Sword Art Online Alicization Beginning em Português – Prólogo I – Parte 3

Arco: Alicization Underworld – Beginning

Prólogo I – Parte 3

Blue Rose Sword - Sword Art Online Alicization
Blue Rose Sword – Sword Art Online Alicization

Um Integrity Knight, personificação máxima da lei e da ordem e também um símbolo de bondade matou o dragão branco, que também era tido como protetor do Mundo Humano.

Desde que Eugeo nasceu, sempre ouviu histórias desses heróis, de maneira que fica difícil acreditar em tal fato.

Depois de refletir por um tempo com a pergunta que não conseguia aceitar, olhou para o lado, para seu companheiro como que pedindo uma resposta.

“Eu… eu não entendo…”

Porém, o silêncio de Kirito também estava repleto de confusão.

“Talvez… seja possível que a Terra da Escuridão também tenha um guerreiro extremamente forte e que ele tenha matado o dragão… Mas, se isso é verdade, então porque as forças da trevas ainda não cruzaram a fronteira da montanha?

O fato é que isso que ocorreu aqui não é obra de um simples ladrão…”

Depois de acabar de falar, Kirito parou em frente ao que sobrou do corpo do dragão e gentilmente colocou a garra de volta ao monte de ossos. E nesse momento puxou algo, um objeto que estava em meio aos restos mortais do guardião.

“Uou! … É absurdamente pesada …”

Ele mostrou à Eugeo e a Alice depois de cambalear mais ou menos um mel ao retirá-la.

Blue Rose Sword - Sword Art Online Alicization
Blue Rose Sword – Sword Art Online Alicization

Era uma espada longa, com um cabo de prata e uma bainha feita de pele branca. Na proteção das mãos tinha uma rosa azul encrustada. E somente olhando para ela, era possível entender que esse objeto era mais valioso do que qualquer coisa na vila.

“Ah! … Essa é provavelmente, …”

Alice disse enquanto olhava a espada e Kirito assentiu…

“Sim, é a Espada da Rosa Azul que Bercouli disse ter conseguido roubar do dragão que estava adormecido. Me pergunto porque o sujeito que matou o dragão deixou ela aqui…”

Ele se inclinou enquanto falava e pegou a empunhadura da espada que estava no chão com as duas mãos. Porém, mesmo usando toda a sua força, mal conseguiu levantar dez cens do solo.

“…Aaagh! É muito pesada!”

Kirito soltou as mãos enquanto gritava e a longa espada caiu na superfície congelada com um forte estrondo. Uma pequena rachadura foi feita no local.

A arma tinha um peso inimaginável apesar da sua aparência delicada.

“O que vamos fazer com isso?”

“Não tem o que fazer. Mesmo se tentássemos carregar juntos, não iremos conseguir chegar até a vila. Mesmo que praticássemos todos os dia com o machado, não teríamos condições de manejar esse troço tão pesado… É melhor dar mais uma olhada, tem muitas coisas valiosas embaixo dos ossos.”

“…Sim, mas creio que não deveríamos pegar nada …”

Os dois concordaram perante o tom sério de Alice.

Mesmo se levarmos um pequeno troféu deste lugar e informar para os outros que pegamos sem acordar o dragão, só o ato de pegar um tesouro daqui seria interpretado claramente como um roubo. Mesmo que a especificação de roubo a outro ser humano que existe no Índice de Tabus não se aplique a esse caso, não significa que podemos fazer tudo sem ter alguma consequência.

Os dois garotos compreenderam e assentiram.

“Vamos seguir o nosso plano original e pegar somente o gelo. Se for apenas isso, mesmo que o dragão estivesse vivo, não teremos problemas.”

Após de dizer isso, Eugeo caminhou mais à frente e chutou uma estalagmite que saia de um bloco congelado maior.

Um som cristalino foi ouvido e vários destroços se espalharam no chão. Depois se abaixou e logo passou para Alice um pedaço de gelo, que abriu rapidamente a cesta e o depositou lá dentro.

Os três se concentraram em armazenar mais pedaços do precioso gelo dentro da cesta sem falar por um tempo. Quando limparam a base da rocha, se dirigiram até a coluna seguinte e fizeram o mesmo, quebrando uma estalagmite, catando o que caia e guardando. Em poucos minutos a grande cesta já estava lotada de cristais que pareciam joias azuis transparentes.

“Ei! Ei! … E-Espere!”. Disse Eugeo.

“Alice usou toda a sua força para levantar a cesta de vime enquanto olhava as luzes azuis dos cristais que estavam em seus braços.”

“São tão lindos … Seria um desperdício leva-los somente para que derretam.”

“Mas essa não era justamente a ideia? Levarmos para prolongar a vida dos nossos almoços?”

Kirito falava enquanto franzia a testa. Então Alice rapidamente lhe entregou a cesta.

“É mesmo? Então tome!”

“Ei!”

“O que foi? Não é óbvio? Isso está muito pesado para que eu consiga levar.”

Eugeo interveio para que os dois não discutissem mais:

“Eu te ajudo, podemos alternar para carregar… E creio que é melhor a gente voltar agora, senão não conseguiremos chegar na vila antes que anoiteça. Creio que gastamos somente mais do que uma hora aqui, não é?”

“Ãh… bem, como não consigo ver o Solus, não sei a hora exata. Existe algo nas artes sagradas que pode nos informar a hora correta?”

“Não, não existe.”

Alice olhou para o outra margem do lago congelado a procura da saída.

Então aconteceu. Se deu conta de algo que lhe fez percorrer um arrepio em na espinha.

“…Pessoal, … por onde foi que entramos mesmo? Qual foi o caminho que tomamos para chegar até aqui?”

Eugeo e Kirito imediatamente apontaram para a direção em que estavam seguros de terem vindo. Só que infelizmente, apontaram para lados diferentes.

Onde deveria haver pegadas no chão, não tinha nada. A superfície do lago congelado estava intacta, sem o menor sinal que denunciasse que algum ser estivera ali alguma vez.

Pensaram então em procurar paralelamente ao lago onde a água estivesse fluindo, como observaram ao entrar na caverna, porém se deram conta que a água fluía em ambos os lados. Tentaram se orientar pela direção onde o crânio do dragão estivesse apontando, só que indicava para um ponto sem saída no meio da parede congelada.

Depois de esgotarem todas as opções que lhe ocorreram naquela hora, finalmente Alice começou a formar um raciocínio que talvez fosse a solução.

“Escutem! Lembram que logo que chegamos aqui, Eugeo pisou em uma camada de gelo fina e essa acabou se quebrando? Talvez se nós começarmos a procurar em todas as saídas daqui, possamos encontrar essa parte quebrada e então é só seguir pelo caminho que acharemos a saída.”

É verdade! Ela está certa…”. Como se quisesse esconder a vergonha de ter se esquecido desse fato, Eugeo deu uma leve tossida e falou concordando com a cabeça.

“Muito bem, está decidido, vamos verificar em todas as saídas ao nosso redor!”

“Creio que seja a melhor coisa a se fazer agora.”

Enquanto Kirito seguia reclamando por ter que carregar a cesta, Eugeo deu um leve empurrão em seu amigo com a mão esquerda ao mesmo tempo que sustentava o graveto luminoso com a mão direita. Ao fazer isso começaram as buscas pela cavidade rochosa em frente.

Quando se afastaram das colunas que refletiam a luz sagrada do graveto, o ambiente tornou-se novamente muito escuro passando uma sensação de insegurança. Nesse instante aceleraram o passo para encontrar logo um meio de saírem dali.

“…Estamos tão perdidos quanto aquela velha história dos irmãos Berin. Teria sido uma boa ideia se tivéssemos espalhado cascas de nozes pelo caminho que passamos, mesmo porque, ao contrário da aventura deles, não teríamos pássaros para comê-las e acharíamos a saída tranquilamente.”

O comentário bobo de Kirito soou nada animador, “então até esse meu despreocupado companheiro também pode se sentir inquieto, hein?“, Eugeo ficou um pouco mais animado em contraste.

“Do que está falando? Para começar, sequer tínhamos nozes. Se quer fazer algo como na história, que tal colocar pedaços de tecido nas bifurcações pelas quais passamos?”

“Ah sim! E com isso ficaremos sem roupas e pegaremos um resfriado…”

Enquanto Kirito simulava um espirro, Alice lhe deu um pequeno tapa em suas costas.

“Deixe de dizer bobagens e dê uma boa olhada no chão! Se passarmos do local sem perceber vamos estar em uma bela enrascada.”

Ele interrompeu as brincadeiras franzindo a testa antes de continuar a falar…

“Ei! já estamos caminhando por um bom tempo e até agora nada de achar essa parte que foi quebrada do gelo. Será que aqui é realmente o caminho certo?”

“Vamos avançar só mais um pouco e…. Oh! Escutem!”

Os três pararam de falar nesse instante e ficaram escutando atentamente.

Perceberam que tinha um outro som mesclado com o da água corrente no subterrâneo. Soava como um sibilo melancólico que aumentava e diminuía o tom.

“Não parece …, o som do vento?”

Alice murmurou. E Eugeo também achou o som similar aos das copas das árvores movendo-se com o vento.

“É a saída com certeza! Que bom que acertamos o caminho, vamos!”

Enquanto dizia isso com alívio, começou a correr em direção ao som.

“Ei! Se ficar correndo desse jeito vai acabar escorregando e caindo.”

Ainda que dissesse isso, Alice também acelerou o passo. Seguindo os dois, Kirito fez uma expressão de dúvida.

“Mas…, o vento de verão faz esse som? Isso parece o som… do vento de inverno…”

“Os ventos fortes do vale sopram dessa forma mas não nessa estação. Bem, vamos ver o que é isso de qualquer forma.”

A luz que Eugeo carregava em sua mão direita oscilava bruscamente enquanto se aproximavam da saída da caverna.

Meu coração parece que vai saltar do peito. Quero voltar logo para a aldeia que é o meu lugar. Estou certo que minha família vai se surpreender quando eu lhes mostrar esses pedaços de gelo.

Mas, ele vai derreter rapidamente. Talvez eu devesse ter pego uma moeda de prata do dragão para mostrar…

Enquanto ele pensava isso, pode ver uma pequena luz em meio a escuridão que tinha a frente.

“É a saída!”

O grito que deu com o rosto sorridente logo desapareceu. A luz havia se tornado mais avermelhada. Eles haviam entrado na caverna pela hora do almoço e o tempo que ficaram no interior da caverna ultrapassara pouco mais de uma hora, porém parecia que eles tinham ficado no subterrâneo por muito mais tempo do que imaginara.

Se Solus já estava começando a se pôr no oeste, eles deveriam se apressar ou não chegariam a tempo para o jantar.

Eugeo apurou mais ainda seu passo. O som ecoando do vento que entrava na caverna já havia superado o barulho do rio.

“Eugeo, Espere! Isso está muito estranho, só se passaram umas duas horas no máximo, não é para estar tão escuro…”

Alice que corria atrás dele falou com ansiedade. Porém, Eugeo não se deteve. Já tive o suficiente dessa aventura. Agora chega, só quero chegar em casa logo….

Virando a direita, girando a esquerda e a direita novamente, finalmente a luz preencheu toda sua visão. A saída estava somente a alguns mels adiante. Ele piscou rapidamente para que seus olhos se acostumassem novamente com a claridade enquanto reduzia a sua velocidade até parar completamente.

A caverna acabava ali.

Porém, frente aos olhos de Eugeo não estava o mundo que conhecia.

Todo o céu era da cor vermelha. Mas não o vermelho do sol poente.

Antes de qualquer coisa, não era possível saber onde estava o Solus em parte alguma. O céu, até onde a vista alcançava, era somente de um vermelho deprimente. Como se até as montanhas estivessem sangrando.

O outro lado da estranha passagem montanhosa estava coberta com uma camada negra como carvão. E as árvores tinham suas cascas totalmente em tons de cinza e preto, retorcidas como se estivessem mortas e provavelmente estavam. Algumas eram brancas como ossos polidos.

O vento, ele soprava violentamente como se quisesse destruir tudo. Sacudindo as copas das árvores mortas, produzindo um som como gritos de lamentos.

Esse, sem dúvidas, era o som que podia se ouvir de dentro da caverna.

Um lugar assim, um mundo esquecido pelos deuses, não era o Mundo Humano em que Eugeo vivia. Então… o que estavam vendo, essa cena que estavam presenciando, era parte do…

“O território… escuro …”

A voz rouca de Kirito foi imediatamente levada para longe pelos ventos.

O lugar que a Igreja Axiom não conseguia chegar. A terra das terríveis tribos a serviço do deus da escuridão Vector. O mundo que eles acreditavam existir somente em contos que os velhos da aldeia repetiam quase como forma de distração e diversão. E esse mundo agora, estava a apenas alguns passos.

Enquanto pensava isso, calafrios começaram acometer Eugeo, ele não podia mais se segurar.

Como se fosse a primeira vez na vida que tivesse acesso a essas informações, um turbilhão de coisas inundando partes de sua mente que nunca antes foram usadas. Ele não era mais capaz de pensar por si próprio.

Dentro de sua cabeça, a qual havia se tornado completamente branca, estava uma única oração gravada. Era o começo do Índice de Tabus, brilhando fortemente. O primeiro capítulo da terceira passagem, parágrafo onze avos, o qual deveria ter sido esquecido depois de ter falado com Alice no dia anterior.

“-Ninguém poderá ir além da passagem da Serra Montanhosa do norte, a qual compreende o fim do Mundo Humano

“Não! … Não podemos avançar mais …”

Eugeo moveu sua boca que estava aparentemente paralisada para balbuciar essas palavras. Abrindo seus braços para evitar o avanço de Kirito e Alice que vinham atrás dele …

Nesse momento um som metálico de um golpe assustadoramente alto ressoou debaixo deles. O corpo de Eugeo sentiu a onda de impacto e tremeu por ser pego de surpresa. Ele olhou imediatamente para cima, para o céus.

No fundo vermelho sangue, pode avistar algo branco entrelaçado com algo negro.

Estavam voando à uma altitude realmente grande, de modo que pareciam apenas pequenos pontos. O que deu a impressão de serem realmente maiores do que um ser humano comum. Ambos corpos trocavam de lugares intensamente, só se separavam para depois se chocarem contra o outro novamente. E cada encontro produzia uma onda de impacto seguida de sons metálicos incrivelmente potentes.

“Os cavaleiros dragões …”

Kirito que estava olhando também, sussurrou isso com uma voz rouca.

Era como seu amigo havia dito, os dois que estavam batalhando tinham pescoços e caudas longas. Eram de fato enormes dragões voadores. Cada um com um par de asas triangulares. Os corpos de seus controladores podiam serem vistos nas costas das bestas aladas, com armaduras completas, espadas e escudos.

Quem estava cavalgando o dragão branco tinha uma armadura prateada brilhante, enquanto o que controlava o dragão negro usava uma armadura da mesma cor de sua montaria.

Suas armas pareciam ser equivalentes em poder. A diferença é que a espada branca do cavaleiro de prata soltava clarões e raios deslumbrantes ao passo que a do seu inimigo deixava manchas escuras em seu rastro cheio de miasma.

Quanto mais se golpeavam, mais faíscas eram jogadas ao ar. Os impactos não diminuíam em potência, muito pelo contrário, continuavam cada vez mais fortes.

“Me pergunto se o que está de branco seja um… Integrity Knight da Igreja Axiom …”

Ao murmuro de Alice, Kirito respondeu confirmando.

Bem, … acho que é sim e creio que está bem claro que o cavaleiro negro ali seja das forças da escuridão. Porém o mais assustador é que ele tem uma força equiparada aos Integrity Knights pelo visto.”

“Não pode ser …”

Eugeo sacudiu sua cabeça.

“Os Integrity Knight são os mais poderosos de todo o mundo. Eles não podem ser derrotados por mal algum que sirva a escuridão, como esse cavaleiro das trevas.”

“Começo a duvidar disso. A julgar pelo que estamos vendo, não há muita diferença entre as habilidades com a espada deles. Nenhum está conseguindo passar a defesa do outro.”

Logo após Kirito dizer isso. Como se tivessem escutado sua voz, o cavaleiro branco puxou as rédeas de seu dragão por um instante e criou um enorme espaço entre eles. O dragão negro tentou bater suas asas violentamente para diminuir a distância, como se previsse um ataque.

Porém, antes que pudesse alcançar o dragão branco, este girou a cabeça e curvou o pescoço. Reunindo uma grande quantidade de poder.

Imediatamente enquanto ainda seguia girando sua cabeça e pescoço, escancarou sua mandíbula. Uma chama descolorida brotou em linha reta, acertando diretamente e envolvendo o cavaleiro negro e seu dragão por completo.

O enorme rugido suplantou todos os sons do local. O dragão negro girou seu corpo devido a dor, sacudiu violentamente em pleno ar e começou a despencar. Sem perder a oportunidade, o Integrity Knight trocou sua espada por um grande arco e esticou-o ao limite, antes de soltar uma enorme flecha em direção ao seu inimigo que se encontrava em queda livre.

A flecha deixou para trás um rastro de chamas em pelo ar e, sem desvio algum, atravessou o peito da armadura do cavaleiro negro e continuou sua trajetória como se não tivesse acertado nada.

“Ah …”

Alice emitiu um som fraco semelhante a um grito.

Como a pele de ambas as asas haviam desaparecido por terem sido totalmente carbonizadas, o dragão negro, que agora não tinha mais a habilidade de voar, se retorcia violentamente nos céus.

O cavaleiro negro, que se desprendeu das costas do dragão, começou a cair deixando um rastro de sangue no ar em direção a entrada da caverna onde estavam os três garotos parados.

Primeiro, a espada negra caiu cravada na terra, produzindo um som abafado e seco. Depois, a uma distância de pouco mais de dez mels das crianças, o cavaleiro encontrou o solo levantando poeira e fazendo rachaduras no chão. Por último o dragão caiu como uma estrondosa explosão sobre um amontoado de rochas a uma distância considerável. Mesmo com tudo isso, a grande fera moveu a sua cauda por alguns instantes grunhindo em agonia para então deixar de se mexer por completo …

Em frente as três crianças que estavam paradas sem palavras, o cavaleiro negro lutava contra a dor, tentando levantar seu corpo. A placa do peitoral de sua armadura estava completamente destruída, sendo possível ver a gravidade da ferida que tinha. O rosto do cavaleiro, o qual estava coberto com uma grossa viseira, estava direcionado para a árvore mais próxima a entrada da caverna.

Sua mão estava vacilante esticada ao ar como se pedisse por ajuda. Mas segundos depois, uma enorme quantidade de sangue brotou do pescoço da armadura, então o corpo do cavaleiro entrou em colapso e caiu de vez ao chão. O líquido vermelho, da mesma cor dos céus daquele lugar se espalhou por todos os lados, vertendo do corpo que não mais se movia e sendo absorvido pelas rachaduras do chão.

“Ah… Ah …!”

Uma voz, quase um lamento choroso, escapou de Alice que estava ao lado direito de Eugeo. Movendo-se como se estivesse sendo puxada para fora, cambaleou para frente … na direção da saída da caverna.

Eugeo ficou paralisado, sem reação alguma. Porém, Kirito a sua esquerda deu um forte e grave grito:

“Nãããããoooo!!!”

Alice escutou a sua voz, seu corpo tremeu, tentando parar. Mas seu pé já estava em movimento com seu corpo inclinando-se para frente. Dessa vez Eugeo que esticou a mão junto com Kirito por puro reflexo, tentando agarrar alguma parte das roupas de Alice.

Porém, seus dedos seguraram apenas o ar.

Alice caiu no chão da caverna deixando sair um pequeno grito, levando as mãos a frente em direção à cabeça, fazendo seus cabelos esvoaçarem.

Ela somente caiu. Mesmo se revisar a Janela, sua vida deve ter caído somente uns dois pontos. Porém, o problema não era esse. No momento em que Alice caiu, sua mão direita foi a frente e passou cerca de vinte cens a clara divisão entre o chão da caverna e a terra de cor cinza. A mão pura e branca tocou aquela terra. A Terra da Escuridão, terra do Território Negro.

“Alice …!”

Kirito e Eugeo a chamaram em uníssono, esticaram suas mãos e seguraram o corpo da garota fortemente. Normalmente se fizessem isso, conseguiriam que ela gritasse com os dois até que acabassem se arrependendo do ato, mas esta vez foi diferente, ela não fez nada. Estava quieta como que estivesse em transe enquanto os garotos levaram ela mais para o interior da caverna.

Alice que estava sendo carregada pelos dois amigos, mantinha os olhos arregalados enquanto encarava o derrotado guerreiro negro. Depois seus olhos se fixaram em sua mão direita. Sentia como se sua extremidade fosse feita de material esponjoso. Estava agora cheia de areia e pequenos cascalhos, cada um deles enegrecidos como carvão.

“… E-Eu … Eu … …”

Alice murmurava com a voz completamente transtornada, enquanto Eugeo freneticamente retirava a sujeira de sua mão. Então ele disse em tom solene:

“E-Está tudo bem agora, Alice. Você realmente não saiu da caverna. Sua mão só tocou um pouco o solo, certamente isso não contará como algo proibido, certo? Não é verdade, Kirito?!”

Eugeo levantou seu rosto e olhou seu companheiro. Porém Kirito não estava olhando para nenhum dos dois. Estava ajoelhado olhando tudo ao seu redor atentamente com uma expressão muito séria.

“O-O q-que aconteceu Kirito?”

“… Não consegue sentir Eugeo? É como se… alguém ou … alguma coisa …”

Franziu a testa e começou a procurar em todos os lados novamente depois de falar, mas, na caverna não havia nenhum inseto e muito menos outros humanos além deles. A única coisa que chamava a atenção era algo a pouco mais de dez mels de distância, o cavaleiro morto. Nesse instante a figura do Integrity Knight já havia desaparecido dos céus.

“Certamente é só a sua imaginação. Mas ao invés disso vamos …”

Tirar a Alice daqui o mais rápido possível.

 

Era o que Eugeo estava a ponto de dizer quando Kirito agarrou seu combro com toda a força. Enquanto tentava protestar, acabou seguindo o olhar para onde Kirito estava focado. Em seguida seu corpo todo se tencionou…

Próximo ao teto da caverna, havia algo muito estranho.

Um círculo violeta com um diâmetro aproximado de cinquenta cens tremeluziu como se fosse feito de água. E olhando através desse círculo estava … um rosto humano. Era difícil de dizer se o observador era um homem ou uma mulher, nem sequer era possível identificar se era jovem ou velho. A sua pele completamente pálida, a cabeça não tinha um único fio de cabelo. Seus olhos se abriam em um círculo perfeito não tinham expressão alguma.

Porém, Eugeo adivinhou instintivamente. Aqueles olhos bizarros não estavam olhando para os dois garotos e sim para a garota que se encontrava em estado quase catatônico ao lado deles, Alice.

A estranha boca começou a se mover através da membrana violeta e estranhas palavras puderam ser ouvidas:

[Unidade Singular. Prosseguindo com rastreio e identificação]

Seus olhos piscaram brevemente e a voz misteriosa continuou:

[Coordenadas fixadas. Informe completo]

Então a janela violeta desapareceu por completo. Uma vez que Eugeo se deu conta que essas estranhas palavras poderiam se algum tipo de frase para um ritual de alguma arte sagrada, olhou desesperadamente para Alice e Kirito e depois para ele mesmo. Porém não sentiu nenhum efeito.

Mesmo nada acontecendo de imediato, esse evento era muito estranho para apenas ignorá-lo. Eugeo trocou olhares com seu amigo e os dois ajudaram Alice a se levantar e seguiram carregando a garota que ainda estava cambaleante pelo caminho ao qual vieram.

Eugeo não conseguia lembrar bem como conseguiram voltar a aldeia Rulid.

Foram através do lago congelado onde estava o dragão sem parar de correr até chegar ao outro lado. Escorregaram incontáveis vezes, não fizeram uma escolha específica de caminho, apenas se mantiveram correndo atravessando a longa caverna e em questão de pouco tempo, como que por milagre, já tinham avistado a luz branca do lado de fora da caverna. Luz essa que mesmo já iniciando o entardecer, ainda seguia brilhando no bosque.

Porém, o medo de Eugeo de serem capturados não tinha desaparecido por completo.

Mesmo agora, seguia tendo um terrível pressentimento de que aquela coisa estranha na janela violeta iria aparecer novamente e lhes causar algum mal. Com isso em mente, continuou em frente sem descansar.

Cruzando as árvores que estavam cheias de pequenas aves cantando e passando por uma pequena parte represada do lago onde peixes se moviam tranquilamente, os três caminharam com bastante pressa e em total silêncio. Ao passar a colina que se supunha ser a Passagem do Norte e a bifurcação do rio, finalmente chegaram ao norte da vila Rulid.

Com um pouco mais de caminhada, eles pararam e descansaram na base da velha árvore, a qual havia sido o ponto de encontro mais cedo ao amanhecer, mas ainda assim não falaram muita coisa. O três apenas se olharam e deram vagos sorrisos.

“Ei! Aqui, Alice!”

Disse Kirito lhe entregando a pesada cesta de vime. Dentro dela havia o fruto da aventura de hoje, o Gelo do Verão. Eugeo só se deu conta da cesta nesse momento. Para esconder a vergonha, disse com toda a calma que pode reunir:

“Quando voltar para casa, será melhor armazenar o mais rápido possível. Assim deverá aguentar até amanhã.”

“… Sim, está certo …”

Uma anormal e obediente Alice concordou. Depois de pegar a cesta olhou para os dois garotos e finalmente, seu sorriso de sempre voltou ao rosto.

“Podem esperar pelo almoço de amanhã. Como recompensa de seu árduo trabalho, farei o meu melhor.”

Quer dizer que Sadina, sua mãe, fará o seu melhor não é?

Foi o que Kirito e Eugeo pensaram e, obviamente, não disseram em voz alta. Apenas se olharam por um instante antes de concordarem ao mesmo tempo.

“… Ei! Em que estavam pensando?”

Alice perguntou enquanto fazia uma expressão de dúvida e incredulidade. Então os dois garotos colocaram suas mãos em cada ombro de Alice e disseram em uníssono…

“Não é nada! Estamos de volta a aldeia e é isso que importa, vamos! ”

No momento em que estavam caminhando em direção a praça da vila, o local de onde partiram, o ocaso pintava o céu acima deles se preparando para a chegada da noite.

Kirito morava na igreja, Alice voltou para residência do chefe da aldeia e Eugeo foi para sua casa ao oeste. Todos chegaram pouco tempo antes das badaladas das seis da tarde.

Eugeo ficou em silêncio durante todo o jantar. Mesmo que soubesse que nenhum de seus irmãos e irmãs, incluindo seus pais e avós tivessem alguma vez uma aventura como a sua de hoje, estava de alguma forma impossibilidade de vangloriar-se dela.

Não tinha como falar que tinha visto o Território Escuro com seus próprios olhos ou da feroz batalha entre os dois cavaleiros e aquele estranho rosto que apareceu no final, porque se dissesse qualquer coisa a esse respeito, era fácil adivinhar o tipo de reação que causaria em todos na família.

Essa noite, Eugeo foi para a cama mais cedo para tentar esquecer tudo que havia visto nessa aventura.

Porém ele não foi capaz de fazer isso, ainda mais depois que a Igreja Axiom e os Integrity Knights, os quais sempre havia admirado e respeitado até agora, tinham se transformado em algo completamente oposto …

CONTINUA NA PRÓXIMA SEMANA…

Não deixem de curtir Fan Page Sword Art Online Alicization – Light novel em Português

Até!

Bônus: