Sword Art Online Alicization Beginning em Português – Interlúdio I

Arco: Alicization Underworld – Beginning

Interlúdio I

Johnny Black - Laughing Coffin
Johnny Black – Laughing Coffin

 

Yuuki Asuna repentinamente pensou:

“A temperatura humana é uma coisa estranha.”

A chuva já havia parado e sob aquele céu azul escuro, com parte das nuvens alaranjadas com o cair do sol, os dois caminharam lentamente de mãos dadas. Ao seu lado, Kirigaya Kazuto, se mantinha calado com uma expressão séria, como se tivesse pensando algo muito importante para dizer olhando fixamente para o chão.

Asuna vivia em Setagaya e Kazuto em Kawagoe, normalmente se separavam na estação de Shinjuku e pegavam trens diferentes, no entanto hoje, por algum motivo, Kazuto disse:

“Vou te acompanhar até perto de sua casa.”

Mesmo que ele tivesse que levar uma hora a mais para voltar para sua residência em Shibuya, como Kazuto estava com um olhar incomum, Asuna acabou concordando sem contestar.

Quando saíram do trem na estação de Miyanosaka na linha de Setagaya, que era a estação mais próxima à casa de Asuna, eles ainda estavam de mãos dadas.

Enquanto isso, Asuna lembrou vagamente de uma cena. Algo muito lindo, porém ao mesmo tempo, terrivelmente doloroso. Era uma recordação que normalmente não vinha muito em sua consciência, no entanto, ela eventualmente voltava sempre que segurava as mãos de Kazuto.

Não era uma memória do mundo real, mas da cidade das torres de ferro ‘Grandum’ no 55º andar de Aincrad, a qual já não existia mais.

Naquela época, Asuna servia como vice-comandante da guilda Knights of the Blood. E sua guarda pessoal era um grande espadachim chamado Kuradeel, que a acompanhava o tempo todo. Ele, que alimentava uma obsessão fora do normal com Asuna, tinha usado um veneno de causava paralisia em Kazuto/Kirito e o desenrolar desse fato acabou forçando a saída de Asuna da frente de batalha.

Nesse incidente, Kuradeel tinha preparado uma armadilha durante um falso treinamento e já havia assassinado dois membros do grupo por puro rancor e ciúmes e Asuna só conseguiu chegar no local do ocorrido apenas a tempo de salvar a vida de Kirito, puxando sua espada com fúria e sem piedade, reduzindo o HP de Kuradeel para um nível onde poderia ser esgotado com apenas um golpe, mas ela hesitou.

Kuradeel então aproveitando essa chance atacou Asuna, no entanto Kirito, que havia se recuperado da paralisia, se antecipou ao ataque e matou Kuradeel com as próprias mãos, atravessando seu peito.

Os dois voltaram para a sede dos Knights of the Blood no 55º andar. Depois de informar-lhes sobre sua retirada das linhas de frente de batalhas, deram as mãos e sairam caminhando sem rumo por Grandum.

Enquanto ela permanecia calma superficialmente, no seu interior, se sentia decepcionada consigo mesma, por não ter matado Kuradeel. Culpava-se por Kirito ter de carregar esse fardo que deveria ser dela. Achava que não estava qualificada para ser sua parceira, que não tinha o direito de ficar ao seu lado. Em meio a esse turbilhão de sentimentos, ouviu uma voz…

Minha vida pertence a você, Asuna! Usarei-a somente para você. E certamente te enviarei de volta ao mundo real, não importa o que aconteça.”

Naquele momento, um forte sentimento cresceu dentro de Asuna.

“Da próxima vez irei te proteger com minhas próprias mãos. Não, não apenas na próxima vez, mas sempre. Não importa em que mundo.”

Asuna ainda se lembrava claramente como sua mão, que não sentia mais nada além de frio, ao encostar na de Kirito, se aqueceu como se estivesse sentada perto de uma lareira.

Mesmo depois que o castelo flutuante desabou, que atravessou o mundo das fadas e retornou para o mundo real, mesmo assim, quando ela segura a mão dele, pode sentir o mesmo calor aconchegante que vem da sua palma.

Realmente, a temperatura humana é uma coisa estranha. Mesmo sabendo que o calor foi gerado a partir do consumo de energia para manter as funções corporais, a troca de calor a partir do contato de suas palmas parecia conter algumas outras informações também. Porque Asuna conseguia entender exatamente o que Kazuto, que estava andando em silêncio, hesitava em dizer naquela hora.

-A alma de um ser humano é composta de luz localizada dentro das estruturas microscópicas das células cerebrais.”

Foi o que Kazuto tinha dito.

Mas essa luz podia existir não somente nas células do cérebro e sim em todas as células do corpo. O campo quântico, composto por essas partículas de luzes flutuantes e que produzia a forma humana, havia conectado suas palmas. Talvez essa era a razão pela qual sentia a sensação de aconchego.

Asuna fechou os olhos suavemente, antes de sussurrar mentalmente:

“Está tudo bem Kirito. Sempre cuidarei de suas costas. Pois você é o melhor guerreiro e eu sou a sua melhor suporte.”

Kazuto, parou repentinamente, fazendo Asuna parar também. Seus olhos se abriram, enquanto avistava a luz alaranjada do poste que tinha um marcador de horas.

“Nossa! Já são sete?”

Nesta noite, tirando a chuva, não havia mais ninguém além deles no local. Kazuto virou lentamente sua cabeça, fixando seus olhos escuros nos de Asuna.

“Asuna…”

Como se finalmente tivesse decidido o que fazer, deu um passo à frente…

“…Eu ainda… penso em ir.”

Asuna, que entendeu o motivo de sua preocupação, sorriu antes de perguntar:

“Para a América?”

“Sim. Passei um ano estudando e creio que a pesquisa do Brain Implant Chip da Universidade de Santa Clara é o sucessor verdadeiro da tecnologia FullDive. A interface homem-máquina do cérebro segue justamente essa tendência. Realmente quero ver o local onde o próximo mundo nascerá.”

Asuna olhou diretamente nos olhos de Kazuto antes de concordar.

“Não havia apenas lembranças divertidas, mas um monte de lembranças tristes e dolorosas também. Seu propósito é ir até aquele castelo, certo? Quer saber tudo sobre ele, não é?”

“…Mesmo que se passem várias centenas de anos, creio que não seria tempo suficiente para entendê-lo, mas…”

Kazuto deu um pequeno sorriso e ficou em silêncio uma vez mais.

Certamente é muito difícil falar sobre separação…” Foi o que Asuna pensou.

Sem desfazer o sorriso, ela tratou logo de dizer a resposta que havia permanecido em seu peito até agora. Porém, antes de conseguir falar, Kazuto fez exatamente a mesma expressão que fez aquela vez em Aincrad, a mesma quando a pediu em casamento. Ele disse enquanto gaguejava um pouco:

“É por isso… que e-eu quero que você venha comigo, Asuna. Eu realmente não quero viver sem você. Sei que estou pedindo algo irracional. Eu sei também que tens um caminho a trilhar, Asuna. Mas, mesmo assim, eu…”

Nesse ponto, ele cortou as palavras como se estivesse confuso. Os olhos de Asuna se arregalaram, enquanto deixava escapar um leve sorriso.”

“Ãh…!?” – Disse um confuso Kazuto.

“D-Desculpe se eu ri. Mas… será que…, que era isso que estava te incomodando até agora, Kirito?”

“S-Sim.”

“O quêêê !? Se é sobre a minha resposta, eu já decidi isso há muito tempo.”

Sua mão esquerda pegou a sua direita, que ainda estava segurando a mão de Kazuto. Após concordar novamente, ela disse:

“Mas é claro que eu vou… iremos juntos. Se for com você, eu posso ir para qualquer lugar.”

Os olhos de Kazuto se arregalaram e ele piscou várias vezes. Em seguida, um sorriso brilhante surgiu em seu rosto, enquanto, ao mesmo tempo, colocava a mão direita sobre o ombro de Asuna.

Asuna correspondeu abraçando-o fortemente.

Quando seus lábios se tocaram, o frio que havia desapareceu completamente, substituído pelo calor e carícias dos dois. Asuna, mais uma vez, sentiu a troca de informações através da infinita quantidade de calor que irradiava de suas almas.

Mesmo no futuro, não importa em que mundo for, não importa quanto tempo viajarmos, nossos corações não serão separados, disso tenho certeza.

Não, os nossos corações já foram ligados desde muito tempo. Nos céus acima de Aincrad que se colapsava, quando desapareceu em meio ao arco-íris no final da aurora. Ou talvez muito antes disso, no momento em que nos conhecemos no interior do labirinto, como jogadores solo.”

“Sim, de todas as formas”.

Alguns minutos depois, quando tinham voltando a caminhar de mãos dadas, Asuna fez uma pergunta que repentinamente surgiu em sua cabeça.

“Então você acha que o Soul Translator, que você está testando, não é o sucessor da tecnologia FullDive? Pelo que parece esse chip cerebral não faz interface com as células do cérebro ao mesmo nível do Nerve Gear? Então, não seria preciso dizer que o STL está à frente dele? Pois afinal, ele se conecta ao nível quântico, não é?”

“Hmmm…”

Kazuto ficou batendo com a ponta metálica do guarda-chuva nos tijolos da parede ao lado deles antes de finalmente responder:

“Bom, o conceito de design é mais avançado do que o do chip cerebral sem dúvidas, mas…, como posso dizer? … Talvez seja avançado demais. Reduzir uma máquina desse porte para um uso prático não levará apenas alguns anos, mas possivelmente várias décadas. Tenho a sensação de que o STL atual não é uma máquina feita para que os seres humanos façam FullDive em mundos virtuais…”

“Hein!? Então para que serve?”

“Talvez seja uma máquina para a compreensão da consciência humana, ou em outras palavras, para compreender o Fluctlight.”

“Hmm… então você quer dizer o STL não é o objetivo e sim o método? “

Quando Asuna ia seguir perguntando para onde a compreensão da alma humana poderia levar, Kazuto continuou falando.

“Além do mais, creio que o STL… seja a extensão da ideia de Heathcliff. Esse homem, qualquer que tenha sido o motivo que o levou a criar o Nerve Gear, ele sacrificou milhares de pessoas, fritou seu próprio cérebro e além disso, fez a propagação do The Seed no mundo… Não sei se ele tinha uma meta específica em primeiro lugar, mas eu sinto que sua presença ainda está perambulando em algum lugar dentro do STL. Ainda quero saber qual era o seu propósito, porém, não quero que ele influencie os meus passos e decisões. Não quero me sentir como se estivesse dançando na palma de sua mão. ”

Asuna lembrou-se imediatamente do rosto daquele homem nos instantes finais de Aincrad e balançou a cabeça concordando com as palavras de Kazuto.

“Eu entendo… Então, a consciência do Líder da Guilda, através do programa de emulação de pensamentos realmente ainda segue existindo em algum servidor? Creio que você já havia mencionado antes.”

“Sim, mas o vi apenas uma vez. A máquina que ele usou para se suicidar foi o protótipo original do STL.

Para conseguir ler o Fluctlight, foi necessário um raio de uma potência tão alta que foi capaz de fritar as células do cérebro. Provavelmente ele sentiu uma dor excruciante por um longo e contínuo período antes que o tronco cerebral fosse enfim destruído pelo Nerve Gear… Fez tudo isso com a finalidade de produzir uma cópia de si mesmo. Não sei se isso está relacionado ao que RATH está fazendo com STL agora. Mas aceitei essa oferta de trabalho de Kikuoka, pois no fundo do meu coração sigo pensando que posso obter alguma resposta…”

Enquanto falava isso, o olhar de Kazuto estava fixo nos céus, que no momento já apresentava uma coloração laranja arroxeada indicando que a noite estava chegando. Asuna então segurou com mais força em sua mão antes de sussurrar.

“Me prometa apenas uma coisa. Não faça nada perigoso.”

Kazuto a olhou profundamente e concordou sorrindo.

“É claro, eu prometo. Afinal, estaremos indo juntos para a América no próximo verão de qualquer forma.”

“Antes disso, você não deveria se preocupar em estudar para conseguir passar nas provas? Se não conseguir uma boa nota, não conseguirá realizar todos os seus planos.”

“Uh! …”

Kazuto ficou sem fala por alguns instantes, antes de tossir e mudar de assunto.

“Bom, de qualquer forma, primeiro eu preciso cumprimentar corretamente os seus pais. Tenho trocado eventualmente alguns e-mails com o senhor Shouzou mas pelo que me lembro da sua mãe, creio que as coisas não serão tão simples com ela…”

“Não, dessa vez não haverá problema. Acredite ou não, recentemente, ela ficou bem mais compreensiva. E então? …porque não vai agora?”

“Ãhh !? N-Nã-Não… talvez seja melhor ir após o exame final, sim… será melhor…”

“Realmente…”

Enquanto conversavam, chegaram em frente a um pequeno parque perto da casa de Asuna.

Este era o lugar onde geralmente se despediam.

Asuna, então parou se sentindo um pouco relutante em ir embora. Ela olhou em volta e depois para o rosto de Kazuto. O olhar do garoto foi igualmente fixado no dela e a distância entre diminuiu para 15 centímetros, 10 centímetros…

De repente, sons de passos puderam ser ouvidos.

Asuna instintivamente recuou. E ao virar a cabeça, percebeu uma figura humana vindo da entrada do parque em direção aos dois.

Era um homem baixo, vestido de preto. Seu olhar se deteve em Asuna e Kirito antes de dizer com uma voz aguda:

“Com licença, vocês sabem onde fica a estação?”

O jovem baixou a cabeça conforme perguntava.

Asuna prontamente apontou ao leste com a mão esquerda e disse:

“Siga por essa rua por um tempo, vire à direita no primeiro semáforo… e então…”

De repente, Kazuto, quem estava atrás, puxou-a com força pelos ombros. Então ele deu um passo adiante enquanto protegia Asuna, enviando para suas costas.

“O-o que está acontec…?”

“Você… está nos seguindo desde o Dicey Café, não é? Quem é você? E o que quer?”

Com esse tom de voz áspero, Kazuto disse algo que Asuna não havia sequer notado. – “Nos seguindo? Como assim?

Ela prendeu a respiração enquanto encarava aquele homem novamente.

Tinha cabelos longos e emaranhados. O contorno extremamente magro de seu rosto estava coberto com uma barba maltratada por fazer. Usava brincos de prata e um grosso colar no pescoço. Vestia uma camiseta preta desbotada e calças de couro da mesma cor.

Levava uma corrente de metal pendurada em sua cintura que ficava tilintando. E em seus pés, botas de cano alto em muito mal estado de conservação. Passando a impressão de que essa pessoa estava em uma condição miserável.

Os olhos apertados brilhavam em meio aos fios da desgrenhada franja, como se estivesse sorrindo. Franziu a testa e inclinou a cabeça, como se não tivesse entendido o que Kazuto havia falando.

Logo, suas pupilas se dilataram, mostrando um brilho insano.

“Então… quer dizer que ataques surpresas não funcionam, hein?”

Asuna ficou apertando os lábios, com uma mistura de sentimentos que não conseguia explicar.

“QUEM É VOCÊ?”

Kazuto repetiu a pergunta.

O homem deu de ombros, balançou a cabeça duas, três vezes, antes de dar um grande suspiro.

“Ei! Ei! Ei! … Que maldade Kirito, isso não se faz. Você já se esqueceu do meu rosto…? Ok, está certo! Lá eu usava uma máscara, né? Bom, você pode ter esquecido, mas eu… nunca vou esquecer você nem por um dia.”

“Você…”

A tensão se acumulou nas costas de Kazuto. Ele levou sua mão direita para trás e inclinou ligeiramente a cintura.

Johnny Black!”

Ao gritar aquele nome, a mão direita de Kazuto se moveu como um relâmpago e agarrou o ar por cima do ombro, onde uma vez esteve a amada espada do Black Swordman, Elucidator.

“Bu… Ku,.. Kuhahahahahaha! Não…, não existe nenhuma espada aí!! Kuahahahahahaha!”

O homem chamado Johnny Black torceu a parte superior seu corpo enquanto produzia uma risada estridente.

Kazuto baixou a mão direita, permanecendo com seu corpo tenso.

Asuna conhecia aquele nome. Era o de um assassino ativo no antigo Aincrad. Conhecido até mesmo entre os jogadores vermelhos.

Pertencente à guilda PK Laughing Coffin e formava uma dupla com Red-eyed Xaxa, o qual exigiu mais de dez jogadores para captura-lo.

Xaxa… Ela ouviu esse nome apenas meio ano atrás. Foi o cérebro por trás do terrível ‘Incidente do Death Gun’.

Onde nesse incidente, o próprio Xaxa, Shinkawa Shouichi, foi preso junto com seu irmão mais novo. Porém, o terceiro comparsa ainda estava foragido. Essa terceira pessoa, cujo nome era Kanemoto… em outras palavras, o homem de pé na frente dela era…

“Você… ainda continua fugindo?”

Kazuto disse com uma voz rouca.

Johnny Black/Kanemoto sorriu.

“Claro… ou você acha que eu iria desistir depois de Xaxa ser pego? Sou o último Laughing Coffin. Eu descobri aquela cafeteria cinco meses atrás e fiquei aguardando lá todos os dias… só alimentando meu ódio à sua espera.

Enquanto falava, Kanemoto inclinou a cabeça para a esquerda e para a direita.

“Mas, vejam só! Kirito, você sem uma espada… é apenas um pirralho fraco, não é? Mesmo que o rosto seja o mesmo, é difícil imaginar que é o mesmo terrível espadachim que me derrotou.”

“A mesma coisa para você… O que pode fazer sem o seu orgulho, as armas envenenadas?”

“Ei, isso não é nada profissional. Não julgue um livro pela capa.”

Kanemoto moveu a mão direita atrás das costas e puxou algo de suas roupas.

Era um objeto estranho e cilíndrico feito de plástico, parecendo um brinquedo. Tinha um local para o agarre, semelhante a uma pistola d’água. Asuna não conseguia entender o que era, mas prendeu a respiração quando viu que as costas de Kazuto tornarem-se intensamente rígida. Sua confusão se transformou em medo, uma vez que ouviuː

“Isso é… a Death Gun…!”

A mão direita de Kazuto se projetou para trás, alertando para Asuna se retirar. Ao mesmo tempo, com a outra mão, direcionou a ponta do guarda-chuva fechado para Kanemoto.

Um passo, dois passos, ela inconscientemente se movia para trás. Porém, seus olhos mantinham-se fixos na ‘arma de plástico’. Aquilo não era uma simples pistola de água, mas uma seringa que utilizava gás de alta pressão, e continha um assustador produto químico capaz de fazer parar o coração em instantes.

“Siiim, eu tenho… uma arma envenenada. Só lamento que não seja uma faca.”

Disse Kanemoto enquanto ria muito e balançava a ponta da seringa, cuja única parte era metálica.

Kazuto pegou o guarda-chuva com ambas as mãos se virou para Kanemoto e disse em voz baixa:

“Asuna, fuja! Procure ajuda!”

Após um momento de hesitação, Asuna balançou a cabeça concordando, em seguida, virou-se e começou a correr.

Ao fazer isso, ouviu a voz de Kanemoto.

“Ei! ‘Flash’! Certifique-se de que todos saibam… que o nome da pessoa que matou o Espadachim Negro, foi Johnny Black!”

A campainha da casa mais próxima ficava a uns trinta metros de distância.

“Alguém… ajude!!”

Enquanto corria e chamava o mais alto que conseguia. Pensou:

“Não foi um erro deixar Kazuto e fugir? … Se nós dois pularmos em cima dele, ao mesmo tempo, não deveríamos ser capazes de conter essa arma?”

A medida em que corria pensando nisso, um som chegou em seus ouvidos.

Igual a quando se abre uma garrafa de bebida gaseificada ou lata de spray, um curto porém agudo som se propagou. No entanto, ela entendeu imediatamente o seu significado. Asuna, foi tomada pelo medo, torceu o pé e cambaleou na calçada, acabando por se encostar no muro de uma residência. Lentamente se virou e olhou por cima do ombro…

Uma cena horrível entrou em sua visão.

A ponteira do guarda-chuva de Kazuto tinha esfaqueado a base da coxa direita Kanemoto, atravessando-lhe o músculo e a seringa na mão Kanemoto foi empurrada contra o ombro esquerdo de Kazuto.

Juntos, os corpos se separaram e caíram violentamente um para cada lado no meio da rua…

Os minutos que se sucederam foram praticamente surreais, como se estivesse assistindo à um antigo filme em preto e branco.

Ela correu para o lado do corpo imóvel de Kazuto. Arrastou-o de perto de Kanemoto, que estava segurando a perna direita em agonia.

“Aguente! Por favor! Aguente!” – Dizia enquanto pegava o telefone e fazia uma chamada.

Não conseguia sentir seus dedos, como se estivessem congelados. As pontas estavam duras enquanto tocavam a tela desesperadamente do aparelho. Informou sua localização e situação ao atendente do centro de emergências, ofegante e com a voz embargada.

Espectadores curiosos se reuniram para ver o que estava acontecendo. Em seguida, um policial apareceu em meio à multidão. Asuna respondia mecanicamente as perguntas enquanto se mantinha firmemente abraçada em Kazuto.

A respiração dele foi rapidamente ficando mais curta e superficial. Em meio as suas dolorosas respirações, sussurrou duas pequenas palavras:

“Asuna…, desculpe…”

Os instantes depois pareceram uma eternidade. Kazuto foi levado, juntamente com Asuna, em uma das duas ambulâncias que chegaram.

Como ele já estava inconsciente na maca, um paramédico checou suas vias aéreas e logo em seguida chamou o outro membro da equipe de resgate.

“Está com insuficiência respiratória! Me passe o reanimador manual, a bolsa Ambu! Rápido!”

A boca e o nariz de Kazuto foram cobertos com a máscara para dar início ao suporte respiratório.

Asuna de alguma forma conseguiu suprimir o desejo de gritar, enquanto ela informava ao paramédico sobre o nome do produto químico, que ela milagrosamente lembrou.

“Foi… s-succinylcholine… o injetaram com essa droga no seu ombro esquerdo.”

O paramédico olhou com espanto para ela por um momento e então deu uma série de novas instruções para sua equipe.

“Injetem… IV epinefrina… não, use atropina! Certifiquem-se de que seja IV!”

Uma agulha de transfusão foi colocada no braço esquerdo de Kazuto, o qual já se encontrava sem sua camisa, os eletrodos do monitor ECG foram colocados em seu peito. Além das vozes, o som da sirene rasgavam o ar.

“A frequência cardíaca continua caindo!”

“Iniciar massagem cardíaca!”

O rosto de Kazuto, com as pálpebras fechadas, estava terrivelmente pálido sob a luz do interior da ambulância.

“Não… não… Kirito… não faça isso… a pequena voz continuou a saído da boca de Asuna sem que ela percebesse…

“O coração parou!”

“Siga com a massagem cardíaca!”

“Kirito, isso é mentira, certo? Você não vai me deixar, não é? Você disse que iríamos estar juntos para sempre… Você não disse isso, não disse?”

Asuna olhou a tela do seu terminal móvel, o qual mantinha firme na mão.

O coração rosa que era mostrado no monitor pulsou levemente uma última vez e parou.

Os caracteres digitais cruelmente mudaram, zerando todos os dígitos até tudo ficar em total silêncio.

CONTINUA NA PRÓXIMA SEMANA…

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Até!

Bônus:

https://www.youtube.com/watch?v=SK2XT5MUT1o