Sword Art Online Alicization Beginning em Português – Underworld – Parte 3.1

Arco: Alicization

Underworld – Parte 3

Selka Schuberg e Eugeo - Sword Art Online Alicization
Selka e Eugeo, unidos por um sentimento único

“Aqui está um travesseiro e um cobertor. A oração matutina começa às seis da manhã e o desjejum às sete. Tente acordar cedo para participar também. E lembre-se que está proibida a saída após as luzes serem apagadas. Por favor, tenha isso em mente. ”

Aquelas simples roupas de cama foram jogadas em mim junto com um monte de palavras que eram ditas em alta velocidade e quantidade. Mal consegui tempo para estender as mão e recebê-los.

Sentei na cama e observei a pessoa que estava em pé na minha frente. Era uma menina que parecia ter doze anos, vestindo algo parecido com um hábito religioso, preto com um colarinho branco e os cabelos castanhos claros que se estendiam até a cintura. Os olhos, que eram da mesma cor do cabelo, davam a impressão de que era uma menina bastante animada, porém, ao que tudo indica, parece ter reprimido isso. Talvez o tenha feito no momento em que fez os votos, se transformando em uma Irmã da igreja.

A menina se chamava Selka e era uma aprendiz ainda. Ficava na Igreja para estudar as artes sagradas. Não sabia ao certo se ela era encarregada de cuidar dos outros meninos e meninas que também se hospedavam na igreja, mas de qualquer forma, o tom de voz que dirigia à mim era tão acentuado como uma irmã mais velha ou uma mãe. Só me restava sorrir e concordar com tudo que dizia.

“Então, há alguma outra coisa que você não compreendeu?”

“Não, não. Entendi tudo. Muito obrigado. ”

Ao me ouvir agradecer, a expressão de Selka abrandou um pouco, mas rapidamente franziu a testa novamente.

“Então, boa noite! Você sabe como desligar a lâmpada, certo?”

“Ahh… Boa noite, Selka. ”

Selka balançou a cabeça em positivo novamente e saiu. Esperei até que os sons de seus passos ficassem distantes ates de soltar um longo suspiro.

O lugar onde estava era um quarto no segundo andar da igreja, o qual quase não era utilizado. Tinha cerca de dez metros quadrados, com uma cama feita de ferro fundido, uma mesa com uma cadeira, uma pequena estante e um armário. Coloquei o cobertor de lã e o travesseiro sobre o colchão e me recostei na cama com as mãos atrás da cabeça.

A lâmpada acima de mim soltou um barulho e balançou.

O que… exatamente está acontecendo aqui…? O que foi isso tudo?

Murmurei estas palavras no fundo do meu coração, recordando os acontecimentos desde que cheguei nessa aldeia.

Eugeo me trouxe até a entrada do vilarejo e fomos direto para posto da guarda, das sentinelas do portão. Ali havia um jovem com idade semelhante a nossa chamado Jink, que em primeiro lugar me olhou com suspeita, mas depois de ouvir que eu era uma ‘Criança perdida de Vector’, imediatamente concordou em me deixar entrar.

Enquanto Eugeo explicava a situação, fixei meus olhos na espada longa na cintura de Jink e não cheguei a ouvir sobre o que estavam falando… Realmente queria pedir emprestado aquela velha espada e tentar descobrir se eu…, ou melhor, se as técnicas de espada do espadachim virtual Kirito ainda poderiam ser utilizadas aqui. Mesmo com essa vontade, consegui controlar meu impulso.

Então deixamos o posto da sentinela. E enquanto caminhávamos pela rua principal, pude sentir os olhares desconfiados e confusos dos moradores. Vez ou outra ouvia no meio do vozerio um “-Quem é ele?” e Eugeo parava para explicar a todos.

Ficamos nessa cerca de 30 minutos, andando, parando e explicando, antes de chegar na praça central da vila. No caminho, conhecemos uma senhora idosa que carregava uma grande cesta, e ela imediatamente começou a dizer coisas como “-Pobrezinho…”, nos entregando uma maçã (ou o que acho que era uma maçã). Ao fazer isso me fez sentir um pouco culpado.

O sol já havia praticamente desaparecido no horizonte no momento em que chegamos à igreja, que foi construída em um pequeno morro da aldeia.

Batemos na porta e uma irmã que era a personificação da severidade apareceu. Como presumi, era a Irmã Azariya que Eugeo havia me falado.

Eu olhei para ela e imediatamente pensei na diretora Amélia Minchin do livro ‘A Princesinha’.

ISSO É IMPOSSÍVEL!

Por pouco não gritei essas palavras. Mas, contrariando tudo que eu achava, a irmã me acolheu imediatamente e ainda me serviu uma refeição.

Me despedi de Eugeo, prometendo encontrá-lo novamente amanhã. Depois de conhecer Selka, que era a criança mais velha e outros seis menores, nos sentamos à mesa para jantar (o prato servido foi incrivelmente a refeição mais clássica europeia, peixe frito com batatas. Ou assim pensei que era). Depois de ter comido, fui alvo das mais variadas perguntas, mas isso já era o esperado. Uma vez que respondi todas elas sem revelar quem eu era realmente, três meninos me convidaram para ir tomar banho com eles… simplesmente assim. Sem desconfianças, medo ou qualquer outra coisa. Após passar por tudo isso, finalmente consegui um tempo para pensar em no que aconteceu, deitado aqui, no quarto de hóspedes.

O cansaço acumulado do dia já estava invadindo meu corpo e senti que assim que fechasse meus olhos iria dormir automaticamente. Porém, algo me veio a mente nesse exato momento me impedindo de adormecer.

Perguntei o que está acontecendo?

Disse isso mentalmente.

A conclusão que cheguei é que todos nessa aldeia além de mim são NPCS.

Desde o primeiro momento em que conheci Jink, também quando passei pelos moradores da aldeia, aquela senhora que me deu a maçã, a delicada Irmã Azariya, a aprendiz de Irmã Selka e as seis crianças órfãs… todos eles eram como Eugeo, com emoções reais iguais as minhas, capazes de falar normalmente e fazer movimentos delicados e sutis com o corpo.

Basicamente, todo mundo era absurdamente semelhante aos humanos. E que também não respondem de maneira automatizada como personagens de um VRMMO tradicional.

Mas esse tipo de coisa não deveria ser possível.

Só há um Soul Translator na sede em Roppongi e contando com os outros três que a empresa possui, dá somente um total de quatro máquinas. Segundo o que o desenvolvedor Higa me disse, mesmo que fossem adicionados mais uma ou duas unidades, seria impossível criar um sistema de imersão que possuíssem pessoas suficientes para formar uma aldeia inteira. No caminho até aqui, pude observar mais ou menos trezentos aldeões em Rulid. Teria que produzir o STL em massa para tal feito e talvez nem assim fosse possível.

Além disso, se adicionarmos os habitantes das outras vilas e cidades deste mundo, como por exemplo, as que vivem na capital, teriam que investir uma quantia incalculável de dinheiro para construírem novas máquinas. E nem levei em consideração em como reunir secretamente milhares de jogadores para os testes.

Falando nisso…

Se realmente Eugeo e os outros não forem seres humanos, resta a hipótese de que talvez sejam programas com respostas automáticas que excedem muito a minha compreensão. Será que isso existe?

O único termo que me ocorre é: A.I. (Artificial Intelligence) ou Inteligência Artificial.

Nos últimos tempos, o uso das A.I. no auxílio de senhas, GPS, eletrodomésticos, entre outros equipamentos, tem se desenvolvido muito. Onde uma vez que ouçam um comando dado por alguém, conseguem operar corretamente ou obter a informação necessária para resolver seja lá qual for a questão.

Além desses, existem outros tipos de A.I., como os NPC dos jogos em VR, os quais estou mais familiarizado. Embora suas funções principais sejam prover quests ou anunciar algum evento, eles ainda podem responder à um diálogo até certo ponto. Sem falar que desenvolveram um certo tipo de NPC, os Moe NPC, sempre carismáticos e muito bonitos que conversam com todos. Esses são especializados em diálogos e interações sociais.

É claro que esse tipo de A.I., não tem realmente uma inteligência. Basicamente, são apenas uma coleção de comandos que só sabem responder a certas perguntas. Assim, se eles acabam vendo uma questão que não está no seu banco de dados, o NPC provavelmente irá sorrir ou inclinar a cabeça e dizer algo como “Não entendo o que você quer dizer.

No entanto, Eugeo não demostrou nada parecido com isso hoje.

Pelo contrário, ele mostrou todos os tipos de emoções naturais como surpresa, dúvidas e alegria. Também deu respostas adequadas a todas as minhas perguntas. Mas ele não foi a exceção, pois a Irmã Azariya, Selka, as crianças e todos os demais eram assim. Não houve um caso sequer em que eles mostraram uma expressão de “incapaz de encontrar a informação”.

Até onde sei, dentre todas as Inteligências Artificiais atuais, a mais aprimoradas é a A.I. chamada Yui, o programa de interação social, desenvolvido como sistema de aconselhamento mental dos jogadores do antigo SAO e que agora se tornou filha minha e de Asuna. Durante esse dois anos, ela conversou de forma continua com inúmeros jogadores e monitorou-os, assim conseguiu construir uma base de dados surpreendentemente gigante para basicamente qualquer tipo de questões.

Neste momento, ela está em um nível onde pode ser considerada “um programa de respostas automáticas” e uma “inteligência real”.

No entanto, nem mesmo Yui é perfeita. Às vezes, em determinadas situações, ela inclina a cabeça, pois o banco de dados não tem todas informações. Acabando por confundir, por exemplo, a emoção de irritação de um ser humano, com a vergonha. E por apenas breves instantes ela mostrará uma expressão de dúvida.

E comparando novamente, todos com quem entrei em contato hoje, ninguém apresentou essas características. Se todos os aldeões em Rulid forem A.I. que os programadores criaram como meninos, meninas, velhos e adultos, isso significa que o STL avançou muito no quesito tecnologia. Tanto que não posso imaginar como isso realmente funciona.

Permaneci pensando sobre isso enquanto me levantava e deixava meus pés tocarem no chão.

Havia uma antiga lâmpada à óleo na parede, que ficava em cima da cama, tremeluzindo com sua luz alaranjada, deixando um estranho cheiro de queimado no ar. Claro que eu nunca toquei em uma coisa dessas na vida real, mas o quarto que Asuna e eu dividíamos em Alfheim tinha uma lâmpada similar, então fui instintivamente tocar na superfície.

No entanto, não apareceu nenhuma janela operacional flutuando. Desenhei então no ar com meus dedos um movimento que não era um gesto de comando, mas algo chamado Stacia Seal, ou Selo de Stacia. Quando toquei a superfície da lâmpada novamente, um brilho roxo apareceu e a janela de status surgiu. Contudo, a durabilidade da lâmpada era a única coisa ali mostrada, não havia botões que possibilitassem acender e apagar a luz.

Droga…! Definitivamente deveria ter deixado Selka me dizer como desligar. Só quando já estava entrando em pânico que, finalmente, encontrei um pequeno botão na base da lâmpada. Tratei de desligar logo antes que acontecesse algo mais. E com um som metálico o pavio apagou e a lâmpada deixou uma trilha de fumaça no ar ao se extinguir. O quarto foi tomado pela a escuridão, onde somente os raios prateados da lua iluminavam parcamente o local.

Finalmente consegui terminar essa missão altamente difícil e voltei para a cama, coloquei meu travesseiro em uma posição adequada e me deitei. Senti um pouco de frio, então me cobri com o cobertor que Selka havia me dado e me senti pronto para dormir… até que…

Se eles não são humanos, nem A.I. …, o que são eles?

Em um canto remoto da minha mente eu já sabia a resposta. Entretanto, fiquei com receio de dizer em voz alta… Supondo que esteja correto e o RATH conseguiu enfim estender seus braços e entrar nos domínios de Deus. Se isso for verdade, então o processo de utilização do STL para entender a alma humana seria, traçando um paralelo louco, como se tivessem brincando com a chave da Caixa de Pandora.

Fiquei cansado em pensar nisso tudo e no momento em que comecei a adormecer, ouvi uma voz profunda dentro da minha consciência.

Agora não é a hora de pensar em fugir. Tenho que ir até a capital. Uma vez lá, encontrarei a razão pela qual eu existo nesse mundo…

KLANG !!

Pensei ouvir um sino de longe.

Achei que provinha dos meus sonhos. Porém senti meu ombro como se ele estivesse sendo empurrado por alguém, então cobri minha cabeça com o cobertor e resmunguei:

“Só mais dez minutos … não, cinco …”

“De jeito nenhum. Já é hora de acordar e levantar.”

“Três minutos … apenas três minutos serão o suficiente…”

Mas meus ombros continuaram sendo sacudidos, me fazendo perder aos poucos a sonolência. Se fosse minha irmã mais nova Suguha me acordando, ela não estaria usando uma ação tão lenta e delicada, mas sim estaria gritando, puxando meu cabelo, beliscando meu nariz e fazendo todos os tipos de atos violentos ou mesmo o ato diabólico de puxar o futon.

Neste momento, percebi que onde estou agora não é nem a realidade, nem Alfheim. Então coloquei minha cara para fora do cobertor. Abri bem os olhos e dei de frente com Selka, que estava me encarando, perfeitamente vestida com o hábito negro. A aprendiz de Irmã baixou a cabeça e disse:

“São cinco e meia da manhã!

As crianças já acordaram e se lavaram. Se você não se apressar, não conseguirá ficar pronto para o culto matutino.”

“… Certo, estou indo…”

Deixei de lado meu quente cobertor e me sentei. Olhei em volta e era exatamente como lembrava da noite anterior. Este era o quarto de hóspedes no segundo andar da igreja de Rulid. Em outras palavras, meu corpo permaneceu no mundo virtual Underworld que foi criado pelo Soul Translator… Ao que parece, essa incrível experiência não vai acabar em uma noite.

“Então, só parecia um sonho, hein?”

“O que?”

Ao me ouvir, Selka fez uma expressão de surpresa. Quando percebi o que disse, me apressei em balançar a cabeça.

“N-Não é nada. Vou me trocar e irei em seguida. É o corredor de oração no primeiro piso, certo?”

“Hum, sim! Mesmo se for um convidado ou uma criança perdida de Vector, você tem que rezar para o Deus Stacia enquanto permanecer na igreja. Cada copo de água é uma bênção da graça de Deus e temos que agradecer a isso. É o que a irmã disse.”

Ela vai ficar me pressionando se eu não sair logo dessa cama.

Então, sem outra opção, levantei. Rapidamente peguei a camisa que estava pendurada na cadeira e já fui retirando a parte de cima do pijama emprestado, quando Selka soltou um pequeno grito e falou de maneira constrangida.

“C-Começará em 20 minutos. Não se atrase! Você deve lavar o rosto na água do poço lá fora!”

Ao dizer isso, saiu apressada do quarto fechando imediatamente a porta e desaparecendo de vista.

Essa reação não é, obviamente, algo que um NPC faria.

Troquei o pijama pelo meu ‘equipamento inicial’, a túnica azul e calças de couro que estavam pendurado na cadeia. Experimentei cheirar e descobri que não havia suor. Como já esperava, microrganismos e coisas desse tipo não podem ser replicados. Talvez manchas e outros defeitos nas roupas sejam controlados pela durabilidade chamada de Vida.

Me certifiquei disso ao abrir a janela de status da túnica, sua durabilidade era [44/45]. Parece que ela não vai durar muito pelo número máximo ser tão baixo. Se vou ficar nesse mundo por um longo tempo, tenho que encontrar outra muda de roupa e para isso tenho que encontrar uma maneira de ganhar dinheiro para obter novos itens.

Eu continuei a pensar enquanto me arrumava e em seguida saí do quarto.

Selka Schuberg - Sword Art Online Alicization
“…C-Começará em 20 minutos. Não se atrase!… “

Desci as escadas e sai pela porta dos fundos ao lado da cozinha e pude apreciar o belo nascer do sol. Ela disse que ainda não são seis horas, não é? Mas como é que os habitantes desse mundo sabem calcular o tempo? Eu não vi nada que se pareça com um relógio por aqui… a não ser que esteja no refeitório ou na sala de estar.

Fui seguindo pelo caminho até avistar um pequeno recipiente de pedra ao lado de um poço. As crianças pareciam já tê-la usado, pois estava tudo molhado em sua volta. Abri a tampa e joguei o balde de madeira amarrado com uma corda dentro do poço. Um som agradável de água podia ser ouvido. Puxei a corda e levantado um balde cheio de água.

Juntei um pouco de água gelada com as minhas mãos para lavar meu rosto e também bebi um gole dela. Neste momento, meu sono foi extinto por completo.

Acho que dormi antes das nove horas de ontem e mesmo que tenha acordado cedo, devo ter dormido umas 8 horas. Ao pensar sobre isso, me afundei em uma profunda reflexão novamente.

Se este é o Underworld, o mecanismo FLA provavelmente ainda está trabalhando. Se a taxa é três vezes, o meu tempo real do sono deve ser inferior a 3 horas. Se a ideia fantástica que tive ontem for correta, e esse mundo foi acelerado até mil vezes, as oito horas de sono são na verdade, o equivalente a menos de trinta segundos…

Será que tão pouco tempo pode realmente fazer com que minha mente ache que eu dormi o suficiente? Realmente, não entendo mais nada. Devo sair daqui o mais rápido possível e verificar a situação.

No entanto, aquela voz suave que ouvi quando estava prestes a dormir continuava a ecoar nos meus ouvidos.

Fui capaz de despertar nesse mundo com a consciência de Kirit…, Kirigaya Kazuto. Provavelmente isso aconteceu por causa de algum acidente ou pela vontade de alguém. Será que estou aqui para completar alguma missão em especial? Não me prendo muito com assuntos filosóficos sobre a vida, mas não contesto sobre o que dizem que cada ser tem um propósito por estar vivo… Porém penso, se for assim, porque tantas pessoas perderam suas vidas no incidente de SAO?

Chega de pensar nisso!

Joguei a água gelada do poço no rosto para interromper meus pensamentos.

Bom, por hora tenho dois caminhos a seguir.

Em primeiro lugar, posso investigar se existem trabalhadores do RATH que sabem como fazer o logoff e segundo, tenho que encontrar um caminho para a capital, a fim de descobrir o porquê dessas AI existirem nesse mundo.

O primeiro não é tão complicado. Não tenho muita certeza sobre a taxa de FLA que está sendo usada, mas se existir um técnico do RATH disfarçado de aldeão, ele provavelmente não fique aqui por anos ou quem sabe até mesmo décadas. Em outras palavras, se algum dos moradores deixaram o local em viagens de negócios ou férias, há uma grande chance de que seja um observador.

Quanto ao último, para ser honesto, não será muito fácil.

Eugeo me disse antes, que ir para a capital à cavalo iria demorar cerca de uma semana e se for andando, mesmo pelo caminho mais curto, levaria três vezes esse tempo.

Seria bom obter um cavalo, mas ainda não via maneira de conseguir um. Sem contar que não tinha nenhum equipamento ou fundos para a viagem. E também não tinha nenhum conhecimento sobre este mundo. De fato, precisaria de um guia.

Sentia que a melhor escolha era Eugeo, mas ele tem uma Tarefa Sagrada que não pode completar mesmo gastando todo seu tempo de vida.

Eu poderia muito bem quebrar o Índice de Tabu e ser preso por esse cavaleiro para tornar as coisas mais rápidas. No entanto, provavelmente serei levado para uma cela de prisão e terei que suportar anos de trabalhos manuais. Talvez, na melhor das hipóteses, quebrando e carregando pedras. Isso, sem dúvida, exigirá bastante resistência… Mas antes isso do que ser condenado à morte. Acho bom riscar essa possibilidade por enquanto.

Então, é melhor perguntar para Eugeo se as artes sagradas têm algumas magias de libertação ou de ressuscitação…

Enquanto pensava nessas coisas, Selka surgiu na porta dos fundos e gritou para mim:

“KIRITO! QUANTO TEMPO MAIS VOCÊ VAI LEVAR SE LAVANDO? A ORAÇÃO JÁ ESTÁ COMEÇANDO! VENHA DE UMA VEZ!!”

“Ahh, desculpe…, já estou indo.”

Rapidamente sequei as mãos, coloquei a tampa de volta no poço, pendurei o balde e retornei para o interior do prédio.

Depois da solene oração foi a vez de um rápido, porém barulhento, café da manhã. Após isso, as crianças foram fazer a limpeza do lugar e cuidar da lavagem das roupas, enquanto Selka e Irmã Azariya se dirigiram para a biblioteca para iniciar os estudos das artes sagradas.

Por estar vivendo de graça e não poder contribuir com alguma coisa, acabei me sentindo um pouco culpado. Mas como nada podia ser feito quanto a isso, só me restava saí pela porta da igreja e ir para a praça central esperar por Eugeo.

Poucos minutos depois, um perfil familiar com cabelo cor de linho apareceu vindo da direção do nascer do sol. Em seguida, a torre do relógio da igreja soou uma melodia simples, porém elegante.

“Ahh … entendi…”

Ao ouvir o que disse, Eugeo fez uma expressão surpresa.

“Bom dia, Kirito. O que você quis dizer com ‘entendi ‘? ”

“Bom dia, Eugeo. Bem…, é que me dei conta que a cada hora, a campainha da torre toca uma melodia diferente. Em outras palavras, isso significa que é isso que os moradores daqui usam isso para dizer o tempo.”

“Ah sim! É exatamente isso. Os cânticos de louvor à Light of Solus são divididos em 12 ritmos diferentes. A cada meio ponto, muda o timbre. Infelizmente, o som não chega no Giga Cedro, por isso eu só posso verificar o tempo através da altura do Solus. ”

“Entendo… isso quer dizer que não há relógios neste mundo.”

Acabei falando essas palavras descuidadamente. Eugeo inclinou a cabeça ligeiramente.

“Relógio? O que é isso?”

Droga! Não me diga que esse termo não existe aqui?

Comecei a suar frio e tentei explicar.

“Hum, um relógio é uma ferramenta, que consiste basicamente uma placa redonda com números nela e tem agulhas que giram para apontar o tempo. ”

Ao ouvir isso, Eugeo inesperadamente deu um sorriso e assentiu.

“Ahh, isso! Sim, já vi algo assim nos livros de imagem quando era mais jovem. Há muito tempo atrás, havia um objeto desse em determinado prédio no centro da capital chamado Instrumento Divino de Marcação de Tempo, mas as pessoas ficavam olhando demais para esse instrumento divino e não trabalhavam a sério, o que irritou Deus, que acabou destruindo-o com um raio. A partir de então, os seres humanos só podem medir o tempo através das badaladas do sino “.

“Hehe… bem, eu também ficava sempre preocupado com quanto tempo faltava para as aulas acabarem…”

Aí estava eu novamente dizendo essas coisas descuidadamente. Felizmente consegui me salvar dessa…

“Hahaha. Comigo era igual. Quando estava estudando na igreja, estava sempre esperando o sino do meio-dia tocar.”

Eugeo sorriu enquanto olhava ao longe. Segui sua linha de visão e finalmente vi a torre do relógio da igreja. Na janela de formato circular, foi possível avistar sinos de vários tamanhos brilhando lá dentro. No entanto, apesar dos sinos tocarem, não era possível ver ninguém no local.

“Como exatamente esses sinos tocam?”

“…Realmente Kirito, como você pode esquecer disso também?”

Eugeo disse isso com uma voz admirada, então deu uma pequena tossida e continuou:

“Não precisa de ninguém para tocar. Este é o único instrumento divino na aldeia. Todos os dias, ele toca regularmente hinos de louvores, sem errar um segundo. É claro, não apenas Rulid que tem isso, Zakkaria e as outras vilas e cidades também os têm e… pensando bem…, ele não é o único… instrumento Divino … ”

O tom animado de Eugeo sumiu, o que era muito raro, e sua voz falhou, me fazendo franzir a testa. No entanto, ele não parecia mais querer continuar aquele assunto. Então bateu as mãos levemente e disse:

“Bom, tenho coisas para fazer agora. Que planos você tem hoje, Kirito?”

“Bem eu…”

Ponderei por um momento. Embora realmente quisesse me aventurar pela aldeia, poderia ter problemas por estar sozinho.

Talvez eu possa perguntar à Eugeo sobre se há moradores que saíram da vila. E aí quem sabe eu consiga persuadi-lo de irmos até a capital para completar meus planos. Mas para isso tenho que descobrir um modo de acabar com a sua Tarefa Sagrada. Respondi então:

“…Se for possível, deixe-me ajudá-lo hoje, Eugeo.”

Depois de pensar um pouco, Eugeo sorriu e concordou com a cabeça.

“É claro que te levarei junto com prazer. Achei que você ia dizer isso mesmo, Kirito. Olhe! Trouxe dinheiro suficiente para comprar pães para nós dois.”

Ele pegou duas moedas de bronze e soltou-as na palma da mão, fazendo com que elas tilintassem.

“Que bom, mas estou preocupado de que possa estar lhe incomodando. ”

Ao me ouvir, Eugeo deu de ombros e sorriu.

“Você não tem que se preocupar com isso. Nunca tenho com que gastar o salário que ganho do posto de trabalho da aldeia, então acabo simplesmente guardando.”

Minha mente começou a trabalhar em um plano muito maluco.

“Oh, isso é bom, muito bom! Então o problema de dinheiro para a viagem até a capital já está resolvido. Agora, tudo o que resta é que Eugeo termine sua Tarefa Sagrada e acabar logo com aquela árvore gigante.”

Mesmo formulando um plano desses, não quis demonstrar nada para ele. Embora era verdade o fato de me sentir um pouco culpado por abusar de seus recursos, procurei mostrar um olhar de desculpas.

Ao me ver assim, Eugeo ainda manteve seu sorriso e disse:

“Vamos!”

E começou a caminhar em direção ao sul comigo o seguindo. Ainda dei uma boa olhada para a torre do sino que tocava automaticamente as hora.

Este era realmente um mundo incrível. Mesmo que seja criada uma vida rural realista, a presença de um VRMMO ainda seguia presente. Nas ruas principais de todos os andares na cidade flutuante Aincrad, também haviam sinos que indicavam as horas.

Artes sagrada e a Igreja Axiom. São nada mais do que nomes falsos para feitiços e o sistema desse mundo. E se for esse o caso, como explicar a tal ‘Terra da Escuridão’ que existe fora desse mundo? Seria talvez um tipo de antissistema? …

Enquanto estava imerso em pensamentos, Eugeo, que estava ao meu lado, de repente virou-se e entrou em uma pequeno edifício que se parecia com uma padaria. Cumprimentou a senhora de avental que ali estava e comprou quatro pães. Olhei para o interior da loja e avistei um homem vestido como um cozinheiro que estava manipulando uma grossa massa. O aroma delicioso do lugar flutuava pela grande janela.

Em uma hora ou talvez 30 minutos, seria possível comprar pão recém assados, mas a não flexibilidade com o horário de início dos trabalhos, provavelmente, deve ser parte da Tarefa Sagrada.

O trabalho de Eugeo para chegar à floresta e balançar o machado tem um tempo fixo que não pode ser mudado tão facilmente. Como só posso fazê-lo me acompanhar nessa viagem após a Tarefa Sagrada ser completada, o plano terá que ser brilhante. Mas creio que não será nada fácil.

Mas na verdade o que importa é que o sistema sempre tem falhas. O exemplo maior é esse aqui. Alguém como eu, de origem e identidade desconhecida, está indo agora trabalhar com ele como assistente e não existe nada previsto para esse tipo de situação.

Que beleza! Agora estou procurando e explorando falhas no sistema…já fui um beater e um cheater, o que irei ser dessa vez?

Passamos pelo arco ao sul da aldeia e fomos pelo caminho através dos campos de trigo verdes até chegarmos na entrada da floresta. A partir desse ponto já era possível avistar claramente o Giga Cedro atingindo os céus.

Eugeo e eu ficamos alternando constantemente no corte com o Machado de Osso de Dragão e sem que nos déssemos conta, o sol chamado de Solus já estava a pino, indicando ser meio-dia.

Fiquei mexendo os braços, que estavam parecendo tão pesados como chumbo, rumo à machadada de número 500 na árvore monstruosa. Quando a fiz, voou serragem negra pelo ar, que ao se dissipar mostrou a extrema durabilidade da árvore, não demonstrando praticamente nenhum sinal de desgaste.

“Uahh!! Não dá. Meus braços não podem balançar mais.”

Gritei e atirei o machado no chão antes de me atirar no chão de musgo como se minha força tivesse sido drenada. Recebi a garrafa de água de Eugeo, a qual bebi avidamente o líquido doce chamado Água Siral. Ainda não tinha ideia de qual idioma vinha o nome dessa coisa.

Eugeo apenas sorriu de forma despreocupada enquanto olhava para mim e dizia com um tom de professor:

“Mas você realmente tem muito talento, Kirito. É verdade. Você conseguiu entender o básico depois de apenas dois dias.”

“…Mas eu ainda não consigo te alcançar, Eugeo …”

Suspirei e me sentei usando Giga Cedro como encosto.

Ao ter brandido o pesado machado pela manhã toda, consegui ter um breve entendimento sobre meus status nesse mundo.

Eu já desconfiava, mas os status são realmente muito inferiores a força e agilidade sobre-humanas que o espadachim Kirito possuía no antigo SAO. É muito provável que o fraco Kirigaya Kazuto do mundo real tenha sido usado como referência. Se for o mesmo que o meu eu do mundo real, por ter manuseado um machado tão pesado desta forma, certamente terei dores musculares em todo o corpo e serei incapaz de levantar no dia seguinte.

Em outras palavras, minha força atual está na média de um jovem de 17 e 18 anos neste mundo. Já a força de Eugeo supera de longe a minha, como esperado de alguém que tem trabalhado nisso por 7 anos.

Por sorte, os sentimentos do avatar, ou como chamam aqui, o poder da imaginação é o mesmo ou até mais eficiente do que os VRMMO que eu já joguei antes. Além disso, tendo brandido o machado centenas de vezes enquanto consciente do peso e da trajetória, finalmente me dei conta que manejar este machado precisa de grande quantidade de força.

E também, essa situação talvez seja a única em que eu realmente seja bom. Pois pelo fato de ter praticado a mesma rotina incontáveis vezes no antigo Aincrad, inclusive pulando refeições e repouso me deixam em uma posição à frente de Eugeo. Pelo menos em determinação eu não perco para ele.

Não… espere! Acho que estou esquecendo de algo importante…

“Então, Kirito.”

“Hã !?”

Eugeo me lançou dois pães, ato que interrompeu minha linha de raciocínio. Me fazendo pegá-los rapidamente com as mãos.

“…Algum problema? Você está com uma expressão estranha.”

“Ah…não…”

Quase concluí mentalmente o que estava prestes a perder no meu raciocínio anterior, mas o fragmento restante só deu uma vaga e enigmática impressão que eu estava pensando em alguma coisa importante. Bom, se for realmente algo sério, certamente vou lembrar de novo. Tirei isso da cabeça e agradeci Eugeo.

“Muito obrigado. Vamos comer então!”

“Desculpe-me pelo pan ser de ontem.”

“Sem problemas, sem problemas.”

Abri minha boca e dei uma grande mordida.

O gosto está bom, mas ainda continua sendo duro como pedra.

Eugeo provavelmente se sentia da mesma forma pois franzia a testa enquanto tentava o seu melhor para mexer sua mandíbula inferior.

Nós dois ficamos vários minutos comendo o primeiro pão enquanto trocávamos olhares e dávamos um pequeno sorriso um pro outro. Parecia uma pequena competição para ver quem aguentava mais comer aquele tijolo.

Eugeo bebeu um gole de água Siral e olhou para longe.

“…Eu realmente quero que você experimente a torta da Alice, Kirito… casca crocante, recheado com alguma coisa suculenta… acompanhado com leite recém ordenhado, dando a impressão de ser a comida mais rara desse mundo…”

Enquanto ele dizia isso, minha língua inexplicavelmente parecia experimentar a torta enquanto eu ficava com água na boca. Rapidamente mordi mais um pedaço do segundo pão e perguntei sem pensar:

“Então Eugeo. Essa pessoa… Alice, ela foi ensinada artes sagradas na igreja, não é? Era para se tornar a sucessora da irmã Azariya.”

“Sim, isso mesmo. Ela era reconhecida como o primeiro prodígio desde que a vila foi construída, pois podia usar um grande número de artes já aos dez anos de idade.”

Eugeo disse com um tom orgulhoso.

“Então… a garota que está hoje aprendendo na igreja, a que se chama Selka é…”

“Hum… Irmã Azariya ficou realmente devastada quando Alice foi levada pelo Integrity Knight e disse que não iria aceitar mais nenhum discípulo. Porém, o chefe da vila Gasupht conseguiu convence-la dois anos atrás e a nova aprendiz, Selka, se juntou a igreja. Ela é a irmã mais nova de Alice.”

“Irmã mais nova… hein…?”

Selka, à primeira vista, me pareceu ser uma espécie de irmã mais velha bem severa, tal sua atitude e maneira de falar. Mas creio que ela ficou assim pois teve que assumir o posto de sua real irmã mais velha, Alice. Penso que de outra forma, ela formaria um belo par com Eugeo.

Pensei nisso enquanto olhava Eugeo. Ele parecia estar pensando em algo também, pois franzia suas sobrancelhas.

“…Como nossa diferença de idade é 5 anos, eu não brinquei muito com Selka. Quando eu ia pra casa da Alice de vez em quando, ela geralmente se escondia atrás de sua mãe ou avó… seu pai Gasupht, todos e até mesmo irmã Azariya acreditavam que a irmã mais nova de Alice tinha o talento nas artes sagradas e estavam esperando por isso… porém…”

“Selka não tinha o mesmo talento que sua irmã, certo?”

Ao ouvir minha pergunta direta, Eugeo simplesmente concordou.

“Não acho certo dizer isso assim. Não importa quem seja a pessoa, quando se começa uma missão sagrada, ninguém consegue fazer muito bem. Foi o mesmo para mim que somente consegui brandir este machado corretamente depois de mais de 3 anos. Com perseverança, não importa qual tipo de dever seja, ela poderá ser dominada algum dia. É apenas que… para Selka que tem apenas 12 anos, ela tem trabalhado duro demais…”

“Duro demais?”

“…Quando Alice começou a aprender as artes sagradas, ela não ficava na igreja. Só estudava até o meio- dia e então me entregava o lanche antes de ir ajudar nos trabalhos domésticos na parte da tarde.

Mas Selka usou a desculpa que não tinha tempo suficiente para estudar e saiu de casa. Isso aconteceu no mesmo tempo que os garotos Jana e Algu se mudaram para a igreja e a própria irmã não conseguia cuidar deles. Então Selka provavelmente também usou esse motivo para convencer a todos de se mudar pra igreja.”

Me lembro de ver Selka seriamente tomando conta das crianças. Não posso dizer o quanto era difícil, mas para alguém de 12 anos que tinha que estudar e tomar conta de 6 crianças, provavelmente não é nada fácil.

“Entendo… e eu, uma criança perdida de Vector, se mudou do nada para lá. O mínimo que posso fazer é não causar problemas para Selka.”

Eu definitivamente teria que acordar às 5:30 a partir de amanhã. Com tal resolução, continuei o tópico simplesmente dizendo:

“Agora que você disso isso…

As crianças, sem ser a Selka, que vivem na igreja, todas perderam seus parentes? Eles estão mortos? Como seis pessoas morreram ao mesmo tempo em uma vila tão pacífica?”

Ao ouvir essa pergunta, Eugeo pareceu um pouco deprimido e baixou sua cabeça para olhar o campo de musgo crescendo não tão longe.

“…Isso aconteceu 3 anos atrás. Houve um epidemia na vila que foi não acontecia a mais de 100 anos, causando a morte de 20 pessoas de todas as idades. Irmã Azariya e a farmacêutica Ivenda tentaram de todas as formas mas não conseguiram curar essas pessoas de suas febres. As crianças na igreja perderam seus parentes assim.”

Esta resposta inesperada me fez ficar em silêncio.

Uma contaminação? Mas este é o mundo virtual, nenhuma bactéria ou vírus pode existir aqui. Em outras palavras, as pessoas que morreram por causa do dito ‘vírus’ foram, na verdade, mortes causadas pela intenção das pessoas controlando este mundo ou o sistema. Mas, porque isso? Certamente, eles usaram uma forma de calamidade nos moradores para criar uma carga emocional neles, mas porque queriam simular algo assim?

No fim tudo aponta em uma direção. Esse é o motivo da existência deste mundo …

“Não é apenas epidemias. Recentemente, estão ocorrendo coisas estranhas. Ursos de garras longas perdidos, lobos de pelo negro atacando pessoas em alcateias, os brotos de trigo incapazes de florescer… até a carruagem regular de cavalo que viaja daqui para Zakkaria pode não aparecer por meses. Dizem que o motivo são… tribos de Goblins que estão aparecendo por aqui.”

“O-O que? O que você disse?”

Pisquei algumas vezes.

“Goblins… espere! Não existem cavaleiros protegendo os limites do país?”

“É claro que existem. As tribos do território escuro que estão perto do limite da montanha devem ser imediatamente destruídas pelos Integrity Knight. Esse é o dever que eles devem cumprir, pois essas tribos são bem piores do que Alice, que apenas tocou um pouco da terra das sombras.”

“Eugeo…”

Eu senti que a voz firme de Eugeo tinha de repente assumido um tom sombrio, o que me chocou. Porém, esse sentimento imediatamente desapareceu enquanto o garoto lentamente abria um sorriso de novo.

“…É por isso que eu os trato como sendo somente rumores. Mas nesses últimos 2 ou 3 anos, apareceram vários novos túmulos. Meu avô disse que isso é normal.”

Aproveitei a deixa, e vi que era hora de fazer aquela pergunta. Então fingi que não tinha nada acontecendo e perguntei com cautela:

“… Diga Eugeo! As artes sagradas…, elas podem reviver pessoas?”

Ele me retribuiu com um olhar de descrença de novo. Inesperadamente, Eugeo mordeu seus lábios com uma expressão séria e acenou parecendo que não tinha certeza também.

“…Quase ninguém na vila sabe sobre isso, mas entre as artes sagradas de nível mais alto, existe um feitiço que pode aumentar seu tempo de vida. Foi isso que a Alice disse.”

“Aumentar seu tempo de… vida?”

“Todas as vidas de pessoas e de itens… incluindo a sua e a minha, não podem ser estendidas normalmente, Kirito. Por exemplo, a vida de um humano cresce desde bebê até se tornar adulto, e a vida máxima é de aproximadamente 25 anos. Depois disso, ela irá lentamente reduzir até se tornar zero em torno de 70, 80 anos antes de ser chamado de volta para junto de Stacia. Esqueceu de tudo isso mesmo, Kirito?”

“Ah, ahh…”

É claro, esta era a primeira vez que ouvia isso. Mas cautelosamente acenava com a cabeça.

O que Eugeo está dizendo é que provavelmente o valor máximo de Hit Points ou Pontos de Vida irá aumentar ou diminuir de acordo com a idade.

“Porém, se uma pessoa estiver doente ou ferida, sua Vida irá diminuir drasticamente. Inclusive se os ferimentos forem muito graves, podem te levar a morte. Mas se puder recuperar a Vida utilizando as artes sagradas e medicina ainda assim não se pode exceder o valor máximo.

Uma pessoa velha não poderá recuperar a Vida que ela possuía quando era mais nova não importando a quantidade de medicação que tome e aqueles com ferimentos muito severos não podem mais se recuperar…”

“Mas tem um feitiço que pode fazer esse tipo de coisa, certo?”

“Alice disse que ficou espantada quando viu isso nos livros antigos. Ela fez essa pergunta para irmã Azariya, que em resposta apenas fez uma expressão horrorizada e disse para ela esquecer tudo que tinha visto… assim, não tenho certeza sobre os detalhes. No entanto, parece que é uma magia que só pode ser usada pelo Grande Sacerdote da Igreja Axiom e não é uma magia usada para recuperar a Vida ou curar doenças, mas é algo que afeta diretamente a vida… ou algo assim. É claro, eu nunca tal feitiço.”

“Hum… Grande Sacerdote? Isso significa que o pessoal da igreja podem usar artes sagradas?”

“É claro. A fonte do poder por trás das artes sagradas é o ‘Poder Sagrado’ que o Deus Solus e o Deus Terraria espalharam pelos céus e a terra.

Magias grandes precisam de uma quantidade maior desse Poder Sagrado. Se é um feitiço muito forte que pode controlar a vida de um humano, mesmo reunindo todo o Poder Sagrado desta floresta não será suficiente. Suponho que nem mesmo a cidade Zakkaria tem um feiticeiro que pode controlar algo tão grande.”

Mesmo assim, Eugeo fez uma pausa e então continuou em voz baixa.

“…Caso a irmã Azariya pudesse usar esse tipo de magia, ela não teria deixado os pais daquelas crianças morrerem daquele jeito.”

“Entendo…”

Em outras palavras, se eu morrer aqui, não irei retornar para um altar na igreja e acordar ao som bonito de um órgão e sim acordar no STL, na vida real. E se esse não for o caso, irei realmente ter problemas. Creio que o STL não tem capacidade de destruir Fluctlight…, provavelmente. Deve ser diferente do Nerve Gear.

Seja como for, creio que tentar morrer deverá ser o último meio a ser utilizado para sair desse lugar.

A existência do Underworld já é uma certeza agora e mesmo agora que sei de tudo isso, acho que não quero sair desse mundo sem saber qual é realmente meu propósito aqui.”

Isso foi o que minha alma disse dentro de mim.

Queria muito ir até a capital e invadir a sede da Igreja Axiom ou seja lá como o chamem, para perguntar todo o tipo de coisas que estão rodopiando na minha cabeça para o Grande Sacerdote, mas no momento não consigo fazer isso. Não posso pegar nenhum transporte que me leve até essa cidade. Acho que isso deve ser um tipo de limitação imposta para a jogabilidade. Ao menos SAO tinha portais de teleporte para todas as cidades…

Se fosse um VRMMO normal, eu poderia enviarm um e-mail de reclamação para a desenvolvedora. Porém, aqui não tem como fazer isso. Simplesmente terei que tentar o meu melhor até onde o sistema me permitir. Sim, por várias vezes eu pensei exatamente isso durante as batalhas contra os chefe em Aincrad também.

Ao terminar o segundo pan, bebi um pouco de água do cantil que Eugeo havia me alcançado enquanto olhava para o grande tronco de árvore que alcançava os céus.

Tenho que conseguir fazer com que Eugeo me ajude a chegar até a capital, mas de fato não conseguirei fazer com que ele desista de seu dever, já que é provavelmente proibido pelo Índice de Tabu. Nesse Caso, só resta uma única forma…que é achando uma maneira de acabar com esse cedro gigantesco.

Olhei para o lado e vi Eugeo se levantando e espanando os farelos de suas calças.

“Já está na hora de voltarmos para o nosso trabalho. Vou iniciar o corte. Pode me alcançar o machado, por favor?”

“Ahh! Sim…”

Usei a mão direita para segurar o cabo de Osso de Dragão que estava ao meu lado e quando estava prestes a entregá-lo para Eugeo…

Repentinamente, senti um choque percorrer minha mente. A parte final do que estava pensando naquela hora e que estava quase escapando de mim, finalmente havia voltado. Cautelosamente a poderei para evitar perdê-la novamente.

Eugeo disse que um machado normal teria sua lamina facilmente destruída, por isso eles foram até a capital pedir este grande Machado de Osso de Dragão para completar o serviço.

Nesse caso, nós só precisávamos de um machado mais forte. Vamos usar um com mais poder de ataque e durabilidade e que requeira mais força.

“Ei! Eugeo, tive uma ideia.”

Prendi a respiração e perguntei:

“Existe algum machado mais forte na vila? Ou mesmo fora dela. Se estiver na cidade de Zakkaria, por exemplo… fazem trezentos anos desde que vocês pediram este machado, não?”

Mas Eugeo apenas balançou a cabeça.

“Como pode haver mais algum? Osso de dragão é o material de maior qualidade de todos os equipamentos. É mais resistente que o metal Damask do sul e a gema no leste. Se exitir algo mais resistente, devem ser aquilo que os que os Integrity Knights usam… os Instrumentos Divinos…”

A parte final dessa frase foi dita com uma voz trêmula, então eu apenas assenti e esperei pelo resto do conteúdo. Depois de uns cinco segundos de silêncio, Eugeo sussurrou como se tivesse medo de que fosse ouvido.

“… Não existe um machado, mas… existe uma espada.”

 

OBS.: O CAPÍTULO FOI DIVIDIDO EM 2 PELO TAMANHO GIGANTESCO, SEMANA QUE VEM ELE CONTINUA.

ATÉ PRÓXIMA…

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Até!

Bônus:

https://www.youtube.com/watch?v=KSbNV0GA2ss