concluímos que ela valorizava mais a vida de outras pessoas do que o Índice de Tabus. Essa é a adaptabilidade que estivemos procurado. Bom, foi completamente diferente de destravar uma arma e atirar para matar alguém, mas o ato da decisão foi o que contou.”

“…Pelo que pude compreender, você colocou tudo no tempo passado. Porque? O que houve?”

“Ah sim! Infelizmente… não conseguimos segurar essa bela joia em nossas mãos…”

Higa deixou cair seus ombros enquanto sacudia a cabeça em negativo.

“…Como disse antes, o tempo dentro de Underworld corre em uma velocidade surpreendente, superando as mil vezes a do mundo real. Não é possível monitorá-lo em tempo real. Então dividimos o que gravamos em vários segmentos e reproduzimos lentamente usando vários de nossos membros da equipe para assisti-los. E mesmo fazendo isso, a progressão é muito lenta comparada ao avanço lá de dentro. Resolvemos parar o servidor para tentar encontrar a menina que havia quebrado o tabu e assim tentar ejetar seu Lightcube fisicamente e preservar seu Fluctlight… mas já haviam se passado dois dias nesse pouco intervalo de tempo.

Porém, descobrimos que o algo surpreendente tinha ocorrido. A entidade que controla tudo nesse mundo, a Igreja Axiom, havia capturado a garota, levando-a para sua cidade central e nesses dois dias, aplicaram uma espécie de correção em seu Fluctlight.”

“Co-Correção? Você deram tantos níveis de autoridade para quem observam?”

“Na verdade isso não deveria acontecer… para dizer ao certo, isso não foi projetado para acontecer. Descobrimos que os residentes de Underworld tem alguma autoridade para manter a lei e a ordem e aqueles que são capazes de levar a cabo essas restrições, manipulam o que chamam de ‘artes sagradas’ e em sua maioria são sacerdotes dessa tal Igreja Axiom ou Igreja da Integridade, que sem dúvida alguma, são indivíduos com altos níveis de privilégios.”

Quem sabe além de controlar os pontos de vidas eles também encontraram uma backdoor do sistema sem que nos déssemos conta…

Bom, estou verificando todos os dados para futuros detalhes. Quero saber tudo a esse respeito, do passado, do presente, da ruptura do Índice de Tabus e de Alice.

“Alice…!?”

Asuna levantou sua cabeça repentinamente e murmurou. Rinko também começou a entender o significado do termo. Deveria ser o único nome que valia a pena mencionar dos acrônimos da ‘Inteligência Artificial Altamente Adaptável’ que Kikuoka e Higa buscavam.

Kikuoka pareceu detectar suas dúvidas enquanto concordava com a cabeça e disse:

“Exato. Esse é o nome da garota em questão que estava sempre ao lado de Kirito e o outro garoto.

E só pelo fato dos nomes de todos os residentes de Underworld serem dados aleatoriamente, nos pegou de surpresa tamanha coincidência quando soubemos que a garota se chamava Alice. Pois esse é o nome do conceito de todo o plano que a organização RATH criou.”

“Conceito?”

“A altamente adaptável e auto existente I.A., Artificial Labile Intelligence Cybernetic Existence. Se pegarmos a primeira letra de cada palavra, temos o que vocês já supunham, A, L, I, C, E… onde todo o propósito de nossa pesquisa é deixar que as nuvens de fótons seladas dentro do Lightcube se tornem Alice. Em unanimidade, os membros do RATH chamaram isso de Alicization.

O Tenente Coronel Kikuoka Seijirou ficou um breve instante mostrando aquele sorriso enigmático, cheio de segredos até dizer de forma bem teatral:

“Bem-vindas ao meu Projeto Alicization

 

ESSA FOI A FINALIZAÇÃO DA PARTE 2.

NÃO PERCAM A PARTE 3 NA PRÓXIMA SEMANA !!!

 

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Até!

Bônus:

Super explicação, finalmente entenderemos o que é Alicization. E aqui vai uma ótima trilha para escutar durante a leitura!