Sword Art Online Alicization Beginning em Português – Underworld – Capítulo 1 – Parte 1

Arco: Alicization

Capítulo 1

Underworld – Parte 1

O passado de Kirito, Eugeo e Alice
Aqueles dias nostálgicos…

(Terceiro mês do calendário 378 do mundo humano)

Haviam aromas no ar.

Senti meus pensamentos fragmentados, percebi isso pouco antes de acordar.

O ar que estava respirando continha grandes quantidades de informações. O doce aroma das flores, da relva e a refrescância das árvores, pareciam poder limpar meus pulmões. O cheiro de água cristalina acabou estimulando minha garganta sedenta.

Enquanto minha mente voltava a consciência, o volume de informações captadas pelos meus sentidos aumentaram, com sons diversos inundando os ouvidos.

O reconfortante barulho de numerosas folhas balançando com o vento. Pios de pássaros por todos os lados. Ocasionalmente zumbidos dos insetos e completando essa sinfonia natural, o murmúrio fraco de um pequeno riacho ao longe.

Onde estou? Uma coisa é certa, obviamente, não é o meu quarto. Normalmente quando acordo, sinto cheiro das folhas secas das árvores do quintal, ouço o barulho do ar condicionado e som dos carros no trânsito de Kawagoe, e todas essas coisas não estão presentes aqui. E tem mais, essa luz esverdeada que está direto em meus olhos, mesmo fechados. Será que esqueci de desligar a luminária quando fui deitar? Ou é a luz do sol através das folhas da árvore em minha janela?”

Deixei de lado a vontade de continuar dormindo e resolvi, finalmente, abrir os olhos.

Pisquei várias vezes devido aos diversos raios luminosos que incidiam diretamente em mim. Enquanto esfregava os olhos, que estavam lacrimejando, apoiei minha mão direita no chão e lentamente fui levantando o corpo.

“…Onde estou…?”

Automaticamente murmurei.

O que vi em seguida foram arbustos verdes com pequenas flores brancas e amarelas, e sobrevoando eles, borboletas azuis brilhantes indo de lá para cá. A uma distância aproximada de cinco metros, tinha um tapete de grama que pareciam recém cortada, e a partir dali, toda a vegetação se adensava em uma floresta profunda, cheia de enormes árvores retorcidas que devem ter envelhecido por dezenas ou centenas de anos.

Foquei minha visão no espaço sombrio entre os troncos das árvores, o que parecia ser uma entrada para o interior da mata. Deu a impressão de que o caminho continuava infinitamente. As cascas rugosas das árvores e o chão, estavam cobertos por musgo, brilhando em verde e dourado sob o sol.

Fui olhando para a direita à medida que fui virando o corpo e percebi que estava rodeado por antigas árvores por todos os lados. Em outras palavras, eu estava deitado em um pequeno círculo de grama no meio da floresta. Por último olhei para cima, entre as copas das árvores e pude ver o céu azul e algumas nuvens esparsas como seria o esperado.

“Mas… que lugar é esse?”

Murmurei novamente enquanto suspirava. Mas não houve resposta.

Revirei em todos os cantos da minha cabeça, mas não conseguia encontrar nenhuma memória que me dissesse como eu vim tirar uma soneca em um lugar como esse. Sonambulismo? Amnesia? Palavras perigosas como essas passaram pela minha cabeça, “de jeito nenhum”, logo neguei.

Eu… meu nome é Kirigaya Kazuto. Dezessete anos e oito meses. Vivo em Kawagoe, prefeitura de Saitama com minha mãe e irmã.

Me acalmei um pouco quando consegui relacionar meus dados pessoais sem nenhum problema. Então comecei a puxar mais memórias.

Atualmente, sou um estudante do segundo ano. Mas, como estou prestando exame para conseguir me graduar no primeiro semestre do próximo ano, estava pensando em entrar para alguma universidade no outono. Sim, eu já tinha consultado alguém sobre isso. No último domingo de junho, quando estava chovendo, fui na loja de Agil, o Dicey Café, em Okachimachi depois da escola e conversei com minha amiga Sinon, Asada Shino, sobre Gun Gale Online.

Então, Asuna – Yuuki Asuna, se juntou a nós e conversamos por um tempo antes de sair da cafeteria.

“Asuna…” – falou suavemente.

Tenho uma noiva, a parceira a qual poderia confiar minha vida. Olhei a minha volta muitas vezes, tentando achá-la. Sua imagem existia claramente na minha memória, no entanto, não havia ninguém.

Nenhum ser humano nessa grama ou na floresta.

Enquanto lutava contra um ataque súbito de solidão, voltei ao exercício de relembrar.

Asuna e eu nos separamos de Shino depois que deixamos a cafeteria. Saímos da linha Ginza do metrô de Tokyo, em Shibuya, trocamos para a linha Toyoko e nos dirigimos até Setagaya, onde a casa de Asuna fica.

A chuva já havia parado quando saímos da estação. Enquanto caminhávamos pela calçada, conversamos sobre entrar na universidade. Falei abertamente sobre meu desejo ir para a universidade na América, e pedi para Asuna para vir junto, nesse ponto, ela deu seu habitual sorriso brilhante e…”

Minhas memórias param nesse ponto.

Não conseguia lembrar. O que Asuna respondeu? Como nós nos despedimos? Como voltei para a estação? A que horas voltei para casa e fui para a cama? Não conseguia me lembrar de nada disso.

Estava realmente surpreso, tentando desesperadamente lembrar de mais coisas.

No entanto, o sorriso de Asuna desaparecia naquele ponto como se estivesse vendo uma imagem embaixo d’água. Não importa o quanto eu tentasse, nada vinha. Fechei os olhos, franzi o rosto, mas só tinha um vácuo, um vazio escuro.

Era uma sensação sufocante, me deixando louco.

Essas poucas imagens foram as únicas que vieram à mente, como pequenas bolhas.

Sem pensar, inspirei profundamente aquele ar puro. E lembrei que minha garganta estava muito ressecada.

Não há dúvida sobre isso, ontem à noite eu estava definitivamente em Miyasaka cidade no distrito de Setagaya. Então, como é que eu acabei dormindo no meio de uma floresta desconhecida?

Não! Será que realmente foi ontem? A brisa que estava soprando, refrescava a minha pele agradavelmente. Esta floresta não tem a umidade característica do final de junho.

Nesse momento, um medo genuíno percorreu minha coluna.

As ‘memória de ontem’, as quais estou me agarrando desesperadamente como se fosse uma bóia salva-vidas, realmente aconteceram? Eu sou…, quem realmente penso que sou…?

Depois de tocar meu rosto e puxar meus cabelos várias vezes, olhei minhas mãos com atenção aos detalhes. Me acalmei um pouco, pois elas eram exatamente como eu as lembrava em minhas memórias, havia uma pequena verruga na base do polegar direito, a parte de trás do dedo médio esquerdo tem uma cicatriz de infância.

Nesse ponto, finalmente percebi minha estranha aparência.

Não estava com meu pijama habitual, nem era bem uma camiseta, muito menos o uniforme escolar. Não, não era mesmo nada do que eu tinha. E olhando bem, creio que essas roupas não estejam disponíveis no mercado.

Era uma túnica tingida de um azul desbotado. O tecido ou era de algodão áspero ou linho. A camisa, ou algo parecido, era de manga curta. Com sua textura irregular, dando uma sensação bem grosseira. As mangas e barra pareciam ter sido costuradas à mão. Não tinha gola, apenas uma abertura no formato de V no peito, amarrada com uma corda castanho claro.

Enquanto olhava a corda em meus dedos, percebi que não era qualquer tipo de fibra trançada mecanicamente e sim couro finamente cortado.

As calças também eram do mesmo material, porém, em tom bege. Não tinha bolsos, o cinto de couro que amarrava minha cintura não estava preso com uma fivela de metal, mas com um grande botão de madeira. Os sapatos também eram de couro costurado à mão, com várias tachas para prender a sola.

Nunca tinha visto nada semelhante a essas roupas e sapatos antes. – “No mundo real, é claro.”

“…Mas o quê?”

Relaxei os ombros com um leve suspiro.

Mesmo que fossem completamente diferentes, ao mesmo tempo, eram roupas familiares. Da Europa medieval, muito usado como fantasias, Eram quase um ‘kit’ básico de vestimenta. Isso era chamado de túnica, calças de algodão e sapatos de couro.

Este lugar não era real, mas sim um mundo de fantasia ou um mundo virtual com o qual eu estava familiarizado.

“O quê? …”

Disse novamente enquanto inclinava a cabeça.

Isso significa que eu estava dormindo enquanto jogava? Mas quando é que eu entrei no jogo? Por que não consigo me lembrar de nada?

De qualquer forma, eu saberei depois que me desconectar.” – Enquanto pensava isso, agitei a mão direita.

Depois de alguns segundos, a janela não abria, então desta vez eu fiz o movimento com a mão esquerda. O resultado foi o mesmo.

Enquanto ouvia o som ininterrupto dos passarinhos cantando e as folhas se agitando, tentei afastar o mais depressa possível a sensação desconfortável que foi tomando conta de mim.

Este lugar é um mundo virtual. Tem que ser. Mas… a princípio não é Alfheim, com o qual já estou familiarizado. E também, não é um mundo padrão de realidade virtual criado pelo The Seed.

O mais estranho é… não acabei de confirmar a verruga e cicatriz que eu tenho no mundo real? Um mundo de realidade virtual que pode reproduzir tais detalhes, até onde sei, não existe.

“Comando… Desconectar.”

Pronunciei o comando com uma ponta de esperança, mas não houve resposta. Enquanto sentava de pernas cruzadas, olhei novamente para minha mão.

Haviam impressões digitais em forma de redemoinho nas pontas de cada dedo, rugas nas juntas, finos fios de cabelos que ali cresciam e gotículas de suor frio que comecei a transpirar agora.

Enxuguei as mãos em minha túnica e verifiquei os detalhes do tecido mais uma vez. Os fios ásperos foram tecidos com um método bem antigo. A fibra macia e muito fina era claramente visível na superfície.

Se este era um mundo virtual, a máquina que o criou tem que ter um processamento assombroso. Fiquei olhando as árvores enquanto rapidamente arranquei uma porção de grama do chão e segurei em frente aos olhos.

Um mundo virtual padrão do The Seed, que usava a técnica de ‘enfoque detalhista’, não seria capaz de manter-se coeso para seguir um movimento repentino, um ligeiro delay certamente ocorreria antes que eu pudesse ver a textura detalhada da grama novamente, algo como uma compensação de lag. No entanto, desde a ponta dessa fina erva até sua base irregular, com as gotas de umidade pingando, tudo aqui é apresentado com detalhes ultrafinos no momento em que se olha.

Isso significa que os objetos que entraram minha visão são gerados em tempo real com uma precisão milimétrica. Então, a capacidade necessária para armazenar este único pedaço de grama estaria na casa das dezenas de megabytes. Como algo assim é possível?

Querendo acabar logo com isso, reprimi tais pensamentos ao mesmo tempo em que arrancava as gramas que estavam em volta dos meus pés e comecei a cavar com a mão direita como se fosse uma pá.

A terra negra e úmida era surpreendentemente fofa, facilitando o processo de escavar. Logo de início visualizei o pequeno emaranhado das raízes das gramas. Então percebi algo se movimentando entre as raízes e gentilmente peguei-o com os meus dedos.

Era uma minúscula minhoca, cerca de três centímetros de comprimento. A criatura na cor verde brilhante, ao ser retirada de seu habitat, ficou se contorcendo. Será que é uma nova espécie? Foi a primeira coisa que me ocorreu. Nisso, levantei uma das extremidades, onde aparentemente ficava a cabeça e o pequeno verme fez um pequeno som ‘KYUKYU’.

Achando que estivesse ficando maluco tratei de retorná-lo para seu local de origem. Nesse instante olhei para palma da minha mão direita, que estava coberta com a terra preta, com os cantos das unhas cheios de sujeira.

Fiquei distraído durante vários segundos, para em seguida, formular três hipóteses que poderiam explicar a situação atual.

Primeiro, é possível que esse lugar seja um mundo virtual criado pela mais nova tecnologia FullDive. Visto pelo modo como acordei no meio da floresta ser o cenário padrão de uma campanha de RPG.

No entanto, não tenho conhecimento de nenhum computador que suporte tal processamento monstruoso capaz de gerar esses objetos 3D nos mais perfeitos detalhes. Mas também pode ser o caso de eu ter perdido minhas memória a muito tempo e que na realidade já se passaram algumas dezenas de anos…

Existe também a possibilidade de que este lugar seja o mundo real. Isso significa que fui vítima de algum tipo de crime, um experimento ilegal ou ainda uma terrível brincadeira de alguém que me vestiu com essas roupas e me largou nessa floresta erma… Talvez seja Hokkaido ou algum lugar no hemisfério sul. No entanto, não acho que o Japão tenha uma espécie de minhoca verde metálica que grite ‘kyu kyu’, ou mesmo qualquer outro país do mundo.

Então a última hipótese, que esse lugar possa ser uma dimensão real paralela diferente, um mundo estranho ou talvez um mundo pós vida.

É algo bem corriqueiro nos mangás, novelas e animes. De acordo com o padrão desse tipo de mídia, daqui a pouco eu deveria salvar uma menina do ataque de algum monstro e/ou ouvir o pedido do chefe da aldeia para se tornar um herói salvador e lutar contra o rei demônio… Se for algo assim, até o momento ainda não existe uma espada na minha cintura.

Me segurei para não começar a rir e decidi que essa terceira possibilidade estava fora de questão. Já tinha perdido de vista o que era real e o que não era, se continuasse assim, com essas ideias bizarras, perderia a sanidade também.

Mas ainda persiste a dúvida…

“Afinal, este é um mundo virtual ou um mundo real? “

Se for a primeira opção e tudo aqui foi gerado digitalmente, é só eu subir em uma dessas árvores e me jogar de cabeça no chão. Certamente serei desconectado e/ou ressuscitado em algum local de save point.

Mas caso eu não esteja conectado, acho que a situação se complica um pouco. Li um tempo atrás uma história de uma determinada organização criminosa que, com o propósito de filmar um jogo com mortes reais, sequestraram por volta de dez pessoas e as deixaram se matarem em uma floresta desolada. Mesmo que digam que algo assim seja impensável, um evento parecido já ocorreu antes. Aí está o incidente de SAO para provar. E se dessa vez um ‘palco’ como esse foi montado no mundo real, creio que se suicidar talvez não seja uma boa escolha.

“… De qualquer forma, se isso é um jogo real ou não, ao que parece não foi iniciado ainda…”

Disse isso inconscientemente. Pelo menos Kayaba Akihito tinha se dado ao trabalho de explicar como eram as regras, o que não ocorreu até o presente momento.

Olhei para o céu através das copas das árvores e falei novamente:

“Ei, senhor GM! Se está me ouvindo, responda!”

No entanto, mesmo esperando pacientemente, não surgiu nenhum rosto enorme ou uma figura encapuzada. Nessa hora comecei a vasculhar os arbustos próximos antes de conferir mais uma vez minhas roupas a procura de algo que se parecesse com um livro de regras, mas nada encontrei.

Aparentemente, seja lá quem tenha sido que me jogou nesse lugar, não tem nenhuma intenção de responder meu pedido de ajuda. Isso se levar em conta que essa situação não seja acidental, mas…

Enquanto ouvia o canto das aves, pensei de forma mecânica.

E se isso na verdade tiver sido um acidente? Tenho um palpite de que se for assim, movimentar-se de maneira descuidada talvez não seja boa ideia. Pode ser até que uma equipe de resgate já esteja a caminho.

Mas, qual seria a razão para que esse tipo de acidente ter ocorrido em primeiro lugar?

Respondendo assim, prontamente, penso que talvez tenha sido um acidente de carro ou avião que tenha me arremessado aqui na floresta enquanto estava viajando… E o choque da queda me fez perder as memórias dos últimos instantes. Mas isso também não explica essas roupas estranhas e nem o fato de não ter nenhum arranhão.

Ou o acidente aconteceu durante o FullDive. Algo como isso também é bem plausível. E houve um bloqueio dos meios de comunicação que me deixou ilhado em um mundo não conectado. Mas isso também não explica os objetos tão ricamente detalhados.

Além disso, se assumir que seja uma situação gerada pela intenção de alguém, é lógico pensar que se eu não tomar qualquer decisão, nada vai mudar e a ‘história’ não vai avançar.

“Só que, qual dessas hipóteses é a certa?…”

“Essa é a realidade? Ou é um mundo virtual? Tem de haver uma forma de identificar isso.”

Deve ter uma maneira…

‘Um mundo virtual próximo da perfeição a ponto de não ser capaz de distinguir da realidade’, embora seja uma frase comumente usada, eu não acho que seja possível recriar tudo do mundo real com cem por cento de precisão”.

Haviam se passado cerca de cinco minutos desde que me sentei na grama e fiquei pensando em várias coisas. Porém, não consegui encontrar nenhuma explicação viável para a situação atual.

Talvez se tivesse um microscópio, daria para pesquisar a existência de microorganismos no solo ou se eu tivesse um avião, seria possível voar bem alto e observar tudo lá de cima. No entanto, infelizmente, apenas com as mãos e pés que eu tinha, cavar o solo foi o melhor que pude fazer.

Em um momento como este, se fosse a Asuna, com certeza teria uma ótima ideia de como identificar esse mundo. E digo mais, se estivesse nessa situação, não ficaria aqui sentada se preocupando como eu estou fazendo agora, mas agiria rapidamente. “.

Dei um pequeno suspiro quando pensei nisso e mordi os lábios enquanto o desânimo me alcançava novamente.

Fiquei surpreso ao constatar o quão perdido eu me sentia só de não conseguir contato com Asuna, porém isso era compreensivo. Já que durante os últimos dois anos, discuti quase todas minhas decisões com ela. Agora, sem ela do meu lado, meu cérebro era como uma CPU com metade do seu núcleo desativado.

Ontem mesmo, fiquei conversando com ela durante horas no bar de Agil. Se soubesse que isso iria acontecer, não teria falado sobre o RATH ou o STL, mas de uma maneira de como distinguir a realidade do mundo virtual…

“Ah!…”

Levantei em um salto. O som ambiente diminuiu rapidamente.

Então é isso! Como não tinha percebido até agora…!?

Foi exatamente o que eu disse antes, não é? A existência de algo muito superior à máquina FullDive, uma tecnologia capaz de criar um mundo virtual com uma qualidade magnificamente fiel a real. Esse mundo é…

“Dentro do Soul Translator…? E este lugar é o… Underworld…!?”

Não houve resposta ao que murmurei, enquanto, inconscientemente, olhava em volta um pouco confuso.

A floresta de árvores velhas e retorcidas que me pareciam tão reais, a relva balançando, as borboletas voando…

“Estes são… sonhos feitos pelo homem escritos diretamente em minha Fluctlight…?”

No primeiro dia em que comecei a trabalhar na empresa RATH, o pesquisador e operador, Higa Takeru, orgulhosamente me explicou tudo sobre a estrutura do colossal STL e o quão real era o mundo que ele poderia criar.

E percebi pelo teste logo depois, que as suas palavras não eram um exagero… no entanto, o que vi naquela época foi apenas um quarto. Embora a mesa, cadeira e várias outras coisas pequenas fossem difíceis de distinguir das coisas reais, o quarto não poderia ser chamado de um ‘mundo’, propriamente dito.

Porém, o tamanho da floresta que me rodeia agora, creio que compreende vários quilômetros… Não, melhor dizendo, somando o cume das montanhas que posso visualizar além das árvores, se for real mesmo, então o tamanho desse espaço estaria na casa de várias dezenas ou centenas de quilômetros.

Tentar criar algo assim com a tecnologia existente, mesmo usando toda capacidade de armazenamento disponível na internet, não seria suficiente para guardar todos os dados. Somente um tecnologia totalmente nova… como a Visual Mnemonic do STL, conseguiria tal feito.

Então, se o meu palpite estiver correto e esse for o mundo virtual criado pelo STL, o que eles chamaram de Underwolrd, será realmente impossível verificá-lo de dentro da imersão.

Isso porque cada objeto existente aqui, não, cada “coisa” aqui está no mesmo nível de detalhe de que seu molde real gravado em minha consciência. Não importa a quantidade de grama que arranque, as mesmas informações dessa ação serão iguais às que eu faria no mundo real, graças aos dados contidos na minha mente, ou seja, no meu Fluctlight. Por isso não é teoricamente possível verificar que esse local seja uma existência virtual, absolutamente.

Quando o STL for lançado para uso comercial, um marcador de identificação dizendo que é um mundo virtual será absolutamente necessário…

Fui pensando isso enquanto me levantava do chão.

Embora ainda não tenha obtido uma prova concreta dessa teoria, é melhor aceitar que este lugar seja o Underworld. Isso significa que atualmente, no mundo real, estou deitado no interior da máquina experimental STL em Roppongi no escritório de desenvolvimento da RATH, ganhando 2.000 yenes por hora no trabalho de meio período.”

“Mas… isso não é estranho…?”

Depois de um breve momento de alívio, inclinei a cabeça novamente.

Higa, o operador, me disse que a fim de impedir a contaminação dos dados dos testes, as memórias do mundo real de Kirigaya Kazuto teriam que ser bloqueadas.

Porém, só o que não consigo lembrar são coisas de um dia, quando me despedi de Asuna e, provavelmente, vir até a RATH e entrar no STL. Isso está bem longe de dizer que minhas memórias estão totalmente bloqueadas.

Além disso…, eu não tinha já decidido e prometido que encerraria esse trabalho de meio período pois a época das provas finais estavam se aproximando?  Não creio que quebraria facilmente uma promessa com Asuna só por causa de um bom salário…

E outra, se avaliar essa situação, mesmo que este seja um teste do STL, não há dúvidas de que ocorreu algum problema.

Olhei para o céu azul entre as copas das árvores e gritei:

“Senhor Higa, se você estiver monitorando, pare a imersão! Parece que ocorreu um problema!”

E fiquei assim, esperando por mais de dez segundos.

No entanto, as folhas continuaram balançando sob a luz solar e o vento, as borboletas continuaram a bater as asas e não houve alteração naquele preguiçoso cenário.

“…Humm… talvez eu…”

Falei em voz baixa, quando percebi uma outra possibilidade.

“Talvez eu tenha concordado com essa experiência… Será que é esse o caso?”

Em outras palavras, a fim de obter dados sobre o que eu faria em um lugar onde não pudesse ter certeza se era a realidade ou um mundo virtual, eles bloquearam minha memória recente logo antes de realizar a imersão e me jogaram em um mundo hiper realista criado pelo STL.

Pensando se realmente fosse esse o caso, mentalmente me estapeei por ter aceito fazer parte de um experimento tão bizarro.

Com certeza sair de uma situação dessas não será nem de longe fácil. “Onde eu estava com a cabeça? Porque fui aceitar um negócio desses?

Calculei o percentual das possibilidades que poderiam se aplicar a situação.

“Hmm…, vejamos, a probabilidade de ser a realidade é… 3 por cento. Ser um mundo virtual é… 7 por cento. E de eu aceitar fazer a imersão para testes no STL… 20 por cento. Um acidente repentino durante a prova… 69,9999 por cento…”

Lá no fundo da minha mente, adicionei ao final da conta um 0,0001 por cento de possibilidade de que havia me perdido em uma realidade alternativa. E esse era o limite onde conseguia chegar com meu pouco conhecimento e maluquice. Com o intuito de conseguir mais informações, eu deveria me colocar em perigo e tentar entrar em contato com outros seres humanos ou jogadores, e se der sorte, até outros testers.

“Bom, acho que é hora de agir.”

Primeiro, preciso molhar a garganta, que está totalmente seca.

Girei meu corpo, procurando localizar o que tinha ouvido antes, um fraco fluxo de água. A direção que percebi o som, a julgar pela posição do sol, deveria ser o leste.

Antes de começar e me mover, minha mão tateou o tapete de grama, mas é claro, não havia nenhum graveto ou vara ali, muito menos uma espada.

Tentei não ficar desesperado e fui caminhando. Em menos de dez passos já não havia mais grama. Passei pelas duas árvores retorcidas que criavam um portão natural e adentrei aquela floresta tenebrosa.

O chão da floresta estava coberto com um musgo grosso que parecia veludo, o espaço parecia completamente estranho. As folhas das enormes árvores obstruíam quase toda a luz solar, apenas alguns raios de luz dourada conseguiam chegar ao chão. As borboletas que dançavam no local gramado foram agora substituídas por estranhos besouros que pareciam dragões voadores, que deslizavam silenciosamente pelo ar.

Ocasionalmente, o som de alguma coisa vinda de algum lugar alcançava meus ouvidos. Era um cenário que parecia estar entre o mundo real e o sobrenatural.

Andei por mais ou menos quinze minutos enquanto rezava para que nenhum animal de grande porte e hostil ou um monstro viessem me ‘cumprimentar’. E senti um grande alívio quando finalmente pude ver um caminho totalmente iluminado.

Como o som de água ia se intensificando, tinha certeza de que havia um rio mais à frente. Eu, naturalmente, apressei o passo e comecei a correr enquanto sentia cada vez mais minha garganta ressecar.

Nesse momento saí correndo da densa floresta e apenas uma área de três metros de grama me separava da superfície brilhante de água, onde a luz do sol refletia-se nela e entrava em meus olhos.

“Á-Água…”

Gemendo dessa forma, fui cambaleante até a beirada e joguei meu corpo na vegetação macia.

“Uau!…”

Que rio maravilhoso!

O rio não era muito amplo, enquanto eu me arrastava lentamente, pude ver a estupenda transparência da água corrente. Era quase uma pintura.

Podia ver claramente a areia branca do leito por causa da extrema pureza do riacho da montanha.

A vários segundos atrás, com a pequena e remanescente chance desse lugar ser o mundo real, considerei os perigos de beber água não fervida. Contudo, olhando este rio que parecia vir de cristais derretidos, incapaz de resistir à tentação, minha mão direita se moveu para a superfície do rio. Com um som agudo como se estivesse cortando a água fria, minha mão direita derramou o líquido em minha boca.

Poderia considerar doce? Não conseguia sentir nenhuma impureza, o fraco sabor adocicado e fresco da água me fez nunca mais querer comprar água mineral das lojas de conveniência. Depois de usar as duas mãos para beber, não aguentei e finalmente pus minha boca na superfície.

Enquanto pensava que esse era exatamente o gosto da água da vida, no recanto mais profundo da minha mente, a possibilidade desse ser um mundo virtual criado pela atual máquina de FullDive foi completamente eliminada.

Isso porque, para a máquina mais recente, o AmuSphere, era impossível recriar um líquido com essa perfeição. Um polígono era uma coordenada de números infinitos formando uma superfície com níveis antes de se conectarem para criar uma malha que por vez é o objeto, não era concebível reproduzir o aleatório e complicado formato da água. Entretanto, a água balançando em minhas mãos, se derramando e escorrendo não tinha nenhum traço de artificialidade.

Eu também quero abandonar a possibilidade de ser o mundo real.

Enquanto pensava nisso, levantei e olhei em volta novamente.

“Esse límpido rio, a fantástica floresta que continuava além da outra margem e esses pequenos animais de cores vivas, não creio que isso exista em nenhum lugar da terra.

E no geral, não seria lógico que um ambiente intocado pelo homem seja hostil? Seguindo esse raciocínio, será que existe alguma razão pela qual eu ainda ter sido atacado por insetos, mesmo vagando por aqui vestindo roupas tão leves?

Enquanto pensava nisso, tive a sensação de que o STL iria invocar uma horda de insetos venenosos. Tratei logo de levantar e tirar esses pensamentos o mais rápido possível da cabeça.

Depois que reajustei a possibilidade de esse ser o mundo real para 1 por cento, olhei para os dois lados.

O curso do rio desenhava uma curva gradual do norte para o sul. O fim das duas direções era engolido por grupos de árvores enormes. Entretanto, pela clareza, baixa temperatura e largura, deduzi que a nascente do rio deveria estar próxima. Se esse fosse o caso, a possibilidade de cidades ou casas existirem ao longo do seu leito era bem alta.

Seria mais fácil se eu tivesse um barco…

Desejava isso enquanto andava rio abaixo.

A brisa que mudara sua direção ligeiramente trouxe um som estranho aos meus ouvidos.

Algo duro, resistente… talvez… uma árvore sendo golpeada ou coisa assim. E não foi somente uma vez. Era um som ritimado, com intervalos de mais ou menos quatro segundos entre um golpe e outro.

Esse som não provém de uma fonte natural. Tenho quase certeza que é produzido pela mão do homem. “

Imaginei que era de alguém cortando alguma árvore dessa floresta.

Mas tentar se aproximar sem um plano pode ser perigoso.”

Sorri um pouco nervoso e depois pensei por um momento.

Esse não é um mundo MMORPG onde lutar e matar é o mais recomendado. Entrar em contato com outras pessoas e adquirir informação é, no momento, a minha maior prioridade.

Então andei rio acima, em direção ao som das batidas.

De repente, tive um pressentimento e vi uma cena estranha.

À direita estava a superfície ondulada do rio. Na esquerda, a densa e profunda floresta e em frente havia um caminho verde estendendo-se para algum lugar.

E lá, três crianças estavam andando lado a lado. Entre eles havia um garoto de cabelos pretos, outro garoto de cabelo castanhos claros e uma garota usando um chapéu de palha com seu longo cabelo dourado balançando deslumbrantemente. Sob a luz do sol do meio-dia, o brilho dourado se espalhando livremente.

Isso foi… uma memória!?

O tempo de outrora, os dias que não voltam mais. A confiança eterna e o juramento de que fariam qualquer coisa para se protegerem mutuamente, mas como um pedaço de gelo ao sol, se derreteu e desapareceu de forma abrupta…

Aqueles dias nostálgicos…

 

CONTINUA NA PRÓXIMA SEMANA…

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Até!

Bônus: