Sword Art Online Alicization Beginning em Português – Prólogo I – Parte 4

Arco: Alicization Underworld – Beginning

Prólogo I – Parte 4

A separação dos amigos e o encontro com o Integrity Knight
A separação dos amigos e o encontro com o Integrity Knight

Solus já havia se posto e então a vida cotidiana seguiu como de costume, sem nenhuma mudança.

Normalmente, após o dia de folga, Eugeo voltava ao trabalho um pouco deprimido, porém, hoje ele se sentia apenas aliviado.

Já tive aventuras demais, sou só um lenhador no fim das contas, pensava enquanto saía pelo portão sul da vila. Kirito se juntou a ele na divisão dos campos com o bosque.

Eugeo notou um breve sensação de alivio no rosto de seu amigo. O outro também notou a mesmo expressão no rosto de Eugeo. Durante um instante, trocaram sorrisos um pouco sem jeito.

Caminharam ao longo do trajeto da floresta por um curto tempo até pegarem o Machado de Ossos de Dragão no galpão, então depois de caminharem um pouco mais, chegaram até a base do Giga Cedro. Eugeo estava agradecido só de poder continuar cortando o tronco dessa árvore como se nada tivesse acontecido.

“Muito bem, certifique-se de acertar só alguns bons golpes para que eu ganhe e seja recompensado com a água Siral.”

“Acho que você que você é que irá me recompensar hoje, Kirito. ”

Enquanto ficavam implicando um com o outro em tom de brincadeira, Eugeo levantou o machado. O primeiro golpe produziu um forte som agudo. Estou muito bem hoje. Eugeo pensou.

A medida em que a manhã avançava, os dois continuaram fazendo bons golpes no tronco da árvore. A razão era, que não paravam de balançar o machado, para não perder a concentração. Caso isso acontecesse, as cenas que viram no dia anterior iriam vir a mente e isso eles não podiam e não queriam deixar acontecer.

Depois de fazer nove séries de cinquenta golpes de acordo com o requisito estabelecido, o estômago de Eugeo começou a roncar alto.

Eugeo, levantou a cabeça enquanto limpava o suor, Solus já estava chegando na metade dos céus.

Como sempre, depois de mais algumas séries, Alice traria o tão esperado almoço. Hoje, se tudo correr bem, será possível comer pastel com leite fresco. Seu estômago roncou mais alto só de pensar nisso.

“Opa …”

Só de imaginar a comida, as mãos de Eugeo começaram a suar mais ainda e o agarre no cabo do machado ficou pior. Tratou logo de limpar as palmas para poder segurar a ferramenta com segurança.

De repente, a luz do sol enfraqueceu.

Ué! Nublou? Que coisa chata. Eugeo pensou enquanto olhava para cima.

Percebeu uma sombra voando pelo céu acima da copa do Giga Cedro em alta velocidade. O coração de Eugeo estremeceu …

“É … um dragão voador …? ”

Eugeo nem percebeu que havia gritado.

“Ei … Kirito, é aquele dragão!”

“Aah! É o … Integrity Knight de ontem!”

A voz de seu companheiro também ficou congelada de medo.

O dragão voador junto com seu cavaleiro branco prateado passou pelas copas das árvores e rapidamente desapareceu de vista na direção da vila Rulid.

O que o faria vir até um lugar como esse?

Em completo silêncio, Eugeo começou a pensar…

Os Integrity Knight lutam contra os inimigos da Igreja Axiom e mantém a ordem. No mundo dos humanos atual, onde os quatro impérios estão dividos e governados, não há mais grupos rebeldes, dessa forma, além das forças da escuridão, para os Integrity Knight não existem inimigos. As únicas lutas são contra os cavaleiros do caos, fora dos limites da Borda Montanhosa, como presenciei com meus próprios olhos ontem. Essa foi a primeira vez que vi um Integrity Knigth ao vivo. E desde que nasci, jamais houve uma ocasião em que um deles tenham vindo aqui na vila. Então … porque agora?

“Não pode ser … Não pode ser, Alice …!”

Kirito murmurou ao seu lado.

No momento em que ouviu isso, uma estranha voz que havia sido escutada ontem, voltou aos ouvidos de Eugeo.

Aquilo que estava na janela violeta, aquelas frases misteriosas do ser humanoide. Sentiu um calafrio percorrer a espinha como se tivesse mergulhado em água congelada.

“Tem que ser mentira… não pode ser…, é impossível que…”

Olhou o rosto de Kirito, enquanto falava, como que buscando uma afirmação, mas seu companheiro estava com aquela expressão séria, igual a da caverna enquanto olhava em direção à vila. Depois virou-se para Eugeo e olhou diretamente em seus olhos e apenas disse:

“Vamos!”

Pegou o machado das mãos de Eugeo antes de correr para o norte em linha reta.

“E-Ei …! ”

Algum muito ruim vai acontecer. Enquanto pensava isso, Eugeo também começou a correr atrás de Kirito.

Percorreram o curto caminho conhecido do bosque a toda velocidade, evitando as raízes e rochas, até se unir com a estrada principal que passava pelos campos de plantações.

Não podiam mais ver a sombra do dragão voando no céu sobre a aldeia. Kirito diminuiu o passo e perguntou para o agricultor que estava ali perto nos campos de trigo olhando para cima.

“Senhor Ridack! Conseguiu ver para onde o dragão foi?”

O fazendeiro parecendo que acabara de despertar de um sonho, depois de piscar várias vezes, finalmente respondeu:

“A… Ah… olha, parece que foi para a praça central da vila …”

“Muito obrigado!”

Despois de agradecer apressadamente, os dois continuaram em frente com tudo que tinham.

Em vários locais do caminho haviam grupos de aldeões olhando estupefatos para cima. Provavelmente, até mesmo entre os anciões, pode ser que nunca tinham visto um Integrity Knight antes. Todos estavam observando a vila com expressões de espanto.

Só restava para eu Eugeo e Kirito correrem desesperadamente

Ao passar pelo portão sul da aldeia, que cruzava a estrada comercial e depois atravessar pela pequena ponte de pedras eles finalmente o viram. Prenderam a respiração por alguns instantes porém, não diminuíram a sua marcha.

O longo pescoço curvo e cauda do dragão voador ocupavam a metade norte da praça em frente da igreja. E suas enormes asas dobradas nas laterais, bloqueavam quase toda a visão do prédio. Suas escamas prateadas e a proteção de aço em diversas partes de seu poderoso corpo que refletiam a luz de Solus, o fazia parecer uma gigantesca e assustadora estátua de gelo. Com olhos injetados de sangue, desprovidos de qualquer emoção, observavam tudo e todos na praça do povoado.

Em frente do dragão, brilhando ainda mais deslumbrante, estava a figura do cavaleiro.

Sua estatura era maior do que qualquer um na aldeia. A pesada armadura polida era como um espelho que cobria todo seu corpo e sem um risco sequer na superfície. Não havia um ponto do corpo descoberto, inclusive nas articulações, protegidas com finas correntes de pratas finamente tecidas. O elmo com chifres, que imitava a cabeça de um dragão com a parte frontal móvel e cheia de detalhes entalhados, porém o rosto desse cavaleiro estava completamente escondido atrás de uma grande viseira.

Levava na cintura, do lado esquerdo, uma espada longa com a empunhadura feita também de prata. Em suas costas, com cerca de um mel de tamanho, havia um arco de cor marrom. Foi sem dúvidas, esse Integrity Knight que disparou e matou o cavaleiro negro que Eugeo havia visto ontem na saída da caverna.

A única abertura da armadura era um vão em forma de cruz em sua viseira, ali provavelmente era por onde ele falava, porém no momento, estava em total silêncio enquanto os mais de duzentos aldeões que o rodeava de repente em sincronia, baixaram as cabeças. Na última fila, a figura de uma pequena garota que carregava uma cesta de vime pode ser vista. Eugeo sentiu um peque alívio ao vê-la.

Alice, que estava com seu vestido azul e seu usual avental branco, ficou parada observando a figura do Integrity Knight no vão entre os adultos.

Eugeo cutucou Kirito que estava a seu lado como um sinal para se moverem. Depois de chegarem atrás da menina:

“Alice…”

Sua amiga de infância virou para trás, com seu cabelo cor de ouro esvoaçante e expressão surpresa como se tivesse a ponto de dizer algo. Kirito rapidamente levou um dedo à sua boca, antes de falar bem baixinho…

“Alice, não diga nada. Temos que dar o fora daqui, agora!”

“Eh! … Porque?”

Alice sussurrou em resposta, parecia não perceber o perigo que a estava rondando. Eugeo pensou que ela não se daria conta a menos que Kirito dissesse.

“Não percebeu? … Esse Integrity Knight, provavelmente é …”

Ainda está em choque? Como vamos explicar isso para ela? Eugeo se perdeu em pensamentos por um momento. Então nesse momento…

Algumas vozes surgiram de dentro da multidão. Olhando para frente, na praça perto da igreja onde estava concentrado a maior parte das pessoas, um homem alto apareceu.

“Ah… pai.”

Alice murmurou. O homem era o pai da menina e ao mesmo tempo, o chefe da aldeia de Rulid, Gasupht Schuberg. Tinha uma forte constituição e estava vestido com simples colete, os cabelos castanhos e barba bem aparada. Apesar de ter recebido a tarefa sagrada de ser chefe da vila a apenas quatro anos do chefe anterior, seu discernimento e assertividade conquistaram rapidamente o respeito de todos os habitantes dali.

Gasupht se aproximou do Integrity Knight sem receio, colocou as mão a frente do corpo de acordo com a etiqueta da Igreja Axiom, e se inclinou. Depois levantou o rosto e falou:

“Cumpro a tarefa de chefe da aldeia Rulid, Schuberg é o meu nome.”

O Integrity Knight, levou seus punhos frente ao seu corpo em resposta, e ao contrário de Gasupht, a armadura fez um leve som quando ele assentiu com a cabeça, antes de começar a falar.

“Supervisor de Norlangarth North Castle, Integrity Knight da Igreja Axiom, Deusobert Syntesis Seven.”

Era difícil crer que se tratava da garganta de um ser humano que produziu aquele som bizarro. A voz era estranhamente metálica e com uma potência impressionante, fazendo se ouvir por todos os lados da praça. Nesse instante o silêncio foi completo.

Eugeo franziu a testa enquanto sentia como se o som daquela voz perfurasse seu crânio ao invés de passar pelos ouvidos. Inclusive o chefe Gasupht recuou meio passo devido àquela pressão.

Porém, como era de se esperar daquele home, Gasupht logo se endireitou, antes de emitir toda sua também poderosa voz mais uma vez:

“É uma honra enorme que Sir Integrity Knight, quem mantém a ordem do mundo dos humanos, venha visitar esse pequeno povoado dessa remota região. Se tivesse sabido de antemão de sua chegada, teríamos preparado um banquete em sua homenagem.”

“Não posso aceitar tal oferta pois estou em cumprimento de minhas funções oficiais.”

Disse a voz do cavaleiro reverberando e com um olhar gélido sob a viseira continou…

“Estou aqui pois a filha de Gasupht Schuberg, Alice Schuberg, cometeu uma ofensa a cláusula do Índice de Tabus, vim colocá-la sob minha custódia para interrogatório e em seguida executar a pena cabível.”

Um tremor pode ser notado percorrendo as costas de Alice. Porém, Eugeo e Kirito não podiam fazer nada e muito menos falar. Em suas cabeças, as palavras do cavaleiro ecoaram várias vezes.

A mesma reação teve o chefe da vila. Com rugas aparecendo em seu rosto.

Depois de um grande silêncio, Gasupht disse com uma voz irreconhecível, sem o tom forte usual.

“Senhor cavaleiro, qual foi o pecado que minha filha cometeu?”

“O Índice de Tabu, capítulo primeiro, terceira passagem, parágrafo décimo primeiro: – Invadir o território escuro.”

Nesse momento, uma grande comoção ocorreu entre os habitantes. Vozes exaltadas ecoaram pela vila. Os garotos arregalavam mais seus olhos a medida que os adultos começavam a recitar frases sagradas da igreja enquanto traçavam no ar a marca de proteção contra temíveis maldições.

Então, Eugeo e Kirito finalmente agiram, em parte por puro instinto. Eles puxaram Alice para trás deles, ocultando a menina dos olhos das demais pessoas. Porém, não podiam fazer nenhum outro movimento, pois poderiam atrair a atenção dos adultos.

Eugeo só pensava “O que devemos fazer?” repetidamente. Quanto mais se perguntava, mais se angustiava, pois não conseguia enxergar nenhuma alternativa para o problema.

Tudo que pode fazer foi se colocar a frente de Alice e observar o desenrolar da conversa de Gasupht que nessa hora estava com a cabeça baixa em pura reflexão.

Tudo bem, pois se trata do chefe da vila. Esse foi o pensamento de Eugeo. Mesmo que nunca tivesse conversado muito com ele, todos tinham plena confiança e respeito naquele homem. A única pessoa além de Gasupht que talvez tivesse tal respeito de todos era o velho Garita.

Porém…

O chefe da aldeia levantou seu rosto e disse exatamente isso:

“… Nesse caso, vou chamar minha filha, creio que devemos escutar a razão de sua própria boca.”

Não! Não podemos deixar que Alice vá até esse cavaleiro!”, pensou Eugeo imediatamente. O Integrity Knight levantou sua mão direita e sua armadura produziu um pequeno som. Ao ver seu dedo apontando diretamente até ele, o coração de Eugeo quase pulou do peito.

“Isso não será necessário. Alice Schuberg está ali. Você e você …”

O cavaleiro moveu a mão e apontou para dois adultos no meio da multidão.

“Tragam-na a filha do chefe até aqui!”

A fila de aldeões em frente a Eugeo se dividiu rapidamente. Agora os únicos que estavam entre Alice e o Integrity Knight eram Kirito e ele.

Em meio ao corredor formado pelas demais pessoas da vila, sentiu como se seu sangue estivesse sumindo de seu corpo, porém percebeu luzes estranhas brotando em seus olhos.

Os homens aproximaram-se de Eugeo e Kirito, que bloqueavam o caminho e os empurraram com força, para então agarrar a pequena Alice pelos braços.

“Ah! …”

Alice levantou sua pequena voz, antes de apertar seus lábios com força. A cor rosada de suas bochechas desapareceram, dando lugar a um sorriso fraco e amargurado. Então assentindo com a cabeça, acompanhou seus captores sem reagir.

“Alice …”

Quando Kirito chamou em voz baixa, a cesta de vime em sua mão direita caiu devido a força com que foi agarrada. A tampa abriu espalhando todo seu conteúdo no chão.

Os aldeões saíram arrastando a garota até o Integrity Knight sem dar-lhe tempo de recolher o que havia sido derrubado.

Eugeo observou a cesta que estava virada de lado.

Havia todo tipo de comida envolvida em um pano branco, com pedaços de gelo encaixados nos espaços entre os alimentos. Os cristais congelados refletiam lindamente o brilho do sol. Porém esse brilho começou a sumir conforme o gelo tocava o solo e o cristal imediatamente se desfazia, deixando uma mancha escura e úmida na pedra …

Ao seu lado, Kirito respirou fundo.

Como era de se esperar, levantou seu rosto e localizou onde estava Alice que ainda estava sendo arrastada e foi em sua direção. Eugeo também cerrou os dentes e obrigou-se a seguir seu amigo.

Os homens soltaram Alice ao lado do chefe da vila e depois de afastaram e ajoelharam-se perante o Integrity Knight, mostrando total obediência ao guerreiro sagrado.

Alice agora liberta, olhou para seu pai com o rosto pálido. Gasupht observou sua amada filha por um breve momento antes de virar seu rosto para baixo novamente.

O Integrity Knight assentiu levemente com a cabeça antes de puxar um objeto da parte frontal de sua armadura. Era uma grossa corrente de ferro com três tiras de couro em paralelo, onde havia um grande laço na extremidade.

O cavaleiro entregou a corrente para Gasupht.

“Eis uma ordem para o chefe da vila. Prenda o criminoso!”

“…”

Deusobert Syntesis Seven - Integrity Knight
“Eis uma ordem para o chefe da vila. Prenda o criminoso!”

O chefe recebeu o instrumento de restrição com o olhar totalmente confuso. Nesse instante Kirito e Eugeo chegaram diante do cavaleiro. O elmo do Integrity Knight baixou lentamente antes de encarar diretamente os dois pequenos garotos.

Eugeo não pode ver nada dentro do vão em forma de cruz e o que havia atrás do brilhante visor. Tudo estava envolvido na mais completa escuridão. Mas a pressão da olhada que receberam chegou a provocar dores em todo o corpo. Não conseguiu manter o olhar e logo baixou a cabeça. Mesmo querendo dizer algo para Alice que estava ali ao seu lado não conseguia se mover e sua garganta estava como se tivesse engolido brasas.

Kirito também desviou o olhar penetrante ficando igual a Eugeo, porém após puxar o ar várias vezes como quem está prestes a fazer um mergulho, ergueu seu rosto e gritou com uma voz alta e clara quando ainda tremia visivelmente.

“Excelentíssimo Knight!”

Respirou fundo outra vez e continuou:

“A… Alice não entrou no território escuro! Somente uma de suas mão acabou tocando por descuido muito rapidamente o solo. Isso foi tudo!”

Porém, a resposta do cavaleiro foi direta:

“Então será necessário novas ações?”

Ignorando as palavras de Kirito, fez um gesto com a mão para os dois homens que estavam ajoelhados. Eles então se levantaram e começaram a arrastar Kirito e Eugeo de perto. Enquanto se debatia para se livrar, Kirito gritou novamente:

“En… Então, também cometemos o mesmo pecado! Estávamos no mesmo lugar! Se vão levar ela, então deve nos levar também!”

Porém, o Integrity Knight já não prestava mais a atenção.

Exatamente isso… Se Alice cometeu um tabu, então eu deveria receber o mesmo castigo”. Eugeo pensava assim do fundo de seu coração.

Então porque minha voz não sai? Quero gritar como Kirito, mas minha boca está como se tivesse esquecido de como mover. A única coisa que parece saber fazer é respirar e balbuciar”.

Alice se voltou para olhá-lo, ‘Está tudo bem’. Ela sorriu e assentiu.

Seu pai, que havia perdido toda sua expressão, usou a corrente e a amarrou. De maneira a impedir todos seus movimentos. Ao fazer isso, o rosto de Alice se contorceu de dor brevemente. Depois de terminar de apertar todas as tiras de couro e elos de metal, deu alguns passos trôpegos para trás e novamente baixou sua cabeça.

O cavaleiro se aproximou de Alice e agarrou a ponta da corrente que estava em suas costas.

Retiraram Eugeo e Kirito do meio da praça e logo os forçaram a ajoelhar-se.

Kirito fingiu cambalear e aproximou a boca perto do ouvido de Eugeo e sussurrou rapidamente:

“Eugeo… escute! Vou usar esse machado para atacar o Integrity Knight. Devo ser capaz de nos dar alguns segundos. Utilize essa oportunidade para pegar Alice e fugir.

Corra para os campos de trigo ao sul, usem a vegetação alta para entrar no bosque e dessa maneira conseguir se esconder mais facilmente.”

Eugeo deu uma olhada para o Machado de Ossos de Dragão e de alguma forma foi capaz de colocar sua voz para fora, ainda que em forma de sussurro.

“Ki… Kirito… mas…”

O pensamento de Eugeo foi: “Você já não viu do que aquela terrível espada e arco do Integrity Knight são capazes de fazer? Ele te matará imediatamente… igual aquele cavaleiro negro…

Como se lesse a mente de Eugeo, que foi incapaz de falar algo mais do que um murmuro, Kirito continuou:

“Ficará tudo bem, esse cavaleiro não executou Alice de imediato. Provavelmente, ele tem que fazer um interrogatório antes, de maneira que não vai poder simplesmente me matar. Vou encontrar uma oportunidade de escapar também caso ele me pegue…”

O olhar de Kirito estava direcionado para o Integrity Knight, que estava confirmando se as tiras e as correntes estavam bem presas. A cada verificada do cavaleiro o rosto de Alice se torcia de dor.

“Além do mais, está tudo bem se não conseguirmos. Pois aí seremos levados juntos com Alice e teremos outras oportunidades de escaparmos. Pois se Alice for levada por esse dragão agora, é possível que nunca mais a vejamos.”

“Isso está…”

Provavelmente é o mais certo a se fazer.

Mas é uma ideia tão agressiva e maluca que nem sequer pode ser considerada um plano. Isso não seria considerado traição contra a igreja? O Índice de Tabus, inciso primeiro, primeira passagem, primeiro parágrafo define como o maior de todos os pecados.

Eugeo… Ainda está duvidando? Quem se importa se isso é um tabu? O mais importante não é a vida de Alice?

A voz baixa e tensa de Kirito interrompeu a autocrítica de Eugeo.

“Certo. É agora!”

No fundo do coração de Eugeo, ele estava berrando consigo mesmo.

Os três haviam decidido que estariam sempre juntos, desde o nascimento até a hora de suas mortes. Trabalhando juntos e vivendo o máximo pelo bem dos outros dois. Não eram esses os votos que haviam feito? Então porque ainda tinha dúvidas? A Igreja Axiom ou Alice, o que é mais importante? Essa resposta já estava decidida. Sim, estava decidida. É… é

“Eugeo… No que está pensando, Eugeo?!”

Uma voz que agora soava como um grito saiu de Kirito.

Alice estava olhando para eles. Ela sacudiu a cabeça de preocupação.

“É assim… que… deve ser…”

Uma voz rouca saiu de sua garganta, como se não fosse sua.

Porém, não pode terminar suas palavras. Pois dentro de sua cabeça, algo impedia de formar os restos das palavras.

Uma dor aguda focada em seu olho direito. Uma dor pulsante continuou interferindo com seus pensamentos. Sua visão estava borrada com algo vermelho, um vermelho sangue tomando conta de todo seu olho, cobrindo tudo, inclusive seus sentidos. Fazendo seus membros amolecerem.

Nesse momento, o chefe da vila já havia se dado conta da ocorrência desses eventos fora do comum causado pelos dois. Lentamente moveu seu braço e ordenou aos dois aldeões de pé atrás dos garotos:

“Tirem esses garotos da praça!”

Imediatamente depois disso, as cabeças de Eugeo e Kirito foram agarradas e puxadas para trás.

“Desgraçado… me largue! Ei! Chefe da vila Gasupht! Está tudo bem?! Está tudo bem para você em deixar que Alice seja levada assim? Seu maldito!”

Kirito que lutava como um louco, conseguiu se soltar do homem que lhe agarrava, pegou o machado e logo se preparou para começar a avançar.

Porém, seus pés, que calçavam botas de couro simples, nem sequer puderam dar um passo à frente. Antes que começasse a correr, algo surpreendente aconteceu.

Nesse momento o Integrity Knight, que já havia terminado de conferir as amarras de Alice, olhou diretamente para Kirito e o Machado de Ossos de Dragão ao qual estava decididamente pronto a atacar produzindo um som metálico agudo se projetando a frente. O cavaleiro nem tocou sua espada na cintura e nem seu arco nas costas. Ele não moveu um único dedo. Era como se sua intenção em si formasse uma lâmina real e golpeasse o machado de Kirito, arremessando-o pelos ares até os limites da praça.

Kirito, que havia recebido as ondas de choque desse estranhíssimo ataque, caiu no chão com um baque surdo.

Imediatamente, vários homens se juntaram na volta do garoto de cabelos negros e contiveram seus movimentos.

Com sua bochecha pressionada contra o pavimento de pedra, enquanto lutava contra as dores, Kirito gritou desesperadamente:

“Eugeo! Por favor! Vá!”

“Al… ce…”

Todo o corpo de Eugeo tremeu.

Vamos! Tenho que ir. Tenho que tirar Alice das mãos daquele cavaleiro. Não posso deixar que a levem. Temos que fugir para o bosque ao sul….

Uma voz muito fraca fez eco em um canto de sua mente. E imediatamente, uma dor aguda atacou seu olho direito novamente. Foi como receber uma apunhalada diretamente no globo ocular. E essa dor suplantava todas suas intenções. Junto com a luz pulsante, outra voz reverberou muito alta por toda sua consciência.

“A Igreja Axiom é absoluta. O Índice de Tabus é absoluto. Desobedece-los não é permitido. Ninguém está autorizado a fazê-lo.”

“Eugeo, pelo menos me ajude a tirar esses caras de cima de mim! Assim eu posso…”

O Integrity Knight não prestando mais atenção a comoção na praça, enganchou a ponta da corrente na cela na parte posterior do dragão voador. A fera abaixou seu pescoço para que o cavaleiro montasse tranquilamente sem esforço. Sua armadura começou a brilhar intensamente.

“Eugeooo …!”

Kirito gritou enquanto cuspia sangue.

O dragão voador elevou seu enorme corpo e estendeu as asas começando a batê-las. Produzindo som muito alto… uma, duas, três vezes…

Alice, que estava atada à cela do dragão, olhou diretamente para Eugeo. Ela estava sorrindo. Como se estivesse dizendo ‘adeus’, com aquelas pupilas azuis. Seu longo cabelo loiro balançando intensamente pelo vento provocado pelo bater das asas e brilhando intensamente pelo efeito luminoso da armadura do cavaleiro.

Porém, Eugeo não conseguia se mover. Não podia fazer nenhum som.

Suas pernas estavam como se estivessem cravadas no solo, não podia dar um passo sequer…

CONTINUA NA PRÓXIMA SEMANA…

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Até!