Sword Art Online Alicization Beginning em Português – Prologo I – Parte 1

Arco: Alicization Underworld

Prólogo I – Parte 1

Alicization - Tradução em português
Alicization – Tradução em português

Pegando o machado.

Erguendo-o.

Golpeando.

Podem ser apenas simples ações, mas se a mente estiver distraída somente um pouquinho, o choque de um golpe mal dado na madeira irá refletir dolorosamente nos seus braços.

Respiração, sincronização, velocidade, balanceamento do seu peso corporal, tudo isso tem de estar perfeitamente controlados desde o início, transmitindo o poder oculto da lâmina do machado para a árvore. Produzindo, desse modo, um agradável, limpo e agudo som.

Entretanto entender a teoria e aplicá-la são coisas completamente diferentes.

Essa tarefa foi dada à Eugeo na primavera, quando esse tinha apenas dez anos. Já é a segunda vez que chega o verão desde que isso aconteceu, porém, ele só é capaz de obter esse maravilhoso som uma vez a cada dez tentativas mais ou menos.

Ouviu dos outros lenhadores que seu predecessor, o velho Garita, conseguia acertar perfeitamente todas as vezes e que mesmo manejando uma ferramenta tão pesada o dia inteiro, nunca demonstrava cansaço. Ao passo que em apenas cinquenta golpes, as mãos de Eugeo já ficavam em frangalhos, seus ombros começavam a doer e mal conseguia levantar seus braços.

“Quarenta e… três! Quarenta e… quatro!”

Ele contava em voz alta como forma de motivação enquanto desferia as machadadas contra o gigantesco tronco de árvore.

O suor escorria em seus olhos fazendo suas vistas embaçarem, suas mãos ficavam oleosas e escorregadias e sua pontaria só ia piorando.

Já no desespero levantou o grande machado, brandindo fortemente enquanto girava sobre seu corpo…

“Quarenta e… nove! Cin… quen… ta!!”

Seu último golpe foi completamente mal executado. Acertando uma outra parte da árvore, longe do local onde já existia um profundo corte, produzindo um ensurdecedor som metálico e levantando faíscas em direção ao seu rosto.

Eugeo, sentindo seus braços estremecerem de dor e com a onda de choque  deixou o machado cair. Cambaleou para trás e se jogou no grosso musgo que havia próximo.

Enquanto tentava recuperar suas forças e fôlego, escutou uma voz mesclada com um sorriso a sua direita.

“Conseguiu fazer um belo som por três vezes das cinquenta. Dando um total até agora de…, quarenta e um, não? Parece que a sua recompensa hoje será… a água Siral, Eugeo”.

O dono da voz, quem estava descansando um pouco mais afastado, era um garoto de idade similar a sua.

Eugeo não respondeu imediatamente, apanhou o cantil de couro com água Siral e bebeu longos goles, que agora, estava morna. Depois disso tampou o recipiente e disse:

“Hmmm, e você já conseguiu quarenta e três não é? Daqui a pouco eu te alcanço. Tome, sua vez… Kirito.”

“Sim, sim.”

Kirito e Eugeo eram os melhores amigos desde a infância e ao mesmo tempo, eram companheiros na enfadonha e repetitiva Tarefa Sagrada desde a primavera do ano passado.

O garoto retirou a franja com cabelos negros dos olhos, limpou o suor de sua testa, esticou as pernas e levantou.

Porém não ergueu o machado imediatamente. Suas mãos estavam nos quadris enquanto olhava para cima.

Atraído pelo que fazia, Eugeo também ficou olhando para mesma direção.

O céu da metade do verão do sétimo mês estava absurdamente azul e nele avistava-se o deus do sol Solus, cujo brilho era de uma cegante e esmagadora luz que se espalhava por todos os lados.

Porém essa magnífica luz era obstruída pelos galhos da imensa árvore que se estendiam por todas as direções de maneira que os raios solares não chegavam onde estavam os dois garotos.

As folhas e raízes da grande árvore devoravam implacavelmente todas as bênçãos do deus sol e do deus da terra, Terraria,  permitindo assim se curar de todo árduo trabalho dos dois meninos de cortá-lo.

Sem importar o quanto trabalhassem durante o dia, depois de apenas uma noite de descanso, ao retornarem na manhã seguinte, a árvore havia recuperado metade de suas feridas do dia anterior.

Eugeo suspirou levemente enquanto observava toda a imponência da árvore.

Os aldeões deram o sagrado nome de Giga Cedro, para tal monstruosidade com o diâmetro de quatro e uma altura de setenta mels*.

Para comparar, a torre com sino da igreja da vila, a qual era a construção mais alta do local, tinha somente um quarto de sua altura.

Para Eugeo e Kirito, que mediam um mel e meio, esse antigo titã era um oponente mais do que digno, diria até, quase invencível.

“- É realmente possível conseguir cortar essa árvore usando somente a força humana?

Eugeo não pode evitar de pensar nisso depois de ver o corte no tronco. A profundidade que havia conseguido chegar era aproximadamente um mel, mas ainda restavam mais de três mels de diâmetro intactos pela frente.

Foi na primavera do ano passado, quando alcançaram a idade de receber uma tarefa sagrada, que receberam do chefe da vila o dever de cortar a árvore gigante.

Junto com o dever, também foi lhes contato a história por detrás da tarefa. Que era mais ou menos assim:

O grande Giga Cedro havia expandido suas raízes muito tempos antes de que a vila de Rulid fosse fundada e o dever de cortar essa árvore havia sendo passado como uma tradição desde as gerações fundadoras do local.

E contando todas as gerações anteriores, como a do velho Garita, Eugeo e Kirito eram a sétima. Desde então, mais de trezentos anos haviam se passado antes que lhes dessem esse serviço para fazer.

“Trezentos anos!”

Todo esse tempo era algo inimaginável para Eugeo, quem apenas havia chegado ao seu décimo aniversário. E provavelmente nada iria mudar mesmo  que tivesse onze anos.

A única coisa que havia compreendido era que, desde o tempo de seus pais, seus avós, o tempo antes disso e o tempo ainda mais além, a quantidade de cortes com o machado, todas somadas aos seus próprios, resultavam em apenas um talho de menos de um mel de profundidade. Realmente parecia uma obrigação infinita .

Porque cortar essa árvore era tão importante? A razão era explicada em um tom sério pelo chefe da vila.

O Giga Cedro, com sua enorme constituição e sua excessiva vitalidade, estava roubando grande parte das bençãos dos deuses da terra e do sol nas áreas a sua volta. Era impossível tentar plantar qualquer semente e esperar que germinassem se ficasse à sombra da colossal árvore.

A vila de Rulid fazia parte do Império de Norlangarth, um dos quatro impérios que dividiam e comandavam o Mundo Humano, e estava localizada em uma região remota do norte. Em outras palavras, esse lugar era facilmente chamado de “O Fim do Mundo”.

Norte, leste e oeste. Esses três lados estavam rodeados por uma escarpada e altíssima cadeia montanhosa, assim que, para expandir os campos de plantações não havia outra alternativa a não ser cortar o bosque ao sul. Porém, isso não era possível devido a presença do Giga Cedro que estava encravado na entrada desse local.

Sua madeira é dura como aço, e nem sequer o fogo é capaz de lhe fazer algum dano. Escavar suas raízes era uma tarefa ainda mais terrível. Pois eram tão profundas quanto a sua altura.

É por isso que os fundadores então decidiram cortar seu tronco usando “O Machado de Ossos de Dragão”, o qual é capaz de partir inclusive o aço. Assim foi criada a tarefa que agora é passada de geração em geração.

O chefe da vila acabou de contar a missão com sua assustadora voz grave. O que fez Eugeo ficar mais desconfortável quando perguntou do porquê não deixavam o Giga Cedro em paz e continuavam com os planos de agricultura mais ao sul do bosque.

Eis que o chefe replicou com uma voz estrondosa que cortar a árvore era um juramento de seus ancestrais e que era uma honra que tal missão fosse confiada à dois aldeões como eles.

Ao seu lado estava Kirito, que inclinava a cabeça enquanto perguntava porque os ancestrais haviam escolhido fundar sua vila ali. O líder dos aldeões ficou sem palavras por alguns instantes antes de ficar completamente impaciente e golpear com seu punho as cabeças de Kirito e Eugeo.

Passou então um ano e três meses desde que os dois vem se alternando em turnos com o Machado de Ossos de Dragão para derrubar o Giga Cedro. Porém, com a falta de força em seus braços, não conseguiam um corte muito profundo naquele tronco.

O corte que lá havia era o resultado de trezentos anos de trabalho duro. Era natural que o esforço de dois meninos não fizesse muita diferença. Dessa forma eles não conseguiam perceber nenhum avanço real como resultado de seu serviço.

Tudo isso abalava seu humor. A depressão era uma constante e a frustração era quase tangível.

Kirito parado ao lado de Eugeo enquanto contemplava o Giga Cedro parecia estar pensando na mesma coisa, de repente começou a caminhar rapidamente até o tronco enquanto esticava sua mão esquerda a frente.

“Kirito, não! Não faça isso! O chefe nos disse para não ficar observando a VIDA da árvore a toda hora. Lembra?”

Eugeo chamou imediatamente, porém Kirito permanecia olhando para frente enquanto seu usual e travesso sorriso brotava de seus lábios.

“A última vez que olhamos fazem dois meses, isso não caracteriza como SEMPRE… Vamos considerar isso como um… OCASIONALMENTE”.

“Sempre falando dessa forma estranha né? … Bem…, já que é assim… Ei! Me espere! Deixe-me ver também!”

O corpo de Eugeo, que por fim havia se recuperado um pouco, levantou com o mesmo movimento que Kirito tinha usado antes e correu para o lado de seu companheiro.

“Pronto? Vou abrir.”

Kirito sussurrou algo e com a mão esquerda a frente, os dedos indicador e médio esticados enquanto os demais dedos permaneciam fechados ficou aguardando até que uma figura semelhante a uma serpente apareceu no ar diante dos dois. Era o símbolo mais básico de devoção ao deus da criação.

Depois de tocar o símbolo com as pontas dos dedos, Kirito imediatamente golpeou o tronco do Giga Cedro.

Esse não fez o barulho seco que normalmente deveria fazer depois de ser golpeado, mas um som claro como se fosse um tilintar de um objeto de prata. Então uma pequena janela brilhante e quadrada emergiu do tronco.

Tudo no universo, móvel ou imóvel, tinha sua existência governada pelo deus da criação “Stacia” na forma chamada de VIDA. Insetos e flores tem um pouco, gatos e cavalos tem mais e aos humanos lhes foram dada relativamente mais do que esses anteriores. Já as árvores e o musgo que cobrem as rochas tinham muitas vezes mais VIDA que tem os humanos.

Em todas suas formas, as vidas tem algo em comum: esta se incrementa depois de nascer. E uma vez que alcancem seu ápice, começam a diminuir.

Quando a vida se acaba por completo, humanos deixam de respirar, as plantas murcham e as rochas se rompem.

A Janela de Stacia era o texto sagrado que mostrava o que restava da vida. Essa podia ser chamada quando uma pessoa, com o poder sagrado apropriado, tocava o símbolo e então acertava o local que desejava.

Enquanto que era fácil abrir a janela de plantas, abrir as janelas de animais e pessoas era incrivelmente mais complexo. Não era possível fazer isso sem ter um conhecimento considerável das artes sagradas antes.

Em geral, a janela das árvores eram muito mais fácil acessar do que as dos humanos, porém o grau de dificuldade do terrível Giga Cedro era tal, que somente seis meses atrás que Kirito e Eugeo conseguiram enfim abrir sua janela.

Houve uma história uma vez, na “Igreja Central Mundial Axiom” na cidade central de Centoria, o mais antigo mestre das artes sagradas conseguiu abrir a janela da deusa da terra Terraria depois de um ritual que durou sete dias e sete noites.

Porém, uma vez que ele olhou a vida da terra, acabou perdendo a sanidade e depois desapareceu.

Quando Eugeo escutou essa história, acabou ficando assustado não somente em olhar a sua própria janela e sim qualquer coisa que fosse maior, como o Giga Cedro. Mas Kirito não parecia se importar nem um pouco.

Nessa ocasião foi igual, ele parou seu rosto visivelmente entusiasmado na frente da brilhante janela. Enquanto Eugeo pensava que haviam momentos em que ele simplesmente não compreendia seu amigo de infância, sua curiosidade acabou falando mais alto e resolveu dar uma olhada também.

O que parecia ser um vidro de cor arroxeada claro, continha figuras com traços retos e curvos. Essas eram antigas escritas sagradas, que Eugeo conseguia até ler e entender algumas, porém reproduzí-las como forma escrita estava terminantemente proibido.

“Bem….”

Eugeo havia se acostumado a usar seu dedo para ir confirmando uma por uma das figuras.

“236, 542”

“Ah!… Quantas eram da última vez?”

“Provavelmente … 235, 590”

“…”

Ao escutar a resposta de Eugeo, Kirito Levantou suas mão de uma forma muito exagerada, caindo de joelho ao chão. E então começou a passar as mãos nos seus cabelos negros fazendo uma expressão visivelmente aborrecida.

“Só cinquenta! Temos trabalhado tanto por dois meses e só conseguimos 50 de 235 mi!? Nessa velocidade não vamos acabar de cortar essa árvore mesmo que leve toda nossas vidas!”

“Não, isso já era impossível desde o início.”

Eugeo não contestou, apenas lhe respondeu com um sorriso amargo.

“As seis gerações de lenhadores antes de nós trabalharam duro por trezentos anos e o resultado foi apenas um quarto da árvore… Para simplificar, hmmm, levaríamos dezoito gerações, ou seja, uns novecentos anos a mais para conseguir cortá-lo.”

“Vo-você…! ”

Kirito, que estava abaixado com a cabeça entre as pernas, olhou para cima, onde estava Eugeo e então de repente agarrou as pernas do amigo. Levando ele a perder o equilíbrio e cair de costas sobre o musgo.

“Mas o que é isso? Que atitude de aluno exemplar é essa? Ao menos demonstre estar insatisfeito com essa tarefa completamente irracional!”

Ainda que tenha dito isso com a intenção de parecer irritado, podia se notar um sorriso no rosto de Kirito enquanto tentava aplicar um golpe de imobilização no seu companheiro.

“Uaa! – Agora você vai ver, seu…!”

As mãos de Eugeo seguraram fortemente os pulsos de Kirito e os viraram de maneira a conseguir inverter as posições e fazendo Kirito cair sobre as próprias costas.

“Agora é a hora da vingança!”

Enquanto gritavam e riam, entre puxões de cabelos e empurrões, os dois garotos se tornaram quase uma massa uniforme de pés e braços rolando pelo musgo. Só se diferenciando pelos cabelos castanhos claro quase loiros de Eugeo e os negros de Kirito.

Eugeo percebendo que não conseguiria uma vantagem na pequena luta, mudou de tática e atacou seu amigo com… cócegas.

“Ih Ah! Seu… hahahaa…. jogo sujo, h-hahaha…!”

Quando Kirito estava prestes a se render diante do “feróz” ataque de cócegas, ouviu uma voz forte e parecendo muito irritada vindo de trás dos dois.

“Vocês dois….! Matando serviço outra vez?!”

Nesse momento, o jogo entre eles encerrou completamente.

“Uh…”

“Bem,… sabe o que é….”

Alice Schuberg - Sword Art Online Alicization Beginning
Alice Schuberg – Sword Art Online Alicization Beginning

Ambos assustados, foram virando bem devagar para o local da voz.

Em uma pedra próxima a eles, com as duas mãos na cintura, estava uma figura humana. Eugeo se levantou sacudindo suas roupas e saudou a pessoa com um sorriso amarelo.

“O-Olá Alice, chegou mais cedo hoje.”

“Que história é essa de mais cedo? É a mesma hora de sempre.”

A pessoa fez uma cara de poucos amigos. Seu longo cabelo amarrado em ambos os lados da cabeça brilhava com uma luz dourada sob a luz do sol que, incrivelmente, parecia filtrar-se entre os galhos da árvore para somente iluminar a pequena garota. Usava um vestido azul com um avental branco e trazia consigo uma cesta em sua mão direita.

O nome dessa menina era Alice Schuberg. Filha do chefe da vila e era da mesma idade dos garotos, onze anos.

Para todas as crianças que viviam em Rulid, não, em toda a região do norte, era uma tradição receberem a dita “Tarefa Sagrada” e se convertessem em aprendizes na primavera de seus onze anos. Porém, Alice era a única excessão, ela ia para a escola da Igreja ao invés disso.

Recebia aulas particulares da Irmã Azariya com o propósito de melhorar seus talentos com as artes sagradas como a melhor criança da vila.

Mas, o povo de Rulid não era suficientemente rico para deixar que a filha de onze anos do chefe ficasse estudando o dia todo, sem importar o quão talentosa ela era.

A regra era que todo aquele que puder trabalhar deve fazê-lo. Afinal, tinham que se prevenir para os tempos de seca, os longos períodos de chuva, as pragas das plantações, as eventuais pestes, manter e cuidar do gado. Em outras palavras, tudo que puderem fazer para escaparem das chamadas “Peças de Vector, o deus da Escuridão”.

Seu único período de descanso era quando o frio do inverno chegava.

Na casa de Eugeo era onde ficavam os campos de trigo. Uma ampla terra ao sul da vila, onde seu pai Orick e seus ancestrais foram por toda suas vidas agricultores. Depois de saber que Eugeo, um de seus três filhos, fora escolhido para a tarefa sagrada de lenhador, suas palavras foram de felicidade,  mas no seu íntimo, ficou desapontado.

Claro que receber o dinheiro pelo serviço de lenhador do Giga Cedro era muito bom, mas para ele era somente um par de mãos a menos para ajudar no trabalho no campo.

Tradicionalmente, o filho mais velho de cada família acabava herdando sempre a tarefa sagrada. Por exemplo, nas casas de agricultores, seus filhos e filhas seguiam trabalhando no campo. O filhos de ferreiros também seguiam na manufatura de ferramentas, assim como o filho da guarda da vila também se tornaria um guarda. E não obstante, o filho do chefe da vila seria igualmente o próximo chefe.

A vila Rulid havia mantido essa tradição quase sem nenhuma mudança por centenas de anos. o adultos disseram que era um presente divino de proteção de Stacia, mas Eugeo podia citar tranquilamente algumas inconsistências nessa história.

Porque os adultos, que queriam tanto expandir a vila, não fizeram nada para mudar até agora? Ele seguia sem entender. Se eles realmente queriam aumentar os campos, podiam pegar um pequeno desvio e deixar em paz a enorme árvore e ir em direção mais ao sul do bosque.

Mas o chefe, era dito ser o mais sábio, não fez o menor esforço para cogitar revisar essas antigas tradições.

Para ele, não importa o tempo que passar, a vila Rulid seguirá sendo uma aldeia pobre. Devido a isso que a sua filha somente podia estudar pela manhã para que a tarde ajudasse a cuidar o gado e os serviços domésticos. Então, como sua primeira tarefa após os estudo, levava o almoço para Eugeo e Kirito.

Alice saltou das pedras levando a cesta com comida em direção aos garotos. Eugeo, já antevendo que ela iria despejar uma lista de sermões, levantou-se rapidamente erguendo a mão e disse negando com a cabeça.

“Não estávamos matando o serviço, Sério! Recém havíamos terminado a parte do trabalho da manhã.”

Acompanhando o rápido raciocínio do amigo, Kirito seguiu.

“Sim, sim. exatamente isso.”

Os olhos de Alice ficaram encarando os dois emitindo um forte brilho por alguns instantes para então suavizar logo depois.

“Se tem energia suficiente para brigar após terminar o serviço, me pergunto se não é hora de pedir para o velho Garita aumentar a carga de trabalho de vocês?”

“N-Não! Tu-tudo menos isso!” . Disseram em uníssono.

“Estou brincando hehehe. Venham! Vamos almoçar! Hoje está muito calor, se não comerem rápido vai estragar.”

Alice colocou a cesta no chão, pegou uma grande toalha que havia dentro e a estendeu sobre a grama.

Kirito rapidamente tirou os sapatos e saltou sobre o pano sentando-se com Eugeo fazendo o mesmo ao seu lado. Logo após a comida foi colocada a frente dos famintos trabalhadores.

O cardápio de hoje foi torta de feijões assados, sanduíches de pão preto e fatias de carne defumada, vários tipos de frutos secos e leite ordenhado pela manhã.

Embora separando o leite das outras comida, a luz intensa do sétimo mês pode roubar a vida da comida sem piedade.

Alice disse aos garotos que veio correndo sem parar para dar tempo da comida chegar saudável. Então começou a abrir a janela de todos os alimentos para revisar, começando com a jarra de leite.

“Uaah! Restam apenas dez minutos para o leite, os pães tem cinquenta minutos. Mesmo correndo tanto para chegar aqui….

Bom, temos que comer bem rápido. Porém mastiguem bem antes de engolir hein!”

Quando a vida da comida se esgota, vira a bem conhecida “Comida Podre”, onde até uma pequena mordida produzirá uma terrível reação como fortes dores de estômago.

Eugeo e Kirito que estavam absurdamente famintos começaram a comer desesperadamente. Enchiam a boca sem tempo para dizer uma única palavra.

Os três continuaram a comer sem dizer nada. Era óbvio para os dois meninos famintos, mas Alice também ficou assombrada por comer tanto e ainda continuar tão magrinha.

Esvaziaram os pratos, um por um e beberam toda a jarra de leite até a última gota. Após isso, os três suspiraram de alívio.

“Como estava?”

Foi Eugeo que respondeu a pergunta de Alice com um tom sério na voz. Enquanto ela o encarava.

“Sim, os pães de hoje estavam muito bons. É obvio que você melhorou muito, Alice.”

“É mesmo? Que alívio! Mas ainda sinto que está faltando algo no sabor…”

Um pouco envergonhada, Alice dizia isso enquanto abaixava a cabeça.

Eugeo trocou uma rápida olhada com Kirito antes de sorrir.

Seu almoço tem sido preparado por Alice desde o mês anterior, mas era fácil notar quando recebia ajuda de sua mãe e quando era somente ela a preparar.

Eles compreendiam que as técnicas não podem ser obtidas sem passar um bom tempo treinando e que isso se aplicava para tudo, porém, também sabiam que era melhor não comentar nada sobre isso naquele momento.

“De qualquer forma…”

Disse Kirito enquanto pegava uma fruta da cesta.

“Com todo o transtorno que deve ser fazer almoços tão deliciosos, gostaria de poder comê-los sem essa correria. Me pergunto porque o calor faz com que a vida da comida baixe tão rapidamente?”

“Porque? Hummm…”

Dessa vez, sem esconder seu sorriso desgostoso, Eugeo deu de ombros apenas.

“Todos dizem isso, não é? Que o verão faz com que a vida dos alimentos se esgote muito mais rápido do que nas outras estações. Que é assim que a coisa toda funciona.

Seja carne, frutos do mar, vegetais ou frutas. Caso não se tenha cuidado o calor vai acabar com eles.”

“Isso eu sei. O que perguntei foi o porquê disso acontecer? Durante o inverno, mesmo se deixar a carne crua ou salada sem cuidados ou armazenamento adequado durante dias, nada acontece, não apodrece…”

“Bem, isso é porque… hã…. o inverno é frio.”

Kirito fez uma cara de aborrecido com as respostas imediatistas de Eugeo. Suas pupilas negras, as quais eram pouco comuns na região do norte, brilharam com a luz da desobediência.

“É exatamente isso que Eugeo disse, o frio fará com que a comida dure mais tempo.

Por acaso está pensando em utilizar a arte tabu de controle de temperatura de água e fazer cair uma nevasca? Se fizer isso, na manhã seguinte os Integrity Knigths* viriam voando da capital até aqui só para te levar.”

“S-Sim…. isso eu também sei…. Mas me pergunto, será que não existe uma forma de fazer sem quebrar algum tabu? Um truque, uma alternativa que talvez possa…”

Enquanto Kirito murmurava isso com o rosto franzido, Alice começou a enrolar os dedos pelos cachos de seus cabelos até que por fim disse:

“Seria uma possibilidade interessante…”

“Hã? O quê disse Alice?”

“Se acalme! Não é sobre uma arte proibida. Não é preciso ser muito grande como para cobrir a vila inteira, mas somente o suficiente para caber dentro da cesta. Algo que preservaria somente a comida ali, não é?”

Ao escutar o que disse como se fosse algo perfeitamente normal, Eugeo se virou para Kirito na esperança de que o amigo estivesse pensando a mesma coisa que ele, que seria algo impossível, porém viu o garoto assentir com a cabeça, concordando com tudo que Alice dizia. Um sorriso brotou no rosto da menina o que fez ela continuar falando.

“Existem coisas que permanecem geladas inclusive durante o verão. Como a água de um profundo poço ou as folhas da planta Silve*. E se conseguirmos algo assim para colocar dentro da cesta? Tudo ali dentro ficaria frio também, certo?”

“Bem,… está correta.”

Eugeo cruzou os braços e começou a pensar.

No centro do pátio da igreja tem um poço um pouco assustador, porém muito profundo que foi escavado quando Rulid foi fundada. A água desse local é tão fria que pode adormecer as mãos mesmo no verão.

Também, no bosque do norte haviam algumas árvores de Silve crescendo. Suas estranhas folhas eram tão geladas que saiam vapor quando eram esmagadas. Geralmente utilizavam essa folhas para curar dores ou hematomas.

Provavelmente se pegar um pouco dessa água em uma jarra e enrolar nas folhas da árvore de Silve, seja possível manter o almoço fresco por mais tempo enquanto é transportado.

Porém, Kirito que estava pensando na solução, lentamente sacudiu a cabeça dizendo:

“Não creio que vá dar certo. A água do poço logo se aquece ao ser retirada, por outro lado a folha de Silve pode até ficar mais tempo com uma temperatura baixa, mas não tempo suficiente para cobrir todo o caminho que Alice faz de sua casa até aqui, no Giga Cedro. ”

“Então…, Tem alguma outra ideia em mente?”

Alice, que havia ficado visivelmente desiludida, perguntou enquanto encarava Kirito. O garoto ficou coçando sua cabeça por um instante de repente respondeu em voz baixa:

“Gelo” Com uma boa quantidade de gelo seria mais que suficiente para manter tudo dentro da cesta frio pelo tempo necessário.”

“Mas o quê você…?”

Alice sacudiu a cabeça de assombro.

“É verão. Onde você acha que encontraremos gelo exatamente? Nem sequer o mercado da grande capital teria algo do tipo.”

Ela respondeu da mesma maneira que uma mãe daria um sermão a um ato irracional de seu filho.

Eugeo ainda podia recordar desse mal pressentimento, como se já tivera visto Kirito fazendo aquela expressão com os lábios apertados antes.

Seu amigo de infância, quando tal luz brilhava em seus olhos, quando falava de algo com esse tom, Eugeo sabia por experiência própria que Kirito estava pensando em fazer algo que não era muito bom. E que possivelmente ele não gostaria nada nada do resultado.

Lembrou da ocasião em que Kirito pegou mel de abelha imperador das montanhas do leste, ou quando quebrou as jarras de leite que haviam expirado a validade a mais de cem anos do armazém da igreja. Essas cenas apareceram e desapareceram rapidamente na mente de Eugeo.

“Bo-Bom, então é isso, não é? Não se tem o que fazer.

De toda forma não é realmente um grande problema ter que comer rápido. Além do mais, se não começarmos o nosso trabalho logo, voltaremos muito tarde para a casa.”

Eugeo disse isso rapidamente enquanto se apressava em colocar todos os pratos dentro da cesta, tentando interromper essa perturbadora conversa. Porém, quando olhou as pupilas de Kirito, se deu conta que era tarde demais. Percebeu que seu amigo já havia traçado um plano mirabolante. Seu medo havia se tornado realidade mais uma vez…

“…O que foi? O que planejou dessa vez?”

Suas perguntas estavam mescladas com resignação, Kirito deu uma grande sorriso antes de responder:

“Olhem só!… Faz muuuuito tempo, o avô de Eugeo nos contou uma história, lembram?”

“Hummm…”

“Qual história?…”

Ao lado de Eugeo, Alice inclinava levemente a cabeça.

Antes que Stacia convocasse o avô de Eugeo para ir para seu lado uns dois anos atrás, um montão de lendas e contos estavam guardados sob sua grande barba branca. E quando ele sentava no jardim, sempre contava histórias para as três crianças que se sentavam a sua volta.

Estranhas histórias, emocionantes ou assustadoras. Contou centenas delas, assim que Eugeo não sabia exatamente de qual Kirito estava se referindo. Então seu amigo de cabelos negros deu uma pequena limpada na garganta e colocando seu dedo indicador para cima falou:

“Gelo do Verão, nada mais que isso, certo? Bercouli e o Branco do Norte ou algo assim”

“Você só pode estar brincando né?”

Eugeo o interrompeu sem escutar o final enquanto movia sua cabeça e mão violentamente.

Bercouli, juntamente com os fundadores da vila de Rulid, era o espadachim mais forte que serviu como chefe da guarda da primeira geração.

Mas dado que ele viveu à trezentos anos, somente sobraram umas poucas histórias sobre suas valentes aventuras. E a que Kirito estava mencionando era justamente uma das mais bizarras que restaram.

Em um dos dias mais escaldantes do verão, Bercouli notou uma grande pedra branca flutuando no rio ao leste da vila.

Uma vez que ele o tocou, notou que era um grande pedaço de gelo.

Bercouli, ficou intrigado e então seguiu o curso rio acima. Não caminhou muito e chegou no final do mundo (a borda da cadeia montanhosa), e enquanto seguia o rio, acabou encontrando uma grande caverna.

Ele entrou na caverna devido a curiosidade do porque a brisa que soprava era tão gélida. Depois de uma sorte de perigos que enfrentou, chegou em um enorme ninho. E o que estava dentro dele era um dragão branco gigantesco, que segundo relatos, deveria proteger o Mundo Humano.

O dragão estava deitado sobre uma pilha de centenas de objetos, tesouros extraordinários. Eis que Bercouli percebeu que a criatura estava dormindo e não notara sua presença. Aproveitando-se desse fato verificou as peças que haviam ali. No meio de vários artefatos ele descobriu uma maravilhosa espada larga. Tentado com o brilho da estupenda arma, decidiu que a queria para si, sem importar como ou o que deveria fazer.

Determinado, conseguiu pegar o cabo da espada com o mais suave dos movimentos que conseguiu sem despertar seu guardião…

Esse foi o resumo da história. O título era “Bercouli e o Dragão Branco do Norte”.

Nem mesmo Kirito, com seu jeito travesso e péssimo hábito de fazer maluquices, estaria pensando em quebrar as regras da vila e ir além da passagem do norte para achar o tal dragão, não é? Enquanto rezava que fosse assim, Eugeo perguntou temeroso:

“Você está querendo dizer para esperar que o rio Rurh traga um bloco de gelo corrente abaixo…? Não é isso?”

“Humm, se esperarmos dessa forma, a única coisa que conseguiremos é que o verão acabe. Não quero ter que esperar e também não tenho intenção alguma de encontrar o tal dragão. Nessa história, o que me interessou foi a menção de blocos de gelo na entrada dessa caverna. Se conseguirmos chegar lá e pegar uns dois ou três pedaços, esses seriam o suficiente para abastecer a cesta e conservar nosso almoço. Que tal?”

“Você… Sério mesmo? Eu sabia…”

Eugeo ficou mudo por vários segundo, então virou para o lado, olhou Alice para ver se ela o ajudava a convencer Kirito de desistir desse plano maluco. Mas se deu conta que os olhos azuis dela também estavam brilhando… Com isso só teve que relaxar os ombros ‘mentalmente’ e se dar por vencido por hora.

Eugeo e Kirito eram tido como os números um e dois no ‘ranking’ de malcriações segundo os habitantes da vila. Eram constantemente repreendidos pelos mais velhos.

Porém só alguns poucos sabiam que muitas de suas travessuras eram secretamente motivadas ou ajudadas por trás das ‘cortinas’ por ninguém mais do que a estudante de honra número um da vila, Alice.

A garota estava com seu dedo indicador nos lábios enquanto se mantinha em silêncio por vários instantes e de repente piscou e disse:

“Com certeza isso não é uma má ideia.”

“Ah não! Você também Alice? …”

É certo que, as crianças estão terminantemente proibidas de ir mais além da passagem ao norte.

É como dizem as regras que nos fazem decorar desde sempre.

Sem a supervisão de um adulto, nenhuma criança deve chegar além da passagem norte

Eugeo e Kirito sem querer cruzaram olhares estupefatos.

As regras da vila, que estão no manual das “Normas dos Aldeões de Rulid” como seu nome formal já diz, servem para todos os habitantes do povoado.

Metade dela está escrita em papel e a outra metade em couro. Com seu grande volume era guardado na residência do chefe da vila. Era a primeira coisa que todas as crianças que iam a igreja tinha que memorizar.

Depois disso, estavam constantemente escutando esses dizeres de seus pais e avós que muitas vezes os faziam repetir. De fato era comum ouvir “nas regras..”, “de acordo com as regras…”. Então, mesmo com a pouca idade de onze anos, era normal saber disso sem pestanejar. Porém Alice conseguia ir além desses poucos dizeres, ela era capaz de lembrar tudo que estava escrito naquele livro enorme, palavra por palavra.

“... Impossível, será que ela também sabe das leis imperiais fundamentais, as quais são tranquilamente duas ou três vezes maiores e mais complexas? Não, é claro que é possível. Sua memória é incrível a ponto de ter memorizado tudo isso e muito mais.

Enquanto a mente de Eugeo se enchia desses pensamentos, Alice limpou a garganta e então continuou em tom assertivo como se falasse para uma turma de alunos.

“Não está correto? Tecnicamente não iremos a lugar algum que quebre as regras. Vamos apenas no limite do permitido buscar alguns pedaços de gelo e isso não tem nenhum efeito negativo.

Pois temos o intuito, não somente para nós e sim para todos os aldeões, de prolongar a VIDA do almoço. De maneira que todos sairão beneficiados. Tais como os trabalhadores do campo que ficam longe de suas residências não é? Assim, que isso pode muito bem encaixar na categoria trabalho.”

Depois do fluído discurso, Eugeo trocou olhares com Kirito. Mesmo que houvessem algumas dúvidas em seu semblante, elas foram completamente derretidas pela ideia de um enorme bloco de gelo flutuando em um rio em pleno verão.

“Sim, exatamente. Concordo plenamente.”

Dizia Kirito enquanto cruzava seus braços assentindo com uma expressão séria.

“E sendo trabalho, mesmo se acabássemos indo além da Borda da Serra Montanhosa, não estaríamos descumprindo as regras da vila. É o que o Sr. Barbossa está sempre dizendo não?

– O trabalho não é somente aquele que lhes ordenam, se está com tempo livre busque algum serviço para fazer.  

Caso fiquem irritados, é só repetir essas mesmas frase que provavelmente tudo ficará bem.”

Os Barbossas eram a família com maior poder aquisitivo da vila. Eram donos dos maiores campos de agricultura.

O atual chefe da família, Nigel Barbossa era um velho de 50 anos, todavia, estava em boa forma. E mesmo que sua família tenha cultivado mais do que qualquer outra da região, ele não estava satisfeito e cada vez que topava com Eugeo pelas ruas, sempre o cumprimentava em tom sarcástico.

“Ainda não conseguiu cortar aquele cedro malvado?”

Os rumores dizem que ele pediu ao chefe para ter prioridade em cultivar as terras onde está o Giga Cedro depois que este for derrubado. A resposta de Eugeo foi:

“Não se preocupe com isso. Antes da árvore cair você já terá dado adeus a esse mundo”, mas é obvio que ele respondia apenas mentalmente.

Ainda que a ideia de Kirito de usar as palavras de Nigel fosse tentadora a ponto de  ir mais além da passagem do norte, não era suficiente para que Eugeo deixe de encontrar um “mas” ou um “porém”.

“…Mas…, ir até a borda da serra montanhosa não é somente romper as regras da vila como também infringir “aquela coisa” não é? Ainda mais se por ventura acabarmos ultrapassando a base da montanha e entrarmos na caverna…”

Depois de escutar as palavras de Eugeo, Alice e Kirito se olharam com uma expressão séria.

“Aquela coisa” que se referia Eugeo, era a lei mais absoluta que governava todas as pessoas do vasto Mundo Humano, sua autoridade ultrapassava em muito a Lei Fundamental do Reino do Norte, para não falar dos Estandartes da Vila Rulid. Seu nome era conhecido como “Índice de Tabu”.

Foi publicado pela Igreja Axiom, a grande torre a qual parece alcançar os céus, localizada na cidade capital Centoria. O grande livro que havia sido feito de um puro material branco, proveniente não somente no império do norte em que viviam, como também em cada uma das aldeias e vilas de cada cidade dos impérios do leste, oeste e sul.

O Índice de Tabus, diferente das regras das vilas e leis do império, como seu nome demonstra, era uma lista de “coisas que não se devem fazer”.

Começou com uma extensa coleção de atos que deveriam ser proibidos como: traição das regras da igreja, assassinato, roubo entre outras coisas consideradas malefícios a sociedade. Entre elas o limite para a caça e pesca por ano, comidas que não se devem alimentar o gado e etc.

A quantidade de tabus excediam facilmente a casa dos mil. Para todas as crianças que iam para escola, além de aprender a ler, escrever e calcular, o mais importante era memorizar o Índice. Melhor dizendo, era contra as regras do Índice de Tabus não ensinar seu conteúdo para as crianças.

Apesar do Índice de Tabus e a igreja Axiom possuírem tamanha influência, parece que haviam terras onde sua autoridade não podia chegar. E essas terras ficavam exatamente mais além da Borda da Serra Montanhosa que rodeava o mundo. Era chamada Terra da Escuridão ou o Dark Territory  em linguagem sagrada.

Portanto, viajar até essa serra era algo proibido pelo Índice em primeiro lugar. Para Eugeo, não tinha sentido ir até a base da montanha e entrar na caverna.

Alice com certeza deve conseguir burlar as regras do Índice como sempre fez sem consequências, mas até pensar nisso já era um tabu.

Eugeo se pegou observando sua amiga enquanto pensava.

Seus grandes cílios iluminados pelos raios do sol da tarde, que se filtravam unicamente, assim pensava, para derramar seu explendor sobre ela. De forma a deixar seus longos cabelos brilhantes como fios de ouro. Alice se manteve quieta por alguns instantes. Depois falou olhando diretamente em seus olhos, com um ar de pura desobediência:

“Eugeo, Suas suposições sobre tais proibições são incorretas sabia?”

“O quê!?…Acho que estou muito certo isso sim. Você é que está inventando.”

“Não estou inventando nada. O que diz o Índice é exatamente isso:

Capítulo um, passagem três, paragrafo onze:

Ninguém poderá ir além da passagem da Serra Montanhosa do norte, a qual compreende o fim do Mundo Humano

Sem nenhuma palavra a mais ou a menos. ”

As palavras que brotavam suavemente com a doce a clara voz de Alice era como se fossem sinos da campainha da igreja. Eugeo não pode dizer nada frente a isso. De fato, sentiu que o que Alice disse, era de alguma forma correto. Como por encanto se pegou pensando.

…Mas, pelo menos não temos que ir realmente até a passagem do norte, somente teremos que seguir o trajeto do rio Ruhr que desemboca em dois lagos gêmeos. Não sei o que há depois disso e essa é a razão do porquê há tantos animais perigoso perto da água…

Imediatamente afastou esse pensamento de si. E começou tentar imaginar uma outra coisa para fazê-los desistir. Nesse momento Kirito lhe deu um tapa nas costas… com uma força que não reduziu sua vida, mas algo próximo a isso.

“Escute Eugeo! Se Alice, a mais estudiosa da vila, que está dizendo, então não temos porque duvidar não é? Muito bem, está decidido. No próximo dia de folga iremos buscar o dragão bran… hã… quero dizer…Vamos buscar a caverna de gelo!”

“E assim poderemos ter ingredientes melhores que durem muito mais tempo para o nosso almoço.”

Olhando as expressões empolgadas de seus amigos de infância, Eugeo suspirou em sua mente antes de dizer “-Sim” em voz baixa…

Notas:

Mel: Unidade de medida desse mundo.  1 mel = 1 metro.

Índice de Tabus: No original Taboo Index.

CONTINUA NA PRÓXIMA SEMANA…